terça-feira, 17 de maio de 2016

Zinco é essencial para diabéticos e melhora a imunidade

O zinco é uma substância conhecida como elemento-traço. Ele tem como função determinar a forma e disposição espacial das proteínas ligadas ao DNA e algumas enzimas importantes no nosso metabolismo. Cerca de 300 enzimas necessitam do zinco para sua ação nas células. Ele ainda melhora a memória e é fundamental na formação e regulação de hormônios da tireoide, suprarrenal, testículo e insulina. A substância também é essencial para o sistema imunológico e processo de cicatrização. 

Benefícios comprovados do zinco

Ação antioxidante: O zinco se destaca pela ação antioxidante, diminuindo a quantidade de radicais livres no nosso corpo. Os radicais livres afetam negativamente as funções das células, aumentando as chances da pessoa desenvolver tipos diferentes de câncer. 
Bom para diabéticos: A ação e a liberação da insulina ocorre de forma mais eficiente quando o zinco está presente no organismo. Como o diabético tem dificuldades na ação deste hormônio, a presença do elemento facilita esta questão, fazendo com que a insulina cumpra melhor seu papel, evitando a hiperglicemia. 
Melhora a imunidade: O zinco tem ação direta no funcionamento dos linfócitos, células de defesa do nosso organismo, melhorando a imunidade. Além disso, o zinco age nos processos anti-inflamatórios e no nosso DNA, ambas as questões estão relacionadas com a imunidade. 
Ajuda na cicatrização: O zinco auxilia na cicatrização porque tem um papel de ação nas células que ajudam no processo de cicatrização, como os fibroblastos. 
Ajuda no crescimento e desenvolvimento: O zinco é diretamente responsável pela divisão celular, síntese de proteínas e modulação de hormônios. Todos estes fatores estão ligados ao crescimento das crianças e adolescentes e também ao desenvolvimento sexual. Por isso, é importante que elas tenham boas quantidades deste elemento. Também é necessário que as gestantes tenham as quantidades corretas de zinco para que o feto se desenvolva sem complicações e não tenha problemas de saúde. 

Deficiência de zinco

A falta de zinco pode ser detectada por meio de exame de sangue ou dos fios de cabelo. A ausência do elemento pode causar falta de apetite, alterações no paladar, olfato e no comportamento, intolerância à glicose, disfunções imunológicas, retardo de crescimento e atraso da maturação sexual. 

Interações

Semente de abóbora possui boas quantidades de zinco - Foto: Getty Images
Semente de abóbora possui boas quantidades de zinco
Algumas fibras podem dificultar a absorção do zinco, como os fitatos presentes em cereais integrais, soja e em algumas leguminosas. Porém, esta interferência parece estar ligada ao tipo de proteína presente na dieta e estudos tentam estabelecer esta relação. Ferro e zinco estão diretamente ligados. O aumento de um na dieta interfere negativamente na absorção do outro. Estudos sugerem que a vitamina A, presente no fígado, gema de ovo, leite e derivados e folhas verdes escuras, também pode interferir na absorção de zinco. 

Combição com o zinco

Estudos apontam que as proteínas de origem animal podem melhorar a absorção de zinco. 

Fontes de zinco

As principais fontes de zinco são carnes vermelhas, ostras, semente de abóbora e girassol, leguminosas, como feijão e lentilha, oleaginosas, como amêndoa, amendoim, noz-pecã, castanha do Pará, castanha de caju, gérmen de trigo e carne de porco cozida. 

Quantidade recomendada de zinco

IdadeIngestão adequada - mg/diaLimite tolerável de ingestão
0 a 6 meses2 mg4 mg
7 a 12 meses3 mg5 mg
1 ano a 3 anos3 mg7 mg
4 anos a 8 anos5 mg12 mg
9 anos a 13 anos8 mg23 mg
Homens de 14 a 18 anos11 mg34 mg
Homens a partir de 19 anos11 mg40 mg
Mulheres de 14 a 18 anos9 mg34 mg
Mulheres a partir de 19 anos8 mg40 mg
Gestantes com menos de 18 anos13 mg34 mg
Gestantes a partir de 19 anos11 mg40 mg
Lactantes com menos de 18 anos14 mg34 mg
Lactantes com mais de 19 anos12 mg40 mg
Fonte: Institute of Medicine 

Riscos do consumo em excesso de zinco

Feijão possui boas quantidade de zinco - Foto: Getty Images
Feijão possui boas quantidade de zinco
O consumo em excesso de zinco pode causar diarreia, náuseas e vômitos devido à uma irritação gastrointestinal. Pode ocorrer aumento da sudorese, taquicardia, visão turva e embaçada, hipotermia, complicações renais e até hemorragia. Além disso, ocorre a deficiência de cobre. O excesso de zinco por meio da alimentação é raro, normalmente ele ocorre devido a suplementação realizada de forma errada. 

