quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Academia lúdica oferece atividades para emagrecer brincando

Aulas de circo, le parkour e modalidades inusitadas tentam converter atividade física em diversão.




Relaxe, divirta-se e malhe com a ajuda do trampolim .
Esqueça os halteres e as máquinas robustas para inflar os bíceps. Delete também as trilhas sonoras que simulam micaretas ou baladas eletrônicas para exorcizar as gorduras em salas de ginástica lotadas. Malabares, colchões enormes, cordas, tecidos e pneus de trator ajudarão a contornar os corpos com adrenalina e animação.

Seu objetivo é perder peso, ficar forte e sarado? Não interessa. Para os professores da academia Vibe Fun, em São Paulo, qualquer resultado no corpo é meramente consequência de saúde e diversão, as únicas coisas que realmente importam no conceito adotado pelo engenheiro François Bonaventure.

Dono de duas academias que reproduzem o modelo quadrado e tradicional de atividade física, o brasileiro com nome europeu resolveu inovar o próprio oficio. Cansado de ouvir as lamentações dos clientes, sempre sedentos por exercícios físicos mais compatíveis com a felicidade, comprou um espaço na Vila Leopoldina, zona oeste da cidade, e quer ganhar dinheiro trocando sedentarismo por diversão.

Respeitável público

Em um amplo galpão, os alunos têm aula de circo, le parkour, treinamento russo, lutas, dança e exercícios funcionais. A grade é adaptada para cada pessoa, que decide, semanalmente, qual a melhor forma de se movimentar com animação.


Técnica circense permite belos movimentos nos tecidos e cordas
Todas as modalidades trabalham o corpo globalmente, e não têm contraindicação. Em média, são dez alunos por turma, número que varia conforme a modalidade e o quórum das aulas.

Segundo Carlos de Barros Sugawara, professor de técnica circense, usar o picadeiro como fitness melhora a coordenação motora, equilíbrio e força, além de queimar aproximadamente 700 calorias durante o treino de 90 minutos.


“São mais de 300 possibilidades de aprendizado. Impossível ensinar todas. Eu foco a parte de acrobacia de solo e aérea. Serve tanto para hipertrofia, definição quanto perda de peso.”

Os exercícios reproduzidos no tecido, na corda lisa, e nas faixas aereas cobram força do abdome e dos braços, postura do tronco e impulsão das pernas. “Não tem como segmentar, todos os músculos são ativados simultaneamente. É uma atividade extremamente completa e lúdica”, diz Sugawara

Os mesmos feitos são conseguidos por quem pretende se aventurar no le parkour. A técnica arrebatou famosos como a atriz Priscila Fantin, e parece, de fato, muito eficaz para movimentar o corpo. Zico Corrêa, um dos primeiros a estudar e reproduzir a modalidade no Brasil, é o responsável por encorajar crianças e adultos a pular muros, escalar paredes, cair sem medo – e com menos impacto – no chão.

O esporte parece exigir o mínimo de consciência corporal e leveza física, porém, é executado também por quem não está no auge da forma física. Segundo o especialista, não há pré-requisitos ou preparo. A ignorância é bem-vinda: o corpo sem vícios é mais fácil de ser moldado.

“O peso não é limitante. Com dedicação e treino também é possível evoluir. A importância de trabalhar com o peso do próprio corpo é um estímulo extra para emagrecer, ajuda bastante.”

Nas aulas de treinamento russo, o Kettlebel – espécie de bola de aço fundido, pesada, com uma alça para encaixar as mãos –, é preciso reproduzir os movimentos com o objeto nas mãos. O trabalho cardiovascular é intenso, sem deixar de exigir força muscular. Cordas e pneus de trator também são instrumentos de trabalho na Vibe Fun e garantem fôlego de maratonista, além do tão desejado corpo enxuto.

“São múltiplas as possibilidades de exercícios. Segurar o Kettlebel não é simples, é pesado, não tem o equilíbrio de halteres, exige muito mais”, pontua Dulho Neves, educador físico.

Lúdico

Além do cardápio diferenciado de modalidades, nos fundos da casa, duas grandes árvores suportam o elástico usado para a prática de slackline, uma fita esticada - no melhor conceito de corda-bamba - que testa a coordenação com caminhadas e manobras. A modalide não tem contraindicação, mas exige um equilibrio hercúleo para percorrer a fita sem se estatelar no chão gramado.

Uma espaçosa sala equipada com vídeo-games interativos também prova que a tecnologia, com algum esforço, caminha contra a obesidade. Todos os jogos exigem movimentação, coordenação e muito suor. Para relaxar, trampolim e cama elástica também estão disponíveis no espaço, sempre ocupado pela presença de um educador físico.

“A ideia é oferecer bem-estar, qualidade de vida e saúde. Queremos que nossos alunos gastem muito tempo no espaço, como um parque de diversão”, conclui Bonaventure.

Fonte:IG

Comentários:

Todo exercício é válido mas tenha sempre o cuidado de ir ao seu cardiologista antes de começar para ter a orientação correta. Se tiver problemas na coluna, joelho ou articulações procure antes seu ortopedista.Assim fará o exercício de acordo com o seu caso, caso contrário, poderá prejudicar parte de seu corpo.

Patrícia Mendes
Nutricionista

Dieta do UFC: lutadores perdem até 10 kg em uma semana

Dieta deve ser restrita aos atletas e feita com supervisão médica. Médicos alertam para o risco desse “emagrecimento” rápido.




Shogun em dia de pesagem no UFC: comemoração ao "bater" o peso
O MMA (Mixed Martial Arts), luta que mistura uma série de artes-marciais, está mais popular do que nunca. Ídolos como Anderson Silva, José Aldo Jr., Maurício Shogun e Júnior Cigano já são reconhecidos e admirados por sua força no octógono do Ultimate Fighting Championship (UFC) – o maior campeonato de MMA do mundo.

Mas bravura mesmo os lutadores têm que demonstrar na semana pré-pesagem. Para atingir o peso e poder se enquadrar em uma determinada categoria, poucos dias antes da luta eles submetem-se a uma dieta rígida e atividades que lembram sessões de tortura.

Quanto mais o dia da pesagem se aproxima, mais restrito fica o cardápio. A refeição principal (muitas vezes a única do dia) é algo como uma xícara de café com dois biscoitos de gergelim; 80 gramas de salada, 200 gramas de macarrão, 200 gramas de salmão sem sal e um suco de limão sem açúcar. Até água destilada os lutadores tomam com o intuito de acelerar o metabolismo.

Como não é apenas a alimentação que ajuda na rápida perda de peso, para eliminar a maior quantidade de líquido possível do organismo, eles turbinam a queima calórica: usam um body sauna - roupa especial que ajuda o lutador a aumentar a temperatura corporal, suar mais e, consequentemente, perder peso – e passam horas em uma sauna ou em banheira quente, suando desesperadamente.

“É praticamente líquido que se perde. Eles quase não têm gordura para queimar”, diz Sérgio “Babu” Gasparelli, técnico especializado em luta de chão, faixa preta de jiu-jitsu.

“Eu só faço essa dieta na semana da luta, tiro 10 quilos de segunda a sexta”, declarou o lutador José Aldo, ao iG Esporte.

A “dieta”, que também tem uma versão conhecida como Dolce Diet, idealizada pelo nutricionista esportivo americano Mike Dolce, é famosa por conseguir que lutadores com problemas de peso consigam atingir o índice de sua categoria. “Esse método restringe a ingestão de carboidrato a quase zero e induz a um processo de desidratação do atleta. Mas não é saudável perder 10 kg em uma semana. Para uma pessoa normal, isso pode causar danos irreparáveis”, alerta o endocrinologista e médico do esporte Ronaldo Arkader, do Hospital Albert Einstein, de São Paulo.

Até para os atletas o médico aponta riscos. “Eles precisam ser bem acompanhados, por fisiologistas e nutricionistas. É essencial estar atento aos níveis de sódio, de potássio, enfim, de eletrólitos de modo geral para não comprometer a saúde”. Desbalanceado, o organismo pode entrar em pane, levando o atleta a ter de tonturas e câimbras a problemas maiores e mais perigosos.

O técnico “Babu” também condena a dieta do UFC. “Minha teoria é que é melhor perder peso aos poucos. Ou seja, fora da luta não deixar o atleta aumentar tanto o peso. Perder 5 kg quando o combate se aproxima, tudo bem. Agora, perder 10, 12 em tão pouco tempo é loucura. É insalubre”.

Para uma pessoa comum, é totalmente desaconselhável. “Ela não aguentaria e nem faz sentido esse sacrifício. Se uma mulher usar o método com a intenção de ficar em forma para colocar o vestido em uma festa, por exemplo, corre o risco de não chegar a essa festa. Câimbra, tontura e desmaio são algumas das consequências”, compara o técnico de MMA.

E no caso dos lutadores, no dia seguinte à pesagem eles praticamente recuperam tudo o que foi perdido. Seria impossível manter o esquema de fome e fraqueza e depois encarar uma luta no octógono.

A dieta é tão delicada que até a volta da comida deve ser gradual. “O alimento passa a ser rejeitado pelo corpo. É preciso reprogramar o organismo”, diz Arkader. “O lutador tem que começar repondo com soro, líquidos e até papinha de nenê, antes de encarar o prato normal”, finaliza “Babu”.

Fonte:IG