quinta-feira, 8 de fevereiro de 2018

Dieta Keto, uma febre fora do Brasil!

Todo início de ano é assim: em janeiro, a empresa de comunicação U.S. News & World Report divulga a listar as Melhores Dietasque traz as tendências para os próximos 12 meses – e a Keto (cetôgenica, em português) saiu na frente. Já é uma das mais faladas (senão a mais) nos sites americanos de notícias e, quase sempre, associada a celebridades como a socialite Kourtney Kardashian.

O curioso: o cardápio não é novo. Foi criado na década de 20 para tratar doenças como diabetes e, por isso, permite no máximo 5% de carboidrato, quando não elimina totalmente esse nutriente. O objetivo: regular a insulina, hormônio liberado quando há a ingestão de massa, pão ou mesmo fruta e, que, em excesso, estimula o corpo a acumular gordura.
Mas o principal motivo do resgate da Keto é provocar uma mudança expressiva no metabolismo. ““Com a falta de carboidrato, o corpo encontra outra maneira de gerar energia. O fígado utiliza os depósitos de gordura como forma de sustentação energética – processo chamado de cetose””, explica a nutricionista Juliana Pizzocolo, de São Paulo. Mais uma vantagem: sem tanta glicose circulando no sangue, você sente menos fome (se mantém distante dos doces, sem sofrer!).
Outras cetogênicas
Além da quantidade irrisória de carbo, a Keto sugere uma proporção bem maior de gordura (até 75%) que as dietas Atkins, Dukan e Whole 30 e outras cetogênicas e menor de proteína (no máximo 40%). A Paleolítica é a que mais se aproxima da Keto – ela também sugere um consumo mais substancioso de gordura de boa qualidade, mas não restringe tanto o carboidrato.
Para acelerar a perda de peso, o cardápio Paleo até pode suspender o carbo (até mesmo vindo das raízes como a batata-doce) por alguns dias. Já no da Keto, que prega um estado de cetose constante,  são 5% de carbo do começo ao fim. Por isso nem pense em seguir a dieta sozinha.
Os menus sem nada de massa, tubérculos e grãos devem ser prescritos e acompanhados por um nutricionista, nutrólogo ou endocrinologista. Mesmo assim, não tem como você escapar dos efeitos colaterais desagradáveis, especialmente nas primeiras semanas: mau hálito, intestino preso e dor de cabeça e fraqueza – só para citar alguns. A sugestão de BOA FORMA: aproveite as receitas Keto que prometem viralizar nas redes sociais. Mas complemente as refeições com carbo vindos das verduras e dos legumes – com 25% desse nutriente por dia, seu organismo também entra em estado de cetose e é mais seguro!
As gorduras permitidas
Os especialistas adeptos da Keto privilegiam a gordura de boa qualidade (poli e monoinsaturada) e doses moderadas da saturada (presente em óleos, lácteos integrais e carnes gordas). Já a trans (encontrada em biscoito recheado, sorvete e bolo pronto) fica de fora. A nutricionista Isabella Correia, do Rio de Janeiro, recomenda ainda evitar os embutidos – quase sempre ricos em sódio, corantes e conservantes.
Alimentos liberados
Carne, peixe e ovo
Carne bovina, cordeiro, frango (coxa e sobrecoxa), marisco, camarão, salmão, truta, sardinha e ovo.
Gordura e óleo
Ghee (manteiga clarificada), manteiga, azeite extravirgem e óleo de coco.
Nozes e sementes
Amêndoa, amendoim, noz, coco e sementes de chia, linhaça, abóbora e girassol.
Ervas e temperos
Sal (pouco!), ervas e especiarias (pimenta, alho, gengibre, canela, cardamomo, tomilho, orégano e sálvia).
Fonte:MSN

Mirtilo- uma fruta que faz muito bem para a saúde!

O mirtilo ou blueberry é uma fruta capaz de melhorar os níveis de colesterol, açúcar no sangue, inflamação e muito mais!


mirtilo, fruta cujo nome científico é Vaccinium myrtillus L., é uma das fontes naturais mais ricas de antocianinas. Esses componentes são os responsáveis pela cor azul do mirtilo, o que confere alta quantidade de antioxidantes à fruta. Acredita-se que as antocianinas sejam os principais bioativos responsáveis ??pelos benefícios do mirtilo para a saúde. Embora seja mais conhecido por melhorar a visão, tem havido relatos de que o mirtilo ajuda a abaixar o nível de açúcar no sangue, tem efeitos anti-inflamatórios, ajuda a controlar o colesterol ruim e reduz o estresse oxidativo. Portanto, o mirtilo é uma ótima opção para o tratamentos alternativos e prevenção de condições associadas à inflamação, problemas com o colesterol, excesso de açúcar no sangue, aumento do estresse oxidativo, doenças cardiovasculares (DCV), câncer, diabetes, demência, entre outras doenças relacionadas à idade. Há também relatos de que o mirtilo possui atividade antimicrobiana. Isso tudo de acordo com um estudo publicado pela plataforma National Center for Biotechnology Information.

