domingo, 30 de outubro de 2011

Como preparar uma marmita saudável


Nem toda comida caseira pode ser consumida no ambiente de trabalho. Saiba quais são os alimentos adequados e a melhor forma de armazená-los.

Cuidado na hora de preparar a marmita
Durante a crise econômica ou na necessidade de emagrecer, a marmita é sempre uma boa opção. Além de economizar o vale-refeição, garante uma alimentação de qualidade e impede os excessos (in)volutários dos restaurantes por quilo ou a la carte.
Antes de aposentar o ticket e garantir o almoço do dia seguinte com a sobra do jantar, é preciso seguir à risca as orientações dos nutricionistas. Nem toda comida pode ser transportada e sofrer oscilações de temperatura. Carnes e molhos pesados, feitos à base de creme de leite, por exemplo, devem permanecer na geladeira de casa, nunca do trabalho.

O microondas comunitário, embora garanta uma refeição quentinha, é um potencial foco de contaminação. Uma escolha equivocada pode resultar em infecção ou intoxicação alimentar.

A pedido do iG Saúde, Patricia Bertolucci, nutricionista da PB Consultoria e Roseli Rossi, nutricionista da clínica Equilíbrio Nutricional, respondem às principais dúvidas do tema e ensinam a preparar uma marmita saudável.

Quais alimentos devem ser banidos de marmitas, ou seja, não são recomendados?
Os alimentos mais perecíveis. Os que requerem maiores cuidados com relação à temperatura de transporte e armazenamento são os menos recomendados: carne de porco, peixes, frituras, empanados, molhos cremosos ou gordurosos (com linguiça, paio, bacon), maionese (creme industrializado e salada), molho branco e feijoada.

“Caso utilize estas preparações em marmitas, tenha cuidado redobrado com relação à manutenção de temperatura de transporte, armazenamento e reaquecimento. O risco de contaminação é muito mais alto”, alerta Patricia Pertolucci.

Molhos à base de leite, creme de leite, maionese ou iogurte (molho branco, creme de milho, creme de espinafre) tendem a azedar mais facilmente com oscilações de temperatura.

As frituras também devem ser evitadas, explica Roseli Rossi. “Elas perdem a característica e o sabor ao serem requentadas, além de serem ricas em gorduras e substâncias prejudiciais a saúde. Por isso dê preferência a outros tipos de preparação como assados ou cozidos.”

Fechando a lista dos itens contraindicados está o tomate. A fruta não é uma boa opção, pois solta muita água e acaba umedecendo a comida toda.

Quais os alimentos mais indicados?
Carnes magras (frango, ovo, peixe). A carne bovina e de porco contêm bactérias muito resistentes, que permanecem vivas mesmo em altas temperaturas.

Tubérculos, hortaliças e legumes sem temperos. Grãos como o feijão, a ervilha a lentilha e o grão-de-bico também têm passe livre.

A proposta da marmita é favorecer uma alimentação saudável. Para isso, é importante escolher a combinação dos nutrientes equilibrando a quantidade de carboidratos (arroz integral, feijões, batata, massas), proteínas (carnes, peixes e frango – assados, cozidos ou refogados), legumes e verduras (brócolis, abobrinha, cenoura, chuchu, pepino, couve, escarola – refogados, crus ou cozidos no vapor), indica Patrícia.

Se a comida for aquecida no forno de microondas, também é aconselhado que as carnes não sejam somente grelhadas, para não ficarem secas. Elas podem ser cozidas ou podem ser acompanhadas de algum molho leve, como chutney de manga, molho de maracujá ou molho de alcaparras.

Como escolher os alimentos na hora de prepará-la?
Escolha alimentos de boa qualidade, respeite a sazonalidade, higienize adequadamente e opte por uma técnica de preparo que seja grelhada, assada ou cozida. Sempre submeta à temperatura e ao tempo que mantenha o total cozimento do alimento para garantir menor risco de contaminação. Evite ingredientes condimentados, que sejam acrescidos de bacon, linguiça e outros embutidos e com molhos cremosos.

Dê preferência aos alimentos mais frescos, para minimizar os riscos de contaminação. “Não recomendamos a utilização de produtos que foram preparados a mais de dois dias. O ideal é que as marmitas sejam montadas com alimentos feitos, no máximo, na noite anterior”, endossam as nutricionistas.

Na hora de montar a marmita, escolha um tipo de proteína (carne, frango, peixe ou ovo – omelete ou ovo mexido), um ou dois tipos de carboidrato (arroz integral e feijão, arroz com lentilha, batata ou mandioquinha, por exemplo) e um tipo de verdura cozida (cenoura, abobrinha, berinjela, chuchu). Em um recipiente à parte, monte uma salada com folhas cruas e legumes crus. E ainda leve uma fruta de sobremesa ou para ser consumida uma hora depois do almoço.

Quanto tempo a marmita pode ficar sem refrigeração?
Durante o inverno é permitido manter fora de refrigeração por no máximo duas horas. No verão, apenas 60 minutos. Segundo recomendações da ANVISA, não se deve deixar os alimentos cozidos expostos a temperatura ambiente (até 21ºC) por mais de duas horas. Em temperaturas mais elevadas o tempo de exposição deve ser ainda menor.

Como minimizar os possíveis danos para quem não tem geladeira no ambiente de trabalho?
Manter em bolsa térmica com géis de gelo. Neste caso, é possível congelar (o prato principal à base de proteínas) e refrigerar o restante até o momento de montar a marmita na bolsa térmica. Manter em local fresco até o momento de levar ao microondas e aquecê-la por mais tempo, em alta temperatura.

Para evitar grandes chances de multiplicação de bactérias recomenda-se a utilização de sacolas ou bolsas térmicas para conservação das marmitas. Elas podem ser congeladas e transportadas na bolsa térmica mantendo assim a temperatura inferior a 5ºC. Assim, é possível diminuir os riscos de desenvolvimento de microorganismos prejudiciais nos alimentos.

Se a marmita for congelada, melhor evitar também as seguintes preparações: maionese, vegetais crus, ovo cozido, batata cozida, preparações com creme de leite e tomate.

Alguma dica para que a salada não amoleça, fique opaca e sem sabor?
Pode-se colocar um pouco de água gelada nas folhas e escorrer antes de consumir. O ideal é levar o tempero à parte. O risco de contaminação cruzada entre os crus e cozidos é alto, além de ser prejudicial à aparência e qualidade da preparação.

Como compor a marmita em cada dia da semana, pensando em uma dieta balanceada?
O ideal é que sempre na composição tenha: vegetais (folhas, verduras e legumes), 1 carboidrato (arroz integral OU batata OU MILHO ou macarrão integral) + 1 proteína (frango OU carne OU peixe OU ovos) + 1 fruta. Recomenda-se o consumo de peixes 1 vez por semana e as carnes vermelhas 2 vezes na semana, frango 3 vezes e ovos 1 vez por semana.

O ideal é levar a salada com folhas e vegetais crus, alimentos que fornecem fibras e minerais necessários para o dia a dia. Como fonte de energia escolher de um ou dois carboidratos, de preferência aos de baixo índice glicêmico, como o arroz integral, arroz 7 cereais ou quinua, além das leguminosas como o feijão, grão-de-bico e lentilha. Estes alimentos fornecem energia ao corpo de forma mais lenta, não elevando a glicemia.

Ao escolher as proteínas, prefira as magras (frango sem pele, carne bovina sem gordura aparente, peixes que são ricos em ômega 3 – acido graxo essencial) e evite as frituras.

Como opções de guarnição, dê preferência aos legumes e verduras refogados, cozidos ou assados, temperados com açafrão ou ervas como tomilho, salsinha e alecrim. O mais importante é que haja uma variação nos tipos de alimentos consumidos durante a semana para que o organismo consiga equilibrar e utilizar todos os nutrientes que precisa.

A marmita é uma boa opção para quem deseja perder peso? Nesses casos, quais as recomendações?
O ideal é fazer a marmita sem se privar de nenhum alimento e equilibrar as quantidades e a qualidade dos alimentos levados. Por exemplo, se levar arroz e feijão exclua o purê de batata, pois o arroz e feijão já oferecem a porção de carboidratos necessária para o almoço.

“Planejar a alimentação com antecedência também ajuda a evitar os exageros que cometemos na hora da fome e com a oferta de alimentos pouco saudáveis nos restaurantes”, recomenda Patrícia.

