sábado, 31 de março de 2012

Receita de bacalhau para estar na sua mesa na Páscoa !

BACALHAU AO FORNO
  • Ingredientes
  • 1 kg de bacalhau
  • 1/2 kg de batata
  • 1/2 kg de cenoura
  • 2 cebolas grandes
  • 2 tomates vermelhos
  • 1 pimentão
  • 1 colher de sopa de extrato de tomate
  • Leite de coco
  • Alho, sal, coentro e azeite de oliva a gosto
  • Azeitonas
  • MOLHO
  • 2 copos de leite
  • 1 1/2 colher de sopa de farinha de trigo
  • 1 colher de sopa de manteiga
  • 1 ovo
  • 1/2 xícara de creme de leite
  • Noz-moscada, pimenta-do-reino e sal
Modo de Preparo
  1. Deixe o bacalhau de molho por 24 horas mudando sempre a água
  2. Escalde numa rápida fervura removendo peles e espinhas
  3. Coe a água onde o bacalhau foi cozido e reserve
  4. Tempere o bacalhau em lasquinhas, com alho, sal e coentro
  5. À parte, coloque uma caçarola no fogo com azeite de oliva e as cebolas em rodelas
  6. Adicione os tomates sem pele e sem sementes, o pimentão e as azeitonas picadas
  7. Junte o bacalhau, o extrato de tomate, o leite de coco e um pouco da água onde foi cozido o bacalhau
  8. Deixe tudo cozinhar bastante
  9. Fica com farto molho
  10. Prove para ver se o sal está a gosto
  11. Cozinhe as batatas e as cenouras em rodelas
    MOLHO
  1. Bata no liquidificador o leite, o trigo e a manteiga derretida
  2. Leve ao fogo e mexa bastante até engrossar a mistura
  3. Finalmente, junte o creme de leite, a noz-moscada, a pimenta-do-reino, o sal e o ovo batido
  4. Unte um pirex grande com azeite depois de ter esfregado por dentro dele um dente de alho
  5. Deixa um gosto bom
  6. Arrume em camadas alternadas o bacalhau, a batata e a cenoura
  7. Cubra tudo com molho e leve ao forno para gratinar
  8. Ao sair do forno, enfeite com azeitonas e salsa
  9. Sirva com arroz branco.
 Fonte: Tudo Gostoso

Copinhos de chocolate para Páscoa


  • Ingredientes
  • 300g de chocolate meio amargo
  • Copinhos de café descartáveis
  • Brigadeiro:
  • 1 lata de leite condensado
  • Chocolate em pó
  • 1 colher de sopa de manteiga
       Modo de Preparo
  1. Derreta o chocolate em banho-maria
  2. Mantenha ele em banho-maria como fogo desligado enquanto prepara os copinhos
  3. Passe a primeira camada de chocolate nos copinhos e leve à geladeira por 5 minutos
  4. Depois passe a 2ª camada e leve novamente por mais 3 minutos
  5. A 3ª camada e deixe na geladeira por mais 5 minutos, até endurecer e depois retire o copinho
    Brigadeiro:
  1. Misture o lite condensado com 5 colheres de chocolate em pó e a manteiga, mexa até criar ponto de brigadeiro
  2. Depois recheie os copinhos com o brigadeiro e se quiser enfeite com uma cereja ou algo de seu gosto
  3. Sirva em festas e enfeite sua mesa de Páscoa
    Informações Adicionais
  1. Você pode rechear os copinhos com brigadeiro branco. Daí é só não utilizar o chocolate em pó no preparo do brigadeiro.
    Fonte: Tudo Gostoso

Quantas calorias tem a sua pizza?

 

É possível incluir essa delícia no cardápio da semana sem prejudicar a dieta.

 

Foto: Getty Images
Molho: pouca quantidade e poucas calorias
Se você acha que a massa é a parte mais calórica da pizza, e por isso sempre que vai ao rodízio despreza as bordas do seu pedaço, está cometendo um erro: o valor das calorias presentes em uma fatia pode até dobrar dependendo do recheio escolhido.
“Não recomendamos misturar mais de dois ingredientes, fica muito calórico”, afirma a nutricionista Victoria Solbiati, da clínica Well Be Nutrição Funcional, em São Paulo.
Só na capital paulista, mundialmente conhecida por ser uma cidade repleta de apreciadores da redonda, são consumidos 43 milhões de pizzas por mês, segundo dados do último levantamento da Associação Brasileira de Gastronomia, Hospedagem e Turismo (Abresi). A variedade também impressiona: são mais de 230 tipos.
O iG Saúde conversou com três nutricionistas para desvendar as calorias dessa delícia parte a parte.
Massa
Encarada como a grande vilã, a massa da pizza é feita com farinha de trigo refinada, água, fermento e sal, resultando em uma mistura rica em carboidratos, essenciais para o bom funcionamento do corpo.
“É uma boa fonte de energia, importante para o nosso organismo nas diversas atividades metabólicas”, esclarece Solange Saavedra, gerente técnica do Conselho Regional de Nutricionistas de São Paulo.
A massa, em uma fatia de tamanho médio, tem em torno de 130 calorias. O valor, no entanto, pode variar dependendo da espessura escolhida: quanto mais fina, menos calórica. Para deixar a massa mais leve, aposte nas opções com ingredientes diferenciados.
“Já existem muitas pizzarias trocando a farinha normal pela integral, que contém mais fibras, ajudando na digestão e no funcionamento do intestino”, recomenda a nutricionista Victoria Solbiati.
Molho
O molho de tomate em si é bem pouco calórico. Além disso, a quantidade presente em cada fatia não representa um valor considerável.
Recheio
Massa e molho somam 130 calorias. Acrescente mussarela e a mistura sobe para 280. “O problema maior está na cobertura escolhida, que pode ser rica em gordura, como os diversos queijos, a calabresa e o presunto. A grande maioria das pizzas leva mussarela ou parmesão na receita”, diz Solange.
Sabores populares como quatro queijos, calabresa, frango com catupiry e portuguesa são altamente calóricos. Uma fatia de pizza quatro queijos pode variar de 350 a 420 calorias. A de calabresa tem cerca de 370 (sem queijo), e a portuguesa em torno de 450 calorias. “E, para aumentar as calorias vem o hábito de regá-las com azeite”, alerta Solange.
Alguns ingredientes devem ser evitados, principalmente por quem quer emagrecer. “Provolone, gorgonzola, catupiry, calabresa e bacon são muito gordurosos, é melhor não incluí-los”, recomenda Victoria. Atum, mussarela, marguerita, rúcula (sem tomate seco, melhor trocá-los por tomate cereja) e escarola (esta última sem bacon e sem catupiry) são as melhores alternativas.
“Isso tudo sem falarmos das pizzas doces que viraram moda no nosso país e que também são bem calóricas (mais por causa do açúcar)”, acrescenta Solange.
Com borda ou sem?
Borda recheada? Resista ao pensamento do catupiry escorrendo pelos cantinhos da pizza e responda “não” rapidamente. Catupiry ou cheddar acrescentarão 200 calorias, em média, na fatia de pizza que, dependendo do sabor, pode virar uma bomba mais calórica que lanche fast-food.
No caso da borda simples, descartá-la não reduzirá significantemente o valor calórico. "É mais psicológico, pois, se retirar a borda, a pessoa vai comer mais fatias, então não irá reduzir as calorias", afirma a nutricionista Isabel Jereissati. “Melhor escolher uma cobertura com ingredientes mais light”, aconselha Solange.
A pizza ideal
A regra para uma pizza com baixo valor calórico é: massa fina, integral, apenas dois recheios, sem alimentos gordurosos e borda normal. Dentro dessa matemática, as nutricionistas liberam consumir até dois pedaços uma vez por semana.
“O melhor é escolher coberturas que tenham menos queijos e sejam mais saudáveis, trocando algum ingrediente, como escolher o queijo branco (minas) ou ricota em vez de mussarela, acrescentar vegetais como brócolis, rúcula ou agrião”, indica Solange Saavedra. Isabel Jereissati aconselha evitar embutidos (são ricos em gordura saturada e nitritos, substância potencialmente cancerígena) e conservas (ricas em sal).

Escarola – 220 calorias
Atum – 278 calorias
Mussarela – 280 calorias
Calabresa – 370 (sem queijo) / 415 (com queijo)
Catupiry – 406 calorias
Quatro queijos – 420 calorias
Frango com catupiry – 450 calorias
Portuguesa – 450 calorias
*Valor por fatia de 130g

Fonte: IG

quinta-feira, 29 de março de 2012

Pipoca é opção de lanche tão saudável como fruta

 

Alimento é rico em antioxidantes do bem, mas deve ser preparado sem gordura


Foto: Getty Images Ampliar
Pipoca é rica em polifenóis e, por isso, saudável
Um novo estudo atesta que a pipoca contém mais antioxidantes “do bem”, os chamados polifenóis, do que algumas frutas ou vegetais.

