sexta-feira, 5 de outubro de 2012

Alimentos ricos em Ferro

 

Confira uma lista com alguns alimentos ricos em ferro por 100g de alimento:
  • Costelas de porco 3 mg; vitela 3,6mg; cordeiro 2,2 mg; fígado de vitela 10.6 mg ; farinha de peixe 41 mg ; mexilhão cozido 6 mg;
  • Rim; coração; gema do ovo de galinha 5,87 mg;
  • Pão de cevada 6,5 mg; pães integrais e enriquecidos; cereais; aveia crua 4,5 mg;
  • Salsa 3,1 mg; grão-de-bico cozido 1,4 mg; ervilha cozida 1,9 mg; lentilha cozida 2,44 mg; agrião 2,6 mg; beterraba crua 2,5 mg;
  • Grãos integrais ou enriquecidos; nozes; castanhas; feijão vermelho 7.1 mg; frutas secas;
  • Melado de cana-de-açúcar; rapadura; açúcar mascavo 4,2 mg;
  • Paprica 8,7 mg;
  • chocolate meio amargo 4.4 mg.
O consumo de alimentos ricos em ferro é importante em todas as fases da vida, mas em especial para as gestantes, para bebês e para os idosos pois eles possuem uma necessidade maior de ferro no organismo. Da mesma forma as mulheres em idade fértil possuem uma maior necessidade de ferro que os homens, pois elas perdem-no durante a menstruação.
Consumir diariamente alimentos ricos em ferro é a melhor saída contra a anemia, que é causada pela falta de ferro na corrente sanguínea. Mas é preciso ter o cuidado de comê-lo moderadamente e de forma contínua, pois o excesso de ferro no organismo pode gerar sintomas como alterações hormonais, cirrose e insuficiência cardíaca.

Necessidade diária de Ferro (RDA de Ferro)

A quantidade ideal de ferro a ser consumida diáriamente é:
  • Bebês: 7-12 meses: 11 mg;
  • Crianças 1-3 anos: 7 mg;
  • Crianças 4-8 anos: 10 mg;
  • Meninos e meninas 9-13 anos: 8 mg;
  • Meninos 14-18 anos: 11 mg;
  • Meninas14-18 anos: 15 mg;
  • Homens >19 anos: 8 mg;
  • Mulheres 19-50 anos:18 mg;
  • Mulheres > 50 anos: 8 mg;
  • Gravidas: 27 mg;
  • Nutrizes: < 18 anos: 10 mg (durante amamentação)
  • Nutrizes> 19 anos: 9 mg.
Fonte: National Academy of Sciences; Dietary reference Intake for Iron.

Frutas ricas em ferro

Confira uma lista de frutas ricas em ferro:
  • ameixa seca; damasco seco; nozes;
  • abacaxi; côco; goiaba; morango; laranja;
  • tangerina; limão; maracujá; acerola; kiwi;
  • jabuticaba; manga; uva.
Algumas destas frutas além de serem boas fonte de ferro, contém alto teor de vitamina C que potencializa a absorção de ferro no intestino, devendo ser consumidas na mesma refeição que possui outros alimentos ricos em ferro que não sejam de origem animal, como por exemplo o brócolis e o espinafre.

Alimentos pobres em ferro

Em geral, os alimentos mais pobres em ferro são os doces e os alimentos ricos em carboidratos, como as massas, pães brancos, biscoitos e bolos. Estes alimentos não devem deixar de ser consumidos, pois geram mais energia para o organismo e são uma boa fonte de calorias. Contudo, devem ser consumidos com moderação por que sofre de falta de ferro no organismo.
Uma boa dica é trocar todos os alimentos preparados com a farinha de trigo branca pelos preparados com a farinha de trigo integral, ou pelas farinhas enriquecidas com ferro, pois assim há uma maior bio-disponibilidade de ferro na alimentação diária.
Cozinhar em uma panela de ferro, de vidro ou de cerâmica e misturar frutas e legumes nos sucos também pode ser uma excelente forma de enriquecer a dieta em ferro. Duas ótimas receitas ricas em ferro são o suco de abacaxi batido no liquididificador com salsinha fresca e o bife de fígado acebolado.

Fonte: Tua Saúde

Alimentos para ativar a memória

Alimentos para ativar a memória

No decorrer da vida, as células, inclusive as do cérebro, são danificadas pelos radicais livres que levam a uma diminuição no ritmo de produção de energia. A ação destes componentes compromete a atuação dos neurônios, provocam o desaparecimento das sinapses e reduz a capacidade de comunicação entre as células e dessa forma prejudica o funcionamento mental.
Após anos de exposição aos radicais livres, os neurônios podem ser destruídos e com isso podem provocar doenças como Alzheimer, Parkinson e outras doenças degenerativas do cérebro.
Publicidade
Apesar de ainda não existirem estudos conclusivos sobre o assunto, alguns estudos sugerem que a melhor maneira de evitar isso é fornecer ao cérebro mais antioxidantes e assim combater os radicais livres.
A nutrição adequada e mudanças no estilo de vida, inclusive exercícios físicos e mentais podem contribuir bastante com o bom funcionamento do cérebro, além de facilitar a captação dos neurotransmissores essenciais a memória.

