sábado, 23 de fevereiro de 2013

Obesidade na terceira idade aumenta os riscos de Doença de Alzheimer



Excesso de gordura libera substâncias prejudiciais ao cérebro


Pessoas com mais de 50 anos que se encontram em um quadro de obesidade ou sobrepeso têm mais chances de desenvolver algum tipo de demência, como a Doença de Alzheimer, diz uma pesquisa feito pelo Karolinska Institutet, na Suécia.

Durante o estudo, que teve inicio há 30 anos, foram observados 8535 gêmeos, que hoje têm idade a partir de 65 anos. Os cientistas recolheram dados como altura, peso, estado de saúde, histórico médico e estilo de vida. Eles também fizeram testes cognitivos com cada um dos participantes no decorrer do estudo. Nesse tempo, aproximadamente 30% deles se tornou obeso ou foi diagnosticado com sobrepeso quando chegou à terceira idade. 
Após os testes neurológicos, 350 participantes, ou aproximadamente 4% dos gêmeos, foram diagnosticados com algum tipo de demência. Dentro desses casos, foram encontrados 232 casos de Alzheimer. No grupo de voluntários que foi diagnosticado com esse problema, 39% estavam com sobrepeso e 7% eram obesos.

Segundo os pesquisadores, existem indícios de que algumas complicações mais comuns em obesos, como diabetes e derrames, aumentam as chances de demência e, por isso, pessoas com excesso de peso estão mais propensas ao Alzheimer. Além disso, o excesso de gordura no corpo aumenta os níveis de substâncias inflamatórias no sangue, que podem afetar as funções cognitivas.

Somados aos fatores biológicos, pessoas obesas normalmente tem um estilo de vida que aumenta as chances de vários tipos de demência. Hábitos como sedentarismo, consumo excessivo de açúcares e gorduras e a baixa ingestão de legumes, vegetais e frutas, estão ligados tanto ao sobrepeso quando ao risco de Alzheimer.  

Alzheimer

Além de apreciar os efeitos da música pelo prazer que ela traz, os pacientes de Alzheimer têm motivo extra para escolher uma boa seleção e deixá-la sempre por perto: um estudo da Universidade da Califórnia indica que a musicoterapia melhora a memória nas pessoas com o cérebro afetado pela doença degenerativa. Além disso, a pesquisa mostra que a música pode retardar o avanço da doença. 

O mal de Alzheimer apresenta diferentes níveis e, quanto antes tiver início o tratamento, melhores as chances de impedir seu avanço, já que a prevenção não é possível. "O Mal de Alzheimer divide-se em três fases: inicial, intermediária e tardia, e tem progressão gradual. Na maioria dos casos, a fase inicial é a que mais apresenta variações de sintomas e a tardia está entre as mais difíceis para encontrar resultados positivos durante o tratamento", explica Antonio Cezar Ribeiro Galvão - Neurologista do Hospital Nove de Julho e Clínica Neurológica do HCFMUSP. 
Fonte: MSN

HIDROGINÁSTICA SERVE COMO TERAPIA E TRATA PROBLEMAS DE SAÚDE



Modalidade fortalece os músculos, protege as articulações e queima muitas calorias
Dificuldades de coordenação também podem ser trabalhadas nas aulas, que inclui o uso de acessórios como bóias do tipo espaguete, pesinhos e até bolas. Em clima de brincadeira, habilidades motoras são estimuladas e favorecem mais independência na rotina. Uma recomendação bastante comum da atividade acontece entre pacientes com labirintite. “Os médicos recomendam porque, caso aconteça um episódio de vertigem ou perda de equilíbrio, o risco de um machucado dentro da água é reduzido”, afirma o professor.
E se engana quem pensa na hidroginástica como uma atividade física levinha, que faz pouca diferença na perda de peso. Muito pelo contrário, uma hora de aula em ritmo moderado consome cerca de 500 calorias. Acertou quem pensou nela para emagrecer. “Aulas de hidroginástica são muito recomendadas como parte do tratamento de obesidade, quando o paciente precisa fazer exercícios, mas o excesso de peso limita o esforço que as articulações podem fazer”, afirma o professor de natação e hidroginástica, Mirco Cervales.
Outra indicação comum inclui paciente com osteoporose diagnósticada. A doença, causada por deficiência de cálcio nos ossos, tem como consequência um risco maior de fraturas. “Treinando na água, caso haja algum desequilíbrio, há o amortecimento natural para o corpo. Isso sem contar que o próprio exercício ajuda no fortalecimento dos ossos”, explica o professor Jean Carlo.
Movimentos mais fáceis
De acordo com Mirco Cervales, as articulações não são beneficiadas apenas em caso de lesões. Além de amortecer o impacto dos movimentos, a água melhora a amplitude deles. Isso traz a melhora da flexibilidade no geral, vantagem especialmente percebida no caso das pessoas com algum problema de coluna que limita ou dificulta a mobilização de um membro em específico. “Quem já sofre com algum problema de coluna deve procurar um médico antes de começar os exercícios, mas a orientação adequada garante que o desconforto diminua”, afirma o professor.
Para aumentar o atrito com o solo da piscina e diminuir o risco de escorregões, sapatilhas especiais com solado antiderrapante devem ser usadas durante a aula. Isso dá mais segurança para o aluno durante a aula e permite melhor rendimento.

Fonte: Minha Vida