quarta-feira, 31 de julho de 2019

O que é o Coaching de Emagrecimento?


O coaching de emagrecimento é uma metodologia que tem, como objetivo, ajudar qualquer pessoa a emagrecer, utilizando técnicas que permitem identificar e modificar padrões autossabotadores na relação com a comida.

Ficou confuso?
Calma, já vamos explicar mais detalhadamente.
O processo de coach, em qualquer área, irá ajudar uma pessoa a explorar seu pleno potencial, para que possa atingir suas principais metas na vida profissional e pessoal.
Emagrecer, claro, pode ser uma dessas metas.
É aí que entra o coaching de emagrecimento.
Seu foco é ajudar o coachee no processo de perda de peso não através de uma simples dieta, e sim a partir de uma mudança de diretriz mental.
Afinal, o descontrole com a comida é um comportamento autodestrutivo.
Por isso, para que a pessoa consiga retomar o controle, ter paz na relação com a comida – e, consequentemente, chegar ao seu peso ideal – , ela terá primeiro que identificar o que está por trás desse padrão autossabotador.
O coach é quem irá trilhar com o coachee esse caminho de descobertas.
Esse processo ajudará o indivíduo a descobrir os fatores emocionais que o fazem descontar frustrações, ansiedades e medos na comida.
É esse conhecimento que libertará a pessoa e permitirá que ela comece a agir de forma diferente.
Não se trata de uma transição simples.
É preciso encarar as feridas.
Principalmente porque, como você descobrirá a seguir, emagrecer não é uma simples questão de fazer dieta.

Diferenças entre Nutricionista e O Coach de Emagrecimento


As pessoas querem se alimentar bem, ter uma vida mais leve, manter a boa forma e desenvolver uma relação feliz com a comida.
Então, por que as dietas fracassam?
Porque, na hora de emagrecer, não basta simplesmente procurar um nutricionista.
Claro que ele poderá analisar suas necessidades biológicas de nutrientes e, a partir daí, indicar refeições mais saudáveis que irão contribuir para manter um gasto calórico balanceado e, assim, facilitar a perda de peso.
Só que o nutricionista não poderá garantir que você siga à risca o cardápio que ele passou.
A ação parte de você.
O coaching de emagrecimento ajudará a tomar as atitudes necessárias para manter uma alimentação mais equilibrada e resistir às tentações recheadas de açúcares e gorduras trans que estão por todo o lugar.
O coach fornecerá ao coachee um acompanhamento e as ferramentas necessárias para modificar os padrões que influem na sua relação conturbada com a comida.
É por isso que o coaching de emagrecimento faz a dieta funcionar. E se o Coach for nutricionista, os resultados serão muito melhores!

Vantagens de um Coach de Emagrecimento Sobre o Nutricionista

É importante que você entenda que o coaching de emagrecimento não anula a importância de um nutricionista.
Mas, especialmente no que se refere ao fator emocional, ele é mais eficiente do que uma consulta esporádica com qualquer profissional de nutrição.
Principalmente porque o coaching poderá dar o enfoque nas raízes que estão por trás de um comportamento problemático em relação à comida.
A prova do poder do coach nesse segmento é que os próprios nutricionistas e médicos bem esclarecidos defendem o acompanhamento psicológico e a utilização das ferramentas de coaching no processo de emagrecimento.
Em outras palavras, defendem que o ser humano deve ser tratado a partir de uma perspectiva holística.
“A forma como lidamos com nossas emoções pode impactar em nossas relações, em nosso dia a dia e, até mesmo, em nossa saúde”, compartilha o médico.
“Há uma razão pela qual falamos sobre ‘carregar o peso do mundo nos nossos ombros’. Nossas vidas cada vez mais estressantes causam dor física”.
No caso de um comportamento alimentar compulsivo, de acordo com o especialista, se faz ainda mais necessário identificar quais são os gatilhos que levam a esse comportamento.
Também é preciso identificar os gatilhos – ou seja, em quais circunstâncias você é levado a praticar determinada atitude.
Dar nome ao sentimentos, reconhecer que precisa de ajuda, será o início para reverter a situação e recomeçar uma nova história”, escreve o médico.
Portanto, ressignificar a relação com a comida com foco no emagrecimento é uma tarefa que não depende exclusivamente do nutricionista – por mais capacitado que ele seja.
Simplesmente porque é necessário acessar algo mais profundo no seu subconsciente para que o impacto nas suas atitudes realmente ocorra.
Com isso em mente, abaixo você poderá entender melhor as quatro principais vantagens do coach de emagrecimento.

