domingo, 8 de maio de 2011

Bolo de maçã Light

Receita ótima!

1 porção = 60 g (1 fatia média)
número de porções = 9

Valor nutricional e calórico por porção
calorias = 90 kcal
carboidratos = 6.25 g
proteínas = 3.20 g
lipídios = 5.53 g


Ingredientes

- 1 colher (sopa) de adoçante forno e fogão
- 4 colheres (sopa) de margarina light
- 4 gemas - 4 claras em neve
- 1/2 xícara (chá) de leite desnatado
- 2 xícaras (chá) de farinha de trigo
- 1 colher (sopa) de fermento em pó
- 1 pitada de sal - 1 maçã cortada em fatias finas
- 1 colher (sopa) de açúcar light
- canela em pó e açúcar para polvilhar

Modo de Preparo

Bata o adoçante, a margarina light e as gemas. Adicione o leite, intercalando com os ingredientes secos. Junte as claras em neve e misture. Despeje metade da massa na forma untada e polvilhada. Coloque o açúcar light no fogo, em uma panela com a maçã cortada em fatias finas. Deixe cozinhar por alguns minutos e acrescente à massa. Cubra com o restante da massa. Polvilhe com açúcar e canela e asse em forno pré-aquecido (200ºC) por 30 minutos aproximadamente ou até dourar. Corte em quadrados.

Fonte: Cyber diet

Evitando a tentação




Nos primeiros dias de emagrecimento, não importando qual método utilizado, a pessoa emagrece bastante e fica animada. Essa animação tira a concentração de seu objetivo e a tentação começa a dar o ar da graça.Queremos ajudá-las dizendo que a tentação dura apenas um segundo. Sim, apenas um segundo. Se houver um objetivo claro e estimulador ao emagrecimento, essa tentação será logo rechaçada e não mais perturbará.

Mas, pode haver uma distração. Como por exemplo: "se eu comer apenas um pedacinho desse bolo poderá não fazer diferença no meu emagrecimento, pois já emagreci bastante na primeira semana". Ou "será que com um pedacinho só desse bolo vou engordar?" Notem que essa pessoa está valorizando o bolo e desconcentrando-se do seu objetivo. A tentação vai ganhando força.

Caso uma pessoa ao lado saiba da sua dieta poderá dizer: "boba, coma só um pedacinho que não faz mal, amanhã você continua". E a pessoa pensa: "é mesmo, só um pedacinho não vai interferir".

E aí a tentação venceu a batalha e a pessoa come um pedacinho, mais outro e quando chegar em casa arrependida come outro doce porque já deturpou o cardápio mesmo.

Outra forma para afastar a tentação quando der vontade de comer algo fora do cardápio e do horário é distrair-se com alguma atividade que lhe dê prazer, como ler alguma coisa que goste, caminhar, mexer nas plantas, olhar um álbum de fotografias, entrar na internet e pesquisar. Enfim, fazer alguma atividade para preencher aquele vazio deixado pela vontade de comer um doce.

Se a vontade for muito forte outra sugestão é ter sempre na geladeira uma gelatina diet ou uma fruta pouco calórica. Ainda para combater a tentação, é indicado manter os horários do cardápio e segui-lo rigidamente. Quando alimentar-se, mastigar bem, sentindo o sabor de cada coisa ingerida.

Exercício físico regular, como a caminhada, é muito bom para liberar serotonina no organismo e dar sensação de bem estar. Para que não sofra tentação dentro de sua casa, evite comprar e estocar os doces e alimentos calóricos demais. Sabendo que não tem nada em casa não será tentada.

Amplie o tempo de convivência familiar, trocando mais experiências, dando-lhes mais atenção às pessoas, conhecendo-as melhor. Compartilhe atividades com eles. Às vezes, o vazio pode estar justamente no setor familiar, que faz você procurar alimentos para preenchê-lo.

Tenha sempre em mente o seu objetivo e visualize seu resultado. Nesse caso, o futuro estimula o presente e faz esquecer os esquemas mentais passados. As tentações podem ser vencidas.

Fonte: Cyber diet

Festas: aprenda a escolher os melhores alimentos !



Muitas pessoas imaginam que quem está seguindo um plano alimentar com o objetivo de emagrecer deve se privar da maioria dos encontros sociais, principalmente das festas como as de casamento ou aniversários nas quais os alimentos "tentadores" ou "proibidos" estão sempre presentes.

As festas, assim como quaisquer outros programas como viagens e passeios, são ótimas oportunidades para aprendermos a escolher e controlar a ingestão de alimentos dentre as opções oferecidas.

O importante é participar dessas reuniões sabendo o que pode comer à vontade ou não.

