quinta-feira, 5 de maio de 2011

Dicas para gestantes

Durante o período gestacional ocorrem constantes mudanças fisiológicas e psicológicas.

Desta forma, torna-se essencial o acompanhamento multidisciplinar pré-natal, visando à saúde tanto da mãe quanto do bebê.

O acompanhamento nutricional tem como objetivos:

Auxiliar na prática de hábitos alimentares saudáveis
Avaliar o estado nutricional da gestante
Calcular a quantidade de peso saudável que a gestante deverá ganhar durante toda a gestação
Acompanhar o ganho de peso durante a gestação
Garantir adequado aporte nutricional para mãe e bebê
Auxiliar quando ocorrer náuseas, vômitos, desconforto intestinal entre outros

O ideal é que o acompanhamento inicie-se no primeiro trimestre de gestação. Nesta fase ocorre o desenvolvimento dos órgãos do sistema nervoso (cérebro), estrutura esquelética (dedos dos pés e mãos, coluna, pescoço) e formação de ossos e cartilagens do feto

A alimentação neste período deve:

Primeiro Trimestre - Alimentação variada

- Alimentação fracionada
- Ingerir alimentos ricos em proteínas (carnes, leite e derivados, feijão, lentilha, soja, entre outros)
- É importante a ingestão de leite e seus derivados, pois são ricos em cálcio
- Carboidratos (pães, massas, trigo e derivados) devem ser consumidos, porém na quantidade adequada. Prefira os cereais integrais
- Frutas, verduras e legumes devem ser consumidos. É importante a variedade para garantir boa oferta de todos as vitaminas e minerais


Neste período são comuns os sintomas de náuseas e vômitos. Algumas orientações nutricionais auxiliam na melhora dos sintomas:

Evitar muitas horas em jejum (sem se alimentar)
Realizar refeições fracionadas (várias vezes ao dia e em menor quantidade)
Evitar alimentos muito condimentados ou que contenham forte odor
Alimentos gordurosos e frituras podem propiciar o aumento dos sintomas
Evitar a ingestão de líquidos durante as refeições
Evitar deitar-se após as refeições

Alguns outros sinais e sintomas são comuns ao período gestacional. Veja quais são e o que se pode fazer para amenizá-los:


Sinais e Sintomas. O que fazer?

Azia - Realizar refeições fracionadas
- Evitar chá mate e preto, café.
- Identificar os alimentos que mais causam desconforto
- evitar bebidas gaseificadas
- Evitar alimentos gordurosos

Aumento da Salivação
-Realizar refeições fracionadas
- Evitar alimentos muito condimentados

Obstipação Intestinal e Gases
- Aumentar a ingestão de líquidos entre as refeições
- Aumentar a ingestão de alimentos integrais
- Aumentar a ingestão de frutas e verduras cruas e com casca quando possível
- Evitar alimentos que causam mais flatos
- Verificar alguma intolerância pessoal a algum tipo de alimento.
- Praticar algum tipo de atividade física melhora o funcionamento intestinal e ameniza os gases

Fraqueza e/ou desmaios
- Realizar refeições fracionadas
- Evitar jejum

Sensação de empachamento
- Realizar refeições fracionadas
- Diminuir o volume de cada refeição
- Mastigar bem os alimentos
- Evitar a ingestão de líquidos durante as refeições
- Não realizar as refeições trabalhando, vendo TV ou no computador



* A prática de atividade física com o acompanhamento médico e de um profissional especializado auxilia na redução dos sintomas, além de ser saudável para a mãe e para o bebê.


Durante o segundo trimestre e o terceiro trimestre de gestação o bebê continua a crescer e se desenvolver. As necessidades de vitaminas, minerais e proteínas devem ser monitoradas e atendidas com uma alimentação balanceada, a fim de evitar deficiência de algum nutriente na mãe e prejudicar a gestação e a saúde do bebê.


As fontes de proteínas devem ser variadas:

Origem animal: carne vermelha, frango, peixe, leite e seus derivados.
Origem vegetal: soja, feijão, lentilha, grão de bico.