1. Suporte no processo

Disto você pode ter certeza: no processo de emagrecimento, sempre haverá dias difíceis.

Aliás, sejamos sinceros. A maioria dos dias serão difíceis.
Você terá que lutar contra o desejo de lidar com as emoções através da comida e, nos fins de semana, evitar aquelas beliscadas no chocolate enquanto assiste a um filme.
Ele vai ajudar a manter sua motivação em alta, oferecer suporte nos momentos de fraqueza.
Estará presente em todo o processo, para garantir que você não desista e persista mesmo diante das dificuldades.

2. Auxílio no planejamento da rotina

O processo de emagrecimento exige organização.
Muito provavelmente, você terá que aprender a gerenciar sua rotina de uma forma mais estruturada, de acordo com o seu objetivo.
Talvez até preparar sua própria comida e deixar marmitas prontas, conforme a orientação do nutricionista.
O coach irá ajudar você a se organizar, na mentalidade e na prática, para conquistar seu objetivo.

3. Controle do estado emocional

O coach oferece uma série de ferramentas para que o coachee lide melhor com suas emoções.
Assim, ele poderá retomar o controle de suas ações e, naturalmente, de sua própria vida.
O processo do coaching de emagrecimento proporcionará ao indivíduo o comprometimento necessário para que ele direcione seus comportamentos no dia a dia com foco no objetivo do emagrecimento.

4. Ênfase na mudança comportamental

Agora você já sabe que a relação com a comida, muitas vezes, está ligada a fatores emocionais.
Mas como administrar e lidar com as emoções para que a válvula de escape não seja a comida?
Nesse ponto, o coach de emagrecimento atua como um aliado poderoso.
Ele auxilia no processo de recuperação de autoestima e autoconfiança, por meio de crenças fortalecedoras, que vão permitir desenvolver hábitos mais saudáveis e produtivos.

Como Aliar o Nutricionista e o Coach de Emagrecimento

 Ambos os trabalhos estão sincronizados, as chances de êxito no objetivo do emagrecimento são multiplicadas.
O nutricionista poderá indicar um cardápio saudável baseado na rotina, nas necessidades biológicas e individuais do paciente.
Não é à toa que os profissionais mais atualizados do mercado sugerem um trabalho conjunto ou o Coach pode ser também nutricionista, o que é melhor ainda. Dois em um!
Uma intervenção nutricional e, simultaneamente, focada na saúde mental do indivíduo.
“Por exemplo: colocar uma pessoa ansiosa e com compulsão sob uma alimentação que exija que ela olhe no relógio o tempo todo para saber quando é a hora de comer é um tiro no pé”, afirma.
A especialista esclarece que, no caso de um paciente ansioso ou compulsivo, o papel de um bom nutricionista será evitar dietas muito restritivas, que tendem a agravar o quadro.
Por isso, contar com um bom nutricionista e coach de emagrecimento é o primeiro passo rumo à transformação definitiva na relação com a comida.

Principais Propostas de Um Processo de Coaching para Emagrecimento

Se você chegou até aqui, provavelmente já está com uma ideia mais clara sobre como funciona o coaching com enfoque no emagrecimento.
Mas talvez a pergunta agora seja: de que formas, na prática, o coach irá auxiliar o coachee no processo de emagrecimento?
Quais serão as principais ferramentas utilizadas?
Bem, a verdade é que isso pode variar de coach para coach.
Entre as principais, destacam-se:
  • Exercícios de visualização, para que o paciente se enxergue e se perceba no corpo que almeja atingir.
  • Perguntas estratégicas, voltadas ao autoconhecimento: quais são as situações ou os sentimentos que lhe fazem perder o controle diante da comida?
  • Exercícios práticos diante da própria comida, como atividades de mindfulness que estimulam o “comer consciente”, devagar, sem distrações..
“A responsabilidade é a condição essencial para êxito no emagrecimento”.
“Parece simples, mas pude constatar com base na observação dos sentimentos e atitudes de quem está acima do peso o quanto a pessoa se sente vítima, como se o universo conspirasse para o ganho de peso”.
 Se sentir responsável é um passo importante nessa luta contra o peso.
Neste ponto do artigo, você deve estar bastante animado com os resultados que o coaching propicia.
E também curioso para saber qual seria o investimento para receber essa mentoria ou até fazer um curso na área.


terça-feira, 30 de julho de 2019

Pão Low Carb simples e fácil!

INGREDIENTES:
  • 1 ovo
  • 2 colheres de sopa de creme de ricota ou requeijão (pode ser light)
  • 1 colher de sobremesa de fermento em pó
  • sal a gosto
pao low carb

COMO FAZER PÃO LOW CARB NA CHAPA:

  1. Primeiro de tudo, em um bowl coloque 1 ovo inteiro e bata com o garfo.
  2. Então junte 2 colheres de sopa de creme de ricota com 1 colher de sobremesa de fermento em pó. Tempere com uma pitada de sal a gosto. Misture com o garfo até obter uma mistura homogênea.
  3. Logo depois pincele um pirex com um fio de azeite ou manteiga. Untar tem o objetivo de facilitar o desenforme.
  4. Então  verta a mistura e leve ao micro ondas em potência alta por 2 a 3 minutos dependendo da potência do seu aparelho.
  5. A mistura cresce no micro ondas, parece que vai transbordar, mas não. Está tudo certo, logo ela abaixa.
  6. Com o pãozinho já  pronto, é hora de leva-lo a chapa ou frigideira.
  7. Finalmente, em uma frigideira coloque uma colher de chá de manteiga.
  8. Espere a manteiga começar a derreter e em seguida coloque o pão low carb na chapa.
  9. Então deixe 2 minutos de cada lado e sirva a seguir com creme de ricota.  Nessa hora também dá para rechear com queijo e presunto e fazer um misto low carb delicioso!
  10. Bom Apetite e bom Café da manha sem culpa!
  11. Fonte:
  12. Monte e Encanta

Alimentos que causam gases!

De volta de férias!
Agora volto a postar mais artigos interessantes para vocês!

Muitas pessoas sofrem com problemas de gases frequentes.
Alguns alimentos provocam este mal estar, mas um tipo que causa muito isto é o consumo em excesso de carboidratos, principalmente doces!

Vejam os outros alimentos:


Feijões e tubérculos

Entram nessa categoria a batata-doce e rabanete, por exemplo. São alimentos muito bons para a saúde e que, por isso, não devem ser evitados, mas sim consumidos em menor quantidade por serem ricos em fibras e aminoácidos com grande poder de fermentação.

Vegetais

Seriam eles: brócolis, couve-flor, repolho, couve de bruxelas, cebola, cogumelos, alcachofras e aspargos. Da mesma forma que os feijões e tubérculos, alguns vegetais são muito ricos em fibras e aminoácidos e consumidos em grande quantidade causam muita fermentação. O ideal é consumir uma quantidade equilibrada, sem cortar da dieta.

Frutas e sucos

Entram na lista: pera, maçã, pêssegos. Por carregarem uma dose super concentrada de açúcar, elas também aumentam a ação bactérias que naturalmente vivem no cólon. São elas as responsáveis pelo trabalho de fermentação do açúcar e da fibra que não foi digerida no intestino delgado, ação que acaba produzindo gases.
Toda vez que você optar por lanchar frutas doces, como as desidratadas, certifique-se de consumir quantidade de água extra para manter os intestinos em movimento e ajudar a eliminar o inchaço.

Grãos integrais

Todos os alimento provenientes dos açúcares e outros subprodutos da fermentação, como a cerveja e o pão, podem favorecer a produção de gases. Quando se consome alimentos muito açucarados, as bactérias da flora intestinal tendem a produzir muitos gases como resultado da fermentação do açúcar.

Refrigerantes

A principal razão do consumo de refrigerante provocar gases está no fato dele conter uma grande quantidade de gás carbônico em sua composição. Assim, quando ingerimos a bebida, o organismo imediatamente inicia um trabalho para tentar eliminar esse composto químico. A frutose presente nos refrigerantes também favorece a formação de gases – pois quando digerida pelas bactérias do intestino forma-se uma grande quantidade de gás.

Leite e derivados

A reação de sensibilidade ocorre quando o seu corpo sente dificuldade para digerir a lactose, o açúcar encontrado na maioria dos produtos à base de leite. Os sintomas da intolerância à lactose, por exemplo, incluem diarreia, cólicas e flatulência, mas nem todas as pessoas têm quadros tão agudos. Se você costuma apresentar sensação de abdômen inchado até duas horas após a ingestão de laticínios, a intolerância à lactose pode ser a causa.

Produtos à base de polióis (maltitol, sorbitol, xilitol)

Alguns substitutos do açúcar, como sorbitol, manitol, o xilitol ou lacitol, são fermentados pelas bactérias no intestino. Esse álcool causa muitos gases no estômago e, consequentemente, inchaço.
Ainda é possível que seu organismo esteja inchado e produzindo muitos gases pelo alto consumo de fibras e a pouca ingestão de água. O ideal é que seja consumido o mínimo de dois litros de água por dia, principalmente quando sentir desconforto abdominal. Isto porque a água ativa os movimentos peristálticos, ajudando na liberação dos gases.
Além da alimentação, o inchaço e os gases podem ser causados por outros fatores conforme o organismo e a saúde da pessoa. Portanto o ideal é que haja uma consulta com profissionais caso sinta que algo está fora da normalidade.
Fonte: MSN

quarta-feira, 17 de julho de 2019

Por que temos mais fome no inverno ?

Você já reparou que sente mais fome no inverno? Nessa temporada eu reparo uma movimentação de pacientes que costumam ganhar uns quilinhos extras por sentirem mais vontade de comer do que em outras estações do ano.
Para você que tem esta mesma dúvida, hoje vou explicar o que acontece com nosso metabolismo e também dar algumas dicas.

Mas afinal, por que sentimos tanta fome no inverno?

Durante os dias que estão mais frios, o nosso corpo precisa se manter aquecido para garantir que o organismo trabalhe normalmente. E para que isso aconteça – e nos deixar quentinhas –, o corpo acaba gastando mais energia. Resumindo: nós aumentamos nossas necessidades energéticas e isso nos leva a sentir mais fome também.
A maior vontade de comer acontece porque, para produzir calor, nosso corpo esgota mais rápido as reserva de energias (músculo e fígado).
Dica: alguns alimentos possuem efeito térmico maior quando comparados a outros alimentos, como gengibre, pimenta vermelha, chá verde.

E porque ganhamos quilos extras já que gastamos mais energia?

Simples: nós buscamos alimentos calóricos e gordurosos. Eles, por sua vez, demoram mais para serem digeridos e geram uma quantidade maior de calor.
Também quando o inverno chega, acabamos deixando isso interferir na nossa prática dos nossos exercícios.
Pensando nisso, separei algumas dicas:
• Quando optar por bebidas para se esquentar, busque sempre por chás;
• Alimentos quentes como sopas são uma ótima opção, porém sem adicionar queijos ou creme de leite;
• Consumir legumes e verduras cozidos também fora das sopas;
• SEMPRE se manter hidratada;
• Para acompanhar o lanche, uma boa opção é aproveitar bebidas à base de colágeno. Por serem ricas em proteínas, elas prolongam a sensação de saciedade, podendo contribuir para o controle do peso;
• Evite ficar longos períodos sem se alimentar, pois essa prática aumenta a percepção de fome;
• Evite comer alimentos gordurosos em excessos, sempre mantendo uma alimentação balanceada
• Mesmo no frio, NÃO deixe de praticar exercícios físicos regularmente.
Espero ter ajudado vocês. 
Fonte: WomenHealth

segunda-feira, 15 de julho de 2019

Caldo Verde Detox

Receita de caldo verde detox e 'low carb'
Além de ser fácil de fazer e levar poucos ingredientes, esta deliciosa sopa dura três dias na geladeira ou até três meses no congelador, armazenada em porções individuais.
Ingredientes
300 g de mandioca picada;
500 ml de chá verde preparado;
1 litro de água;
½ col sopa rasa de sal.
Como preparar o chá verde
Em um recipiente, ferva 500 ml de água por seis minutos. Adicione uma colher de sopa com a mistura da erva. Após diluir, coe e reserve.
Preparação
Cozinhe a mandioca e depois misture em um processador ou liquidificador com o chá verde até formar a mistura homogênea do caldo.
Se preferir pode incrementar a receita com couve manteiga picada.
Bom apetite!
Fonte: MSN

Ansiedade - como tratar


Quando um indivíduo está experimentando um ataque de ansiedade, ele começa a sentir que sua frequência cardíaca aumenta, ao mesmo tempo que ocorre uma opressão no peito que o impede de respirar normalmente.
Estes sentimentos são acompanhados por medo extremo, que se manifesta através da transpiração ou arrepios que podem levar a náuseas e até desmaios.
Reconhecer as situações em seu ambiente que podem causar os ataques de ansiedade ajuda a evitar a ocorrência de um episódio e permite que a pessoa esteja preparada para enfrentar uma crise.
MatiasDelCarmine/shutterstock

O que fazer em caso de ataque de ansiedade?


É importante reconhecer se o ataque é causado por uma ansiedade adaptativa (estado de ansiedade temporária, causada por uma situação estressante) ou se vem de uma ansiedade patológica, em que os sintomas são reconhecidos pela resposta excessiva ou irracional da pessoa ao seu ambiente.
Uma vez que a pessoa é capaz de identificar o tipo de ataque, ele pode tomar medicação prescrita se for uma ansiedade diagnosticada como patológica, mas se o episódio for de um tipo adaptativo, o seguinte pode ser feito:

1. Respiração

Primeiro tente reduzir o ritmo cardíaco, mantendo uma respiração profunda e calma. Com isso, o sistema nervoso pode neutralizar os níveis de estresse que seu corpo está experimentando.

2. Concentração

Concentre-se em algo diferente daquela situação que estimulou sua reação, ou seja, procure uma distração.

3. Diga não aos estimulantes

Evite tomar bebidas como café, refrigerante ou qualquer outro estimulante, uma vez que substâncias como a cafeína podem alterar ainda mais o seu sistema nervoso.

4. Conheça a si mesmo

Estude seu corpo e suas reações durante o dia para identificar o que produz os ataques. Com maior conhecimento de si mesmo, você pode evitar esses estímulos ou aprender a lidar com eles de uma maneira melhor.

5. Meditação

Realize sessões de meditações no início e no final do dia para melhorar o controle da respiração e da mente.
Fonte: MSN


sábado, 13 de julho de 2019

Sopa Emagrecedora de legumes


Ingredientes
1 Berinjela
3 cenouras
2 xícaras de vagem picada
2 tomates picados
1 repolho grande
1 nabo
1 cebola picada
2 maços de cheiro verde 
1 maço de aipo ou salsão
1 dente de alho
4 jilós
2 pimentões
Pouco sal e pimenta do reino
 
Modo de preparo 
Higienizar os legumes, cortá-los em pedaços pequenos ou médios, colocar em uma panela grande e cobrir com água. Tempere, e leve a panela a fogo alto e, quando começar a ferver, abaixe o fogo. Deixe cozinhar é até que os legumes fiquem bem macios. Quando a sopa já estiver pronta, desligue o fogo, deixe esfriar e, se quiser, leve-a a geladeira dispondo-a em vários potes. Não é necessário batê-la no liquidificador.
 
