quarta-feira, 8 de abril de 2015

Dicas alimentares para ganho de massa magra

Você mantém a malhação em dia, mas ainda não conquistou os músculos que queria? Aposte nessa dieta turbinada, que ajuda você a ganhar massa magra e definição

Aliados para a sua dieta

Tomate dá sabor sem engordar 
 
Ele é um curinga na cozinha, pois pode ser consumido cru, cozido, em molhos, e combina com quase tudo: massa, carne, frango, outros vegetais. Como é pouco calórico - um tomate tem 25 calorias -, ajuda a aumentar o volume da refeição, dando sensação de saciedade, sem pesar na balança. Além disso, é uma boa fonte de antioxidantes, como a vitamina C e o licopeno. 
 
Soja mantém massa magra 
 
Esse grão tem uma grande importância nutricional por apresentar um alto valor protéico e uma boa quantidade de fibras solúveis, que fazem o intestino funcionar direitinho. Também é rico em um aminoácido chamado leucina. De acordo com uma pesquisa publicada pela American Society for Nutritional Sciences (Sociedade Americana de Nutrição), dietas que oferecem leucina ajudam a preservar a massa muscular, o que mantém a taxa de metabolismo normal, facilitando a manutenção do peso. “Os regimes levam à diminuição da massa magra e essa perda é responsável pela dificuldade de manutenção do peso”, diz Patrícia Bertolucci. “Quanto maior a nossa massa muscular, mais calorias gastamos ao dia”, acrescenta.
 
DIETA TURBINADA

CAFÉ DA MANHÃ

Opção 1: 1/2 xíc. (chá) de morangos + 2 col. (sopa) de aveia + 1 pote de iogurte desnatado + 1 xíc. (café) de café

Opção 2: 1/2 papaia + 2 fatias de pão integral light + 2 col. (sobremesa) de queijo cottage + 1 copo de iogurte light à base de soja (por ex. Leco ou Ades) + 1 xíc. (chá) de chá-mate

Opção 3: 1 fatia de melão + 2 torradas integrais, 2 col. (sobremesa) de cream cheese light + 1 xíc. (chá) de café com leite desnatado

Opção 4: 1 goiaba + 3 biscoitos salgados + 1 col. (chá) de requeijão light + 3 fatias de peito de peru + 1 xíc. (chá) de chá de erva-doce

Opção 5: 1 copo (200 ml) de leite de soja batido com uma maçã + 2 fatias de pão integral light + 2 fatias finas de mussarela + 1 xíc. (café) de café

Opção 6: 1 fatia de mamão + 2 fatias de pão de cereais light + 2 col. (sobremesa) de requeijão light + 1 xíc. (chá) de café com leite desnatado

LANCHE DA MANHÃ

Opção 1: 1 barrinha de cereais light

Opção 2: 1 pera

Opção 3: 1 copo (200 ml) de leite de soja (pronto, sem sabor)

Opção 4: 1 mexerica

Opção 5: 1 pote de iogurte de frutas light

Opção 6: 3 biscoitos de aveia e mel

ALMOÇO

Opção 1: Salada de alface, cenoura crua ralada e 2 col. (sopa) de soja cozida + 1 filé de peito de frango grelhado (130 gramas/cru) com molho de tomate e 1 fatia de queijo-de-minas light + 2 col. (sopa) de escarola cozida + 1/2 manga

Opção 2: Salada de agrião, alface americana e tomate + 1 filé grande de peixe branco (130 gramas/cru) assado com cebola e pimentão + 1 col. (sopa) de batata sautée + 2 col. (sopa) de espinafre cozido + 1 bombom tipo Alpino

Opção 3: Salada de acelga, palmito e pimentão + 1 tomate assado, recheado com 1 col. (sopa) de queijo cottage com um fio de azeite e salsinha + 2 col. (sopa) de arroz integral + 2 col. (sopa) de brócolis cozidos, 1 kiwi

Opção 4: Salada de almeirão, cenoura e tomate + 1 quibe de proteína de soja assado + 2 col. (sopa) de vagem sautée + 1 pote de sorvete à base de leite de soja (tipo Ades)

Opção 5: Salada de escarola, tomate e rabanete + 1 bife de filé mignon (100 gramas/cru) grelhado + 2 col. (sopa) de arroz integral + 2 col. (sopa) de feijão + 1 cacho pequeno de uva

Opção 6: Salada de rúcula (ou alface) e beterraba + 150 g de tofu (queijo de soja) grelhado com molho shoyu e gengibre ralado + 1 porção de yakissoba (1 xícara de macarrão com legumes: cenoura, cebola, pimentão, ervilha torta e repolho) + 1 fatia de melancia