Confira nas dicas abaixo:


Antes de ir à festa procure fazer um lanche rápido (por exemplo: coma uma fruta ou tome um copo de suco natural ou leite) pois, ficar muito tempo sem se alimentar fará com que você queira "devorar" tudo o que aparecer na frente. Além disso, pode ocasionar hipoglicemia (queda na taxa de açúcar do sangue) provocando mal-estar ou tontura.

Se antes do almoço ou jantar forem servidos salgadinhos ou, se na festa servirem apenas esse tipo de preparação, evite consumir os que são fritos (como coxinhas, bolinhas de queijo, pasteizinhos ou croquetes) pois são muito calóricos. Se não der para resistir, opte pelos assados (como mini-esfihas e pãezinhos de queijo), consumindo-os com moderação. Moderação, nesse caso, significa comer apenas 1 ou 2 unidades de cada salgadinho assado, totalizando no máximo 4 a 5 unidades.


Evite os petiscos feitos com massa "podre" (exemplo: empadinhas) ou folheada (exemplo: tortinhas e croissantes) pois, apesar de serem assados, eles possuem uma grande quantidade de gordura na sua composição, tornando-os, às vezes, tão calóricos quanto os salgadinhos fritos.

Com relação aos patês, evite consumí-los. Por serem elaborados, na maioria das vezes, com creme de leite ou maionese dificilmente, eles têm baixo valor energético. Com exceção para os feitos à base de ricota e, posteriormente, temperados com ervas desidratadas, frescas ou tomate seco.

Antes de você se servir, observe todas as preparações do bufê. Verifique se há saladas de hortaliças (verduras e/ou legumes) e inicie sua refeição, ingerindo-as. Você pode comê-las à vontade. No entanto, para temperá-las, evite a utilização de molhos cremosos, pois em geral, eles são feitos com maionese ou creme de leite, apresentando dessa forma, um alto valor calórico. A melhor opção é temperá-las com suco de limão e sal ou com molho vinagrete, molho inglês ou shoyu.

Na hora de escolher os alimentos quentes do bufê, lembre-se que existem dois fatores essenciais para o aumento do valor calórico dos mesmos:

a adição de ingredientes gordurosos durante o preparo - como, por exemplo: o acréscimo de bacon no feijão, de molhos cremosos nas carnes e massas ou de queijo ralado sobre o arroz, batatas ou massas;

a forma de preparo, por exemplo, os alimentos empanados e fritos - devido à maior absorção de óleo durante a fritura - apresentam um valor energético maior que os cozidos ou assados.


Pode-se deduzir, portanto, que as preparações mais calóricas são as que contêm ingredientes ricos em gordura e as que sofreram um processo de fritura. Portanto, evite-os.


Evite repetir as preparações. Em um único prato, coloque bastante salada e complete com outros alimentos, sem exagerar nas quantidades. Coma devagar. Mastigue bem, saboreando os alimentos, sem pressa. Se antes de terminar de comer, você se sentir "satisfeito", pare. Não coma, se estiver sem fome, só porque sobrou um pouco de comida no prato.

Quanto às sobremesas, lembre-se que a ingestão de muitos doces não é indicado para quem quer emagrecer, pois eles são muito calóricos principalmente, os que contêm gordura em sua composição. As melhores opções de sobremesa são as frutas, as gelatinas ou as saladas de frutas (sem creme). Caso queira saborear alguns docinhos, faça de maneira moderada: coloque em um pratinho, no máximo 3 unidades pequenas juntamente com uma fatia fina de bolo. Consuma no prato, pois assim, você terá uma melhor noção do quanto está comendo.


Para beber, prefira água mineral ou refrigerantes light. Dentre as bebidas alcoólicas, a champagne é a melhor opção por apresentar um dos menores valores calóricos (1 taça = 85 Kcal), vindo a seguir a cerveja (1 copo de chopp = 107 Kcal) e o vinho tinto (1 taça = 108 Kcal).


Por fim, não esqueça de curtir muito a festa. O objetivo principal dessas reuniões sociais não é comer, mas sim encontrar pessoas queridas, amigos e familiares. Portanto, tente se entreter com outras atividades, como conversar, dançar, ouvir músicas e, se divertir bastante.

Fonte: Cyber diet

O infarto do novo século


Problemas emocionais e ambientais, associados à predisposição genética, são gatilhos para doenças cardíacas.

Uma forte dor no coração, como se ele rasgasse por dentro, subitamente. A frase parece apenas uma metáfora clichê, sempre acessível para descrever uma mágoa profunda, mas não física. O coração partido, porém, no auge do século 21, deixou de ser muleta dos sofredores e passou a fator de risco para problemas cardíacos. Dor de amor também pode matar.