A quantidade dessas substâncias na pipoca era de até 300 miligramas (mg) por porção em comparação com 114 mg de milho doce e 160 mg por porção de fruta, de acordo com estudo apresentado durante reunião da American Chemical Society, em San Diego (EUA).
Isto porque os polifenóis se diluem nos 90% de água que compõe muitas frutas e legumes, enquanto ficam mais concentrados na pipoca, que em média tem apenas 4% de água, afirmam os autores do estudo.
Na dieta média americana, as frutas fornecem 255 mg de polifenóis por dia e os legumes fornecem 218 mg. Uma porção de pipoca forneceria 13% do consumo médio diário de polifenóis indicados por pessoa nos Estados Unidos, disseram os pesquisadores.
Os investigadores também descobriram que as cascas de pipoca – aquelas que ficam presos nos dentes - têm as maiores concentrações de polifenóis e fibras.
"Essas cascas merecem mais respeito", diz um dos autores do estudo, Joe Vinson, da Universidade de Scranton.

No entanto, Vinson advertiu: acrescentar manteiga e sal pode transformar este lanche em um balde de calorias. "A pipoca feita no vapor tem o menor número de calorias, é claro", disse Vinson. "Cerca de 43% da pipoca feita no microondas é gordura, em comparação com 28% se você mesma estalar o milho em óleo em uma panela. "

Vinson também acrescentou que comer pipoca não deve ser uma desculpa para ignorar as frutas e legumes frescos. Pipoca não tem as vitaminas e outros nutrientes encontrados em frutas e legumes, essenciais para uma boa saúde.
A pipoca é o único lanche em que o grão é 100% natural, não processado. Todos os outros grãos são processados e diluidos com outros ingredientes, e embora os cereais sejam chamados de 'grão inteiro,' isto significa simplesmente que mais de 51% do peso do produto é de grãos", disse Vinson.
"Uma porção de pipoca irá fornecer mais de 70% do consumo diário de grãos integrais. Em média, a pessoa só recebe metade de uma porção de grãos integrais por dia. A pipoca poderia preencher essa lacuna de uma forma muito agradável", observou ele.
O estudo foi financiado pela universidade e não recebeu dinheiro da indústria de alimentos. Os dados e conclusões de pesquisas apresentadas em encontros médicos devem ser vistos como preliminares.

Fonte: IG

Treino pesado é a fórmula para o corpo perfeito

Ashley Conrad, personal trainer de celebridades de Hollywood, ensina como garantir a boa forma


Foto: Adidas
Ashley aconselha: treine pesado para conquistar um belo corpo
Responsável pela boa forma de atrizes como Kate Hudson e Goldie Hawn, a treinadora norte-americana Ahsley Conrad tem uma máxima: treine pesado. “Em vez de ir todo dia à academia e ficar um tempão na esteira e depois fazer musculação, vá dia sim, outro não, mas trabalhe forte, pegue pesado. Faça um treino em circuito, sem descanso, seu metabolismo sobe 100% em um único dia”, aconselha ela.
Entre os treinos que gosta de prescrever está o boxe, principalmente para mulheres. ” Você se sente no controle, se sente forte, capaz de qualquer coisa. E isso é muito importante para as mulheres”, relata.
Para ela, a modalidade exige mais do que apenas força. “Precisa da graça de uma bailarina, porque quando você se esquiva, é como se estivesse dançando”, diz. Outra grande vantagem, avalia, é o aparecimento rápido de resultados. “Quando você vê resultado rapidamente, tende a aderir ao exercício mais facilmente”, afirma. O treino queima em média 1000 calorias por aula, tonifica os músculos, aumenta a agilidade e a concentração, mas requer disciplina.

Fonte: IG

quarta-feira, 28 de março de 2012

Prevenção de cálculo renal

A eliminação de cálculos pelas vias urinárias provoca uma das dores mais intensas que o corpo humano pode suportar. Embora em alguns casos as dores fiquem limitadas a uma sensação desagradável de pressão que se irradia da região lombar para as partes inferiores do abdome, muitos chegam a vomitar e a rolar no chão de tanta dor.

O quadro é frequente: cerca de 10% das pessoas terão uma ou mais crises em suas vidas. Quem já teve e eliminou uma pedra, tem 50% de possibilidade de apresentar novo episódio nos cinco a sete anos seguintes. Os cálculos eliminados pelas vias urinárias podem ser microscópicos ou tão grandes que precisam ser retirados cirurgicamente. Os livros de medicina costumam trazer fotos de pedras com cores e formas variadas, que podem atingir o tamanho de um abacate.

Mais de 200 componentes foram descritos em cálculos renais, mas a maioria deles é constituída por oxalato de cálcio.

A maior parte dos portadores da doença apresenta absorção exagerada de cálcio através do intestino e, como consequência, excreção urinária mais elevada.

As cirurgias para a retirada de cálculos, populares no passado, são hoje pouco indicadas. Aparelhos endoscópicos podem atingir pedras localizadas mesmo nas partes mais altas do trato urinário, e retirá-las ou destruí-las com laser. A litotripsia, método não invasivo que permite fragmentar cálculos por meio do ultra-som, fez reduzir as indicações cirúrgicas.

A prevenção é crucial no caso dos cálculos renais, porque em sua formação eles precisam de tempo para acumular-se e de um local propício do trato urinário.

Para evitar esse acúmulo, recomendam-se medidas que aumentem o fluxo urinário: tomar muito líquido, evitar infecções e esvaziar a bexiga antes de senti-la cheia.

Uma vez que a formação de cálculos está relacionada com a absorção de cálcio, a modificação de hábitos alimentares é um procedimento atraente na prevenção.

Uma dieta pobre em cálcio pode parecer lógica, mas como esse elemento é fundamental para a formação do esqueleto, ela está associada à diminuição da densidade óssea e à osteoporose.

Estudos sugerem que dietas com conteúdo normal de cálcio, mas pobres em proteína animal e em sal, podem ser úteis na prevenção de cálculos. Até hoje, no entanto, não havia sido publicado um único ensaio que as comparasse com as dietas pobres em cálcio.

Esse estudo acaba de ser realizado por um grupo da Universidade de Parma, na Itália. Foram separados 120 homens com história de mais de um episódio de eliminação de cálculos de oxalato de cálcio e que apresentavam aumento da excreção urinária de cálcio (hipercalciúria).

Metade deles foi colocada numa dieta com conteúdo normal ou até mais elevado de cálcio e pobre em proteína animal (carne vermelha, frango, peixe e ovos). A outra metade foi aconselhada a evitar leite, iogurte e queijos para reduzir drasticamente a quantidade de cálcio ingerida.

Ambos os grupos receberam a recomendação de ingerir 2 litros de água por dia no inverno e 3 litros no verão.

Foi permitida a ingestão de vinho, cerveja, café e refrigerantes em quantidades moderadas. O grupo foi acompanhado durante cinco anos.

Dos 60 homens que receberam dietas pobres em proteína e sal, mas ricas em cálcio, 12 apresentaram novos episódios de calculose. Dos outros 60, que ingeriram dieta pobre em cálcio (e com conteúdo normal de proteína e sal), 23 tiveram recidiva do quadro – quase o dobro de risco.

Os níveis urinários de cálcio nas duas dietas caíram significativamente, mas a excreção de oxalato de cálcio na urina (o principal componente dos cálculos) aumentou no grupo
que ingeriu pouco cálcio e foi reduzida no grupo mantido com dieta de conteúdo normal de cálcio e pobre em proteína e sal.

Essa diferença pode ser explicada pelo aumento da absorção intestinal de oxalato de cálcio provocada pelos baixos níveis de cálcio ingerido. Já nas dietas com conteúdo normal de cálcio, esse elemento está mais disponível para formar complexos com oxalato na luz intestinal, dificultando sua absorção.

Discutindo esse estudo em editorial publicado na revista The New England Journal of Medicine, David Bushinsky, da Universidade de Rochester, escreve: “Hoje podemos afirmar que uma dieta contendo quantidades adequadas de cálcio (1.200mg por dia) em conjunto com a diminuição da quantidade de proteína animal e de sal é superior às dietas pobres em cálcio na prevenção da formação de cálculos de oxalato de cálcio”.

E enfatiza: “Os médicos não devem mais prescrever dietas pobres em cálcio para prevenir recorrências de calculose”.

Fonte:Drauzio Varella

Boa alimentação contra a enxaqueca

 

Hábitos à mesa e consumo de certos alimentos podem influenciar o aparecimento das crises
 


Foto: Thinkstock/Getty Images Ampliar
Acredita-se que a cafeína contraia as veias dilatadas ao redor do cérebro e alivie a dor
Seus hábitos alimentares e o que você coloca no prato podem influenciar no desencadeamento e no controle da enxaqueca.
Confira as dicas da inglesa Wendy Green, especialista no assunto e autora do livro 50 coisas que você pode fazer para lidar com a enxaqueca (Editora Larousse).
Observe a quantidade de cafeína ingerida
A cafeína pode ser tanto um tratamento quanto um fator desencadeante para a enxaqueca.
Se você não toma café ou chá regularmente, uma xícara de chá ou café forte, ou um copo de refrigerante do tipo cola, pode ajudar a cortar a enxaqueca, principalmente quando tomado junto com remédio.
Acredita-se que a cafeína contraia os vasos dilatados ao redor do cérebro e assim maximize a eficácia dos analgésicos.
Controle os níveis de açúcar no sangue
Os níveis de açúcar variam de acordo com a alimentação, o consumo de medicamentos e também a produção de hormônios. Quando eles caem muito, isso pode resultar em hipoglicemia (baixo índice de açúcar no sangue). Nessa situação, o cérebro não recebe glicose suficiente para funcionar de forma apropriada. O corpo, então, reage produzindo hormônios que liberam glicose na corrente sanguínea. Como resultado, a pressão se eleva, o que desencadeia a enxaqueca.
Cuidado com a tiramina
Trata-se de um aminoácido natural de certos alimentos e bebidas alcoólicas como o vinho e a cerveja. Acredita-se que algumas pessoas sejam mais sensíveis aos efeitos da tiramina. Os estudos ainda são inconclusivos, porém, alguns enxaquecosos alegam alívio quando evitam alimentos que contêm a substância. Entre eles estão: laticínios, frutas cítricas (principalmente laranja), nozes, soja, vinagre, produtos fermentados.
Eles são usados pelos fabricantes para realçar o sabor e a cor do alimento, assim como para prolongar a validade. Embora as pesquisas indiquem que os aditivos são geralmente seguros, algumas pessoas são mais sensíveis a eles. Entre as substâncias vinculadas às enxaquecas estão glutamato monossódico, nitratos e nitritos, aspartame, tartrazina, sulfitos e benzoato de sódio.
Fique atento aos aditivos alimentares
Mastigue gengibre
O gengibre cru pode aliviar a náusea e os problemas digestivos que costumam acompanhar as enxaquecas. Também bloqueia os efeitos das prostaglandinas – substâncias que podem provocar inflamação dos vasos sanguíneos no cérebro e causar uma enxaqueca. Se não quiser mastigá-lo cru, pode fazer um chá ou comer biscoitos de gengibre.

Coma alimentos ricos em magnésio
De acordo com estudos, quem sofre de enxaqueca tem níveis baixos de magnésio. A dose diária recomendada é de 270mg para mulheres e 300mg para homens. Para assegurar uma dose adequada de magnésio na alimentação, consuma verduras frescas de folhas verdes, feijão, ervilha, batata, aveia e extrato de levedo.
Beba água
A desidratação é outro fator desencadeante comum e muitas vezes subestimado para as enxaquecas. Os tecidos que rodeiam o cérebro são compostos principalmente de água. Quando perdem líquidos, encolhem, provocando irritação e dor. O ideal é ingerir entre um e dois litros de água diariamente.

Fonte: IG

Chia é nova promessa para emagrecer

 

Semente originária do México e da Colômbia também atua contra o diabetes, a hipertensão e melhora a pele.




Foto: Divulgação Ampliar
Sementes devem ser consumidas duas vezes ao dia
Ração humana, linhaça, quinua, amaranto. Na linha de sucessão de produtos naturais que ajudam a emagrecer, a nova vedete das prateleiras é a chia.
Semente cultivada desde 2600 a.C no México e na Colômbia, ela está na lista dos superalimentos pela quantidade de cálcio, fósforo, ferro, magnésio, potássio, zinco, fibras e, principalmente, ômega 3 presente em cada porção. Duas colheres de sopa (30 gramas), quantidade diária indicada pelos nutricionistas, têm 29% de fibras (8,6g) e 16% de ômega 3 (4,8g).

Além do formato in natura, são vendidos também o óleo e a farinha, essa última a forma de consumo mais indicada pelos nutricionistas. Com sabor suave, as sementes ou a farinha podem ser acrescentadas a sucos, iogurte, leite, frutas, ou ainda no preparo de pães, bolos e pudins.
A concentração e a variedade de nutrientes fazem do grão um perfeito aliado na redução dos riscos de problemas cardiovasculares, diabetes e hipertensão, alegam os entusiastas do produto. Além disso, a ingestão diária ajuda a diminuir os níveis de colesterol no sangue.
A semente também colabora para o bom processo digestivo. “É uma ótima opção para casos de prisão de ventre, ajuda a manter a flora do intestino saudável e desintoxica o organismo”, explica a nutricionista funcional Flávia Cyfer, de São Paulo.
Ao entrar em contato com líquidos, como a água ou mesmo com o suco gástrico, a chia forma uma espécie de gel, aumentando de volume. É desta forma que ela contribui para o processo de emagrecimento.
“Ela provoca um atraso no esvaziamento gástrico, causando saciedade duradoura. A digestão fica mais lenta e ajuda a equilibrar a glicemia, melhorando os níveis de glicose no corpo”, afirma a nutricionista Isabella Correa, da Clínica Patricia Davidson Haiat, no Rio de Janeiro.
Em outra frente, o ômega 3 combate inflamação das células de gordura, ajudando o corpo a recuperar o equilíbrio saudável e a reduzir os quilos a mais. O ácido graxo também fornece energia, portanto vale lembrar que, em grande quantidade, o alimento é calórico.
“A chia tem 140 calorias em duas colheres, se comer em excesso, pode não ajudar”, alerta Cyfer. No entanto, para a nutricionista Flavia Moraes, da rede de lojas Mundo Verde, a quantidade indicada não é superior ao efeito da saciedade.
“É preciso parar de contar calorias. Seguindo a recomendação, a conta sai positiva para o efeito emagrecedor”, afirma.
Os especialistas recomendam o uso da semente principalmente para diabéticos, hipertensos, vegetarianos e praticantes de atividade física. “Ela é ideal para quem quer comer alguma coisa leve e que vai dar mais energia”, afirma Moraes. É uma das maiores fontes vegetais de proteína, contém 23%, chegando a índices muito semelhantes ao da carne.

O grão também é indicado para idosos devido à presença de cálcio e magnésio, nutrientes que ajudam a promover a massa óssea e evitar a osteoporose. Outra propriedade interessante é a ação antioxidante presente no ácido cafeico e ácido clorogênico, que ajudam a neutralizar os radicais livres e a combater o envelhecimento da pele, atesta Flavia Moraes.
"A chia tem vantagens adicionais: melhor textura, alto conteúdo de fibras e antioxidantes, melhor digestão e biodisponibilidade, tudo sem risco de toxicidade e alergias. Além disso, o grão de chia não tem um sabor perceptível, é comum confundir seu sabor com o alimento no qual é misturado", afirma a nutricionista Carolina Chica, da Herbarium.
Comparando a chia com alguns cereais tradicionais:
- Ela contém mais proteínas (21%) que o trigo (13,7%), milho (9,4%), arroz (6,5%), aveia (16,9%) e cevada (12,5%)
- A chia é uma boa fonte de vitaminas do complexo B e é mais alta em niacina quando comparada com o milho, a soja e o arroz. Seu conteúdo de tiamina e riboflavina é similar ao da semente de arroz e milho
- O grão de chia é uma excelente fonte de cálcio, fósforo, magnésio, potássio, ferro, zinco e cobre. A chia contém mais cálcio, fósforo e potássio em 100g de produto do que trigo, arroz, aveia e milho

Fonte:IG

Nutricionista Pierre Dukan quer divulgar dieta polêmica no Brasil

 

Nutricionista francês, médico responsável pela boa forma de Kate Middleton, está de olho no arroz e feijão dos brasileiros.


Foto: Divulgação Ampliar
Dukan está preocupado com o alto consumo de arroz e feijão no Brasil
O nutricionista francês Pierre Dukan, autor de bestsellers sobre dietas, disse estar surpreso com o problema de excesso de peso no Brasil, sobretudo entre os jovens, e sugere moderação no consumo de feijão com arroz.

"O feijão com arroz faz bem para a saúde quando se tem uma atividade física importante. Mas mesmo quem não tem problema de peso deve reduzir um pouco o consumo", disse Dukan, autor do bestseller "Eu Não Consigo Emagrecer", traduzido em 14 línguas, em entrevista à BBC Brasil.

"Já para as pessoas sedentárias, esses alimentos resultam em acúmulo de calorias", afirma o nutricionista, que visitou São Paulo no início deste mês. Ele sugere que as pessoas com problemas de peso deveriam evitar essa combinação básica da alimentação brasileira.

Dukan - que desenvolveu, em 2002, a famosa dieta baseada apenas no consumo de proteínas na fase inicial - já escreveu cerca de 20 livros e afirma ter vendido 9,5 milhões de exemplares em dezenas de países, sendo quase a metade na França.

Presença no Brasil

Após ter conquistado o mercado editorial francês em 2010, ocupando os dois primeiros lugares da lista de livros mais vendidos do país (todas as categorias literárias reunidas), Dukan se prepara para reforçar sua presença no Brasil.

Em maio, diz ele, será lançado no Brasil um livro ilustrado de receitas que acaba de sair na França, e também um site com "treinador de emagrecimento online", que prevê uma dieta personalizada e acompanhamento diário (o site já existe no Brasil, mas esse serviço ainda não está disponível).
A partir de junho chegará ao mercado brasileiro sua linha de produtos alimentícios, como biscoitos, barras de cereais e farelo de aveia, já vendidos na França.

Críticas

O problema da obesidade de jovens vem aumentando na França e preocupa as autoridades, mas ele diz achar que no Brasil o fenômeno seria mais grave. "Fiquei com a impressão que os jovens brasileiros comem bastante feijão, arroz e feculentos (como a batata) e também consomem mais açúcar do que os adolescentes na França", diz ele. Dukan afirma também ter ficado "surpreso" com o excesso de peso dos jovens no Brasil, "que parecem mais gordos do que seus pais".

A "dieta Dukan" seria seguida por celebridades como a duquesa de Cambridge, Kate Middleton, da Grã-Bretanha, a cantora Jennifer Lopez ou ainda o candidato socialista às eleições presidenciais francesas, François Hollande, cuja nova silhueta foi amplamente comentada no país.

Mas o regime - que começa com uma "fase de ataque" para perder alguns quilos rapidamente com o consumo apenas de proteínas durante um período - também é alvo de inúmeras críticas. Especialistas franceses têm afirmado que a dieta pode causar sérios riscos à saúde, como aumento do colesterol e problemas cardiovasculares.

A dieta não é baseada na tradicional contagem de calorias e defende a ideia de que as pessoas podem comer o quanto quiserem, embora devam consumir apenas os alimentos definidos para cada etapa. Na segunda fase da dieta, as pessoas podem passar a comer também legumes e, na terceira, são incluídas frutas e pequenas porções de pães e massas integrais.
Um estudo da agência francesa para a Segurança Alimentar afirma que quem faz a dieta de Dukan consome mais do que o dobro da quantidade diária de sal recomendada pela Organização Mundial da Saúde. Segundo o estudo, esse regime também resulta na carência de vitamina C e de fibras.

'Dogma' e popularidade

Dukan rebate as críticas afirmando que as dietas baseadas na ingestão de menos calorias do que a média diária se tornaram "um dogma" e que ele é contestado por não seguir essa receita. "Meu método recomenda o consumo apenas de proteínas e legumes por um período curto. Eles são o fundamento da natureza humana. No início, o homem só se alimentava basicamente dessa forma".

O nutricionista diz ainda que é preferível sofrer o "inconveniente" de uma deficiência temporária, de vitaminas, por exemplo, do que ter doenças bem mais graves ligadas à obesidade. Após as críticas, Dukan fez adaptações à dieta, que foi reforçada em relação aos legumes. Ele argumenta que o método "está em constante evolução há anos".

Acusações

No início do ano, ele foi alvo de outra grande polêmica na França. Em seu livro "Carta Aberta ao Presidente", publicado em janeiro, Dukan defende a ideia de que os estudantes que tenham mantido seu peso em uma determinada faixa entre os 15 e 18 anos de idade ganhem pontos na prova chamada "Bac", uma espécie de vestibular na França.

A sugestão foi interpretada como uma forma de discriminação contra as pessoas com excesso de peso, suscitando inúmeras críticas. "Minha proposta foi deformada. Mas atingi meu objetivo de chamar a atenção para o problema da obesidade dos jovens na França", disse à BBC Brasil.

Nesta semana, o nutricionista foi alvo de duas queixas prestadas pela Ordem dos Médicos da França e pela ordem parisiense da categoria, que alegam que Dukan não respeitaria os códigos éticos da profissão. A organização afirma que "um médico deve pensar na repercussão de seus comentários" e diz que a proposta feita no livro não leva em conta os problemas de jovens obesos ou anoréxicos.
A Ordem dos Médicos também acusa Dukan de fazer promoção pessoal e utilizar a medicina com fins "comerciais". Na quarta-feira, ele afirmou ser "perseguido" e disse também já ter enviado à Ordem dos Médicos, há três meses, sua decisão de encerrar o atendimento em seu consultório parisiense para se dedicar às suas outras atividades. "Agora sou um médico aposentado. Estou livre", declarou.

O nutricionista que diz comer principalmente salmão, tomate, chicória, erva-doce, nozes e iogurte, continuará fazendo palestras pelo mundo e reforçando suas atividades em inúmeros países, como o Brasil.
Fonte: Ig

domingo, 25 de março de 2012

Musculação x Alimentação

A musculação é um treinamento com pesos, com variáveis de carga, amplitude, tempo de contração e velocidade controláveis. Desse modo pode ser aplicada da forma isométrica (contração mantida), isocinética (com velocidade angular constante) ou isotônica (alternância de contrações concêntricas e excêntricas), contínua ou intervalada, leve, moderada ou intensa, com recursos aeróbios ou anaeróbios. Esta possibilidade de controle de tantas variáveis torna a musculação uma atividade física altamente versátil que pode ser praticada por pessoas de diversas idades para diferentes objetivos.
 
O treinamento com pesos se difere do fisiculturismo, levantamento de peso, powerlifting e strongman, que são esportes ao invés de formas de exercício. O treinamento com pesos, entretanto, geralmente faz parte do regime de treinamento dos atletas dessas modalidades.
 
A Musculação pode ser uma das formas mais seguras de exercício, especialmente quando os movimentos são lentos, controlados e cuidadosamente definidos. Entretanto, como qualquer outra forma de exercício, a execução incorreta pode resultar em lesões. Pode ser realizada por diferentes grupos de indivíduos, desde adolescentes à idosos, passando por aquelas pessoas que precisam de cuidados especiais, como cardiopatas (portadores de distúrbios no coração), diabéticos, hipertensos (indivíduos com pressão arterial acima do normal), portadores de deficiência física, indivíduos que estão em fase de recuperação de lesões ou em quadro pós-operatório,  liberados pelo médico para fortalecimento muscular.
 
Nos dias atuais a musculação é utilizada por seus praticantes com objetivos distintos, como aumento de força e de massa muscular, diminuição do peso corporal, massa gorda e percentual de gordura, melhora do condicionamento físico geral, aumento da performance esportiva, da potência ou da resistência muscular. Porém cada propósito exige o uso de diferentes tipos de treinamento, com diferentes intensidades, volumes, velocidade de execução dos movimentos, séries, intervalos entre as séries e os exercícios, e períodos de recuperação entre os treinos.
 
A alimentação do praticante dessa modalidade pode depender do objetivo imposto pelo treinamento, por exemplo, a dieta pode ser diferente em treinos circuito e treino de alta intensidade. Todos os estímulos feitos com treinamento com pesos resultam na síntese de componentes biológicos: há um aumento das proteínas contráteis actina e miosina, bem como das enzimas e dos nutrientes armazenados. Para que isso seja mais eficiente devem-se ingerir quantidades adequadas e proteína de alta qualidade, as quantidades variam com o peso corporal do indivíduo.
 
E engana-se aquele que acha que começou a treinar musculação pode comer de tudo, a alimentação deve ser bem balanceada para aqueles que praticam alguma atividade física. A alimentação bem feita é primordial para bons resultados na prática de musculação. Mas é verdade também que a ingestão de alimentos tem que ser aumentada, evite apenas o leite integral e "abuse" em carboidratos complexos e proteínas, coma uma batata cozida, o intervalo de 3hs no máximo entre uma refeição e outra. As proteínas das carnes são essenciais, portanto coma sempre no almoço peito de frango, carnes vermelhas, peixes ou ovos, para vegetarianos é importante consegui a ingestão suficiente de proteína pela ingestão de soja, queijos, leite e se preciso suplementar.
 
A suplementação na musculação depende dos objetivos, o mais comum é: Whey protein, albumina, hipercalóricos, creatina, HMB, maltodextrina, barras de proteína, barras de carboidrato, nitro, Bcaa, pro hormonais, packs, amino liquido, etc.
 
