terça-feira, 25 de junho de 2013

Você sabe como é feita a Lipoaspiração?

O que é a lipoaspiração?

A cirurgia de lipoaspiração consiste na aspiração de gordura através de cânulas. Ela pode ser feita em diversas partes do corpo, desde que haja gordura localizada. A lipoaspiração pode ser classificada em pequena, média ou grande, variando de acordo com a quantidade de gordura retirada e partes do corpo abordadas. Geralmente é retirado, no máximo, 5% do peso do corporal.

Como é feita a lipoaspiração?


Lpoaspiração
Primeiramente é infiltrada a solução de Klein - composta por soro fisiológico e adrenalina - para diminuir as chances de sangramento e, consequentemente, de trauma cirúrgico. As cânulas são introduzidas através da pele e chegam ao tecido adiposo (camada que vem logo após a pele), de onde aspiram - através de um sistema de vácuo - a gordura localizada. Os pontos em que são inseridas as cânulas variam de acordo com a anatomia do paciente e a técnica usada pelo cirurgião.

A lipoaspiração pode ser feita com anestesia geral, peridural ou local, dependendo da quantidade de regiões abordadas. Caso a anestesia seja geral, há a necessidade de intubação orotraqueal e uso de aparelhos que ajudam a respiração. Em geral, as cicatrizes de lipoaspiração medem cerca de meio centímetro, mas podem ficar quase imperceptíveis com o tempo, e não causam incômodo.

Quem é o profissional apto a realizar a lipoaspiração?

O mais indicado é que a lipoaspiração seja realizada com um cirurgião plástico, profissional treinado a fazer este procedimento.

Indicação para a lipoaspiração

"Os candidatos a esta cirurgia plástica são pacientes com gordura localizada e que dificilmente responde com exercícios, dietas ou exercícios", explica o cirurgião plástico Erick Oliveira, membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica. A lipoaspiração não é considerada um tratamento para obesidade, tampouco para emagrecimento. Seu objetivo é a modelagem corporal e não a eliminação de peso.

o cirurgião plástico Fernando de Almeida Prado lembra que a lipoaspiração não é um procedimento simples. ?Ultimamente vemos uma banalização da lipoaspiração, no entanto, ela é uma cirurgia como outra qualquer, que envolve riscos e cuidados específicos?, explica. 

Partes do corpo que podem ser submetidas à lipoaspiração

A lipoaspiração pode ser feita em qualquer parte do corpo em que haja gordura localizada. Abdômen, região dorsal, coxas, lateral das mamas, braços, submento (papada) são regiões comumente submetidas a esta cirurgia.

Tempo da cirurgia

"O tempo de duração da lipoaspiração depende muito da extensão e área ser aspirada, mas, em média, o procedimento leva de 3 a 4 horas", explica o cirurgião plástico Erick de Oliveira, da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.

Locais abordados na cirurgia de lipoaspiração

É possível fazer a lipoaspiração em várias partes do corpo durante a mesma cirurgia, no entanto, o cirurgião plástico Fernando Almeida Prado alerta para a importância de que o tempo da cirurgia não seja muito longo. "Também é necessário avaliar a presença de doenças associadas e idade da paciente, a fim de definir o tempo limite de cirurgia".

Caso sua opção seja tratar regiões diferentes em cirurgias distintas, não há necessidade de tempo mínimo de intervalo entre uma lipoaspiração e outra.

Pré-operatório da lipoaspiração

O paciente deve realizar jejum nas oito horas anteriores à cirurgia.                                                                                                    

Exames necessários antes da lipoaspiração

Os exames de sangue e cardiológico e a radiografia de tórax são fundamentais antes da lipoaspiração. O cirurgião também pode pedir ultrassom da região a ser operada e doppler (exame que permite a visualização dos vasos sanguíneos) das pernas para verificar se há trombos na corrente sanguínea.  

Cirurgias estéticas associadas à lipoaspiração

Outras cirurgias estéticas, como a mamoplastia de aumento, feita com próteses mamárias de silicone, e até mesmo cirurgias faciais podem ser feitas no mesmo momento operatório que a lipoaspiração. "No entanto, a recomendação atual é para que o tempo de cirurgia não seja muito longo, o que pode expor mais a saúde do paciente", explica o cirurgião plástico Fernando Almeida Prado.

Os melhores resultados da lipoaspiração

Segundo o cirurgião plástico Fernando Almeida Prado, a região dorsal, logo acima das nádegas, é a área com resultados mais satisfatórios em relação à lipoaspiração. "Nesse caso é possível retirar a gordura dos flancos e enxerta-la nos glúteos".

Contraindicações

Pessoas que possuem muitas doenças - como hipertensão, diabetes e obesidade - tem o risco cirúrgico aumentado. Por isso, devem conversar com seu médico sobre a real necessidade de uma cirurgia estética.

Tempo de internação

Uma lipoaspiração grande pede o mínimo de 24 horas de internação, mas se a cirurgia for menor é possível ir embora até no mesmo dia.

Recuperação após a lipoaspiração

A recuperação desta cirurgia é rápida, já que existem poucos ou nenhum ponto de costura cirúrgico. Uma semana depois já é possível voltar ao trabalho, desde que ele não exija muito esforço físico e cerca de um mês depois a rotina volta totalmente ao normal. Podem ser necessários medicação analgésica, que deve ser prescrita pelo médico, e antibióticos, para prevenir infecções.

O uso de cinta modeladora é indispensável após a lipoaspiração. "Ela comprime as regiões lipoaspiradas, ajudando na modelação da área, e ajuda a diminuir o inchaço comum após a cirurgia", explica o Cirurgião Plástico Fernando. Essa vestimenta deve ser usada o dia todo e retirada apenas para o banho.

O retorno à atividade física pode ser feito de 20 a 30 dias após a cirurgia, mas de maneira leve, e com evolução progressiva até que se retorne ao nível de exercício anterior.

Percepção dos resultados

Até o primeiro mês o paciente estará muito inchado, assim, o peso permanecerá igual. Mas com o passar do tempo o edema diminui. Seis meses é o tempo necessário para que seja visto o resultado final.

Dificilmente o local onde foi feita a lipoaspiração voltará a ter depósito de gordura. Isso acontece porque o número de células de gordura só aumenta até a adolescência. Na vida adulta elas apenas têm se tamanho expandido. Assim, a área lipoaspirada terá menos células de gordura, por isso não engordará com antes.

Riscos da lipoaspiração

Na cirurgia de lipoaspiração há as complicações comuns a qualquer cirurgia, como sangramento, infecção, trombose venosa, tromboembolismo pulmonar e óbito. Os riscos específicos são: depressão da região, alterações na pele - como flacidez e rugosidade -, alteração de coloração e até necrose da pele, além, claro, da insatisfação com os resultados.

Cheque antes da consulta

  • O médico que você irá consultar deve ter registro no Conselho Federal de Medicina (CFM), é possível fazer essa checagem no site da instituição
  • O profissional deve ser membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica. Outras instituições não avaliam a formação e experiência do profissional desta área
  • A cirurgia deve ser feita em hospital que tenha creditação para realizar cirurgias de médio porte. Entre em contato com o hospital para checar
  • Converse com alguém que já fez a cirurgia com o mesmo médico e informe-se sobre o procedimento e os resultados

Fontes

  • Cirurgião Plástico Fernando de Almeida Prado, diretor da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica - regional de São Paulo (CRM: 70.729).
  • Cirurgião plástico Erick Leonardo Oliveira, membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (CRM: 11 6682).
MSN

Entenda as diferenças entre o pilates no solo e o pilates com aparelhos

A lista é longa: consciência corporal, ajuste da postura, melhora da respiração, tonificação dos músculos, mais equilíbrio e coordenação. E esses são só alguns dos benefícios que o pilates traz para seu corpo. Que o exercício é ótimo você já sabe, mas e o método ideal? Existem duas classificações básicas para o pilates: a modalidade no solo, também chamada de Mat Pilates, e o pilates feito com a ajuda de aparelhos. O melhor é escolher de acordo com os seus principais objetivos. A seguir, pontuamos as principais diferenças entre os dois métodos. Cheque e decida!

