sábado, 2 de agosto de 2014

Como diminuir os níveis de cortisol


Para diminuir os níveis de cortisol na corrente sanguínea recomenda-se:
  • Dormir 8 horas por noite, já que durante o sono os níveis de cortisol são mínimos;
  • Evite o estresse físico. Não treine até a exaustão.
  • Evite o estresse emocional. Encontre uma maneira de melhor lidar com seus sentimentos, sobretudo aqueles que possam deixá-lo nervoso ou estressado.
  • Alimentar-se logo ao acordar e antes e depois de malhar;
  • Consumir no máximo 4 xícaras de café por dia.
  • Carboidratos. Consuma carboidratos complexos antes do treino, e carboidratos simples após o treino.
  • Glutamina e vitamina C. Em conjunto essas duas substâncias diminuem os efeitos do catabolismo casado pelo cortisol
Ao adotar um estilo de vida saudável, os níveis de cortisol estarão dentro dos limites ideais e isto também poderá ser notado no processo de emagrecimento.
 Fonte: Nutrindo o Corpo

Stress: ele aumenta o cortisol e engorda!

Adorei ler este artigo. 
Hoje em dia com o stress que vivemos o tempo todo ( trabalho, trânsito, família, etc) fica difícil muitas vezes entender: Por que estou engordando?
Leia o artigo abaixo e poderá entender como é importante diminuir o stress e como isto vai influenciar no seu ganho ou perda de peso.



O hormônio cortisol pode ser o grande culpado de seu corpo não responder aos esforços que você faz na academia. Em excesso, o cortisol provoca retenção de líquido e acúmulo de gordura.

Cortisol é um hormônio que possui várias funções no organismo. Em situações de perigo ele é liberado na circulação em grande quantidade e é capaz de nos deixar em condições de agir com a rapidez necessária diante do perigo. Numa situação de stress ao organismo(qualquer situação que agrida o equilíbrio do corpo, como uma lesão, infecção, doença...) ele também age ajudando nossas defesas a lutarem contra o agente agressor, sempre tentando nos levar de volta ao estado de saúde perfeita. O problema, como em tudo, é o excesso.

O excesso de cortisol, desencadeado principalmente pelo stress contínuo, faz as glândulas supra-renais trabalharem mais e, em excesso, provocam retenção de líquido e acúmulo de gordura. Esse stress contínuo pode ser devido a situações de perigo ou de ansiedade constantes às que a pessoa fica exposta no seu dia-a-dia, como por exemplo, alguém que trabalha como policial e enfrenta muitas situações de luta e perseguição; ou alguém que trabalha no trânsito e vive sob tensão; ou mesmo, o que é bem comum hoje em dia, alguém que está sempre sob cobrança de prazos e resultados e mal consegue dormir.

Acontece que quando o corpo está em estado de alerta causado pelo cortisol, isso causa a diminuição da queima calórica no intuito de poupar energia para o caso de algum perigo ocorrer (seu corpo responde ao stress do trabalho ou do trânsito da mesma maneira que responderia ao stress de estar num campo de batalha na guerra). Nosso cérebro não distingue ameaças ou perigos reais de imaginárias.

Outro efeito negativo do cortisol é que ele ativa o sistema de recompensa do cérebro que atua no controle do gasto e do acúmulo energético e no metabolismo da glicose e das gorduras. Se estimulado constantemente, como acontece no caso de stress crônico, gera aumento de apetite e facilita o armazenamento de gordura.

Outro agravante é que o cortisol é capaz de modificar o paladar. Isso mesmo. Pessoas estressadas tendem, a buscar 'conforto' em alimentos calóricos e gordurosos, como doces e frituras.

Isso se explica porque carboidratos simples se transformam rapidamente em energia e elevam a serotonina, substância que proporciona bem-estar.


Para baixar os níveis de cortisol, as medidas são simples:

- Pratique exercícios físicos com regularidade: eles aumentam a endorfina, que proporciona bem-estar, e reduzem o estresse.