LANCHE DA TARDE

Opção 1: 1 copo (200 ml) de leite de soja light batido com 3 amêndoas ou 3 castanhas-do-pará

Opção 2: 3 biscoitos integrais + 1 pote de iogurte de fruta light

Opção 3: 1 barrinha de soja (tipo Ativa Soy) + 1 copo (200 ml) de suco à base de soja light (tipo Del Valle ou Ades)

Opção 4: 2 fatias de pão light + 2 fatias de tomate + 3 fatias de peito de peru

Opção 5: 1 barra de proteínas pequena ou 1/2 barra grande

Opção 6: 2 Polenguinhos Light + 3 fatias de pão tipo sueco de soja light

JANTAR

Opção 1: Salada de alface + 1 pão sírio pequeno + 1 fatia de queijo prato + 3 fatias de presunto magro + 1 col. (café) de requeijão light + 3 fatias de tomate + 1 caqui

Opção 2: Salada de acelga e cenoura + 1 hambúrguer de peru light assado + 2 col. (sopa) de molho de tomate + 2 col. (sopa) de ervilha + 1 gelatina diet

Opção 3: Salada de alface e rabanete ralado + 1 lata de atum em água com cubinhos de tomate, cebola e salsinha + 2 col. (sopa) de soja cozida + 1 xíc. (chá) de salada de frutas

Opção 4: Salada de escarola e tomate-cereja + 2 empanadinhos de peixe assado + 2 col. (sopa) de milho + 1 col. (sopa) de ervilha + 1 fatia de abacaxi

Opção 5: Salada de alface, pepino e tomate + Omelete com 2 ovos tomate, pimentão vermelho, vagem e 1 fatia fina de queijo mussarela + 1 torrada integral light + 1 picolé de frutas

Opção 6: Salada de folhas verdes, cenoura e cogumelos + 1 porção (200 ml) de sopa de tomate com 2 col. (sopa) de proteína de soja em grãos e 1 fatia de queijo-de-minas light cortado em cubinhos + 1 pudim diet

Dica da nutricionista:

A medida da salada é de 1 prato de sobremesa. Você pode temperá-la com sal, limão e mostarda.

CEIA

Coma a fruta de sua preferência, com exceção do coco e do abacate.



Fonte: Mde mulher

Sugestão de cardápio para Câncer

A seguir, uma sugestão de cardápio para pacientes com câncer: 

Desjejum
   
  • 1 copo (200ml) de leite.
  • 1 unidade (50g) de pão francês.
  • 2 fatias pequenas (50g) de queijo minas.
  • 1 porção de frutas.
  • açúcar.

Almoço
 
  • vegetais folhosos à vontade.
  • 2 colheres de sopa de arroz.
  • 1 concha pequena de feijão.
  • 4 colheres de sopa (100g) de legumes cozidos.
  • 1 unidade média (100g) de bife na chapa.
 
Sobremesa

  • 1 porção de frutas.

Lanche
 
  • vitaminas de frutas.
  • torrada com queijo.
  • açúcar.

Jantar
 
  • vegetais folhosos à vontade.
  • 2 colheres de sopa (100g) de arroz.
  • 4 colheres de sopa (100g) de legumes cozidos.
  • 1 fatia média de filé de frango.

Sobremesa
 
  • 1 porção de frutas.

Lanche
 
  • 1 copo de (200ml) de leite.
  • 3 unidades de bolacha d’água.
  • açúcar.
 
OBS: Verificar " lista de substituições " por grupos de alimentos 

Lista de substituições

Uma porção possui, em média, 80 quilocalorias, 15 gramas de carboidratos, 2 gramas de proteínas, 1 grama de lipídios, 1 grama de fibras ou 2,5 grama se o produto for integral. 

