domingo, 8 de junho de 2014

Novo tratamento para Hepatite C

 A hepatite C é uma doença infectocontagiosa que acomete o fígado, causada pelo vírus C. A transmissão ocorre por contato direto com sangue ou seus derivados contaminados, por isso é comum entre usuários de drogas que compartilham seringas e até o início dos anos 90 a transfusão de sangue também era um fator de risco, porém com o desenvolvimento de testes para detecção do vírus C e sua realização em bancos de sangue essa forma de transmissão foi controlada. 
O vírus da hepatite C (HCV) é hoje a maior causa de hepatite crônica no mundo. Segundo a Organização Mundial da Saúde, cerca de 170 milhões de pessoas estão cronicamente infectadas pelo HCV e mais de 350.000 pessoas morrem todos os anos de complicações hepáticas relacionadas à doença. No Brasil, perto de três milhões de pessoas tem sorologia positiva para HCV.
É uma doença silenciosa, raramente causa sintomas, por isso a maioria dos portadores do HCV não sabe que está contaminada, só descobre se fizer um teste específico. Cerca de 90% das pessoas infectadas não eliminam o vírus e se tornam cronicamente infectadas, sendo que aproximadamente 20% delas irão desenvolver cirrose, e destas, 25% podem progredir para câncer de fígado. 
 O tratamento habitual da hepatite C é feito com uma combinação de interferon peguilado, usado por injeção subcutânea, e ribavirina, medicamento oral, por um período de 24 ou 48 semanas, dependendo do genótipo. Esse tratamento apresenta muitos efeitos colaterais, principalmente decorrentes do interferon, que incluem cefaleia, febre, dores musculares, cansaço, perda de apetite, perda de peso, prurido, depressão, além de queda de glóbulos brancos, plaquetas e anemia. Por isso muitos pacientes com HCV não podem ser submetidos à terapia, como os doentes com cirrose, com doenças psiquiátricas e autoimunes. Além disso, somente 40-50% dos pacientes tratados atinge a cura, ou resposta virológica sustentada, que seria a não detecção do vírus 12 semanas após o término do tratamento. 
 A partir de 2011, para os pacientes com genotipo 1 e com doença avançada, passou-se a associar um de dois medicamentos via oral de ação antiviral, inibidor de protease, boceprevir ou telaprevir. Com essa terapia tripla a chance de cura subiu para 70%. Porém se limita ao genotipo 1 e houve um acréscimo nos efeitos colaterais, com anemia mais grave e quadros dermatológiocos às vezes severos.

 Estudos com sofosbuvir associado a peginterferon  e ribavirina mostram taxas de cura entre 80 a 98%, além de reduzir o tempo do tratamento para 12 semanas. Pesquisas com sofosbuvir e ribavirina sem interferon tem mostrado resposta variando de 64 a 100%, e com boa segurança. Este medicamento fornece a primeira opção de tratamento para o HCV sem interferon.
 Novos medicamentos vêm sendo estudados, com o objetivo de se obter um tratamento com menos efeitos colaterais e com maior chance de cura. O Sofosbuvir é o primeiro medicamento dessa nova geração, antiviral de ação direta, que atua como inibidor de uma enzima essencial para a replicação do vírus C, a polimerase NS5B de ácido ribonucleico. O Sofosbuvir é bem tolerado, com pouco ou nenhum efeito colateral.
Fonte: MInha Vida

Saiba quais são os cuidados com os alimentos que mancham os dentes

O que proporciona cor aos dentes é a dentina, tecido que está logo abaixo do esmalte dental, que por sua vez é a camada mais externa e protetora. "Indivíduos podem ter os dentes naturalmente escuros ou amarelados e esse fato não parece ser influencia pela ingestão de alimentos e ou bebidas excessivamente coradas", afirma a cirurgiã-dentista Maristela Lobo, especializada em odontologia estética. 
Porém, alguns outros alimentos de fato podem fazer com que os dentes fiquem manchados ou amarelados. Há dois tipos de alimentos que proporcionam este problema. Os que possuem a pigmentação excessiva, como o café e o suco de uva, e aqueles que são muito ácidos, como as frutas cítricas e as bebidas alcoólicas.  
A combinação entre esses dois alimentos favorece ainda mais as manchas nos dentes. Entenda por que essas comidas e bebidas podem levar a manchas e cor mais escura dos dentes e saiba o que fazer para prevenir e tratar o problema. 

Alimentos que mancham os dentes devido à coloração

Café pode manchar os dentes
Alguns alimentos possuem excesso de pigmentação. "Apesar de não parecer, o esmalte do dente é poroso, quando essas comidas e bebidas são consumidas com frequência e a higienização não é correta os dentes podem ficar manchados", explica o cirurgião-dentista Marcos Moura, presidente da Associação Brasileira de Halitose. 
Confira quais são os principais alimentos que podem causar as manchas nos dentes: 
  • Café
  • Chá
  • Açaí
  • Beterraba
  • Vinho tinto
  • Molho de soja (shoyo)
  • Catchup
  • Mirtilo (blueberry)
  • Suco de uva
  • Refrigerante.

Alimentos que mancham os dentes devido à acidez

Limão pode manchar os dentes devido à acidez
Alimentos excessivamente ácidos também favorecem as manchas nos dentes. "Isto porque quando eles são consumidos com frequência fazem com que o ambiente bucal fique ácido que por sua vez potencializa a maior captação de pigmentos por parte dos dentes", diz a cirurgiã-dentista Maristela Lobo, especializada em odontologia estética. 
O ambiente bucal ácido favorece essa maior captação de pigmentos porque leva a desmineralização da superfície do esmalte, ou seja, danifica o esmalte do dente. Isso será corrigido pela própria saliva que realiza a ação remineralizadora devolvendo minerais como o cálcio, fosfato e flúor ao dente. 

Alguns alimentos muito ácidos são frutas cítricas, como o limão, a laranja, o kiwi, abacaxi e mexerica, e bebidas alcoólicas. Vitaminas efervescentes também são excessivamente ácidas. 
Quando o esmalte é afetado, o dente fica mais sensível aos pigmentos. "Durante o processo de remineralização pigmentos podem ser incorporados ao dente, principalmente se eles estiverem presentes com frequência na saliva", constata Lobo. Por isso, evite consumir um alimento ácido e logo depois um com pigmentação forte, por exemplo, tomar um suco de limão e depois um cafezinho. 

Cuidados após o consumo dos alimentos

Bochechar ajuda a evitar que os dentes fiquem manchados
Um dos cuidados após ingerir os alimentos com pigmentação forte ou muito ácidos é fazer um bochecho com água. "Também procure escovar os dentes cerca de 10 a 20 minutos depois da ingestão de alimentos ácidos, assim você evita a abrasão das superfícies desmineralizadas e permite a ação remineralizadora da saliva", diz Lobo. 
Isto significa que dar um tempo irá evitar que a escovação lesione ainda mais o dente que já estava prejudicado pelo ambiente ácido e permitirá que a saliva tenha tempo de corrigir o problema. 

Cuidados no dia a dia

Escovar os dentes evita que eles manchem
Primeiro, é essencial realizar a higiene bucal adequada, escovando os dentes após cada refeição. "Quando isso não acontece, o dente pode perder minerais, o que faz com que a proteção dentária, o esmalte, seja danificada, tornando o dente mais poroso e assim mais suscetível à ação de alimentos pigmentados e que consequentemente mancham os dentes", explica o cirurgião-dentista Alexandre Bussab. 
Procure visitar o dentista de seis em seis meses. Esse profissional irá realizar uma limpeza dental e assim ajudar a prevenir o aparecimento de manchas e polimentos para remover a manchas mais externas. "Ingira os alimentos que mancham os dentes com moderação. No caso do café, opte pela versão de café com leite", orienta Moura. 

O clareamento dental

Clareamento dental é opção para dentes manchados
Quando o dente já está manchado ou amarelado uma opção para resolver o problema é o clareamento dental. "O procedimento oferece a possibilidade de clarear os tecidos mais internos do dente por meio da ação oxidante do peróxido de hidrogênio, a qual quebra as moléculas de pigmento em moléculas menores, favorecendo a reflexão de luz. Assim, o dente aparenta ser mais claro", explica Lobo. 
Dentes que estão sendo clareados com substâncias à base de peróxido de hidrogênio, ou que passaram por técnicas clareadoras recentemente, ficam transitoriamente mais porosos em sua superfície e, portanto, mais suscetíveis à pigmentação. Por isso, é importante tomar algumas medidas mais rígidas quanto à alimentação durante e após um clareamento. 

Cuidados durante e após o clareamento

Não fumar é essencial após o clareamento


Durante e após o clareamento é importante que a pessoa evite o cigarro e batom vermelho, isto porque eles também podem manchar os dentes. Além disso, os alimentos excessivamente corados e os ácidos também devem ser evitados e não apenas ter o seu consumo restringido. "As recomendações mais específicas para cada tipo de clareamento são dadas pelo cirurgião-dentista", observa Lobo. 
Fonte: MSN

Conheça sinais de alerta para a baixa imunidade

Unhas fracas, queda de cabelo, cansaço, problemas de pele... Se você apresenta um ou mais desses problemas, deve imaginar que está com a imunidade baixa, certo? Na verdade, não é tão simples assim. Sinais como esses podem ser muito vagos, já que podem significar uma infinidade de complicações, doenças e até fatores genéticos, que pouco têm a ver com uma imunodeficiência. 

A médica imunologista Elisabete Blanc, do Hospital Universitário Clementino Fraga Filho, da UFRJ, conta que a baixa imunidade pode ser de causa primária, ou seja, quando a pessoa já nasce predisposta pela genética. "Por outro lado, pessoas que são saudáveis, em um dado momento da vida, podem se expor a situações que levem à dificuldade do organismo em manter um equilíbrio imunológico", completa. 

Exemplos dessas situações vão desde maus hábitos a tipos específicos de tratamentos: uso de medicamentos que suprimem a imunidade, exposição à radiação, quimioterapia, má alimentação, uso de drogas, consumo de álcool, excesso de exercício físico, estresse prolongado, doenças que levam a uma grande perda de proteínas - substâncias que são "a matéria prima dos anticorpos", como explica Elisabete -, doenças crônicas, deficiências de vitaminas, falta de repouso adequado, entre muitos outros fatores.  

De olho nas doenças mais persistentes 
Como saber, então, se você realmente está com o sistema de defesa comprometido? De acordo com o clínico geral Fernando Manna, do Laboratorio NASA, não existe um exame único capaz de detectar se a pessoa está com a imunidade prejudicada. "O ideal é procurar um médico ao perceber sintomas recorrentes ou persistentes. O exame clínico realizado pelo médico assistente, aliado à queixa e evolução de sintomas, são orientadores na solicitação de exames", completa. 

É mais fácil, portanto, perceber que o sistema imunológico está pedindo ajuda quando há repetições de várias complicações no organismo, que demoram a ir embora. "A diminuição da resistência orgânica cria condições para o desenvolvimento frequente de doenças", conta Fernando. Se a pessoa apresentar um mesmo problema - ou mais de um - diversas vezes, deve procurar um profissional. 

A lista dos sinais alarmantes 
Ainda assim, não é tão simples a detecção, uma vez que repetir demais uma complicação não é certeza de uma queda na imunidade. Um indivíduo pode ter as unhas fracas durante meses, por exemplo, mas isso pode ser apenas consequência de má higiene ou falta de alguns nutrientes na alimentação.  

Por isso, vale ficar mais atento aos sintomas decorrentes de doenças que são mais comuns quando as defesas do organismo estão frágeis. Confira exemplos dados pelo clínico geral Fernando Manna e a imunologista Elisabete Blanc: 

Boca: herpes, amigdalite e estomatite 

Pele: infecções recorrentes, abscessos, doenças gerais causadas por fungos, vírus e bactérias 

Ouvido: otites

Região genital: herpes 

Sistema respiratório: gripes e resfriados 

A percepção da imunodeficiência fica ainda mais clara com a lista da Fundação Jeffery Modell e a Cruz Vermelha Americana, elaborada para guiar médicos e profissionais no diagnóstico de pacientes. Elisabete explica que, ao apresentar um ou mais desses itens acima a pessoa já deve ser investigada. 
Fonte: MInha Vida

Receitas para festa Junina Light e sem lactose

CUZCUZ DE TAPIOCA SEM LACTOSE


1 porção = 1 pedaço
número de porções = 15

valor calórico e nutricional por porção

calorias = 130 kcal
carboidratos = 21,18 g
proteínas = 3,15 g
gorduras = 3,95 g

Ingredientes

Calda:
- 1 xícara(chá) de leite de soja em pó sem lactose
- ½ xícara (chá) de açúcar
Cuscuz de Tapioca:
- ½ xícara (chá) de leite de coco light
- ¼ de xícara (chá) de leite de soja em pó sem lactose
- 2 colheres (sopa) de açúcar
- 1 xícara (chá) de tapioca granulada
- ¼ de xícara (chá) de coco ralado (15 g)
- coco fresco para decorar

Modo de Preparo

Comece preparando a calda: coloque no liquidificador o leite de soja, o açúcar, ½ xícara (chá) de água fervente e bata por 1 minuto. Passe para uma molheira e leve à geladeira até a hora de servir.
Faça o cuscuz de tapioca: em uma panela, misture o leite de coco, o leite de soja, o açúcar e 1 xícara (chá) de água (200 ml). Leve ao fogo médio até levantar fervura, despeje sobre a tapioca granulada e deixe-a hidratando por 30 minutos.
Junte o coco ralado, misture e coloque em uma assadeira pequena (18 x 28 cm), apertando bem com as costas de uma colher. Polvilhe com o coco fresco, corte em quadrados e sirva com a calda gelada.
Dados de Amendoim light


Ingredientes

- 2 xícaras (chá) de amendoim torrado                                      1 porção = 1 unidade
número de porções = 37

valor calórico e nutricional por porção

calorias = 69 kcal
carboidratos = 6,58 g
proteínas = 2,97 g
gorduras = 3,55 g
- 1 xícara (chá) de leite de soja em pó sabor chocolate
- 4 colheres (sopa) de mel
Decoração
- 4 colheres (sopa) de açúcar de confeiteiro
- 1 colher (sopa) de suco de limão
Modo de fazer:
Triture o amendoim no processador ou liquidificador até formar uma farofa. Passe para uma vasilha, acrescente o leite de soja em pó e o mel. Com as mãos, amasse até formar uma massa homogênea. Se necessário, acrescente, aos poucos, 1 colher (sopa) de água para dar o ponto.
Pegue pequenas porções de massa com as mãos e molde os dadinhos.
Faça a decoração: coloque o açúcar em uma tigela pequena e vá acrescentando o suco de limão, aos poucos, misturando até ficar cremoso. Molhe um palito na mistura de açúcar e decore pingando gotinhas sobre os dadinhos. Espere secar para decorar os outros lados dos dadinhos.
Fonte: Mais Equilíbiro