terça-feira, 7 de novembro de 2017

Saiba os sintomas da falta de magnésio no seu corpo!

O magnésio está presente em vários alimentos que a gente ama: amêndoa, abobrinha, cenoura, espinafre, ovos, nozes e frutos do mar são algumas das principais fontes desse importante mineral. No entanto, grande parte da população não consome o nutriente nas doses adequadas – e o resultado são problemas sérios de saúde.

Confira a seguir alguns dos principais sintomas desse déficit e preste atenção se não é o caso de conversar com seu médico para investigar se está tudo em ordem com seus exames.

1. Sinais de gripe

O mineral atua diretamente na atividade dos leucócitos, responsáveis por manter as defesas do corpo estabilizadas. “Quando está em falta organismo, a pessoa fica mais suscetível a gripes e outras doenças que podem causar fadiga, cansaço, enjoo e perda de apetite”, explica a  nutricionista clínica .

2. Cãibra

Parte do magnésio que consumimos é estocado nos tecidos com a finalidade de atuar no processo de contração muscular. Se essas reservas começam a ficar escassas, os músculos perdem a capacidade de relaxar e os espasmos involuntários (e dolorosos) aparecem.

3. Formigamento

Outra responsabilidade desse nutriente é zelar pelo relaxamento das artérias. Quando sua quantidade disponível no organismo é insuficiente, a pressão nos nervos aumenta, causando dormência e formigamento.

4. Convulsões

O magnésio tem efeito calmante sobre o sistema nervoso. “Seu déficit agudo faz com que os nervos percam o controle sobre a atividade muscular, podendo deixar muito excitadas algumas regiões do cérebro e, consequentemente, gerar convulsões”, diz a nutricionista.

5. Problemas no coração

A falta desse mineral também provoca contrações contínuas das artérias coronarianas, o que diminui a quantidade de oxigênio disponível para o principal músculo do corpo. Outro efeito é a redução da produção de óxido nítrico, que atua no relaxamento dos vasos sanguíneos. Isso faz com que o coração trabalhe com mais esforço, elevando a pressão arterial e causando arritmias cardíacas.

6. Mudanças de humor

O magnésio é essencial para a liberação de serotonina, neurotransmissor relacionado à sensação de prazer e bem-estar. Sua precariedade causa irritabilidade, ansiedade, nervosismo, hiperatividade e insônia. “Caso a deficiência perdure por muito tempo é possível que a pessoa desenvolva depressão e sofra com ataques de pânico”, alerta a especialista.
Fonte: Boa Forma

Erros que muitos cometem para entrar em forma rapidamente!

1. Ficar muito tempo na academia

Ao passar horas e horas malhando, você está correndo atrás do prejuízo, certo? Errado! “O que importa é a qualidade do seu treino, e não a duração dele”, ressalta Rodrigo Sangion. Segundo o personal trainer, estudos recentes mostram que é melhor treinar por menos tempo e no limite máximo de esforço do que ficar horas a fio se exercitando em uma zona de conforto.

2. Parar de comer ou comer pouco

Na hora do desespero, é comum recorrer a dietas super-restritivas, que limitam o consumo de nutrientes importantes, como o carboidrato. E o resultado pode até se refletir na balança, mas, quando feito sem orientação, o regime alimentar manda para longe o pique de malhar. “É melhor perder peso gradativamente do que despachar vários quilos numa tacada só e recuperá-los algum tempo depois, por não ter tido tempo hábil para o organismo assimilar o emagrecimento”, orienta Sangion.

3. Viver à base suplementos e shakes

As mulheres têm, sim, mais dificuldade para ganhar massa muscular e facilidade para reter líquido e acumular gordura. Mas não adianta tentar compensar essas características dispensando refeições e se alimentando apenas de suplementos ou shakes.

4. Seguir o treino alheio

Nada de copiar a sequência de exercícios daquela sua amiga que não parou de treinar durante o inverno. “Provavelmente, ela está num estágio de treinamento mais avançado que o seu, inclusive utilizando cargas mais elevadas na musculação”, observa o proprietário da academia Les Cinq Gym, em São Paulo. O resultado pode ser lesões e frustração por não conseguir acompanhar sua BFF. Dica: treine sempre da maneira mais individualizada possível e no seu próprio limite.

5. Virar uma corredora da noite para o dia

Correr é um dos melhores exercícios para queimar calorias. Mas, se você está parada há algum tempo ou acima do peso, o ideal é optar pela bike, que causa menos impacto sobre as articulações. “À medida que for emagrecendo e ganhando condicionamento, você começa a caminhar e, logo na sequência, a correr na esteira. Assim, há menos risco de problemas musculares ou de sobrecarga no coração”, pontua Sangion.

6. Recorrer a medicamentos

Na luta para emagrecer e tonificar a musculatura em tempo recorde, muitas recorrem a drogas que inibem o apetite. “Se há um acompanhamento médico, menos pior, mas nem de longe esse é o caminho mais seguro”, alerta o profissional de educação física. “Não adianta ficar magra e torneada rapidamente, colocando em risco órgãos vitais, como fígado e coração”. Sangion alerta que remédios só são alternativa em alguns casos de obesidade – e que a melhor dupla para conquistar um corpo saudável ainda é exercício e dieta balanceada.

7. Exercitar mais algumas partes do corpo do que outras

Não tem problema querer um bumbum durinho e empinado. No entanto, privilegiar determinadas regiões pode provocar um desequilíbrio muscular. Além de um resultado estético indesejável, há maior probabilidade de se machucar. No caso dos glúteos, por exemplo, exagerar nos agachamentos (e na sobrecarga) pode causar a Síndrome do Piriforme, também conhecida como Síndrome do Bumbum Sarado.
“Piriforme é um músculo da região do quadril, próximo ao nervo ciático, que é acionado em todos aqueles exercícios que exercitam o bumbum. Quando ele cresce demasiadamente, comprime o ciático, causando dor ao caminhar, correr, levantar e sentar”, explica Sangion. Para evitar a chateação, o negócio é treinar todos os grupos musculares de forma equilibrada – e não esperar ter um corpo de musa fitness num piscar de olhos.
Fonte:MSN