terça-feira, 3 de dezembro de 2019

Ferritina alta ou baixa? Quais as causas?

Tenho atendido muitos pacientes no meu consultório com ferritina baixa e outros com ela alta. Então resolvi colocar aqui suas possíveis causas para explicar melhor para meus pacientes.

Saiba o que significa Ferritina Alta ou Baixa

O que significa Ferritina Baixa

A ferritina baixa significa normalmente indica que os níveis de ferro estão baixos e, por isso, o fígado não produz a ferritina, já que não há ferro disponível para ser armazenado. As principais causas de ferritina baixa são:
  • Anemia ferropriva;
  • Hipotireoidismo;
  • Sangramento gastrointestinal;
  • Sangramento menstrual intenso;
  • Alimentação pobre em ferro e vitamina C;
Os sintomas de ferritina baixa, geralmente, incluem cansaço, fraqueza, palidez, falta de apetite, queda de cabelo, dores de cabeça e tonturas. Seu tratamento pode ser feito com a ingestão diária de ferro ou com dietas ricas em alimentos com vitamina C e ferro, como carne, feijão ou laranja. Conheça outros alimentos ricos em ferro.

O que significa Ferritina Alta

Os sintomas de ferritina alta podem indicar o acúmulo excessivo de ferro, porém, em alguns casos, também pode ser sintoma de inflamações ou infecções, estando associada a:
  • Anemia hemolítica;
  • Anemia megaloblástica;
  • Doença hepática alcoólica;
  • Linfoma de Hodgkin;
  • Infarto do miocárdio em homens;
  • Leucemia;
  • Hemocromatose;
Geralmente, os sintomas do excesso de ferritina são dor nas articulações, cansaço, falta de ar ou dor abdominal e o tratamento para ferritina alta depende da causa, mas normalmente também é complementado com a retirada de sangue para equilibrar os níveis de ferro e a adoção de dietas com poucos alimentos ricos em ferro ou vitamina C.

Sintomas de excesso de ferro

Os primeiros sinais e sintomas do excesso de ferro podem ser observados em homens entre 30 e 50 anos e em mulheres após a menopausa, já que na menstruação há perda de ferro, o que atrasa o aparecimento dos sintomas.
O excesso de ferro pode causar alguns sintomas pouco específicos e que podem confundidos com outras doenças como infecções ou alteração hormonal, por exemplo, como cansaço, fraqueza e dor abdominal, por exemplo. Outros sintomas que podem ser indicativos de excesso de ferro no sangue são:
  •  Cansaço;
  •  Fraqueza;
  •  Impotência;
  •  Dor abdominal;
  •  Perda de peso;
  •  Dor nas articulações;
  •  Queda de cabelo;
  •  Alterações nos ciclos menstruais;
  •  Arritmias;
  •  Inchaço;
  •  Atrofia testicular.
O excesso de ferro no sangue pode acontecer devido à anemia prolongada, transfusão de sangue constantes, alcoolismo, talassemia, uso excessivo de suplemento de ferro ou hemocromatose, que é uma doença genética que leva ao aumento da absorção de ferro no intestino, que pode levar a mudanças no tom da pele. Saiba tudo sobre a hemocromatose.

Complicações do excesso de ferro no sangue

O ferro que encontra-se em excesso no organismo pode acumular em vários órgãos, como coração, fígado e pâncreas, por exemplo, podendo resultar em algumas complicações, como por exemplo aumento de gordura no fígado, cirrose, palpitações cardíacas, diabetes e artrite, por exemplo.
Além disso, o acúmulo de ferro no organismo também pode acelerar o processo de envelhecimento devido ao acúmulo de radicais livres nas células. O fígado é o órgão mais afetado, resultando em disfunção hepática.
Por isso, caso haja o aparecimento de sintomas de excesso de ferro ou caso a pessoa tenha passo por períodos de anemia ou transfusão sanguínea, é importante que vá ao médico para que os níveis de ferro sejam avaliados e, assim, possam ser prevenidas complicações.

Como saber os níveis de ferro no sangue

Os níveis de ferro no sangue podem ser verificados por meio de exames de sangue, que além de informarem a quantidade de ferro circulante, também avalia a quantidade de ferritina, que é uma proteína responsável pelo estoque de ferro no organismo. Saiba mais sobre o exame da Ferritina.
Em casos de hemacromatose, histórico familiar de excesso de ferro no sangue ou alcoolismo, por exemplo, é importante realizar acompanhamento periódico dos níveis de ferro sangue e, assim, evitar complicações. Além disso, é importante que a pessoa esteja atenta aos sintomas de excesso de ferro, como fraqueza, dor abdominal ou perda de peso sem causa aparente para que se possa iniciar o tratamento caso haja necessidade.

Como tratar o excesso de ferro

O tratamento para diminuir a quantidade de ferro no sangue varia de acordo com os níveis desse mineral, sintomas e se há ou não complicações, podendo ser adotadas as seguintes estratégias:

1. Flebotomia

A flebotomia, também chamada de sangria terapêutica, consiste em retirar entre 450 e 500 ml de sangue do paciente, ajudando a reduzir também a quantidade de ferro no organismo.
O procedimento é simples e feito como se fosse uma doação de sangue e a quantidade de líquidos retirada é reposta na forma de soro fisiológico.

2. Alterações na dieta

Para ajudar no controle, deve-se evitar o consumo de alimentos ricos em ferro, como fígado, moela, carnes vermelhas, frutos do mar, feijão e vegetais verde escuros, como a couve e o espinafre. Saiba quais são os alimentos ricos em ferro que devem ser evitados.
Além disso, deve-se consumir alimentos que diminuem a absorção de ferro no organismo, como leite e derivados e chá preto. Uma boa estratégia é consumir um iogurte como sobremesa do almoço e do jantar, por exemplo.

3. Usar suplemento Quelante de ferro

Os quelantes são medicamentos que ligam ao ferro no organismo e impedem que esse nutriente se acumule e prejudique outros órgãos, como fígado, pâncreas e coração.
Os quelantes podem ser tomados na forma de comprimidos ou serem administrações através de uma agulha subcutânea durante cerca de 7 horas, liberando a medicação sob a pele enquanto a pessoa dorme.
Fonte: Tua Saúde

Nenhum comentário:

Postar um comentário