As fontes de vitaminas e minerais devem ser variadas:

Diversificar o consumo de verduras e legumes
Dar preferências aos legumes e verduras crus
Variar o consumo de frutas
Consumir frutas cítricas (possuem vitamina C – importante para melhorar a defesa imunológica e aumentar a absorção de ferro)

- O consumo de água deve manter-se entre 1,5 a 2,0 litros/dia
- A prática de atividade física deve ser mantida, quando autorizada pelo médico
- Manter uma alimentação fracionada e com menor volume
- Tomar sol ajuda na produção de Vitamina D – auxilia na fixação do cálcio nos ossos


O acompanhamento nutricional visa, durante toda a gestação, suprir as necessidades da mãe e do bebê, auxiliando na escolha correta dos alimentos, hábitos alimentares saudáveis, acompanhando o estado nutricional da mãe e o crescimento do feto.

Fonte: Dra. Alessandra Coelho

A Dieta da Mãe que Amamenta

O mesmo podemos dizer para as mães que amamentam, pois durante este período há um aumento das necessidades energéticas em função do grande gasto calórico para a produção do leite. A mãe que está amamentando não pode esquecer de ingerir líquidos em grandes quantidades, principalmente água (pelo menos um litro por dia), chás e sucos. O baixo consumo de líquido pode levar a uma diminuição da produção de leite

Precauções Necessárias para as Mães que Amamentam:

Evitar grandes quantidades de café, chá preto, chocolate, alimentos com corante, alimentos light e adoçantes;

Não exagerar em temperos de odor forte, como o alho;

Não fumar nem fazer uso de bebidas alcóolicas;

Procurar comer peixe duas a três vezes na semana;

Não tomar medicamentos sem orientação médica, pois algumas drogas podem ser transmitidas para o leite.

É fundamental que essas fases "especiais de nossas vidas" sejam muito bem programadas e orientadas por profissionais competentes para garantirmos a nossa saúde e a de nossos filhos.


Fonte: A dieta da gravidez

Dicas para quem faz quimioterapia

A Quimioterapia é um tratamento que utiliza medicamentos que atuam nas células dos tumores, com a intenção de destruí-las ou impedir seu crescimento. Porém, neste processo, ela atinge tanto células sadias como as

anormais, fazendo com que apareçam efeitos colaterais desagradáveis que muitas vezes prejudicam o bem-estar da pessoa.

Dentre estes efeitos colaterais podemos citar: perda de apetite, boca seca, náusea e diarréia, ou seja, situações que podem interferir nos hábitos alimentares das pessoas que passam por este tratamento.

É muito importante que a boa alimentação seja a meta não somente da pessoa que está em tratamento como também de toda a família. Para isto, o nutricionista deve elaborar um plano alimentar personalizado.

Para amenizar a sintomas de enjôo e náuseas e prevenir feridas na boa é importante:


01) evitar frituras;
02) consumir de preferência óleo de canola, milho, girassol ou soja, em pequena quantidade;
03) ter sempre um prato colorido e apetitoso;
04) prefira vegetais cozidos;
05) fazer várias refeições ao dia, em pequenas quantidades;
06) evite líquidos durante as grandes refeições;
07) comer devagar e mastigar muito bem;
08) evite cheiros fortes como de alimentos codimentados, excesso de ervas e frituras;
09) evite deitar logo após as refeições;
10) evite o consumo de alimentos duros e secos (torradas por exemplo);
11) prefira alimentos em temperatura ambiente (evite os quentes ou frios demais);
12) opte pelo consumo de alimentos macios e pastosos;
13) reduza o consumo de sal;
14) não ir de jejum a quimioterapia. Uma refeição leve é sempre indicada;
15) evite o consumo de molhos gordurosos (como os à base de creme de leite);
16) evite café, chá mate, preto, chocolate e coca, principalmente se tiver diarréia.



Fonte: Nutricio