- Tenha cuidado dobrado com a alimentação: para controlar a liberação de cortisol é importante comer logo após acordar e logo depois dos exercícios. O café da manhã garante níveis adequados de cortisol ao longo do dia, pois é o horário em que ele tem sua produção mais acentuada.

- Durma bem: durante o sono o cortisol atinge seus níveis mais baixos e o GH (hormônio do crescimento) está no seu nível mais alto. Sem dormir bem a produção desses hormônios, ficará prejudicada e isso dificultará a formação da massa muscular, e quanto menos massa muscular, menor a queima de gorduras.

- Consuma menos cafeína: a cafeína aumenta os níveis de cortisol. Para isso basta o consumo de 2 a 3 xícaras de café. Cuidado, não é só o café que possui cafeína: o chá preto ou o verde, o mate e os refrigerantes com cola possuem quantidades consideráveis de cafeína em sua composição.


Trânsito, filhos, trabalho, prazos, provas, mudanças, contas...tudo isso causa sintomas de stress na maioria das pessoas. Ter habilidade para lidar bem com o stress reduz o risco de desenvolver várias doenças, além de reduzir o acúmulo de gordura abdominal. Isso porque além de aumentar o apetite e reduzir o gasto energético, o hormônio cortisol facilita o acúmulo de gordura no abdome. 

O cortisol é o responsável pela necessidade de comer muitos doces ou comidas mais calóricas depois de uma situação estressante como, por exemplo, ficar uma hora parado no engarrafamento, ter uma discussão ou quando ficamos muito tempo sem comer.

Passado o sufoco, o cortisol “pede” fontes de energia rapidamente disponíveis como macarronada, barras de chocolate, potes de sorvete e outras guloseimas repletas de gorduras e carboidratos. 

Além das influências sobre o cortisol, o estado de stress prolongado pode levar a resistência à insulina, diminuição a libido, infertilidade, aumento do colesterol, da pressão arterial e dos triglicérides. 

O círculo vicioso em que o stress e o aumento de peso alimentam um ao outro sem parar pode diminuir com o relaxamento. "Quando o corpo relaxa, os genes que fazem engordar são desativados e, por outro lado, aqueles que propiciam o emagrecimento são ativados. Assim o metabolismo é estimulado, a queima de gordura aumenta e há maior perda de peso”, diz o endocrinologista e professor de medicina da USP, Alfredo Halpern.

Gente, relaxar é preciso para vivermos mais, melhor e mais magros!


