segunda-feira, 6 de outubro de 2014

Dieta DASH


Existem evidências de que a hipertensão está associada com resistência à insulina. Em indivíduos com hipertensão essencial, existe uma maior prevalência de resistência à insulina do que nos normotensos. A prevenção, a detecção, a avaliação e o tratamento da hipertensão, como definidas no JAMA de maio de 2003, geralmente não discutem o impacto destas intervenções na resisência à insulina. As intervenções do Joint são a perda de peso para os obesos, o aumento da atividade física, a redução da ingesta de sódio e a diminuição da ingesta de álcool.

De acordo com os resultados do estudo DASH (Dietary Approaches to Stop Hypertension), publicado na revista Diabetes Care de fevereiro de 2004, a adoção do modelo dietético DASH associado a uma intervenção no estilo de vida pode aumentar a sensibilidade à insulina. Este estudo adicional foi conduzido em um dos centros, denominado PREMIER, um trial clínico multicêntrico, randomizado, onde foram examinados os efeitos de três intervenções no estilo de vida em reduzir a pressão arterial elevada, 52 indivíduos foram avaliados. O grupo A recebeu apenas recomendações;

o grupo B inclui redução do peso, redução da ingesta de sódio, aumento da atividade física e consumo moderado de álcool; o grupo C recebeu todas as intervenções do gupo B e o modelo dietético DASH.

A dieta DASH é mais rica do que a dieta típica americana espaço em frutas, vegetais (ou seja, em fibras) e laticínios light, com teor baixo de gordura total, gordura saturada e colesterol. É repleta de nutrientes associados com a melhora da sensibilidade à insulina, incluindo magnésio, cálcio e proteínas. Uma pesquisa publicada em 1997 na revista Hypertension, concluiu que 1,500 mg/dia de cálcio suplementar melhora a sensibilidade à insulina em pacientes com hipertensão essencial usando o clamp euglicêmico-hiperinsulinêmico. Outro estudo publicado em 1992 no

American Journal of Clinical Nutrition evidenciou que a suplementação de magnésio melhora a ação da insulina em pacientes idosos.

Os grupos B e C tiveram diminuição semelhantes no total de calorias, percentagem de calorias provenientes de gorduras e ingesta diária de sódio, bem como quantidade similar de gasto energético e perda de peso. Comparado com os outros grupos, o grupo C, como esperado pela dieta DASH, teve um maior consumo de proteínas, potássio, cálcio e magnésio e uma melhora na sensibilidade à insulina de 1.96 para 2.95 (p=0.47). Apesar do grupo B também ter tido uma queda significativa nos níveis glicêmicos em jejum, a sensibilidade à insulina não foi estatisticamente diferente da do grupo controle.

A limitação do estudo inclui insuficiente capacidade de determinar a importância, o impacto dessa alteração de sensibilidade da insulina no grupo B (seria já o bastante?) e o uso de dois recordatórios dietéticos não consecutivos para estimar a ingesta de nutrientes.

Conforme publicado na revista pelo autor do estudo, da University Medical Center da Carolina do Norte, “baseados nos resultados deste estudo, a inclusão do modelo da dieta DASH como parte básica de um plano dietético hipocalórico pode levar a uma melhora significativa de mais de 50% na sensibilidade da insulina.” Esta combinação de alimentos e nutrientes, segundo ele, deve ter um efeito em vários alvos celulares que promovem as mudanças na composição corporal durante a perda de peso, resultando em um impacto favorável na ação da insulina. Diabetes Care. 2004;27:340-347.

Este achado pode trazer à classe médica evidências adicionais para a necessidade de recomendar este modelo dietético como parte do tratamento da hipertensão, sendo as intervenções de modificação de estilo de vida fundamentais e compreensíveis no tratamento e na redução de todas as condições de risco cardiovascular.

Cabe a nós, médicos, nutricionistas e educadores físicos: termos o bom senso de orientar nossos pacientes sobre o que viemos discutindo há longa data quanto menos gordura (eu disse menos, não ausência) em nossos pratos, melhor não só para o nosso coração, nosso colesterol e nossa pressão alta, mas também para o controle da glicemia e possivelmente para a prevenção do diabete em longo prazo. Além de que menos gorduras, mais cálcio, mais proteínas, mais fibras, mais atividade física e perda de peso por si só já melhoram qualquer fator de risco cardiovascular.


Fonte: ABESO

Nenhum comentário:

Postar um comentário