Comer no trabalho aumenta a fome ao longo do dia? Como evitar que isso ocorra?
Não se recomenda comer no ambiente de trabalho, escritório, mesa de trabalho, em frente ao computador, pois não se presta atenção ao que se come. É fundamental que a refeição seja realizada no refeitório da empresa ou em algum ambiente que permita uma pausa no dia.
Como esquentar essa comida? Existe alguma forma mais adequada?
Para reaquecer a marmita, o correto é encher uma assadeira com água para que cubra até 2/3 do recipiente (há marmitas que já vêm com uma linha indicadora de até onde deve se encher de água). Deixe a água chegar a uns 70ºC a 75ºC e deixe cozinhar, dependendo do tipo de alimento leva um tempo. No microondas é só colocar o tempo que varia conforme o alimento.


Como armazenar e transportar frutas? Descascar antes ou somente na hora de ingerir o alimento?
As frutas devem ser descascadas somente na hora do consumo. Embrulhe com papel toalha, passe um filme plástico e, por fim, papel alumínio.

Fonte: IG

11 Dicas para emagrecer as compras no supermercado


Diminuir industrializados e prestar atenção ao próprio estado de ânimo durante as compras são algumas delas, diz nutricionista.

Emagreça as compras do supermercado: uma das dicas é planejar compras de produtos frescos toda a semana.
Escolher entre comprar uma dúzia de laranjas ou uma garrafa do suco da fruta industrializado influencia diretamente no perfil nutricional do seu café da manhã e também na quantidade ingerida de sódio, um dos inimigos da hipertensão e da obesidade.

Uma pesquisa já alertou que os consumidores priorizam produtos práticos em vez de saudáveis. Com um pouco de planejamento, no entanto, é possível “emagrecer” as compras e deixá-las mais amigas da saúde.

A nutricionista do Hospital Beneficência Portuguesa, Viviane Chaer Borges, e a equipe do Programa Vigilantes do Peso ajudaram o iG Saúde a reunir várias dicas úteis antes de partir para o supermercado. Confira abaixo e boas compras!

1) Planeje as compras

Produtos de limpeza podem ser comprados com uma periodicidade maior, em torno de um mês entre uma compra e outra. O intervalo ideal para abastecer o congelador com as carnes é de 15 dias. Já os produtos in natura, como frutas e vegetais – imprescindíveis para dar saúde às refeições – precisam ser adquiridos semanalmente. Por isso, faça uma programação para as compras mensais e semanais.
2) Faça cardápios em vez de listas

Para evitar o desperdício, o ideal é fazer cardápios das refeições feitas em casa, sendo o café da manhã e o jantar as mais frequentes. “Não adianta comprar uma variedade imensa de legumes e frutas que vão estragar”, orienta Viviane. Em cada semana, o ideal são dois tipos de legumes, três variedades de verduras e seis de frutas, que podem aumentar ou diminuir de acordo com o número de pessoas que dividem a residência. Antes de ir ao mercado, pense em cardápios variados para todos os dias da semana. Com a receita em mãos, é mais fácil acertar na quantidade e na variedade.
3) Alterne industrializados e in natura

As especialistas sabem que os produtos industrializados facilitam a vida de quem trabalha fora de casa. “Os sucos prontos, por exemplo, podem ser uma opção para levar de lanche. O que não pode é todo líquido ingerido ser artificial. É preciso mesclar”, orienta Viviane. A mesma regra vale para as refeições. Se você vai usar uma mistura pronta, faça saladas verdes e coloridas. Se o café da manhã terá bolo já preparado, enriqueça com um suco de frutas natural. “Os empanados de frango pequeninos já são pré fritos antes de serem congelados. Uma alternativa é assá-los antes de servir, em vez de fritá-los”, diz a nutricionista.

4) Não faça compras com fome

Segundo a equipe do Vigilante do Peso, ao fazer compras com fome você fica sujeito a desejos súbitos e compras por impulso. Para administrar o estilo de vida que você quer, saia para fazer compras depois do almoço ou do jantar. Vale também fazer um lanche rápido para não cair na tentação.
5) Atenção ao que é diet e light

Para quem está de dieta, cuidado com a definições de diet e light. Um exemplo: o chocolate diet é produzido sem açúcar, ideal para diabéticos, mas pode ser mais rico em calorias do que a versão convencional. Já os ligths têm menos valor energético. “Isso não significa que eles podem ser consumidos de forma irrestrita. Para valerem como substituição, estes produtos devem ser consumidos moderadamente”, alerta Viviane.

6) Cuidado com as promoções

A tentação de comprar doces, bolachas e outros alimentos calóricos fica ainda maior caso os produtos engordativos estejam em promoção. Não caia nessa. Você pode até economizar financeiramente, mas a saúde e os ponteiros da balança serão comprometidos.

7) Leve as crianças, mas para fazer educação nutricional

Os pequenos são apontados como os grandes motivos da compra de guloseimas no supermercado. Mas a nutricionista da Beneficência Portuguesa acredita que a hora do supermercado é um bom momento para promover a educação nutricional. “Leve as crianças e ensin-as a escolher futas e legumes coloridos, explicando a elas os motivos para deixar os biscoitos nas prateleiras".

8) Leia os rótulos (inteiros)

Atenção aos rótulos. Eles indicam mais do que calorias, mas também quantidade de sódio, fibras e gordura trans dos produtos. Outro alerta da nutricionista Viviane é que as informações calóricas, por exemplo, falam sobre uma quantidade menor do produto e não a quantidade total. Fique atento a esse detalhe.


9) Cautela com embalagens “tamanho família”

A estratégia é para economizar, mas as vezes o efeito é inverso (em especial na balança). Como em geral a quantidade comprada é bem superior ao necessário, com a desculpa de não estragar ou deixar vencer, as pessoas acabam consumindo mais do que deveriam.

10) Atenção ao humor e o efeito “Eu mereço”

Ir ao supermercado de mau humor, bravo ou após um dia estafante no trabalho é prejudicial como fazer compras com fome. Fugir destas sensações não é fácil, mas cautela com o efeito “eu mereço” na hora de comprar doces, chocolates ou qualquer outra guloseima. Antes de procurar o excesso de açúcar, conheça 10 alimentos que melhoram o humor. Além disso, já está comprovado: engolir sapo pesa na balança.

11) Fuja dos temperos prontos

Eles facilitam a vida na hora de cozinhar os alimentos, mas são verdadeiras bombas de sódio e ainda acrescentam calorias extras à comida. A orientação dos nutricionistas é priorizar os temperos naturais, como as ervas, que agregam sabores diferenciados aos pratos. Saiba mais sobre eles aqui.
Fonte: IG

Canelone de Abobrinha, Cenoura e Peru light


Ingredientes

1 cenoura média descascada e picada em rodelas

200 ml de leite semidesnatado

1 colher (sopa) de farinha de trigo

1 cebola pequena ralada

1 colher (sopa) de azeite de oliva

½ xícara (chá) de peito de peru cozido (ou assado) e picado

2 colheres (sopa) de queijo parmesão ralado

2 colheres (chá) de sal

1 abobrinha média


Para decorar: alcaparras em conserva e orégano


Modo de Preparo
Coloque em uma panela a cenoura e o leite. Cozinhe em fogo baixo por 25 minutos ou até as cenouras ficarem macias. Retire do fogo e, ao ficar morno, bata a mistura no processador com a farinha de trigo. Reserve.
Em uma panela refogue a cebola no azeite de oliva até ficar macia. Junte o peito de peru, a cenoura batida e cozinhe, sem parar de mexer, por 5 minutos ou até encorpar. Misture o queijo parmesão, tempere com 1 colher (chá) de sal e retire do fogo. Reserve.
Corte a abobrinha em 16 fatias finas no sentido do comprimento e polvilhe o sal restante. Grelhe-as em uma frigideira antiaderente até dourar dos dois lados. Espalhe-as em uma superfície lisa e distribua o creme de cenoura. Enrole e sirva decorado com alcaparras e orégano.

Fonte: IG

sábado, 29 de outubro de 2011

O que é inulina?

Inulina é uma fibra alimentar e funcional, encontrada naturalmente em uma variedade de plantas. A maior parte da inulina comercializada é sintetizada a partir da sucrose ou extraída e purificada da raiz de chicória. A inulina natural é composta de uma molécula de glicose ao final de cada cadeia de frutose. É resistente à ação de enzimas gástricas do organismo humano, influencia a função intestinal aumentando a freqüência das evacuações, principalmente em indivíduos constipados, aumentando o peso das fezes, diminuindo o pH das fezes (que está relacionado com supressão de substâncias putrefativas no cólon). Além disso, a inulina também está associada à diminuição sérica de triglicerídeos e níveis de colesterol sérico em pacientes hipercolesterolêmicos.
Aonde se encontra para comprar é em casa de produtos naturais.
Esta farinha dá saciedade e ajuda no emagrecimento.

Bibliografia (s)Schneeman BO. Fiber, inulin and oligofructose: similarities and differences. J. Nutr. 1999;129(7 Suppl):1424S-7S.Niness KR. Inulin and oligofructose: what are they? J. Nutr. 1999;129(7 Suppl):1402S-6S.

Cálcio: suplementação na gravidez tem benefícios limitados



A maioria dos médicos estimula as mulheres a aumentarem o consumo de cálcio durante a gravidez a fim de reduz o risco de complicações no parto e de diminuição da densidade óssea devido à perda do cálcio para o desenvolvimento do bebê.

Contudo, o cálcio adicional não evita o nascimento prematuro nem aumenta a densidade dos ossos da gestante, de acordo com um novo estudo. Ele apenas pode ser útil para diminuir o risco de hipertensão.

Os pesquisadores reuniram dados de 21 testes aleatórios controlados envolvendo aproximadamente 17 mil gestantes. Os estudos comparavam se, para a gestação e o parto saudáveis, a ingestão de suplementos traz mais benefícios do que o placebo ou nenhum tratamento.

De modo geral, os pesquisadores descobriram que os suplementos de cálcio não diminuíam os riscos de parto prematuro ou o peso baixo ao nascer. Não foram verificados benefícios para a saúde ou para a densidade óssea das mães, afirmou o doutor Pranom Buppasiri, principal autor da análise, do departamento de ginecologia e obstetrícia da Universidade Khon Kaen, Tailândia.

O estudo descobriu que o consumo de cálcio está associado a um ligeiro aumento de peso no nascimento. Porém, havia incertezas quanto ao projeto ser significativo estatisticamente. O relatório foi publicado este mês no banco de dados de revisões sistemáticas da Cochrane.

Segundo Buppasiri, embora os suplementos de cálcio pareçam fornecer poucos benefícios na prevenção de complicações, eles parecem ajudar a prevenir a pré-eclâmpsia, um problema marcado pela elevação da pressão arterial durante a gravidez e a presença de proteína na urina e que pode pôr em perigo a mãe e o bebê.

Buppasiri mencionou que em uma extensa análise publicada no ano passado, pesquisadores britânicos reuniram dados de 13 estudos diferentes envolvendo 15.470 mulheres e descobriram que os suplementos de cálcio diminuíam pela metade o risco de pré-eclâmpsia.
Fonte: IG

Sanduíche de peito de peru com mussarela de búfala


Sanduíche de peito de peru com mussarela de búfala
Por Receita da lanchonete The Fifties, em São Paulo

Receita boa para o final da tarde no final de semana!

5 minutos
Porções: 1

Ingredientes
2 fatias de pão de forma

1 colher (sopa) de maionese light

4 rodelas de tomate

6 fatias de peito de peru

10 fatias de mussarela de búfala

10 fatias finas de cenoura

Modo de Preparo
Passe a maionese no pão e recheie com os outros ingredientes.

Fonte: IG

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Carência de vitamina D não é notada e pode comprometer a saúde

Ingestão e absorção insuficientes do nutriente podem levar a fragilidade óssea, baixa imunidade e até depressão

A vitamina D é de extrema importância para o desenvolvimento, crescimento e manutenção de um corpo saudável, começando na gravidez e seguindo por toda a vida. Mas para ser efetivamente sintetizada pelo organismo, é necessário exposição à luz solar.

“Você pode consumir fontes de vitamina D – como leite e derivados, além de alguns peixes como salmão, atum e sardinha –, mas ela só alcançará sua forma ativa (a vitamina D3) com a interação dos raios ultravioletas (UV)”, explica o endocrinologista Ronaldo Arkader, do Hospital Albert Einstein, de São Paulo.

Porém, pelo fato de as pessoas ficarem mais tempo em locais fechados e também por conta do receio de câncer de pele, não há exposição suficiente ao sol.

“No Brasil, embora haja sol praticamente o ano todo, o uso de filtros solares pode limitar a disponibilidade da vitamina D”, diz a nutricionista Maria Fernanda Elias, mestre em saúde pública e doutoranda em nutrição humana aplicada pela Universidade de São Paulo (USP).

Devido à maior quantidade de melanina (um filtro solar natural) na pele, os negros são mais suscetíveis à deficiência. A obesidade também pode dificultar a absorção de vitamina D, já que o nutriente pode ficar preso no tecido adiposo, impedindo sua metabolização e utilização pelo organismo.

A Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) 2008-2009, divulgada no ano passado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), alertou para a inadequação de vitamina D em 99,6% dos homens entre 19 e 59 anos e em 99,2% entre as mulheres da mesma idade. Em indivíduos com mais de 60 anos, o número foi superior a 99%. Entre as crianças e os adolescentes, os índices também foram altos.

Essa carência nutricional pode comprometer a densidade de massa óssea na fase de crescimento (infância e adolescência), bem como atingir indivíduos adultos.

“A baixa ingestão de vitamina D diminui a absorção e, consequentemente, o aproveitamento de cálcio e fósforo pelo organismo, aumentando o risco para osteoporose”, diz Maria Fernanda. “Além disso, ela está diretamente relacionada com funções metabólicas e atividades musculares, cardíacas e neurológicas”, completa.

O problema é que os “estragos” da deficiência só serão sentidos quando já ocorrem manifestações mais graves como a osteopenia ou a osteoporose.

O Vitamin D Council, organização americana sem fins lucrativos que estuda e divulga o tema, descreve alguns sintomas de deficiência de vitamina D como dor crônica, ossos fracos, infecções frequentes, depressão, má qualidade de sono e baixa imunidade.

“Mas infelizmente são manifestações inespecíficas. Por isso as pessoas demoram a perceber”, diz Arkader.

Um exame de sangue simples – o 25-hidroxi vitamina D – pode detectar o problema e apontar o tamanho da deficiência.

Para corrigir o quadro de carência, é necessário reforçar o consumo de fontes dietéticas de vitamina D e otimizar a exposição solar. “Exponha-se ao sol de 10 a 15 minutos, pelo menos três vezes por semana, sem protetor solar em períodos de menor risco à pele, ou seja, antes das 10 da manhã e após as quatro da tarde”, aconselha Maria Fernanda. Se isso não for suficiente, será necessário incluir uma suplementação no dia a dia, sempre com orientação médica.



*por Yara Achôa, iG São Paulo -| 04/10/2011

Fonte: Nutrionco

Até pizza ganha espaço no cardápio da dieta balanceada



Recheios à base de vegetais e ingredientes magros são ótimas opções para manter o peso

Festa. É dia de Pizza! Ela integra a lista da categoria prato oficial na mesa dos brasileiros. Para muita gente, comê-la ao menos uma vez por semana é um ritual. Mas tanta paixão não é à toa. Saborosa e nutritiva, a pizza combina com inúmeros e variados recheios, o que possibilita escolher o que mais agrada ao seu paladar, porém, se consumida sem moderação, ela pode comprometer a dieta. "É um prato delicioso e nutritivo, mas escolher os sabores menos calóricos e maneirar na quantidade é fundamental para manter a boa forma", explica a nutricionista da Unifesp Mariana de Novaes Oliveira.

Uma vez por semana pode!
Muitas famílias veem na pizza uma opção prática e apetitosa para os dias em que a correria é maior que o tempo para preparar o almoço ou o jantar, mas é aí que mora o perigo, explica a nutricionista. "O ideal é manter o equilíbrio entre fibras e outros nutrientes no organismo.

A variação de alimentos é fundamental neste processo, pois, até ingerindo apenas saladas ou frutas, deixamos o organismo desequilibrado, por isso devemos ter cautela e optar pela ingestão moderada e intercalada com outros grupos alimentares", diz Mariana.


Sabores mais recomendados
Prefira sempre os sabores menos calóricos, afinal, ganhar calorias não é o lema de nenhum regime. Uma boa alternativa são os sabores à base de vegetais e frutas, pois, embora também carregem calorias, ajudam no funcionamento do intestino e são mais fáceis de digerir. "Frutas e geleia, escarola, tomate seco e proteínas leves, como peito de peru, são mais saudáveis. Embora não sejam isentas de gordura, têm fibras e suas calorias são mais facilmente eliminadas pelo organismo", explica a nutri. A escolha da massa também pesa na balança. Opte sempre pelas massas integrais, que também é rica em fibras.

Dicas para enfrentar o rodízio de pizza
- Faça refeições leves antes do passeio, assim você chega a pizzaria com menos fome
- Coma devagar! Geralmente comemos depressa e, com isso, não damos tempo hábil para que nosso cérebro receba a mensagem de que estamos satisfeitos
- Prefira as pizzas com recheios menos calóricos: à base de vegetais e sem queijos gordurosos, como o catupiry ou fatias de queijo extra. "Isso irá ajudá-lo a ter mais saciedade, já que sua fatia de pizza vai conter um pouco mais de fibras do que as outras, o que irá interferir na quantidade de pizza a ser ingerida", sugere a nutricionista.


 Informações nutricionais
Um pedaço de pizza normal (aproximadamente 140 gramas)

Magras
Pizza escarola: 290 Kcal
Pizza champignon: 280 Kcal
Pizza mussarela de búfalo com tomate seco e rúcula: 286 Kcal
Pizza de geleia com frutas: 168 Kcal

Gordas
Pizza quatro queijos: 400 Kcal
Pizza calabresa: 300 Kcal
Pizza frango com catupiry: 370 Kcal
Pizza Portuguesa : 423 Kcal
Pizza de brigadeiro: 512 Kcal
Pizza de frutas com sorvete: 330 Kcal


Curiosidades sobre a história da pizza


Apesar de lembrarmos dos italianos quando comemos pizza, a massa surgiu no Egito, há mais de seis mil anos. Os egípcios inventaram uma massa assada de farinha, água e sal, o "pão de Abraão", que posteriormente seria incrementada com alguns condimentos. Milhares de anos depois, os italianos a incrementaram com tomate, e ela era consumida dobrada ao meio como se fosse um sanduíche. Sua popularização aconteceu, anos depois, com Dom Raffaele Espósito, um padeiro napolitano que servia o rei Umberto I e a rainha Margherita. Para agradar e inovar o cardápio, o padeiro resolveu adicionar à massa o recheio de mussarela, tomate e manjericão, ingredientes que reproduziam as cores da bandeira italiana e batizou o sabor com o nome da rainha, Margherita. Outros padeiros começaram a inovar e colocaram na pizza outros ingredientes, como o alho e peixes da região. A partir daí, outros povos foram turbinando a receita, que se popularizou pelo mundo inteiro e se transformou em uma mistura saborosa de sabores.

Fonte: UOL

Tiramissu


Ingredientes
200 g de biscoito champanhe

1 xícara (chá) de café forte para molhar os biscoitos

Cacau em pó para polvilhar


Para o creme mascarpone

250 g de mascarpone

1 xícara (chá) de creme de leite fresco

2 ovos grandes

½ xícara de açúcar



Modo de Preparo

Para o creme
Misture o mascarpone com o creme de leite e reserve. Bata os ovos com o açúcar até formar um creme branco, junte delicadamente o mascarpone e bata rapidamente somente até formar um creme liso.

Para a montagem
Molhe os biscoitos no café e arrume uma camada em um refratário ou em uma taça grande. Espalhe um pouco do creme e repita a operação. Cubra com filme plástico e leve para gelar de um dia para o outro ou por no mínimo 3 horas. Na hora de servir, retire o filme e polvilhe cacau em pó. Corte fatias e sirva gelado.

Fonte: IG

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Vontade de comer doces? Veja como controlar!


Sabe aquela vontade incontrolável de comer doces? Quase todo mundo já passou por essa experiência, mas, quando ela é muito frequente, pode caracterizar um vício, chamado cientificamente de craving. Geralmente, o problema é motivado por mudanças hormonais e alimentares, e atinge, em sua maioria, mulheres.

Segundo a nutricionista funcional Luciana Harfenist, as “dietas da moda”, as muito restritivas e com baixa contagem de calorias afetam a produção de vários neuroreguladores, provocando a vontade de comer doce. Outros fatores como a deficiência em vitaminas, dieta rica em alimentos de alto índice glicêmico e jejum prolongado também desregulam o controle da ansiedade e podem desencadear o desejo.

O tratamento do problema consiste em uma reprogramação alimentar; avaliação da dieta, dos níveis de serotonina e dos nutrientes em baixa; reposição através de suplementos individualizados e, em muitos casos, acompanhamento psicológico.



Confira dicas para controlar a vontade de comer doces:


Comer de três em três horas, pois ficar em jejum prolongado pode desregular a área do controle da saciedade no cérebro;
Beber dois litros de água por dia;
Praticar exercícios regularmente;
Investir em atividades prazerosas, como passeios, aulas de dança, canto e artes;
Dar atenção especial à dieta, procurando consumir diariamente alimentos ricos em fibras e vitaminas, especialmente B12, cálcio, ácido fólico, magnésio, triptofano e ômega-3;
Em casos mais extremos, é recomendado o acompanhamento do um profissional de psicologia.

Fonte: Uol

BOLO DE CENOURA COM CALDA DE CHOCOLATE


Ingredientes

Massas

02 cenouras médias

06 colheres de sopa de óleo de girassol ( 90 ml )

02 xícaras rasas de farinha de trigo (210 g)

01 colher de chá rasa de fermento químico em pó ( 7 g)

02 ovos inteiros tipo extra

07 colheres de sopa de açúcar refinado ( 7 g)


Cobertura

01 colher de chá rasa de leite integral ( 4 g)

01 colher de chá cheia de açúcar (4 g)

03 colheres de chá de achocolatado em pó ( 6g)


Modo de Preparo

Bater no liquidificador a cenoura com o óleo.
Acrescentar os ovos, o açúcar, a farinha e o fermento.
Coloque a massa em uma forma untada e polvilhada.
Leve para assar em forno 180ºC por 30 a 40 minutos.

Para a cobertura

Misture todos os ingredientes e leve ao fogo até ferver.
Despeje sobre o bolo ainda quente.

PARA TORNAR ESTA RECEITA LIGHT MUDE:
Leite integral para desnatado
açúcar por sucralose na mesma quantidade
farinha branca por integral
chocolate por chocolate diet

FONTE:IG

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Estudo associa consumo de refrigerantes a comportamento violento

Jovens que bebem mais de cinco latas de refrigerantes não-dietéticos são propensos a cometer agressões
O alto consumo de refrigerantes entre os adolescentes pode estar ligado a um comportamento mais agressivo, diz um estudo publicado nesta segunda-feira pela revista "Injury Prevention".

A pesquisa observa que os adolescentes que bebem mais de cinco latas de refrigerantes não-dietéticos são significativamente mais propensos a ter atitudes violentas, como portar armas e cometer agressões.

O estudo baseou-se em entrevistas com 1.878 adolescentes de 14 a 18 anos de 22 escolas públicas da cidade americana de Boston.

Os jovens foram classificados em duas categorias: "baixo consumo", até quatro latas por semana; e "alto consumo", mais de cinco latas por semana.

Um terço dos entrevistados ficou na categoria de "alto consumo". Eles foram perguntados sobre recentes comportamentos ou atitudes violentas com companheiros ou familiares e se portavam faca ou arma de fogo.

Essas atitudes foram avaliadas junto a outros fatores que poderiam influir nos resultados, como o gênero, consumo de álcool, de tabaco e as horas de sono.

O estudo constatou que 23% dos que bebiam uma ou nenhuma lata de refrigerante por semana responderam que tinham o hábito de portar armas. Já entre aqueles que bebiam mais de 14 latas por semana o número chegava a 43%.

A proporção daqueles que tiveram condutas violentas com os companheiros se elevava de 15% naqueles que quase não bebiam refrigerantes para 27% entre os que bebiam 14 ou mais por semana.

Como conclusão, os pesquisadores afirmam que os adolescentes que são altos consumidores deste tipo de bebida têm entre 9% e 15% mais propensão a apresentar condutas violentas.

"Pode haver uma relação direta causa-efeito, talvez devido ao conteúdo de açúcar ou cafeína nessas bebidas, ou pode haver outros fatores, não analisados ainda, que relacionem alto consumo de refrigerantes a agressão", indica o estudo.


Fonte: Uol

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Desvendando os mitos das dietas

Não adianta se desesperar: emagrecer leva tempo.

"Dieta de Hollywood", "Emagreça dormindo"... Com tantos produtos e dietas sendo lançados, todos os dias, fica difícil saber qual o melhor caminho para emagrecer e preservar a saúde.

A equipe do Citen acredita e defende a idéia de que emagrecer é possível e prazeroso. Pode, inclusive, ser duradouro e até definitivo quando encarado com a maturidade de quem quer ser saudável para ser belo. A perda de peso ocorre com qualquer dieta de baixas calorias, mas a perda de peso duradoura só ocorre com dietas balanceadas e conhecidas de todo o mundo acadêmico.

Persistência e calma são necessárias para quem está tentando emagrecer. Fuja da tentação do emagrecimento fácil, "em apenas 1 semana", "em 3 dias". Desmistifique suas idéias sobre o processo de emagrecimento:

Pular refeições é uma boa forma de emagrecer?

Quando pulamos refeições, permanecemos em jejum por um longo período. Isso é prejudicial em vários aspectos. Primeiro, porque dificilmente vamos conseguir comer corretamente na próxima refeição, uma vez que podemos estar com muito mais fome e seremos menos seletivos em nossa escolha alimentar. Segundo, porque nosso organismo reage ao jejum com redução do gasto calórico e, conseqüentemente, isso dificulta a perda de peso.

É possível emagrecer comendo tudo o que se deseja.?

Todas as vezes que escolhemos alimentos mais calóricos, devemos reduzir o volume ingerido para conseguir perder peso. Às vezes, a redução de calorias inviabiliza a dieta, pois o pequeno volume ingerido nos causa muita fome. Por outro lado, é impossível aderirmos a um plano dietético, abolindo nossos alimentos prediletos. Por isso, a dieta deve sempre ser individualizada e discutida com o paciente.

Comer depois das 20:00 causa ganho de peso?

Não há nenhum estudo criterioso que comprove essa idéia, assim como é polêmica e infundada a suspensão do carboidrato do jantar. O maior problema é o excesso de alimentos, à noite, e sua influência na qualidade da digestão e do sono noturnos.

Certos alimentos, como berinjela, sopa de repolho e suco de limão podem queimar a gordura corporal e fazer perder peso rapidamente?

Não há alimentos que queimam gorduras. Todo alimento que será metabolizado pelo organismo causa um gasto energético, mas isso não causa perda de peso. O efeito das sopas na perda de peso deve-se ao fato de serem refeições pouco calóricas. Por outro lado, são frugais e de absorção muito rápida, podendo predispor a sensação de fome precoce.

Comer carne vermelha é ruim para a saúde e tornará mais difícil a perda de peso?

Não há alimento ruim, há dieta ruim. A carne vermelha é um componente muito importante para a nossa saúde, uma vez que contém ferro em sua forma de mais fácil absorção. Os riscos para a saúde são o fato de algumas delas serem fontes de gorduras saturadas, em geral, e de colesterol, em particular, e nesse caso, serem muito calóricas.

Fast foods sempre são uma escolha inadequada para a saúde e devem ser evitados durante a dieta?

Esses alimentos são, realmente, na maioria das vezes, inadequados à saúde. Isto, no entanto, não os tornam abolidos do cardápio. Hoje, preocupa-nos muito o grande consumo destes alimentos entre as crianças e adolescentes nas cantinas das escolas e nos almoços dos executivos e trabalhadores das grandes cidades.

Pouca gordura ou sem gordura significa que o alimento não tem calorias?.

Geralmente, as gorduras são os macronutrientes mais calóricos (9 calorias/grama) quando comparamos com as proteínas e carboidratos (4 calorias/grama). Então, os alimentos sem gorduras ou com baixo teor de gorduras têm menos calorias. Isso não significa que não contêm calorias.

Fonte: UOL

As Gordinhas tem vez no concurso de Miss Plus Size


Géssica Carneiro é a vencedora do Miss Plus Size Carioca 2011.
No total, 38 candidatas disputaram o título na noite de domingo (23), no Rio de Janeiro
Carioca 2011.
A noite de domingo (23) foi especial para a estudante Géssica Carneiro, de 21 anos. Ela venceu a segunda edição do Miss Plus Size Carioca 2011, que ocorreu na Lona Cultural de Jacarepaguá. “A felicidade é muito grande e o coração está batendo muito forte”, disse ela, logo após receber a coroa das mãos de Tatiana Gaião, ganhadora do concurso no ano passado.

Uma atmosfera de muito glamour, ansiedade e alegria: esse era o clima nos bastidores do concurso. As 38 candidatas tiveram dia de princesa, como definiu Aline Fernandes, umas das concorrentes. “Nós passamos o dia inteiro no salão cuidando da pele e do cabelo. Foi maravilhoso porque deu pra tirar um pouco do peso que estávamos sentindo. Estamos confiantes para cumprir nosso papel e defender nossa causa, que é mostrar o que a gordinha tem de bonito e acabar com esse preconceito. Independentemente do resultado, todas nós já somos vitoriosas.”

As candidatas acalentam o sonho de seguir os passos de Tatiana Gaião que, depois do concurso, escreveu um livro e se tornou modelo plus. “Minha vida virou um turbilhão, passei a ser conhecida pela mídia e já fui chamada de a Garota de Ipanema GG. Consegui trabalhos como modelo e meu livro Da depressão as passarela – subindo os degraus da autoestima, tem feito muito sucesso e ajudado muitas pessoas a se aceitarem e serem felizes com os quilinhos a mais. Isso é maravilhoso”, contou.

É exatamente essa fama que Géssica Carneiro pretende alcançar. Ainda nos bastidores, ela contou que não tinha pretensão de ganhar o concurso. “Meu intuito é aparecer na mídia para mais tarde conseguir fazer alguns trabalhos como modelo.” A morena, estudante de enfermagem e administração, foi alvo de todos os flashes e levou para casa a coroa e a faixa de miss. Ela conta que já sofreu muito preconceito por causa dos quilinhos a mais. “Sempre fui gordinha, mas só passei a me sentir rejeitada na adolescência, quando comecei a paquerar e a procurar emprego, mas graças a Deus hoje vivo bem comigo e sou feliz. Meu namorado, que também é gordinho, me acha linda e é isso que importa”, afirmou a morena de 1,65 m, 94 quilos e manequim 48.

Kelly Cordeiro
A psicóloga Kelly Cordeiro, de 30 anos, ficou com o segundo lugar. “Foi uma surpresa maravilhosa! Adorei! Estou aqui para seguir carreira de modelo e vou investir nisso. Ano passado perdi o prazo para fazer a inscrição, mas hoje estou aqui e sair com uma faixa de vice é bom demais. Meu marido está radiante e orgulhoso. Isso já é um grande prêmio e tanto!”

A Lona Cultural de Jacarepaguá ficou lotada e muita gente teve de acompanhar tudo do lado de fora. “Se soubesse que o sucesso seria tão grande, teria procurado um lugar maior como o Engenhão”, disse o empresário Eduardo Arauju, idealizador do concurso. Com o sucesso do evento, ele planeja organizar o Miss Plus Size Brasil by Eduardo Arauju. "Será em novembro de 2012, após a terceira edição do Miss Plus Size Carioca, que será em setembro."

Maturidade
A senhoras acima de 40 anos também tiveram seu dia de glória. Paralelamente ao Miss Plus Size, houve o concurso de Miss Maturidade Jacarepaguá. Dez candidatas concorreram ao título. A vencedora foi Márcia Jerônimo, capitã da Polícia Militar, de 50 anos. Com um ano de curso, ela revela que muita coisa mudou em sua vida. “Estou fazendo as aulas com o Eduardo desde setembro do ano passado. De lá pra cá, minha autoestima subiu mais ainda, tenho aprendido muita coisa e me sinto mais jovem por dentro e por fora.”

Sobre o evento, ela considera a oportunidade única. “Esta é a primeira vez que participo de um desfile. É uma sensação de resgate, de mostrar às pessoas que ser uma mulher madura é estar viva, com viço e jovialidade. Sabemos que não somos mocinhas, mas também não desistimos da vida, estamos dizendo não a todos os rótulos que tínhamos até pouco tempo. Não somos mais dependentes do amor dos outros, temos o nosso amor próprio e a prova disso está aqui”, disse ela, apontando para a faixa de vencedora.


Fonte: IG

domingo, 23 de outubro de 2011

Aposte no valor nutricional das cascas


Consumir as cascas de algumas frutas e legumes enriquece a alimentação e reduz o desperdício

Utilizar as cascas das frutas torna a alimentação ainda mais rica
Pouca gente sabe que a casca de muitas frutas e legumes pode ser mais rica em nutrientes do que a polpa.

“A vitamina C e as fibras são os principais nutrientes encontrados nas cascas, mas isso vai depender de cada variedade”, afirma a nutricionista Larissa Martins, do SESI, que dirige um programa de aproveitamento alimentar.

É o caso abacaxi, por exemplo. A parte externa, quase sempre desprezada, tem duas vezes mais vitamina C e cálcio e o triplo de fibras.

“A cada 100g, por exemplo, 10mg são desses nutrientes estão contidos na polpa enquanto na casca são 17mg”, revela Larissa. Um valor 70% maior.

Uma pesquisa realizada pelo Instituto de Bioquímica da Universidade Estadual de São Paulo (Unesp) estudou as principais frutas presentes na alimentação dos brasileiros e identificou variações consideráveis entre cascas e polpa.

A casca do mamão, por exemplo, tem 52 mg de vitamina C, 7mg acima do consumo diário recomendado pelos médicos (de 45 mg).