Para cada tipo de pessoa existem os alimentos e suplementos que melhor se enquadre ao seu tipo Físico e quantidades apropriadas que lhe dará um melhor resultado, consulte seu nutricionista.

Fonte: Clínica Esportiva

Cardápio para ganhar Massa Muscular x Treino de Hipertrofia

Se sua meta for ganhar quantidades significativas de massa muscular, você pode se preparar para uma batalha por vários meses seguidos. Depois, se quiser, você pode dar forma a esse volume.





O iniciante deve proceder da seguinte maneira, escolher um método de hipertrofia e adequar um cardápio alimentar para aquele método escolhido adaptado a rotina atual do seu dia-a-dia. A escolha do método de hipertrofia envolve o uso de 6 a 10 exercícios diferentes com ênfase nos PRINCIPAIS GRUPOS MUSCULARES do corpo, são realizadas de 3 a 5 séries de cada exercício. Para os que dispõem de pouco tempo, uma série já pode fornecer aumentos significativos de força e massa muscular. Você pode realizar sessões de 6 a 12 repetições. Pode começar com 6 ou 8 repetições com a carga que conseguir agüentar, lógico depois de bem aquecido as articulações, para que não acabe com sua brincadeira de ganhar volume, aumentando progressivamente para doze. Após atingir as 12 repetições, aumente a carga até voltar para 8 ou 6 repetições.

O treino de hipertrofia vai ser o estimulo fundamental para o seu GANHO DE MASSA MUSCULAR e ele deve ser usado durante vários meses seguidos.
O Iniciante:
1. Aprenda a técnica adequada para cada exercício, usando pesos leves pelo menos durante 2 semanas, não se esforce demais nessa fase de aprendizado;
2. Para cada exercício, determine o peso que consegue levantar;
3. Faça a adaptação do planejamento alimentar e organize para que consiga cumprir a disciplina ideal do programa alimentar;
Como ocorre o ganho de PESO?
Hipertrofia muscular significa simplesmente aumento do TAMANHO DO MÚSCULO. Os exercícios de treinamento de força impõem uma sobrecarga pesada às células musculares, estimulando de alguma maneira o DNA do interior dos vários núcleos das células musculares. É relatado cientificamente que o primeiro estágio da hipertrofia, no início da sobrecarga, está associado ao aumento da sobrecarga do RNA e da síntese de proteína. Com o tempo, a célula muscular tende a adaptar-se a esse esforço aumentando seu tamanho.
Isso pode acontecer de vários modos
1- A célula pode aumentar seu tamanho incorporando mais proteína
2- As miofibrilas de cada célula podem multiplicar-se aumentando o tamanho da fibra muscular
3- A quantidade de tecido conjuntivo em volta de cada fibra muscular e de cada feixe de músculo torna-se mais espessa, causando um aumento geral do músculo
4- A célula pode aumentar seu conteúdo de enzimas e de armazenamento de energia sobre tudo o ATP e glicogênio
5- O aumento do glicogênio muscular, associado ao aumento da proteína muscular, provoca a retenção de água adicional, o que contribui para o aumento do peso corporal
O aumento de força pode ser um meio eficaz de aumentar o tamanho do músculo, as mulheres não apresentam a mesma quantidade de hipertrofia do que os homens, embora os ganhos de força e resistências podem ser proporcionais. Considerando o treinamento de força essencial para esse aumento, então por que se fala tanto em SUPLEMENTAÇÃO e ALIMENTAÇÂO.
Se exercício de força queima CALORIAS como vou GANHAR PESO?
Os exercícios de força gastam calorias, a quantidade, depende da intensidade com que se treina e o volume do treino atual, a quantidade de calorias relativamente comparadas aos exercícios aeróbios é inferior. Por exemplo, em uma sessão de uma hora de 8 exercícios 3 séries de 12/10/8 em cada exercício com recuperação de 1minuto por série o tempo de execução musculares é de 37 minutos e não 60 minutos de treino total, pois 23 minutos foram usados para recuperação entre cada exercício. Isso se o praticante não enrolar em sua fase de recuperação.
A quantidade de calorias gastas em um treino depende do porte físico atual do praticante e isso também vai resultar na quantidade ideal de suplementação, porções de proteína, carboidratos e gorduras do seu cardápio. Com base em dados metabólicos de estudos, o homem de tamanho médio usa cerca de 200 calorias e uma mulher de tamanho médio usa cerca de 150 calorias em uma sessão comum de treino de força.
“Cada metabolismo reage de uma forma, pois cada biótipo tem uma velocidade nas reações químicas do corpo e cada praticante tem um ritmo de vida e sono, parte do metabolismo (basal) é medido por calorimetria indireta (Produção de Calor = 3,9 litros de O2 consumido +1,1 x litros de CO2 produzido) ou métodos indiretos. Outra parte representa a rotina do dia-a-dia, por exemplo, a atividade ocupacional + a qualidade do sono. Assim temos a necessidade geral de energia que o praticante teria que ingerir durante o dia para que não tenha dificuldades em ganhar peso e para que a atividade de força cause realmente os efeitos positivos sobre as fibras musculares.”
Achando assim a quantidade MÍNIMA de calorias por dia que esse praticante de treino de força teria que ingerir, basta saber dividi-la durante o dia. Para essa divisão temos que saber qual o horário do dia vai ser o treino.
“Assim colocar 1 a 4g/kg de peso de carboidratos 1 a 4 horas antes de iniciar o treino de força, esse CHO pode ser pães, massas, tubérculos, frutas, cereais ou suplementos. A necessidade de proteína por dia para os iniciantes é maior do que para os praticantes já adaptados ao treino. Essa necessidade deve ser de no mínimo 1,8g/kg de peso para os iniciantes até 2g/kg de peso e 1,5g/kg de peso para os praticantes já adaptados ao treino até 2g/kg de peso. Podendo fazer uma ingestão elevada de proteína por 3 a 4 semanas de 2g/kg até 3,3g/kg de peso para aumentar a síntese protéica porém não adianta fazer por muito tempo pois eleva a oxidação de aminoácidos. Essa proteína pode ser de carnes, feijões, ovos, peixes, leite e derivados ou suplementos”
As gorduras temos que por limites as que venham da carne e queijos já as mono e poliinsaturadas do azeite de oliva, das castanhas, do abacate, do óleo de canola, óleo de borragem e Omega 3 devem estar presentes nesse cardápio, porém devem estar em baixas quantidades entre 1 a 4hs antes de treinar.
O ganho de peso só ocorre se o praticante está bem NUTRIDO e aquele que consegue fazer o relógio biológico trabalhar a seu favor.
6h – Os neurônios ainda estão “dormindo” demora pelo menos 2hs para acordar e junto, começa a liberação de CORTISOL, ativa o metabolismo celular, faltou nutriente? Adeus ganho de MUSCULOS;
8h Entre 7 ou 8hs o corpo atinge máximos níveis de cortisol, as 9hs começa produzir endorfina;
10h Os hormônios produzidos pela tireóide estão em alta ótimo momento para proteínas;
12hs O estômago começa a liberar Grelina um potente estimulador do apetite;
14hs O corpo volta a liberar hormônios até as 18hs, ótimo momento para as proteínas;
18hs O corpo começa a liberar melatonina com ápice às 20hs ela que controla os processos fisiológicos;
21hs e 1h da manhã os HORMONIOS do CRESCIMENTO começam a agir. O SONO é um importante potencializador.

Nutrir-se nos horários certos com a quantidade certa e um treino de força em poucos meses já consegue ver o resultado.

Fonte: Clínica Esportiva

Muay Thai x Alimentação



  Conhecida como “A Luta dos Oito Armas”, pois se caracteriza pelo uso dos cotovelos, joelhos, pernas e os punhos. Uma luta que além de ter socos e chutes bem desenvolvidos, é considerada uma das artes marciais que mais faz uso eficiente dos joelhos e cotovelos. Algumas Associações e Confederações mundiais não aprovam o uso das cotoveladas em lutas oficiais para manter a integridade física dos atletas, sendo consideradas somente nas regras asiáticas.
Considerada hoje como uma das melhores lutas de contato do mundo, vem ganhando cada vez mais praticantes, por se tratar de uma luta muito interessante que desenvolve condicionamento físico, concentração e autoconfiança.
A defesa é uma coisa muito importante no Muay Thai, algumas partes do corpo como os ombros, os braços e as pernas são usados como um escudo para obstruir as técnicas do oponente.
Durante um campeonato amador de Muaythai utiliza equipamentos diferentes do Muaythai profissional e o amador é de quatro rounds, com dois minutos de combate e recuperação de um minuto, já o profissional o número de rounds vai para cinco, com duração de três minutos de combate e um minuto de recuperação.
Para se tornar um lutador do Muay Thai deve-se aprimorar as técnicas e passar por treinamentos intensos e agressivos, os quais o gasto calórico é grande. Nas situações de treinamento de força, ganho ou definição de massa muscular, redução do percentual de gordura e no emagrecimento, resulta a melhora da performance do praticante.
A alimentação dos lutadores deve acompanhar o ritmo dos treinos para que juntos seja garantida uma boa performance nas competições. Os tailandeses tem muito orgulho do seu esporte tradicional, sua populariedade pode ser comparada com o futebol no Brasil, os monges budistas eram adeptos de uma alimentação essencialmente vegetariana o qual influenciava na alimentação de grandes lutadores.
Hoje se sabe que a alimentação de um lutador é muito importante para eficiência nos resultados. A rotina alimentar deve seguir a fase de treinamento em que se encontra pré-competição, durante-competição e pós-competição. Além de uma dieta bem dividida o praticante deve ter força de vontade, seguir a alimentação certa e treinar como deve ser.
A alimentação vai auxiliar a reduzir o cansaço, permitindo que o indivíduo treine por um maior período de tempo, além de auxiliar na recuperação rápida e eficiente dos treinos. Além disso, a manutenção do peso ideal é fundamental nesta modalidade, pois os atletas são divididos em diferentes categorias de peso.
Os alimentos como carnes, frangos, peixes, ovos, leite e derivados, soja ajudam a aumentar massa muscular, os pães, batata cozida, mandioca cozida, inhame, mandioquinha, banana, mamão, manga, maçã são alimentos energéticos recuperando a energia nos treinos e competições e o que regula todos os processos no organismo são as frutas e vegetais, fazendo com que o organismo funcione adequadamente e muitas vezes aceleram processos de recuperação e melhora de desempenho além de melhorar o cognitivo.
Dra. Janete Neves
Visitem o site novo

sábado, 24 de março de 2012

Antes de alterar o corpo, malhar beneficia a cabeça

Cérebro é a primeira parte do corpo a melhorar com os exercícios físicos, dizem especialistas


Foto: Getty Images Ampliar
Cérebro é a primeira parte do corpo a sentir os benefícios da malhação
O objetivo é afinar a cintura, tornear as pernas e levantar o bumbum. Mas os especialistas afirmam que, de forma imediata, a primeira parte do corpo a sentir os benefícios da malhação é o cérebro.
Segundo os especialistas que fazem o boletim da Escola de Saúde Pública de Harvard, uma das instituições mais respeitadas do mundo, com apenas 20 minutos de exercícios aeróbicos de média intensidade (entram na categoria as caminhadas na rua ou na esteira, por exemplo) é possível turbinar ao menos três funções cerebrais.
Os exames de ressonância magnética mostraram que os praticantes melhoram o tempo de reação, a interpretação de imagens, e a execução de funções de planejamento tais como memória, gerenciamento de informações, capacidade de bloquear dados desnecessários e realização de raciocínio mais complexo.
Apesar do efeito imediato, os médicos alertam que uma única sessão de malhação não é suficiente para deixar ninguém mais inteligente. Isso porque, após um treino de uma hora, a fadiga (cansaço) atrapalha a melhora cognitiva conseguida durante a atividade. Se faltar água ou alimentação adequada – em especial sem carboidratos (tidos como vilões da dieta, mas essenciais para a saúde), os benefícios também diminuem.
Isso indica que, para ter efeito no corpo e na mente a longo prazo, os exercícios não podem ser exagerados, é preciso hidratação constante e a escolha do cardápio também precisa contemplar todos os nutrientes.
“Com exercícios de intensidade moderada, o corpo ativa o sistema nervoso simpático e aumenta os níveis de adrenalina. Estes são provavelmente os dois principais fatores na melhoria do desempenho mental”, escreveram os autores do boletim.
“Porém, em intensidade exagerada, o nível de esforço interfere na concentração e na capacidade de realizar tarefas da raciocínio.”
Limites individuais
Saber quais são os limites individuais e evitar os excessos são tarefas que precisam não apenas do próprio praticante de exercício, mas também do médico e do profissional de educação física.
A personal trainer Clóe Celentano diz que as séries que mesclam atividades aeróbicas e de força (musculação) precisam ser feitas individualmente, o que evita lesões e até desistências.
“Uma caminhada até o trabalho, os serviços domésticos ou trocar o elevador pela escada são importantes para tirar a pessoa do sedentarismo absoluto, mas não para uma mudança no metabolismo”, afirma Clóe.
“Para isso, é necessário a elaboração de treinos específicos e direcionados”, completa ela, que foi eleita a melhor profissional da sua área.

Fonte: IG

Cinco dicas para evitar poros dilatados

Especialistas ensinam como manter a pele lisinha e sem os incômodos “furinhos” no rosto.



Todo mundo sonha em ter uma pele lisa e macia. Mas para conseguir uma boa aparência, é preciso incluir de fato os cuidados de beleza na rotina diária. Assim como as rugas, a flacidez e as manchas, os poros dilatados – aqueles “furinhos” visíveis na pele – são indesejáveis e motivo de queixa entre as mulheres. A região mais afetada pelo problema é a chamada “Zona T”, que envolve testa, nariz e queixo.

Característico das peles oleosas e mistas, os poros dilatados acumulam células mortas e gordura. “Para minimizá-los é preciso manter a pele limpa e controlar a oleosidade”, explica Alexandre Okubo, dermatologista e membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia.

Além do primer, item aplicado antes da maquiagem e que ajuda a disfarçar as imperfeições da pele, existem diversos produtos no mercado que ofuscam os "furinhos". Contudo, para solucionar mesmo o inconveniente é preciso adotar cuidados mais específicos.

“Os poros dilatados são reversíveis, mas deve ser realizado um tratamento contínuo”, alerta Giana Campoi, dermatologista da Clínica Carla Vidal. A aplicação de laser, por exemplo, é indicada e traz resultados rápidos. “O número de sessões pode variar entre uma e três, depende da gravidade”, explica.

Com a ajuda de dermatologistas e esteticistas, elegemos cinco dicas certeiras para evitar a dilatação dos poros, confira:

1. Lave o rosto da forma correta
Dar uma ensaboada rápida embaixo do chuveiro não resolve – no máximo resseca a pele. Limpar o rosto todos os dias com água morna e sabonete específico é uma tarefa obrigatória para remover as células mortas e evitar o excesso de óleo na superfície dos poros. O ideal é repetir o procedimento de duas a três vezes por dia e tonificar em seguida com um adstringente. “A limpeza de pele profissional também é indicada uma vez por mês. É uma ação profunda que elimina as impurezas dos poros e ajuda a retraí-los.”, conta a esteticista Eva Vaie.

2. Cuidado com o hidratante
Após a limpeza, você deve aplicar um hidratante facial. Mais uma vez o produto deve ser específico para peles oleosas e mistas, do tipo “oil free”. Muitos hidratantes já oferecem princípios ativos que ajudam a diminuir a produção de sebo. O mesmo para o protetor solar. Formulações à base de gel, gel creme, sérum e fluído evitam o acúmulo de oleosidade e, consequentemente, a dilatação dos poros.

3. Coma direito
Você já sabe que a beleza acontece de dentro para fora. Portanto, tudo que você come reflete na aparência da pele, unhas e cabelo. Uma alimentação regrada e saudável ajuda a controlar o brilho excessivo na pele e o aparecimento de acnes. E de quebra, claro, melhora o aspecto geral da pele. Você tem pele oleosa e gosta de frituras? Então coma com moderação. Não adianta gastar um dinheirão em cosméticos e se jogar na batata frita. Lembrando que o chocolate é um alimento rico em gorduras também.

4. Esfoliação faz milagres
Assim como a limpeza profunda, a esfoliação elimina o acúmulo de sujeira nos poros e auxilia a retração deles. “Pode ser feita de uma a duas vezes por semana para remover o sebo e células mortas”, conta Alexandre. Mas pegue leve: não adianta esfoliar com força, isso só trará efeitos negativos. Veja receitas de esfoliantes caseiros.

5. Evite maquiagem em excesso
O excesso de maquiagem obstrui os poros e agrava os “furinhos” na superfície. O problema fica ainda maior para quem não retira a make antes de dormir – e daí voltamos para a dica número 1: lavar. O ideal é fazer uma limpeza geral para deixar a pele fresca. Use algum removedor específico se preferir, mas não oleoso. “É importante tratar e cuidar, não apenas disfarçar”, diz Giana. “Bonito mesmo é ter pele com aparência bem cuidada”, completa Eva.

Fonte: IG

sexta-feira, 23 de março de 2012

CALORIAS DOS OVOS DE PÁSCOA

Confiram  e escolham os ovos menos calóricos!
OvoMarcaCalorias (por 30g)
Ao Leite Amor aos Pedaços166
Cookie BrancoAmor aos Pedaços158,5
Ao Leite LightAmor aos Pedaços140,3
Bicho de PéAmor aos Pedaços135,2
Cofler LimãoArcor170
7 BeloArcor170
Linha Times de FutebolArcor170
Ao Leite Dulca170
Ao Leite DietDulca150
Baton (branco)Garoto170
Baton (preto)Garoto160
Ao LeiteGaroto160
Linha TalentoGaroto160
ShrekGaroto150
Diet AvelãGaroto140
Sonho de Valsa Lacta160
TiramisuLacta160
Bis MorangoLacta160
LancyLacta160
Classic Ao LeiteNestlé160
Classic DietNestlé150
Alpino DietNestlé150
Classic LightNestlé120
* Informações nutricionais fornecidas pelas próprias marcas



BombomMarcaCalorias (por unidade)
ChocoelhoGaroto70kcal/unidade de 12,5g
Ovinho ao leiteGaroto40kcal/unidade de 7g
Diet AvelãGaroto30kcal/unidade de 7g
Classic ao LeiteNestlé50kcal/unidade de 10g
AlpinoNestlé70kcal/unidade de 13g
Alpino DietNestlé35kcal/unidade de 7g
Classic LightNestlé40kcal/unidade de 7g
Classic DietNestlé35kcal/unidade de 7g
* Informações nutricionais fornecidas pelas próprias marcas



BoloMarcaCalorias (por 80g)
Colomba brancaBauducco290
Gotas de chocolateBauducco290
Colomba FrutasBauducco280
Paloma LightOfner220
* Informações nutricionais fornecidas pelas próprias marcas

OvoMarcaCalorias (por 30g)
Ao Leite Amor aos Pedaços166
Cookie BrancoAmor aos Pedaços158,5
Ao Leite LightAmor aos Pedaços140,3
Bicho de PéAmor aos Pedaços135,2
Cofler LimãoArcor170
7 BeloArcor170
Linha Times de FutebolArcor170
Ao Leite Dulca170
Ao Leite DietDulca150
Baton (branco)Garoto170
Baton (preto)Garoto160
Ao LeiteGaroto160
Linha TalentoGaroto160
ShrekGaroto150
Diet AvelãGaroto140
Sonho de Valsa Lacta160
TiramisuLacta160
Bis MorangoLacta160
LancyLacta160
Classic Ao LeiteNestlé160
Classic DietNestlé150
Alpino DietNestlé150
Classic LightNestlé120
* Informações nutricionais fornecidas pelas próprias marcas

BombomMarcaCalorias (por unidade)
ChocoelhoGaroto70kcal/unidade de 12,5g
Ovinho ao leiteGaroto40kcal/unidade de 7g
Diet AvelãGaroto30kcal/unidade de 7g
Classic ao LeiteNestlé50kcal/unidade de 10g
AlpinoNestlé70kcal/unidade de 13g
Alpino DietNestlé35kcal/unidade de 7g
Classic LightNestlé40kcal/unidade de 7g
Classic DietNestlé35kcal/unidade de 7g
* Informações nutricionais fornecidas pelas próprias marcas

BoloMarcaCalorias (por 80g)
Colomba brancaBauducco290
Gotas de chocolateBauducco290
Colomba FrutasBauducco280
Paloma LightOfner220
* Informações nutricionais fornecidas pelas próprias marcas

RECEITA DE OVO DE PÁSCOA LIGHT


O Ovo de Páscoa feito à base de barrinhas de cereais é uma opção mais saudável com menos caloria e menos gordura do que os ovos tradicionais, pois tem em média 452 Kcal e 18 g de gorduras.

Ingredientes:
8 barras de cereais (você pode escolher o sabor de sua preferência)
300g de chocolate ao leite.

Derreter as 8 barras de cereais em banho-maria até que elas se desmanchem.
Ralar 300g de chocolate e derreter em banho-maria. Após derretido, mexa com uma espátula em movimentos para a frente e para trás até que a massa engrosse. Para saber se o chocolate está pronto para moldar, verifique a temperatura encostando um pouco de chocolate nos lábios: a sensação transmitida deverá ser mais fria que o lábio (com termômetro, a temperaura deve estar entre 28 e 29ºC).
Em uma fôrma de ovo de páscoa nº15, cobrir toda a base da fôrma com a barra de cereais já derretida.
Logo após, espalhar uma fina camada de chocolate derretido por cima dos cereais. Levar ao freezer, esperar 5 min até endurecer e depois desenformar.

Fonte: Buscasaúde

Será que comida japonesa é mesmo light?

No Dia do Sushi, descubra o que está liberado e o que deve ser consumido com parcimônia no rodízio oriental

 


Foto: Getty Images Ampliar
Peixe e arroz cozido fazem bem, mas não devem consumidos em excesso
Se você é daqueles fãs de sushi, que sentam em um rodízio e acham que lá o pecado é menor, cuidado. Como em qualquer restaurante, as escolhas erradas podem deixar seu prato muito calórico e nada saudável. Os bolinhos de arroz com peixe cru oferecem, sim, muitos benefícios ao corpo. Mas, para isso, é preciso aprender a aproveitar seus pontos positivos. No Dia do Sushi -- data celebrada hoje no Japão e em outros países do mundo -- descubra como tirar proveito da barca colorida por rosados salmões e avermelhados nacos de atum fresco.

Tudo certo com os três principais elementos do sushi. Segundo a nutróloga Vania Assaly, membro da Associação Brasileira de Nutrologia, o peixe é fonte de uma proteína magra e é rico em uma gordura saudável (Ômega 3); o gengibre e a raiz forte têm ações bactericidas e digestivas; e, apesar de rico em amido, o fato de o arroz não ser refogado com nenhum tipo de gordura, também é ponto positivo da receita. “Fora que as preparações com vegetais e cogumelos são excelentes para potencializar a imunidade”, diz ela.

Mas, infelizmente, nem tudo são flores de nabo no balcão de um sushiman. Além da possibilidade de consumo exagerado do arroz, o shoyu que tempera o quitute é rico em sódio e causa retenção de líquidos. “Esse molho pode ainda conter uma substância chamada glutamato monossódico, que é tóxica ao organismo se consumida em exagero”, diz a nutricionista Fernanda Scheer. E tem mais: “as preparações gordurosas, com cremes e frituras, devem ser evitadas”.


Sua colega Mariana Fontana concorda e pede cuidado ainda com o consumo excessivo de entradinhas servidas nesse tipo de restaurante. “Tempurás, guiozas e bolinhos fritos ou com cream cheese e maionese costumam ser gordurosos”, diz. O molho do yakissoba, que, em geral, está incluído no pacote, também tem o mesmo problema, além de levar amido de milho. “O melhor é fugir dos rodízios”, diz a nutricionista. “Até o peixe, que é um alimento saudável, engorda se consumido em excesso.”


Outro mito muito usado como desculpa para se esbaldar da comida oriental é dizer que os japoneses são mais saudáveis. Não é bem assim. “Não são somente fatores alimentares que influenciam no peso ou na saúde de cada indivíduo” diz a nutricionista Manoela Figueiredo. “As diferenças étnicas e a genética devem ser consideradas.”

Fonte: IG

Como fazer temaki, o sushi de mão

 

Aprenda todos os passos da receita que faz sucesso no Brasil. E mais: dicas para o temaki ficar muito mais gostoso. Se tempos atrás era preciso buscar um restaurante japonês para se deliciar com temakis, hoje é possível encontrá-los em todo canto. De cerca de dez anos para cá, casas especializadas no cone de arroz e recheios envoltos em alga pipocaram pelo Brasil. E o temaki virou opção de comida rápida e gostosa. Quer aprender a preparar em casa? Shigueru Hirano, do restaurante Shigueru, em São Paulo, ensina o passo a passo de três sabores e dá as dicas para a receita de casa sair perfeita.



Temaki, do japonês, significa "enrolado na mão". Mais conhecido pelo formato de cone, pode ser feito também na forma de rolos. Ao contrário dos sushis, que duram alguns minutos sobre a mesa sem problemas, deve ser preparado e consumido bem depressa. Assim, evita-se que a umidade do ar e a do arroz penetrem na alga, que envolve o recheio. Por isso, ao comer em restaurantes que servem várias porções ao mesmo tempo, como rodízios, deixe outros pratos de lado e saboreie o cone logo que for servido.
O arroz
O arroz é o elemento mais importante do temaki – corresponde à massa para uma pizza. Seu tempero deve ser suave, os grãos, nem molengas nem duros demais e o preparo cuidadoso.

Os grãos utilizados para o temaki são os mesmos dos sushis: o arroz japonês, ou cateto, disponível na maioria dos supermercados e casas especializadas. Feito sem adição de sal nem óleo, quando finalizado com um tempero avinagrado, passa a se chamar shari. Na Ásia, a maioria das pessoas prepara o ingrediente em panelas elétricas, e não é difícil encontrar o utensílio no Brasil. Mas é possível fazer a receita em qualquer caçarola, desde que a tampa fique bem vedada.


Foto: Divulgação Ampliar
Shigueru ensina o passo a passo do temaki

A alga nori
São folhas secas, feitas a partir de alga marinha, repletas de vitaminas A e B, cálcio e ferro. Vendidas em saquinhos, murcham com facilidade em contato com o ar ou a água. Depois de aberta, mantenha as folhas em geladeira, dentro do própria embalagem, ou em caixinhas de metal com saquinhos de silica (absorventes de umidade). O temaki é um dos pratos em que pode-se se melhor apreciar o sabor da nori. Por isso, vale investir em uma marca boa, ou testar algumas e comparar. Elas variam bastante em sabor e textura.



Os recheios e temperos

Um pouquinho de wasabi (pasta de raiz forte), espalhado com os dedos durante a montagem, mais gotinhas de shoyu bastam para destacar o sabor. Cream cheese, maionese e outros molhos são dispensáveis, embora muito populares no Brasil.
O salmão é um dos peixes mais consumidos em temakis no País. A parte da barriga desse peixe é a mais gordurosa, a das costas, a mais magra. Escolha a de sua preferência. Outros bons pescados para temakis são: olho-de-boi, pargo, linguado e atum.

Lista de compras: 500g de pescado rendem 10 temakis



Sempre que possível compre o peixe com a pele. É o que sustenta a carne e deixa-a fresca por mais tempo. Aproveite e faça temaki de skin (pele) ao invés de dispensá-la. Para isso, basta retirá-la, junto com uma cama fininha de carne, fatiá-la, passar os pedaços na farinha de trigo e fritar em óleo bem quente, até que estufem.

Outras possibilidades de recheios: cogumelos shimeji ou shitake salteados, kani, lula, camarão, polvo
Os pescados e outros ingredientes podem entrar cortados em filetes, em cubinhos ou batidos na ponta da faca, como tartar. Siga o gosto pessoal, assim como ao optar ou não por wasabi, limão (para peixes brancos), cebolinha ou gergelim.

Atenção: nada de usar perfumes e cremes com cheiro forte durante o preparo. O arroz é muito delicado e vai absorver todos esses odores.


IDENTIFIQUE UM BOM TEMAKI EM CINCO PASSOS:
1) A primeira mordida é bem crocante: se o rolinho chegar à mesa borrachudo, é porque não foi bem preparado, ou feito com a alga murcha.
2) É servido em pé: o peso do recheio, em contato direto com a alga, quando o temaki é servido sobre prato ou guardanapo, acaba com sua crocância muito mais rápido. Use suportes de madeira ou de plástico, encontrados por preços baixos, em casas de utensílios domésticos ou armazéns japoneses.
3) A quantidade de recheio e arroz é balanceada: temakis com pouco recheio são como "pastéis de vento". Antes acrescentar menos arroz no rolinho do que deixá-lo pesado.
5) O arroz se desfaz na boca antes do recheio: se, ao mastigar, o arroz não se dissolver na boca antes dos outros ingredientes, é sinal de que não está no ponto certo ou que foi pressionado demais durante o preparo.

Fonte: IG

quinta-feira, 22 de março de 2012

Como armazenar os alimentos e minimizar a contaminação

 

Alguns cuidados são essenciais na hora de guardar a comida que você comprou no supermercado ou que sobrou do almoço
 


Foto: Thinkstock/Getty Images Ampliar
Sem proteção adequada, alimentos perdem nutrientes e ficam expostos à bactérias
Microorganismos nocivos à saúde estão por toda parte, à espera de um descuido para dar o bote e contaminar o que estiver por perto, podendo provocar de mal-estar, diarreia e até problemas mais sérios.
O perigo pode estar no restaurante por quilo, na barraquinha de cachorro-quente, bem como na panela ou na geladeira. Por isso, manipular e armazenar os alimentos corretamente são atitudes importantes para manter a comida longe das bactérias e os nutrientes conservados pelo maior tempo possível.

“Os alimentos devem ser guardados separados uns dos outros para que não haja contaminação cruzada e em temperatura adequada para que evitar proliferação de microorganismos e toxinas. Além disso, é preciso tomar cuidado com o tipo de recipiente usado e se este está totalmente limpo e vedado”, alerta a nutricionista Valéria Paschoal, presidente do Congresso Internacional de Nutrição Clínica Funcional, que acontece em setembro, em São Paulo.
A seguir, a especialista responde às principais dúvidas sobre o tema.
Como armazenar...
... a carne comprada no supermercado?
É melhor congelar em porções individuais. Dessa forma, não haverá desperdício, visto que irá descongelar apenas o volume necessário para a refeição. Quanto à temperatura, peixes devem ficar armazenados a 2ºC e quando cozidos, devem permanecer congelados a essa temperatura por 24 horas. As carnes de boi e aves devem ser armazenadas a 4ºC e quando cozidas, devem ficar no congelador por no máximo três dias.
... o feijão?
O feijão cru pode ser armazenado em temperatura ambiente. Cozido o alimento deve ser guardado sob refrigeração a 4ºC por, no máximo, três dias. Se for congelado, recomenda-se que seja distribuído em vários recipientes, de preferência, de vidro.
... os ovos?
Devem ser armazenados sob refrigeração (4 a 8ºC). Não é necessário higienizá-los antes de guardá-los. A higienização – lavagem e desinfecção – pode ser feita antes de sua utilização.
... as verduras, as frutas e os legumes?
Vegetais folhosos devem ser armazenados sob refrigeração a 10ºC por no máximo três dias. Quando íntegros, as frutas e legumes devem ser armazenadas em temperatura ambiente. Não há necessidade de mantê-los embrulhadas em papéis e sacos plásticos. Caso o armazenamento seja de uma fruta já cortada, por exemplo, recomenda-se que ela seja armazenada sob refrigeração em recipientes de vidros a 10ºC.
... a sobra do almoço?
O ideal é que esses alimentos sejam armazenados logo após o término da refeição. O rápido resfriamento diminui o risco de contaminação com outros alimentos. Assim, o alimento pronto deverá ter sua temperatura reduzida de 60°C a 10ºC em até duas horas. Se guardar na própria panela, é importante que seja mantida fechada.
... metade de uma fruta?
Se for um mamão, por exemplo, ele deve ser cortado, ter as sementes retiradas e armazenado em um recipiente de vidro. Deve permanecer sob refrigeração e ser consumido no prazo de um dia.
Posso usar pote plástico para guardar comida e congelá-la?
Não é interessante armazenar comida em recipientes de plástico, pois quando quentes ou congelados os alimentos em contato com os plásticos estimulam a liberação de toxinas desse material, como o bisfenol A, por exemplo. Assim, é recomendado usar tigelas ou outros vasilhames de vidro.
Posso embalar alimentos com filme plástico e papel alumínio?
O ideal é embalar os alimentos com papel manteiga. Os metais e as substâncias presentes no plástico e no alumínio podem migrar para o alimento quando entram em contato.
Por quanto tempo o alimento já pronto mantém suas propriedades nutritivas, armazenado na geladeira e no processo de congelamento?
O tempo que o alimento mantém suas propriedades nutricionais varia de acordo com o tipo e se ele foi ou não submetido ao cozimento anteriormente. Vegetais submetidos a fervura em água perdem mais vitaminas hidrossolúveis, por exemplo, do que quando submetidas à cocção a vapor; e o tempo de armazenamento na geladeira é menor, de até três dias à 4ºC. Quanto ao processo de congelamento, ainda há controvérsias nas pesquisas. Alguns estudos mostram que não há perda de nutrientes durante o processo, enquanto outros trabalhos apontam que ocorre sim perda de nutrientes, fibras dietéticas e pigmentos com propriedades antioxidantes.
Como descongelar para o consumo carne crua ou sobras de comida já preparadas?
Para o descongelamento, os alimentos devem ser colocados no refrigerador ou em forno em recipiente adequado. Vale ressaltar que os alimentos devem ser congelados por no máximo 90 dias e, uma vez descongelados, não devem ser congelados novamente.
Em que temperatura e por quanto tempo podem ser guardados:
Frutas, verduras e legumes: 10ºC, por três dias
Frios e laticínios: 8ºC, por um dia
Produtos industrializados: 6ºC, por dois dias
Sobremesas: 4ºC, por três dias
Carnes e aves: 4ºC, por três dias
Peixes: 2ºC, por um dia
Peixes cozidos: 4ºC, por um dia
Alimentos cozidos: 4ºC, por três dias

FOnte: IG