quarta-feira, 30 de maio de 2012

Sh’Bam, o happy-hour da dança

Coreografias simples, ao estilo das dançadas em casas noturnas, são outra aposta de malhação para este ano.



Nova aula de dança promete trazer a "balada" para dentro das academias
As pistas de dança das casas noturnas foram transferidas para as academias de ginástica, sendo esta a cara do “Sh’Bam”, nova aula de fitness que deve conquistar os malhadores no próximo semestre de 2011.

Apresentada na 21ª Feira Brasil Internacional Fitness, que ocorreu em Santos (litoral paulista) no último feriado de Páscoa, o Sh’Bam segue a tendência de reunir 30 pessoas em uma mesma sala de aula para fazer coreografias, tudo de uma forma mais descontraída.

“É como se fosse um happy-hour da dança”, compara Sandro Costa, treinador da Body Systems Latin America, empresa criadora do método que já está disponível na rede de academias BioRitmo.

“É uma estratégia para atrair as pessoas que nunca fizeram exercícios físicos, pois os passos foram elaborados para serem feitos por quem não sabe dançar. É quase uma modalidade livre de exercícios”, explica o treinador.

São 45 minutos que misturam coreografias simples ao som de anos 70, merengue, salsa, samba e pop (muito pop). “Não nos aprofundamos em nenhuma modalidade de dança porque o objetivo é fazer um mix de estilos mesmo. Caso o aluno se interesse por um deles, orientamos a procurar as aulas mais especializadas”, explica Costa.

Aula repete os "passinhos" feitos nos anos 80 e 90 nas discotecas, ao estilo Macarena
Sh’Ban é uma gíria do mundo dos dançarinos profissionais, que significa algo como “uau”. Na nova aula, que tem como foco os sedentários, os passos remetem à moda das discotecas, típicas dos anos 80 e 90 – as pessoas ficavam enfileiradas e faziam “passinhos” em sincronia, trocando de lugar e repetindo a mesma sequencia até o final da música (Macarena foi um dos hits que imortalizou o estilo).

Os braços também movimentam bastante, em especial nos rodopios e batidas de palmas estimuladas pelos professores. O estilo John Travolta em “os embalos de sábado à noite” também visita a aula, lá pelos 25 minutos, assim como as coreografias desengonçadas de Lady Gaga.

Divertida, descontraída, mas cansativa. Sh’Ban tem coreografias simples mas que gastam muitas calorias e exigem fôlego dos participantes.

A estimativa é que é possível queimar até 500 calorias por aula, dependendo do “tamanho” que os movimentos são feitos.

É possível dançar quase sem perceber, mas se o alongamento não for feito ao final, com certeza os movimentos vão deixar lembranças nada agradáveis no dia seguinte.

Fonte: IG

Dançar kuduro queima 660 calorias por hora

Veja outras danças que também eliminam gordura e ajudam a emagrecer.



Kuduro: mais de 600 calorias em uma hora de práticaSe durante a abertura da novela da TV Globo Avenida Brasil, os móveis da sala forem afastados para permitir a coreografia típica do kuduro, ritmo que embala a trama das 21 horas, é possível queimar as calorias extras consumidas no jantar.


A dança - que nasceu na Angola - é uma importante aliada no emagrecimento, explica o personal trainer Juliano Maestro, especializado em música latina, salsa, merengue, som e agora kuduro.

“Os passos são sempre feitos na ponta dos pés, os joelhos ficam flexionados o tempo todo (abrindo e fechando), os braços não param de mexer e a coluna também faz movimentos para frente e para trás”, diz o professor de educação física.

“Todo este contorcionismo, composto por muito rebolado, acelera os batimentos cardíacos, eleva a transpiração e manda a gordura embora. Em uma hora, é possível eliminar até 660 calorias”, completa Maestro.
O potencial emagrecedor do kuduro foi detectado pelos especialistas em educação física já em 2010, mas o assunto ganhou fôlego com a novela e foi tema da última edição da Fitness Brasil (que aconteceu em maio de 2012) - evento que reúne profissionais das academias nacionais.

A tendência - afirmaram os organizadores da feira que oferecem cursos de capacitação em diversas modalidades da ginástica - é trazer para as aulas os passos dados nas pistas de dança das boates. No ano passado, foi a vez da Zumba e do Sh’Bam, por exemplo.