“A casca dessa fruta é rica em betacaroteno e na enzima papaína, que tem ação digestiva e anti-inflamatória”, afirma a nutróloga Tamara Mazarachi, membro da Associação Brasileira de Nutrologia (Abran).

Na laranja, a cada 100g, os pesquisadores encontraram 365mg de cálcio e 107mg de vitamina C, volume quase seis vezes superior ao verificado na polpa (18 mg). A vitamina C é uma importante aliada da saúde porque favorece a formação dos ossos e auxilia o sistema imunológico. A carência pode levar ao escorbuto, que causa sangramento intenso das gengivas.

Ainda entre os cítricos, no limão a casca é rica em potássio (1,9mg) e proteína (3g ), maior volume entre todos os alimentos estudados, e também em fibras (6,7 g a cada 100 g). Limão e laranja têm em comum a presença de lipídios, importante reserva de nutrientes do organismo.

Vale ressaltar também o maracujá, cujo destaque está na quantidade de fibras solúveis presentes na casca. “Elas ajudam na função intestinal e no controle da glicemia”, afirma Mazarachi.

A indicação médica é de que sejam consumidas em torno de 30g de fibras por dia. Uma pesquisa norte-americana demonstrou que a cada 10 gramas de aumento na ingestão diária foi observada uma redução de 3,7% de gordura visceral.

Apesar do aspecto pouco convidativo, a casca do kiwi também é fonte de fibra insolúvel, além de conter “compostos fenólicos, bioflavanoides e vitamina C”, explica Tamara Mazarachi. A nutricionista aconselha utilizá-la no preparo de sucos.

Entre os legumes, a campeã de nutrientes é a abóbora. Sua parte externa tem fibras, potássio, betacaroteno, luteína e zeaxantina (importantes para a visão), vitaminas A e C (potentes antioxidantes). O mix pode ser utilizado no preparo de sopas, massas, panquecas e bolos.

Mais comum no gosto popular, a cenoura é muitas vezes consumida com a casca, que contém uma quantidade maior de betacaroteno e vitamina A do que a polpa. Já na batata, destaca-se a presença de minerais, vitamina C e fibras.

Conservação e higiene

Quando o alimento será consumido com a casca, os cuidados com armazenamento e limpeza devem ser redobrados. A parte externa está exposta aos agrotóxicos e, por isso, deve ser higienizada com atenção.

“Os venenos utilizados hoje se dissolvem em água. Portanto, é preciso lavar corretamente frutas e legumes, em água corrente e esfregando-os com uma escovinha, mas sem utilizar detergente”, alerta Larissa. A nutricionista aconselha: o processo deve ser feito antes do consumo.

“Se lavar e guardar, quando for consumi-lo, o alimento deve ser lavado novamente”, afirma.

Também há uma maneira adequada de mantê-los. Frutas ricas em água, como a melancia, têm de ser conservadas na geladeira, quando têm casca mais grossa, como a laranja, podem ser deixadas na fruteira.

Como consumir

A melhor forma de ingerir cascas menos palatáveis como as de abóbora, kiwi e abacaxi é utilizá-las em doces, sucos, tortas e afins. Desta forma, o gosto delas não é sentido, mas seus nutrientes não se perdem. No caso da batata, por exemplo, pode ser assada no forno e servida como petisco.

Consciência

A Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) realizou um estudo sobre desperdício e constatou que cada brasileiro joga no lixo uma média de 37 quilos de alimentos de origem vegetal por ano.

É por números como esses que o Brasil figura entre os países que mais desperdiçam comida em todo o mundo. Utilizar as cascas dos alimentos é optar por uma alimentação mais consciente e socialmente responsável, alémde ajudar a reduzir esses índices.

Fonte: IG

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Cuidado com os alimentos que “dão barriga”


Eles podem distender momentaneamente o abdome ou colaborar com as gordurinhas extras na região. Fique atento às suas escolhas.

Feijão: pode provocar gases e "estufar" o abdômen.
Uma barriguinha saliente pode ter diversas causas: herança genética, alteração hormonal, retenção de líquido, excesso de peso, má postura. Mas certos alimentos também levam a uma incômoda distensão abdominal.

”Alimentos formadores de gases (como feijão, frituras, pães, enlatados), gordurosos e com excesso de sal podem aumentar o volume da barriga”, diz a nutricionista funcional Elaine de Pádua, diretora da clínica DNA Nutri, de São Paulo.

É importante ter atenção na hora de consumi-los, porque, além da questão estética podem provocar desconforto físico.

“O bom é que eles podem ser substituídos por opções mais saudáveis”, diz a nutricionista Paula Gandin, de São Paulo, membro da diretoria do Centro Brasileiro de Nutrição Funcional (CBNF).

A seguir as especialistas fazem um raio X desses alimentos e apontam caminhos que colaboram com uma barriga mais chapada.

Pão branco e massas: alimentos feitos com a farinha refinada fornecem um carboidrato suscetível a fermentação e produção de gases que levam à distensão abdominal. “Pessoas com hipersensibilidade ao glúten (proteína presente no trigo) ou com doença celíaca podem apresentar ainda sintomas como a flatulência. Nestes casos, a melhora ocorre com uma dieta de eliminação que deve ser avaliada por um profissional de saúde capacitado”, esclarece Paula Gandin. Sugestão saudável: opte por pães e massas integrais, ricos em fibras.


Açúcar: a sacarose propicia o desenvolvimento da disbiose intestinal (desequilíbrio da flora do intestino), fazendo com que as bactérias benéficas diminuam e as bactérias prejudiciais proliferem, podendo levar à distensão. “O excesso também se transforma em energia de reserva e aumenta a quantidade de gordura abdominal”, diz Elaine de Pádua. Sugestão saudável: tente abandonar o uso excessivo de açúcar e, aos poucos, descubra o sabor natural dos alimentos.

Bebida alcoólica: o álcool aumenta a permeabilidade da mucosa do intestino, aumento o quadro de desequilíbrio da flora (bactérias) intestinal, podendo levar ao aumento de volume abdominal. Sugestão saudável: evite o consumo exagerado de bebidas alcoólicas.

A diferença entre a gordura da barriga e a dos quadris
Refrigerante: estufa a barriga por causa da presença do gás e pelo açúcar contido em algumas bebidas. Sugestão saudável: prefira sucos de frutas naturais.

Feijão: alguns carboidratos (oligossacarídeos) presentes no feijão escapam da digestão e são metabolizados pelas bactérias presentes na parte baixa do trato digestório, podendo causar gases e flatulência.

“Muitas vezes, são apenas observados os fatores negativos da flatulência, no entanto esses ácidos produzidos na fermentação estimulam os movimentos peristálticos do intestino e, assim, evitam a constipação”, esclarece Paula Gandin. Sugestão saudável: eliminar o alimento da dieta não é uma boa opção, devido ao grande valor nutricional. Deixar de molho e trocar de tempos em tempos a água dos grãos, antes de cozinhar, ajudam a reduzir o problema da formação de gases.

Repolho e couve-flor: esses vegetais são da família das brássicas, nas quais estão presentes compostos sulfurados capazes de aumentar a produção de gases. Sugestão saudável: seu consumo não deve ser desestimulado, pois muitas pesquisas mostram seus efeitos positivos na prevenção de doenças crônicas.

“Pessoas muito sensíveis podem evitar comer na mesma refeição dois ou mais tipos de brássicas (como brócolis, couve-manteiga, couve de bruxelas e nabo, entre outros)”, diz a nutricionista Paula.


Pimentão verde: durante o processo de amadurecimento os pimentões variam de cor, indo do verde ao amarelo ou vermelho. Os verdes são colhidos antes da maturação e como estes vegetais só amadurecem no pé, não mudam a tonalidade. No entanto, para muitas pessoas o pimentão verde pode ser de difícil digestão quando comparados aos outros.

“Alimentos mal digeridos podem causar estufamento e até formação de gordura devido ao processo inflamatório instalado”, diz Elaine de Pádua. Sugestão saudável: prefira pimentão amarelo ou vermelho.

Laticínios: para quem tem intolerância a lactose consumi-los pode gerar flatulência e diarreia. Sugestões saudáveis: leite de cereais (quinoa, arroz); leite de sementes (gergelim, girassol); leite de oleaginosas (amêndoas, castanha-do-pará); extrato de soja. “A introdução desses alimentos deve ser avaliada por um nutricionista a fim de garantir, por meio de toda a dieta, o aporte diário adequado de vitaminas e minerais”, explica Paula Gandin.

