sábado, 5 de novembro de 2016

Dicas para perder peso fácil


1. Aposte na água morna com limão: a bebida ajuda a purificar o organismo, estimula o sistema imunológico, contribui para o processo digestivo e para o equilíbrio do pH, fatores que, em conjunto, ajudam no emagrecimento. 
2. Faça trocas inteligentes: pequenas alterações no cardápio já produzem grandes efeitos no emagrecimento. Substitua: queijos amarelos e gordurosos por cottage ou ricota, cereais refinados por integrais, leites e derivados comuns por desnatados, açúcar por adoçante, sal por ervas naturais, carnes gordurosas pelas magras, como peixe, peito de frango, peru, patinho e contrafilé.
3. Use chás a seu favor: beber as infusões certas é um hábito bastante fácil e simples de emagrecer. 
4. Sucos emagrecedores: bebidas à base de frutas e vegetais também ajudam a acelerar o processo de emagrecimento sem grandes esforços. Para apostar nos sucos sem enjoar é importante variar no preparo. 
5. Turbine a salada: na hora de preparar o prato, inclua folhas, legumes, grãos ou cereais integrais e uma fonte de proteína, como frango, ovos, carne ou peixe. Regue com molhos à base de ervas, limão, azeite, vinagre de maçã ou iogurte e deixe de lado as opções industrializadas.
6. Clara de ovo para perder pesoo alimento promove saciedade, é rico em proteína e ainda ajuda a estimular o desenvolvimento dos músculos. Investir na clara de ovo também combate a flacidez da pele, pois estimula a produção de colágeno pelo corpo. 
7. Como acordar mais magra: você já sabe que o café da manhã reforçado é essencial para garantir boa saúde e perda de peso. Mas se a preguiça costuma atrapalhar sua refeição matutina, vale apostar em alimentos práticos que qualquer um pode comer de manhã e que aceleram o emagrecimento. 
8. Durma bem: uma boa rotina de sono não deve ser ignorada por quem pretende emagrecer. Descansar pelo menos 7 horas todas as noites promove equilíbrio hormonal e metabólico, além de aliviar o estresse e a ansiedade, fatores que ajudam a perder peso de maneira fácil.
Fonte:VIVA

Alimentos que aliviam o inchaço da barriga

Sentir desconforto, peso na região abdominal e inchaço mesmo sem ter exagerado nas refeições é algo comum e que pode ocorrer por diversos fatores, como excesso de sal na alimentação, desidratação, constipação e até mesmo ciclo menstrual.
No verão o sintoma costuma aparecer com ainda mais frequência e saber quais alimentos evitar ou consumir ajuda a aliviar o efeito provocado por acúmulo de gases ou retenção de líquidos.

Alimentos que deixam a barriga inchada

© Fornecido por Batanga Media Difusão pela Internet LTDA
Fonte de conservantes, corantes e sódio, compostos que demoram a serem absorvidos pelo organismo, os alimentos industrializados contribuem para a retenção de líquidos e para o intestino preso.
Além da grande quantidade de sódio, o gás do refrigerante contribui para a sensação de barriga estufada, sem falar que a bebida é fonte de calorias vazias que só prejudicam a saúde.
Bebidas alcoólicas reduzem a capacidade de absorção de água pelos rins, o que aumenta a sensação de inchaço.
Alimentos fritos retardam todo o processo de absorção e dificultam a eliminação de toxinas pelo fígado, além de atrapalharem a absorção e eliminação de água pelo organismo.
© Fornecido por Batanga Media Difusão pela Internet LTDA
Caldo de carne em tablete pode ser prático, mas também é rico em sódio e, portanto, um dos alimentos que mais provoca o inchaço e retenção de líquido quando consumido em excesso.
Embutidos, como salsichas e carnes processadas, também devem ser evitados por conter grande concentração de sódio e atrapalhar a liberação de toxinas.
Quem pretende evitar inchaço e gases ainda deve consumir feijão e leguminosas com moderação, especialmente no período noturno.
Apesar de saudáveis, maçãs podem ser difíceis de serem digeridas por causa das altas quantidades de frutose. Quando o organismo quebra as moléculas na digestão, esse processo pode causar gases.

