quarta-feira, 25 de abril de 2012

Frutas e verduras reduzem risco de câncer de pulmão em fumantes

Pesquisa americana sugere que é preciso ingerir grande variedade desses alimentos para aumentar o efeito protetor.
Comer frutas e verduras variadas pode reduzir os riscos de contrair alguns tipos de câncer de pulmão em fumantes, revelou um estudo publicado nesta segunda-feira (30) nos Estados Unidos. "Apesar de parar de fumar ser a atitude preventiva mais importante para se reduzir os riscos de contrair câncer de pulmão, consumir uma mistura de vários tipos de frutas e vegetais também pode diminuir o risco, independentemente da quantidade, especialmente entre os fumantes", disse H. Bas Bueno-de-Mesquita, do Instituto de Saúde Pública da Holanda.
O estudo, publicado na revista Cancer Epidemiology, Biomarkers & Prevention, da associação americana de pesquisas sobre o câncer, foi realizado com 1.600 pessoas diagnosticadas com câncer de pulmão. Os cientistas informaram que a variedade de frutas e vegetais parece ser mais importante do que a quantidade. Eles estudaram 14 frutas de consumo comum e 26 vegetais frescos, enlatados ou desidratados.
"As frutas e as verduras contêm compostos bioativos muito diversos e é sensato assumir que é importante não apenas consumir as quantidades recomendadas, mas também uma variedade rica destes compostos bioativos", disse Bueno-de-Mesquita. De acordo com a pesquisa, o risco de desenvolver células cancerosas caiu substancialmente quando ingerida uma grande variedade de frutas e vegetais.
Enquanto pesquisas prévias revelaram a importância de se ingerir frutas e verduras em quantidade para reduzir os riscos de desenvolver câncer, Stephen Hecht - integrante do conselho editorial da Cancer Epidemiology, Biomarkers & Prevention - disse que este é um dos primeiros trabalhos a avaliar a diversidade, mais que a quantidade, deste consumo.
"Os resultados são muito interessantes e indicam um efeito de proteção para os fumantes", acrescentou. "Ainda há mais de um bilhão de fumantes no mundo e muitos são dependentes de nicotina e não conseguem abandonar o vício apesar de seus esforços", disse Hecht, que é membro facultativo da Universidade de Minnesota. Hecht explicou que a fumaça do cigarro contém uma mistura complexa de substâncias que causam câncer, razão pela qual se faz necessário uma combinação de agentes protetores com efeitos benéficos para reduzir os riscos de se contrair câncer de pulmão. "No entanto, o público deveria ser consciente e ser lembrado de que a única forma comprovada de reduzir os riscos de câncer de pulmão é evitar o tabaco em todas as suas formas", afirmou.

Fonte: IG

Brócolis e repolho podem proteger contra o câncer de cólon

Ter uma dieta composta por esses vegetais pode reduzir o risco de alguns tipos de câncer colorretal, de acordo com um novo estudo.
Brócolis e couve-flor: ação protetora contra o câncer de cólon Comer frutas e vegetais, e manter uma dieta da qual fazem parte alguns tipos específicos de verdura pode reduzir o risco de alguns tipos de câncer colorretal, de acordo com um novo estudo. Eles também descobriram que o hábito de comer mais maçãs e vegetais amarelo-escuros estava ligado a um risco significativamente reduzido de câncer de cólon. O estudo será publicado na edição de outubro do Journal of the American Dietetic Association. Pesquisadores australianos examinaram a dieta de 918 pacientes com câncer colorretal e de 1.021 pessoas sem histórico da doença e descobriram que o consumo de certos vegetais da família das brassicáceas, como brócolis, couve, couve-flor e repolho, por exemplo, parece reduzir o risco de câncer no cólon superior, enquanto uma alimentação rica em frutas e hortaliças (contando-se aí o consumo total diário de vegetais) reduz o risco de câncer na porção inferior do cólon. “Frutas e vegetais foram extensivamente analisados em pesquisas nutricionais por sua característica protetora contra o câncer colorretal. No entanto, essa proteção tem sido objeto de debate, possivelmente por causa de efeitos diferentes em distintas porções do intestino grosso”, disse o pesquisador principal do estudo, Lin Fritschi, chefe do Grupo de Epidemiologia do Instituto de Pesquisas Médicas da Austrália Ocidental. "Pode ser que parte da confusão sobre a relação entre a dieta e o risco de câncer se deu devido ao fato de que os estudos anteriores não levaram em conta o local do câncer [colorretal]. A replicação destes achados em grandes estudos pode ajudar a determinar se um maior consumo de vegetais é um meio para reduzir o risco de câncer no cólon”, concluiu Fritschi. FONTE: Ig