O fato é que dançar é uma das atividades aeróbias mais completas, porém os benefícios também valem para o sistema psíquico. A bailarina argentina Maíra Fux, sabendo disso, elaborou o conceito “dançaterapia”, que agora começa a chegar ao ambiente corporativo brasileiro, como arma para aliviar o estresse dos funcionários. Este efeito terapêutico acontece porque, durante a dança, substâncias como adrenalina e endorfina são liberados e funcionam para aumentar a sensação de bem-estar e satisfação.
Estas mesmas substâncias também ampliam o gasto calórico (e até diminuem a ansiedade) e por isso as academias têm investido nas aulas de dança. A pedido do iG Saúde, a D’Elia Sports– empresa de consultoria de atividades físicas – elaborou uma tabela com os gastos calóricos de algumas danças que já chegaram às redes de fitness.

Fonte: IG

Cuidado com os alimentos que “dão barriga”

Eles podem distender momentaneamente o abdome ou colaborar com as gordurinhas extras na região. Fique atento às suas escolhas .

Feijão: pode provocar gases e "estufar" o abdômen
Uma barriguinha saliente pode ter diversas causas: herança genética, alteração hormonal, retenção de líquido, excesso de peso, má postura. Mas certos alimentos também levam a uma incômoda distensão abdominal.

”Alimentos formadores de gases (como feijão, frituras, pães, enlatados), gordurosos e com excesso de sal podem aumentar o volume da barriga”, diz a nutricionista funcional Elaine de Pádua, diretora da clínica DNA Nutri, de São Paulo.

É importante ter atenção na hora de consumi-los, porque, além da questão estética podem provocar desconforto físico.

“O bom é que eles podem ser substituídos por opções mais saudáveis”, diz a nutricionista Paula Gandin, de São Paulo, membro da diretoria do Centro Brasileiro de Nutrição Funcional (CBNF).

A seguir as especialistas fazem um raio X desses alimentos e apontam caminhos que colaboram com uma barriga mais chapada.

Pão branco e massas: alimentos feitos com a farinha refinada fornecem um carboidrato suscetível a fermentação e produção de gases que levam à distensão abdominal. “Pessoas com hipersensibilidade ao glúten (proteína presente no trigo) ou com doença celíaca podem apresentar ainda sintomas como a flatulência. Nestes casos, a melhora ocorre com uma dieta de eliminação que deve ser avaliada por um profissional de saúde capacitado”, esclarece Paula Gandin. Sugestão saudável: opte por pães e massas integrais, ricos em fibras.

Açúcar: a sacarose propicia o desenvolvimento da disbiose intestinal (desequilíbrio da flora do intestino), fazendo com que as bactérias benéficas diminuam e as bactérias prejudiciais proliferem, podendo levar à distensão. “O excesso também se transforma em energia de reserva e aumenta a quantidade de gordura abdominal”, diz Elaine de Pádua. Sugestão saudável: tente abandonar o uso excessivo de açúcar e, aos poucos, descubra o sabor natural dos alimentos.

Bebida alcoólica: o álcool aumenta a permeabilidade da mucosa do intestino, aumento o quadro de desequilíbrio da flora (bactérias) intestinal, podendo levar ao aumento de volume abdominal. Sugestão saudável: evite o consumo exagerado de bebidas alcoólicas.

Refrigerante: estufa a barriga por causa da presença do gás e pelo açúcar contido em algumas bebidas. Sugestão saudável: prefira sucos de frutas naturais.

Feijão: alguns carboidratos (oligossacarídeos) presentes no feijão escapam da digestão e são metabolizados pelas bactérias presentes na parte baixa do trato digestório, podendo causar gases e flatulência.

“Muitas vezes, são apenas observados os fatores negativos da flatulência, no entanto esses ácidos produzidos na fermentação estimulam os movimentos peristálticos do intestino e, assim, evitam a constipação”, esclarece Paula Gandin. Sugestão saudável: eliminar o alimento da dieta não é uma boa opção, devido ao grande valor nutricional. Deixar de molho e trocar de tempos em tempos a água dos grãos, antes de cozinhar, ajudam a reduzir o problema da formação de gases.

Repolho e couve-flor: esses vegetais são da família das brássicas, nas quais estão presentes compostos sulfurados capazes de aumentar a produção de gases. Sugestão saudável: seu consumo não deve ser desestimulado, pois muitas pesquisas mostram seus efeitos positivos na prevenção de doenças crônicas.

