quarta-feira, 29 de agosto de 2012

M-Drol: O que é e como usar

M-Drol é o nome genérico para o Superdrol, um esteróide anabólico produzido sinteticamente.

Assim como todo esteróide anabólico, o M-drol, imita a ação da testosterona produzida no organismo humano, contribuindo para o aumento da síntese protéica, crescimento do músculo esquelético (ou músculo estriado) e osso e eritropoiese (produção de hemácias).
Musculos
É utilizado por muitos atletas com o objetivo de aumentar a capacidade de treinamento, resistência e desempenho, porém seu uso é considerado dopping.
Os efeitos adversos dos esteróides anabólicos estão, geralmente, associados com o seu uso exagerado, principalmente por longos períodos de tempo em doses excessivas.

M-Drol: como ele age no organismo?

Nos homens pode ocorrer redução da fertilidade, a diminuição dos testículos, impotência, e o estreitamento da uretra.
Nas mulheres podem provocar a masculinização (alguns efeitos são irreversíveis), como pelos corporais excessivos, calvície de padrão masculino, hipertrofia de clitóris, irregularidade ou ausência do ciclo menstrual, voz rouca e acne. Outros efeitos adversos incluem:
  • problemas cardiovasculares (infarto agudo do miocárdio e cardiopatias),
  • disfunção hepática (icterícia),
  • tumores no fígado (adenoma, carcinoma),
  • desordens psiquiátricas (aumento da agressividade, psicose, disforia, depressão),
  • acidente vascular cerebral e embolia pulmonar.
mulher definida

Como usar o M-Drol?

Segundo o fabricante, o ciclo do M-drol é o seguinte:
Ingere-se 1 cápsula ao dia de M-Drol nos primeiros 15 dias. Nos próximos 15 dias seguintes aumenta-se a dosagem para 2 cápsulas ao dia. Após esse período faz-se uma pausa de 6 semanas e repete novamente a dosagem inicial (1 capsulas nos primeiros 15 dias e 2 capsulas nos 15 dias posteriores).
A terapia pós-ciclo pode ser feita com o Tribulus Terrestris em uma dosagem de 1300 mg ao dia, por 1 mês.
musculacao homem
Alguns estudos referem que após a utilização de um esteróide anabólico os indivíduos observam ganho de peso na faixa de 5-7 kg em 10 semanas. Porém, o ganho de peso é muito individual e está relacionado a vários fatores como alimentação, suplementação, treino e descanso.

Antes de utilizar qualquer hormônio, procure um médico, pois este é o único profissional capaz de analisar suas individualidades e propor o melhor esteróide anabólico, dosagem, tempo de uso, ciclos, entre outros.


MUITO  CUIDADO COM ESTE PRODUTO.

fONTE: SÓ SUPLEMENTO

ANABOLIZANTES


10 Coisas que Você Precisa Saber Sobre Uso de Anabolizantes

O uso de anabolizantes vem se tornando, a cada dia, um hábito comum, principalmente pelas pessoas que praticam esportes, para aumentar a competitividade, ajudar na cura de lesões ou simplesmente por questões estéticas. Porém, o consumo excessivo desse tipo de produto é muito perigoso e pode causar danos irreparáveis ao corpo humano.

1. Os esteróides androgênicos anabólicos, mas conhecidos como anabolizantes, é um produto derivado principalmente da testosterona, hormônio responsável por muitas características que diferem homem e mulher. Eles atuam no crescimento celular e em tecidos do corpo, como o ósseo e o muscular.

2. O uso de anabolizantes gera efeitos colaterais, tanto em homens e mulheres, como: aumento de acnes, queda do cabelo, distúrbios da função do fígado, tumores no fígado, explosões de ira ou comportamento agressivo, paranóia, alucinações, psicoses, coágulos de sangue, retenção de líquido no organismo, aumento da pressão arterial e risco de adquirir doenças transmissíveis (AIDS, Hepatite).

3. No caso das mulheres, o uso de anabolizantes pode gerar características masculinas no corpo, como engrossamento da voz e surgimento de pêlos além do normal. Além disso, aumento do tamanho do clitóris, irregularidade ou interrupção das menstruações, diminuição dos seios e aumento de apetite.

4. Nos homens, o excesso de anabolizantes pode causar aparecimento de mamas, redução dos testículos, diminuição da contagem dos espermatozóides e calvície.

5. Em adolescentes, as consequências podem ser piores, como comprometimento do crescimento, maturação óssea acelerada, aumento da frequência e duração das ereções, desenvolvimento sexual precoce, hipervirilização, crescimento do falo (hipogonadismo ou megalofalia), aumentos dos pelos púbicos e do corpo, além do ligeiro crescimento de barba.

6. Esses hormônios podem ser usados clinicamente e, ocasionalmente, serem prescritos sob orientação médica para repor o hormônio deficiente em alguns homens e para ajudar pacientes aidéticos a recuperar peso. Nos casos de necessidade clínica, os pacientes são indicados a tomarem apenas doses mínimas para apenas regularizar sua disfunção.

7. O uso das injeções de anabolizantes esteróides pode levar ao risco de infecção pelo HIV e vírus da hepatite, se as agulhas forem compartilhadas. Esteróides Anabólicos obtidos sem uma prescrição não são confiáveis, pois podem conter outras substâncias, os frascos podem não ser estéreis e, além disso, é possível que nem esteróides contenham.

8. Usar anabolizantes, sem orientação médica, é proibido, além de ser de grande risco para a saúde. Entretanto, por aumentarem a massa muscular, estas drogas têm sido cada vez mais procuradas e utilizadas por alguns atletas para melhorar a performance física e por outras pessoas para obter uma melhor aparência muscular.

9. Um estudo de 2007 traçou o perfil do usuário de anabolizantes no mundo. De acordo com os dados, o usuário típico não é o adolescente ou o atleta, mas o homem de cerca de 30 anos, bem educado e com renda alta, segundo um estudo publicado hoje. Foram pesquisados 2.663 homens e mulheres de 81 países, indicando que o motivo principal para o uso desses compostos é o aumento da musculatura.

10. Muitos atletas consomem anabolizantes a fim de conseguirem uma melhora na performance dentro do esporte. Os anabolizantes, quando entram em contato com as células do tecido muscular, aumentam o tamanho dos músculos do corpo humano. Porém, isso é caracterizado Doping, e o esportista pode ser punido por isso, como já ocorreu em inúmeros casos. Dependendo da situação, o atleta pode ser banido do esporte.

Fonte: SBEM

domingo, 26 de agosto de 2012

MALTODEXTRINA - PARA QUE USAR?

Suplemento: Maltodextrina, o que é?



Maltodextrina é um carboidrato complexo de absorção gradativa proveniente do amido de milho. Ela fornece energia durante a atividade física de longa duração, retardando a fadiga, através da liberação gradual de glicose para o sangue.

A maltodextrina contém polímeros de dextrose/glicose, compostos de açúcar unidos que são mais fácil para o corpo assimilar e usar. Estes polímeros são metabolizados de forma lenta e constante o que pode ajudar a sustentar os níveis de energia durante atividades que necessitam de resistência (ex: jogo de futebol, uma partida de tênis, um jogo de basquete, uma partida de vôlei, maratona, etc.).

Suplementos de maltodextrina são uma fonte conveniente e econômica de energia para pessoas ativas. Juntos de um suplemento protéico, como o Whey Protein por exemplo, eles ajudam na absorção da proteína, segundo um estudo feito em 2001 pela University of Texas Medical Branch.

Referência: www.nutricaoativa.com.br

sábado, 25 de agosto de 2012

Receitas Funcionais de Soja

1)Quibe de soja


Rendimento: 1 tabuleiro grande e um pequeno

INGREDIENTES:
250g de proteína de soja moída
500g trigo para quibe
800g ricota, queijo minas ou cottage
1 ou 2 molhes de salsa ou coentro
2 iogurtes naturais desnatados
1 molho de hortelã
3 colheres de sopa farinha de trigo ou aveia
1 cebola ralada
Alho ( a gosto )
Sal ( a gosto )

MODO DE PREPARO:
Massa:

Colocar de molho na água fervente a soja e o trigo por mais ou menos 1 hora.
Escorrer e apertar.
Misturar, já triturada, a cebola, a hortelã e o sal. Colocar a farinha.

Recheio:

Triturar o queijo, misturar o iogurte, e a salsa picada e sal.
Untar o tabuleiro. Colocar metade da massa, depois o recheio e por ultimo, cobrir com a massa.

Regar com azeite.

Rendimento: 1 tabuleiro grande e um pequeno.


2)Escondidinho de Soja


INGREDIENTES

4 batatas grandes cozidas e amassadas
2 1⁄2 xícaras soja granulada hidratada e escorrida
4 dentes de alho
1 cebola
Pimenta-do-reino a gosto
Salsinha a gosto
Cebolinha a gosto
Cominho a gosto
Azeite para dourar os temperos
5 colheres de sopa de molho shoyo

PREPARO

Primeiramente, faca um purê (batatas cozidas e amassadas, creme vegetal, sal e pouca água). Depois hidrate a proteína texturizada de soja por quinze minutos em água morna e escorra bem tirando todo a água. Numa panela, refogue no azeite o alho e a cebola ate dourarem. Em seguida, coloque a salsinha, a cebolinha e a proteína texturizada. Refogue por alguns poucos minutos. Adicione o shoyo e o cominho, refogue por mais alguns poucos minutos e desligue.

MONTAGEM

Forrar o fundo de um pirex com metade do purê. Colocar por
cima a proteína texturizada que já está refogada. Sobre a proteína,
colocar o restante do purê. Levar ao forno por 15 minutos.

Fonte: Funcionalli

sexta-feira, 24 de agosto de 2012

Receitas Funcionais





Receita de sardinha assada

Ingredientes

1 e ½ quilos de sardinha

azeite para regar

limão

coentro

Sal

Molho:

2 tomates (sem pele e sem sementes) picados

3 colheres de (sopa) de azeite

3 dentes de alho amassados

2 cebolas em fatias

sal e pimenta-do-reino

suco de ½ limão

salsa, alecrim e manjericão picados

cebolinha



Modo de preparo

Limpe, lave e enxugue as sardinhas. Tempere-as por dentro e por fora com sal, limão e coentro picado. Arrume-as em uma assadeira e leve ao forno quente para assar por 20 minutos a 200C.

Molho:

Doure o alho no azeite, junte as cebolas, os tomates, salgue a gosto e polvilhe com um pouco de pimenta-do-reino. Misture levemente. Adicione o suco de limão, junte a salsa e a cebolinha. Arrume as sardinhas em uma travessa, espalhe o molho por cima e sirva com batatas regadas com azeite.

Almôndegas com semente de chia



Ingredientes:

1k de patinho moído
1 cebola bem picada
1 ovo
3 colheres de sopa de semente de chia
1 colher de sopa de shoyu light

Modo de preparo:

1. Misture todos os ingredientes, menos a farinha.
2. Vá acrescentando a semente de chia aos poucos, até dar consistência necessária para formar as bolinhas.
3. Leve as almôndegas ao forno pré-aquecido e vire de vez em quando, até estarem cozidas.
4. Sirva com molho de tomates frescos.

Macarrão sem glúten com legumes






INGREDIENTES

- 500 g de macarrão de arroz
- 1 xícara (chá) de proteína de soja pré preparada
- 1/4 xícara (chá) de shoyu
- 2 colheres (sopa) de tahine diluído em 1/4 xícara (chá) de água
- 1/2 xícara (chá) de cenoura cortada em rodelas finas
- 1 xícara (chá) de brócolis picado
- 1 xícara (chá) de couve flor picada
- 1 xícara (chá) de acelga picada
- 1 xícara (chá) de cogumelo shitake cortado em laminas
- 1 colher (chá) de gengibre ralado
- 4 colheres (sopa) de azeite
- 1 colher (chá) de amido de milho diluído com 1/2 xícara (chá) de água
- temperos a gosto cebola, alho, salsa, cebolinha, azeitonas
- sal marinho a gosto
- pimenta do reino a gosto

MODO DE PREPARO

Cozinhe o macarrão com água e sal marinho, escorra e reserve. Cozinhe os legumes o mínimo possível e reserve. Em uma panela, refogue em 2 colheres (sopa) de azeite, os temperos, o gengibre, junte os legumes pré-cozidos, deixe por três minutos, acrescente o amido de milho, deixe mais um minuto, acrescente o tahine já diluído. Reserve. Coloque em uma frigideira anti aderente a proteína de soja, o shoyu, temperos, duas colheres (sopa) de azeite. Aqueça até que a proteína de soja fique levemente torrada e envolvida nos temperos. Despeje sobre o macarrão já cozido e sirva guarnecido como os legumes.



 Fonte: Funcionalli

Como preparar a soja

Muitas pessoas tem dificuldade em preparar a soja. Neste vídeo você vai aprender como fazer e preparar muitos pratos saborosos.



Para os vegetarianos esta dica é muito boa!
Aproveitem.

Patrícia Mendes

quarta-feira, 22 de agosto de 2012

Educação Nutricional


Aprenda assistindo este vídeo!

HEMORRÓIDAS - CAUSAS, SINTOMAS , TRATAMENTO E PREVENÇÃO

Hemorroidas são veias dilatadas e inflamadas no ânus e reto, que podem causar dor, coceira e sangramento anal.

Neste artigo vamos abordar as seguintes questões sobre hemorroidas:
  • O que são hemorroidas.
  • Diferenças entre hemorroidas internas e hemorroidas externas.
  • Causas de hemorroidas.
  • Sintomas da hemorroida.
  • Diagnóstico das hemorroidas.
  • Tratamento das hemorroidas.






O que são hemorroidas?

A porção terminal do intestino é composta pelo reto, pelo canal anal e pelo ânus. Como em qualquer outra parte do nosso corpo, esta região é vascularizada por artérias e veias, que recebem o nome de artérias e veias hemorroidárias. Hemorroida é o nome dado a este conjunto de vasos que fica na região do canal anal. O que é popularmente conhecido como hemorroida é na verdade o que chamamos de doença hemorroidária. Porém, para não haver confusão, vou usar a linguagem popular e chamarei a doença hemorroidária de hemorroidas.

A maioria das nossas veias contém válvulas que ajudam o sangue a seguir sempre em uma mesma direção, impedindo seu retorno, mesmo quando contra a gravidade. Por exemplo, o sangue nas veias da perna corre sempre contra a gravidade, graças às válvulas ele consegue subir sem ficar represado nas pernas. Quando as veias ficam doentes e as suas válvulas param de funcionar, surgem as varizes, veias tortuosas onde o sangue fica congestionado .

Ao contrário das veias do resto do corpo, as veias hemorroidárias não possuem válvulas para impedir o represamento de sangue. Portanto, qualquer aumento da pressão nessas veias propicia o seu ingurgitamento. As hemorroidas são como varizes das veias hemorroidárias. Assim como em qualquer variz, o sangue represado aumenta o risco de trombose e inflamações das veias.

Portanto, hemorroidas (ou doença hemorroidária) são dilatações das veias do reto e ânus, que podem vir acompanhadas de inflamação, trombose ou sangramento.

Classificação das hemorroidas


Hemorroidas internas e hemorroidas externas
Hemorroidas internas e externas (clique p/ ampliar)

 As hemorroidas são classificadas como:

- Hemorroidas internas: quando ocorrem no reto.
- Hemorroidas externas: quando ocorrem no ânus ou no final do canal anal.

As hemorroidas internas são ainda classificadas em quatro graus:

- Hemorroidas grau I: não prolapsam através do ânus.
- Hemorroidas grau II: prolapsam através do ânus durante a evacuação, mas o retornam à sua posição original espontaneamente.
- Hemorroidas grau III: prolapsam através do ânus e só retornam para dentro com ajuda manual.
- Hemorroidas grau IV: estão prolapsadas através do ânus e o retorno não é possível nem com ajuda manual.

As hemorroidas internas grau I não são visíveis e as hemorroidas grau II normalmente passam despercebidas pelos pacientes, já que ninguém fica olhando para o ânus enquanto defeca. Como o reto e o canal anal possuem pouca inervação, este tipo de hemorroida  não costuma causar dor.

As hemorroidas externas, assim como as internas grau III e IV, são facilmente identificadas e costumam inflamar causando dor e/ou prurido (comichão).

Causas de hemorroida

As hemorroidas são um distúrbio muito comum. Estima-se que mais da metade da população acima dos 50 anos sofra de hemorroidas em graus variáveis.

Os principais fatores de risco são:

- Constipação intestinal (prisão de ventre).
- Esforço para evacuar.
- Obesidade
- Diarreia crônica
- Prender as fezes com frequência, evitando defecar sempre que há vontade.
- Dieta pobre em fibras.
- Gravidez.
- Sexo anal.
- História familiar de hemorroidas.
- Tabagismo
- Cirrose e hipertensão portal
- Ficar longos períodos sentados no vaso sanitário (há quem ache que o próprio design dos vasos propicie a formação de hemorroidas).

O hábito de evacuar agachado, muito comum no Oriente Médio e Ásia, está associado a uma menor incidência de hemorroidas. Aparentemente, evacuar sentado, como a maioria de nós habitualmente faz, pode aumentar a incidência de hemorroidas.

Independente dos fatores de risco, as hemorroidas se formam quando há aumento da pressão nas veias hemorroidárias ou fraqueza nos tecidos da parede do ânus, responsáveis pela sustentação das mesmas.

Sintomas das hemorroidas

As hemorroidas podem ser sintomáticas ou não. Como já dito anteriormente, as hemorroidas internas tendem a ser menos sintomáticas. O único sinal indicativo da sua existência pode ser a presença de sangue ao redor das fezes ao evacuar.

O sangramento das hemorroidas se apresenta tipicamente como uma pequena quantidade de sangue vivo que fica ao redor das fezes. Às vezes, o paciente pode notar  pingos de sangue no vaso após o término da evacuação. É comum também haver sangue no papel higiênico após a limpeza.

As hemorroidas internas podem causar dor se surgir uma trombose ou quando o esforço crônico para evacuar causa o prolapso da hemorroida para fora no canal anal. As hemorroidas internas grau III e IV podem estar associadas à incontinência fecal e à presença de um corrimento mucoso, que provoca irritação e comichão anal.

As hemorroidas externas são por via de regra sintomáticas. Estão associadas a sangramentos e dor ao evacuar e ao sentar. Em casos de trombose da hemorroida, a dor pode ser intensa. O prurido é outro sintoma comum. As hemorroidas externas são sempre visíveis e palpáveis.

Apesar de ser uma causa comum de hemorragia anal, é importante nunca assumir que o sangramento é devido às hemorroidas sem antes consultar um médico. Várias doenças, como fissura anal, câncer do reto, doença diverticular e infecções também podem se manifestar com sangue nas fezes .Além disso, nada impede que o paciente tenha hemorroidas e outra doença que também curse com sangramento anal, como um câncer, por exemplo. Portanto, todo sangramento anal deve ser avaliado por um médico, de preferência proctologista.

O sangramento das hemorroidas costuma ser de pequena quantidade, mas, ser for frequente, pode até levar à anemia .Sangramentos de grande volumes não são comuns nas hemorroidas, mas podem ocorrer em alguns casos.

Um diagnóstico diferencial importante das hemorroidas é a fissura anal. Ambas causam dor e sangramento, porém, o sangramento da fissura costuma ser menor e a dor ao evacuar mais intensa .

Hemorroidas podem virar câncer?

NÃO! HEMORROIDAS NÃO VIRAM CÂNCER! Entretanto, os sintomas podem ser parecidos com os tumores intestinais, principalmente nos cânceres do reto e ânus. Por isso, é importante estabelecer o diagnóstico diferencial, especialmente em pacientes maiores de 50 anos. Reforçando a recomendação: todo sangramento anal deve ser avaliado por um médico.

Diagnóstico das hemorroidas

Nas hemorroidas externas o exame físico é suficiente para o diagnóstico. Nas internas é preciso realizar o toque retal e, caso ainda haja dúvida, a anuscopia (uma mini endoscopia onde se visualiza o reto por vídeo).

Em doentes idosos com sangramento pelo reto, mesmo que se identifiquem hemorroidas, é conveniente realizar a colonoscopia para se descartar outras causas. Como as hemorroidas são muito comuns nesta faixa etária, nada impede que o paciente tenha uma segunda causa para o sangramento, como um câncer do intestino ou um divertículo .

Tratamento das hemorroidas

a. Tratamento não cirúrgico das hemorroidas

Durante as crises, os banhos de assento com água morna, duas a três vezes por dia, podem trazer alívio para os sintomas agudos. Nas grávidas sugerimos compressas úmidas mornas. Deve-se também evitar limpar o ânus com papel higiênico, dando preferência ao bidê ou a jatos de aguá morna.

Nas pessoas com constipação intestinal, laxantes então indicados para diminuir a necessidade de fazer força ao evacuar. A passagem de fezes muito volumosas e endurecidas pode causar lesão nas hemorroidas. Beber bastante água é importante, pois ajuda a umedecer as fezes, diminuindo a constipação.

O aumento do consumo de fibras comprovadamente melhora os sintomas das hemorroidas. Os resultados podem ser notados com apenas 15 dias de mudança da dieta. O uso de suplementos à base de metilcelulose ou psyllium apresenta bons resultados. Atenção, o uso de fibras não trata as hemorroidas, mas ajuda no controle dos sintomas, principalmente a coceira e o sangramento.

Pomadas e cremes para hemorroidas, como o Proctyl ou Xyloproct, podem ser usados temporariamente, já que servem de lubrificante para a passagem das fezes e contém anestésicos em sua fórmula. Algumas pomadas como Ultraproct também contêm corticoides em sua fórmula, que ajudam a diminuir a inflamação. O alívio com cremes ou pomadas é apenas temporário e não se deve usá-los sem orientação médica.

Supositórios com corticoides são outra opção quando há muita dor ou comichão, porém, é um tratamento que não deve ser usado por mais de uma semana devido aos seus possíveis efeitos colaterais .

Dos remédios para hemorroidas em comprimidos, aquele que parece ter melhor efeito é o Daflon. Ainsa assim, ele apenas melhora os sintomas, não trata definitivamente as hemorroidas. Outros remédios, como o Varicell, não apresentam eficácia comprovada.

Evitar alimentos picantes é uma dica muito famosa para quem tem hemorroidas, todavia, não há provas de que a pimenta realmente piore os sintomas. Isto deve ser avaliado individualmente. Há pacientes com hemorroidas que comem pimenta à vontade e não sentem nenhuma piora, enquanto outros juram que um pouquinho de pimenta é suficiente para "irritar" suas hemorroidas.

b. Tratamento cirúrgico das hemorroidas

Se o tratamento não cirúrgico não for suficiente para controlar os sintomas, tratamentos minimamente invasivos podem ser tentados.

Nas pequenas hemorroidas externas com trombos, o tratamento pode ser feito no consultório médico com uma pequena incisão, sob anestesia local, para retirada dos coágulos. Isto é suficiente para o alívio dos sintomas.

Ligadura elástica das hemorroidas


Escleroterapia de hemorroidas
Escleroterapia

 Em casos mais graves, que não conseguem ser controlados com medidas simples, pode ser necessária a laqueação elástica da hemorroida. Uma borracha é introduzida na base das hemorroidas, causando estrangulamento e necrose das mesmas. Depois de alguns dias, geralmente entre dois a quatro, a hemorroida "cai", saindo sozinha pelo ânus junto com o elástico. É uma técnica que pode ser feita no próprio consultório do proctologista. Costuma ser indolor e muitas vezes não se usa nem anestesia. A ligadura elástica está indicada para hemorroidas de grau I e II. Eventualmente pode ser usada em algumas hemorroidas grau III. É a técnica mais usada atualmente e apresenta uma taxa de sucesso de 80%.


Outra opção para o tratamento das hemorroidas é a escleroterapia. Consiste na injeção, através de agulhas especiais, de uma solução química que causa necrose das hemorroidas. A substância causa intensa inflamação e faz com que a hemorroida "seque" e seja absorvida. Uma terceira opção é a coagulação à Laser ou por infravermelho. Das três técnicas, a ligadura elástica é a que apresenta os melhores resultados.

Hemorroidectomia

Se as técnicas pouco invasivas não surtirem efeito, ou se a hemorroida for de grau III ou IV, o tratamento deve ser feito com cirurgia tradicional, chamada de hemorroidectomia. Existem duas técnicas populares: 1. Milligan Morgan ou Ferguson, que é uma cirurgia feita sob anestesia peridural, que remove todo o tecido ao redor da região com doença hemorroidária; 2. Técnica de Longo, que usa um dispositivo para realizar o grampeamento das hemorroidas.

A técnica de Longo é mais moderna e costuma ser mais tolerada pelo paciente, pois seu pós-operatório é bem menos doloroso.

Tratamento das hemorroidas - técnica THD
THD - sonda com doppler e agulha para sutura

THD para tratamento das hemorroidas


Uma nova opção de tratamento para hemorroidas é a desarterialização hemorroidária transanal guiada por Doppler (THD), uma técnica criada em 1995 e aperfeiçoada ao longo dos últimos anos. A técnica consiste na introdução de um pequeno aparelho de doppler (ultrassom) no ânus para identificação das artérias hemorroidarias; através de uma pequena agulha essas artérias são suturadas de modo a reduzir o fluxo de sangue que chega nas regiões onde existem as hemorroidas. Chegando menos sangue, a pressão dentro das hemorroidas diminui, fazendo com elas "sequem".

A técnica THD não tem cortes e o risco de sangramento é muito baixo. O pós-operatório é menos doloroso que nas técnicas com cortes e há baixo índice de recidivas das hemorroidas. O tempo de recuperação é mais curto e o paciente consegue voltar às atividades normais em 48h. O procedimento é feito com anestesia local e uma leve sedação.

O THD é uma técnica relativamente nova e ainda não há trabalhos que comparem sua eficácia a longo prazo com as técnicas mais antigas, porém, a tendência é que se transforme no método de eleição no tratamento das hemorroidas.
Prevenção

Como pode prevenir?

-Aumente as fibras na sua alimentação ( mamão, manga, laranja,abacate, ameixa, alimentos integrais, feijões, castanhas, farinha de aveia, linhaça, germe de trigo,verduras cruas, iogurte actívia e iacult).Não bata as frutas, devem ser consumidas aos pedaços.
-Beba mais líquidos ( 8 a 10 copos por dia).
- Pratique exercícios com frequência, isto melhora a circulação ajudando na evacuação.
-Escolha um horário que não tenha pressa e vá ao banheiro. Não esqueça de evacuar todos os dias.

Tomando estes cuidados, evitará a prisão de ventre , o aparecimento das hemorróidas ou a evolução delas.

Patrícia Brigagão Mendes
Nutricionista

segunda-feira, 20 de agosto de 2012

O que é Gastrite?

 

A gastrite ocorre quando o revestimento do estômago fica inflamado ou inchado.
A gastrite pode durar por pouco tempo (gastrite aguda) ou pode durar de meses a anos (gastrite crônica).

Causas

As causas mais comuns da gastrite são:
  • Determinados medicamentos, como analgésicos e antiinflamatórios, quando tomados por um longo período
  • Beber muito álcool
  • Infecção do estômago com uma bactéria chamada Helicobacter pylori
Adam Esquema do sistema digestivo no corpo humano
As causas menos comuns da gastrite são:
  • Distúrbios autoimunes (tais como anemia perniciosa)
  • Refluxo da bile no estômago (refluxo de bile)
  • Abuso de cocaína
  • Ingestão de substâncias corrosivas (como venenos) ou que causam queimaduras
  • Estresse excessivo
  • Infecção viral, como citomegalovírus e vírus de herpes, principalmente em pessoas com sistema imunológico fraco
Trauma ou uma doença grave e súbita, como uma grande cirurgia, insuficiência renal ou ser colocado em um respirador podem causar gastrite.

Exames

Os exames para diagnosticar a gastrite incluem:
  • Contagem completa de células sanguíneas (CBC) para verificar se há anemia ou poucas células sanguíneas
  • Exame do estômago com um endoscópio (endoscopia)
  • Testes de H. pylori
  • Exame de fezes para verificar pequenas quantidades de sangue nas fezes, o que pode ser um sinal de sangramento no estômago.

Sintomas de Gastrite

Muitas pessoas com gastrite não apresentam sintomas.
Os sintomas que você pode notar são:
  • Perda de apetite
  • Náusea e vômito
  • Dor na parte superior da barriga ou do abdome
Se a gastrite estiver causando sangramento na parede do estômago, os sintomas poderão incluir:
  • Fezes escuras
  • Vomitar sangue ou material semelhante à borra de café

Buscando ajuda médica

Marque uma consulta com seu médico se você tiver:
  • Dor contínua na parte superior da barriga ou do abdômen
  • Fezes escuras ou como piche
  • Vomitar sangue ou material similar à borra do café

Tratamento de Gastrite

O tratamento para a gastrite depende da causa específica. Algumas das causas podem desaparecer com o tempo.
 
Você pode precisar parar de tomar certos medicamentos que possam causar gastrite, mas fale com seu médico primeiro.
Você pode usar outro medicamento de venda livre ou controlada que diminua a quantidade de ácido no estômago, como:
  • Antiácidos
  • Antagonistas H2: famotidina, cimetidina, ranitidina e nizatidina
  • Inibidores da bomba de prótons (IBP) -- omeprazo, esomeprazol, iansoprazol, rabeprazol e pantoprazol
Os antiácidos podem ser usados para tratar a gastrite crônica causada pela infecção pela bactéria Helicobacter pylori.
O resultado depende da causa, mas geralmente é satisfatório.

Complicações possíveis

A perda de sangue e o risco aumentado de câncer gástrico são possíveis complicações.

Prevenção

Evite o uso de agentes irritantes por longos períodos, tais como analgésicos, anti-inflamatórios ou álcool.
Saiba mais
  • Fontes e referências:
  • Kuipers, E. Acid peptic disease. In: Goldman L, Ausiello D. Cecil Textbook of Medicine. 23rd ed. Philadelphia, Pa: Saunders Elsevier; 2007:chap 141.
  • Lee EL, Feldman M. Gastritis and gastropathies. In: Feldman M, Friedman LS, Brandt LJ, eds. Sleisenger and Fordtran's Gastrointestinal and Liver Disease. 9th ed. Philadelphia, Pa: Saunders Elsevier;2010:chap 51.

domingo, 19 de agosto de 2012

Todos os truques para abaixar o colesterol

 

Pequenas mudanças nos hábitos alimentares revertem o aumento das taxas

Ele é como uma faca de dois gumes: é essencial na produção hormonal, mas, em excesso, se transforma em risco à saúde. Certamente você já deve ter sido alertado sobre os perigos de não controlar as taxas de colesterol, esse, muitas vezes, incompreendido.

O cardiologista e nutrólogo do Hospital do Coração, Daniel Magnoni, explica que, quando os níveis estão acima do indicado, as frações da gordura ficam mais disponíveis na circulação. Entre estas frações, encontra-se o LDL, considerado como colesterol ruim. Ele se deposita na parede interna das artérias e inicia o processo de acúmulo de gorduras, levando ao entupimento das veias.
Os excessos podem ser gerados por duas razões: fatores genéticos ou hábitos alimentares errados. O que acontece é que cerca de 70% do colesterol produzido vem do fígado.

 
Controle o colesterol
Ambos os casos podem ser revertidos com alguns acertos no menu diário. O especialista explica que, quando as calorias da dieta são ultrapassadas, o organismo passa a armazená-las para um eventual período de falta. Esse armazenamento é feito em forma de colesterol.

Se você detectou que suas taxas de colesterol estão acima do recomendado, ou ainda, se quer evitar o aumento perigoso à saúde do coração, alguns truques precisam ser colocados em ação.

Troque as versões integrais pelas desnatadas
A recomendação está relacionada aos alimentos de origem animal, devido à grande quantidade de gordura saturada que apresentam. Na lista dos campeões neste tipo de gordura estão queijos amarelos, leite integral, carnes gordas e pele de aves como frango.

De acordo com a responsável pela equipe nutricional do MinhaVida, Roberta Stella, a melhor opção para controlar os níveis da gordura é trocar os queijos amarelos pelos brancos, o leite e seus derivados pelas versões desnatadas, e as carnes gordas pelas magras. Hoje em dia, já é possível encontrar nas prateleiras iogurtes com 0% de gordura , lembra.

O que isso tem a ver com as taxas de colesterol? Tais alimentos estão relacionados com o aumento das taxas de colesterol ruim, o LDL. E assim como a gordura saturada, o colesterol também está presente nos alimentos de origem animal. Seria como matar dois coelhos numa cajadada só. Além dos alimentos listados acima, é importante evitar o consumo de manteiga, gema de ovo e banha de porco , ressalta Roberta. Atente também às preparações que contam com tais ingredientes, como bolos e tortas.

Maneire nas carnes
O alerta é redobrado aos bifes de carne vermelha porque eles são os que apresentam uma quantidade maior de colesterol, especialmente cortes que levam mais gordura. Porém, isso não significa que elas devem ser totalmente excluídas do menu.

Controlando a ingestão dos outros alimentos fontes de colesterol, é possível ingerir carne vermelha até três vezes por semana , tranqüiliza a especialista.

O fato de as carnes vermelhas oferecerem mais colesterol, no entanto, não faz com que os outros tipos de carnes possam ser consumidos à vontade. De acordo com Roberta, as carnes brancas e magras também possuem colesterol e, por isso, devem ser dosadas. Os alimentos que contêm colesterol devem ser monitorados de uma forma geral. Leve em conta que o total da gordura obtido em um dia deve ser menor que 300 mg , completa.

Retirar a gordura visível das carnes é mais um conselho da nutricionista do MinhaVida para ficar de olho no colesterol colocado no prato. Isso faz com que a quantidade de colesterol se reduza. Cem gramas de contra-filé grelhado com gordura contêm 144 mg de colesterol. Sem a gordura, a quantidade diminui para 102 mg , exemplifica. Quando optar por carnes brancas como frango, retire a pele. Cem gramas de peito de frango com pele contêm 80 mg de colesterol. Sem a pele, o valor passa a ser 59 mg , compara a nutri.

Controle a ingestão de biscoitos recheados
Você deve ficar de olho não só nas bolachas doces, mas em todos os produtos que levam gordura trans em sua composição. A indústria alimentícia utiliza a gordura hidrogenada na preparação de alguns produtos. A gordura hidrogenada, por sua vez, apresenta gordura trans , diz a nutricionista. O perigo do ingrediente é o mesmo que o da gordura saturada. Ou seja, ela influencia no aumento das taxas de LDL.

Na hora das compras, verifique a porcentagem de valor diário (%VD) no rótulo dos alimentos. Valores de %VD acima de 20 são considerados altos. Opte por aqueles que apresentam números inferiores de gorduras saturadas, trans e colesterol , dá a dica a especialista.

Lance mão dos óleos vegetais
Na luta para abaixar os níveis de colesterol, em vez de apenas restringir o consumo dos vilões, você pode recorrer à ajuda de alguns mocinhos. O óleo de canola e o azeite de oliva são bons exemplos de alimentos que você deve incluir na dieta. Segundo Roberta, as gorduras monoinsaturadas presentes nos dois tipos de óleos vegetais ajudam a reduzir as taxas de LDL, colesterol maléfico.

Já os óleos vegetais ricos em gorduras poliinsaturadas, como o de soja, girassol e milho, aumentam os níveis de HDL, considerado como bom colesterol. A dica da especialista, portanto, é, além de ficar de olho na quantidade de gorduras saturadas e trans, dar preferência aos alimentos com maior quantidade de gorduras mono e poliinsaturadas. Outras opções de alimentos ricos nas gorduras que somam pontos positivos na luta contra as taxas de colesterol são os peixes.

Corte as frituras da sua rotina alimentar
Roberta explica que, apesar do que se pensa, os alimentos fritos não influenciam diretamente no aumento de colesterol, a não ser que tenham sido produzidos com gordura de origem animal, como banha de porco. Porém, quando superaquecidos, os óleos sofrem mudanças nas estruturas das moléculas. Assim, o efeito que eles possuem de aumentar o HDL fica neutralizado , esclarece a especialista do Minha Vida. Mesmo quando preparadas em óleos vegetais, as frituras não são aconselháveis para quem quer controlar os níveis de colesterol sanguíneo.

Além deste fator apontado por Roberta, ela lembra que o superaquecimento e reaproveitamento dos óleos formam substâncias que modificam o cheiro e a textura deles. A acroleína, por exemplo, é uma substância que irrita a mucosa intestinal , cita ela. Prefira sempre os assados e cozidos, mas não esqueça de dar atenção também ao tipo de alimento ingerido , completa.

Pratique exercícios físicos
Os exercícios também entram em ação na luta contra o colesterol elevado. O especialista do HCor esclarece que, ao suar a camisa, você utiliza suas reservas energéticas, ajudando na diminuição de gordura corporal e, conseqüentemente, na baixa do colesterol sanguíneo.

Fonte: Msn

Exercícios combatem osteoporose na menopausa



Especialistas descobrem alternativa para quem prefere evitar reposição hormonal.


Não é só para retardar os sinais do tempo que os exercícios físicos valem na menopausa. Duas horas de treino por semana são antídoto contra a osteoporose, problema típico das mulheres que deixam de ovular. A Sociedade de Endocrinologia, nos Estados Unidos, reuniu um grupo de mais de 1,2 mil mulheres na pré-menopausa. Entre elas, 58 foram instruídas a seguir um programa de práticas físicas depois de serem submetidas a uma série de exames que avaliaram a densidade dos ossos.

Os estudiosos já sabiam que exercícios eram capazes de diminuir os níveis de esclerostina, substância que inibe a formação e o fortalecimento da estrutura óssea. A novidade é que, com apenas duas horas por semana, as pacientes tiveram uma queda na produção deste hormônio, além do aumento dos níveis de IGF-1, que melhora a saúde dos ossos. Para os pesquisadores, a maior vantagem da descoberta é oferecer uma solução simples, rápida e barata para o problema dos ossos durante a menopausa.

Alimentação combate efeitos da menopausa
Ondas de calor, ansiedade, insônia e irritabilidade são sintomas temidos por todas as mulheres que estão entrando na menopausa. Mas, ainda que sejam comuns, não é preciso conviver com eles e as refeições são aliadas no combate a tais desconfortos.

Protegendo os ossos
Alimentos repletos de cálcio podem ajudar na preservação dos ossos, já que a osteoporose é uma consequência comum da menopausa. "Vegetais verdes, leite e derivados auxiliam a manter os índices de cálcio no organismo - a absorção do mineral é prejudicada com a diminuição do estrogênio, na menopausa", afirma a nutricionista Roseli Rossi, da clínica Equilíbrio Natural.

Dando uma força para o cérebro
A queda da atenção e da memória é uma das reclamações constantes. Para evita-la, é importante comer alimentos que tenham selênio. "Nesse caso, a castanha do Pará é altamente indicada já que também possui antioxidante e fortalece as funções cerebrais".

Diminuindo as ondas de calor
O mais conhecido efeito da menopausa é provavelmente também o mais desagradável. Mas até mesmo para ele existe um elemento que pode ajudar: os óleos vegetais. Para consumi-los, investir em sementes é uma boa solução. Para aumentar a sensação de bem-estar, o ideal é complementar as refeições com ovos, grãos e cereais integrais.

Fonte: Msn

Dieta enriquecida com azeite de oliva previne a osteoporose


Pesquisa conseguiu relacionar o consumo do óleo ao aumento de substâncias que fortalecem o esqueleto.


Os europeus são apaixonados por comida, e isso não é novidade para ninguém. Mas, além de serem referência na culinária, eles podem também se tornar exemplo de saúde. Pesquisadores americanos descobriram que a dieta adotada pelas pessoas que vivem nas proximidades do mar Mediterrâneo pode proteger os ossos, graças às doses diárias de azeite de oliva que consomem. É o que a Sociedade de Endocrinologia Americana percebeu ao observar por dois anos os hábitos de 127 homens entre 55 e 80 anos moradores da região.

A base da dieta Mediterrânea é composta por frutas, vegetais, oleaginosas (amêndoas, castanhas), peixes, sempre complementada com azeitonas e azeite de oliva. Para esta pesquisa, foram elaborados três cardápios: um de dieta Mediterrânea com várias sementes e oleaginosas, outro de dieta Mediterrânea com azeite de oliva virgem e uma dieta de baixa caloria. Ao longo dos dois anos, exames de sangue avaliaram os níveis de osteocalcina, glicose, colesterol e triglicérides em todos os homens.

A descoberta foi que, apenas na dieta que continha azeite, os índices de osteocalciona e outros formadores de ossos cresceram consideravelmente. Além disso, os níveis de cálcio não diminuíram no segundo grupo, enquanto nos outros dois aconteceu o contrário. Para os pesquisadores, a dieta saudável pode estar relacionada com os baixos índices de osteoporose na região. Os médicos afirmam que o azeite de oliva é capaz de prevenir a doença e fortalecer os ossos ao longo da vida. A perda de massa óssea também pode aumentar o risco de fratura em homens e mulheres.

A boa notícia é que não é necessário morar nas redondezas do mar mediterrâneo para obter os benefícios do azeite de oliva. Além disso, o consumo do alimento, na forma in natura e extra-virgem, traz muitas vantagens para a sua saúde, além da proteção e fortalecimento do ossos que foi comprovada pelos pesquisadores norte-americanos. Confira logo abaixo quais são eles:

Ajuda a emagrecer
Quando combinado a uma dieta balanceada, o azeite pode ser um aliado na hora de manter o peso. Estudo publicado na revista Diabetes Care, da Associação Americana de Diabetes, aponta que a ingestão diária do alimento em quantidades moderadas evita gordurinhas indesejadas na barriga.

Combate o câncer
Repleto de antioxidantes (principalmente ácidos graxos), o azeite pode ajudar a prevenir o câncer atuando como um poderoso anti-inflamatório. Como explica a nutricionista Fabiana Sigrist, "os ácidos graxos contribuem para que as pessoas tenham menos processos que podem estar relacionados a alguns tipos de câncer".

Regula o colesterol
Os ácidos graxos do azeite não têm papel apenas na hora de prevenir o câncer. A gordura monoinsaturada que os compõe melhora bastante os níveis de gordura no sangue. "A ação é principalmente no sentido de aumentar o colesterol HDL e diminuir o LDL", resume a nutricionista.

Estimula as funções do cérebro
Além de serem importantes no combate ao câncer e no equilíbrio do colesterol, os antioxidantes auxiliam o cérebro contra a sua degeneração. A descoberta foi feita durante um estudo na Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos que avaliou o poder desse tipo de nutriente durante cinco anos. O azeite também pode ajudar a estimular e potencializar as funções cerebrais.

Fonte; msn

quarta-feira, 15 de agosto de 2012

Como ficar bem!

Cintura sem gordura
A cintura enxuta preocupa homens e mulheres - elas querem medidas finas, enquanto eles querem distância da barriga.  A ingestão diária de duas colheres de sopa de azeite pode ajudar a diminuir o acúmulo de gordura abdominal. "As gorduras monoinsaturadas presentes do azeite evitam o acúmulo de gordura abdominal", diz.

Além disso, o chá de hortelã, o chá verde e o chá mate também são ótimas pedidas quando o assunto é afinar a cintura. "Eles ajudam o organismo a digerir gorduras e têm efeito termogênico, contribuindo para o emagrecimento", afirma o especialista.

Pele firme

A flacidez nos braços, pernas e bumbum não incomoda só o toque, mas também a aparência. O problema tem fim com uma receita combinada de exercícios e alimentos que estimulam a produção e colágeno. O nutrólogo Roberto Navarro, da Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN) explica que a ingestão de proteínas, como carne, leite e ovos, está na lista de cuidados que favorecem a rigidez da pele. Além das proteínas, a ingestão de frutas secas, chá verde, uvas e até chocolate amargo contribuem no combate a flacidez. "Eles são ricos em flavonoides, substâncias com poder antioxidante e anti-inflamatório, que combatem os radicais livres e ajudam na produção de colágeno".

Elimine a gordura localizada
Aquelas gordurinhas que sobram no abdômen denunciam que faltou cuidado com a dieta e os exercícios. "Na maioria das vezes, este acúmulo de gordura vem da ingestão de carboidratos simples, presentes em pães, massas, doces, refrigerantes, e bebidas alcoólicas". Se você quer se livrar da gordura localizada, alimentos como peixes, frutas vermelhas e abacate podem ajudar. "Eles possuem substâncias que dissolvem a gordura localizada e aceleram a perda de medidas".


Passando uma borracha na celulite

Apesar de mais comum nas mulheres, a celulite também atrapalha os homens e indica que mudanças urgentes na dieta precisam ser feitas.  As inflamações causadoras da celulite normalmente são resultado da ingestão de gordura trans, gordura saturada, sal, alimentos industrializados, carboidratos refinados e açúcar. "Por outro lado, alguns nutrientes podem ajudar o organismo a combater essas inflamações e estimular a produção de substâncias capazes de eliminar as marcas". Aveia, lima da pérsia e maçã são alguns dos alimentos que,  estimulam o sistema linfático e ajudam na reorganização das fibras de sustentação da pele, desintoxicando o organismo das inflamações e renovando a pele.

Sem estrias
As estrias são difíceis de tratar, porque são cicatrizes que se formam quando há um estiramento muito intenso das fibras da pele, que se rompe. "Existem tratamentos capazes de melhorar o aspecto das lesões, mas não as estrias em si", afirma o dermatologista Mario. "O ideal é investir em hábitos saudáveis, fortalecendo a pele e prevenindo o surgimento de novas cicatrizes". O efeito sanfona e o crescimento repentino são as principais causas das estrias, mas algumas pessoas têm a pele mais sensível ao problema e apresentam marcas mesmo sem ter passado por nenhuma das duas situações. Para aproveitar esse benefício, mantenha seu corpo sempre hidratado e consuma alimentos ricos em vitamina D e zinco. "A vitamina estimula a produção de colágeno, renovando a pele, e o zinco tem ação cicatrizante", afirma o especialista.

Fonte: Msn



domingo, 12 de agosto de 2012

Feliz dia dos Pais!


Uma receita gostosa para fazer no almoço dos Pais!


Picanha na Grelha

Bifes de picanha temperados com Gril MAGGI®
Ingredientes


    • 1 e meia xícara (chá) de shitake (cerca de 200g)
    • 1 picanha pequena (cerca de 1,2 quilos)
    • 1 colher (sopa) de MAGGI® Gril
    • 1 e meia xícara (chá) de minicebola (cerca de 200g)
    • 1 e meia xícara (chá) de batatas bolinhas cozidas (cerca de 200g)
    • 1 abobrinha em rodelas
    Modo de Preparo

    Retire os cabinhos dos shitakes. Coloque-os de molho em água por cerca de 20 minutos. Escorra a água, pique e reserve. Em uma grelha, doure a picanha e polvilhe o Gril MAGGI. Vire-a várias vezes, até atingir o ponto desejado. Na mesma grelha, doure o shitake, as minicebolas, as batatas e a abobrinha . Sirva acompanhado da picanha.
    Dica:
    A picanha também pode ser servida em tirinhas, como tira-gosto

    Nhoques recheados

    Bolinhos de mandioquinha recheadas com frango desfiado e com molho de tomate
    Ingredientes

  • Massa



  • Recheio

    • 1 colher (sopa) de óleo
    • meia cebola ralada
    • 300 g de peito de frango cozido desfiado sem sal
    • 1 tablete de MAGGI® Caldo de Galinha Caipira
    • 500 ml de molho de tomate de sua preferência
    • queijo parmesão ralado para polvilhar
    Modo de Preparo

    Massa:
    Em uma tigela, junte a mandioquinha com o ovo levemente batido, o queijo parmesão ralado e o caldo maggi. Misture bem até ficar uma massa uniforme.
    Em uma panlea aqueça o óleo e refogue a cebola. JUnte o frango desfiado e o caldo Maggi. Cozinhe por dois minutos e deixe esfriar. Modele pequenas porções da massa, recheie com o frango e feche as bolinhas. Cubra com o molho de tomate e queijo ralado. Leve ao forno para gratinar.
    Fica uma delícía!
    Fonte: Nestlé

    sábado, 11 de agosto de 2012

    Impacto do Cromo no Ganho de Massa Muscular

    Testosterona é um hormônio extremamente anabólico que encoraja o ganho de massa muscular; cortisol é um hormônio extremamente catabólico que encoraja a quebra da massa muscular. O cortisol compete com a testosterona dentro das células musculares usando os receptores e assim limitando a ação da testosterona.
    A resistência à insulina também é um efeito negativo do cortisol, altos níveis de cortisol fazem com que os músculos fiquem menos sensitivos à insulina. A insulina é importante para permitir a entrada de carboidratos, aminoácidos e outros nutrientes importantes(como a creatina), dentro da célula muscular. Este hormônio também tem um papel chave no processo da síntese protéica.

    A insulina se liga aos receptores que ficam nas células musculares e o cortisol faz com que justamente este receptores se tornem menos receptivos à insulina, em outras palavras, ele previne que várias substâncias essenciais para a hipertrofia entrem no músculo de forma adequada e ainda prejudica a síntese protéica. Resumindo: a ação do cortisol limita o crescimento muscular e estimula a quebra de massa muscular. Como se não fosse suficiente, o cortisol ainda faz o corpo produzir uma quantidade maior(e desnecessária) de insulina, o que pode levar ao acúmulo de gordura.

    Por sorte, existe uma maneira simples para ajudar a controlar o cortisol: fazer o uso adequado do cromo. O cromo é um mineral essencial que é mais conhecido pela sua habilidade de encorajar a perda de gordura e ajudar os tecidos do corpo a extrair os nutrientes da corrente sanguínea com mais facilidade, ajudando os efeitos da insulina. Existe evidências de que o cromo pode diminuir os níveis de cortisol e obviamente diminuir os efeitos negativos deste hormônio.

    Aumentar a sensibilidade à insulina é outra função importante do cromo. Ele interage diretamente com os receptores de insulina nos músculos, permitindo-os responderem melhor ao hormônio. Isto resulta em um maior ganho de massa muscular, devido ao aumento de nutrientes importantes como proteína, carboidratos entrando nos músculos com maior facilidade.

    Um grupo de pesquisadores britânicos conduziram um estudo onde as pessoas envolvidas suplementaram com cromo ou placebo por 7 a 9 dias. Antes e após a pesquisa, cada pessoa fez um teste que elevava os níveis de cortisol. Os resultados mostraram que as pessoas que tomaram o cromo, produziram menos cortisol comparado com as pessoas que usaram o placebo. Como sabemos, treinar eleva os níveis de cortisol e o cromo pode ser usado neste caso.

    Fontes Naturais de Cromo
    Brócolis, uva, tomate, queijo, pimenta, alguns cogumelos, grãos integrais, levedura de cerveja e alguns tipos de carne. O cromo também pode ser suplementado através do picolinato de cromo.

    Fonte: Hipertrofia.org

    quinta-feira, 9 de agosto de 2012

    Fracionar o treino é mais eficaz para baixar a pressão

    Pesquisa constatou que malhar 10 minutos três vezes ao dia é melhor do que cumprir uma sessão de meia hora.




    “A cada 4 anos, as Olimpíadas estimulam as pessoas a se exercitarem”, afirma Glenn Gaesser, professor de educação física e diretor do Centro de Pesquisas de Estilo de Vida Saudável da Universidade do Estado do Arizona (EUA), que dirigiu um novo estudo sobre exercícios físicos e hipertensão que foi, em parte, inspirado nos Jogos Olímpicos de Londres.

    “As ruas e academias ficam repletas de pessoas que, estimuladas por histórias de sucesso das Olimpíadas, praticam corrida ou treinam por uma hora ou mais”, diz Gaesser.

    Dentro de algumas semanas, porém, a maioria terá abandonado os exercícios e retomado a vida sedentária.

    Caminhada contra a hipertensão: fazer 3 sessões de 10 minutos ao dia pode ser mais eficaz do que meia hora seguida“Nós quisemos verificar se existiam abordagens da prática de exercícios que se adequassem mais facilmente ao estilo de vida das pessoas, mas continuassem sendo eficazes em termos de melhora da saúde”, conta o pesquisador.

    Especificamente, o cientista esperava determinar se a divisão dos exercícios em pequenas sessões possíveis de praticar, realizadas ao longo do dia, produziria um resultado tão bom quanto uma sessão longa e contínua de exercícios.
    Assim, ele e seus colegas reuniram um grupo de voluntários adultos. Todos estavam saudáveis de um modo geral, não fosse pelos sintomas iniciais de pressão arterial alta, doença chamada de pré-hipertensão.

    A pressão arterial alta é certamente um dos principais fatores de risco para doenças cardíacas e acidente vascular cerebral , e a pré-hipertensão é um dos principais fatores de risco para a pressão arterial alta propriamente dita.

    A pré-hipertensão é conhecida por responder bem à atividade física. Muitos estudos sobre exercícios e pressão arterial aplicaram sessões de exercícios moderadas, com duração de aproximadamente 30 minutos seguidos, padrão geralmente recomendado para melhorar a saúde.

    Gaesser, porém, pediu a seus voluntários que caminhassem rapidamente, com intensidade de aproximadamente 75% da frequência cardíaca máxima, durante 10 minutos, três vezes ao dia. As sessões ocorriam às 9h30, 13h30 e 17h30.

    Aprenda a calular a sua frequência cardíaca máxima

    Em outro dia, os voluntários completaram uma sessão supervisionada de 30 minutos de caminhada rápida no período da tarde e, no último dia, não realizaram exercício algum.

    Todos usaram braçadeiras que monitoravam continuamente a pressão arterial por um período de 24 horas.

    Constatou-se que a prática de exercícios ajudou a controlar a pressão arterial, mas o treino dividido em três sessões curtas foi significativamente mais eficiente que uma sessão única de meia hora.

    “O exercício fracionado levou a leituras médias de pressão arterial inferiores ao longo de 24 horas”, relata Gaesser.

    Ele também resultou em uma 'carga' de pressão arterial inferior ou em um número menor de incidentes durante o dia, quando a pressão arterial do voluntário atingia picos superiores a 140/90.

    Baixar a pressão sanguínea é importante, observou o cientista, pois uma 'carga' relativamente alta indica que a pessoa está propensa a desenvolver a pressão arterial alta propriamente dita. O cientista acredita que, de um modo geral, os resultados “são realmente animadores”.

    “Para as pessoas que acham que a prática de 30 minutos de exercícios é muito difícil ou ocupa muito tempo, podemos dizer: ‘faça apenas 10 minutos três vezes ao dia’. Por outro lado, caso alguém seja tentado a desprezar meros 10 minutos de caminhada por ser muito pouco para trazer benefícios, parece claro que dividir os exercícios é, na realidade, mais eficaz, ao menos para controlar a pressão arterial, do que uma sessão de 30 minutos.”

    O trabalho de Gaesser junta-se ao pequeno mas convincente conjunto de estudos científicos que sugere que sessões de exercícios curtas e cumulativas são significativamente benéficas para vários fins. Um estudo publicado ano passado no periódico PLoS One, por exemplo, descobriu que sessões repetidas de corrida ou outras atividades físicas com duração de apenas 5 minutos cada, reduziram, em crianças e adolescentes, os riscos de ter um nível alto de colesterol LDL (o colesterol 'ruim'), cintura larga e leituras de pressão arterial acima da média, na mesma proporção que sessões mais longas.

    Outros estudos descobriram que praticar exercícios de forma esporádica ao longo do dia ajuda a controlar o peso, particularmente em mulheres mais velhas. Em alguns estudos pequenos, essa prática também ajudou a melhorar, tanto quanto um treino único e longo, a capacidade aeróbica de pessoas que antes eram sedentárias e, enquanto programa de exercícios, estava mais propensa a ser mantida ao longo do tempo. Exercícios fracionados, no entanto, têm suas limitações.

    “Você não conseguirá participar de uma Olimpíada.Você será mais saudável, mas não será um atleta”, afirma Gaesser.

    Gaesser e seus colegas estão examinando agora se sessões de exercícios cada vez menores podem ajudar a controlar a pressão arterial e outras medições de saúde.

    “Estamos tentando descobrir se dois minutos de caminhada realizada 15 vezes ao dia são eficientes. Um empenho que, implicitamente, revela mais do que talvez desejemos sobre as atitudes das pessoas em relação à atividade física”, afirma o pesquisador. Entretanto, ele acredita que os resultados iniciais são promissores.

    * Por Gretchen Reynolds

    Fonte: IG

    quarta-feira, 8 de agosto de 2012

    Lanches pré e pós malhação




    Bem alimentado, seu corpo responde melhor aos exercícios. O resultado você vê no espelho: as gordurinhas somem rapidinho e os músculos aparecem.



    O segredo está no lanche

    Corrida e musculação, de segunda a sexta, durante um ano e meio. Mas os três últimos quilinhos extras continuavam ali, intocáveis. E olha que Isabel Villela, 31 anos, maneirava no garfo. “Queria perder as gordurinhas acumuladas no abdômen e deixar os músculos em evidência”, conta a administradora de website. Essa história só teve um final feliz quando ela foi orientada por uma nutricionista a mudar o hábito de ir para a academia com mais de quatro horas de jejum. “Passei a comer um lanche leve — suco, torrada ou biscoito salgado —, uma hora antes do treino. Foi o suficiente para me sentir mais disposta. Isso melhorou minha performance e acelerou meu metabolismo. Em dois meses, finalmente, vi minha barriga secar”, comemora.

    O exemplo de Isabel mostra que um lanchinho pré-treino pode ser o detalhe que falta para você perder mais rápido as dobrinhas que estão sobrando e ganhar músculos. “Sem glicogênio (a energia vinda dos carboidratos), o corpo tem mais dificuldade de queimar gordura. Pior, rouba proteína da massa magra para usar como combustível. E aí lá se vai o músculo e a gordura fica”, diz Cibele Crispim, da RGNutri Consultoria Nutricional, em São Paulo (SP). Além disso, existe o risco de hipoglicemia (baixa de açúcar no sangue), que provoca tontura e até desmaio. Mas não é qualquer alimento que resolve. Dependendo do intervalo que você tem entre comer e treinar, deve priorizar alguns nutrientes e dispensar outros, buscando melhorar o rendimento. “Até uma hora e meia antes do treino, coma proteína (ovo, atum, peito de peru), importante para a recuperação e a manutenção dos músculos, e carboidrato (pães e biscoitos integrais e frutas), que faz com que o organismo consuma açúcares e gordura durante o exercício”, explica Alessandra Caviglia, nutricionista da Companhia Athletica, em São Paulo.

    Só dá para você comer uma hora antes do exercício? Então fique apenas com o carboidrato e dispense a proteína. Caso esse intervalo seja ainda menor (de 40 a 30 minutos) prefira biscoitos e pães refinados — eles ficam menos tempo no estômago e garantem a energia necessária para malhar. “A proteína tem uma digestão mais demorada e, ingerida perto da aula, pode causar mal-estar, atrapalhando o desempenho”, diz Cibele. É por isso que aquele inocente iogurte consumido no caminho da academia parece brincar de vaivém durante a aula.

    Porém, terminado o treino, a proteína volta a ser bem-vinda. “O ideal é consumi-la na primeira hora após a aula, quando as fibras musculares, que sofreram microlesões durante o exercício, começam a se regenerar”, diz Cibele. Uma nova dose de carboidrato também é fundamental. “Ele vai ajudar o corpo a se recuperar do desgaste, poupando novamente o músculo”, completa a nutricionista, que, a seguir, recomenda vários lanchinhos para você comer antes e depois de malhar e — como Isabel (a administradora de website) — melhorar a performance e o resultado no seu corpo.

    Barriga cheia pesa
    Se você costuma se exercitar após o almoço ou o jantar, faça uma refeição leve e espere no mínimo duas horas. “É importante que o tempo entre comer e treinar seja suficiente para o alimento ser digerido e absorvido, evitando desconforto e garantindo reservas de glicogênio para os músculos”, explica Antonio Herbert Lancha Júnior, professor de nutrição da Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo. Ou seja, se você fizer uma refeição equilibrada em carboidrato, proteína e gordura de boa qualidade, vai ter combustível suficiente para malhar. O lanchinho pré-treino só será necessário se você estiver mais de 4 horas sem comer. Já a água é importante a qualquer momento — antes, durante e depois do exercício — para hidratar o corpo e manter a temperatura equilibrada.

    2 horas de malhação
    Sempre que você emendar os exercícios aeróbicos aos de musculação, ultrapassando duas horas de treino, faça um pequeno lanche entre uma atividade e outra. “Depois de uma hora malhando, os estoques de glicogênio baixam drasticamente, comprometendo o rendimento físico e as reservas do músculo. Por isso a necessidade de repor energia no meio do treino”, diz Cibele. Claro que se você pretende perder peso não deve exagerar: 1 banana, 1 biscoito light ou 1 bebida isotônica é o suficiente.

    Se quiser, troque...
    * 1 iogurte desnatado por 1 pote de coalhada.

    * 1 fatia de queijo branco magro por 1 fatia de ricota, 3 col. (sopa) de queijo cottage, 2 col. (sopa) de cream cheese light ou 2 Polenguinhos Light.

    * 1 fatia de pão de fôrma light por 1 fatia de pão integral light, 1/2 pão francês, 1 pão sírio pequeno, 2 bisnaguinhas.

    * 1 fatia de peito de peru por 1 fatia de blanquet de peru, 4 col. (sopa) de atum conservado em água, 3 fatias de rosbife ou 3 unidades de kani kama.

    * 1 fatia de bolo simples por 3 biscoitos de maisena ou 2 biscoitos de leite.

    * 3 col. (sopa) de aveia por 2 col. (sopa) de granola ou 2 col. (sopa) de müsli.


    Fonte: Boa Forma

    segunda-feira, 6 de agosto de 2012

    Bolo de Chocolate geladinho light


    Ingredientes
    •1 1/2 xícaras de farinha
    •1 colher (sopa) de adoçante Zero Cal
    •6 claras batidas em neve
    •2 gemas
    •6 colheres (sopa) de chocolate em pó sem açúcar bem cheias
    •1 colher de fermento
    •1 xícara de leite morno


    Cobertura:
    •3 colheres de chocolate em pó
    •1 e 1/2 xícaras de leite desnatado
    •1 colher (chá) de adoçante
    •2 colheres de amido de milho

    Modo de Preparo
    1. Bata as claras em neve
    2. Sem parar de bater acrescente as gemas e o adoçante
    3. Bata até ficar uniforme
    4. Acrescente a farinha, o leite, o fermento e o chocolate, bata mais
    5. Coloque em um refratário e leve ao forno por aproximadamente 30 minutos, à 250°
    6. Coloque em uma panela os ingredientes da cobertura até obter a fervura
    7. Cubra o bolo e leve para a geladeira.


    Fonte: Tudo Gostoso

    domingo, 5 de agosto de 2012

    Vamos ajudar as crianças a comerem melhor?

    Olhem que receitas interessantes para preparem para seus filhos!

    Porco Espinho de melão com frutas




    Cogumelos de ovos, tomate ,
    maionese e alface



    Ratinhos de ovos, cenoura, alface e azeitonas pretas

    sábado, 4 de agosto de 2012

    Cardápios de lanches saudáveis para crianças

    Que tal variar os lanches de seu filho? Seguem abaixo algumas sugestões:

    Semana 1
    • 2 muffins
    integrais
    • 1 tangerina
    • 1 iogurte líquido

    • 5 biscoitos de
    aveia
    • 1 caixinha de
    suco de frutas
    sem açúcar
    • 1 queijinho
    processado

    • 2 fatias de pão de
    forma integral
    com doce de leite
    • 1 caixinha de
    suco de frutas
    com soja
    • palitinhos de
    cenoura

    • 1 porção de
    palitinhos
    integrais de
    queijo com
    gergelim
    • 1 caixinha de
    água de coco
    • 1 banana

    • 1 fatia de bolo de
    laranja sem
    recheio e sem
    cobertura
    • 1 caixinha de
    bebida láctea
    achocolatada
    • 1 maçã

    Semana 2
    • 1 pão de queijo
    grande
    • 1 caixa de “leite”
    de soja com
    sabor
    • 1 potinho com
    uvas

    • 4 cookies de soja
    sabor chocolate
    • 1 caixinha de
    suco de uva sem
    açúcar
    • 1 queijinho
    processado

    • 1 caixinha de
    cereais matinais
    com fibras
    • 1 iogurte
    • gomos de laranja

    • 1 pãozinho
    integral com
    requeijão
    • 1 caixa de água
    de coco
    • 1 bananinha
    passa coberta
    com chocolate

    • 1 bolinho integral
    • 1 pêra
    • 1 caixinha de
    bebida láctea
    achocolatada

    Semana 3
    • 1 pão de cenoura
    com requeijão
    • 1 leite com
    achocolatado
    • 1 maçã

    • 1 bolo simples ou
    um muffin
    • 1 suco de frutas
    • 1 queijinho
    processado

    • 1 pão integral
    com queijo prato
    • 1 chá
    • 1 bananinha

    • 1 goiabinha
    • 1 vitamina de
    frutas com leite
    • 1 cacho de uva

    • 1 pão de centeio
    com creme de
    avelã
    • 1 suco de frutas
    • 1 banana

    O lanche escolar ideal para seu filho

    Nutricionistas explicam o que não pode faltar na lancheira da criança, quais produtos são pouco indicados e sugerem um cardápio para três semanas.
    Segundo a Organização Mundial de Saúde, uma dieta saudável passa por cinco pontos: amamentar o bebê durante os seis primeiros meses de vida, comer alimentos variados, ingerir muitos vegetais e frutas, moderar na quantidade de gorduras e óleos e evitar sal e açúcar. Parece fácil, mas estes hábitos devem ser desenvolvidos desde a infância – de preferência, começando pelo que seu filho leva na lancheira.

    LANCHE INDICADO

    O lanche escolar é uma refeição intermediária, que serve para dar energia à criança entre duas refeições principais. O ideal é que ele contenha uma porção de carboidratos, para fornecer energia; uma porção de lácteos, que tem proteínas; uma porção de frutas ou legumes, responsáveis pelas vitaminas, fibras e minerais; e uma bebida, para hidratação.



    Tricia Vieira / Fotoarena

    O lanche indicado contém fibras, frutas e laticínios

    LANCHE CONTRAINDICADO

    Do outro lado, pães brancos, refrigerantes, salgadinhos – especialmente os fritos – e confeitos desequilibram a balança. Apesar de fornecerem energia, estes alimentos contêm pouco além das chamadas “calorias vazias”. “Nutricionalmente, eles são só sal e gordura”, alerta a nutricionista Rosana Perim, do Hospital do Coração, em São Paulo.




    Tricia Vieira / Fotoarena

    No lanche contraindicado, frituras, corantes e refrigerante.

    Como equilibrar a equação?


    É claro que a maioria das crianças prefere abrir a lancheira e encontrar batatinhas fritas, chocolate e refrigerante. Já os pais gostariam que elas comessem um bolo integral, uma fruta e um suco. Para equilibrar essa equação, a nutricionista e consultora Cynthia Striebel, que há 14 anos desenvolve um projeto de educação alimentar escolar em Porto Alegre, sugere a negociação. “Seu filho quer levar algo não muito nutritivo? Eventualmente, isso não é um problema. Negocie com ele um dia da semana para este lanche e, nos outros dias, as frutas, cereais e o leite”, exemplifica.

    Rosana Perim concorda. “Não precisa proibir o chocolate. Basta saber equilibrar”, diz ela. Outra dica é incluir as crianças no processo de comprar e preparar o lanche. Vale levá-las ao mercado ou à feira, explicar porque você escolhe aqueles alimentos e como aquilo vai fazer bem a elas.


    Nem todas as mães têm o tempo necessário para assar um bolinho integral ou preparar um suco natural para o lanche do filho antes de sair de casa pela manhã. Por isso, não se desespere se tiver de recorrer aos industrializados. Hoje, os supermercados oferecem opções razoavelmente saudáveis, basta saber escolhê-las.

    No caso dos biscoitos, procure aqueles com as menores quantidades de gordura e de açúcar possíveis. Bolinhos com recheio e cobertura devem ser evitados, pois geralmente contêm gordura trans – vale observar também na tabela nutricional do alimento o índice de gordura vegetal hidrogenada; quanto mais elevado, pior. Escolha os sucos de caixinha sem adição de açúcar e lembre-se que achocolatados não são leite, são uma composição feita com soro de leite: prefira aqueles com menos sódio e menos açúcar e garanta que a criança beba leite de verdade em algum outro momento do dia.

    Conservação


    Não adianta ficar atenta para um cardápio equilibrado se ele não estiver bem conservado na hora do sinal. Lancheiras térmicas garantem conservação por duas a quatro horas, segundo fabricantes. Mesmo assim, é melhor evitar patês e embutidos que necessitem de refrigeração maior.


    Cynthia dá uma dica final: colocar a caixinha de suco ou a garrafinha de água congelada na lancheira é uma opção para garantir um resfriamento extra. E não se esqueça de fiscalizar os cuidados do seu filho com o lanche. Se o que ele não consome pela manhã vira petisco para depois da aula de inglês, no fim da tarde, não há lancheira que aguente.

    Fonte: IG

    Aprenda a fazer comida divertida para as crianças

    Veja dicas e ideias para tornar as refeições das crianças mais alegres, sem deixar de lado alimentos saudáveis.

    Sanduíche de palhaço: aprenda a fazer
    Quem nunca passou por momentos de nervosismo tentando fazer uma criança comer brócolis, espinafre ou uma fruta diferente, por exemplo? Se você já tentou distrair, cantar, andar pela casa ou imitar um avião com a colher em punho para que a criança comesse mais um pouco, saiba que a situação é bastante comum.
    Longe de se render aos caprichos dos filhos, alguns pais conseguiram virar o jogo e as refeições deixaram de ser momentos de tensão. A fórmula mágica? Criatividade e um pouco de habilidade manual. Pelo menos é isso o que pensa a chef de cozinha Luana Budel, especializada em alimentos funcionais.

    “Vale enganar um pouco a criança para que ela receba os nutrientes que precisa. Se a comida ficar bem bonita as crianças não ficam tão resistentes a experimentar ou comer legumes e outros alimentos. Também é importante tentar dar comida feita em casa, com alimentos frescos”, afirma a chef.

    Arte no prato

    Quando percebeu que a filha nem sequer tocava o lanche enviado todos os dias na lancheira da escola, a indiana Smita Srivastava, criadora do blog “Little Food Junction” decidiu tornar os alimentos mais interessantes. “Depois que comecei a fazer as comidas divertidas, minha filha come tudo que eu sirvo. As preparações são muito rápidas e qualquer um pode fazer. Basta ser criativo”, afirma.

    O empresário britânico Mark Northeast passou por problema parecido. “O Funky Lunch começou por acaso. Era muito difícil fazer meu filho comer o lanche. Um dia resolvi mandar um lanche em forma de foguete espacial com estrelas de queijo”, conta Mark que resolveu tornar o passatempo um negócio, inclusive com o lançamento do livro “Funky Lunch – Happy Food for Happy Children”. Em seus workshops, ele ensina pais e filhos os primeiros passos para que consigam brincar mais com os alimentos.

    “Você tem que escolher um personagem que seu filho goste e então pensar como fazer. Algumas vezes não dá certo. É preciso ter paciência”, afirma Mark.

    Para conseguir colocar a ideia no prato vale qualquer alimento. “Eu uso apenas ingredientes simples, de preferência o que tenho na geladeira. Quando termino e sirvo o prato para o meu filho, sempre vejo um grande sorriso. Ele gosta mais ainda quando recebe amigos aqui e eu faço essas comidas divertidas”, conta a criadora do blog “Cute Food for Kids”, Tiffany Yang.

    A convite do iG, a chef Luana Budel idealizou e preparou três pratos com comidas divertidas: um sanduíche de palhaço, um arco-íris de frutas e uma panqueca com o Porco Rei do jogo Angry Birds. Veja o passo a passo e transforme a refeição do seu filho em uma verdadeira obra de arte:

    quinta-feira, 2 de agosto de 2012

    TIREOIDITE DE HASHIMOTO



    A tireoidite de Hashimoto é uma doença autoimune , que ocorre por destruição da glândula pelos nossos próprios anticorpos.

    A tireoidite de Hashimoto é a principal causa de hipotiroidismo. É sete vezes mais comum nas mulheres e apresenta uma clara relação familiar.

    A tireoidite de Hashimoto ocorre da seguinte maneira:

    Por motivos ainda desconhecidos, o nosso organismo passa a produzir anticorpos contra a própria glândula tireoide. O processo de destruição é lento e dura vários anos.

    Conforme as células da tiroide vão sendo destruídas, a capacidade da glândula produzir T4 e T3 vai caindo. Notando que há uma queda nos níveis de hormônios tireoidianos, a hipófise aumenta a secreção de TSH, estimulando as células da tireoide que ainda existem a aumentar sua produção de hormônios.

    Este aumento do TSH é suficiente para normalizar os níveis de T3 e T4. Por isso, nas fases inicias da tireoidite de Hashimoto o paciente não apresenta sintomas, já que seus níveis sanguíneos de T3 e T4 permanecem normais. Entretanto, nas análises de sangue já conseguimos detectar um TSH mais alto que o normal. Esta fase é chamada de hipotireoidismo subclínico.

    Conforme mais células vão morrendo, mais TSH vai sendo secretado pela hipófise, até o ponto que as células remanescentes são tão poucas que já não conseguem mais produzir o T3 e T4 necessários para manter um nível sanguíneo desejado. Quando os hormônios da tireoide ficam em níveis baixos, começam a surgir os sintomas do hipotireoidismo.

    O nome tiroidite é dado porque a ação dos anticorpos na tiroide causa uma irritação da mesma. É possível que o paciente desenvolva hipertiroidismo nas fases inicias, já que a glândula irritada pode começar a liberar mais hormônios que o desejado. O paciente pode evoluir com hipertireoidismo inicialmente, e só em fases avançadas passar a ter hipotireoidismo.

    Sintomas do hipotireoidismo

    - Bócio.
    - Cansaço (leia: CANSAÇO | FADIGA | Principais causas).
    - Pele seca.
    - Dor nas articulações.
    - Síndrome do túnel do carpo (leia: SÍNDROME DO TÚNEL DO CARPO | Sintomas e tratamento).
    - Constipação intestinal (prisão de ventre).
    - Aumento do colesterol (leia: COLESTEROL BOM (HDL) | COLESTEROL RUIM (LDL) | TRIGLICERÍDEOS).
    - Alterações da menstruação.
    - Ganho de peso.
    - Intolerância ao frio.
    - Perda de cabelo.
    - Letargia.
    - Edemas (Inchaços) (leia: INCHAÇOS E EDEMAS | Causas e tratamento).
    - Em casos graves e não tratados: Coma.

    O hipotireoidismo leva a ganho de peso, mas NÃO É CAUSA DE OBESIDADE. É muito comum as pessoas justificarem sua obesidade pelo hipotireoidismo, quando na verdade essa condição leva ao ganho de apenas poucos quilos, no máximo 5 ou 6. Além disso, o ganho de peso é em boa parte por retenção de líquidos e não por ganho de gordura. Ninguém ganha peso suficiente para ficar obeso só porque está com hipotireoidismo. A obesidade só ocorre naqueles pacientes que já se encontravam em situação de sobrepeso anteriormente, já próximo de serem obesos.

    Em crianças o hipotireoidismo leva a um quadro de baixo crescimento e retardo mental chamado de cretinismo (daí a origem da palavra cretino). Os hormônios tireoidianos são essenciais para o desenvolvimento do cérebro. O teste do pezinho serve para diagnosticar hipotireoidismo nos recém-nascidos.

    O hipotireoidismo causado pela remoção ou irradiação da tireoide apresenta os mesmos sintomas do hipotireoidismo causado pela tireoidite de Hashimoto. A diferença é que seu início é abrupto na remoção da tiroide, e lento e progressivo no Hashimoto.

    Outra causa de hipotireoidismo é a carência de iodo, substância necessária para produção dos hormônios. Hoje existe suplementação de iodo no sal de cozinha, sendo esse tipo de hipotireoidismo raro nas áreas urbanas.

    Alguns medicamentos, como a amiodarona, interferon e lítio também podem causar alterações no funcionamento da tireoide, causando hipotireoidismo.


    Diagnóstico do hipotireoidismo

    O diagnóstico é feito com a dosagem de TSH, T4 livre e dos anticorpos contra tiroide (anti-TPO e anti-tireoglobulina).

    Em geral, o diagnóstico de hipotireoidismo é dado aos pacientes com sintomas de hipotiroidismo que tenham TSH maior que 4 mU/L. Existe ainda o grupo que cai na definição de hipotireoidismo subclínico, ou seja, TSH maior que 4 mU/L, mas sem sintomas da doença. Neste último caso, o tratamento só é necessário caso o paciente tenha colesterol elevado, TSH maior que 10 mU/L, caso a paciente esteja grávida, ou se tiver os anticorpos contra tireoide positivos (anti-TPO e anti-tireoglobulina).

    A presença de anti-TPO ou anti-tireoglobulina em um paciente com hipotireoidismo indica que a causa é a doença de Hashimoto.

    Hoje, graças à identificação dos hipotireoidismos subclínicos, já somos capazes de diagnosticar a doença antes dela apresentar sinais clínicos. Uma das primeiras alterações é a elevação do colesterol, que pode preceder em anos o início do hipotireoidismo franco.

    Atenção, não existe hipotiroidismo com análises normais. Se você acha que tem sintomas de hipotiroidismo, mas seu TSH e T4 são normais, as suas queixas têm outra causa.

    Todos os pacientes acima de 50 anos devem ter seu TSH dosado, mesmo que não apresentem nenhum sintoma de hipotireoidismo. Se houver história familiar positiva, o rastreio pode começar aos 35 anos, principalmente nas mulheres.

    Tratamento do hipotireoidismo

    Não existe cura para a doença de Hashimoto, mas felizmente já existem hormônios tireoidianos sintéticos. O tratamento do hipotiroidismo consiste na simples administração diária destes. A droga usada normalmente é a Levotiroxina (Puran®, Synthroid®, Letter®), que é um T4 sintético.

    A Levotiroxina é administrada uma vez por dia e deve ser tomada sempre com estômago vazio (1 hora antes de comer ou 2 horas depois) . O objetivo do tratamento é manter o TSH dentro da faixa de normalidade, que varia entre 0,4 e 4,0 mU/L. Para isso o seu médico pode ter que alterar as doses do medicamento de vez em quando.

    As dosagens dos comprimidos de levotiroxina são em microgramas e não em miligramas, como a maioria dos remédios. Por isso, a levotiroxina não deve ser feita em farmácia de manipulação,para que não haja erros na dosagem.

    Os sintomas costumam regredir já com duas semanas de tratamento. O objetivo é manter o paciente com TSH normal e livre de sintomas.

    O tratamento é feito por toda vida e não pode ser interrompido.

    Tratamento do hipotiroidismo subclínico

    Não há dúvidas de que pacientes com TSH elevado e sintomas de hipotiroidismo devam ser tratados com reposição de hormônios. A dúvida surge nos casos de hipotiroidismo subclínico.

    Neste grupo, o tratamento só é necessário caso o paciente tenha colesterol elevado, TSH maior que 10 mU/L, caso a paciente esteja grávida, ou se tiver os anticorpos contra tireoide positivos (anti-TPO e anti-tireoglobulina).


    Fonte: MD Saúde