terça-feira, 29 de maio de 2018

Maca Peruana ajuda a perder peso e oferece outros benefícios para a saúde!

Tubérculo originário da Cordilheira dos Andes, a maca peruana é uma planta cujo formato se assemelha a um rabanete. Ela ficou famosa quando alguns de seus benefícios ganharam destaque, como o poder de elevar a libido e de ajudar no emagrecimento.

Com o objetivo de prevenir doenças, auxiliar em tratamentos e até ajudar a perder peso, a maca peruana se tornou a nova queridinha de quem busca uma alimentação equilibrada. Fonte de vitaminas, minerais, proteínas, fibras e mais uma incansável lista de outros nutrientes, não demorou para que ela começasse a chamar a atenção do público brasileiro. Conheça mais benefícios da maca peruana:

Aumento da libido

Um dos grandes destaques da maca é seu efeito na libido. Um estudo conduzido por um pesquisador da Universidad Peruana Cayetano Heredia, no Peru, observou os efeitos da maca em homens com idades entre 24 e 44 anos durante quatro meses. Os resultados mostraram aumento da quantidade de sêmen, na contagem de espermatozoides e na motilidade espermática.
Outras pesquisas destacaram ainda que a ingestão do tubérculo aumentava o desejo sexual e reduzia os níveis de estresse ansiedade do indivíduo. Acredita-se que o alimento tenha ação sobre o hipotálamo e as glândulas suprarrenais, o que lhe conferiria tais efeitos estimulantes.

Ajuda no emagrecimento

Muitas pessoas consideram carboidratos os grandes vilões do emagrecimento, mas isso não passa de mito. Quem deseja perder peso de forma saudável deve se preocupar com as calorias ingeridas e seguir um plano que contemple dieta e exercícios.
Assim, embora mais da metade da composição da maca peruana seja de carboidratos (59%), ela pode ajudar quem deseja emagrecer por ser rica em fibras, que aumentam a saciedade, reduzindo o apetite.
Entretanto, apenas o consumo do alimento sem qualquer mudança de hábito ou acompanhamento não apresentará mudanças significativas. Junto com um plano alimentar, por outro lado, ganha-se um grande aliado.

Combate o diabetes

A maca peruana pode prevenir o desenvolvimento do diabetes de duas maneiras: ela diminui a velocidade da absorção de glicose pelo corpo graças ao alto teor de fibras e também inibe a ação de uma enzima que atua no processo de digestão. Isso evita a liberação de grandes quantidades de insulina de uma só vez, o que poderia levar à resistência celular à substância, favorecendo o diabetes.

Protege o coração

A maca peruana contém ômega 3, que protege a saúde cardiovascular graças a seu efeito vasodilatador e regulador do colesterol. O ômega 9 nela presente também atua sobre o colesterol, diminuindo o nível total e do colesterol ruim (LDL) e aumentando as taxas do bom colesterol (HDL). Para completar, aminoácidos da maca peruana estão envolvidos no controle de gorduras no sangue e da hipertensão.

Auxilia no tratamento da anemia

Em 100 g de maca peruana é possível obter 16.6 mg de ferro, nutriente que em baixas concentrações no organismo pode levar à anemia ferropriva. A necessidade diária do nutriente varia de 11mg a 8mg para homens e de 15mg a 18mg para mulheres, conforme a idade. O ferro é um nutriente fundamental para a síntese de células vermelhas do sangue e para o transporte de oxigênio. Para aumentar a biodisponibilidade do nutriente no organismo, lembre-se de consumi-lo com alguma fonte de vitamina C para ajudar na absorção.

Fortalece o sistema imunológico

A maca peruana também é conhecida por funcionar como um revigorante para o organismo. Ela é conhecida como uma planta adaptógena, que como o próprio nome sugere, auxilia na adaptação à condições adversas do ambiente, aumentando a força e a resistência muscular.

Previne a osteoporose

A osteoporose é uma grande preocupação principalmente do público feminino após a menopausa, quando os níveis de estrógeno, hormônio que protege os ossos, diminuem no organismo. Neste caso, a indicação do uso da maca peruana pode funcionar como uma medida de prevenção da doença, já que 100 g oferecem 150 mg de cálcio
Para se ter uma ideia do que isso significa, vale lembrar que 100 g de leite oferecem cerca de 100 mg do mineral. A prática regular de exercícios e a exposição solar saudável também são recomendadas para evitar a osteoporose.

Ameniza os efeitos da menopausa

A maca alivia os sintomas comuns da menopausa, como ondas de calor, sem os efeitos colaterais de tratamentos químico-hormonais disponíveis no mercado. A atuação do alimento sobre os níveis hormonais é, até o momento, a melhor hipótese para explicar a relação. Diminuição da fadiga, elevação na libido e barreira contra a desidratação da pele são algumas das características observadas com o consumo do alimento.

Informação Nutricional da Maca Peruana (porção de 100 gramas)

Calorias325 kcal16%
Carboidratos71,4g24%
Proteínas14,3g29%
Gorduras totais3,6g5%
Gorduras saturadas--
Gorduras monoinsaturadas--
Gorduras poliinsaturadas--
Fibra alimentar7,1g29%
Cálcio250mg25%
Ferro14,8mg82%
Potássio2000mg57%
Cobre6mg300%
Vitamina C285mg475%
Vitamina B61,1mg57%
Referência: Self Nutrition Data

Como consumir

Ela pode ser encontrada em farmácias e laboratórios de manipulação, mas é um nutricionista, nutrólogo ou outro profissional que irá definir a dose a ser consumida por cada pessoa. A maca peruana costuma ser consumida em pó ou em cápsulas.
A dose recomendada é de 400 a 1000 mg/dia, na forma de cápsulas ou pó. O importante no caso de qualquer fitoterápico é verificar a origem, pureza e concentração do produto, portanto, verificar se a maca que vai consumir é de procedência segura.
Fonte: MInha Vida

Referências

Israel Adolfo, especialista em fisiologia pela Unifesp
www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/12472620
Roberto Navarro, nutrólogo e membro da Associação Brasileira de Nutrologia
Roseli Rossi, nutricionista clínica funcional
Wilmar Accursio, endocrinologista e nutrólogo, Presidente da Sociedade Brasileira para Estudos do Envelhecimento (SOBRAE) e Diretor da Sociedade Brasileira de Medicina Estética (SBME)

Jejum e dieta low carb têm relação com diabetes (para o bem e o mal)

No Brasil, o número de pessoas diagnosticadas com diabetes cresceu 61,8% nos últimos dez anos, segundo a pesquisa Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), divulgada em 2017 pelo Ministério da Saúde. E não são somente os doces que podem influenciar no aparecimento (ou não) da doença, mas o que se coloca no prato e a dieta escolhida para perda de peso também.
É o que mostram dois estudos recentes: um que investigou o elo entre o diabetes e o jejum intermitente e outro que analisou a ligação entre a enfermidade e a dieta low carb, já conhecida e aderida por muitos brasileiros. Entenda essa história:

Jejum intermitente e diabetes

Uma pesquisa brasileira conduzida por pesquisadores do Departamento de Fisiologia e Biofísica da Universidade de São Paulo (USP) – apresentada no último sábado (19) durante o congresso da Sociedade Europeia de Endocrinologia, em Barcelona – alerta que interromper a alimentação por certos períodos pode aumentar o risco de se tornar diabético.
Na análise, feita com ratos, os cientistas investigaram os efeitos da prática em animais saudáveis e sem sobrepeso, que recebiam alimentos em dias alternados. Três meses depois, embora tenham atingido o que a maioria das pessoas que aderem ao jejum espera (emagrecimento e redução voluntária da quantidade de alimentos ingeridos), os bichinhos também foram identificados com mau funcionamento do pâncreas. O órgão é responsável pela insulina – hormônio que, quando não produzido pelo corpo em quantidade suficiente, leva ao diabetes.

