quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

Lichia



Litchi chinensis é o único membro do gênero botânico Litchi, pertencente à família Sapindaceae. A fruta litchia, lechia ou Lichia (Litchi chinensis Sonn), crescem em árvores frutíferas, cujas frutas são conhecidas como lichias ou uruvaias. 

É encontrada principalmente na China, Índia, Madagascar, Nepal, Bangladesh, Paquistão, sul e centro de Taiwan, ao norte do Vietnã, Indonésia, Tailândia, Filipinas, África do Sul, México e Brasil. 
A fruta é relativamente nova no Brasil entrando com força no país há cerca de quatro ou cinco anos, em regiões como o interior de São Paulo e de Minas Gerais. 

Vitamina C e compostos fenólicos

A lichia é excelente fonte de vitamina C, cada 100 gramas do fruto apresenta 71,5 mg da vitamina, o que ajuda a prevenir gripes e resfriados. Além de possuir ação antioxidante, auxiliando no combate de doenças crônico degenerativas, câncer e problemas de coração. 
A vitamina C ainda ajuda a controlar a taxa de colesterol no sangue e faz bem para a pele. Alguns trabalhos científicos também já apontaram que o consumo da polpa branca da Lichia, rica em flavonoides, pode prevenir o crescimento de células cancerosas. 

As antocianinas desempenham uma função farmacológica importante contra várias doenças, como cardiovasculares, doenças crônico degenerativas, câncer, inflamações, imunidade baixa e alergias. 
O pericarpo (casca) da lichia contém quantidades significantes de compostos fenólicos, antocianinas que são os principais polifenóis, indicando-a como um potente eliminador de radicais livres e possuindo uma forte atividade antioxidante utilizada na prevenção de uma série de doenças.  

Outros nutrientes

Destaca-se a quantidade do mineral potássio presente, apresentando 171 mg por 100 gramas da fruta, ajudando a manter a pressão arterial e a retenção de líquidos sob controle. 
Ainda podemos citar a presença de vitaminas do Complexo B na sua composição, tornando a lichia uma ativadora de metabolismo. Por ter uma ótima quantidade de líquidos na sua composição, a lichia contribui para a boa hidratação do organismo. 

Ajuda a queimar gorduras

Um trabalho científico realizado na Universidade de Hokkaido, no Japão, analisou a perda de gordura abdominal em voluntários que receberam extrato de lichia. Ao final de dez semanas, eles queimaram 15% a mais de gordura na região da barriga do que os participantes tratados com placebo, o médico Jun Nishihira, que realizou a pesquisa, concluiu que o efeito obtido se deve à cianidina presente na fruta. 

As poucas calorias da lichia são, em sua maioria, provenientes do carboidrato da fruta. Devemos lembrar que, para perder peso é necessário um plano alimentar pessoal, harmônico e atividade física incorporada a vida, só a lichia não faz milagre. 
Além disso, cada 100 gramas de lichia, entre 8 e 15 unidades, dependendo do tamanho, possui cerca de 65 calorias. É uma quantidade baixa. Por isso, a fruta é indicada para quem deseja emagrecer. 

Utilizada no tratamento de infecções intestinais

Outra pesquisa interessante, demonstrou que o Clostridium difficileé, que é a causa principal de infecções intestinais, cuja sintomatologia inclui desde diarreia, colite e perfuração intestinal, podendo levar o paciente a óbito, tem sua capacidade de causar doença reduzida com o consumo de lichia. 
A infecção é facilitada por uso abusivo de antibióticos, que reduzem a população de organismos benéficos da flora intestinal. O tratamento padrão é efetuado com os raros antibióticos aos quais a bactéria é sensível. Entretanto, a recidiva é muito alta e o desenvolvimento de "resistência genética" tem limitado o espectro dos antibióticos que podem ser utilizados. 
Informe da Organização Mundial de Saúde dá conta que a terapia antimicrobial padrão tem sua taxa de sucesso incrementada se for complementada por ingestão de probióticos. A leveduraSaccharomyces boulardiié encontradas sobre os frutos de lichia, tem fornecido excelentes resultados terapêuticos. O microrganismo sobrevive à exposição aos ácidos gástricos, colonizando o cólon durante o tratamento, sendo rapidamente eliminada do intestino ao final da administração. A levedura reduz a capacidade de C. difficileé de causar doenças, interferindo na produção ou eliminando suas toxinas, ou ainda liberando uma protease que bloqueia os receptores das toxinas. 
O maior benefício foi observado na redução do índice de retorno do quadro infeccioso após a cura inicial, o que ocorre em 64% dos casos, quatro semanas após o término do tratamento com antibióticos. Portanto, a lichia faz com que as bactérias não fiquem resistentes aos antibióticos, criando as "bactérias assassinas", grande problema enfrentado pela medicina contemporânea. 

Como consumir

 A melhor maneira de consumir a lichia é lavar bem a casca da fruta antes de abri-la, é a chamada higienização, que deve ser feita para evitar que impurezas contaminem sua polpa. É possível congelar a lichia para consumi-la ao longo do ano, mesmo por processo de congelamento lento a lichia não perde suas características de perfume e sabor.
Pelo congelamento lento a lichia pode ter sua textura ligeiramente alterada devido ao rompimento de suas fibras provocadas pelos cristais de gelo que são formados em seu interior, mas isso não muda em nada o seu paladar e nem seu valor nutricional. Quando submetida ao calor ou em contato com a luz, a lichia perde nutrientes sensíveis ao calor. Por isso, deve ser armazenada em locais frescos e escuros e, de preferência, ser consumida in natura. 
Para nossa sorte e saúde, é mais fácil encontrar a lichia nas feiras, varejões e nos supermercados no início do ano, é nessa época que as frutas estão mais doces e baratas. Isso contribuiu para que o preço da lichia baixasse. Antes, ela era encontrada apenas como produto importado. A lichia é rica em nutrientes e um ótimo alimento funcional. 
Fonte: MSN

Nenhum comentário:

Postar um comentário