Fonte: revista da Mulher


Compulsão alimentar e Fome emocional

Por que engordamos ou emagrecemos exageradamente? O que está por trás da forma como nos alimentamos? Você já parou para refletir sobre como é a sua relação com a comida? Já ouviu falar sobre fome emocional?

Claro que existem predisposições genéticas que não podem ser ignoradas, como distúrbios hormonais e  outras doenças que nos levam a ganhar ou perder peso de forma considerável. Por isso, é importante que toda pessoa que esteja passando por problemas relacionados ao peso procure orientação médica e siga  o tratamento indicado.
Mas, ao lado das evidências fisiológicas, também é importante lembrarmos que em grande parte das vezes  as nossas emoções podem reger o funcionamento do nosso organismo e o nosso comportamento alimentar. Fatores emocionais e psicológicos  podem comandar o formato dos nossos corpos.

Entenda  o que é obesidade sob a ótica da metafísica da saúde

A gordura funciona como um tipo de proteção. É uma camada que, de certa forma, envolve ” o corpo e “amortece” simbolicamente as agressões externas. O indivíduo sente que precisa se proteger, eventualmente porque viveu episódios que o machucaram.
Um trauma instalado no subconsciente, ou mesmo um evento recente com o qual não soube lidar direito, pode fazer com que, inconscientemente, a pessoa tenha que providenciar um “campo de força” para impedir, bloquear ou amortecer as dores que a vida impõe.
Outro motivo que leva ao ganho de peso , pode estar relacionado a uma profunda sensação de vazio da alma. Solidão, carência, , sentir- se pouco importante ou insignificante, leva à busca pelo alimento físico, já que o alimento emocional “está em falta”.
Comer em excesso é uma forma de preencher diversas  lacunas afetivas abertas durante a vida.
Em ambos os casos citados como exemplo,  entendemos que o aumento de peso está intimamente ligado às fragilidades  e às dificuldades em lidar com os eventos da vida. , Na fase adulta, isso pode revelar certa imaturidade emocional e um despreparo nos cuidados nas relações afetivas, que podem englobar  aspectos sociais, familiares ou profissionais.
Comer é prazeroso e é também um subterfúgio que ameniza as frustrações. Mastigar, por exemplo, pode ser uma forma para  aliviar tensões e atenuar o desconforto por não conseguir lidar com a realidade incômoda.
Ao mastigar alimentos duros como amendoim, castanhas ou outros que precisam ser “quebrados” com os dentes, como balas duras, é uma forma de extravasar a raiva represada na musculatura da mandíbula.

Como a fome emocional é desenvolvida?

Muitas mães com dificuldades de doar seu amor, usam a comida para alimentar afetivamente seus filhos, daí crianças( e até bebês) se tornarem obesos. A crença de que a comida supre o afeto vai acompanhar essas pessoas ao longo da vida.
A pessoa obesa precisa se  ver no mundo e engordar é uma maneira simbólica de atingir  esse objetivo. Assim, ela passa a ocupar seu lugar “à força”, de maneira física,   já que não encontrou (ainda) meios para se fazer notar apenas por ela ser quem é.
Da mesma forma que a camada de gordura “protege”  das agressões externas, ela também faz com que o indivíduo tenha dificuldade para expressar o que sente e, embora sejam pessoas afetuosas, em grande parte dos casos, são também carentes.
Não necessariamente a pessoa que passa por um episódio de estresse emocional vai desenvolver obesidade, mas é comum que ganhe peso porque o alimento é uma fonte de prazer e está “à mão”. Comer alimentos calóricos fornece ilusoriamente a saciedade emocional ou afetiva que ela não  encontra nos eventos de sua vida.
A comida passa a ser a companheira fiel que vai amortecer os desconfortos e distanciar a pessoa dos verdadeiros motivos de sua tristeza, oculta por trás de excesso de atividades, do esforço para ser sempre simpático e querido ou evitando confrontos que possam lembrá-los de sua turbulência interna.

