sábado, 1 de fevereiro de 2014

Mudanças na alimentação melhoram a Síndrome de Intestino Irritável

A regra básica da alimentação saudável consiste na escolha de alimentos que supram nossas necessidades nutricionais. Tornando-nos saudáveis e evitando, assim, doenças oportunistas ou que se desenvolvem por erros alimentares.  

Sintomas que levam a queixas frequentes de cólicas, abdômen inchado, gases, flatulência, crises de constipação, diarreia, além de uma referência maior a enxaquecas e dores crônicas são comuns em pessoas portadoras de um distúrbio funcional denominado como Síndrome do Intestino Irritável (SII). Essa síndrome está relacionada a uma falha no movimento peristáltico e falta de coordenação do cólon e tubo digestivo. 
Hoje, encaramos o alimento de forma ainda mais abrangente. Além de ser nutritivo, deve ser funcional, possuir componentes que influenciam determinadas funções do organismo, nos ajudando na proteção e manutenção da saúde. 
Como isso nos afeta? Possuir a coordenação motora funcionando de maneira adequada é absolutamente necessário para gerarmos o bolo fecal e fazermos ele se movimentar adequadamente no intestino. 
Essa coordenação depende do movimento peristáltico e de alguns agentes químicos que atuam nas fibras musculares, provocando contrações e nos ajudando a expulsar o bolo fecal. Esses agentes químicos ou mediadores, são tão importantes que a medicina hoje considera o intestino como um segundo cérebro. 
Para entender o grau de importância, estudo publicado pela Universidade de Boston, nos Estados Unidos, declarou aumento de 40% no risco de depressão entre pacientes possuidores da Síndrome do Intestino Irritável. Esta doença atinge um quinto da população mundial e é mais frequente nas mulheres.  

Cuidados com o intestino

O intestino acumula uma série de tarefas essenciais, entre elas, a nobre função de absorver nutrientes e eliminar toxinas. Portanto, é fundamental possuir uma flora intestinal saudável.  
O que evitar:
-Para manter sua flora intestinal saudável é necessário evitar o uso de medicamentos laxantes continuadamente e sem orientação médica; Leite e derivados, em geral portadores da SII possuem certo grau de intolerância à lactose; Condimentos picantes; Alimentos refinados (como a farinha branca); Industrializados com excesso de conservantes e corantes; Formadores de gases (como repolho, brócolis, feijão, batata doce entre outros); Doces em geral, ricos em açúcar; Bebidas alcoólicas; Refrigerante e bebidas gaseificadas.  

Como proteger sua flora intestinal

Alimentos ricos em fibras não absorvíveis, favorecem a formação adequada do bolo fecal. Mas, a orientação se dá de acordo com a tendência a apresentar com maior frequência episódios de constipação ou diarreia, para uns mais fibras absorvíveis, para outros, mais fibras não absorvíveis. 

A principal função dos alimentos acrescidos de probióticos é, além de ajudar no equilíbrio da flora intestinal, diminuir reações alérgicas e doenças inflamatórias intestinais. Se usados de maneira correta, os probióticos ajudam a diminuir o Ph intestinal, estimulam a produção de antibióticos naturais pelo organismo, melhoram a barreira intestinal, impedindo a passagem de bactérias para o sangue. 
Equilibrar a flora intestinal, deixá-la com mais bactérias benéficas do que com bactérias maléficas, evitando alimentos que desequilibram a flora e acrescentando probióticos em sua alimentação diária é uma atitude protetora do intestino e do sistema imunológico.  
Algumas espécies de probióticos auxiliam na digestão da lactose (açúcar presente no leite), reduzem a constipação e a diarreia, aliviando os sintomas dos portadores da Síndrome do Intestino Irritável. Outras estimulam o sistema imunológico, a produção de vitamina B e inibem a multiplicação de causadores de doenças, além de restabelecerem a flora.  

Além do leite fermentado

Laticínios como leite fermentado e iogurtes são as principais fontes desses micro-organismos, mas hoje eles já são vendidos, em forma de sachês em farmácias e drogarias. Ainda hoje, também encontramos alimentos, que não contêm lactose, enriquecidos com probióticos. Seu consumo é seguro e livre para todas as faixas etárias.  
Fonte: MInha vida

Panqueca de Amaranto com chia

Ingredientes: 
2 claras e 1 gema (pode colocar mais claras se quiser) 
3 colheres de sobremesa de farelo de aveia ou farelo de quinoa (sabor forte) ou amaranto em flocos 
1 colher de chá de extrato de baunilha 
2 colheres de chá de semente de chia 
1/3 xícara de leite de macadâmia, de soja ou de arroz (para quem não tem intolerância à laticínios pode usar o leite desnatado) 
2 colheres de chá adoçante para forno 

Preparo: 
Leve ao fogo em uma frigideira antiaderente (pode colocar o mínimo de manteiga ou óleo de coco para não grudar). Espere dourar o fundo e vire com uma espátula para dourar o outro lado. Depois de pronta, polvilhar: whey protein de baunilha/chocolate com canela. Pode picar uma fruta por cima, como morango, mirtilo ou banana. 

