quarta-feira, 5 de novembro de 2014

Papinhas para bebê

Receitas para ajudar as mamães neste momento:

A PRIMEIRA PAPINHA – A PARTIR DOS 4 MESES


Ingredientes:
- 100g de batata, cenoura, mandioquinha
- 500ml de água filtrada
- 100g de carne bovina em pedaços

Preparo:
Lave bem o legume escolhido e corte em pedaços. Coloque numa panela com a água filtrada e a carne. Cozinhe até amaciar. Retire a carne. Passe o restante na peneira e sirva morno.

SOPA CREME DE ESPINAFRE

Ingredientes:
- 1 colher (sopa) de cebola ralada
- 1 colher (chá) de manteiga
- ½ xícara (chá) de espinafre aferventado, escorrido e batido
- ½ xícara (chá) de leite
- 1 colher (sopa) de amido de milho

Preparo: refogue a cebola na manteiga, junte o espinafre e cozinhe por um minuto. Acrescente o leite misturado com o amido e mexa em fogo baixo até engrossar. Sirva morno. Rende 2 porções.

CREME DE LEGUMES – 

Ingredientes:
- 100g de peito de frango
- 1 colher (sopa) de cebola picada
- 2 xícaras de (chá) de água filtrada
- 1 cenoura pequena
- 2 mandioquinhas pequenas
- 2 xícaras (chá) de leite

Preparo: 
Cozinhe o peito de frango - com a cebola e a água - por 20 minutos em fogo baixo e com a panela tampada. Adicione os legumes picados e cozinhe por mais 15 minutos. Acrescente o leite e bata no liquidificador. Sirva morna. Rende 6 porções.
Fonte: MInha Vida

Dicas para Papinhas de bebê!

A primeira papinha do bebê costuma ser uma das grandes alegrias de muitos papais e mamães. No entanto, introduzir alimentos novos na dieta do pequeno pode ser também um desafio, gerando mil e uma perguntas sobre este momento tão especial. Afinal, qual a melhor receita? Já posso oferecer qualquer alimento ou devo restringir algum? É correto intercalar a papinha antes ou após a mamada? Aliás, devo interromper as mamadas ou continuo com ambas as refeições? Segundo a nutricionista pela Universidade de São Paulo (USP), Margarete Steigleder, autora do livro "Meu Bebê Gourmet" (Disal Editora), entre 4 e 6 semestres será necessário complementar a alimentação do bebê com a primeira papinha. Antes dessa idade, ressalta Margarete, não ofereça alimentos sólidos porque o sistema digestivo do bebê ainda não está totalmente desenvolvido.
Uma possibilidade para os dias mais corridos é apostar em sopas e papas industrializadas, úteis em diversas ocasiões como viagens, passeios ou quando pais e mães estão bem ocupados. "Mas as refeições preparadas em casa, com alimentos frescos, certamente são mais saborosas e saudáveis. Elas despertam o apetite da criança, esta que terá a oportunidade de conhecer vários ingredientes e aprender a ter suas preferências. No preparo, utilize legumes e frutas da estação", recomenda a nutricionista.Mas fica aqui um alerta! Alguns alimentos devem ser evitados nessa nova etapa de alimentação do bebê. Antes dos 6 meses, por exemplo, não ofereça açúcar e mel puro, bem como alimentos com glúten, carnes, chocolates,doces, biscoitos e sorvetes. Nada também de ovo (gema só a partir dos 6 meses),nem frutas ácidas e oleaginosas [sementes comestíveis, como avelã, nozes etc], além de fritura, massas, refrigerantes, sal e condimentos.
Inicialmente, a papinha precisa ser oferecida antes da mamada do almoço e depois complementada com o leite. Aos poucos, a quantidade deve ser aumentada até substituir por completo o leite nessa refeição. Comece oferecendo de uma a duas colheres (chá) de papinha por dia antes da mamada do almoço. Aumente a quantidade até que o bebê esteja comendo entre 150 g e 200 g. Enquanto não atingir essa quantidade, a refeição deve ser completada com leite do peito ou da mamadeira. Uma dica valiosa é variar os sabores da papinha introduzindo um legume novo de cada vez. E a higiene na etapa de preparação das papinhas é muito importante, combinado? Por isso, lave muito bemas mãos antes de tocar os alimentos. Pratos, talheres e outros objetos usados para o bebê devem ser higienizados com água fervente. Uma dica da nutricionista é cozinhar a papinha do bebê em maior quantidade e congelar em pequenas porções. Mas algumas coisas devem ser observadas nesse processo de congelamento.
"Depois que a papinha estiver pronta, resfrie o mais rápido possível para manter suas propriedades e evitar a contaminação por bactérias. Para isso, ponha a panela sem tampa dentro de um recipiente com água e gelo. Depois de fria, coloque papinha às colheradas em bandejas de gelo esterilizadas. Cubra com papel filme e leve ao freezer até congelar", ensina Margarete Steigleder.
Após isso, desenforme os cubinhos congelados e coloque em sacos plásticos próprios para congelamentos. Uma dica é identificar com a data e conservar no freezer por no máximo um mês. Quando for consumir utilize somente a quantidade de cubinhos necessária. Para descongelar, coloque na panela e leve diretamente ao fogo. Misture bem e verifique sempre a temperatura antes de oferecer ao bebê."Não desanime se a criança fizer caretas ou se recusar a comer determinado alimento.
Ela está apenas estranhando a novidade. Procure oferecer um prato semelhante no dia seguinte e, se for preciso, no próximo (não se preocupe em repetir a receita). É muito provável que ela se acostume com o gosto e passe a apreciar o alimento. Suspenda imediatamente qualquer alimento novo caso o bebê apresente dor de barriga ou algum problema digestivo. Em seguida, vá até o pediatra",completa Margarete. Quer algumas dicas de papinhas saudáveis para fazer em casa? As 7 receitas a seguir foram extraídas do livro "Meu Bebê Gourmet" (Disal Editora).
Para que a criança se acostume com o novo alimento, a papinha deve ser oferecida antes da mamada do almoço e depois complementada com o leite. Carnes, chocolates, doces e biscoitos devem ser evitados antes dos 6 meses.
Fonte: Bem Estar

Alimentos importantes para a memória!

Anda esquecido e com problemas de memória? Saiba que uma alimentação balanceada e saudável pode dar uma forcinha nessa situação. Basta investir em alimentos ricos e ômega 3 e vitamina D, como salmão, sardinha, anchova, atum, entre outros. Tais substâncias ajudam a proteger os neurônios contra os radicais livres, responsáveis pelo envelhecimento.

Os peixes, em geral, promovem uma melhora na capacidade da memória e na concentração. Também protegem os neurônios contra os radicais livres e preservam as membranas dos neurônios, colaborando para a troca de informações entre eles. Fontes de zinco e selênio, eles estimulam a atividade cerebral e combatem aquele cansaço comum no final de um dia de atividades. Peixes ricos em zinco e selênio são: salmão, sardinha, anchova, atum, arenque e cavala. O selênio também está presente nas oleaginosas: castanhas, nozes e amêndoas.
Uma dieta rica em fósforo também colabora para que o cérebro funcione melhor. Isso porque o fósforo é um elemento encontrado na formação das células cerebrais. Leite, derivados do leite e legumes são ricos em fósforo.
A colina, encontrada na gema de ovo, no fígado de galinha, vitela, mostarda e cereais integrais, é outro nutriente, que age na comunicação dos neurônios.
Agora, se anda com problemas de memória deve evitar alimentos mais pesados, gordurosos e com alto índice glicêmico, como massas e batatas. Tais alimentos aumentam a produção de insulina e estimulam outras reações químicas que agridem as células cerebrais. Álcool e carne também devem ser restringidos.
Fonte:MSN