Uso dos suplementos de zinco

Os suplementos de zinco costumam ser orientados em casos de pessoas que se alimentam mal e atletas. Contudo, a necessidade da suplementação deve ser determinada por um nutricionista ou nutrólogo. 

Fontes consultadas:

Nutrólogo André Veinert, da Clínica Healthme gerenciamento de Perda de Peso. 
Nutrólogo José Alves Lara neto, vice-presidente da Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN) 

Saiba tudo sobre Vitamina B12

A vitamina B12 é lipossolúvel e ajuda a manter o metabolismo do sistema nervoso e as células vermelhas do sangue saudáveis. Ela também reduz o risco de danos no DNA e previne pode ser boa para os músculos. 
Este nutriente ainda previne a anemia perniciosa, também conhecida como anemia megaloblástica. A vitamina B12 pode ser especialmente benéfica para idosos, pois estudos apontam que ela previne o encolhimento do cérebro. 

Benefícios comprovados da vitamina B12

Importante para formação das células vermelhas do sangue: A vitamina B12 é essencial para a formação, integridade e maturação das células vermelhas do sangue, as hemácias. Quando este nutriente está ausente, as hemácias aumentam de volume e o tamanho do núcleo fica desproporcional ao do citoplasma. 
Essencial para o sistema nervoso central: A vitamina B12 é necessária para o desenvolvimento e manutenção das funções do sistema nervoso. Sem essa vitamina, a mielina que recobre os nervos, como uma capa de proteção, sofre um desgaste que recebe o nome de desmielinização, processo que ocorre tanto em neurônios de nervos periféricos, quanto naqueles da substância branca do cérebro. 
Importante para o DNA: Uma pesquisa realizada pelo Linus Pauling Institute of Oregon State University dos Estados Unidos descobriu que a ingestão de vitamina B12 reduziu o risco de quebras nos cromossomos levando a danos no DNA. Sofrer danos no DNA é um dos fatores de risco para o câncer. 
Previne a anemia megaloblástica: A anemia megaloblástica é caracterizada pelo tamanho anormal e imaturidade das hemácias, além da diminuição de leucócitos e plaquetas. Como a vitamina B12 ajuda na formação, integridade e maturação das hemácias, ela também pode prevenir a anemia megaloblástica. 

Benefícios da vitamina B12 em estudo

Boa para idosos: A vitamina B12 é benéfica para os idosos por dois motivos. Um deles é porque ela é essencial para o desenvolvimento e manutenção das funções do sistema nervoso. Além disso, um estudo realizado pelo Departamento de Fisiologia, Anatomia e Genética da Universidade de Oxford, Inglaterra, comprovou que os idosos que receberam suplementação vitaminas B12, B6 e ácido fólico tiveram um menor encolhimento do cérebro ao longo dos dois anos do estudo. 

O atum é rico em vitamina B12 - Foto: Getty Images
O atum é rico em vitamina B12
Boa para os músculos: Algumas pesquisas apontam que a vitamina B12 ajuda na regeneração dos músculos e a manter as reservas de energia porque interfere na síntese de creatina, proteína essencial para manter o nível adequado de massa muscular.  

Previne depressão: Uma pesquisa publicada no The American Journal of Psychiatry concluiu que boas quantidade de vitamina B12 diminuem o risco da pessoa desenvolver depressão. 