Esforço

Pilates com aparelhos: a estrutura básica dos aparelhos de pilates é composta por molas, que podem ser usadas de duas maneiras diferentes: elas podem reduzir o esforço que o praticante tem que fazer - carregando parte do peso que você deveria estar puxando e dando um impulso ao movimento -, ou aumentar, servindo como uma resistência - assim, é preciso "aumentar o tamanho da mola". A escolha de como usar essas molas depende dos seus objetivos, dá para facilitar ou dificultar.

Pilates solo: o pilates solo não oferece essa opção, portanto, pode ser considerado um exercício que exige maior esforço do praticante. "No entanto, isso não significa que a técnica vá ser difícil para todos, há quem tenha um bom desempenho até nas primeiras aulas", conta a fisioterapeuta Débora Alves, professora de pilates da Academia Leven.
Pilates com aparelho - foto: Getty Images

Para iniciantes

Pilates com aparelhos: "Como esse método exige menor esforço, pode ser uma boa opção para quem está começando", explica Débora.

Pilates solo: mas se você optar pelo solo, saiba que existem aulas básicas, intermediárias e avançadas, que se ajustam melhor às suas necessidades.
Pilates no solo - foto: Getty Images

Para quem tem lesões

Pilates com aparelhos: com os aparelhos é mais fácil moderar a amplitude do movimento e a força aplicada pelas áreas lesadas. "Mas a principal vantagem desse método para quem tem lesões prévias é o baixo número de praticantes por turma - que costuma ser de dois a três indivíduos - por isso, a vigilância do professor é maior", explica a fisioterapeuta Débora.

Pilates solo: essa modalidade é comum em academias, com grandes turmas, por isso a supervisão de um profissional pode não ser constante o suficiente para garantir que você não faça nenhum movimento errado, prejudicando ainda mais a lesão.
Pilates com aparelho - foto: Getty Images

Preço

Pilates com aparelhos: Como as turmas são reduzidas, o preço do pilates com aparelho costuma ser mais caro.

Pilates solo: mais comum nas academias, as turmas são grandes e o preço costuma se encaixa melhor no orçamento.
Pilates no solo - foto: Getty Images

Treino mais diversificado

A fisioterapeuta Débora Alves explica que a identificação com a técnica varia muito de pessoa para pessoa. No entanto, os exercícios feitos em studio, com a ajuda dos aparelhos, costumam ser mais diversificados e por isso caem com mais dificuldade numa rotina.
Pilates com aparelho - foto: Getty Images

Consciência corporal

A bailarina Alice Becker, proprietária da Physio Pilates, conta que ambas as técnicas trabalham igualmente a consciência corporal. "Esse é o elemento essencial do ensino de pilates, independente de ser feito no solo ou em equipamentos". No entanto, os equipamentos te ajudam a sentir melhor o posicionamento e a movimentação das diferentes partes do seu corpo. Para quem tem pouca consciência corporal, a utilização dos equipamentos facilita esta percepção de onde e como o corpo se move.
Pilates com aparelho - foto: Getty Images

Fortalecimento muscular

"Na prática do pilates, pensamos de forma global: o que mais importa não é a força de uma parte do corpo específica, mas sim como ela se integra com todo o resto e como podemos ser mais eficientes usando esta integração, incluindo músculos profundos e superficiais, de todas as partes do corpo", explica Alice Becker.

Pilates com aparelhos: "nos equipamentos podemos trabalhar com uma resistência maior do que apenas a da gravidade e, com isso, aumentar o grau de resistência para os músculos", explica Alice Becker.

Pilates solo: "por ser geralmente mais forte, o pilates no solo pode trazer resultados com mais rapidez que o pilates com aparelhos, caso estes sejam feitos com intensidade menor, ou seja, com a ajuda das molas", explica a fisioterapeuta Débora Alves.

Fonte:MSN