Alimentos que aliviam o inchaço da barriga

© Fornecido por Batanga Media Difusão pela Internet LTDA
Farelo de aveia diminui a absorção de gorduras pelo organismo, além de ser um alimento rico em fibras, que que regulam a flora intestinal e favorecem a eliminação de toxinas.
Rico em clorofila, o kiwi limpa e desintoxica o organismo e, por também ser fonte de sais minerais e fibras, regulam o intestino e reduzem o inchaço da barriga.
Abacaxi é conhecido por melhorar a digestão, graças à bromelina, substância capaz de auxiliar o corpo no processamento de alimentos ricos em proteínas.
Couve é boa fonte de fibras, que estimula a digestão e prolonga a sensação de saciedade. Além disso, o alimento ainda tem grande quantidade de clorofila, que ajuda a desintoxicar o organismo.
Alface é composto por uma combinação de clorofila e flavonoides capaz de diminuir a retenção de líquidos e, consequentemente, combater o inchaço abdominal.
Você já sabe que se manter hidratada ajuda a emagrecer e é essencial para evitar o inchaço. Adicionar limão, que é um diurético natural, à água faz com que o processo de desintoxicação do corpo ocorra de forma ainda mais acelerada.
Digestivo, diurético e pouco calórico, o aspargo ajuda a combater o inchaço do corpo ao eliminar toxinas e não pesa no estômago.
Além de ter efeito calmante, controlar gases intestinais e ajudar na digestão, o chá de capim cidreira é um diurético natural que elimina a retenção de líquidos e ainda melhora a qualidade do sono.
Consumir meio abacate, especialmente à noite, também pode combater o inchaço graças à sua quantidade de gorduras boas.
Mamão já é conhecido por seu poderoso efeito sobre a digestão, fator que evita a constipação e ajuda a fazer com que você sinta menos inchaço.
Apostar em iogurte grego light como lanchinho também colabora para o funcionamento do trato digestivo e, portanto, ajuda a desinchar.
Fonte:MSN

Alzheimer- Saiba o que pode levar a esta doença!


Resultado de imagem para alzheimer



O Alzheimer é uma doença silenciosa, que se revela aos poucos. Mas um estudo, publicado por pesquisadores do San Francisco VA Medical Center, nos Estados Unidos, conseguiu mapear os seis principais fatores de risco para a demência: sedentarismo, uso de álcool, depressão, tabagismo, diabetes, hipertensão na meia idade e obesidade. Em comum, todas essas condições oferecem algum risco à saúde cérebro-vascular. "Fumo, obesidade, hipertensão e diabetes contribuem para o aumento de lesões no cérebro que levam à perda de cognição", afirma o psiquiatra Cássio Bottino, do Instituto de Psiquiatria da Faculdade de Medicina da USP. As lesões, associadas às dificuldades de conexão entre os neurônios (efeito do aumento da proteína beta-amilóide), dão origem à maioria dos diagnósticos de Alzheimer atualmente. "A demência vascular, ou seja, os problemas que surgem devido ao mau funcionamento do coração já são elementos tão importantes quando o crescimento fora de controle da proteína na descoberta da doença", afirma o neurologista e geneticista David Schlesinger, do Hospital Albert Einstein. A seguir, especialistas discorrem sobre a relação entre esses fatores e dão dicas para você cuidar melhor da saúde e se proteger contra o Alzheimer.


HIPERTENSÃO


Num quadro de hipertensão arterial, a intensidade com que o sangue circula acaba causando lesões nos vasos, inclusive nos do cérebro (mais sensíveis)." Danificados, eles acabam levando menos sangue, oxigenação e nutrientes para o cérebro", afirma Cássio Bottino. O tecido cerebral é muito dependente da oxigenação do sangue e pode perder capacidade caso surjam falhas vasculares.

TABAGISMO


Outro fator apontado na pesquisa é o tabagismo. "O cigarro acelera o processo de envelhecimento neurológico e a atrofia cerebral, o que agrava as chances de Alzheimer", afirma Yolanda Boechat. Além disso, é possível que o risco aumente por causa de pequenos infartos cerebrovasculares que aumentam a morte de neurônios, provocados pelas toxinas presentes no cigarro.

ÁLCOOL


O consumo de mais de duas doses diárias de álcool, não importa a bebida, aumenta em quase 10% as chances de ter distúrbios neurológicos. Fora isso, o alcoolista crônico sofre com a perda de tecido cerebral, ou seja, o cérebro encolhe com o tempo e agravam-se problemas como esquecimento e perda da memória recente. Mas o consumo de uma dose diária de álcool (e isso varia de acordo com a bebida) pode retardar o aparecimento do Mal de Alzheimer, de acordo com estudo da Loyola University, em Chicago.

SEDENTARISMO


Resultado de imagem para obesidade
A atividade física, além de combater a obesidade e outros fatores de risco apontados pelo estudo, banha o cérebro com endorfina. Esse hormônio é um antioxidante capaz de fazer uma faxina no cérebro e eliminar radicais livres, combatendo o envelhecimento das células "A prática regular de atividade física também contribui com a irrigação sanguínea das células neuronais, melhorando as conexões e o raciocínio", afirma a médica Yolanda. Segundo pesquisadores do Centro Médico da Universidade de Rush, de Chicago (EUA), idosos devem praticar de 2,5 a 5 horas semanais de atividades físicas.



DEPRESSÃO


Por fim, os pesquisadores indicaram a depressão como agravante do Alzheimer. A dificuldade de relacionamento causada pela depressão prejudica a memória e a capacidade de comunicação, inibindo o funcionamento de partes do cérebro. "Se não for tratada, a depressão pode levar à falência da área cerebral responsável pela memória (hipocampo), incluindo a de fatos recentes.
Fonte:MSN