sábado, 4 de agosto de 2012

Cardápios de lanches saudáveis para crianças

Que tal variar os lanches de seu filho? Seguem abaixo algumas sugestões:

Semana 1
• 2 muffins
integrais
• 1 tangerina
• 1 iogurte líquido

• 5 biscoitos de
aveia
• 1 caixinha de
suco de frutas
sem açúcar
• 1 queijinho
processado

• 2 fatias de pão de
forma integral
com doce de leite
• 1 caixinha de
suco de frutas
com soja
• palitinhos de
cenoura

• 1 porção de
palitinhos
integrais de
queijo com
gergelim
• 1 caixinha de
água de coco
• 1 banana

• 1 fatia de bolo de
laranja sem
recheio e sem
cobertura
• 1 caixinha de
bebida láctea
achocolatada
• 1 maçã

Semana 2
• 1 pão de queijo
grande
• 1 caixa de “leite”
de soja com
sabor
• 1 potinho com
uvas

• 4 cookies de soja
sabor chocolate
• 1 caixinha de
suco de uva sem
açúcar
• 1 queijinho
processado

• 1 caixinha de
cereais matinais
com fibras
• 1 iogurte
• gomos de laranja

• 1 pãozinho
integral com
requeijão
• 1 caixa de água
de coco
• 1 bananinha
passa coberta
com chocolate

• 1 bolinho integral
• 1 pêra
• 1 caixinha de
bebida láctea
achocolatada

Semana 3
• 1 pão de cenoura
com requeijão
• 1 leite com
achocolatado
• 1 maçã

• 1 bolo simples ou
um muffin
• 1 suco de frutas
• 1 queijinho
processado

• 1 pão integral
com queijo prato
• 1 chá
• 1 bananinha

• 1 goiabinha
• 1 vitamina de
frutas com leite
• 1 cacho de uva

• 1 pão de centeio
com creme de
avelã
• 1 suco de frutas
• 1 banana

O lanche escolar ideal para seu filho

Nutricionistas explicam o que não pode faltar na lancheira da criança, quais produtos são pouco indicados e sugerem um cardápio para três semanas.
Segundo a Organização Mundial de Saúde, uma dieta saudável passa por cinco pontos: amamentar o bebê durante os seis primeiros meses de vida, comer alimentos variados, ingerir muitos vegetais e frutas, moderar na quantidade de gorduras e óleos e evitar sal e açúcar. Parece fácil, mas estes hábitos devem ser desenvolvidos desde a infância – de preferência, começando pelo que seu filho leva na lancheira.

LANCHE INDICADO

O lanche escolar é uma refeição intermediária, que serve para dar energia à criança entre duas refeições principais. O ideal é que ele contenha uma porção de carboidratos, para fornecer energia; uma porção de lácteos, que tem proteínas; uma porção de frutas ou legumes, responsáveis pelas vitaminas, fibras e minerais; e uma bebida, para hidratação.



Tricia Vieira / Fotoarena

O lanche indicado contém fibras, frutas e laticínios

LANCHE CONTRAINDICADO

Do outro lado, pães brancos, refrigerantes, salgadinhos – especialmente os fritos – e confeitos desequilibram a balança. Apesar de fornecerem energia, estes alimentos contêm pouco além das chamadas “calorias vazias”. “Nutricionalmente, eles são só sal e gordura”, alerta a nutricionista Rosana Perim, do Hospital do Coração, em São Paulo.




Tricia Vieira / Fotoarena

No lanche contraindicado, frituras, corantes e refrigerante.

Como equilibrar a equação?


É claro que a maioria das crianças prefere abrir a lancheira e encontrar batatinhas fritas, chocolate e refrigerante. Já os pais gostariam que elas comessem um bolo integral, uma fruta e um suco. Para equilibrar essa equação, a nutricionista e consultora Cynthia Striebel, que há 14 anos desenvolve um projeto de educação alimentar escolar em Porto Alegre, sugere a negociação. “Seu filho quer levar algo não muito nutritivo? Eventualmente, isso não é um problema. Negocie com ele um dia da semana para este lanche e, nos outros dias, as frutas, cereais e o leite”, exemplifica.

Rosana Perim concorda. “Não precisa proibir o chocolate. Basta saber equilibrar”, diz ela. Outra dica é incluir as crianças no processo de comprar e preparar o lanche. Vale levá-las ao mercado ou à feira, explicar porque você escolhe aqueles alimentos e como aquilo vai fazer bem a elas.


