quarta-feira, 24 de junho de 2015

Alimentação do Idoso


Cuidados com Alimentação na Terceira Idade

terceira idade inicia-se em torno dos 65 anos de idade, mas muitos fatores influenciam na velocidade e intensidade do processo de envelhecimento de cada um. Dentre estes podemos citar a alimentação, o meio ambiente, estilo de vida, o hábito de fumar, a alimentação, a prática de atividade física, a depressão, o stress, etc.

A escolha de alimentos e os hábitos alimentares dos idosos são afetados não apenas pela preferência, mas também pelas transformações que acompanham a experiência de envelhecer em nossa sociedade. Se as pessoas vivem sós, com familiares ou em instituições, tudo isso afeta o que elas comem.

Exemplos de mudanças físicas provocadas pelo envelhecimento que afetam a nutrição:
  • Trato digestório: Os intestinos perdem força muscular, o que resulta em motilidade retardada levando a constipação. Inflamação do estômago, crescimento bacteriano anormal e grande redução do débito de ácido prejudicam a digestão e absorção. As dores podem causar recusa de alimentos ou ingestão reduzida.
  • Composição corporal: Perda de peso e declínio da massa corporal magra levam a necessidades diminuídas de calorias. Pode ser evitável ou reversível com a prática de atividades físicas.
  • Órgãos sensitivos: A diminuição dos sentidos do olfato e paladar podem reduzir o apetite; visão diminuída pode dificultar a compra e a preparação dos alimentos.
  • Hormônios: Por exemplo, o pâncreas secreta menos insulina, e as células tornam-se menos responsivas, causando metabolismo anormal de glicose. É preciso cuidado para desenvolver um caso de diabetes.
O alimento é fundamental para a manutenção de todos os nossos processos vitais. Ele nos fornece a energia necessária para a manutenção destes processos. Uma dieta adequada é aquela que assegura a ingestão equilibrada de todos os nutrientes, ou seja: as proteínas, as gorduras, as vitaminas, os sais minerais, as fibras e também a água.
Todo alimento possui vários nutrientes e estes nutrientes exercem diferentes funções no organismo. Portanto os alimentos são classificados em grupos de acordo com a quantidade de nutrientes que possuem, e a função que exercem.

Então foi feita uma divisão em três tipos de alimentos que são importantes para o nosso corpo. As funções dos alimentos são classificadas em: energética, construtora e reguladora.

Função Energética
Uma das funções dos alimentos é a de fornecer energia que funciona como combustível para exercermos as mais diversas atividades (andar, falar, respirar, para o coração bater, etc.) Portanto os alimentos que mais fornecem energia são os que possuem quantidades elevadas de carboidratos e gorduras.

Alimentos Energéticos:
Fontes de carboidratos: arroz, milho, centeio, pão, macarrão, batata, aveia, cará, inhame, açúcares, doces, mel, geléia, cevada trigo, aveia, etc.
Fontes de gorduras: creme de leite, amêndoas, amendoim, banha, bacon, manteiga, margarina,etc. Estes alimentos devem ser consumidos moderadamente, devido o seu consumo excessivo estar associado a incidências de obesidade, dislipidemias e hipertensão arterial. É importante ressaltar que a ingestão de alimentos ricos em gordura auxilia na absorção das vitaminas lipossolúveis.

Função Construtora
É a de fornecer “material” para construção e manutenção das diferentes partes do corpo e a reparação dos tecidos que são perdidos com maior frequência, através de descamações, suor, cicatrizações, dentre outros. Os alimentos que exercem esta função são fontes de proteínas. As proteínas é que são responsáveis pela formação dos anticorpos (protege contra as doenças), e de todos os órgãos do nosso corpo.

Alimentos Construtores:
Fontes de proteínas: ovos, feijão, ervilha, lentilha, soja, grão de bico, leite iogurte, coalhada, carne, etc. O consumo de leite e derivados torna-se ainda mais importante na terceira idade devido os ossos ficarem mais fracos e são de difícil cicatrização.

Função Reguladora
Regular as funções do organismo, ou seja, facilitar a digestão e absorção dos nutrientes,
fortalecer o sistema imunológico, permitir o bom funcionamento intestinal, proteger a visão, pele e dentes. Os alimentos reguladores são fontes de vitaminas, minerais e fibras.

Alimentos Reguladores:
Fontes de vitaminas, minerais e fibras: pepino, berinjela, abobrinha, chuchu, cenoura, limão, laranja, goiaba, manga, caju, morango, mexerica, almeirão, acelga, brócolis, escarola, mostarda, salsa, couve e cereais integrais.

Dicas para o idoso ter uma alimentação saudável:
  • Planejar as refeições diárias. Faça um cardápio bem variado;
  • Fazer as refeições em local agradável;
  • Higienizar sempre as mãos antes das refeições;
  • Se possível fazer as refeições em companhia de outras pessoas;
  • Não ficar preso às regras de etiqueta;
  • Preparar refeições atrativas e saborosas;
  • Comer devagar, mastigando bem os alimentos;
  • Cortar os alimentos em pedaços pequenos, moer, ralar, desfiar ou alterar sua textura;
  • Tomar líquidos devagar, gole por gole;
  • Variar alimentos e forma de prepará-los;
  • Utilizar com moderação óleos vegetais para preparar as refeições;
  • Não cozinhar com gordura animal (banha, toucinho);
  • Reduzir o consumo de açúcar e sal. Retirar o saleiro da mesa;
  • Incentivar o consumo de frutas e hortaliças. Usar leite e derivados desnatados, pães integrais, arroz integral;
  • Comer de 3 em 3 horas;
  • Dar preferência à água e sucos naturais. Evitar refrigerante;
  • Usar com moderação alimentos ricos em cafeína (caféchocolate, chás,etc.);
  • Não substituir refeições por guloseimas e lanches;
  • Ingerir diariamente um produto probiótico (leite fermentado, iogurtes,etc.);
  • Evitar consumo excessivo de bebidas alcoólicas;
  • Manter o peso dentro dos limites saudáveis e
  • Praticar atividade física após orientação com um profissional.
  • Para garantir o recebimento adequado de todos os nutrientes, é importante ter uma alimentação balanceada e diferenciada!!!!
    Fonte: Nutrício

Disfagia ou dificuldade de deglutição ou engasgos!

         Se você perceber que uma pessoa tem dificuldade ao engolir, sensação de algo parado na garganta, tosse ou engasgos freqüentes,  causados  por alimentos ou pela saliva, notar cansaço, febre ou rouquidão ou restos de comida na boca após a alimentação, cuidado! Você pode estar diante de uma DISFAGIA.
        O Fonoaudiólogo   é o profissional que trabalha a musculatura responsável pela DEGLUTIÇÃO.
        O que é DISFAGIA ? É  um distúrbio ao engolir  saliva e alimentos.

        Por que ocorre o engasgo?
        Quando engolimos saliva ou alimentos, alguns músculos contraem e fecham a passagem para o nariz e para os pulmões.  Esse mecanismo de proteção é comandado pelo cérebro. Por isso, algumas doenças neurológicas ( AVC, Esclerose, Parkinson, Paralisia Cerebral ) podem  afetar  esta função.
        O Fonoaudiólogo utiliza exercícios que fortalecem esta musculatura  e manobras ao  engolir, que compensam as limitações causadas por  estas doenças.
        Através de poucos  atendimentos, o FONOAUDIOLOGO  treina o indivíduo  sobre quais  cuidados ele deve ter com cada tipo de alimento,  qual a quantidade a ser colocada na boca, como triturar bem e a consistência  ( líquidos e farofas podem causar mais engasgos).
        O acontece durante o engasgo?
        A comida vai para os pulmões ( laringe) ao invés de ir para o esôfago.
        Em conseqüência, nosso corpo desencadeia a TOSSE, que é um mecanismo de proteção, que força o alimento ou saliva a sair  e  voltar para a boca.
       Infelizmente, pode ocorrer de o indivíduo não conseguir tossir, e ir ficando roxo. Se não  for feito  o socorro  a tempo, a pessoa  pode sofrer asfixia e  morrer.

O envelhecimento não ocorre igualmente em todo ser humano. Alguns apresentam maiores dificuldades neste processo. Contudo, com o avançar da idade, todos necessitam de atenção e  cuidados específicos para que isso ocorra de forma saudável. Envelhecer não é adoecer.
        É fundamental oferecer orientações   aos idosos, suas famílias e à sociedade   como um todo sobre os cuidados que esta   fase da vida requer. Todos precisam  aprender a envelhecer com saúde, com      qualidade de vida.
        Buscando essa qualidade, a alimentação é um ponto a ser acompanhado de perto. Mais do que uma necessidade, alimentar-se é também um ato de socialização, que une pessoas, da amamentação aos jantares de negócios ou reuniões em família, isso sem falar na  satisfação do prazer de comer.
        São sensações que não precisam ficar apenas na lembrança do idoso. Com algumas dicas é possível continuar a  alimentação de forma adequada, reconhecer alterações neste processo e procurar o tratamento adequado.

Fonte: Ana Maria Casaca