Fonte: Blog DUE

Estratégias quando a pessoa não tem tempo de se exercitar

A vida corrida das grandes cidades e o acúmulo de atividades levaram as pessoas ao sedentarismo em grande escala. A falta de tempo é a principal desculpa para a falta de exercícios na rotina da maioria das pessoas. 
É importante nos questionar se realmente estamos nos cuidando. Adquirir conhecimento e desenvolver nossa carreira é de extrema importância, dar aquele gás no trabalho é necessário, mas estar sadio para isso faz toda a diferença. Neste caso você deve se perguntar como tem estado a sua saúde, se você leva uma vida sadia, se você está se cansando ao mínimo esforço e se realmente está se valorizando como pessoa. 
De acordo com o Ministério da Saúde, o sedentarismo aumenta com a idade. Entre homens entre 18 e 24 anos, 60,1% praticam exercícios. Esse percentual reduz para menos da metade aos 65 anos (27,5%). Entre mulheres de 25 a 45 anos, 24,6% se exercitam regularmente. A proporção é de apenas 18,9% entre mulheres com mais de 65 anos. 
Atividade física e exercícios tem conceitos diferentes. Atividade física é qualquer forma de expressão que envolva contração e relaxamento dos músculos, como fazer uma caminhada leve no final do dia. Enquanto que exercício é todo o meio de aplicar uma atividade com objetivos determinados e programados, como levantar 5 quilos em séries de 10 repetições, correr 5 quilômetros em determinada velocidade, seguir um programa de exercícios controlados. 
Para sairmos do sedentarismo é extremamente importante unir os dois conceitos, fazermos atividade física (subir escadas sempre que possível, passear com o seu cachorro) e exercícios físicos (praticar regularmente uma modalidade esportiva, como caminhadas regulares, musculação, danças). Assim, diminuímos todos os efeitos do sedentarismo e das doenças Hipocinéticas (doenças adquiridas por falta de movimento), pressão alta, diabetes, problemas articulares e depressão. 
Algumas dicas para você começar a se mexer e ser mais feliz com movimento: 
-Experimente atividades curtas. Faça pequenas caminhadas ao longo do dia. Ande mais a pé. Dê cinco voltas no quarteirão. Não precisa caminhar durante 40 minutos de manhã. Caminhe 20 minutos de manhã, 20 minutos a noite ou 15 de manhã, 15 na hora do almoço e 15 a noite. Dessa forma fica praticamente impossível de arranjar desculpa. 
-Qualquer atividade que escolher, mantenha a regularidade. Não é incomum pessoas passarem mal porque só se exercitam aos finais de semana ou naquele tradicional joguinho de futebol às sextas. Isso porque você sobrecarrega seu corpo, que estava acostumado a ser sedentário. E o medo de ter um treco e morrer do coração? Portanto, vale mais a pena ter pequenas atividades ao longo da semana que um dia de extremo esforço. 
-Use as escadas, leve o lixo na lixeira de seu prédio ou rua, isso tornará seu dia mais sadio, incluirá mais movimento nele. Subir escadas gasta em média para uma pessoa de 70 quilos e 1,68 a 1,75 metros de altura, 360 Kcal/h. Significa 36 Kcal por minuto. A média dos andares dos prédios mais modernos são em número de 22 degraus, o suficiente para gastar 13,2 Kcal. Uma pessoa propondo-se a subir 16 andares por dia, e não precisa ser de uma vez só, mas que seja no dia, pode gastar 211,2 Kcal. Essa mesma pessoa, se fizer uma caminhada a passos rápidos de 20 minutos estará gastando mais 93,33 Kcal. 

-Divirta-se e experimente novas sensações com a atividade física. Fazer exercícios não significa matricular-se em uma academia. Encontre algo que você realmente goste de fazer e isso pode revolucionar a sua vida. Experimente novas sensações, como andar de bicicleta, fazer aula de dança, caminhar no parque, praticar um esporte diferente (quem sabe esgrima?), jogar vídeo game com Kinnect. Abra o leque de possibilidades, veja o que tem por perto da sua casa ou trabalho e informe-se. Tente algo novo por você, seu corpo e sua mente! 
-Faça sessões de alongamento em família. Alongar o corpo é maravilhoso. Yoga explora esse lado (e muito mais!) e por isso faz tão bem. Mas você não precisa ir tão longe, se não quiser. Aprenda sequências simples de alongamento e faça desse momento um momento de diversão em família. Envolva seu marido ou esposa, sua mãe ou pai, seus filhos e faça 15 minutos de alongamento de noite, em casa, ou pela manhã (se não estiverem correndo tanto). Além de fazer uma atividade física, é mais um momento em família. 
-Faça exercícios em casa. Ok, fazer exercícios sem supervisão pode ser perigoso. Portanto, consulte um médico, faça exames e veja se está tudo bem antes de começar. Se estiver, você pode fazer exercícios simples, como: abdominais, poli-chinelos, flexões, levantamento de pesos com objetos da casa (livros, potes de mantimentos, equipamentos diversos). 
-Veja vídeos na Internet, procure no You Tube e Portais de Saúde e Bem Estar- Hoje em dia temos muitas opções de vídeos com sequências de exercícios para serem feitos em casa. Basta abusar da busca no site. Quando tiver um tempinho, que sejam cinco minutos, faça alguma atividade. O mais legal é que dá para fazer enquanto vê um filme, uma série ou a novela. 
-Não dispense oportunidades de se exercitar. Você sabe bem como é: pra que subir de escada se seguraram o elevador para mim? Temos oportunidades durante o dia para fazer exercícios (e recusá-los). Leve o cachorro para passear, dê a volta no quarteirão, vá ao mercado a pé, estacione o carro em uma vaga mais longe no shopping, vá trabalhar de bicicleta, pule corda. 
-Faça exercícios no trabalho. Use metade do seu horário de almoço ou pequenos intervalos ao longo do dia (em vez de fumar ou tomar café, por exemplo). Caminhe em volta do estacionamento da empresa, suba e desça escadas, faça polichinelos em um lugar discreto (vale até o banheiro), corra no lugar, alongue-se. E, muito importante: corrija sua postura na cadeira. Tem a ver com seu bem-estar, que tem a ver com a sua disposição, e faz você ter mais vontade de fazer as coisas ou não - inclusive exercícios. 
-Faça exercícios no seu horário de lazer. Leve seus filhos para passear no parque, ande até a sorveteria, acampe, jogue bola, brinque com o cachorro, cultive uma horta, ande bastante no shopping, saia para dançar, faça uma trilha. Escolha atividades saudáveis e que te façam se exercitar. Faz diferença! 
-Limpe a casa. Limpar a casa é uma atividade física ótima: esfregar chão, varrer, secar, limpar box, subir na escada, descer, tirar o pó, passar roupa, arrumar a cama, pintar paredes, passar aspirador. Quando estiver limpando a casa, pense na atividade física que está fazendo. Tente melhorar a coisa toda contraindo o abdômen ou inserindo sequências ao longo da faxina (levantar peso com algo que tenha pego na mão, por exemplo). 

