domingo, 27 de janeiro de 2013

Mais de 40 anos? Largue as desculpas e comece já uma atividade física

 

Idade é ideal para praticar esportes em busca de saúde


 
Você já deve ter escutado a frase "antes tarde do que nunca". O famoso dito popular se aplica a diversas situações, inclusive à vida saudável. Se você tem mais de 40 anos e pensa que é tarde para começar a se exercitar, ou, talvez, que seu corpo já está fraco para suportar a carga de exercícios, é hora de repensar o assunto.

O fisiologista Raul Santo de Oliveira, da Unifesp, esclarece que a saúde só tem a agradecer quando se começa a praticar um exercício físico, mesmo se você nunca praticou nada. Ele explica que, nessa fase da vida, é comum que exista perda de massa muscular e óssea, tanto para homens quanto para mulheres.

Para homens, elas acontecem por causa da redução dos níveis hormonais, em especial da testosterona e, para mulheres, isso é bem comum no climatério e na menopausa - fase onde os níveis de hormônios femininos são reduzidos no organismo da mulher, o que ocasiona uma série de mudanças, como perdas ósseas. Além dessas reduções, depois dos 40, a condição cardiorrespiratória costuma piorar.

Raul Santo acrescenta que, nessa fase, são comuns doenças oportunistas e crônico-degenerativas, como hipertensão, diabetes, mau colesterol (LDL) elevado e até mesmo osteoporose - que, ressalta ele, também é consequência de hábitos trazidos pela vida toda, desde a infância. O exercício físico contribuirá com a melhora desses e outros quadros.
Exercícios e a longevidade

Desempenho nos exercícios
Claro que essas perdas prejudicam o desempenho atlético, mas essa não deve ser uma preocupação. "Não há problema se houver perda de desempenho, porque o objetivo é o completo bem-estar físico, mental e social", diz o fisiologista.

Optar por uma vida ativa - com a orientação correta de um profissional - traz melhoria e fortalecimento de toda a aparelhagem cardiorrespiratória (o que inclui coração e pulmões), fortalecimento muscular, melhoria da coordenação motora, melhor flexibilidade e melhor controle de composição corporal, colesterol, glicemia e pressão arterial.

Robson de Bem, médico fisiatra da Associação Brasileira Beneficente de Reabilitação (ABBR), também lembra que a prática de exercícios físicos tem o poder de prevenir câncer e processos artrósicos. Além disso, há progressos em todos os fatores adjacentes, o que significa que estresse, depressão e ansiedade passarão bem longe, já que haverá melhora do humor e da interação social.

Exames necessários
Para começar a praticar uma atividade, é sempre importante procurar um profissional. "O indivíduo tem que ter uma condição de aptidão para realizar o exercício, então deve procurar um médico a princípio, independente do exercício", aconselha Raul Santo. 
Exercícios depois dos 40 anos
Esse médico realizará uma avaliação clínica, que declarará se você é apto ou não para o exercício escolhido. O clínico geral realizará testes, como glicemia, hemograma, níveis de colesterol etc. Caso seja detectada alguma doença, o clínico poderá encaminhá-lo a um médico especializado.

Depois dessa avaliação, é preciso fazer o chamado teste ergoespirométrico. Ele consiste em um exame realizado em laboratório - em esteira ou bicicleta ergométrica -, onde a carga do exercício será gradativamente aumentada. Aqui, serão observadas as reações fisiológicas de acordo com a intensidade da atividade, como frequência cardíaca, pressão arterial e consumo de oxigênio, até chegar no consumo máximo de oxigênio que esse indivíduo suportou. Santo explica que esse é o principal parâmetro na hora de definir qual o limite do treino da pessoa.

Aeróbico ou anaeróbico?
Depois de testar a sua aptidão, está na hora de se mexer. O aconselhado é uma combinação de exercícios aeróbicos e anaeróbicos, que deverão proporcionar prazer. Embora você tenha preferência por uma atividade específica, diz o fisiologista, não é aconselhável que se restrinja apenas a ela. Por exemplo: se a caminhada lhe agrada, você deve tê-la como modalidade principal, mas também agregar outras, alternando entre esportes aquáticos, coletivos, exercícios com peso etc.