Deficiência de vitamina B12

A deficiência de vitamina B12 pode causar uma série de problemas. A ausência da substância leva a lesões irreversíveis no sistema nervoso, devido à morte dos neurônios. Isso irá provocar neuropatias que tem como sintomas mais comuns o formigamento nas pernas, queimação na sola dos pés, dificuldade para andar e incontinência urinária. 
O leite possui boas quantidades de vitamina B12 - Foto: Getty Images
O leite possui boas quantidades de vitamina B12
A ausência de vitamina B12 também aumenta o risco da pessoas desenvolver depressão. A anemia megaloblástica também pode ocorrer devido à falta desta vitamina. Alguns outros sintomas da ausência da vitamina B12 no organismo são: 
  • Fadiga, falta de energia ou tontura ao se levantar ou fazer esforço
  • Falta de concentração
  • Falhas na memória
  • Paranoia e alucinações
  • Pele amarelada (icterícia)
  • Língua inchada e inflamada

Interações

O álcool e o tabaco podem interferir na absorção de vitamina B12. Evite consumir alimentos ricos em fibras junto com fontes de vitamina B12. Isto porque as fibras também podem atrapalhar a absorção da vitamina. Alguns medicamentos interagem com a vitamina B12, são eles: neomicina, colchicina, ácido aminossalicílico e metformina. 

Combinações da vitamina B12

Vitamina B12 + ácido fólico = Esta combinação é importante para manter em bom estado os níveis de homocisteína do corpo. 

Fontes de vitamina B12

A vitamina B12 está presente em boas quantidades nos alimentos de origem animal, especialmente nos peixes de águas frias e profundas, como salmão, truta e atum, fígado, carne de porco, leite e derivados, ovos e ostras. 
AlimentoQuantidade de vitamina B12
Fígado cozido - 100 gramas70 mcg
Atum cozido - 100 gramas10 mcg
Truta cozida - 100 gramas7.49 mcg
Salmão cozido - 100 gramas3.26 mcg
Leite - um copo - 244 g0.88 mcg
Ovo - uma unidade0.44 mcg
Fonte: Departamento de Agricultura dos Estados Unidos 

O uso do suplemento de vitamina B12

O suplemento de vitamina B12 é orientado quando há carência deste nutriente e isto é detectado por meio de um exame de sangue. Apenas os nutrólogos e nutricionistas podem recomendar a suplementação da vitamina B12. Como as principais fontes de vitamina B12 vem dos alimentos de origem animal, os vegetarianos, especialmente os veganos, têm mais chances de desenvolver carência do nutriente.  
Por isso, é importante que eles realizem exame e conversem com seu médico ou nutricionista sobre a necessidade da suplementação com a vitamina B12. Alguns cereais e produtos de soja podem conter boas quantidades de vitamina B12. 
Por isso, é importante que eles realizem exame e conversem com seu médico ou nutricionista sobre a necessidade da suplementação com a vitamina B12. Alguns cereais e produtos de soja podem conter boas quantidades de vitamina B12. 
Pacientes que se submeteram a uma cirurgia bariátrica tem mais chances de desenvolver deficiência de vitamina B12 porque a absorção dela se dá no intestino delgado depois de ter sido ativada no estômago. Por isso, é comum os pacientes serem suplementados com a vitamina B12 após a bariátrica e o acompanhamento continuar conforme a dieta evolui. 

Riscos do consumo em excesso de vitamina B12

O excesso de vitamina B12 geralmente ocorre por meio da suplementação, mas também pode acontecer devido ao excesso na alimentação. Grandes quantidades desta vitamina podem provocar pequenas alterações no baço e alteração e aumento dos linfócitos. Os problemas em decorrência dos excessos geralmente ocorrem quando a pessoa ingere suplementos sem orientação do nutricionista ou médico. 


Fontes consultadas:

Minha Vida

O que é cranberry?


Cranberry - Foto Getty Images
Cranberry é rico em antioxidantes
Arbusto pequeno originário da América do Norte, o cranberry era usado por tribos indígenas como alimento, em cerimônias e como medicamento. A planta dá origem a um fruto vermelho bastante ácido atualmente usado para consumo direto ou na culinária. No Brasil, o mais comum é o consumo do suco.

Outros nomes do cranberry

Oxicoco, arando-vermelho, mirtilo-vermelho, airela.                        

Principais nutrientes do cranberry

O cranberry é rico em proantocianidina, substância apontada por estudos como sendo de 15 a 25 vezes mais potente do que a vitamina E para inibir a aderência de bactérias do tipo E.coli na mucosa da bexiga, combatendo infecções do trato urinário. A fruta ainda é composta pelas vitaminas C e E, mas tais nutrientes se tornam pouco significativos dentro de uma dieta que respeite a recomendação diária de ingestão do alimento. O cranberry ainda oferece substâncias antioxidantes, como os flavonoides e ácidos fenólicos ao organismo.

