quarta-feira, 30 de outubro de 2013

Como o Adolescente vê sua imagem.

Mudanças físicas

Para a psicopedagoga Julia Milani, pedagoga e arteterapeuta da Assessoria Educacional Terceiro Passo, a noção de autoimagem corporal muda ao longo dos anos, conforme nosso próprio corpo sofre mudanças. "Este esquema está em constante movimento, já que o corpo não é algo estático, e sim dinâmico", ensina a especialista. E isso torna a adolescência um período ainda mais conturbado, já que é o período em que o organismo mais se modifica: "nessa fase, além das mudanças de caracteres sexuais secundários, temos mudanças em órgãos internos também, como seu crescimento - e isso acontece para acompanhar o novo corpo que se forma", explica a hebiatra Andrea Hercowitz, do Hospital Israelita Albert Einstein. Parece que o corpo fica completamente fora de proporção, já que os braços e pernas costumam crescer antes do tronco. E a mudança muitas vezes é tão rápida que o cérebro demora a entender. Nesses casos, o mais importante é dialogar com seu filho e explicar que essa fase é transitória e que no final dela, ele estará mais acostumado com a forma que seu corpo terá. 

Busca da identidade pessoal

As mudanças do corpo são aliadas a diversas questões psicossociais, fazendo com que a autoimagem do adolescente sofra vários abalos. Um deles é a busca por uma identidade própria. "Para isso ele tem que se diferenciar como sujeito autônomo, e a imagem está intimamente ligada à construção de identidade", considera a psicanalista Joana de Vilhena Novaes, pós-doutora em Psicologia Social pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ) e coordenadora do Núcleo de Doenças da Beleza do Laboratório Interdisciplinar de Pesquisa e Intervenção Social (LIPIS) da PUC-RJ. Porém, muitas vezes a imagem que ele tem de si mesmo não bate com sua identidade pessoal. "Isto gera sim conflitos, como se houvesse uma oposição entre como este corpo se apresenta e como o adolescente gostaria que ele fosse", considera a pedagoga Julia. O mais importante nesses casos também é dialogar com o jovem, ver até que ponto a insatisfação com o corpo dele pode ser resolvida (com dieta e exercícios, por exemplo) e também conscientizá-lo que nem tudo vale a pena ser mudado. 

Se encaixar em um padrão

Apesar de o jovem buscar uma identidade individual, ele também tem uma ânsia de se encaixar em um padrão, muitas vezes trazido pela mídia e adotado pelos amigos e resto do grupo. "Essa busca é comum do ser humano e é mais dramática na adolescência, pois como o jovem não entende o que está havendo com ele mesmo, a identidade é reforçada pelo grupo", classifica Joana. O problema é que muitas vezes o padrão vindo dos meios de comunicação pode ser irreal ou mesmo inalcançável. "Muitas vezes a criança e o jovem começam a achar que emagrecendo ou ficando mais fortes, ou seja, mudando de alguma forma, eles terão mais valor e posses, como os artistas", considera a psicanalista. 

Opinião dos amigos

Com o afastamento dos pais, que normalmente ocorre no período, os amigos passam a ser modelos para o jovem. "A adolescência é um tempo de experimentação e não há um código de conduta que os atenda, então o jovem fica o tempo todo tentando se descobrir", considera Joana. Por isso, é comum que o jovem mude de estilos, experimente grupos e use os amigos como referência não só da aparência, como no modo de ser. Nisso, eles se vestem da mesma forma e buscam alcançar as mesmas referências. 

Aprovação dos colegas

Por outro lado, a aprovação dos colegas além do grupo de amigos, como de outros adolescentes da escola, pode exercer algum papel na autoimagem. "Nesta fase de desenvolvimento, na qual o corpo passa por grandes mudanças, a aprovação do grupo que este adolescente pertence é muito importante", considera a pedagoga Julia. Porém, pode haver um efeito contrário, em que o jovem quer se diferencia desse grupo dominante. "É comum a criação de grupos em que os jovens se juntem para que não se sintam tão excluídos", considera Joana. Porém, por mais que isso faça com que o bullying pareça comum nessa fase da vida, ele não é. "As crianças apontam para a diferença das outras, enquanto o adolescente já tem sozinho essa sensação de ser diferente e não se encaixar", diferencia a especialista.

Início da vida amorosa

Durante a adolescência, a opinião do gênero pelo qual o jovem se sente atraído também ganha um peso considerável. Afinal, a aparência é a primeira característica que vai atrair a atenção de um potencial namorado, e em alguns ambientes ela acaba sendo mais valorizada. "Nessa fase geralmente a opinião dos outros sobre a sua aparência é muito importante, e podem levar o adolescente a ter um desconforto com seu corpo, ou até mesmo, em casos mais graves, desenvolver distúrbios na imagem corporal", considera Julia. Porém, no caso das meninas, a psicanalista Joana acredita que a opinião masculina tem um peso menor do que a feminina. Isso porque as mulheres são educadas dentro de um padrão de imagem erotizado, e ensinadas desde cedo a segui-lo, usando-o como parâmetro. "Se você pensar nas mulheres, elas se arrumam e se enfeitam para passar no crivo de outras mulheres! A critica feminina é muito mais ferrenha nesse aspecto", acredita a especialista. 