A base dos exercícios, nessa fase da vida, deve ser aeróbica, já que pode ser que o corpo não aguente uma carga mais pesada. Mas como diferenciar uma atividade aeróbica de uma anaeróbica? Ao contrário do pregado pelo senso comum, uma caminhada, por exemplo, não é necessariamente aeróbica, assim como um exercício com pesos não tem obrigação de ser anaeróbico.

"O que determina não é a modalidade, mas a intensidade aplicada em relação à frequência cardíaca", esclarece o fisiologista Raul. Assim, uma caminhada leve é um exercício aeróbico - e utiliza o metabolismo aeróbio, ou seja, demanda oxigênio para obter energia -, já uma corrida intensa pode ser considerada anaeróbica - utilizando o metabolismo anaeróbio, processo que não pede oxigênio para a obtenção de energia para a realização do exercício. O ideal, então, é que não se busque apenas uma modalidade, e sim várias, para que sejam trabalhadas várias valências físicas.  

Aprenda o que comer antes e depois da atividade física

 

Se alimentar corretamente é fundamental para ter os efeitos desejados


Começamos bem! Primeiro, estamos fazendo ginástica e isso é muito bom. Segundo, sabemos que devemos comer alguma coisa antes e depois de terminar os exercícios, o que é melhor ainda.

A maior fonte de energia para o trabalho muscular durante o exercício físico é proveniente da glicose do fígado. Isso ocorre quando estamos fazendo nossa atividade física habitual ou quando um atleta de alta performance está em atividade. Essa utilização dos nossos estoques hepáticos de glicose determina perda de até 50% da reserva de glicose na primeira hora. A utilização dessa fonte de energia também ocorre normalmente durante as nossas atividades da vida diária, inclusive no repouso noturno, o que determina grande perda noturna da glicose do fígado e a necessidade de nos alimentarmos pela manhã antes da ginástica. Se o maior substrato para o exercício e para a manutenção da atividade cerebral é a glicose, nada mais óbvio do que utilizá-la antes da malhação. Isso poderá evitar os sintomas nada agradáveis da hipoglicemia baixa de glicose no sangue caracterizada por mal estar, sudorese fria, palidez cutânea, tremores, palpitações e o vexame de um desmaio durante os treinos. Muitas vezes, os sintomas são

mais sutis, como cansaço físico, baixo rendimento na ginástica e dores de cabeça.

Os aliados A melhor forma de ingerir glicose é aquela em que as inúmeras moléculas de glicose são ligadas entre si em uma longa cadeia, produzindo um carboidrato complexo ou amido na forma de pão. Isso mesmo! O pão é o melhor alimento para garantir nosso substrato de glicose quando vamos nos exercitar.

Não adianta comer uma banana e ir para a academia como muitas pessoas fazem. A diferença básica é de que no amido, as moléculas de glicose são liberadas para o sangue de maneira lenta e gradual, garantindo um suporte energético estável e contínuo, ao passo que os carboidratos das frutas são basicamente frutose e sacarose, que são carboidratos de liberação rápida.

Além disso, podemos ir um pouco além e fazer uma dieta balanceada, que nos garanta a ingestão de carboidratos em todas as refeições, inclusive naquela que antecede o dia da ginástica, garantindo, assim, estoques completos de glicose no fígado e um alto rendimento físico durante a ginástica.

A ingestão de carboidratos não atrapalha os planos de quem deseja perder peso. Uma dieta balanceada tem 50% de suas calorias na forma de carboidratos e para que ela induza a perda de peso, basta que seu total calórico seja menor do que o gasto calórico da pessoa em questão. Além disso, é importante entender que a perda de peso não ocorre somente enquanto nos exercitamos, uma vez que a prática regular de atividade física aumenta o nosso gasto calórico diário e não apenas enquanto nos exercitamos. Como nosso estoque de glicose é limitado, o organismo humano utiliza as gorduras como fonte de energia quando a pratica de atividade física tem duração superior a 30 minutos.