  • 1 fatia de pão.
  • ½ pão de hambúrguer ou de cachorro quente ou pão francês.
  • 1 pãozinho de leite ou bolinho ou biscoito (cerca de 25 gramas cada).
  • ½ xícara (5 colheres de sopa) de cereal cozido (ex: aveia, farinha de milho, neston).
  • ¾ de xícara (4 colheres de sopa ou 30 gramas) de cereal instantâneo (aveia, all bran, corn flakes).
  • ½ xícara (4 colheres de sopa cheias) de macarrão, arroz cozido ou polenta.
  • 5-6 crackers pequenos (ex: salclic).
  • 3 a 4 crackers médias.
  • 1 pão sírio pequeno.
  • 2 bastões grandes de grissini (ou 8 bastões pequenos).
  • 3 colheres de sopa de farinha.
  • 1 tortinha média de trigo ou milho.
  • 1 panqueca pequena.
  • 1 fatia fina de bolo.
  • 4 biscoito doces pequenos.
  • ½ sonho médio.
  • ½ croissant grande.
  • 8 biscoitos de arroz pequeno.
  • 3 xícaras de pipoca.
  • 12 chips de tortinha.
  • Fonte: Oncoguia

Orientações Alimentares para paciente com câncer

Alimentando-se corretamente o paciente irá se sentir melhor e mais forte, além de manter ou recuperar o peso, tolerar melhor os tratamentos e os efeitos colaterais, diminuir o risco de infecção e melhorar a cicatrização. 

A terapia nutricional para pacientes com câncer deve ser realizada de forma individualizada, levando-se em consideração, suas necessidades nutricionais, restrições dietéticas, tolerância, estado clínico, e efeitos colaterais esperados.  Deve ser instituído tão logo seja diagnosticado a doença para prevenir a perda de peso e a desnutrição.

A escolha da estratégia nutricional pode variar desde a orientação nutricional nos primeiros estágios preventivos do diagnóstico, até a implementação de nutrição enteral (por sonda) em pacientes que não sejam capazes de suprir suas necessidades por via oral.

A incidência de desnutrição em pacientes com câncer varia de 40 a 80%, sendo que os pacientes com tumores na região de cabeça e pescoço, pulmão, esôfago, estômago, cólon, reto, fígado e pâncreas apresentam uma maior prevalência, enquanto os pacientes com câncer de mama, leucemia, sarcoma e linfomas tem um baixo risco de perda de peso. A variação dessa prevalência ocorre primeiramente pela localização do tumor, mas pode ser também devido a diferentes critérios utilizados para definir a desnutrição: idade, tamanho do tumor, tipo histológico, grau de estadiamento, presença de metástase e tratamento oncológico.

Os efeitos clínicos da desnutrição se manifestam por dificuldade de cicatrização, aumento do risco de infecção e toxicidade do tratamento, maior demanda de cuidados e custos hospitalares, diminuição da resposta ao tratamento, da qualidade de vida e sobrevida, quando comparados com pacientes com um adequado estado nutricional. 

As modalidades de tratamento para o câncer podem incluir cirurgia, quimioterapia, radioterapia ou a combinação de ambos. Cada uma destas podem resultar em efeitos colaterais que afetam o estado nutricional. As cirurgias podem resultar em dor local, dificuldade de mastigação e deglutição, jejum prolongado, fístulas, infecção da ferida operatória, etc. A radioterapia e a quimioterapia não atuam exclusivamente na população de células malignas, atuam também nos tecidos normais, causando os efeitos colaterais e contribuindo para problemas nutricionais específicos e afetando potencialmente o estado nutricional do paciente. 

Alguns quimioterápicos levam a anorexia causando uma anormalidade no paladar, presença de ulceração na mucosa como mucosite, queilose, glossite, estomatite e esofagite interferindo na ingestão de nutrientes devido a dor severa. Praticamente todas as drogas antineoplásicas causam náuseas, vômitos e alterações gastrointestinais como a diarréia e a constipação, sendo que esses sintomas são proporcionais a quantidade de droga ministrada, tornando-se mais intensos quando a quantidade de droga for maior. As primeiras consequências são redução da ingestão alimentar e com isso uma depleção do estado nutricional.

A gravidade dos efeitos da radiação dependem da área tratada, do volume, da dose e do tempo de tratamento. Apesar de temporários esses sintomas levam a graves consequências nutricionais, em especial quando os pacientes não são submetidos a um acompanhamento nutricional precoce e adequado. Portanto, as intervenções nutricionais pró-ativas em substituição às reativas devem integrar a terapia do câncer para que haja melhora nos resultados clínicos e na qualidade de vida.

A terapia nutricional pode ser feita por três vias, ou seja, a via oral, enteral ou parenteral. Cada método tem suas indicações precisas e adequadas, não cabem considerações sobre qual método é mais seguro ou barato. Havendo condições sempre a via mais fisiológica é a ideal. 