Depressão e problemas emocionais, associados a uma predisposição genética, estão entre as causas de infartos em pacientes jovens, alerta Marcelo Ferraz Sampaio, cardiologista do Hospital Oswaldo Cruz, chefe do Laboratório de Biologia Molecular do Instituto Dante Pazzanese, em São Paulo e especialista no tema.

O médico revela que nos últimos anos, o índice de infartos atípicos no setor de emergência do hospital foi surpreendentemente alto. Além do fator numérico, os pacientes tinham características clínicas semelhantes: jovens, em sua maioria mulheres, saudáveis, mas com incidentes cardíacos severos.

“Observávamos, ao fazer a identificação da artéria, que o coração tinha infartado, mas não havia lesão. Começamos, então, a desvendar como essa artéria poderia ter provocado a restrição de fluxo por mais de 20 minutos, sem ter nenhum comprometimento.”

Ao confrontar os pacientes com pesquisas internacionais, o especialista constatou que essas artérias sofrem um Sistema de Restrição Dinâmica ao Fluxo. A consequência e o processo são semelhantes ao que ocorre em um infarto tradicional, provocado pela conhecida lista de fatores de risco: obesidade, diabetes, hipertensão e cigarro. Neste caso, no entanto, o gatilho é emocional.

Como ocorre

A passagem de sangue é obstruída não pelas placas de gordura, mas por um estreitamento das paredes da artéria, responsável por interromper o fluxo. O mesmo evento é diagnosticado em casos de overdose de drogas como cocaína e crack, ou no uso de anabolizantes.

"Também é possível que as plaquetas do sangue fiquem como se fossem 'tresloucadas', interrompendo o fluxo subitamente, gerando os infartos. Descobrimos que esses pacientes têm alteração da formação das plaquetas”, explica o especialista.

Esse mesmo processo ocorre em pacientes com depressão. “A doença emocional, em tese, não é fator de risco pra doença cardíaca, mas pode ser, em determinadas circunstâncias, o fator principal”, endossa Sampaio.

O estresse da vida profissional e o excesso de responsabilidades, dentro e fora de casa, somados aos conflitos e decepções pessoais, transformaram-se em um coquetel venenoso para um coração normal, sem problema algum.

O fator genético

A literatura médica mundial aponta que 15% dos infartos sem os fatores de risco tradicionais – cigarro, diabetes, obesidade e hipertensão – foram desencadeados por processos que começaram no âmbito psicológico. A matemática, porém, não é simplista e imediata. Para que o coração partido ultrapasse a metáfora é preciso que exista uma série de combinações genéticas e ambientais.

A analogia da chave e da fechadura é a maneira como Sampaio consegue traduzir os preceitos da medicina genética a seus pacientes. Nas palavras do médico, a predisposição dos genes nada mais é do que uma fechadura. “A porta está fechada. A chave é o estresse emocional, e a fechadura sua carga genética. Quando a chave certa encontra a porta certa, a doença aparece.”

O mapeamento genético, porém, não seria uma forma de prevenção. Embora o Projeto Genoma tenha mapeado todos os genes que existem no organismo humano, a medicina ainda não conseguiu antecipar quais combinações entre esses genes são responsáveis por desencadear as mais variadas doenças. A única forma de manter-se longe dos infartos, tradicionais ou atípicos, seria a manutenção da saúde, tanto mental quanto física, defende o médico.

“Hoje os alimentos não são mais saudáveis, passam por agrotóxicos para conservação. Não só comemos mal, como recebemos o alimento em pior estado. A falta de tempo é desculpa para tudo. A pressão do dia a dia faz com que o artifício de relaxamento e prazer seja uma comida calórica, gordurosa. O chocolate nos dá o prazer que não temos no trabalho, na família, na relação sexual. Esse comportamento social do mundo moderno gera pessoas mais expostas.”

A experiência individual não serve apenas de alerta. Para contornar os problemas emocionais, Iris trocou a lousa pelos pincéis – ministra aulas de pintura em faiança para mais de 30 alunos, produz peças para venda e toca o próprio ateliê. O coração bate devagar, quase ao som do new age, música fundo de suas aulas, mas ela se define clinicamente como ótima: controla a alimentação, toma uma taça de vinho nos dias mais agradáveis, pratica atividade física regularmente - uma caminhada leve de 60 minutos - e aposta que ultrapassará a casa dos 100.

Na receita médica, as indicações permanecem universais, e cabe a cada um achar seu componente pessoal: alimentação balanceada, atividade física regular, lazer, tranquilidade e terapia – esvaziar a mente dos problemas e não permitir que eles consumam o organismo – podem ajudar a blindar o coração.

Fonte: IG