sábado, 28 de fevereiro de 2015

Suco de Frutas vermelhas- Qual a sua ação?

Ação antioxidante


O principal ponto do suco vermelho é a sua forte ação antioxidante. Isto porque as frutas vermelhas e roxas possuem fitoquímicos, especialmente as antocianinas, que tem um poderoso efeito antioxidante. Assim, o suco vermelho age combatendo os radicais livres, responsáveis por danificar as estruturas celulares. "Frutas com o tom mais arroxeados como a uva roxa, amora silvestre, mirtilo e jabuticaba possuem boas quantidades de antocianinas. A casca da maçã, o morango e a melancia também contam com esta substância", conta o nutrólogo Roberto Navarro. Todas as berries, como blueberry (mirtilo), framboesa e cranberry, contam com este fitoquímico.
Fonte:Minha Vida

No Verão tenha cuidados ao fazer exercícios!

O calor desse ano está sendo bem forte, e precisamos de alguns cuidados para realizar exercícios físicos. Os cuidados devem ser observados também em atividades de lazer, mas em exercícios físicos programados deve ser maior ainda. 
Nosso corpo funciona em 36°C, quando fazemos atividades físicas a temperatura corporal sobe para 38°C, temperatura muito parecida com um estado febril. Essa situação já provoca desidratação, e por isso suamos. Se o ambiente em que a pratica de atividade física for quente, maior será a elevação da temperatura interna corporal. Temperaturas muito elevadas podem levar à morte, com 41°C já corremos um enorme risco.  
Algumas atitudes simples ao praticar exercícios são capazes de afastar os riscos e permitir que as pessoas façam atividades físicas de forma saudável no verão. São elas: 
  • Evitar realizar exercícios nos horários entre 10h e 17h
  • Evite ambientes sem ventilação, afinal, eles fazem com que o espaço fique abafado, aumenta o calor e as chances de elevar a temperatura corporal
  • Evite roupas quentes, use roupas leves e que facilitem a transpiração. Ao contrário do que alguns acreditam, vestir roupas quentes para suar mais, não irá contribuir para a perda de peso e ainda pode afetar a saúde
  • Beba muita água! No mínimo 300 ml durante os exercícios aeróbios ou nos musculares e cerca de dois litros por dia
  • Frutas possuem bastante líquido, o que ajuda muito na hidratação, além disso são ricas em nutrientes importantes para a saúde. Então, pode investir nelas
  • Antes dos treinos coma algo leve, saiba quais os melhores alimentos antes dos treinos, aqui
  • Use bonés, óculos e filtro solar para se proteger do sol
  • Na musculação evite ambientes muito fechados, sem ventilação
  • Observe sempre sua frequência cardíaca em exercícios aeróbios e na musculação. Quando a frequência se eleva muito é sinal que há algo errado
  • Não corra na hora do almoço em dias muitos quentes
  • Para indivíduos hipertensos, a regra é mensurar a pressão arterial antes e após os exercícios em dias de muito calor, de forma que se a pressão estiver alta os exercícios não deveram ser realizados
  • Caso você sinta algum mal estar como câimbras, náuseas, tontura, vômito e batimentos cardíacos mais acelerados que o normal, pare os exercícios
  • Em indivíduos hipertensos e com alguma patologia cardíaca as orientações do médico que o acompanha e de um Profissional de Educação Física são extremamente importantes.
  • Fonte:Minha Vida