-Mantenha a rotina. Estabeleça uma meta (exemplo: 1hora de exercícios todos os dias) e preencha seu tempo ao longo do dia com atividades relacionadas. Podem ser 20 minutos de manhã, 20 na hora do almoço e 20 de noite, ou então 40 minutos de manhã e 20 de noite. Tanto faz! Mas tenha suas metas e faça do cumprimento delas sua rotina.
Fonte: MInha Vida

Ácido retinoico: conheça os prós e contras desse tratamento para estrias e envelhecimento da pele

O que é o ácido retinoico

O ácido retinoico é uma substância derivada da vitamina A e um dos compostos mais estudados para tratamento tópico do envelhecimento da pele, seja o intrínseco, ou determinado geneticamente, seja o envelhecimento extrínseco, ou causado pela exposição solar. Uma avaliação recente da Cochrane revelou que, das opções médicas para o tratamento da pele fotoenvelhecida, os retinóides são das poucas substâncias com incontestável eficácia, por atuarem através de ligação a receptores nucleares específicos nas células da pele, e assim exercerem suas funções terapêuticas. 

Outros nomes

Tretinoina, retinol 

Indicações do ácido retinoico

O ácido retinoico é indicado, principalmente, no tratamento dos sinais do fotoenvelhecimento, que incluem: rugas finas, hiperpigmentação, manchas, sardas, aspereza, e irregularidades na textura pele. A radiação ultravioleta do sol estimula a produção de substâncias que danificam o colágeno da pele, causando o aparecimento de todos esses sinais, e o ácido retinoico ajuda a repará-lo, além de estimular a produção de colágeno novo. 
Além disso, ele também pode ser usado em alguns outros tratamentos. Em altas concentrações o produto melhora muito o aspecto das estrias, principalmente as recentes (vermelhas). 
O ácido retinoico é muito usado no tratamento da acne, complementando os demais tratamentos. Apesar de não curar completamente o excesso de oleosidade da pele, ameniza o problema e costuma ter uma ação bastante duradoura, após o tratamento. Nas pessoas com acne, os poros da pele entopem com maior facilidade o que leva à formação dos cravos (comedões) e espinhas. Isso por que ocorre queratinização anormal dos poros, ou seja, um excesso de queratina em suas paredes internas, fechando-os. O ácido retinóico normaliza a queratinização dentro dos poros e impede esse entupimento, evitando o aparecimento de novas lesões de acne. Melhora a textura da pele, o que ajuda também no tratamento das cicatrizes de acne
É utilizado na forma de cremes, géis, loções, sérum e, quando mais concentrado, aplicado na forma de peeling, muitas vezes seriados, ou seja, aplicados uma vez por semana, pelo dermatologista no consultório. 
peeling químico com ácido retinóico também é indicado para tratamento de manchas, como o melasma, em concentrações entre 5% e 10%. Em geral, é feita uma aplicação semanal, durante cinco semanas, com aumento progressivo da concentração, a cada semana. Ele é usado no controle da acne, oleosidade, melhora de rugas finas, melasma e outras manchas escuras da pele. 