Dieta low carb e diabetes

De acordo com um trabalho recém-publicado na revista científica Pediatricso efeito de reduzir o carboidrato e aumentar o consumo de proteína é positivo para quem tem diabetes tipo 1, doença autoimune que aparece ainda na infância. Na pesquisa, os pacientes (crianças e adultos) que seguiram a low carb por uma média de dois anos – combinada a medicamentos em doses menores do que as exigidas em uma dieta normal – tiveram um maior controle do açúcar no sangue.
Apesar dos bons resultados observados nas 316 pessoas que participaram dos testes, os autores alertam que os pacientes não devem tentar controlar a doença por conta própria – o acompanhamento médico é essencial! Além disso, ensaios clínicos maiores são necessários para determinar se comer menos carboidrato é mesmo uma estratégia indicada para os diabéticos.
Fonte: Boa Forma

sábado, 26 de maio de 2018

Sugestões de cardápio para enfrentar a crise de comida no País!


Cardápio de emergência

Resultado de imagem para emergência

Desjejum
Chá ou café
Pão ou biscoito ou tapioca
Manteiga ou geléia ou queijo
Colação
1 fruta ou 4 castanhas do Pará ou fruta seca ou iogurte ou leite com café
Almoço
Arroz ou Macarrão ou farofa ou polenta
Feijão
Legume ou verdura se tiver
Algum tipo de proteína ( ovo ou carne ou frango ou peixe). Pode ser enlatado.
Lanche
Igual ao desjejum
Jantar
Sopa de feijão com massinha ou sopa de lentilha ou sopa ( canja)
Ceia
Gelatina ou chá

Observações:

- Evite desperdício
- Guarde suas frutas ou legumes na geladeira para durarem mais
- Diminua as porções
- Use sua criatividade para variar seu cardápio. ( ex: chuchu sautê, chuchu recheado, souflê de chuchu, omelete de chuchu, bolinho de chuchu)Exemplos de preparações de um mesmo legume. Caso tenha em quantidade.
- Economize óleo e azeite. Faça mais preparações cozidas ou assadas.
- Compre somente o necessário para não pagar caro nos produtos.
-Escolha as opções mais baratas.
-Calma! Esta crise  dos caminhoneiros vai passar!
E todos voltarão a comer suas comidas preferidas!

Patrícia Brigagão Mendes
Nutricionista




sexta-feira, 25 de maio de 2018

Como está a alimentação no mundo das crianças?

Para as crianças de Grécia, Espanha e Itália a chamada dieta mediterrânea pode não ter utilidade. O dado é da Organização Mundial da Saúde (OMS), segundo a qual crianças da Suécia têm mais probabilidade de se alimentar de peixe, óleo de oliva e tomates que as do Sul da Europa.