Veja a seguir alguns alimentos que podem ajudar você a ter uma boa memória:

Gema de ovo - Contém colina, precursor do neurotransmissor acetilcolina, que pode melhorar a memória. Sua deficiência parece estar associada à doença de Alzheimer, causa comum de demência.
Peixes - Principalmente os de água fria (salmão, anchova, sardinha, atum, arenque), são fontes de ácidos graxos ômega 3, poderoso antioxidante.
Frutas e vegetais amarelos - Mamão, manga, pêssego, cenoura, abóbora. São alimentos fontes de betacaroteno, antioxidante que combate o envelhecimento celular.
Frutas vermelhas - Morango, cereja, framboesa, amora, pitanga, melancia e tomate, também possuem pigmentos antioxidantes que combate os radicais livres e ajudam a memória.
Oleaginosas - castanhas, nozes, amêndoas, avelãs, amendoim. Ricas em vitamina E e selênio, também fontes de antioxidantes.
Carnes, aves, grãos integrais, leguminosas, leite e derivados
Estes alimentos são fontes de vitaminas do complexo B. Ajudam a regular a transmissão entre os neurônios. Na carne vermelha você encontra também o ferro que pode colaborar com a boa memória.
Como você pode perceber vários alimentos são fontes de antioxidantes, então aproveite, tenha uma alimentação variada, consuma todos os grupos alimentares diariamente.


Outras recomendações:
- Aleitamento materno, quando possível até os dois anos de idade;
- Procure se alimentar a cada três horas, para manter um adequado aproveitamento de glicose no cérebro;
- Pratique exercícios físicos regularmente, faz bem para o corpo e para a mente;
- Não esqueça do lazer, separe um tempo para você e faça atividades que te proporcionam prazer e bem-estar.
- Faça atividades que estimulem o raciocínio como palavras cruzadas e outros jogos.
Siga nossas dicas e recomendações e ative sua memória!

Fonte: Vila Mulher

Labirintite - Alimentos que influenciam nas crises.

Tontura e perda de equilíbrio são sintomas da doença


 
É preciso ficar atento antes de dizer "eu tenho labirintite". Para fazer esta afirmação é necessário ter recebido um diagnóstico preciso de um médico confiável. Ao contrário do que muita gente pensa, não basta apresentar tonturas para se auto declarar uma pessoa com labirintite. Segundo a otorrinolaringologista Karina Lunz, " mais de 40 % dos adultos relatam ter apresentado tonteira em alguma época da vida, nem por isso podem dizer que tiveram labirintite".

A tonteira não pode servir como referência para a labirintite principalmente porque muitas outras enfermidades apresentam o mesmo sintoma, como hipertensão arterial e doenças neurológicas.



Um outro mito que gira em torno da labirintite é a questão de ter ou não cura. Muitas pessoas dizem que a doença é incurável, afirmação que também é inverídica.

Se o paciente procurar um especialista e tomar medicamento com orientação, um bom tratamento vai ser indicado e ele poderá levar uma vida normal.

Não existem medicamentos específicos para a labirintite, então além dos remédios que devem ser tomados para alívio das tonteiras, "é preciso tomar alguns cuidados com alimentação e praticar exercícios fisioterápicos específicos para o labirinto" afirma a médica. O labirinto faz parte do sistema de equilíbrio das pessoas.

O principal sintoma da labirintite é a tonteira que pode vir repentinamente e durar alguns segundos, minutos, horas ou dias. Geralmente vem acompanhada de sintomas como as náuseas, vômitos, sudorese e palidez. Pode se apresentar em crises periódicas com intervalos variáveis ou se tornar crônica. Por haver relação íntima entre o labirinto e o sistema auditivo, o paciente com labirintite pode apresentar diminuição da audição em um dos ouvidos ou em ambos, dificuldade de entender o que as pessoas dizem, zumbidos ou sensação de pressão.

E se você tem ou conhece alguém que apresenta esses sintomas, procure um médico, porque os pacientes com labirintite precisam de muitos cuidados. "O paciente que tem labirintite necessita de grande atenção, pois existe uma insegurança muito grande, ansiedade e depressão que costuma associar-se a medo de cair ou medo de sair sozinha, gerando um grande impacto na qualidade de vida do paciente".

Alguns cuidados que melhoram a qualidade de vida do paciente com labirintite :
 Evite ficar mais do que três horas, durante o dia, sem ingerir algum alimento.

 Evite o uso de açúcar refinado, mascavo, cristal ou mel. Use adoçantes e dietéticos, se necessários.

 Aumente a ingestão de água. Beba de quatro a seis copos de água por dia.

 Evite chá-mate , refrigerantes tipo Coca e café.

 Evite sucos de frutas industrializados.

 Evite o excesso de corantes e conservantes.

 Legumes e verduras devem constituir a maior parte da alimentação.

 Evite bebida alcoólica.

 Evite o repouso excessivo. Caminhe pelo menos trinta minutos por dia .

 Evite travesseiros altos.

Evite sal e excesso de condimentos.

Pare de fumar.

Faça exercícios com frequencia.

Fonte: MInha Vida