segunda-feira, 22 de maio de 2017

Comer antes ou jejuar antes do exercício, o que é melhor para perder gordura?

Você que é adepto(a) de exercícios físicos deve ter sempre uma dúvida: comer ou não comer antes de praticar execícios? Ora, uma nova pesquisa sobre os efeitos do jejum e de se alimentar antes de praticar algum exercício físico vem esclarecer esta dúvida.
Acontece que este  é o primeiro estudo que visa demonstrar o que acontece com o tecido gorduroso - tecido adiposo - do nosso corpo quando fazemos exercícios depois de jejuar ou comer alguma coisa. As conclusões vão surpreender você.

Os pesquisadores da Universidade de Bath na Grã Bretanha, utilizaram um grupo de homens com excesso de peso, colocando-o primeiramente para fazer uma caminhada de 60 minutos em jejum. Num segundo momento, os participantes caminharam pelo mesmo tempo, duas horas depois de terem tomado um café da manhã muito calórico rico em hidratos de carbono. 
Em seguida os pesquisadores compararam as análises de sangue feitas antes e depois dos participantes terem feito a caminhada, em jejum e alimentados e recolheram também amostras do tecido adiposo I hora antes e depois do exercício físico, nas duas situações.
O resultado desta análise foi publicado no Jornal Americano de Fisiologia - Endocrinologia e Metabolismo e demonstra que houve diferenças nestes tecidos como resultado do estudo feito nos dois casos.
“A expressão de dois genes, PDK4 e HSL, aumentou quando os homens jejuaram e fizeram exercício e diminuiu quando comeram antes de se exercitarem”, esclarecem os cientistas mencionados na Sociedade Americana de Fisiologia (APS, sigla original).
Dylan Thompson, um dos pesquisadores explica: “O aumento no PDK4 indica que a gordura armazenada foi provavelmente usada, durante o exercício, para abastecer o metabolismo, em vez dos hidratos de carbono da refeição recente”. Ele esclarece que “a HSL aumenta, tipicamente, quando o tecido adiposo usa energia armazenada para sustentar o aumento da atividade, nomeadamente durante o exercício”. 
O resultado do estudo reforça a ideia  de que quando comemos antes do exercício, a gordura corporal “está ocupada a responder à refeição e uma sessão de exercício, nesta altura, não estimulará as mesmas mudanças benéficas no tecido adiposo”.
Conclusão do estudo: “o exercício em estado de jejum pode provocar mais mudanças favoráveis no tecido adiposo”, e, de acordo com Dylan Thompson: “pode ser benéfico para a saúde a longo termo”.
 Conclusão final: é melhor fazer exercícios sem ter se alimentado antes. Esperava este resultado?
Fonte:Minha Vida
OBS: Dependendo do treino e do tempo, ir sem comer, a pessoa pode passar mal.
Não são todas as pessoas que podem ir em jejum para malhar ou praticar exercícios. Cuidado! Peça orientação a uma nutricionista ou médico para avaliar seu caso!
Patrícia Mendes
Nutricionista

Fluoxetina emagrece? Diminui a Ansiedade?

ansiedade é um gatilho comum para quadros de compulsão alimentar. Em outras palavras, com muita frequência descontamos na comida um problema de ordem pessoal. Uma briga com o parceiro, um "puxão de orelha" que levamos do chefe, falta de dinheiro, um parente doente etc. Tudo é motivo para comermos mais! Quem nunca?!
Por conta disso, muitos pacientes nos questionam no consultório: "Doutor, será que eu não posso tomar nada para controlar a minha ansiedade?". A pergunta é totalmente válida. Uma das medicações usada com frequência para controlar a ansiedade e reduzir a compulsão alimentar é a fluoxetina.

Fluoxetina não é indicada para todos
Essa droga pertence à família dos "inibidores seletivos da receptação de serotonina". Atua aumentando a biodisponibilidade da serotonina para ser absorvida e, por isso, muito usada no tratamento da depressão. No entanto, seu uso como coadjuvante na perda de peso deve ser restrito a pessoas que possuem obesidade associada à depressão, ou então em casos de obesidade relacionados a uma condição médica chamada Transtorno de Ansiedade Generalizada (TAG). Sendo assim, o paciente deve ter IMC maior ou igual a 30 e um diagnóstico de depressão ou TAG feito por um psiquiatra. Pelo que você pode perceber, serão poucos então os candidatos a usar fluoxetina para ajudar na perda de peso.
Além disso, estudos mostram que após 6 meses de uso, a modesta perda de peso obtida inicialmente com a fluoxetina aos poucos vai se perdendo. Ou seja, o paciente tende, no uso a longo prazo, a retornar ao seu peso inicial. Por isso a droga não é considerada de primeira linha no tratamento do excesso de peso.
Outro aspecto a ser considerado é o uso para mulheres que apresentam a chamada síndrome pré-menstrual, popularmente conhecida como TPM. Tal termo não reflete adequadamente o quadro como um todo. Sabemos que não há apenas o sintoma de "tensão" nesta síndrome, mas também pode haver mudanças comportamento alimentar. Algumas mulheres, por exemplo, chegam a consumir 10 vezes mais calorias no período pré-menstrual em relação ao seu consumo calórico habitual. Dentro deste cenário a fluoxetina pode servir para atacar as duas condições ao mesmo tempo. Auxilia no controle dos sintomas afetivos-psiquiátricos da síndrome (irritabilidade, choro fácil, sintomas depressivos e instabilidade do humor) ao mesmo tempo que auxilia no controle da compulsão alimentar.
Como saber se posso tomar?
Vale lembrar que a fluoxetina é uma medicação de uso controlado por receita branca e, portanto, só deve ser usada após prescrição médica. Existem também contraindicações que devem ser respeitadas, além de possíveis efeitos colaterais, como redução de libido.
O que fazer então? O primeiro passo, sem dúvidas, é procurar o seu endocrinologista. Discuta com ele sobre a sua ansiedade. Ah! E lembre-se: o exercício físico talvez seja o maior de todos os medicamentos para ansiedade. Bons treinos!
Fonte: Minha Vida