CRANBERRYSUCO DE CRANBERRY
Água (g)87,1387,13
Calorias (Kcal)4646
Proteínas (g)0,390,39
Carboidratos totais (g)12,212,2
Fibras (g)4,60,1
Açúcar (g)4,0412,1
Lipídios (g)00,13
Cálcio (mg)88
Ferro (mg)0,250,25
Magnésio (mg)66
Fósforo (mg)1313
Potássio (mg)8577
Sódio (mg)22
Zinco (mg)0,10,1
Vitamina C (mg)13,39,3
Vitamina A (µg)32
Vitamina E (mg)1,21,2
Vitamina K (µg)5,15,1
                                                     

Benefícios do cranberry

O principal destaque do cranberry é a crescente evidência de sua eficácia na prevenção de infecções do trato urinário, como a cistite. A fruta também é utilizada por pacientes com bexiga neurogênica, doença do sistema nervoso ou de nervos envolvidos no controle da micção, assim como por pessoas que sofrem de incontinência urinária com o objetivo de desodorizar a urina.
Algumas pessoas usam cranberry para aumentar o fluxo de urina, matar germes, acelerar a cicatrização da pele e baixar a febre. A ingestão da fruta ainda é comum entre portadores do diabetes tipo 2, da síndrome da fadiga crônica, do escorbuto, da pleurisia, de câncer e de doenças cardiovasculares pelo alto teor de antioxidantes nela presentes.
Estudos mostram ainda que a presença de proantocianidinas é capaz de impedir a fixação da bactéria Helicobacter pylori na mucosa estomacal, evitando, assim,gastrites e úlceras. Há evidências também de que o cranberry seja capaz de barrar a colonização de bactérias periodontopatogênicas, causadoras da placa bacteriana.

Onde encontrar o cranberry

O suco de cranberry, variedade mais consumida da fruta, pode ser encontrado em supermercados e lojas de produtos naturais.

Como consumir o cranberry


O cranberry está disponível para consumo como fruta fresca, suco, calda e fruta seca.     

Contraindicações para o consumo de cranberry

Suco de cranberry - Foto Getty Images
Suco de cranberry é o tipo mais consumido no Brasil
O consumo de cranberry é seguro para a maior parte das pessoas, desde que a ingestão não ultrapasse a quantidade diária recomendada (480 ml). Para gestantes e mulheres no período de aleitamento só não é recomendada a ingestão de suplementos de cranberry, pois não se sabe se eles são seguros para este público.

Riscos do consumo de cranberry

O cranberry contém quantidades significativas de ácido salicílico, semelhante à aspirina, portanto deve ser evitado por pessoas alérgicas ao medicamento. Vale lembrar ainda que alguns sucos de cranberry têm açúcar de adição, não sendo recomendados por portadores do diabetes.
O suco de cranberry ainda é rico em oxalato, podendo aumentar os níveis dessa substância química na urina em até 43%. Como pedras no rim são formadas principalmente pela combinação de oxalato com cálcio, a ingestão máxima recomendada do suco para pessoas com histórico da doença deve ser estabelecida por um profissional de saúde.

Efeitos-colaterais do consumo de cranberry


Beber muito suco pode causar dor de estômago e diarreia leve.             

Interações com o cranberry

O cranberry estende o tempo de permanência da varfarina, medicamento usado para retardar a coagulação do sangue, no organismo. Assim, o consumo por quem usa o fármaco pode aumentar o risco de hematomas e sangramento.
O cranberry diminui a velocidade com que o fígado metaboliza alguns medicamentos. Beber suco de cranberry durante um tratamento com medicação que é alterada pelo fígado, portanto, pode aumentar os efeitos esperados e os efeitos colaterais do remédio.

Quantidades recomendadas de cranberry

Especialistas usaram diferentes quantidades de suco de cranberry em suas pesquisas, mas estudos consistentes publicados no American Journal of Clinical Nutrition, em 2011, e The Journal of Nutrition, em 2010, apontaram benefícios significativos com o consumo diário de aproximadamente 480 ml da bebida.
Fontes consultadas:
United States Department of Agriculture 
MInha Vida