sábado, 26 de dezembro de 2020

Síndrome Metabólica, sabe o que é?

 

O que é síndrome metabólica 

É um conjunto doenças, geralmente associadas à obesidade e com a resistência ao hormônio insulina  sempre por trás, que elevam consideravelmente o risco de uma pessoa ter um infarto ou um AVC, o acidente vascular cerebral.

Na realidade,  segundo a Organização Mundial da Saúde, a síndrome metabólica está relacionada a uma mortalidade geral duas vezes maior do que na população sem essa mesma condição e a um risco de morrer por doença cardiovascular especificamente  até três vezes maior.


Podemos dizer que uma pessoa tem síndrome metabólica quando ela apresenta pelo menos três dos cinco critérios abaixo:

  • Obesidade, em especial obesidade central, com maior acúmulo de gordura na região da barriga e uma circunferência abdominal superior a 88 centímetros, nas mulheres, ou a 102 centímetros, nos homens.
  • Hipertensão arterial
  • Diabetes ou diagnóstico de glicemia alterada, como quadros de pré-diabetes.
*  Triglicérides, acima de 150 miligramas por decilitro de sangue
Alterações nas taxas de colesterol

Taxas ideais de colesterol

Os valores ideais de colesterol agora dependem de cada um, de acordo com as últimas diretrizes da Sociedade Brasileira de Cardiologia. Eles variam conforme o risco individual de desenvolver um infarto ou um AVC — risco que deve ser estabelecido pelo médico. Por exemplo, em geral aqueles indivíduos com diabetes ou com obesidade têm maior probabilidade de sofrer um infarto e precisam alcançar níveis mais baixos de colesterol.

Colesterol total

Abaixo de 190 mg/dl

LDL, conhecido entre os leigos como o mau colesterol
Pessoas com risco muito alto: abaixo de 50 mg/dl
Pessoas com risco alto: abaixo de 70 mg/dl
Pessoas com risco intermediário: abaixo de 100 mg/dl
Pessoas com risco baixo: abaixo de 130 mg/dl
HDL, também chamado pela população leiga como bom colesterol
Desejável que esteja acima de 40mg/dl

O que é hipertensão

Afirmamos que alguém tem hipertensão quando a pressão arterial, dia após dia, é igual ou maior que 14 mmHg por 9 mmHg. E ela se eleva por vários motivos. O principal deles é que os vasos se encontram mais contraídos e o sangue, ao passar, acaba pressionando demais suas paredes, forçando. O problema é que essa pressão alta ataca não só os vasos, mas o coração, os rins e o cérebro, ameaçando a vida.


O que é diabetes

O diabetes é uma doença crônica, na qual o pâncreas simplesmente deixa de produzir insulina (tipo 1 da doença) ou esse hormônio, encarregado de fazer a glicose no sangue entrar nas células do corpo, não consegue atuar direito, mesmo quando é produzido em boa quantidade (diabetes tipo 2). Daí que a glicose sobrando na circulação fica em nível muito elevado, o que é tóxico. Se não houver controle por longos períodos, os orgãos sairão danificados, bem como os vasos sanguíneos e os nervos.


O que é obesidade

A obesidade é caracterizada pelo excesso de peso proveniente do acúmulo de gordura corporal, caracterizada por um índice de massa corporal ou IMC igual ou acima de 30 (calcule o seu). É fundamental esclarecer que se trata de uma doença crônica. E que ela sozinha, por sua vez, pode causar inúmeros outros males — de problemas cardiovasculares a diabetes, — , os quais os cientistas chamam de comorbidades. Essas complicações surgem por uma série de motivos. Entre eles, porque a gordura corporal excessiva provoca um estado inflamatório constante em todo o organismo.

Mas fique claro: ninguém tem obesidade por falta de força de vontade, muito menos por falha de caráter. Ela surge por uma série de fatores. O ambiente moderno é um deles, com a explosão do estresse, a diminuição nos níveis de atividade física e o aumento de ingestão calórica. Do uso de certos medicamentos ao fato de a mãe ter ganhado muito peso durante a gestação passando por distúrbios do sono, vários aspectos contam bastante para o ponteiro da balança subir. Por isso, também, o tratamento é sempre complexo e costuma envolver especialistas de diversas áreas.

Existem ainda mecanismos conhecidos por neuroendócrinos, como a produção de hormônios relacionados ao apetite e à saciedade. Sem contar uma série de genes que têm sua parcela de responsabilidade— tanto que nem todos acumulam gordura de igual maneira consumindo a mesmíssima dieta com muitas calorias.

Para enfrentar uma doença com tantos fatores, é fundamental que o paciente encontre alguém que realmente entenda da doença obesidade.


Fonte:Abeso

Nenhum comentário:

Postar um comentário