domingo, 29 de setembro de 2019

Dicas para diminuir o consumo de doces!

Se você tem paladar doce e sente a necessidade de adoçar tudo, do cafezinho à salada de frutas, saiba que pode, com um pouco de disciplina e dedicação, acabar de vez com o vício que prejudica não somente o emagrecimento, como também a saúde.


Como diminuir a vontade de comer doce
Quanto mais você estimular o paladar doce, mais doce você vai querer, afirma a nutricionista . A profissional ensina 4 passos para adotar hoje mesmo e finalmente se livrar do paladar viciado em doce:
1. Comece agregando um sabor diferenciado a seus pratos com a inclusão de vegetais amargos, azedos e com sabores mais intensos. A nutricionista indica opções como: rúcula, agrião, jiló, acelga, chicória, endívia, rabanete, alho-poró, cebolinha, coentro, entre outros.
2. Consuma chás e café sem adoçar. A mudança de hábito, no início, pode ser complicada, mas a especialista orienta a ir aos poucos: a cada 3 dias reduza a quantidade de açúcar e adoçante.
3. Outra medida que ajuda a acabar com o paladar viciado em doce é consumir mais frutas ácidas e azedas, como maracujá, morango, kiwi, abacaxi, frutas vermelhas, entre outras. Você pode, inclusive, começar o dia bebendo água com limão.
4. Por fim, a nutricionista indica a inclusão no cardápio de especiarias anti-inflamatórias, como canela, alecrim, cúrcuma, pimenta rosa/preta e gengibre, por exemplo. Da mesma forma que fomos acostumados ao sabor doce desde pequenos, também podemos mudar e adaptar nosso paladar para alimentos mais ácidos, azedos e amargo, diz a profissional.
Fonte: MSN


sexta-feira, 27 de setembro de 2019

Lançamento do Canal Nuttry Educa! Para estudantes e profissionais de Saúde e Nutrição

Olá Pessoal,

Mais um projeto meu que estou colocando em prática!
EU, Patrícia Mendes, junto com mais duas Nutricionistas, Mayra Santos ( São Paulo) e Evandra Dal Prá ( Paraná), juntas estamos lançando um Canal no You Tube " Nuttry Educa " e uma página no Instagran: NuttryEduca3, para falar sobre dicas, orientações, material didático desenvolvido para estudantes ou profissionais da área de saúde ou Nutrição.

Vamos lançar vídeos quinzenais , com temas variados de áreas diversas da profissão.
Espero que gostem, curtam, divulguem e se inscrevam no Canal e nos sigam no Instagran!


Link: https:// Nuttryeduca, patricia mendes, mayra santos, evandra dal prá, nutrição, estudantes, saúde, atualização, cursos de nutrição

Alimentos bons e ruins para a ansiedade!

De acordo com a profissional, quem sofre de ansiedade pode experimentar alívio dos sintomas ao incluir no cardápio opções como:

Frutas: alimentos ricos em antioxidantes como frutas vermelhas e cítricas ajudam a proteger células cerebrais, contribuindo para o bom funcionamento do sistema nervoso central. A vitamina C, também presente nesses alimentos, diminui a secreção de cortisol, hormônio liberado em situações que geram estresse e ansiedade.
Cereais integrais: por apresentarem carboidratos complexos, alimentos como arroz, aveia e trigo ajudam a manter o nível de açúcar no sangue equilibrado, fator responsável pela sensação de calma prolongada.
Proteínas vegetais: ervilha, soja, lentilha e feijão são alguns exemplos de proteínas vegetais que atuam na regulação de serotonina, conhecido como hormônio da felicidade, por promover a sensação de relaxamento e bem-estar.

Alimentos que intensificam a ansiedade

Mas como determinados alimentos ajudam a tratar a ansiedade, outros podem piorar a condição. Saiba quais são os tipos de comidas que devem ser evitadas por quem sofre com a condição:
Açúcar: quando comemos alimentos ricos em açúcar, a insulina sobre e logo temos energia. Este pico, no entanto, também cai muito rápido, agravando a ansiedade e o cansaço.
Cafeína: em excesso, a substância presente em café, refrigerante e alguns tipos de chá desregula nosso relógio biológico e aumenta o cortisol (hormônio do estresse), aumentando o nervosismo e a ansiedade.
Sódio: bastante comum em grandes quantidades em produtos industrializados e temperos prontos, o elemento aumenta adrenalina, que também leva a mais ansiedade, estresse e agitação.
Álcool: inicialmente, você pode até sentir certo relaxamento ao consumir alguma bebida alcoólica, mas o efeito é momentâneo. O álcool, na verdade, atrapalha a produção de serotonina, neurotransmissor do prazer, calma e bem-estar. Além disso, desidrata o organismo e aumenta crise de ansiedade.B-D-S Piotr Marcinski/ShutterstockGordura trans: presentes em produtos industrializados comuns, como margarina, bolachas recheadas, entre outros, elas podem, quando consumidas em excesso, piorar sintomas de ansiedade e até mesmo depressão.Fonte: MSNLink: https:// frutas vermelhas e cítricas, cortisol, bem estar, ansiedade,felicidade, crises de ansiedade,depressão

domingo, 22 de setembro de 2019

Alimentos ricos em Vitamina D

Além dos alimentos, a principal fonte desta vitamina é a sua produção na pele a partir da exposição aos raios solares.
A Vitamina D favorece a absorção do cálcio no intestino, sendo importante para fortalecer os ossos e os dentes, além de evitar diversas doenças como raquitismo, osteoporose, cancro, problemas cardíacos, diabetes e hipertensão.


Quantidade de vitamina D nos alimentos
Os alimentos ricos em vitamina D são especialmente de origem animal. A lista que se segue revela a quantidade desta vitamina por cada 100 gramas de alimento.
- Arenque fresco: 23,57 mcg;
- Salmão: 12,5 mcg;
- Ostras cruas: 8 mcg;
- Sardinhas de conserva: 6,8 mcg;
- Leite: 2 mcg;
- Fígado de galinha: 1,31 mcg;
- Ovo cozido: 1,3 mcg;
- Fígado de bovino assado: 0,4 mcg;
Apesar de terem vitamina D na sua composição, normalmente não é possível obter a quantidade necessária desta vitamina apenas a partir dos alimentos, sendo necessária a exposição ao sol (pelo menos durante 15 minutos por dia) ou a toma de  suplementos. 

Um adulto saudável deve consumir, em média, 15 mcg por dia de Vitamina D, enquanto os idosos necessitam de 20 mcg/dia.
Vitamina D para vegetarianos
A vitamina D só está presente em alimentos de origem animal, não sendo possível encontrá-la em fontes vegetais como frutas, verduras e grãos como arroz, trigo, aveia e quinoa. Desta forma, os vegans (que não consomem ovos, leite e derivados) necessitam de obter a sua dose de vitamina D expondo-se aos raios solares ou por meio de suplementação prescrita pelo médico ou por um nutricionista. 
Fonte: Lifestyle

sábado, 21 de setembro de 2019

Receitas com Biomassa de Banana Verde

A biomassa de banana verde, uma massa feita com bananas verdes cozidas, previne diabetes, melhora o trânsito intestinal e ainda ajuda na perda de peso. É muito utilizada para dar a famosa liga em algumas receitas e ainda é uma opção para substituir ingredientes extremamente calóricos ou industrializados.
Mousse de Chocolate
Slide 1 de 12:  Ingredientes

2 colheres (sopa) de leite
2 colheres (sopa) de biomassa de banana verde amolecida
3 unidades de clara de ovo
2 colheres (chá) de adoçante xylitol ou outro adoçante
1/2 xícara (chá) de chocolate amargo 70% cacau picado zero açúcar

Modo de preparo

Misture o leite com a biomassa aquecida até que vire um creme. Bata as claras em neve, em ponto bem firme com o adoçante. Derreta o chocolate no microondas e junte o creme ao chocolate até que fique homogêneo. Incorpore às claras em neve, com cuidado. Coloque em uma tigela e leve à geladeira por no mínimo 2 horas.
Ingredientes
2 colheres (sopa) de leite
2 colheres (sopa) de biomassa de banana verde amolecida
3 unidades de clara de ovo
2 colheres (chá) de adoçante xylitol ou outro adoçante
1/2 xícara (chá) de chocolate amargo 70% cacau picado zero açúcar
Modo de preparo
Misture o leite com a biomassa aquecida até que vire um creme. Bata as claras em neve, em ponto bem firme com o adoçante. Derreta o chocolate no microondas e junte o creme ao chocolate até que fique homogêneo. Incorpore às claras em neve, com cuidado. Coloque em uma tigela e leve à geladeira por no mínimo 2 horas.

segunda-feira, 16 de setembro de 2019

Sinais pouco falados de problemas no coração

Aperto, pressão e dor no peito não são os únicos sintomas que indicam algum problema cardíaco. O corpo pode dar diversos sinais – alguns bem pouco falados – de que há algo errado com a saúde do coração. Confira alguns que merecem atenção, segundo informações da Universidade Johns Hopkins Medicine:

Sinais pouco falados de problemas no coração

Inchaço e náusea: os sintomas podem preceder as dores no peito e ainda incluir vômito. É importante não ignorar os sinais e procurar um médico o quanto antes.
pes inchados inchaco 0719 1400x800
Fadiga: o sinal, que também pode vir acompanhado de falta de ar, nem sempre indica um simples esgotamento. Quando o coração não funciona corretamente, pode resultar em menos sangue para pulmões e músculos, provocando o desconforto, especialmente diante de esforços físicos, como subir escadas ou realizar uma caminhada.

Dor no maxilar e no pescoço: os desconfortos podem ter origem no coração, mas irradiam para as regiões do pescoço e da face.

Apneia do sonoo colapso temporário de uma via aérea interrompe a respiração durante o sono também tem sido associado à pressão alta e a um risco maior de ataque cardíaco.

ronco apneia respiracao 0217 1400x800
Disfunção erétil: a dificuldade para manter a ereção do pênis pode ser sinal precoce do dano arterial das doenças cardíacas.

Fonte: VIX

Síndrome metabólica é uma bomba relógio para saúde do coração: 6 sintomas

síndrome metabólica é caracterizada por um conjunto de alterações no organismo relacionadas ao desenvolvimento de doenças cardíacas. Entre os fatores estão: excesso de gordura abdominal, aumento do colesterol, elevação da pressão arterial e altos níveis de açúcar no sangue.
Considerada uma verdadeira bomba relógio para a saúde do coração, a síndrome metabólica é favorecida pelo estilo de vida de grande parte da população na atualidade, marcada por:
  • Estresse
  • Sono irregular
  • Sedentarismo
  • Acúmulo de gordura abdominal,
  • Alimentação inadequada (com excesso de gorduras saturadas e carboidratos simples)

Sintomas e sinais de síndrome metabólica

Avilika/shutterstock

O cardiologista Ênio Panetti Usiglio, membro da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBD), explica que a desordem muitas vezes não apresenta sintomas claros, mas pacientes que têm circunferência abdominal elevada, cansaço excessivo e histórico familiar de diabetes e pressão alta devem procurar um médico para avaliação.
Na avaliação clínica, de acordo com o profissional, considera-se que o paciente possui a síndrome metabólica se ele apresentar ao menos três dos sintomas abaixo:

  • Obesidade central ou periférica denominada pelo Índice de Massa Corporal (IMC) ou pelo tamanho da circunferência abdominal (nos homens até 102 cm e, nas mulheres, até 88 cm)
  • Fatores genéticos ligados a casos de diabetes ou pressão alta na família
  • Síndrome do ovário policísticos
  • Índice glicêmico em jejum oscilando entre 100 e 125
  • Valores baixos de HDL (colesterol bom) e elevados de LDL (mau colesterol)
  • Níveis aumentados de triglicérides
  • Prestar atenção aos sintomas e realizar exames regularmente é de extrema importância para evitar complicações de saúde. De acordo com o cardiologista, quanto antes o paciente descobre que sofre de síndrome metabólica, maiores são suas chances de prevenir e combater problemas acarretados pelo transtorno, como doenças cardiovasculares, diabetes, acidente vascular cerebral, entre outros.
  • Fonte: VIX
  • LInk: https://cardiologista, colesterol, coração,diabetes,acidente vascular cerebral,síndrome metabólica,gordura abdominal,estresse, sedentarismo,pressão alta

sexta-feira, 13 de setembro de 2019

Dicas motivadoras para ajudar na perda de peso!




1- Aceite e respeite o seu corpo
Não seja tão crítico em relação ao seu corpo. Não faça julgamentos nem comentários depreciativos ou negativos sobre ele. Aprecie as partes do seu corpo que mais gosta em vez de ressaltar aquilo que mais te incomoda.
Perceba-o como algo indispensável que te permite realizar tantas atividades no dia-a-dia: locomover-se, trabalhar, divertir-se, exercitar-se, conversar, etc. Essa é minha primeira dica para quem busca motivação para emagrecer.
2 – Tire o foco do peso
O excesso de peso pode estar associada com problemas de saúde e não há nenhum mal em querer emagrecer, desde que de forma saudável, sem dietas milagrosas nem restritivas.
É importante perceber o emagrecimento como uma consequência de mudanças de comportamento e não como o foco do seu processo. A saúde não depende de um determinado peso ideal, mas de um conjunto de comportamentos saudáveis. Também é preciso lembrar que existem pessoas saudáveis de todos os tamanhos e corpos.
3 – Tenha paciência nos processos
Buscar uma vida saudável e estar em paz com a comida é mais interessante do que buscar como perder peso rápido. Geralmente essa perda está muito ligada a uma dieta impossível de ser seguida a longo prazo. Portanto, o melhor é fazer mudanças progressivas e entender que leva um certo tempo até percebermos os resultados das nossas mudanças em nossa saúde.
4 – Trace metas realistas
Definir metas pode ajudar nas
mudanças de comportamento. E consequentemente, no impulso de motivação para emagrecer. Com a ajuda de um profissional de saúde, você pode definir objetivos e determinar alguns passos para atingi-los. Dessa forma você se concentra em mudanças graduais e não em metas irrealistas e imediatistas, como “perder 10kg em 1 semana”.
5 – Reconheça o positivo
Foque naquilo que conseguiu mudar e não se desanime com as metas que não foram atingidas ainda. Isso é essencial para não perder a motivação no emagrecimento.
Mudar é um processo gradativo e dinâmico, somos seres humanos e não máquinas, que repetem tudo do mesmo jeito.
No processo de mudança encontramos diversos obstáculos que não devem ser desanimadores, mas considerados para a compreensão das nossas dificuldades.
Dica final sobre motivação para emagrecer
Sempre que o assunto é saúde devemos contar com um acompanhamento mais próximo e profissional, busque um na sua cidade e siga no caminho do equilíbrio da alimentação e saúde.

Vejam outros artigos no meu blog:
www.nuttrisaude.com.br e no Instagran:patriciamendes5897

Fonte: Shopie Deran

Receita Vegetariana de Macarrão de Abobrinha com cenoura!

Ingredientes 

  • 2 abobrinhas italianas
  • 2 cenouras
  • 4 colheres (sopa) de azeite
  • 2 dentes de alho amassados
  • Sal a gosto
  • Tomate-cereja e folhas de manjericão para decorar Molho
  • 1/2 xícara (chá) de queijo gorgonzola picado
  • 1 xícara (chá) de creme de leite light
  • Sal e noz-moscada ralada a gosto 
  • Molho
  • 1 colher (sopa) de azeite
  • 1/2 xícara (chá) de queijo gorgonzola picado
  • 1 xícara (chá) de creme de leite light
  • Sal e noz-moscada ralada a gosto

Modo de preparo

 Corte fatias finas da abobrinha e da cenoura. De cada fatia, com a ponta da faca, trace outras tiras bem finas, parecidas com espaguetes.
Em uma panela grande, aqueça o azeite, em fogo médio, e refogue o alho por 3 minutos. Junte os legumes em tiras e refogue até amaciar, sem quebrar. Tempere com sal e reserve.
Para o molho, em uma panela, em fogo médio, junte o azeite, o queijo gorgonzola e mexa até derreter. Adicione o creme de leite, tempere com sal e noz-moscada.
Arrume os legumes em tiras cozidos em uma travessa e cubra-os com o molho. Decore com tomate cereja, folhas de manjericão e sirva em seguida.
 Rendimento: 4 porções

Fonte: Guia da Cozinha
LInk: https:// abobrinha, cenoura, receita vegetariana, macarrão de abobrinha

terça-feira, 10 de setembro de 2019

Como aumentar o consumo de água diariamente?

Durante o último Congresso Europeu de Obesidade, o ECO 2019, ficou claro que um dos desafios dos profissionais que tratam as doenças do metabolismo é fazer com que as pessoas tomem mais água.

Em um estudo conduzido pela Danone Research foi avaliado o consumo de  líquidos por pessoas de todas as idades em 13 países, incluindo o Brasil. De acordo com os resultados, os brasileiros tomam cerca de 1,8 litro de líquidos por dia em média, ou seja, 200 mililitros — algo como um copo — a menos do que os 2 litros que geralmente são recomendados para um adulto ao longo desse período.
Na realidade, atenção: a indicação precisa seria de 35 mililitros de reposição por quilo de peso. Então,  feitas as contas, uma pessoa de 70 quilos deveria beber 2,4 litros todo santo dia.
O pior é que só 42% do que o brasileiro bebe, segundo essa pesquisa, é agua pura. O resto é suco, chá, refrigerante, café — enfim, bebidas que costumam ser doces e às quais, muitas vezes, os consumidores ainda adicionam mais e mais açúcar. 
Tomar água pura é fundamental para favorecer um sem-número de reações importantes para o organismo que ajudam, inclusive, a manter a glicemia sob controle, a aproveitar os nutrientes e a quebrar a gordura estocada no corpo,  algo que foi muito discutido no congresso europeu. Ali, as conclusões do painel sobre hidratação no evento trazem dicas valiosas.
* O ideal é criar o hábito de beber água sem esperar a sede chegarIsso porque a  sede é um sinal tardio. Quando ela aparece, o corpo já está menos abastecido de líquido do que deveria, isto é, já está no início do processo de desidratação. 

 O certo é tomar um copo de água a cada hora ou hora e meia, fracionando o consumo e mantendo a hidratação constante. O corpo humano precisa estar sempre com líquido em quantidade suficiente para suas reações. Não adianta o indivíduo tomar 1/2 litro de água de manhã, que logo será eliminada como urina, e não beber nada à tarde.

Usar  um app. Muitos trabalhos sobre hidratação apontam que o uso de aplicativos que fazem soar o alarme do celular de tempos em tempos, lembrando o horário de tomar mais água, são bastante úteis. Portanto, quem ainda não tem o hábito de se hidratar sempre deveria instalar um desses apps em seu smatphone.

 *  Deixar uma garrafinha de água por perto, sobre a mesa de trabalho ou de estudo, facilita muito. Sem ter muita consciência, muitas pessoas vão protelando a ideia de se levantar para ir até o filtro  quando estão tremendamente ocupadas.

*  Tomar um copo de água ao sentir fome entre as refeições. Explica-se: no cérebro, a área que percebe o aumento do apetite é a mesma que interpreta o sinal da sede. E, muitas vezes, cria uma confusão entre as duas sensações. É possível que aquilo que alguém ache ser fome seja simplesmente vontade de dar uns goles de água.

Fonte: ABESO
LInk: https://água, adulto, peso, hidratação, sede

Obesidade na infância dificulta tarefas simples do dia a dia mais tarde

Um estudo publicado no International Journal of Epidemiology sugere o seguinte: quem engordou nos primeiros anos de infância e continuou com obesidade pela vida adulta afora, ao chegar à meia-idade tem o dobro de probabilidade de ter dificuldade para carregar sacolas de compras, subir um ou dois lances de escadas, levar uma criança pequena no colo, enfim, para uma série de tarefas bem simples do dia a dia. Os cientistas da University College London (UCL), na Inglaterra, chegaram a essa conclusão quando compararam esses indivíduos com quem sempre esteve no peso adequado e também com pessoas que só desenvolveram obesidade quando já estavam perto dos 50 anos. “A obesidade, sem dúvida, é sempre uma condição grave, mas a obesidade de longa duração é até pior”, observa a epidemiologista Nina Rogers, líder do estudo, para o site da Abeso.

Obesidade na infância dificulta tarefas simples do dia a dia mais tarde

Ela conta que foram analisados dados de 8.674 participantes do National Child Development Study, o estudo de coorte britânico que acompanhou toda essa gente desde o nascimento, em 1958, até entrar na quinta década de vida. “A obesidade na vida adulta, não importa em que idade ela apareça, sempre está associada a um risco maior de dificuldade física funcional aos 50 anos”, avisa a professora da UCL. “Uma jovem de 23 anos e 1,62 metro de altura que até então estava com IMC 25 ou normal, se ganhar 8 quilos aumentará o risco de manifestar dificuldades físicas funcionais aos 50 anos em 34% ” exemplifica. No entanto, seria bem pior se essa moça tivesse obesidade desde a infância Aí, esse risco saltaria para 78%.
Para a cientista, esse é um achado preocupante e nos mostra o seu raciocínio: “De um lado, vemos que a obesidade infantil está aumentando no mundo inteiro e sabemos que é bem provável que uma criança acima do peso continue com quilos além da conta na fase adulta. Portanto, cada vez mais estaremos diante de pessoas que terão uma longa convivência com a obesidade e que, por causa disso, apresentarão uma série de limitações na meia-idade. É como imaginar um futuro em que a sociedade irá emperrar, sem conseguir realizar movimentos simples e necessários para a execução das mais diversas tarefas do dia a dia”, disse.
Para saber o grau da dificuldade para se movimentar, a cientista e seus colegas examinaram questionários enviados aos participantes quando já tinham mais de 50 anos. As perguntas investigavam o quanto eles se sentiam confortáveis e aptos para executar ações bem triviais — ensaboar as costas durante o banho, vestir-se ou calçar sapatos, ficar de joelhos e, na sequência, levantar-se, carregar sacolas de compras durante um passeio ao shopping, pegar um objeto que caiu no chão e assim por diante. Para ter ideia, 10% dos respondentes, praticamente a totalidade dos que já tinham obesidade antes dos 10 anos de idade, foram classificados como portadores de graves problemas de funcionalidade física. "Esse é um cenário que merece toda a atenção porque, afinal, a expectativa é de que as pessoas vivam mais e, no entanto, elas já estão travando muito antes do esperado. Como será quando realmente forem idosas?”, foi a pergunta que Nina Rogers deixou no ar.
Fonte: ABESO