Como usar o ácido retinoico

O ácido retinoico é usado principalmente em cremes, e sua dosagem depende da indicação do dermatologista, dependendo da extensão do problema. 
O mais indicado é aplicar uma vez por dia, durante a noite, após a lavagem do rosto. Deve-se usar a quantidade de creme correspondente a uma ervilha para cada parte do rosto: testa e parte superior do rosto, queixo e cada uma das bochechas. Após 20 minutos da aplicação, o ideal é hidratar a pele
Em algumas situações a pele pode ficar irritada, com descamação, vermelhidão, coceira ou ardência, até porque algumas pessoas são incapazes de tolerar aplicações mais frequentes do que duas ou três vezes por semana. Caso isso ocorra, o ideal é interromper o tratamento por dois dias, aplicar hidratante e reiniciar o tratamento com pequenas quantidades de creme em dias alternados. Se, pelo contrário, você não apresenta ou irritação, o ideal é ir aumentando aos poucos a quantidade, conforme a tolerância da sua pele. 
Como o produto deixa a pele mais sensível ao sol, o ideal é usar protetor solar com fator de proteção solar (FPS) de 30 ou mais quando sair ao ar livre. 
Após 6 a 9 meses de uso diário, a frequência da aplicação do retinoide tópico pode ser reduzida para dias alternados. Parece não haver nenhum limite para a duração do tratamento, no entanto, o uso prolongado pode levar ao aparecimento de vasinhos na pele e, portanto, o tratamento deve ser sempre acompanhado pelo dermatologista. 
Peeling
O peeling é uma espécie de base contendo o ácido retinóico que deve ficar na pele por aproximadamente seis horas e depois retirada com água e sabão ou uma loção de limpeza. Após alguns dois ou três dias se inicia uma descamação clara e suave na pele, que dura aproximadamente três dias.

Cuidados antes de usar o ácido retinoico

Em primeiro lugar, o ácido retinoico não pode ser usado sem prescrição médica, pois o especialista é que saberá qual a concentração mais adequada do ácido no produto. 
Antes de fazer o peeling, o ideal é que a pele esteja limpa e desengordurada. O mesmo vale para o creme, que deve ser utilizado depois da lavagem do rosto, mas com ele seco, para melhorar a absorção do produto. 

Cuidados depois de usar o ácido retinoico

O ácido retinoico torna a pele mais sensível, portanto após seu uso, o ideal é não expor a pele ao sol sem a proteção adequada, ou isso pode causar forte irritação na pele com descamação, vermelhidão e até mesmo o surgimento de manchas. 

Contraindicações

Qualquer produto com ácido retinoico não deve ser aplicado sobre a pele inflamada, eczematosa ou com queimaduras de sol.
O uso do ácido retinoico é contraindicado para que tem infecções ativas na pele, como herpes simples ou infecções bacterianas e deve ser evitado em portadores de rosácea. Além disso, o ideal é que não seja feito por pessoas que necessariamente se expõem ao sol, seja por praticarem esportes, viajarem ou por trabalharem ao ar livre. 

Grávida pode usar?