No Chipre, um índice fenomenal de 43% dos meninos e meninas de até 9 anos está obeso ou acima do peso. Grécia, Espanha e Itália também têm taxas superiores a 40%. Os países mediterrâneos, que dão nome à famosa dieta, supostamente os lugares onde melhor se come no mundo, têm as crianças mais gordas de toda a Europa.
Os doces, a comida rica em calorias e pobre em nutrientes e os refrigerantes substituíram a dieta tradicional rica em frutas e legumes, peixe e azeite e oliva, declarou o Dr. João Breda, diretor do gabinete europeu da OMS para prevenção e controle de doenças não comunicáveis.
“A dieta mediterrânea acabou para as crianças desta região”, declarou o médico no Congresso europeu de Obesidade, em Viena. “Não existe mais dieta do Mediterrâneo. Quem está na dieta do mediterrâneo são as crianças suecas. Precisamos recuperar esta dieta para quem está no Mediterrâneo".
As crianças no Sul da Europa estão comendo poucas frutas e verduras e bebendo refrigerante demais, declarou Breda. Elas fazem lanchinhos. Comem doces. Consumem sal, açúcar e gordura demais. E não se movimentam. “O sedentarismo infantil é um dos problemas de saúde mais significativos nos países do Sul da Europa”, ele disse. “Um homem em Creta nos anos 60 consumiria bem 3.500 calorias porque anda para cima e para baixo das montanhas."
Os dados vêm de uma pesquisa sobre obesidade infantil da OMS na Europa, com números de peso e altura de crianças coletados desde 2008 e que hoje inclui mais de 40 países. Os mais recentes foram coletados entre 2015 e 2017.
Os países com menor número de obesidade infantil são o Tadjiquistão, o Turcomenistão e o Cazaquistão – mas todos estes estão em uma “transição nutricional”, saindo de uma dieta oriental que pode alterar as estatísticas. No Tadjuquistão, as crianças já consomem uma grande quantidade de refrigerantes.
A França, a Noruega, a Irlanda, a Letônia e a Dinamarca também têm números baixos, que vão de 5% a 9%. A taxa da Irlanda é de 20%. O Reino Unido está fora do estudo, mas cerca de uma em cada três crianças está acima do peso ou obesa quando deixa o ensino fundamental, aos 11 anos.
A boa notícia é que os países do Mediterrâneo estão tomando providências para resolver este problema e conseguiram algum sucesso em diminuir as taxas de obesidade de suas crianças. Pelo menos três quartos das crianças italianas estão comendo frutas diariamente ou na maioria dos dias. "É um progresso, reconhecem o problema e estão fazendo algo a respeito disso", declarou Breda.
Fonte: MSN
Aqui no Brasil, também  o governo deveria tomar algumas providências, como por exemplo incentivar atividades lúdicas envolvendo educação alimentar nas escolas, mas isto deveria ser feito por nutricionistas e não professores, como foi feita a lei recentemente. Orientações para as famílias, diminuir propagandas de fast food, incentivar as indústrias a melhorarem seus produtos com nutrientes mais saudáveis. São algumas ideias boas para serem colocadas em prática!
Patrícia Brigagão Mendes
Nutricionista

Como conservar a alface fresca na geladeira por mais tempo!

Alface é a verdura que está sempre na nossa lista do supermercado ou feira: com ela, fazemos aquela saladinha prática do dia a dia. Mas você deve ter passado pelo drama de comprar a alface e vê-la estragada em apenas alguns dias. Dá uma tristeza, né? Mas, se bem armazenada, ela pode durar mais e ficar crocante e fresca por dias e dias. Quer saber como? Confira a seguir como conservar a alface fresca por mais tempo:
1)Lave bem as folhas em água corrente. Esse passo é fundamental para retirar as sujeirinhas aparentes.
2) Depois de lavar bem a alface, coloque as folhas em uma vasilha com água e vinagre de álcool. A proporção deve ser de 1 litro de água para 2 colheres (sopa) de vinagre de álcool. Deixe lá por 15 minutos. Você também pode usar hipoclorito de sódio: respeite a quantidade indicada na embalagem do produto.
3)Lave novamente as folhas em água corrente. Se puder, despeje água filtrada nas folhas depois de lavar em água corrente.
4)Para secar bem a alface, deixe as folhas em um escorredor para que o excesso de água saia. Você também pode utilizar uma centrífuga de alimentos para isso. Depois, seque cada folha com papel-toalha ou com um pano de prato limpo, de preferência destinado apenas para esse fim.

5)Para armazenar a alface, coloque uma camada de papel-toalha, depois de folhas de alface, papel-toalha e assim por diante. Ao longo da semana, quando as folhas de papel-toalha começarem a ficar molhadas, troque-as por outras. Guarde a vasilha na parte da baixo da geladeira, pois é o lugar menos frio do eletrodoméstico.
Fonte: MSN

Maionese caseira de manjericão!

Receita boa para receber amigos em casa e ter uma petisco diferente!

Quer saber como preparar uma deliciosa maionese de manjericão? É a receita ideal para servir com torradinhas ou biscoitos salgados! Confira:
Tempo: 30min
Rendimento: 4
Dificuldade: fácil

Ingredientes da Maionese de manjericão

  • 1 dente de alho
  • 1/4 de xícara (chá) de folhas de manjericão
  • 2 colheres (sopa) de folhas de salsa picadas
  • 1/3 de xícara (chá) de leite  desnatado gelado
  • 1 colher (chá) de sal
  • 1 colher (chá) de vinagre
  • 1 xícara (chá) de óleo de girassol

Modo de preparo

Bata no liquidificador o alho, o manjericão, a salsa, o leite, o sal, o vinagre e despeje o óleo em fio sem parar de bater até obter uma consistência cremosa. Despeje em uma vasilha com tampa e mantenha na geladeira. Se desejar, sirva acompanhada de torrada ou nacho.
Fonte:MSN

Berinjela crocante ao forno!

Esta receita fica uma delícia e é muito saudável!



Ingredientes:
2 berinjelas
Sal marinho  a gosto
2 ovos batidos
50 g de queijo parmesão  light ralado grosseiramente
50 g de pão  integral amanhecido torrado e moído grosseiramente misturado com 1 col de sopa de aveia ou farinha de linhaça
Azeite para untar
Modo de preparo
Corte as berinjelas em rodelas finas e deixe de molho, em água e sal por 10 minutos. Seque bem.
Passe as berinjelas no ovo batido. Misture o queijo ralado e a farinha de pão e empane as fatias de berinjela
Unte o tabuleiro com azeite ou coloque papel manteiga. Pré-aqueça o forno
Distribua as fatias de berinjela em uma assadeira untada e leve ao forno.
Quando estiverem torradinhas vire para assar do outro lado.
Bom apetite!
Gostou? 
Faça seus comentários e dê sugestões do que você gostaria de ler aqui neste blog.
Aguardo você!
Patrícia Mendes

quarta-feira, 23 de maio de 2018

Manteiga Ghee pode ser consumida por alérgicos a leite?

Constantemente os clientes nos perguntam por que não utilizamos manteiga ghee em nossos produtos. Como vocês sabem a Lilóri se dispoe a oferecer produtos isentos de lácteos, ou seja, sem proteínas do leite e lactose. Eis que vem a questão: ghee é completamente isenta de traços de leite, ou seja, sem lactose e proteínas do leite? Em nossos estudos nos deparamos com opiniões opostas, material científico escasso e relatos contraditórios tornam esse ingrediente polêmico e fundamentam essa pergunta que vamos responder no texto de hoje.


Utilizada há muito tempo na Índia tanto na culinária como para  tratamentos medicinais milenares e confecção de medicamentos e cosméticos, essa manteiga purificada tem recebido um destaque especial entre os amantes de uma alimentação mais saudável  bem como pessoas com alergia ou intolerância aos componentes do leite.

 Mas o que é esse produto afinal? A manteiga ghee nada mais é do que uma manteiga semi-liquida da qual foram retirados pelo aquecimento lento e pela filtragem, os elementos sólidos do leite e a água. O método é simples e artesanal: manteiga fresca aquecida em fogo baixo, em banho maria ou direto na panela até ela derreter e formar 3 camadas visíveis e muito distintas: espuma branca em cima - que são as toxinas e impurezas da manteiga – gordura pura no meio (manteiga ghee) e no fundo os resíduos sólido de leite. Depois de esfriar, com uma colher você vai retirando a espuma de cima até sobrar as outras duas fases, amarela de gordura e branca de leite. Descarte a camada de leite e fique apenas com a gordura. Tá feita sua manteiga ghee!

Uma manteiga pura, com diversas propriedades como vitaminas A,D, E e K e além de gorduras boas como CLA, omega 3 e 6 e que pode ser consumida pela maioria das pessoas com intolerância à lactose! E a pergunta que fica no ar é: então se separou os fragmentos do leite da gordura pura, ela também pode ser consumida por alérgicos às proteínas do leite? Nossa opinião e a de muitos nutricionistas, alergistas e imunologistas (FARE-Food Allergy Research e Education, American College of Allergy, Asthma e Immunology, ASBAI-Associação Brasileira de Alergia e Imunopatologia) é de que: Não, não pode. Calama lá, explicaremos melhor o porque dessa resposta.

O processo de fabricação da Ghee é extremamente artesanal como vocês viram, e é aí que mora o problema. Não é possível afirmar que a separação dos resíduos do leite e da gordura é 100% completa a ponto de remover todas as proteínas do leite. A ghee pode conter traços de leite, que por mínimos que sejam podem gerar sérias reações em crianças e bebes alérgicos a proteína do leite, como choque anafilático, diarreia com sangue ou não, sintomas cutâneos como vermelhidão, coceira, empipocamento entre outros. Muitas pessoas com intolerância a lactose consomem ghee visto que a conduta médica para intolerantes não exige a exclusão total de leite e derivados da sua dieta. Para alérgicos a conduta é muito mais rigorosa, ou seja, não consumir   leite e derivados, incluindo traços desses itens.

Embora algumas mães alimentem seus filhos com ghee e eles não passem mal isso não significa que seja um produto seguro, lembrando que o processo alérgico é algo muito particular de uma pessoa para a outra, o que chamamos de individualidade metabólica. Outro ponto a se ressaltar é a tendência atual de estabelecimentos voltados para pessoas alérgicas e intolerantes, que tem um papel magnífico de alimentar pessoas com restrições alimentares, mas também de informá-las dos ingredientes que utilizam e não se rotularem a isentos de leite ou qualquer outro produto alergênico caso utilizem produtos que contenham traços ou que sofram contaminação cruzada com estes ingredientes.

Enfim, a manteiga ghee é um ótimo produto e uma excelente opção para quem pode consumir! Vale ressaltar no entanto, que ela não é segura para todos, e que quando mexemos com a saúde das pessoas é imprescindível ter respeito, seriedade e responsabilidade.

Fonte: Lilori

domingo, 20 de maio de 2018

Sopa Detox!

Receita de sopa detox .



Ingredientes

1,5 l de água
1 acelga pequena picada
2 talos de salsão picados
1 bulbo de erva doce picado
½ xícara (chá) de folhas de manjericão
1 xícara (chá) de champignons
1 cebola picada
2 dentes de alho picado
1 pedaço de gengibre
Sal, ervas aromáticas e pimenta a gosto
Cebolinha verde (opcional)

Modo de preparo

Em uma panela, refogue a cebola e o alho por dois minutos.
Junte o cogumelo e o gengibre e deixe refogar rapidamente.
Acrescente os legumes e o manjericão.
Tempere com sal e pimenta.
Acrescente água e deixe cozinhar por 15 minutos.
Retire do fogo e bata no liquidificador.
Passe na peneira de volta na panela.
Deixe ferventar por cinco minutos.
Decore com cebolinha verde picada e sirva em seguida.
Fonte: Lucília Diniz

Quais os alimentos ricos em cálcio?


quinta-feira, 17 de maio de 2018

Batata doce- tipos e propriedades de cada uma!

Há uma tonelada de diferentes tipos de batatas doces, mas é difícil encontrar a maioria delas nas lojas. Alguns tipos são mais populares, outros são mais exóticos, e alguns muito raros. Porém, todas elas tem nutrientes diferentes para trazer à sua mesa e os melhores benefícios para a sua dieta.

Propriedades da batata doce branca

A pele tem uma cor de creme e é muito suave. A carne da batata doce branca é creme ou esbranquiçada que se torna amarela quando cozida. O sabor é muito doce e bastante firme dentro e são consideradas uma batata doce seca ou firme, o que significa que a carne é bastante firme e seca quando cozida. É o tipo de batata doce com menos nutrientes, sendo as espécies coloridas mais recomendadas para quem está buscando os benefícios nutricionais no consumo da batata doce.