Nem todas as mães têm o tempo necessário para assar um bolinho integral ou preparar um suco natural para o lanche do filho antes de sair de casa pela manhã. Por isso, não se desespere se tiver de recorrer aos industrializados. Hoje, os supermercados oferecem opções razoavelmente saudáveis, basta saber escolhê-las.

No caso dos biscoitos, procure aqueles com as menores quantidades de gordura e de açúcar possíveis. Bolinhos com recheio e cobertura devem ser evitados, pois geralmente contêm gordura trans – vale observar também na tabela nutricional do alimento o índice de gordura vegetal hidrogenada; quanto mais elevado, pior. Escolha os sucos de caixinha sem adição de açúcar e lembre-se que achocolatados não são leite, são uma composição feita com soro de leite: prefira aqueles com menos sódio e menos açúcar e garanta que a criança beba leite de verdade em algum outro momento do dia.

Conservação


Não adianta ficar atenta para um cardápio equilibrado se ele não estiver bem conservado na hora do sinal. Lancheiras térmicas garantem conservação por duas a quatro horas, segundo fabricantes. Mesmo assim, é melhor evitar patês e embutidos que necessitem de refrigeração maior.


Cynthia dá uma dica final: colocar a caixinha de suco ou a garrafinha de água congelada na lancheira é uma opção para garantir um resfriamento extra. E não se esqueça de fiscalizar os cuidados do seu filho com o lanche. Se o que ele não consome pela manhã vira petisco para depois da aula de inglês, no fim da tarde, não há lancheira que aguente.

Fonte: IG

Aprenda a fazer comida divertida para as crianças

Veja dicas e ideias para tornar as refeições das crianças mais alegres, sem deixar de lado alimentos saudáveis.

Sanduíche de palhaço: aprenda a fazer
Quem nunca passou por momentos de nervosismo tentando fazer uma criança comer brócolis, espinafre ou uma fruta diferente, por exemplo? Se você já tentou distrair, cantar, andar pela casa ou imitar um avião com a colher em punho para que a criança comesse mais um pouco, saiba que a situação é bastante comum.
Longe de se render aos caprichos dos filhos, alguns pais conseguiram virar o jogo e as refeições deixaram de ser momentos de tensão. A fórmula mágica? Criatividade e um pouco de habilidade manual. Pelo menos é isso o que pensa a chef de cozinha Luana Budel, especializada em alimentos funcionais.

“Vale enganar um pouco a criança para que ela receba os nutrientes que precisa. Se a comida ficar bem bonita as crianças não ficam tão resistentes a experimentar ou comer legumes e outros alimentos. Também é importante tentar dar comida feita em casa, com alimentos frescos”, afirma a chef.

Arte no prato

Quando percebeu que a filha nem sequer tocava o lanche enviado todos os dias na lancheira da escola, a indiana Smita Srivastava, criadora do blog “Little Food Junction” decidiu tornar os alimentos mais interessantes. “Depois que comecei a fazer as comidas divertidas, minha filha come tudo que eu sirvo. As preparações são muito rápidas e qualquer um pode fazer. Basta ser criativo”, afirma.

O empresário britânico Mark Northeast passou por problema parecido. “O Funky Lunch começou por acaso. Era muito difícil fazer meu filho comer o lanche. Um dia resolvi mandar um lanche em forma de foguete espacial com estrelas de queijo”, conta Mark que resolveu tornar o passatempo um negócio, inclusive com o lançamento do livro “Funky Lunch – Happy Food for Happy Children”. Em seus workshops, ele ensina pais e filhos os primeiros passos para que consigam brincar mais com os alimentos.

“Você tem que escolher um personagem que seu filho goste e então pensar como fazer. Algumas vezes não dá certo. É preciso ter paciência”, afirma Mark.

Para conseguir colocar a ideia no prato vale qualquer alimento. “Eu uso apenas ingredientes simples, de preferência o que tenho na geladeira. Quando termino e sirvo o prato para o meu filho, sempre vejo um grande sorriso. Ele gosta mais ainda quando recebe amigos aqui e eu faço essas comidas divertidas”, conta a criadora do blog “Cute Food for Kids”, Tiffany Yang.

A convite do iG, a chef Luana Budel idealizou e preparou três pratos com comidas divertidas: um sanduíche de palhaço, um arco-íris de frutas e uma panqueca com o Porco Rei do jogo Angry Birds. Veja o passo a passo e transforme a refeição do seu filho em uma verdadeira obra de arte: