terça-feira, 1 de maio de 2012

Barzinho com os amigos não é desculpa para acabar com a dieta

Salada é uma opção magra para enfrentar o barzinho. Mas cuidado com os molhos hipercalóricos!
O paladar é facilmente adaptável. Em apenas três semanas é possível adequá-lo a uma determinada dieta, seja ela restritiva ou não. Isso porque as papilas gustativas – pequenas saliências na língua, responsáveis pelo paladar – reagem rapidamente ao que é mastigado, explica a nutricionista clínica, especializada em nutrição funcional, pediátrica e esportiva, Fernanda Granja.

Tamanha flexibilidade pode ser usada a favor e contra o regime. Tudo que é ingerido com frequência faz com que as papilas peçam sempre mais. Uma alimentação farta em açúcares, gorduras e conservantes impede que o gosto da fruta, dos legumes e das saladas seja sentido e valorizado.
“Quem consome muito esse tipo de comida, modifica o paladar e não consegue gostar do que é saudável e importante para saúde.” Como o tipo de dieta adotado é o ditador do paladar, acredite: é possível viver sem sentir saudades do chocolate ou do refrigerante. Não são raras as declarações de celebridades saradas ou viciadas em dietas que rechaçam, sem sofrimento, o que para muitos é delicioso e imprescindível na alimentação.
“Quem se submete a uma dieta baseada em ingredientes crus, por exemplo, depois de um tempo não consegue mais comer embutidose enlatados. Da mesma forma, o refrigerante e o chocolate pode provovar enjoo em que perdeu o hábito de consumi-los.”
A lógica também se mantém durante a gravidez. O bebê consegue discernir o gosto dos alimentos ingeridos pela mãe após a sétima semana de gestação, explica Fernanda. Segundo a nutricionista, as mulheres que descuidam da alimentação durante a gravidez estão, por tabela, estimulando seus filhos a gostar de porcarias.
“A situação é reversível, mas elas certamente terão mais dificuldades para impor uma alimentação balanceada no futuro.” Vida social X dieta Para que o convívio social e o regime não vivam permanentemente em um ringue de boxe, vale instituir a "lei da compensação".
O recurso, muito usado por quem trabalha com dietsa e nutrição, consiste em equilibrar um dia de permissões com outros de caminhadas, exercícios e alimentação mais leve, à base de saladas, frutas e grelhados.
“Não se permita abusar sempre. Escolha um dia para tomar aquele sorvete refrescante e não beba demais o tempo todo. O álcool tem calorias vazias, ele engorda e não tem nutriente algum”, explica Daniela Jobst, nutricionista clínica. Uma vez presente no happy-hour, a ordem é ser criterioso, pontua Fernanda. Permita-se, mas com moderação, ou peça aos amigos que escolham outro restaurante, com opções mais saudáveis. “Se todos na mesa estão comendo batata frita, tente resistir e opte por um sanduíche natural.”
A vida social sem regras acaba por subverter o regime. Nesse duelo, é preciso disciplina e controle. Comer antes de sair de casa também alivia bastante a ansiedade e não inviabiliza a confraternização.
“Ou a vida social mata a dieta ou a dieta mata a vida social. Não dá para ir a festas pensado em comida. Alimentar-se antes é fundamental, principalmente quando o restaurante escolhido não oferece nenhuma alternativa mais magra.”
Uma vez por semana, porém, a diversão é liberada. Para que o estrago regado a álcool termine no máximo em ressaca, Fernada aconselha:
“Beba sempre um copo de chopp ou cerveja e dois de água.” Dessa forma, o corpo permanece hidratado. A água também faz com que o organismo libere hormônios e aumenta a saciedade. Além disso, dilata o estomago e estufa rapidamente, impedindo grandes porres e minimizando a barriga saliente.