Propriedades nutricionais batata doce japonesa

A pele da batata doce japonesa é roxa e bastante suave. Geralmente mais redondas (“mais gorda”) do que outros tipos. A carne esbranquiçada que fica dourada quando cozida. O sabor é muito doce e bastante firme dentro. Nas propriedades nutricionais temos os seguintes dados para cada porção de 130 g:
  • Calorias: 113
  • Gorduras: 0
  • Colesterol: 0
  • Potássio: 438 mg
  • Carboidratos totais: 27g
  • Proteína: 2,3 g
  • Vitamina A: 202%
  • Vitamina C: 30%
  • Cálcio: 5%

Qualidades da batata doce alaranjada ou beauregard

A pele é laranja sua coloração é bastante similar tanto dentro como fora. A carne é de um laranja escuro. e o gosto suavemente doce e bastante firme dentro. As informações nutricionais para uma porção de 85 g são:
  • Calorias: 70
  • Gorduras: 0
  • Colesterol: 0
  • Sódio: 15 mg
  • Carboidratos totais: 23g
  • Fibra Dietética: 2g
  • Açúcares: 2g
  • Proteína: 1 g
  • Vitamina A: 300%
  • Vitamina C: 10%
  • Cálcio: 2%
  • Ferro: 2%
De acordo com um estudo da Universidade do Oeste Paulista, de Presidente Prudente, a batata doce alaranjada é que mais mantém os antioxidantes após o cozimento, tornando-a uma das melhores opções para usufruir dos benefícios nutricionais da batata doce.

Propriedades da batata doce roxa

A pele dessa batata doce é de um roxo profundo, assim como a carne. O gosto não é muito doce, e a carne é muito seca por dentro. Os dados nutricionais para uma porção de 113 g são:
  • Calorias: 130
  • Gorduras: 0
  • Colesterol: 0
  • Sódio: 0
  • Carboidratos totais: 29 g
  • Fibra Dietética: 4 g
  • Açúcares: 4 g
  • Proteína: 2 g
  • Vitamina A: <2 li="">
  • Vitamina C: 20%
  • Cálcio: 4%
  • Ferro: 6%
As batatas-doces roxas são altas em antocianinas, um fitoquímico conhecido por possuir propriedades antioxidantes.

Nutrição com a batata doce

As batatas doces são uma fonte fantástica de vitaminas e minerais (especialmente a vitamina A, embora seja importante notar que o tipo de vitamina A em batatas doces é betacaroteno, que não é bem convertido em vitamina A nos seres humanos (tipicamente apenas 3% de betacaroteno que você ingere é convertido em vitamina A).
As batatas doces também são uma ótima fonte de proteína de alta qualidade, o que significa que contém todos os aminoácidos essenciais que seu corpo precisa, mesmo que a quantidade absoluta de proteína seja bastante baixa. Elas também são uma boa fonte de antioxidantes.
Toda essa nutrição sem toxicidade real faz batatas doces uma adição deliciosa a qualquer refeição natural.
A única coisa a considerar ao adicionar batatas doce na dieta é se você tem problemas digestivos que podem ser exacerbados por batatas doces ou se você tem problemas de açúcar no sangue.

Como cozinhar batatas doces?

Existem muitas maneiras diferentes de incorporar batatas-doces em sua dieta. As maneiras mais fáceis incluem ferver, cozinhar a vapor, assar, preparar no microondas ou usar a panela de pressão na batata doce com pele. Nossas dicas de preparo seguem abaixo.
Batatas doces cozidas
Encha uma panela com água. Coloque as batatas doces na água. Cozinhe as batatas doces até que você coloque um garfo facilmente na batata-doce (isso leva aproximadamente 30 a 60 minutos).
Assando batatas doces
Pique alguns buracos em cada batata-doce com um garfo ou faca e, em seguida, asse em um forno pré-aquecido a 175º a 190º até um garfo entre facilmente (isso leva aproximadamente 45 a 90 min – o tempo exato depende de quão grande é a sua batata-doce).
Batatas doces no microondas
Pique alguns buracos em cada batata doce com um garfo ou faca, coloque em um prato microondas e cubra, preparando em alta temperatura por 5 a 10 minutos. Este é definitivamente o método mais rápido de cozinhar batatas-doces.
Fonte: Saúde Melhor