Rendimento: 1 unidade 

Informações nutricionais (por porção)
Calorias: 255,48 kcal 
Carboidratos: 23,11g 
Proteínas: 14,07g 
Gorduras: 11,48g


Fonte: MSN

Amaranto e seus benefícios contra o câncer

O amaranto é um grão da família Amaranthaceae que se destaca por ser muito balanceado nutricionalmente. Ele é rico em proteínas, fibras, cálcio, ferro, fosforo e magnésio. 
O alimento contribui para regular a pressão arterial e o colesterol. Ele também possui uma substância que é capaz de parar o crescimento de tumores, por isso o alimento é bom para a prevenção do câncer. 
O amaranto também contribui indiretamente para a perda de peso. Isto porque ele é rico em fibras, nutriente que ao ser ingerido em boas quantidades proporciona a saciedade. Além disso, elas contribuem para o melhor funcionamento do intestino. Algumas pesquisas preliminares também observaram que o grão contribui para a melhora do sistema imunológico. 

Principais nutrientes do amaranto

O amaranto se destaca por ser rico em proteínas com alto valor biológico e que por isso fazem com que o alimento seja uma ótima opção para vegetarianos, idosos e praticantes de atividades físicas. O alimento ainda possui mais cálcio do que a maiorias dos outros cereais. Além disso, como ele possui baixas quantidade de ácido fítico, taninos e oxalatos, a biodisponibilidade do cálcio é alta, ou seja o mineral consegue ser bem aproveitado pelo organismo. Contudo, o alimento não é um substituto do leite. Enquanto, uma xícara de leite integral possui 290 mg de cálcio, a quantidade recomendada de amaranto, 45 gramas, conta com somente 72 mg.  
O cálcio, juntamente com o magnésio e o fósforo, que estão presentes em altas quantidades no amaranto, são bons para a saúde dos ossos e dentes. O alimento conta também com boas quantidades de ferro. A deficiência de ferro pode levar a anemia e o amaranto é considerado um cereal ideal fornecer boas quantidades deste mineral. 
O zinco está presente no cereal e é importante para a ação de diversas enzimas. Outro nutriente importante que o amaranto possui são as fibras que ajudam no emagrecimento, pois proporcionam saciedade, e elas ainda melhoram o trânsito intestinal. O amaranto ainda conta com a vitamina C, nutriente que contribui para o sistema imunológico. 
Nutrientes do amaranto - 45 g
Calorias167 kcal
Proteínas6.1 g
Lipídeos3.16 g
Carboidratos29.36 g
Fibras3 g
Cálcio72 mg
Ferro3.42 mg
Magnésio112 mg
Fósforo251 mg
Potássio229 mg
Sódio2 mg
Zinco1.29 mg
Tiamina0.052 mg
Riboflavina0.09 mg
Vitamina C1.9 mg
Vitamina B-60.266 mg
Vitamina E0.54 mg
Fonte: Tabela do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos.          
Confira qual a porcentagem do Valor Diário* de alguns nutrientes que a porção recomendada de amaranto, 45 gramas (3 colheres de sopa), carrega: 

  • *Valores Diários de referência para adultos com base em uma dieta de 2.000 kcal ou 8.400 kj. Seu valores diários podem ser maiores ou menores dependendo de suas necessidades energéticas. 
    Magnésio - 42,5%
  • Fósforo - 36%
  • Ferro - 24%
  • Fibras - 18,4%
  • Zinco - 18,4%
  • Proteínas - 12,2%
  • Carboidratos - 9,7%
  • Cálcio - 7,2%
  • Gorduras - 5,7%
  • Vitamina C - 4,2%.

Benefícios do amaranto

Controla a pressão arterial: Os peptídeos do amaranto inibem o funcionamento de enzimas encarregadas de elevar a pressão arterial. Assim, ocorre a melhor regulação da pressão. As principais complicações da pressão alta são o acidente vascular cerebral (AVC), infarto agudo do miocárdio e doença renal crônica.
O amaranto ajuda no ganho de massa muscular
Ajuda na perda de peso: Este benefício ocorre porque o amaranto é rico em fibras solúveis. Ao entrar em contato com o líquido no interior do estômago, o nutriente forma uma espécie de gel que dilata o órgão e proporciona saciedade. As fibras também irão contribuir para o melhor funcionamento do intestino. 
Ajuda no ganho de massa muscular: Uma pesquisa realizada pela Universidade Estadual de Campinas, de autoria da nutricionista Valéria Maria Caselato de Sousa, observou que um grupo de 20 idosos apresentou ganho de massa muscular após passar 45 dias ingerindo pipoca. Este benefício ocorre porque o amaranto possui boas quantidades de proteínas, que tem a função de reparar as microlesões que ocorrem como um processo fisiológico normal quando se prática atividades físicas e proporcionar a formação de novas células musculares. 

