quarta-feira, 13 de agosto de 2014

Abdominoplastia e lipoaspiração podem ser feitas na mesma cirurgia

A ISAPS (International Society of Aesthetic Plastic Surgery) acaba de comprovar oficialmente com dados estatísticos que a lipoaspiração é o segundo procedimento estético-cirúrgico mais realizado no mundo, ficando atrás apenas do implante de silicone em mamas. Nesta pesquisa, o Brasil ocupou pela primeira vez o primeiro lugar como o país que mais realiza cirurgias plásticas no mundo sendo que a abdominoplastia e lipoaspiração são procedimentos realizados com muita frequência em nossos pacientes. Neste artigo, vamos comentar um pouco mais sobre esses dois tipos de cirurgia plástica e sua associação. 

É seguro realizar abdominoplastia e lipoaspiração ao mesmo tempo?

Sim, já foram realizados centenas de trabalhos científicos e milhares de cirurgias com esta associação de procedimentos. O Brasil foi inclusive o ?pioneiro? na lipoabdominoplastia que realiza simultaneamente a lipoaspiração com a abdominoplastia. Portanto, tecnicamente, os cirurgiões plásticos membros da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP) estão aptos para realizar esses procedimentos. No entanto, cada caso deve ser avaliado em particular pelo médico de escolha do paciente para se certificar de que o benefício da cirurgia será maior do que eventuais riscos. Como cautela, a SBCP sugere que o volume máximo de lipoaspiração nesses casos não ultrapasse 7% do peso corpóreo. 

Essa associação modifica ou dificulta a cirurgia?

Em termos, mas tudo depende da técnica a ser usada. Na verdade, existem centenas de trabalhos científicos que demonstram variações técnicas da associação da abdominoplastia e lipoaspiração. Por exemplo, mais recentemente a revista Aeshtetic Plastic Surgery publicou uma nova abordagem da abdominoplastia com lipoaspiração chamada TULUA. Essa abordagem é uma possível variante de técnicas já conhecidas por todos os cirurgiões plásticos. É melhor? Não, pois não é indicada para todos os casos. Portanto, o que precisamos entender é que cada paciente apresenta uma necessidade particularizada de maneira que a técnica usada pelo cirurgião plástico tem que se adequar à necessidade do paciente e não o contrário. 

Quais os benefícios em unir esses procedimentos?

O benefício de se associar as duas cirurgias é que pode-se conseguir um contorno corporal do tronco mais definido. Muitas vezes, quando se realiza apenas a abdominoplastia, pode ?sobrar gordura? em áreas onde não se retirou o excesso de pele. Outro benefício é que a lipoaspiração pode facilitar retirar mais pele pendente e ajudar a ter uma cicatriz de menor tamanho. Mas atenção: a cirurgia não tem por objetivo perder peso e o tamanho da cicatriz pode variar conforme a necessidade do paciente e técnica, tais como: miniabdominoplastia, abdominoplastia convencional, abdominoplastia circunferencial, entre outras. 

Quem pode fazer as duas cirurgias juntas?

A aprovação final depende de exames laboratoriais e exame clínico que vão nortear a conduta de seu cirurgião plástico membro da SBCP. De maneira geral, seguem alguns critérios que devem ser observados: 
  • Pacientes com peso ideal ou até 20-30% acima do peso ideal
  • Pacientes sem câncer de mama ou doenças mamárias que possam necessitar a reconstrução da mama
  • Pacientes acima do peso que desejam apenas uma cirurgia "higiênica" para melhorar sua qualidade de vida, sabendo que não ocorrerão mudanças extremas no contorno corporal. O objetivo é retirar o excesso de pele-gordura que acumula no abdome inferior e que fica constantemente coçando e com infecções de pele decorrentes de contaminação bacteriana e/ou fúngica. Nestas situações, muitas vezes o convênio médico pode arcar com parte/totalidade dos custos hospitalares e/ou dos honorários médicos
  • Pacientes saudáveis que não tenham contraindicações médicas para serem submetidos a procedimento cirúrgico
  • Pacientes que não planejam engravidar em curto período de tempo
  • - Pacientes que não sofram do ?efeito sanfona?, em que se engorda e emagrece num curto período de tempo
  • Pacientes que se comprometam a manter hábitos de vida saudáveis e que mantenham seu peso estável depois da cirurgia
  • - Pacientes não fumantes (de preferência)
  • Pacientes sem grandes cicatrizes acima do umbigo. Cicatrizes abdominais altas serão avaliadas em consulta para autorização da plástica de abdômen
  • Pacientes emocionalmente estáveis, otimistas e realistas com a limitação do procedimento.

Como é a recuperação dessa cirurgia?

A recuperação depende muito de cada caso, pois, como falamos, não existe apenas uma técnica de abdominoplastia associada com lipoaspiração. O sintoma de dor é subjetivo e costuma ceder com analgésicos e antiinflamatórios. 
Às vezes, pode-se optar pelo uso de dreno que coleta líquido do abdômen por alguns dias e depois o cirurgião retira no consultório. A recuperação deve seguir orientações médicas rigorosas, tal como repouso relativo domiciliar, manter-se levemente curvada para a frente (por tempo determinado pelo médico), uso de cinta modeladora e medicamentos prescritos pelo médico. A drenagem linfática pode acelerar a recuperação, mas só pode ser feita se seu médico concordar. 
Uma novidade interessante para quem tem medo de tirar pontos é uma fita com cola biológica que é colocada na incisão ao final da cirurgia e fica por 2-3 semanas. Além de não ter pontos para tirar, o paciente também já pode tomar banho no dia seguinte da cirurgia.
Fonte: MInha Vida

2 comentários: