quarta-feira, 8 de junho de 2011

Dietas radicais podem fazer você engordar ainda mais


Fuja das atitudes que comprometem a saúde e o bem-estar

Perder peso não é como algumas outras atividades da vida, que se pode resolver por impulso, sem pensar ou pesquisar sobre o assunto. Muita gente pensa que comer menos de uma hora para outra ou parar de comer vai fazer com que a silhueta apareça mais fina no espelho na manhã seguinte, e as calças, mais largas. Puro engano.

As armadilhas
Pular refeições, reduzir demais a quantidade de comida no prato ou ficar horas sem mastigar algo faz mal, alertam os nutricionistas. Segundo eles, comer de maneira errada prejudica a saúde, faz subir o risco de ter anemia e baixa a imunidade.

Para a professora de Nutrição da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), Anita Sachs, a pior atitude é pular refeições. "Não adianta. O problema é que, com essa atitude, você retira nutrientes essenciais do corpo e faz o metabolismo ficar mais lento. Assim, seu corpo trabalha menos e gasta menos energia, além de armazenar uma quantidade grande de gordura, porque ele não sabe quando será alimentado de novo". Ela acredita que não almoçar, por exemplo, fará com que no jantar a pessoa coma mais para se sentir satisfeita.


Negar-se a tomar o café da manhã também não é nada proveitoso. "São mais de quatro horas sem se alimentar, o que pode causar lentidão dos movimentos, dores musculares e de cabeça, tontura, raciocínio confuso, perda de memória, até desmaios. Como o organismo está há 12 horas em jejum, fica exposto a infecções, pois está fraco pela falta de nutrientes"

O corpo entende que, se a pessoa está sem se alimentar por um longo período, ela corre o risco de morrer de inanição. Numa situação de fome, o nível de T3, hormônio da tireoide e importante para a ativação de várias células, inclusive os neurônios, é diminuído.

A forma de o corpo as proteger é frear o gasto calórico em todas as nossas atividades, inclusive respirar, pensar e falar, o que resulta em fraqueza, sono e preguiça.


Fazer muitos exercícios na academia em jejum também não é recomendado, pois o nível de glicose no sangue pode estar muito baixo (hipoglicemia). Aí o organismo vai passar a consumir proteínas e você perde massa magra (músculos), e acaba ficando mais fraco. Seu rendimento cairá e se sentirá mais cansado.

Controle os impulsos
Dominadas por uma fome absurda, as pessoas procuram produtos que dêem sensação de prazer e saciedade, como sanduíches, chocolates e doces, e não pratos de alface, cenoura ou brócolis.

Se você pretende passar o dia na torradinha, melhor mudar de ideia. Caso tenha pensado em ficar beliscando, também não é uma boa opção pois as calorias contidas em petiscos acabam engordando muito mais do que uma refeição.

Então não tem jeito, o negócio é se alimentar corretamente, de preferência a cada três horas e de forma leve, para não debilitar o corpo e poder viver melhor do seu dia, correndo, andando, trabalhando, malhando e tendo energia para praticar todas as atividades que lhe fazem bem.

No quesito comer, é preciso deixar os planos mirabolantes de lado e seguir o que deixará você e seu corpo mais felizes.

Fonte: Yahoo

Tratamento da hiperuricemia

A hiperuricemia é um fator de risco para as doenças cardio-vasculares e renais; por isso, é necessário que o ácido úrico plasmático se mantenha normal. Para isso, é necessário que o médico procure as causas do aumento e oriente o tratamento adequado. Pode ocorrer um ataque agudo articular, provocando a artrite úrica (gota). Neste caso, deve-se usar antiinflamatórios e analgésicos nas crises de dor. Quando há superprodução de ácido úrico devem ser usadas substâncias hipourecemiantes pelo bloqueio da enzima xantina-oxidase.
No paciente que elimina mal o ácido úrico pelo rim podem ser usados os uricosúricos que aumentam a excreção renal de uratos. Com a diminuição da produção e aumento da excreção dos uratos, se faz a profilaxia das recorrências de artrite, gota, nefrite e cálculos renais. Há fatores predisponentes que devem ser excluídos como:
o uso abusivo e constante de álcool, dietas inadequadas e medicações que diminuem a excreção urinária de uratos como, diuréticos, antinflamátorios e outros.
Um ponto fundamental do tratamento é manter o ácido úrico abaixo do normal por um tempo nunca inferior a 6 meses para que os uratos sejam desmobilizados dos tecidos e ossos, evitando a deposição dos cristais
A dieta é um item importante do tratamento do ácido úrico, mas não o único.