“Pessoas muito sensíveis podem evitar comer na mesma refeição dois ou mais tipos de brássicas (como brócolis, couve-manteiga, couve de bruxelas e nabo, entre outros)”, diz a nutricionista Paula.

Pimentão verde: durante o processo de amadurecimento os pimentões variam de cor, indo do verde ao amarelo ou vermelho. Os verdes são colhidos antes da maturação e como estes vegetais só amadurecem no pé, não mudam a tonalidade. No entanto, para muitas pessoas o pimentão verde pode ser de difícil digestão quando comparados aos outros.

“Alimentos mal digeridos podem causar estufamento e até formação de gordura devido ao processo inflamatório instalado”, diz Elaine de Pádua. Sugestão saudável: prefira pimentão amarelo ou vermelho.

Laticínios: para quem tem intolerância a lactose consumi-los pode gerar flatulência e diarreia. Sugestões saudáveis: leite de cereais (quinoa, arroz); leite de sementes (gergelim, girassol); leite de oleaginosas (amêndoas, castanha-do-pará); extrato de soja. “A introdução desses alimentos deve ser avaliada por um nutricionista a fim de garantir, por meio de toda a dieta, o aporte diário adequado de vitaminas e minerais”, explica Paula Gandin.

Produtos industrializados (bolacha, refrigerante, macarrão pronto, embutidos): substâncias químicas presentes nestes alimentos sobrecarregam o fígado e a vesícula. “Isso aumenta as chances de armazenar gordura principalmente no abdome, já que nesta região temos mais receptores de insulina que dão o comando para armazenar gordura”, explica a diretora da clínica DNA Nutri. Sugestões saudáveis: opte por frutas e alimentos naturais, integrais, sem corantes ou conservantes.

Confira outras dicas para uma barriguinha mais enxuta:

- Mastigue lentamente os alimentos. Mastigar mais vezes ajuda a emagrecer
- Evite beber líquidos em excesso durante as refeições
- Prefira alimentos integrais ricos em fibras
- Tenha o hábito de tomar água ao longo de todo o dia
- Pratique atividade física: além de queimar calorias isso ajuda no bom funcionamento do organismo de maneira geral. Conheça os Programas de caminhada e corrida do iG
- Aumente o consumo de alimentos diuréticos, como erva doce, salsão, coentro, berinjela, endívias, alho, limão, noz-moscada, cebola, salsa, hortelã, abacaxi, melancia e maracujá

Fonte: Ig

Alimentos que ajudam a desinchar

Embora tenha origens diversas, o inchaço pode estar ligado à alimentação. Veja o que fazer e o que comer para evitá-lo.

A causa pode ser prisão de ventre, estresse, alergias alimentares ou qualquer outro problema de saúde como intolerância a lactose ou problemas gastrointestinais. O fato é que ninguém gosta daquela sensação de barriga inchada, que pode durar horas.

O nutricionista David Grotto, no livro “101 Alimentos para uma vida plena” (Ed. Larousse) e a Clínica Mayo oferecem dicas de como evitar o inchaço e uma lista de alimentos que podem ajudar a reduzir o inchaço.

Mude de atitude

Escute o corpo: preste mais atenção aos efeitos do que você come na sua barriga e evite os alimentos que aumentam a sensação de inchaço.

Modere a ingestão de gordura: ela atrasa o esvaziamento do estômago e favorece a sensação e estufamento.

Coma devagar e aposente o canudinho: comer rápido e beber líquidos pelo canudo aumenta a ingestão de ar.

Fuja da cerveja e dos refrigerantes: essas bebidas liberam o gás dióxido de carbono, que ajuda a inchar a barriga.

Aposente o chiclete e a balinha: quando você masca ou chupa um caramelo mais duro, engole mais do que o normal e parte do que é engolido é ar.

Não fume: ao inalar a fumaça, também está engolindo ar.

Trate a prisão de ventre: quanto mais tempo o resíduo de comida permanece no intestino, mais tempo ele tem para fermentar, gerando inchaço.

Mexa-se: dar uma caminhada curta, de 15 minutos, após as refeições ajuda no processo de digestão.

Alimentos:

Aipo , hortelã, linhaça, girassol, gengibre, arroz,melão e iogurte.

Fonte: IG