Benefícios do amaranto em estudo


O testes com o alimento foram realizados somente in vitro, ou seja, ainda não foram feitas pesquisas com humanos em relação ao amaranto e o câncer. 
Previne o câncer: 
Duas pesquisas publicadas pelo Instituto para Pesquisas Científicas e Tecnológicas de San Luis Potosí, no México, observaram a presença de um peptídeo, fragmento de proteína, que é capaz de impedir o crescimento de tumores. Segundo os mesmos estudos, esta substância é semelhante à lunasina presente na soja, que também possui ação anticancerígena. Porém, uma diferença importante observada pelas pesquisas é que a substância presente no amaranto age mais rapidamente nas células do que a da soja. 
Controla o colesterol: Em pessoas saudáveis e em estudos iniciais realizados com animais observou-se que o consumo do amaranto ajuda a manter o colesterol controlado. Contudo, em estudos realizados com idosos, o mesmo benefício não foi observado. O mecanismo que proporcionaria o benefício de baixar o colesterol ainda não foi descoberto. Alguns pesquisadores defendem que as respostas seriam as fibras, outros apostam nas proteínas e ainda há quem acredite que o benefício está no óleo do grão, por ser rico em ômega 3

Quantidade recomendada de amaranto

Não há uma orientação exata para o consumo de amaranto. Porém, alguns nutricionistas recomendam ingerir entre duas a três colheres de sopa (cerca de 45 gramas) do cereal por dia. 

Como consumir o amaranto


Compare o amaranto com outros alimentos
O amaranto pode ser consumido de diversas maneiras. Ele pode ser adicionado nas saladas ou cozido e consumido em substituição ao arroz e feijão ou adicionado em sopas. Os flocos de amaranto podem ser adicionados às frutas, iogurtes, sucos e vitaminas. O alimento também pode ser preparado como uma pipoca. Basta colocar uma colher de sopa de grãos de amaranto em uma frigideira, tampar e esperar ele estourar. As pipocas de amaranto possuem cerca de dois milímetros de tamanho.  
O amaranto é um alimento nutricionalmente muito equilibrado e por isso pode substituir a combinação arroz, fonte de carboidrato, e feijão, fonte de proteína. O grão conta com maiores quantidades de cálcio, ferro, fósforo e magnésio do que o feijão, a lentilha e o arroz integral, perdendo apenas para a soja. Apesar do amaranto ser um alimento muito rico, é importante variar no cardápio. Assim é possível ingerir diferentes nutrientes. 
Nutrientes - 45 gAmaranto cozidoSoja cozidaFeijão preto cozidoFeijão carioca cozidoLentilha cozidaFeijão fradinho cozidoArroz integral
Calorias46 kcal77,85 kcal34,65 kcal34 kcal41,8 kcal35 kcal50 kcal
Proteínas1,71 g7,48 g2 g2,16 g2,8 g2,3 g1.04 g
Gorduras totais0,71 g4 g0,225 g0,225 g0,22 g0,27 g0,37 g
Carboidratos8.41 g4,46 g6,3 g6,12 g7,3 g6 g10,58 g
Cálcio21 mg45,9 mg13 mg12,15 mg7,2 mg7,65 mg4 mg
Potássio61 mg231,75 mg115 mg114,75 mg99 mg113,8 mg36 mg
Ferro0,95 mg2,3 mg0,675 mg0,585 mg0,675 mg0,5 mg0,24 mg
Fósforo67 mg110 mg39,6 mg39 mg46,8 mg38 mg35 mg
Sódio3 mg0,45 mg0,9 mg0,9 mg0,45 mg0,45 mg0
Zinco0,39 mg0,517 mg0,315 mg0,315 mg0,495 mg0,5 mg0,28 mg
Magnésio28 mg38,7 mg18 mg18,9 mg9,9 mg17,1 mg20 mg
Fibra0,9 g2,7 g3,78 g3,8 g3,5 g3,37 g0,8 g
Fonte: Tabela do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos.        

Contraindicações

O amaranto não é recomendado para portadores de diabetes, pois possui alto índice glicêmico. Quando um alimento conta com alto índice glicêmico, a absorção de glicose é rápida o que leva ao aumento das taxas de glicose no sangue e pode causar uma hiperglicemia o que agrava o diabetes. Pessoas com doenças renais também devem evitar o grão por ele ser rico em proteínas e o excesso do nutriente poder sobrecarregar os rins. 

Riscos do consumo em excesso

Como o amaranto é rico em proteínas, o consumo de grandes quantidade do alimento ao longo do tempo pode sobrecarregar o funcionamento do fígado e rins. Além disso, como o alimento também conta com carboidratos, é preciso consumir com moderação, já que o excesso do nutriente pode levar ao ganho de peso. 
Fonte: MSN