Deve-se insistir na via oral, fracionando melhor as refeições, modificando a consistência da dieta e variando a alimentação para evitar monotonia. Se apesar destes ajustes não se conseguir atingir as necessidades calóricas, é válido o uso de suplementos nutricionais orais.  
Recomendações nutricionais para melhorar os sintomas causados pelos tratamentos:
 
Sintomas
Recomendações possíveis
Anorexia
Orientar sobre a necessidade de um bom estado nutricional Aumentar o fracionamento das refeições /Aumentar a densidade calórica das preparações /Melhorar a apresentação dos pratos /Utilizar bebidas nutritivas /Possibilitar a escolha das refeições /Proporcionar ambientes agradáveis para as refeições /Evitar cobrança excessiva de ingestão alimentar
Fadiga
Receber ajuda na acomodação à mesa /Não ajudar na preparação dos alimentos /Adaptar a consistência da dieta
Náuseas e vômitos
Aumentar o fracionamento das refeições /Não ingerir líquidos durante as refeições /Ficar afastado da cozinha durante o preparo das refeições /Evitar os alimentos muito condimentados, gordurosos e doces /Alternar refeições líquidas com as sólidas, não-concomitantes/Sugerir preparações de alta digestibilidade em temperatura fria ou gelada ou à temperatura ambiente /Não deitar-se logo após as refeições
Alteração de paladar e odor
Manter a temperatura das refeições conforme melhor aceitar Substituir os alimentos pouco tolerados por aqueles nutricionalmente similares e melhor aceitos. Melhorar a apresentação dos pratos
Mucosite, estomatite, odinofagia, ulcerações na orofaringe
Antes das refeições, providenciar alívio da dor /Evitar os alimentos irritantes (especiárias, secos, duros, ácidos, etc.) /Evitar extremos de temperatura /Modificar a consistência da dieta para pastosa ou semi-sólida dependendo do grau de comprometimento da mucosa oral /Cuidados com higiene oral /Indicar terapia nutricional enteral nos casos mais graves /Evitar bebidas alcoólicas, cafeína e tabaco
Xerostomia
Ingerir pequenas quantidades de líquidos frequentemente Avaliar a necessidade de saliva artificial e indicá-la. Estimular o consumo de balas de limão ou hortelã e gomas sem açúcarIntroduzir mais molhos, caldos, sopas na dieta
Saciedade precoce
Aumentar o fracionamento das refeições /Evitar o consumo abundante de bebidas, especialmente durante as refeições /Evitar alimentos crus /Evitar preparações gordurosas ou muito ricas em molhos
Diarréia
Aumentar a ingestão de líquidos /Preferir refeição leve /Ingerir pequenas porções durante o dia /Utilizar temperos como cebola, alho, sal e óleo com moderação /Suspender os alimentos laxativos como verduras, frutas comolaranja, mamão, ameixa preta, côco (a água de côco pode) /Introduzir os alimentos constipantes como batata, mandioca,sagú
Constipação Intestinal(prisão de ventre)
Aumentar a ingestão de líquidos, dando preferência aos sucos laxativos /Aumentar o consumo de alimentos ricos em fibras (legumes, frutas com casca ou bagaço, verduras cruas e cozidas, cereais integrais) /Evitar o consumo de maisena, creme de arroz, arrozina e fubá /Praticar atividade física sob orientação médica
 
O que devo fazer para ter uma alimentação adequada?

Os alimentos desempenham diversas funções no organismo. Dessa forma, eles se agrupam de acordo com as funções que exercem, não existindo nenhum alimento que seja completo, ou seja, que sozinho tenha tudo o que nosso organismo precisa para ter um bom funcionamento, portanto, é necessário introduzir alimentos de funções diferentes nas suas refeições para sua dieta estar equilibrada. Por exemplo: o almoço contendo 1 porção de cereal (arroz ou macarrão ou batata) + 1 porção de leguminosa (feijão ou lentilha ou ervilha) + 1 porção de carne ou ovo  + 2 porções de hortaliças (vegetais crus e cozidos) + 1 porção de fruta como sobremesa. 

Utilizar o óleo e sal com moderação para o preparo das refeições e cebola, alho e ervas aromáticas (salsa, coentro, manjericão, alecrim, louro, etc) à vontade. Para saber mais dê uma olhada num exemplo de uma dieta geral.

O tratamento do câncer é complexo e leva às alterações físicas, psicológicas e sociais, não só para o portador da neoplasia, mas também para as pessoas que convivem com ele.  A importância e a necessidade de uma equipe multidisciplinar, geralmente envolvem o trabalho de diversos especialistas treinados e experientes, em locais que possuem infra-estrutura suficiente, com o objetivo de redução da mortalidade e melhora da qualidade de vida do paciente e de seus familiares.
Fonte: Oncoguia