A utilização de gordura como energia evita que os estoques de glicose reduzam a valores muito baixos, prevenindo assim episódios de hipoglicemia. A gordura utilizada para gerar energia durante a atividade física é proveniente dos estoques corporais, na forma de triglicérides armazenado nas células gordurosas ou circulantes na corrente sanguínea.

A utilização de gordura e de glicose acontece de forma simultânea, porém a glicose é utilizada em menor proporção. Isso significa que para o organismo humano utilizar gordura durante exercício físico, nosso estoque de glicose deve estar adequado, e só conseguimos isso com alimentação balanceada.

Logo, quando praticamos uma atividade física simples, devemos fazer um lanche com duas ou três fatias de pão branço ou integral e laticínios magros como queijo branco frescal ou embutidos magros, como o presunto de peru ou a blanquette de peru.

À medida em que nossa atividade física vai ficando mais intensa, precisamos também de uma dieta mais elaborada e de uma suplementação de carboidratos, caso dos atletas que participam de corridas de longa distância e de maratonas.

Hidrate o corpo Além das medidas dietéticas, a hidratação antes e durante os exercícios físicos, proporciona a reposição da água perdida durante os mesmos, impedindo a desidratação e a perda eletrolítica. Nos casos simples, pode ser feita com água potável, podendo ainda se utilizar líquidos isotônicos, observando os cuidados na quantidade

calórica ingerida, calculando-se esse percentual na dieta do atleta. Quando a pessoa consegue se alimentar corretamente antes da ginástica e consegue ainda boa hidratação durante a realização dos exercícios, sua próxima refeição pode ser no horário habitual da dieta. Melhor ainda seria deixar uma ou duas porções de frutas para o final da ginástica. Além de hidratar, elas garantem suprimento de frutose, sacarose e eletrólitos que recompõem com propriedade as forças do guerreiro para a ginástica do dia que começa.

Fonte: Msn

Exercícios físicos: como escolher o melhor para o meu corpo?

 

O importante é combinar uma variedade de estilos e atividades


Encontrar um equilíbrio e disciplina na prática de alguma modalidade corporal ainda é obstáculo para muitas pessoas. Como qualquer outro seguimento, o mercado do Fitness ou do mundo da ginástica e dos esportes precisa, a todo o momento, lançar cada vez mais novidades.

Se você é uma pessoa que acompanha estas informações, já deve ter ouvido ou até praticado algumas modalidades que já nem mais se ouve, não é mesmo? Eu como sou da época da ginástica aeróbica, musculação e ginástica localizada, sei bem o que é isto! Sem contar com os Step, Power isto, Power aquilo e Body Jumping. Aí ressuscitaram Yoga e Pilates. Por quê? Porque as pessoas com mais experiência de vida já não se identificavam com as aulas com muito barulho e muito pula-pula. Ah! Já ia me esquecer do RPG que era uma febre e deixava todo mundo falando disso o tempo todo.

O fato é que constantemente sou abordada com a seguinte pergunta: O que você acha de tal atividade? E sempre digo: - Não existe atividade física que sozinha cumpre o papel essencial de estimular a funcionalidade natural de todos os sistemas do nosso corpo. Se você só pratica um tipo que não completa este sistema, você com certeza não está ativando adequadamente seu corpo. O profissional da saúde tem que alertar o aluno para a importância de ter os estímulos aeróbio, anaeróbio e alongamento.  

Estilos importantes

1. Aeróbio: Caminhada, corrida, dança (no mínimo 30 minutos s/ parar), natação, equipamentos cicloergômetros(bike, esteira,etc).
2.Anaeróbio: são exercícios resistidos(musculação, ginástica localizada, ginástica funcional e Pilates), ou seja exercícios que constroem músculo.
3. Alongamento: aula de alongamento normal,Lian Gong, Tai Chi e Yoga.  

Outra informação importante

Que profissional pode te ajudar na busca da melhor atividade para você? Profissionais de educação física, fisioterapeutas e médicos que entendem de fisiologia do exercício. Vejo que cada vez mais profissionais da saúde confundem as pessoas e ficam espalhando informações a respeito de práticas da moda sem muita propriedade. E ainda pior, têm muitos profissionais que nem praticam nada, por isso é importante ficar atento (a).


Fonte: Msn