Referências da família

Por mais que a maior parte dos jovens queira se afastar do referencial dos pais, eles também têm um papel essencial nessa construção. "Considerando que a autoimagem é a maneira como nosso corpo apresenta-se para nós mesmos, isso vai também vai ser influenciado pelo entorno: como nosso corpo foi apresentado?", provoca a pedagoga Julia. Portanto, os feedbacks dados pela família na infância têm uma influência fundamental. Além disso, a visão que os pais têm do jovem muitas vezes é aquela com que eles convivem grande parte do tempo, e a forma como os pais apresentam críticas e opiniões, mesmo na adolescência, pode fazer bem ou mal. "Falar de forma ríspida pode ser um tiro no pé, causando teimosia ou mesmo traumas. O ideal não é negar as limitações que seu filho tem, mas também não associar uma característica física a um defeito que o marginalize, como condená-lo pelo excesso de peso, por exemplo", diferencia a psicanalista Joana. 

Fonte: MSN

Três medidas acabam com a barriga saliente do papai


Uma das características mais comuns na turma dos papais é a barriga saliente. O sedentarismo e as comidinhas calóricas, em geral, são os culpados pela silhueta avantajada. Mas o famoso pneuzinho não deve incomodar somente pela parte estética. A gordura que se acumula na barriga, chamada gordura centralizada ou visceral é o tipo de gordura mais nociva ao organismo por ficar perto de alguns órgãos importantes, como o coração. 


Quando a gordura se concentra no tronco, os riscos de diabetes, doenças cardiovasculares e hipertensão são muito maiores. "Ela pode causar problemas no fígado e assim aumentar a pressão e a desregular a taxa de açúcar no sangue", explica a nutricionista Camila Leonel.

Em suma, ter um corpo no formato de maçã é mais preocupante para a saúde do que ter um corpo no formato pera, quando a gordura é periférica e acumula-se nos braços, coxas e quadril. Porém, uma mudança de hábitos pode ajudar os pais a recuperarem a forma. Exercícios leves,dieta e alterações na postura fazem parte do programa. Confira. 

Mexa o corpo todo

A grande maioria acredita que para sarar a barriguinha o único remédio é mergulhar de cabeça nos abdominais. Mas não é só isso que faz a capa de gordura desaparecer. "Não adianta fazer exercícios apenas na região abdominal, um treino localizado não é a melhor maneira de perder gordura. Uma bateria de exercícios para o corpo inteiro é mais eficiente para queimar calorias e acabar com a gordura centralizada", explica a personal trainer Paula Loiola.

Antes de se preocupar em fortalecer os músculos abdominais, é preciso que a camada de gordura centralizada diminua. Por isso exercícios menos concentrados que queimam mais calorias são indicados para aqueles que querem perder a barriga.

Segundo Paula Loiola, deve ser feito todo um trabalho de preparação e adaptação para aqueles que estão começando a fazer o treino antibarriga. "Os músculos dessa região devem se acostumar com o esforço feito nas séries. Se o exercício é feito de maneira inadequada, a pessoa sente dores e acaba desanimando."  
Abdominal
Para aqueles que não estão acostumados com abdominais e que não têm tempo, duas séries de dez flexões já são um bom começo. "Um intervalo de 30 a 40 segundos entre uma série e outra já é suficiente para a musculatura se recuperar", diz Paula.
Lembre-se que fazer inúmeros abdominais todos os dias não deixará sua barriga mais sarada. Os músculos do abdômen precisam de um descanso de aproximadamente 48 horas depois de uma seção de exercícios. Fazer esse exercício três vezes por semana é mais aconselhável do que todos os dias. 

Garfadas certeiras

Não adianta fazer um trabalho muscular sem adequar a alimentação. O peso de importância é de 50% para cada lado. Fechar a boca para alimentos que contém muita gordura saturada é uma das principais medidas que um pai que quer perder a barriguinha deve tomar.

São basicamente gorduras animais, que provêm da carne vermelha, lácteos, como leite e queijos amarelos. "Além disso, as bebidas alcoólicas também são alimentos que dificultam a perda de gordura", explica Camila Leonel. Um prato "colorido" é a melhor opção. "Um prato que tenha uma fonte de proteínas, como carne de frango, folhas, legumes e frutas é um tipo de refeição balanceada que ajudará a perder a barriga", completa Camila. 
Salmão
Alguns alimentos são conhecidos por ajudar na queima de gordura e no ganho de massa muscular. Opções como espinafre, amêndoas, castanhas e outras frutas oleaginosas, feijão, carnes magras, como frango, peito de peru e peixes, além de mamão, azeite de oliva, pão integral e frutas vermelhas saciam a fome e não contém grandes quantidades de gorduras.

O leite e o ovo podem ser consumidos, mas pedem cuidados na escolha das versões mais leves. "O leite integral contém mais gordura. Já o leite desnatado ajuda fortalecer os músculos. O tipo de preparação do ovo antes da refeição também é muito importante. Se ele for cozido ou for preparado na forma de omelete, ele é uma grande fonte de proteínas e não atrapalha na boa forma. Mas evite o ovo frito", explica Camila Leonel. 

Ajuste a postura

Outra vilã da barriguinha saliente é a postura incorreta. Quem mais sofre com isso são os homens que passam grande parte do dia sentado, em geral no ambiente de trabalho. A posição curvada é um perigo. Sempre que ficam nessa posição, os músculos do abdômen relaxam e perdem tonicidade. Uma boa dica é manter os pés apoiados no chão, em um ângulo reto em relação aos joelhos, encostar as costas no suporte da cadeira, e prestar atenção para que essa postura permaneça. Esse hábito simples ajuda a manter os músculos da barriga constantemente ativos e rígidos, além de prevenir dores nas costas causadas por má postura.

Outra dica importante é nunca ficar muito tempo na mesma posição. Tanto no trabalho quanto em casa. Levantar e andar um pouco com o abdômen contraído de hora em hora ajuda a exercitar os músculos da região abdominal e favorece a queima de gordura.
Fonte: MSN