sábado, 8 de fevereiro de 2014

Fitoterapia ajudando a aumentar a imunidade

Bactérias, fungos, vírus...

A lista de ameaças ao nosso corpo é extensa.

Ainda bem que natureza nos oferece plantas que estimulam nossa imunidade, mantendo ativas as defesas do nosso organismo.

Cinco dessas poderosas plantas estão a seguir.

Alho

O segredo do alho é a alicina, a substância responsável pelo forte cheiro desse vegetal.

Ela é antivirótica, antifúngica e antibacteriana.

O alho também é antioxidante e tem alto teor de aminoácidos com enxofre.

Para combater uma infecção, você precisa de dois a quatro dentes por dia ou o equivalente em cápsulas.

Babosa

Também conhecida como aloe vera, a babosa é um poderoso desintoxicante e antisséptico com propriedades imunológicas.

Os pesquisadores ainda não sabem qual a substância dessa planta que é a responsável maior por seu poder medicinal.

O certo é que a babosa tem alto teor de mucopolissacarídeos, um dos quais é chamado de acemanano, e também contém ligninas, enzimas, agentes antissépticos, vitaminas, minerais e aminoácidos.

Equinácea



É outra planta com propriedades antivirótica e antibacterianas.

Trata-se de uma planta nativa dos Estados Unidos e seus ingredientes ativos são mucopolissacarídeos específicos.

mais comum, aqui no Brasil, é encontrar a equinácea na fórmula de cápsula ou de extrato líquido.

Para enfrentar uma infecção, você deve tomar, no caso de cápsulas, dois a três gramas por dia e, no caso do extrato concentrado líquido, 15 gotas três vezes por dia.

Sabugueiro

É um poderoso agente antivirótico.

Nos Estados Unidos, é muito comum o comum o extrato do sabugueiro, que lá é conhecido como “sambucol”.

No Brasil, infelizmente, não encontramos esse extrato, um excelente remédio para nos proteger de gripes e outras doenças viróticas.

Na loja Amazon,  o produto é muito bem avaliado.

Depois de ler este texto, você pode ver essa avaliação AQUI.

Estudos mostraram que bastou, durante três dias, a ingestão de três colheres de sobremesa do produto ao longo do dia para aliviar os sintomas da gripe em 90 % dos pacientes.

Na falta do sambucol, isto é, do extrato concentrado, você pode usar o chá da planta.

Unha-de-gato

Forte antioxidante e agente imunológico.

A Uncaria tomentosa, nome científico da planta, é nativa da floresta tropical peruana.

Ela contém alcaloides, como a isopteridina, que em laboratório mostrou ter função imunológica.
A unha-de-gato é encontrada na forma de chá ou de cápsula.

Para derrotar uma infecção, você precisa consumir de dois a quatro gramas do extrato da planta ou quatro xícaras de chá por dia.

Fora da doença e de forma preventiva, o consumo de uma xícara do chá de unha-de-gato ajuda a manter as defesas do organismo fortes.

Fonte://www.curapelanatureza.com.br

Alimentos que ajudam a aumentar a sua imunidade

Frutas cítricas, como laranja, acerola, kiwi, tomate, além de brócolis, couve e pimentão verde e vermelho são ricos em vitamina C, antioxidante que aumenta a resistência do organismo
Vegetais - Foto: Getty Images
Vegetais verdes escuros (brócolis, couve, espinafre), feijão, cogumelo (shimeji) e fígado são alguns dos alimentos que apresentam ácido fólico. O nutriente auxilia na formação de glóbulos brancos, responsáveis pela defesa do organismo
Leguminosas - Foto: Getty Images
Carne, cereais integrais, castanhas, sementes e leguminosas (feijão, lentilha, ervilha, grão de bico), são ricos em zinco, nutriente que combate resfriados, gripes e outras doenças do sistema imunológico
Noz e castanha - Foto: Getty Images
Noz, castanha, amêndoa e óleos vegetais (de girassol, gérmem de trigo, milho e canola) são ricos em vitamina E. Ela é benéfica, principalmente para os idosos, agindo no combate à diminuição da atividade imunológica por conta da idade
Tomates - Foto: Getty Images
Rico em licopeno, o tomate é forte aliado para combater doenças cardiovasculares, removendo radicais livres do organismo
Comida Japonesa - Foto: Getty Images
O ômega-3 presente, por exemplo, no azeite e no salmão, auxilia as artérias a permanecerem longe de inflamações, ajudando a imunidade do corpo
Cogumelos - Foto: Getty Images
A castanha-do-Pará e cogumelos (Champignon) contêm selênio, um forte antioxidante que combate os radicais livres, melhorando a imunidade do corpo e acelerando a cicatrização do organismo
Gengibre - Foto: Getty Images
Rico em vitaminas C, B6 e com ação bactericida, o gengibre vai além de ajudar a tratar inflamações da garganta e auxilia nas defesas do organismo
Pimentas - Foto: Getty Images
A pimenta é fonte de betacaroneto, substância que se transforma em vitamina A, nutriente que protege o organismo de infecções. Fonte: MInha Vida

Cinco meses para reduzir a celulite

Quem quiser chegar ao verão sem os tão temidos furinhos nas pernas, quadris e abdome, deve começar a combatê-los desde já. 

Predisposição genética, fatores hormonais, alimentação e vida sedentária são os principais fatores que levam ao aparecimento da celulite. Como os dois primeiros são difíceis de mudar, a dica é mexer com o que pode ser alterado: apostar em um programa de exercício e em uma alimentação mais equilibrada.
"Cinco meses é tempo suficiente, até mesmo para um sedentário", afirma Anne Murakoshi, professora de educação física da academia Competition. “Nesse período dá para melhorar bem o aspecto da pele só com exercícios e dieta”, complementa a professora de educação física Regina Bento Oliveira, da academia Contours, em São Paulo. “Mas é preciso disciplina”, ressalta. 

A recomendação dos especialistas para acabar com a celulite é fazer exercícios cinco vezes por semana. “Tem que ter dedicação e periodicidade”, complementa Marcus Vinicius Zimpeck, professor de educação física da academia Monday.
“Precisamos combater a gordura e a má circulação, então o ideal é misturar aeróbios e musculação e não focar em apenas um exercício”, aconselha Oliveira. Para quem não tem contra-indicações, a professora indica aulas de jump, em que os movimentos são realizados em cima de um mini trampolim. “Os movimentos estimulam a circulação sanguínea nas pernas, região que concentra os furinhos”, afirma. Murakoshi complementa: "é um dos melhores resultados". Aulas de spinning também são bem recomendadas.

O trabalho com peso é essencial principalmente para mulheres magras, que não estão livres desse problema. Nesses casos, os vilões são a flacidez e as comidas gordurosas. “A flacidez acentua o aspecto da celulite”, afirma Oliveira.A musculação deve fazer parte da rotina. “Quanto mais massa muscular, menos flacidez, menos gordura, menos celulite”, diz Zimpeck. E não há porque se concentrar apenas nos membros inferiores: os músculos, em qualquer lugar do corpo, ajudam a queimar gorduras e manter o metabolismo funcionando mesmo em repouso.

Alimentação
Mas de nada adianta suar na esteira e jantar um hambúrguer depois. Exterminar a celulite exige regras rígidas, principalmente no que diz respeito à alimentação. Refrigerantes, bebidas alcoólicas, doces, biscoitos recheados, sorvetes, queijos amarelos, carnes gordurosas, arroz branco e pão são exemplos do que não deve ser consumido. “Não são proibidos, mas permitidos muito ocasionalmente”, afirma a nutricionista Débora Almeida, da academia Contours.
Industrializados, sal e adoçante em excesso também devem ser evitados. Esses produtos retêm líquidos e prejudicam a eliminação de toxinas. A nutricionista ressalta que é fundamental que o intestino esteja funcionando, para que as toxinas possam ser liberadas.
Foto: Getty ImagesAmpliar
Aspecto casca de laranja da pele pode ser resolvido com exercícios e alimentação correta
Mas existem alimentos que podem turbinar o treino e dar uma ajuda no extermínio da celulite. “Óleo de soja, de canola, castanhas, nozes, carnes mais magras, laranja, e outras frutas ricas em vitamina C, assim como alimentos ricos em em vitamina C, vitamina E e selênio”, indica. Peixes, que são ricos em ômega 3 e têm propriedades anti-inflamatórias, também são boas escolhas. 

Fica a dica

A recomendação não é nova, mas deve ser reforçada para quem quer melhorar o aspecto da pele: tomar muita água. De acordo com os especialistas, ela ajuda na eliminação de toxinas e melhora a circulação sanguínea. 
Fonte: Saúde e Bem estar

Bebidas alcoólicas e emagrecimento



Ingerir algumas doses de bebida alcoólica em um happy hour ou em uma festa com os amigos pode parecer inofensivo, mas para quem deseja emagrecer pode se tornar um grande problema. As bebidas - principalmente as destiladas - possuem um alto valor calórico e podem colocar em risco todo um programa de perda de peso. Lembre-se: para não abdicar das coisas que gosta, basta fazer algumas pequenas mudanças que irão garantir grandes resultados.

Muitas pessoas não levam em consideração o valor calórico das bebidas porque é algo que não precisam mastigar. Cada grama de álcool possui 7 calorias, bem mais que o carboidrato e a proteína que fornecem 4 calorias por grama. Para se ter uma idea, cada tulipa de chopp contém 130 calorias, o mesmo que um pãozinho francês! Para visualizar melhor, imagine só quantos “pãezinhos” você consome em uma noite em um bar ou numa festa. Veja abaixo as calorias de algumas bebidas:
Bebida
Calorias
Cerveja - lata 355 ml
150 cal
Chopp - tulipa 300 ml
130 cal
Cerveja light ou sem álcool 300 ml
75 cal
Caipirinha com açúcar 100 ml
250 cal
Caipirinha com adoçante 100 ml
170 cal
Cachaça 100 ml
230 cal
Batida c/ leite condensado 200 ml
350 cal
Champanhe – taça 125 ml
80 cal
Cuba libre c/ coca light
80 cal
Licor 30 ml
110 cal
Orloff Ice 290 ml
190 cal
Saquê 100 ml
130 cal
Uísque 50 ml
120 cal
Vinho tinto/branco doce 150 ml
210 cal
Vinho tinto/branco seco 150 ml
130 cal
Vodka 50 ml
120 cal
Quando se fala em bebidas alcoólicas e reeducação alimentar, temos que lembrar de quatro dicas essenciais: moderar, substituir, intercalar e diluir.
Moderar: A bebida alcoólica deve ser ingerida com moderação, esteja você em um processo de emagrecimento ou não. O álcool é uma substância psicoativa com potencial de causar dependência. Embora quantidades pequenas de álcool podem até ser benéficas para a saúde, está bem estabelecido que seu uso freqüente e excessivo causam doenças gástricas, nutricionais, neurológicas e hepáticas.
Substituir: Em coquetéis em que é adicionado o açúcar o agravante é ainda maior para quem está em controle alimentar O ideal é substituí-lo por adoçante. Evite acrescentar leite condensado às batidas, pois é rico em açúcar e gordura. Troque por iogurte desnatado: também fica gostoso e com muitas calorias a menos.
Intercalar: tente sempre intercalar as bebidas alcoólicas com água. Tome bastante água antes de começar a bebida alcoólica, assim você evita matar a sede com esta bebida. Se a intenção é aproveitar os efeitos benéficos do vinho, sempre que possível, substitua-o pelo suco de  uva natural. Ele proporcionará o mesmo efeito protetor sobre o coração. Se você tem o costume de beber vinho diariamente, use o suco de uva em dias alternados. Já é um ótimo começo.
Diluir: Use gelo para diluir o uísque ou a caipirinha. Coquetéis mais leves como o mojito (rum, sprite zero, hortelã e limão), cuba libre (rum, coca light e limão) e até mesmo uma mistura de clubsoda e meia taça de vinho também são boas opções.


Usar a criatividade pode ajudar a perder peso sem abrir mão dos hábitos prazerosos. Com bom senso, você verá que é capaz de frequentar festas, jantar fora e sair para um encontro com os amigos sem colocar em risco todo um programa de perda de peso.

Fonte: site do Setor de Nutrição do Instituto Mineiro de Endocrinologia 

Osteoporose, o que fazer para evitar?

 É comum associar a osteoporose à velhice, já que a doença, caracterizada pela perda de massa óssea e deterioração esquelética, é mais comum na faixa etária acima dos 50 anos – uma em cada três mulheres nesse grupo sofre da doença; entre os homens, a proporção é de um em cada cinco. Mas isso não quer dizer que pessoas com menos idade estão livres da doença. A enfermidade pode afetar também os mais jovens, e mesmo que não afete, a prevenção deve começar bem mais cedo do que se pensa.

A melhor maneira de evitar futuros problemas é começar a se prevenir ainda na adolescência, quando o esqueleto está se estabelecendo e construindo massa óssea. O equilíbrio desse processo é atingido aos 20 anos. Depois, a estrutura começa a enfraquecer e, a partir dos 40 anos, inicia-se a faixa de risco de osteoporose.
Porém, 70% das brasileiras entre 16 e 44 anos acham que a prevenção deve começar somente na fase adulta, como revelou a pesquisa Firme e Forte Osteoporose, divulgada pela Abrasso (Associação Brasileira de Avaliação Óssea e Osteometabolismo). Por consequência, as precauções com a saúde dos ossos acabam sendo tomadas tardiamente.
Para prevenir a doença, basta consumir alimentos com cálcio e vitamina D. A última auxilia na absorção do primeiro, que atua diretamente no fortalecimento e manutenção dos ossos. Apesar de ser uma recomendação simples, nem sempre ela é seguida corretamente. Cerca de 60% das mulheres acham que tomar apenas um copo de leite por dia é suficiente para se manterem livres da osteoporose. Enganam-se.
Essa quantidade está bem abaixo do valor recomendado pelo OMS (Organização Mundial da Saúde). O ideal é consumir  de 800 a 1200 mg de cálcio, o que representa quatro porções de leite (em cada copo de 250 ml há 268 mg do mineral). Apenas 20% dasmulheres com 45 anos consomem essa quantidade. Entre aquelas com menos de 45 anos, essa porcentagem não passa de 10%.
Demora no diagnóstico
O problema é que a osteoporose demora para ser notada, já que é uma doença silenciosa, que não causa dor. Segundo Marcelo Pinheiro, diretor da Abrasso, 98% das pessoas esperam sinais de dor para buscar ajuda profissional. Como ela não se manifesta, poucos acabam descobrindo antes que ocorra a primeira fratura. “O problema de não conhecer rapidamente a existência da doença é que o tratamento demora para ser iniciado, o que influencia diretamente nos resultados”.
Durante a pesquisa, 13% das mulheres contaram que sofreram alguma fratura depois dos 40 anos. Dessas, 62% sentiram que a qualidade de vida piorou após o evento. Mesmo após as complicações, apenas 52% delas descobriram que tinham a doença, ao su submeter ao exame de densitometria óssea, a única maneira de detectar com certeza a doença. O restante não chegou a receber o diagnóstico correto.
Segundo dados da IOF (Fundação Internacional de Osteoporose, em tradução livre), 80% dos pacientes fraturados não recebem avaliação e tratamento. Nesses casos, as chances de uma pessoa que já sofreu fratura osteoporótica se machucar novamente são duas vezes maiores.
No Brasil, apenas 39% das mulheres com 45 anos ou mais já passaram por densitometria óssea. Dessas, 37% fizeram o exame somente uma vez, quando na verdade a checagem deveria ser feita anualmente, assim como os exames ginecológicos, principalmente entre mulheres dessa faixa etária. “Apesar de a doença atingir também homens e jovens, a maior incidência é em mulheres com 45 anos ou mais, pois começam a entrar na menopausa, período em que a produção de estrogênio, responsável pelo crescimento de todos os ossos, acaba diminuindo”, diz Pinheiro.
Para o diretor, falta uma campanha de conscientização sobre a importância do diagnóstico precoce, e também orientação por parte dos médicos. Cerca de 40% das mulheres que passaram por densitometria óssea foram diagnosticadas com a doença, começaram a se tratar e notaram melhora na sua qualidade de vida.
Só quando a doença é identificada surge a preocupação com alguns cuidados. Apesar de uma dieta rica em cálcio e vitamina D auxiliar bastante na prevenção e tratamento, não é suficiente. Segundo o reumatologista Dr. Diogo Domiciano, do Hospital das Clínicas,  o tabagismo, o consumo de bebidas alcoólicas e o sedentarismo são fatores de risco e enfraquecem os ossos. Para amenizar os sintomas, eles devem ser evitados. “Só não conseguimos evitar a osteoporose em casos genéticos, quando é irreversível, mas podemos amenizar os sintomas com balanceamento da dieta e adotando hábitos saudáveis”, diz Domiciano.
Cuidados com a suplementação de cálcio
Outra medida que pode ser necessária é adotar suplementação à base de cálcio, mas o tratamento só é indicado para mulheres em que já foi detectado o problema. “A medicação é uma medida para reforçar o tratamento, mesmo com ela os hábitos alimentares e de atividade física devem ser modificados”.
Mas nem todas as mulheres podem tomar a medicação. Segundo o reumatologista, quem tem aterosclerose (doença crônica que se caracteriza pela formação de tecido fibroso dentro dos vasos sanguíneos, causando obstrução) deve evitar o medicamento, fazer o tratamento somente por meio da alimentação e evitando os fatores de risco. Há pesquisas que indicam que, embora não se conheçam os motivos, o uso do medicamento por pessoas com a doença aumenta o risco de infarto. “Desconfia-se de que os excessos de cálcio acabem contribuindo para obstruir ainda mais os vasos, mas não há nada comprovado”, explica Domiciano.
As pacientes com histórico familiar de pedras nos rins também têm restrições quanto à medicação, pois o uso contínuo de cálcio pode acabar desenvolvendo o problema. O ideal é consumir doses baixas do remédio e completar nas refeições. Os alimentos ricos em cálcio são absorvidos lentamente, por isso não sobrecarregam o corpo com a substância. Já os suplementos fornecem maior quantidade do componente e geram picos no sangue, o que pode acarretar problemas à saúde, como aumentar o risco de infarto..
Alimentos ricos em cálcio
Apesar de não ser o único tratamento, os alimentos são ótimos auxiliares no combate à osteoporose e tratamento da doença. O leite, riquíssimo em cálcio, é tido como o principal agente do combate aos desgastes ósseos, mas existe uma ressalva. “Não importa qual o tipo de leite, seja de vaca, de cabra, de búfala, desde que a origem seja mamífera. Esses sim são ricos em cálcio, pois contém porções da substância que estavam no animal. Já os leites de soja que não têm reforço de cálcio adicionado industrialmente não conseguem auxiliar na prevenção da doença, pois não contêm a substância, explica Marcelo Pinheiro.
Hoje em dia é possível encontrar leite de soja e alguns iogurtes fortificados com cálcio que conseguem auxiliar tanto quanto o leite de mamíferos. Mas se você não é muito fã da bebida, alguns outros alimentos também contém o mineral e podem ajudar a prevenir a osteoporose.
Separamos uma tabela, baseada nos dados da Taco (Tabela Brasileira de Composição de Alimentos, da Unicamp), com dez alimentos ricos em cálcio:
ALIMENTOCÁLCIO (mg)
Brócolis (100g)513
Feijão branco (100g)476
Couve-manteiga (100g)177
Iogurte (1 pote)279
Leite desnatado( 250ml)268
Sardinha (100 g)482
Castanha-do-Pará (100g)146
Queijo minas (100g)579
Queijo prato (100g)345
Espinafre (1 xícara)136

Fonte: Site do Dr. Drauzio Varella