A Doença de Crohn é uma disfunção inflamatória do trato gastrointestinal que afeta predominantemente a parte inferior do intestino delgado (íleo) e intestino grosso (cólon). A enfermidade inicia-se mais frequentemente na segunda e terceira décadas de vida.
O intestino acumula uma série de tarefas essenciais, entre elas, a nobre função de absorver nutrientes e eliminar toxinas:

Não há uma dieta específica para prevenir ou tratar a doença de Crohn entretanto, algumas pessoas têm os sintomas diminuídos quando priorizam os alimentos a seguir:
– Carnes magras (sem gordura aparente ou pele);
– Leite isento de lactose (quando há intolerância);
– Pão francês e de forma, broa de milho, torradas e bolachas simples;
– Frutas: banana maçã, maçã sem casca (podem ser cozidas);
– Legumes cozidos;- Batata, aipim, inhame cozidos;
– Leguminosas somente o caldo (feijão, lentilha, ervilha e grão de bico);
– Doces dietéticos;- Ovo: cozido, pochê, omelete;
– Cereais: arroz branco, macarrão com molho sem condimento e gordura;
– Temperos: sal, temperos naturais (cebolinha, salsinha) e vinagre (sem excesso);
– Bebidas: água e chás claros.
 Evitar alimentos ricos em gordura saturada, excesso
 de lactose, fibra, açúcar em grande quantidade e condimentos. Segue alguns exemplos:
–  Leite integral, leite condensado, creme de leite, queijos amarelos, parmesão e roquefort;
– Embutidos;
– Manteiga e margarina;
– Verduras folhosas;
– Mamão, pera, laranja e ameixa;
– Condimentos picantes (pimentas, mostarda, catchup, páprica);
– Chocolate, balas, geléias, mel.
Uma alimentação equilibrada deve suprir as necessidades porém, em algumas condições clínicas, as necessidades são muito elevadas e/ou a absorção está comprometida principalmente de vitamina D e as vitaminas do complexo B (frequentemente B12 e ácido fólico).
Para pacientes com alta atividade da doença de Crohn ou atividade contínua têm maior risco de deficiência de vitamina D e menor densidade óssea. O uso de corticoide se torna um fator de risco adicional para essa condição. Essa vitamina e a densidade óssea devem ser regularmente controlados. Existe também a necessidade de realizar suplementação.
Quanto às vitaminas do complexo B, com ênfase na vitamina B12 e ácido fólico, a suplementação pode ser necessária em pessoas com íleo terminal que apresentem doença ativa ou quando este segmento foi ressecado. Além disso, durante a terapia com sulfassalazina, a absorção de vitamina B12 e ácido fólico encontra-se inibida, sendo necessária a suplementação. Para evitar as crises de intestino, a nutricionista clínica hospitalar Clarissa Gomes enumera 5 dicas importantes para uma alimentação saudável:
1. Realize de 5 a 6 refeições/dia (3 lanches e 2 refeições principais – em pequenos volumes;
2. Coma com calma, mastigue devagar em ambientes tranquilos;3. Troque o açúcar por adoçante;
4. Consuma em média 2 litros de água durante o dia, de preferência entre as refeições;
5. Evite preparações com muito óleo. Opte por assados, cozidos e grelhados.
Fonte: Prodiet
Link: http://doença de Crohn