A cirurgia bariátrica indicada para cada paciente

Como qualquer tratamento, as cirurgias bariátricas e metabólicas são individualizadas, dependendo de diversos fatores, incluindo idade, número e severidade das doenças associadas. 
Relembrando o que já discutimos em artigos anteriores, as operações bariátricas são diferentes das metabólicas. Estas últimas tem como indicação o controle do diabetes do tipo 2 e das outras doenças associadas como hipertensão e hiperlipidemia (problemas com o colesterol e triglicérides), inicialmente através de mecanismos que não dependem da perda de peso.  
Sendo que o emagrecimento é um excelente efeito colateral a longo prazo e as bariátricas que tem como finalidade a perda ponderal para controle de outros problemas que são diretamente secundários ao excesso de peso, como problemas de articulações, coluna, refluxo de ácido do estômago para o esôfago dentre outras. 
Basicamente hoje estão regulamentadas pelo Conselho Federal de Medicina 4 tipos de operações: a gastroplastia em Y de Roux(GYR), que é a mais realizada no país (redução do estômago e desvio curto do intestino), a gastrectomia vertical (GV) e as operações chamadas de derivações bileo pâncreasicas (DBP) que são aquelas que essencialmente privilegiam a má absorção e tem um componente gástrico (redução do estomago) diferente da GYR. Finalmente, o último tipo de operação é a banda gástrica ajustável, praticamente não mais utilizada em nosso país por resultados pouco animadores a médio/longo prazo. Qualquer outro procedimento que não seja um destes listados acima deve ser considerado experimental e somente realizado sob protocolos de pesquisa. 
Dentre as cirurgias regulamentadas, as que apresentam melhor perda de peso a longo prazo são as DBP. As DBP são aquelas que privilegiam a má absorção proteico calórica. Tem excelentes resultados a longo prazo em relação à perda ponderal e resolução do diabetes.
As outras 2 opções são as mais indicadas atualmente. A GYR é a operação que tem mais tempo de acompanhamento e é a que mais estudos tem em relação ao seu mecanismo de ação e seus resultados. Ela tem perda de peso a longo prazo de 60 a 70% do excesso de peso, cerca de 35 a 40% do peso total. Além disso, tem algumas ações antidiabéticas independentes da perda de peso, fazendo com que ela tenha mais eficácia no controle do diabetes tipo 2 e outros componentes da síndrome metabólica. Se comparada com as DBP, tem perda de peso pouco menor e resolução do diabetes também pouco menor, porém com índices iguais de diminuição da mortalidade de causas cardiovasculares, que é o objetivo final do tratamento do diabetes tipo 2. Outra notável diferença é que ao contrário das DBP, tem a longo prazo números desprezíveis de deficiências nutricionais sérias.
A GV é relativamente nova, porém recentemente despertou entusiasmo na comunidade cirúrgica. 
A perda de peso da GV é melhor que a banda gástrica, porém menor que a GYR. Os resultados em relação ao controle do diabetes tipo 2 e dos outros componentes da síndrome metabólica, é também inferior à GYR. 
A GV deve ser indicada para aqueles sem diabetes avançado, com índices de massa corpórea (IMC) mais baixo, portanto com o objetivo de perda ponderal mais modesta. A perda de peso é de aproximadamente 50% do excesso de peso ou de 25 a 30% do peso total. Porém, a chance de resolução do diabetes tipo 2 na GV é menor que no bypass e a diferença aumenta quanto mais tempo de pós operatório passa.
Outra questão em relação à GV é que é uma operação, pelas suas características técnicas, que aumenta a predisposição de refluxo de ácido do estômago para o esôfago. Portanto, o médico e os pacientes devem ter cautela. 
Já GYR tem bons resultados a longo prazo em pacientes diabéticos independentemente de sua severidade e boa perda ponderal. Por isso é a mais realizada no Brasil. 
Uma questão a ser discutida é a melhor opção nos superobesos ( IMC>50 kg/m2). Esse tópico é assunto muito debatido em publicações e congressos médicos. Alguns defendem nessa população as DBP, enquanto que outros a DYR. Alguns grupos propuseram primeiramente uma GV, melhora das condições clínicas e perda de peso e posterior complementação com uma GYR ou DBP (essa tática com 2 cirurgias é chamada de opção em 2 tempos). Nosso grupo do Centro de Obesidade e Diabetes do Hospital Alemão Oswaldo Cruz tem preferência nos superobesos pela DYR, com resultados satisfatórios a longo prazo, tanto em relação à resolução das doenças associadas, quanto a perda ponderal. 
Finalmente, os procedimentos bariátricas e metabólicos devem ser individualizados. A literatura mostra que em IMCs mais baixos (35 a 40 kg/m2) sem diabetes, a GV pode ser uma boa opção. A GYR tem bons resultados a longo prazo para os diabéticos e boa manutenção do peso a longo prazo. Apesar de bons resultados, DBP é uma opção de exceção pelo maior risco nutricional. 
Fonte:MSN