O que é compulsão alimentar?

Toda compulsão é fruto de um grande desconforto emocional e psicológico. Sentir-se descontroladamente compelido a apelar para determinado tipo de comportamento,   é uma forma de nublar as dores da vida e não entrar em contato com as agressões que tocaram nossas emoções. É o caminho mais destrutivo que se escolhe, de forma inconsciente, para fugir do necessário encontro consigo mesmo.
A compulsão tira o foco do que idealmente deveria estar sendo observado e compreendido para que,  com um trabalho multidisciplinar, a pessoa possa ter a posse sobre si mesma.
O primeiro passo é reconhecer  qual é o “objeto de consumo”, sejam drogas (álcool e todas as outras), jogos, sexo, compras, celular, redes sociais ou a comida. O compulsivo acorda e dorme esperando pelo momento de satisfazer o que já se tornou um vício.

Tipos de compulsão alimentar

Bulimia

No caso da compulsão alimentar, a bulimia é sua mais dramática expressão. É caracterizada por episódios incontroláveis de ingestão  de uma grande quantidade de comida e, sentindo-se culpada e inadequada, não desejando engordar e temendo ser “descoberta”, a pessoa força o vômito.  para, Mais tarde, o episódio se repete: a pessoa volta a comer e a vomitar e, outras vezes, pode recorrer também aos laxantes, mas não abandonada comida.

Anorexia

A anorexia ou anorexia nervosa está intimamente ligada à obsessão em perder peso. O anoréxico, ao contrário do bulímico, não quer comer. Tem uma visão distorcida a respeito do próprio corpo e acredita  que sempre está acima do peso. Mesmo que a balança ou o espelho digam o contrário.
Por conta do transtorno,  acabam se submetendo a rotinas extenuantes de exercícios físicos e à prática de jejum, comprometendo gravemente a saúde.
Apesar de serem doenças diferentes, ambas se caracterizam por distúrbios do apetite,  e não raro, o anoréxico já flertou com a obesidade em algum momento da vida.
Ambos os transtornos precisam de intervenção médica e psiquiátrica, já que depressão ou ansiedade podem ser as causas ou consequências dos distúrbios.
Paralelamente, é fundamental que um acompanhamento terapêutico seja também procurado e a utilização de ferramentas de apoio como florais, aromaterapia e acupuntura  sejam utilizadas por profissionais especializados na área.
A essência floral mais gentil e adequada para casos em que compulsões, sejam elas alimentares ou não, é a Agrimony. Como descreve Mechthild Scheffer em “Terapia Floral do Dr. Bach”:
“As pessoas que necessitam de Agrimony estão interiormente perturbadas por ansiedades e medos (…), não querem perceber, nem  mostrar o que vai por baixo da superfície. (….) Existe um estado crônico de guerra entre os dois níveis. (…)”. A utilização dessa essência ajudará a pessoa a ganhar “força interior e estabilidade suficiente para enfrentar melhor os problemas de todos os dias. As experiências negativas já não precisam ser suprimidas, mas podem ser integradas na consciência.”
Realmente, a consciência de nosso estado emocional é a chave que abre os caminhos para buscar ajuda no combate aos transtornos alimentares. Cada um tem sua história particular, os motivos que desembocam nas dificuldades em se relacionar de forma saudável com o alimento são diferentes para cada indivíduo.
Uma ação multidisciplinar que  envolve médicos, psicoterapeutas, nutricionistas e outras terapias de apoio, é fundamental para resgatar o equilíbrio, tanto da saúde física como da saúde emocional.
Fonte:MSN
Link: http://saúde,depressão ou ansiedade,compulsão alimentar, ganho de peso,transtornos alimentares,anorexia, bulimia, fome emocional

terça-feira, 9 de julho de 2019

Saiba quais alimentos podem ser congelados


Alimentos congelados

Aqui vão algumas dicas de alimentos que você pode congelar.


Ovos
É possível congelar os ovos, no entanto, estes têm de estar fora da casca. Pode congelá-los individualmente ou pode deixá-los batidos antes de ir para o freezer. Também pode separar as gemas das claras, se preferir.
Farinha
Ao congelar a farinha, você poderá prolongar o seu prazo de validade. Mas certifique-se de armazená-la em um recipiente que fique bem tampado.
Queijo
Os queijos semiduros e também alguns duros são ótimos para congelar. Você pode cortá-los em cubinhos ou depois de triturá-lo. Cuidado com alguns queijos macios (como o brie), uma vez que estes não são adequados para serem congelados.
Polpa de tomate
Quantas vezes você acabou por usar apenas uma colher e o resto acabou por ir para o lixo? A solução é congelar a polpa de tomate em porções de colheres de sopa.
Molho pesto
Raramente utilizamos todo o recipiente quando compramos o molho pesto já pronto. A boa notícia é que você pode evitar o desperdício e congelá-lo.
Abacate
Quer desfrutar de um guacamole e não tem abacates frescos em casa? Pode usar os que estão no freezer. No entanto, os abacates descongelados não são muito agradáveis para saladas.
Húmus
Ter húmus guardado no congelador pode ser muito prático na hora que quiser usá-lo para um snack rápido e delicioso.
Sopa
Congele a sopa em embalagens apropriadas. É importante calcular o tamanho das porções, uma vez que ao descongelá-la terá de tomá-la.
Massa
Cozinhar uma grande quantidade de massa e congelar em porções pode lhe ajudar no momento em que tiver de preparar rapidamente uma refeição.
Arroz
O mesmo acontece com o arroz. Você pode cozinhar uma volumosa quantidade de arroz e guardar em porções no freezer.
Espiga de milho
Você pode guardar a espiga de milho diretamente no congelador, ou cozinhá-la primeiro antes de colocar lá.
Cebola picada
É um ótimo truque para cozinheiros amadores. Ao ter sempre cebola picada no congelador, irá poupar tempo sempre que precisar de cortar uma cebola para preparar alguma iguaria.
Purê de batata
Precisa de acompanhamento para as suas sobras? Descongele o purê de batata
Massa crua de pão
Gosta de pão saindo do forno? É possível ter sempre um fresco colocando-o para assar com a massa pronta que você deixou congelada.
Panquecas e waffles
Você não precisará acordar uma hora mais cedo só para fazer panquecas. Faça a massa em grande quantidade com antecedência e congele em porções.
Pão
O pão fresco pode ser congelado, aumentando assim a sua longevidade. Não se esqueça de cortá-lo em fatias antes de congelar.
Frutos secos
Outra dica é congelar os frutos secos para evitar que se estraguem. Coloque-os num saco com fecho para que durem mais tempo no freezer.
Sanduíches e wraps
Sanduíches, wraps, burritos e afins podem também ser congelados. Desta forma, pode comer esses lanches ao longo da semana.
Ervas picadas
Ter ervas picadas sempre prontas pode ser de uma grande ajuda. Você pode misturá-las com azeite e congelá-las em cubinhos naquelas bandejas de gelo. É super prático na hora de cozinhar.

Gengibre
Corte e descasque o gengibre e coloque-o em sacos para congelamento. Durará muito tempo e poderá ralá-lo facilmente.
Alho
É ótimo ter alho no congelador, principalmente quando já está picado. Você vai poupar tempo!
Espinafre
Vegetais como os espinafres e os brocólis devem ser cozidos antes de serem congela
dos.

Patrícia Brigagão Mendes
Nutricionista

Link: http://alimentos congelados