domingo, 12 de fevereiro de 2012

Dossiê dos petiscos a beira-mar

Quais são os benefícios à saúde que cada alimento pode trazer e os cuidados na hora de consumi-lo.

 
 
Camarão: alimento é rico em ômega 3, mas fitrá-lo reduz suas propriedades benéficas à saúde
Na praia, alimentar-se corretamente, principalmente durante o dia, está longe de ser uma prioridade. A solução acaba sendo encontrada nos quiosques e ambulantes que passam vendendo porções dos mais variados alimentos.
Como a preocupação da estação é manter o corpo em forma, muito se fala das calorias dessas opções, mas seus benefícios à saúde são raramente mencionados. Para inverter esse raciocínio, selecionamos os alimentos mais consumidos nos dias de calor e apontamos quais os pontos positivos de cada um, sem deixar de lado, é claro, quais os cuidados necessários.
Camarão, ostra e marisco

Quer uma opção saudável e com quase nada de carboidrato? Aposte nesse trio! O camarão, a ostra e o marisco, são ricos em vitaminas A, B, C e D, esta última a queridinha da ciência na prevenção e tratamento de diversas doenças.

Além disso, também são uma ótima fonte de ômega 3, nutriente que auxilia na prevenção do depósito de gordura nas artérias do coração, ajudando a manter a saúde desse órgão. “Por virem do mar, são ricos em iodo, que previne disfunções da tireoide e o bócio”, afirma Brigitte Olichon, professora de nutrição da Faculdade de Medicina de Petrópolis , no Rio de Janeiro.
Também possuem zinco e cobre, minerais essenciais para o bom funcionamento do cérebro, melhorando a memória e prevenindo males como Parkinson, Alzheimer e enxaqueca, completa.

O camarão, em particular, é uma fonte ótima de selênio, capaz de neutralizar os efeitos dos radicais livres, principal causa de câncer de pele, e tem muita vitamina B12, importante para o bom funcionamento das células. Sua casca contém fibras insolúveis que, teoricamente, ajudam a normalizar o trânsito intestinal e prevenir a constipação. Pesquisa realizada pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), aconselha a comer a cabeça e a cauda, por serem as partes mais ricas em nutrientes.
Atenção: O principal cuidado é a higiene e as condições de armazenamento do local onde irá comprá-los. “São alimentos fáceis de serem servidos, mas complicados de serem conservados. E, se estragados, são perigosos porque podem fazer muito mal à saúde”, alerta Cristiano Merheb, especialista em Nutrologia. “As ostras precisam estar com bastante gelo em volta e é preciso observar a presença de areia dentro da concha”, aconselha Brigitte.
Ricas em sódio, devem ser consumidas com parcimônia por quem tem hipertensão, problemas cardíacos ou insuficiência renal. E pela grande quantidade de iodo presente, quem tem problema na tireoide deve evitá-las.
A forma como cada alimento é preparado também merece atenção, a fritura, por exemplo, diminui os níveis de Omega-3.

Queijo coalho

 
Quando o vendedor passa, basta uma olhadela para aquela casquinha crocante de queijo derretido e fica quase impossível resistir. Ainda mais se for acompanhado de uma cerveja bem gelada, a dupla se torna quase imbatível no litoral. O queijo é um dos derivados do leite e, portanto, grande fonte de proteína e cálcio, essencial para os ossos, dentes e músculos. “Inclusive o coração”, diz Brigite. É um ótimo aliado na prevenção do câncer de pele, completa a professora de nutrição.
Atenção: No entanto, os especialistas alertam para a quantidade de sal presente neste alimento, o que o torna contraindicado para hipertensos, obesos, mulheres com retenção de líquido e pessoas com insuficiência renal ou cálculos. “pode causar constipação intestinal , piorar quadros de artrite, sinusite e enxaqueca”, alerta Brigite Olichon.

Amendoim

Foto: Getty Images Ampliar
Uma porção contém nutrientes capazes de ajudar a saúde do coração
O amendoim tem muita gordura monoinsaturada, boa para o coração, e pouca caloria, afirma Cristiano Merheb. O consumo regular é capaz de reduzir o triglicérides e melhora a qualidade da dieta. Também contém “vitamina E e selênio, capazes de proteger as artérias contra ataques do colesterol, além de boro, mineral responsável pela atividade elétrica do cérebro, aumentando a vivacidade mental e prevenindo doenças degenerativas”, diz Brigitte.
Nos Estados Unidos, pesquisadores da Universidade da Flórida descobriram que o amendoim tem tanto antioxidante quanto as frutas, além de conter altas taxas de polifenois. È uma fonte excelente de beta-sitosterol, nutriente que tem propriedade anticancerígena.
Atenção: É contraindicado para quem tem propensão a cálculos renais, enxaqueca, herpes e alergia alimentar, prestando atenção na quantidade de sal e gordura presentes. Deve-se observar também se o amendoim está com aspecto duvidoso, murcho. Ele pode ter sido contaminado e, nesses casos, produz uma substância tóxica.

Milho Cozido

Foto: Getty Images Ampliar
Rico em vitamina B, carboidratos e gorduras
Da mesma família do arroz e do trigo, o milho é um alimento pobre em proteínas, mas rico em carboidratos e gorduras. “Tem atividade anticancerígena e antiviral e aumenta o estrogênio; tem boa quantidade de fibras, o que ajuda o trânsito intestinal e dificulta a absorção de açúcares, sendo portanto indicada para diabéticos e aqueles que precisam perder peso”, revela a professora de nutrição.
Ele também é rico em ácido pantotênico, uma tipo de vitamina B essencial para o metabolismo, principalmente quando a pessoa está sob estresse. Cem gramas de milho são capazes de suprir 14% da necessidade diária dessa substância.
Atenção: Mas a especialista alerta que o milho é altamente alergênico, sendo a causa de vários quadros como artrite reumatóide, síndrome do cólon irritável, epilepsia e enxaqueca, sobretudo em crianças. Também deve-se atentar para a quantidade de sal e evitar a manteiga, por aumentar muito seu teor calórico.


Fonte: IG

Dossiê queijos: branco é o mais calórico, porém o mais nutritivo

  • Saiba quais são os mais ricos em potássio, ferro, cálcio e colesterol e monte um cardápio mais saudável
     


Foto: Getty Images Ampliar
A comparação dos queijos
Queijo branco é quase um sinônimo para “estou de dieta”. O alimento, geralmente, acompanha saladas, sanduíches e pratos quentes de quem quer fazer as pazes com a balança.
Mas, se o motivo para tanta preferência é a certeza das baixas quantidades de caloria, saiba que esta convicção é um mito.

Sim, na comparação com os “primos” provolone, prato e parmesão, o tipo minas é o mais calórico.
Isso não significa que a propaganda dos nutricionistas sobre o queijo branco seja falsa. Ao contrário, ele é muito nutritivo e o que tem menos colesterol (um vilão do coração). Por isso tem tanto crédito entre esses profissionais.
O dossiê dos queijos, feito com base no dicionário de alimentos da Sociedade Brasileira do Diabetes (SBD), só traz o alerta de que é preciso consumir com moderação. A seguir, confira outras informações sobre quatro tipos de queijo.


Foto: Getty Images
provolone

100 gramas de provoloneCalorias: 351
Glicídios: 26,2g
Proteínas: 25,6
Lipídios: 0
Cálcio: 756 mg
Fósforo: 496 mg
Ferro: 0,52 mg
Sódio: 876 mg
Potássio: 138 mg
Fibras: 0
Colesterol: 80




Foto: André Ctenas Ampliar
parmesão

100 gramas de parmesão
Calorias: 243
Glicídios: 19,2g
Proteínas: 18
Lipídios: 0
Cálcio: 685 mg
Fósforo: 430 mg
Ferro: 0,40 mg
Sódio: 0
Potássio: 0
Fibras: 0

Colesterol: 102



Foto: Getty Images Ampliar
Queijo branco

100 gramas de queijo brancoCalorias: 357
Glicídios: 27,8g
Proteínas: 25
Lipídios: 0
Cálcio: 731 mg
Fósforo: 536 mg
Ferro: 0,44 mg
Sódio: 965 mg
Potássio: 188 mg
Fibras: 0

Colesterol: 62



Foto: Getty Images Ampliar
Queijo prato

100 gramas de queijo prato
Calorias: 281
Glicídios: 21,6 g
Proteínas: 19,4
Lipídios: 0
Cálcio: 517 mg
Fósforo: 371 mg
Ferro: 0,18 mg
Sódio: 373 mg
Potássio: 67,1 mg
Fibras: 0

Colesterol: 91