Mirtilo

mirtilo nasce em arbustos de baixo crescimento, originários do norte da Europa, mas atualmente pode ser encontrado em partes da América do Norte e da Ásia. Conhecido também como mirtilos ou blueberry (em inglês), o mirtilo costuma crescer em florestas de coníferas úmidas, e seu desenvolvimento é favorecido por solos moderadamente úmidos. O mirtilo é uma fruta pequena (5-9 mm de diâmetro), de cor preta azulada, com muitas sementes e pode ser consumido com segurança quando usado adequadamente. O consumo diário indicado varia de 20 a 60 gramas por dia de frutos secos e de 160 a 480 miligramas de extrato em pó.

Propriedades

Efeitos antioxidantes

As antocianinas presentes no mirtilo conferem ao fruto poderosas propriedades antioxidantes. Entretanto, embora as antocianinas sejam potentes antioxidantes em estudo feitos in vitro (e o mirtilo fresco é uma fonte rica de antocianinas) não se pode presumir que todos os produtos comerciais de mirtilo contêm quantidades significativas de antocianinas ou que as antocianinas absorvidas agem diretamente como antioxidantes in vivo

Efeitos contra o câncer

Estudos feitos in vitro demonstraram que as antocianinas do mirtiloprevinem o câncer por meio da atividade antioxidante, que pode ajudar a proteger o DNA contra danos oxidativos. No entanto, os estudos observaram que as doses utilizadas para estudos in vitrosão muito superiores aos valores que podem ser alcançados no interior das células por meio da ingestão normal.

Efeitos cardio-protetivos

Estudos realizados com mirtilo mostraram que o consumo da fruta tem potencial de melhorar os níveis colesterol ruim. Além disso, foram observados efeitos potencialmente antitrombóticos e anti-hipertensivos, que se caracterizam como efeitos cardioprotetores.

Efeitos anti-inflamatórios

A inflamação é um mecanismo de proteção, mas a inflamação crônica aumenta o estresse oxidativo e está associada a muitas doenças relacionadas à idade, incluindo doenças cardiovasculares e câncer. Muitos estudos sugerem que as antocianinas, os compostos fenólicos predominantes encontrados no mirtilo, têm efeitos anti-inflamatórios. Um estudo mostrou diminuição dos níveis inflamatórios de 31 indivíduos que tomaram 330 mL/dia de suco de mirtilo por 4 semanas.

Efeitos hipoglicêmicos

Devidos à sua capacidade hipoglicêmica (capacidade de reduzir o nível açúcar no sangue), o mirtilo é utilizado para reduzir os sintomas da diabetes. Em uma pesquisa feita com 685 italianos, o mirtilo ficou em quarto lugar na lista de remédios herbais recomendados para a melhoria do controle glicêmico, o que significa que a fruta contribui para prevenção e controle da diabetes tipo 2, que é uma doença associada ao aumento do estresse oxidativo, inflamação, dislipidemia (distúrbio nos níveis de lipídios e/ou lipoproteínas no sangue), doenças cardiovasculares, câncer e perda de visão por catarata e retinopatia (doença na retina).

Efeitos oculares

mirtilo é bastante conhecido por tratar distúrbios oculares. Estudos mostram que a fruta proporciona efeitos benéficos para condições oculares como a catarata, a retinopatia, a degeneração macular (perda de visão no centro do campo visual, devido a danos na retina) e visão noturna. 
A perda de visão relacionada à idade, principalmente devido à catarata senil e à degeneração macular, afeta a qualidade de vida de praticamente todas as pessoas idosas. A retinopatia diabética é altamente prevalente naqueles que tiveram diabetes por 10 ou mais anos e é uma das principais causas de cegueira nos países desenvolvidos. Há evidências suficientes de estudos realizados com animais e pequenos ensaios em humanos que garantem que o mirtilo pode ajudar a resolver problemas clínicos relacionados à idade avançada e perda de visão relacionada ao diabetes.

Efeitos neuroprotetivos

O fenômeno das doenças degenerativas relacionadas à idade que conduzem ao declínio cognitivo é muito comum. O acidente vascular cerebral, desencadeado principalmente por hipertensão ou trombose, é uma das principais causas de morte e incapacidades. Os efeitos vasodilatadores e anti-inflamatórios do mirtilo podem ter efeitos significativos em relação à preservação da cognição e função neuromotora, pois diminui o risco de acidente vascular cerebral hemorrágico e trombótico.