O ácido retinoico pode afetar a formação do feto, por isso a substância é totalmente proibida na gestação. Na amamentação, é possível usá-lo, mas prefere-se que seja após o bebê completar seis meses, pois já terá um peso maior e absorverá menos as substâncias presentes no leite materno. 
Muitas pessoas tem uma pele que tolera pouco o ácido retinoico. Como ele costuma deixar a pele muito sensível, ela pode ficar irritada, com descamação, vermelhidão, coceira ou ardência. Caso isso ocorra, o ideal é interromper o tratamento por dois dias, aplicar hidratante e reiniciar o tratamento com pequenas quantidades de creme em dias alternados. 
Muitas vezes a pessoa pode desenvolver uma dermatite retinoide, quando o creme tem concentrações exageradas do retinol. Nesse caso, o ideal é suspender o uso e procurar novamente seu dermatologista, que irá ajudar a encontrar a dose adequada. 

Antes e depois do ácido retinoico

Ao usar o ácido retinoico para fotoenvelhecimento, começa-se a perceber melhora nas rugas no primeiro mês de tratamento ou até mesmo duas semanas após o início de seu uso. O clareamento da pele se torna visível a partir de mais ou menos 45 dias. As rugas começam a realmente desaparecer dentro de quatro meses, e nesse período o clareamento de manchas também se inicia. 
Em geral, se não houver nenhum sinal de melhora em quatro meses, o ideal é deixar o tratamento de lado, pois é menos provável que ele traga benefícios. 
Fontes
Revisado pela dermatologista Natalia Cymrot (CRM-SP 84.332), mestre em dermatologia pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo
Dermatologista Carolina Marçon (CRM-SP: 113.379), membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) 

Insulina com 40 horas de duração promete menos injeções aos pacientes com diabetes

Para os diabéticos que aplicam insulina, esta pode ser a melhor notícia dos últimos anos: o lançamento da insulina de ultra longa duração, chamada de Degludec. Esse é o nome que foi dado para a nova insulina administrada por injeção subcutânea, que pode ser encontrada à venda por seus nomes comerciais.

Aprovada pela Comissão Europeia de Medicamentos, essa insulina promete revolucionar o tratamento do diabetes. Isso porque sua ação é de cerca de 42 horas e apresenta um perfil de estabilidade no controle da glicose. O resultado é que o paciente poderá aplicá-la uma vez a cada dois dias em média, além de permitir flexibilidade nos horários das aplicações. Para efeitos de comparação: a insulina NPH, que é a mais prescrita hoje no Brasil, muitas vezes requer até três aplicações diárias, sendo que em algumas pessoas é importante que a dose seja monitorada de perto para evitar hipoglicemias.
Outra vantagem da insulina Degludec é o controle da hemoglobina glicada de forma similar ao da insulina Glargina (que é uma insulina de ação longa - aplicada uma vez ao dia) tanto em pacientes com diabetes tipo 1 quanto naqueles com diabetes tipo 2. Outra vantagem é que ela apresenta risco reduzido de episódios de hipoglicemia.
Continuando com as novidades, além de ser comercializada isoladamente, a insulina Degludec também estará disponível de forma combinada com a insulina Aspart. Essa última é uma insulina ultra-rápida, o que permite a aplicação das doses também antes das refeições.
A insulina Degludec estará disponível em canetas para aplicação. Seu prazo de validade é de 30 meses após a data de fabricação e, assim como as outras insulinas, deverá ser conservada na geladeira entre 2°C e 8°C graus quando o frasco está fechado. Após aberta, poderá ser conservada por até oito semanas, sem necessidade de refrigeração se a temperatura ambiente não ultrapassar 30°C.
Um dos maiores problemas enfrentados no tratamento do diabetes é a não aderência ao tratamento, porque as aplicações de insulina são, para a maioria das pessoas, muito desconfortáveis. A possibilidade de reduzir o número de aplicações na semana e garantir um controle mais estável da doença é um sonho que está se tornando realidade.
Fonte: Minha Vida