Fonte: IG

Frutas cítricas diminuem o risco de AVC em mulheres

Melhor forma de conseguir os benefícios é fazer sucos com as frutas sem adicionar açúcar, diz estudo.
Pesquisa mostra que a melhor forma das frutas cítricas ajudarem na prevenção do AVC é consumí-las na forma de suco .
Laranjas e outras frutas cítricas podem ajudar as mulheres a reduzir o risco de acidente vascular cerebral (AVC), sugere um novo estudo. Enciclopédia: Saiba o que é o AVC Os pesquisadores já sabiam que uma dieta rica destes alimentos estava associada a um menor número de problemas cerebrais, mas não tinham certeza sobre os motivos.
Nesta nova pesquisa, os cientistas estudaram os componentes dos cítricos e acharam o grande responsável pelos benefícios: os flavanones, um tipo de flavanóide, substância presente nos alimentos que contribui para imunidade e previne o envelhecimento das células.
O autor do estudo, Aedin Cassidy, diretor do Departamento de Nutrição da UEA (Universidade da Inglaterra), disse que esses achados dão suporte para que as pessoas aumentem o consumo diário de frutas e hortaliças para diminuir a chance de isquemia (condição em que um coágulo no sangue obstrui um ou mais vasos sanguíneos). Isso porque, os flavanones dos cítricos melhoram a pressão sanguínea e reduzem a infamação do organismo, fatores associados ao AVC.
Para conseguir o máximo de benefícios, é preciso que as frutas sejam consumidas na forma de suco sem adicionar açúcar, já que este preparo aumenta a concentração de flavanones, afirmou Cassidy.
Para chegar aos resultados, os pesquisadores acompanharam por 14 anos cerca de 70 mil mulheres. Neste período, a cada 4 anos, elas reportavam como estava o seu padrão alimentar, com relação às frutas e verduras. Nesse período foram registrados 1.803 AVCs.
 Foi detectado que o consumo puro de flavanóides não reduziu o risco de AVC mas o de flavanones, sim. Mulheres que consumiram mais esta substância apresentaram um risco 19% mais baixo de ter coágulo sanguíneo e 10% menos de acidente vascular cerebral. Segundo o estudo, 95% dos flavanones foram consumidos por meio de frutas e sucos, principalmente a laranja e toranja.
A vitamina C, anteriormente apontada como a principal responsável pelo efeito protetor no coração e no cérebro, não foi associada ao menor risco de AVC.
Para conseguir a proteção, foi necessário consumir 470 miligramas por dia de flavanóides (matabolizados em flavanones). De acordo com o autor do estudo, cada fruta cítrica tem cerca de 50 miligramas da substância – fazendo as contas seriam necessárias cerca de sete frutas para ter o efeito benéfico.
Outra observação dos pesquisadores é que as mulheres que consumiam maior quantidade de flavanones também fumavam menos, faziam mais exercícios e também tinham uma dieta mais rica em fibras e pobre em cafeína e álcool. Apesar do foco do estudo ter sido o público feminino, Cassidy aposta que os benefícios também podem ser estendidos aos homens, mas que novas pesquisas devem ser feitas com esta parcela da população. Outro ponto que também precisa ser melhor estudado é a relação de causa e efeito entre os flavanones e a proteção do AVC.

Fonte: IG

Os alimentos que melhoram a cicatrização da pele

Com propriedades funcionais, eles combatem a inflamação e ajudam na formação do novo tecido.

Frutas vermelhas: poderosas aliadas da cicatrização .
Qualquer lesão na pele, mesmo que superficial, gera uma resposta imediata do corpo e é encarada pelo organismo como uma agressão cuja resposta imediata é a inflamação. Além dos medicamentos normalmente usados para estimular a cicatrização adequada, alguns alimentos podem dar uma ajudinha extra nesse processo.
 Com larga experiência no atendimento de pacientes de cirurgia plástica, a nutricionista funcional Luciana Harfenist dá a receita para melhorar a cicatrização: apostar nas propriedades funcionais dos alimentos , ou seja, optar pelos que são mais ricos em nutrientes e reduzir ao máximo os industrializados. “Somos feitos de nutrientes. O sangue, por exemplo, é uma proteína. Se não damos nutrientes para o corpo, como ele vai funcionar adequadamente?” questiona ela.
Veja a seguir alguns alimentos sugeridos por Luciana para favorecer o processo de cicatrização do corpo. Frutas cítricas
São ricas em betacaroteno (antioxidante) e vitamina C, que participa da síntese de colágeno da pele e melhora a resistência dos vasos sanguíneos.
 Frutas vermelhas
Contêm flavonoides, que protegem as paredes dos vasos sanguíneos e combatem o processo inflamatório. Brócolis, repolho e couve
Além de ricas em antioxidantes, contêm compostos enxofrados bioativos, que auxiliam na desintoxicação do fígado – isso é bom para quem recebeu anestesia ou está tomando remédios contra inflamações e infecções.
 Farinha de linhaça e semente de chia
São ricos em ômega 3, um tipo de ácido graxo (gordura) que estimula a resposta imunológica do corpo e ajuda a modular a inflamação.

Fonte: IG