Os alimentos não recomendados e que devem ser evitados pelos pacientes com hiperuricemias são aqueles ricos em purinas, como:

as carnes,
miúdos (fígado, coração, língua e rins),
peixes pequenos,
frutos do mar como as sardinhas, arenque, anchova, mexilhão, camarão e ovas de peixes.
Os caldos e ensopados devem ser evitados porque o ácido úrico é muito hidrossolúvel e quando qualquer tipo de carne é cozido em água, o ácido úrico se difunde e se concentra nos líquidos de cozimento.
Certos grãos como feijão, grão de bico, ervilha, lentilha e grãos integrais têm muita purina e devem ser evitados.

Para finalizar, cabe dizer que toda a dieta, por melhor que seja, só pode reduzir em 25% os valores plasmáticos do ácido úrico. Isso ocorre em aproximadamente 10 dias após o início da dieta.

Fonte: ABC da saúde

Deixe de lado os 10 mitos mais famosos sobre nutrição

Abandone idéias falsas para que sua dieta e seu treino rendam mais


As especialistas em nutrição Wendy Repovich e Janet Peterson, membros do American College of Sports Medicine, expuseram durante a 11ª Conferência Anual de Saúde e Fitness da entidade, dez mitos relacionados à nutrição. Alguns são conselhos transmitidos de geração em geração.

1. Diabetes tipo 2 pode ser prevenido ingerindo alimentos de baixo índice glicêmico. Altos níveis de glicose não são o que causa diabetes. A doença é causada pela resistência do corpo à insulina. Alimentos com alto índice glicêmico podem causar picos no nível de glicose, mas isso é apenas um indicador da presença de diabetes, não a raiz do problema.

2. Comer imediatamente após o trabalho muscular irá impulsionar a recuperação. Atletas de resistência (endurance) precisam ingerir carboidratos imediatamente após o exercício para repor os níveis de glicogênio, e uma pequena quantidade de proteína para acentuar essa reposição. Isso pode ser feito bebendo um achocolatado desnatado ou um isotônico. A proteína nesse momento não irá ajudar a construir músculos, então, para atletas de força (trabalho anaeróbico), não é preciso comer imediatamente após seu treinamento.

3. Pessoas com síndrome do intestino irritável devem evitar comer fibras. Há dois tipos de fibras, solúveis e insolúveis. Apenas esta última pode ser fonte de problemas. As fibras solúveis, no entanto, encontradas na maioria dos grãos, são absorvidas mais facilmente pelo corpo e podem ajudar as pessoas com a síndrome a prevenir constipações.

4. Ingerir porções extras de proteína é necessário para ganhar massa muscular. A menos que o corredor faça um treino significativo com peso, a proteína extra não terá nenhum efeito. Mesmo uma exigência maior do nutriente em função do treino pode ser suprida facilmente pela alimentação.

5. Suplementos vitamínicos são necessários para todo mundo. Com uma alimentação variada em frutas, vegetais e grãos integrais, quantidades moderadas de proteína magra e quantidade adequada de calorias, não há por que tomar suplementação. Os suplementos vitamínicos são recomendados para gestantes e pessoas com distúrbios nutricionais.

6. Evitar álcool. Moderação é a chave. Todo álcool é um anticoagulante, e o vinho tinto contém antioxidantes benéficos para a saúde.

7. Comer ovos elevará o colesterol. O mito surgiu porque a gema tem a maior concentração de colesterol do que qualquer outro alimento. Porém, não é suficiente para colocar a saúde em risco se houver moderação no consumo. Estudos sugerem que um ovo por dia não elevará o colesterol e será uma grande fonte de nutrientes.

8. Grãos marrons são de produtos integrais. Corantes e aditivos marrons podem dar aos alimentos a aparência de serem integrais. Ler os rótulos é boa dica para se certificar. Ingerir cerca de 90 g por dia de grãos ajuda a reduzir o risco de doenças do coração e diabetes.

9. Beber oito copos de água por dia. É preciso repor o líquido perdido a cada dia, durante a respiração, a excreção e no suor, mas isso não significa beber dois litros de água diariamente. É difícil medir a quantidade exata de água ingerida em bebidas e na alimentação. Um indicativo é a urina, se estiver amarelo escuro, beba mais água.

10. Comer carboidrato engorda. Cortar os carboidratos da dieta pode ter um benefício de redução de peso no curto prazo, devido à perda de líquido; mas comer carboidrato com moderação não ocasiona um ganho de peso diretamente. O corpo usa carboidrato como fonte de energia e um período sem ele pode causar cansaço e letargia.

Fonte: Yahoo