Produtos industrializados (bolacha, refrigerante, macarrão pronto, embutidos): substâncias químicas presentes nestes alimentos sobrecarregam o fígado e a vesícula. “Isso aumenta as chances de armazenar gordura principalmente no abdome, já que nesta região temos mais receptores de insulina que dão o comando para armazenar gordura”, explica a diretora da clínica DNA Nutri. Sugestões saudáveis: opte por frutas e alimentos naturais, integrais, sem corantes ou conservantes.

Confira outras dicas para uma barriguinha mais enxuta:



- Mastigue lentamente os alimentos. Mastigar mais vezes ajuda a emagrecer
- Evite beber líquidos em excesso durante as refeições
- Prefira alimentos integrais ricos em fibras
- Tenha o hábito de tomar água ao longo de todo o dia
- Pratique atividade física: além de queimar calorias isso ajuda no bom funcionamento do organismo de maneira geral. Conheça os Programas de caminhada e corrida do iG
- Aumente o consumo de alimentos diuréticos, como erva doce, salsão, coentro, berinjela, endívias, alho, limão, noz-moscada, cebola, salsa, hortelã, abacaxi, melancia e maracujá

Fonte: IG

Sucos para perder a barriga



Combinação de alimentos e chás tem efeito diurético, além de ajudar a desinchar e a regular o intestino.

Sucos para reduzir a barriga
Qualquer ajuda é válida na hora de mandar embora os pneuzinhos da barriga. Se ela vier de uma receita fácil de fazer e simples de incluir no dia a dia, melhor ainda. O ingrediente certo na hora adequada pode ser a diferença entre fechar ou não o botão da calça.

Para secar essa região do corpo, frutas com propriedades antioxidantes e misturas que podem ajudar a reduzir a gordura corporal, eliminar gases e facilitar o trânsito intestinal são as mais indicadas.

“O chá verde é uma ótima pedida, porque ajuda na queima de gordura, além de ser diurético. O abacaxi tem propriedade anti-inflamatória e também é diurético”, exemplifica a personal diet Luciana Harfenist, diretora da clínica de nutrição que leva seu nome.

Para fazer o intestino preguiçoso funcionar, a nutricionista Gabriela Paschoal, da VP Consultoria, aconselha: “Aproveitar o bagaço de algumas frutas, como laranja, ou folhas verde-escuras, como a couve, são duas propostas que podem ajudar o intestino a funcionar melhor.”

Se o necessário é desinchar a região abdominal, alguns alimentos auxiliam na modulação dos níveis de prolactina, principalmente durante o período pré menstrual, e auxiliam na diminuição de água acumulada, explica Paschoal. Melancia, limão, abacaxi, farelo de aveia e água de coco são as indicações da nutricionista.

Confira as receitas:

Diuréticos e reguladores do intestino

Suchá verde (mistura de chá verde com fruta)
Ingredientes:
2 colheres de sopa de chá verde (erva)
260 ml de água
1 xícara de água fervente
1 fatia de abacaxi
hortelã a gosto

Preparo:
Faça primeiro o chá verde. Ferva 260 ml de água. Desligue o fogo, coloque as duas colheres de chá verde e tampe a panela. Deixe esfriar por aproximadamente 15 minutos. Bata no liquidificador com o abacaxi e a hortelã e sirva.

Suco de melão, hortelã e biomassa de banana verde
Ingredientes:
1 colher de sobremesa de biomassa de banana verde
100g de melão
3 folhas de hortelã
240ml de água filtrada

Preparo:
Biomassa de banana verde: lave uma unidade de banana verde e coloque, com casca, em uma panela de pressão com água. Deixe cozinhar até formar pressão. Após quinze minutos sob pressão, desligue o fogo e retire, com cuidado, as bananas da panela. Amasse até ficar na consistência de uma massa.
Bata a colher de biomassa de banana verde, juntamente com o melão picado, as folhas de hortelã e a água no liquidificador. Sirva.

Para desinchar a região abdominal

Suco de abacaxi com água de coco e chá de erva-cidreira
Ingredientes:
100g de abacaxi
140ml de água de coco
10g de erva-cidreira

Preparo:
Faça a infusão da erva-cidreira em 100ml de água fervida e leve à geladeira. Depois que estiver gelado, coloque o chá, juntamente com o abacaxi picado e a água de coco. Bata tudo e sirva.

Detox

Suco verde com maçã e gengibre
Ingredientes:
1 folha pequena de couve-manteiga orgânica
½ maçã com casca
Raspas de gengibre
240 ml de água filtrada

Preparo:
Higienize bem os alimentos. Rasgue a couve, pique a maçã, raspe o gengibre e coloque tudo no liquidificador junto com a água. Se quiser, pode acrescentar uma colher de sobremesa rasa de açúcar demerara. Sirva.

Para acelerar o metabolismo

Suco de chá verde com limão e gengibre
Ingredientes:
200ml de infusão de chá verde
100ml de suco de limão
Raspas de gengibre

Preparo:
Coloque tudo no liquidificador e bata. Se quiser, pode acrescentar 1 colher de sobremesa de açúcar demerara. Sirva.

Fonte: IG

terça-feira, 18 de outubro de 2011

Estudo aponta lista de alimentos que engordam ou emagrecem


Inserir cinco opções no cardápio e evitar outras cinco ajuda a perder peso.

Uma pesquisa feita pela área de medicina da faculdade de Harvard, nos Estados Unidos, descobriu que a perda de peso vai muito além da dieta e dos exercícios. Fazendo uma análise profunda dos hábitos alimentares de mais de 120 mil pessoas com idades entre 37 e 52 anos, foi possível identificar alimentos que engordam mais e outros que até ajudam na perda de peso, incluindo hábitos que contribuem para uma vida mais saudável.

Os médicos agruparam participantes de outros três estudos, e avaliaram, a cada quatro anos, a relação entre mudanças nos hábitos de estilo de vida e peso. Ao final do estudo, eles encontraram cinco alimentos que são uma grande armadilha para quem quer perder peso e outros cinco que são grandes aliados.

Os alimentos associados ao ganho de peso no período do estudo foram batatas fritas; outras batatas; bebidas adoçadas com açúcar; carne vermelha não processada e carnes vermelhas processadas. Os alimentos ligados ao menor ganho de peso e até mesmo à perda dele - em alguns casos - foram legumes; grãos integrais; frutas; oleaginosas e iogurte.

Os pesquisadores afirmam que a quantidade de gordura total desses alimentos não está fortemente ligada a perda ou ganho de peso, mas sim a qualidade destes.

Além disso, eles notaram que a adoção de outros hábitos, como dormir de 6 a 8 horas por noite, fazer exercícios e assistir menos a TV auxiliaram naperda de peso.

Emagreça mais mantendo um diário sobre a sua dieta
Manter um diário da dieta, anotando tudo o que se come, é mais um artifício que ajuda na redução de peso. A eficácia dessa técnica foi comprovada por uma pesquisa feita nos Estados Unidos. O estudo revelou que quem registra os alimentos que ingere emagrece em dobro.

No Brasil, a técnica é também recomendado por profissionais ligados à saúde alimentar. "Quando anotamos o que comemos, prestamos mais atenção em nossas escolhas. Assim, podemos reduzir o consumo calórico diário. Essa queda pode chegar a 30%", diz a nutricionista Ligia Henriques.

A falta de uma ideia real do total de comida ingerida durante o dia acontece porque a memória tende a ser seletiva quando se trata de pequenas porções. Um docinho que um colega ofereceu, uma bolacha que você mastigou enquanto fechava um relatório e um refrigerante que tomou ao longo da tarde não costumam entrar na conta das calorias ingeridas.

Tudo isso deve estar registrado no diário. Como o objetivo é corrigir equívocos na alimentação e eliminá-los na sequência, o ideal é que você anote em detalhes o que come e bebe. Dentre as anotações devem estar informações como quantas vezes por dia você ingeriu algo, os horários, as quantidades e as sensações relacionadas a cada refeição - se estava com fome antes ou não, se comeu rápido ou devagar, se estava sozinha ou acompanhada, se foi em um lugar tranquilo ou cheio de gente, se ficou satisfeita ou cheia demais etc. Colocar o seu peso, não necessariamente diariamente, mas de vez em quando, também é uma boa saída para controlá-lo. Além disso, caso goste de escrever, você pode estender os assuntos para questões emocionais, que estão quase sempre relacionadas com o sucesso dos regimes.

De acordo com a pesquisa americana, o diário não precisa necessariamente ser feito em um caderno. Somente o ato de registrar o que você comeu, seja em um post-it, em um email enviado para você mesma ou até em um SMS, pode ser suficiente. O essencial é ser disciplinada para não esquecer nada e sincera para não burlar as regras.

A vantagem de manter o controle organizado é que, eventualmente, você pode levá-lo para seu nutricionista analisar. "O profissional consegue extrair informações importantes. É um excelente instrumento para orientar o paciente através dos erros e acertos. Eu sempre calculo o registro e sugiro substituições", conta Ligia.

É bom lembrar que monitorar o que come não é um pré-requisito para emagrecer e, sim, um instrumento. Se você consegue controlar mentalmente seus hábitos alimentares, escrever cada item que ingere pode ser um incômodo extra no mar de preocupações que dietas, inevitavelmente, trazem.

Fonte:Yahoo

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Salmão ao Vinagrete com Couscous de legumes


Esse prato é composto de duas receitas facílimas e infalíveis! Daquelas que sempre dão certo e AHAZAM em qualquer ocasião.


Para fazer esse salmão você precisa de dois temperinhos que hoje são relativamente fáceis de encontrar: o lemon pepper e o vinagrete desidratado. O primeiro é uma mistura de pimenta do reino com limão e o segundo é uma mistura de alho, cebola, tomate e cheiro verde.
Com pelo menos 3 horas de antecedência tempere as postas de Salmão com suco de limão (usei siciliano), sal e lemon pepper. Mantenha na geladeira.
Na hora de assar, unte uma assadeira ou refratário com azeite (eu coloco o alumínio para não sujar tanto). Coloque as postas de peixe, cubra com o vinagrete desidratado e leve para assar em 250º até dourar a superfície. Cuidado para não deixar secar demais.


Para o Couscous: Cozinhe em água fervente 1 cenoura pequena em cubos por 5 minutos. Escorra. Refogue no azeite 1/2 cebola picada, junte a cenoura pré-cozida, 2 colheres de pimentão vermelho picado, 1/2 xícara de ervilhas frescas, 1/4 de tablete de caldo de legumes e água fervente só o suficiente para cobrir. Deixe ferver com a panela aberta, em fogo baixo até quase secar toda a água e amolecer os legumes. Reserve.


Em um recipiente fundo, junte 1/4 de tablete de caldo de legumes à 1 xícara e mais 2 dedos de água fervente. Acrescente 1 xícara de couscous e tampe o recipiente por 10 minutos. Após este período, mexa o couscous com um garfo para desgrudar os grãos e junte um fio de azeite. Na sequência, some os legumes refogados e 2 colheres (sopa) de suco de limão (usei o siciliano). Misture bem e se achar necessário acrescente um pouco de sal.

Fonte: Panelaterapia

Quinze minutos de exercícios por dia aumentam expectativa de vida em três anos



A prática de exercícios também foi associada pelos pesquisadores a menor incidência de câncer
Fazer 15 minutos de exercícios por dia pode adicionar mais três anos a sua expectativa de vida, é o que aponta estudo realizado em Taiwan.

De acordo com a Reuters, ainda que muitos recomendem praticar 30 minutos de atividades, cinco dias por semana, pesquisadores acreditam que essa descoberta motivará mais pessoas a se exercitarem.

Chi Pang Wen, do Instituto Nacional de Pesquisa da Saúde de Taiwan, diz que 15 minutos de atividade moderada, como uma caminhada rápida, pode beneficiar qualquer um.

Os pesquisadores observaram 416 mil participantes durante 13 anos e registraram os históricos de saúde e níveis de atividade física a cada ano.

O estudo levou em consideração diferenças de idade, peso, sexo e indicadores de saúde e descobriu que os que se exercitavam, pelo menos 15 minutos por dia, aumentarem a expectativa de vida em três anos em comparação com os que eram sedentários.

A prática de exercícios também foi associada a menor incidência de câncer e redução de mortes causadas pela doença.

O estudo foi publicado na revista de medicina The Lancet.

Fonte: Uol

Saúde dos centenários é o novo desafio da medicina


“Eu não tomo refrigerante, mantenho a mente ativa, mas detesto ir ao médico”, resume Maria José, 100 anos.

Maria José dá a receita para os seus 100 anos: 'não tomo refrigerante e mantenho a mente ativa'
O fôlego para apagar as 100 velinhas que celebravam seu aniversário falhou um pouco. No mês passado, pela primeira vez, Maria José Durães precisou ir ao médico por causa dos pulmões. Nada grave – ela esbanja saúde de ferro - mas mesmo os casos simples de pacientes centenários são desafios para a medicina.

“Um desafio que será cada vez mais recorrente na prática médica por causa do aumento da expectativa de vida do brasileiro”, projeta o diretor da Sociedade Paulista de Cardiologia, João Fernando Monteiro Ferreira. “A nossa experiência com esta faixa etária ainda é muito restrita e as pesquisas clínicas também excluem os muito idosos. Mas eles não só estão mais presentes como exigem cuidados diferenciados”, completa.

Uma das dificuldades em atender aos centenários é que ainda não há uma resposta certa sobre o que, de fato, os fez viver tanto. Nasceram em épocas de cuidados médicos arcaicos, sem vacinas ou saneamento básico. “Vivi feito bicho do mato, trabalhando na enxada de sol a sol, solta, com pé descalço e um pouquinho de água para lavar o corpo no final do dia. Comecei a trabalhar já na barriga da minha mãe”, confirma Maria José ao lembrar da sua infância no interior de Minas Gerais e adolescência em Presidente Prudente, no noroeste paulista.

“Tive 14 filhos (o primeiro aos 16 anos) e nunca fiz um só pré-natal. Um dos meus meninos nasceu quando estava sozinha, no chão, sem luz e toalha por perto. Não morri não sei como”, diz ao calcular que o vizinho mais próximo da sua casa morava distante 9,5 quilômetros e o doutor era um “bicho muito mais difícil de achar do que as cobras e até onças” que ficavam em seu quintal.

A receita

Se o início difícil contrasta com o centenário vivido, os hábitos alimentares e de exercícios físicos – muito mais saudáveis e frequentes do que em tempos contemporâneos – podem justificar a presença de Maria José e dos outros 23.759 brasileiros no grupo etário que tem 100 anos ou mais, conforme calculou o Instituto Brasileira de Geografia e Estatística (IBGE) no fim de 2010.

E a aposta do geriatra do Hospital das Clínicas de São Paulo, Omar Jalul, é que a combinação destes dois fatores fez as pessoas estarem no aumento de 77% de centenários registrado nos últimos dez anos.

“Claro que a genética é fundamental para a longevidade, mas o que vejo nos meus pacientes com mais de 100 anos (são 6 atualmente) é que nunca abandonaram uma dieta saudável e sempre mexeram o corpo de forma sistemática em todos estes anos vividos."

“É isso (dieta e não ao sedentarismo) que vai fazer a diferença para as próximas gerações”, acrescenta a pediatra Ana Escobar, da Faculdade de Medicina da USP e coordenadora do projeto familiograma. “No programa, acompanhamos 2.700 crianças, desde o nascimento, para que vivam até os 100 anos, com qualidade. E todas as intervenções médicas que já fizemos nestes três anos de projeto foram associadas à alimentação e ao incentivo de atividades”, diz.

A receita de Jalul e Escobar é incorporada e fornecida de forma simples por Maria José. Ela criou os filhos, os 30 netos, 40 bisnetos e 6 tataranetos com muito angu, quiabo, diversas folhas verdes, pouco doce e nada de fritura (só umas escorregadas no torresmo).

“Nunca tive preguiça de nada e não gosto de frescura só porque tenho 100 anos. Moro sozinha e gosto de ir e vir”, diz, com cara de brava, e lembrando que semana passada andou uma hora no Mercadão de São Paulo para admirar os temperos naturais que tanto adora.

“E para hidratar, o bom é água. Não tomo refrigerante, um veneno para o corpo. Mantenho a mente ativa, com os livros. Música eu não gosto mais de ouvir, porque a geração de hoje só bajula Roberto Carlos, mas bom mesmo era o Nelson Gonçalves.”

Hortinha

A ausência dos versos de Nelson Gonçalves fez com que o rádio deixasse de ser companhia para Maria José. Mas a sua horta caseira, presente na trajetória desde o tempo de menina, ela não abandona “nem que viva mais 100 anos”.

As mãos de Maria José, desde menina, cultivam uma horta caseira.
Maria José acredita que a vida sem dinheiro e sem recursos a aproximou das ciências de baixa tecnologia. “Só estudei até o primeiro ano, mas a vida me ensinou. Os meus chás, xaropes e temperos protegeram a saúde de toda minha gente”, diz. Ao mesmo tempo, evitaram a automedicação com drogas farmacêuticas e o excesso de sódio para salgar a comida, já que em vez de tempero pronto ela só usa ervas.

No início do mês, enquanto preparava um de seus cházinhos, uma tosse forte a levou ao hospital. Os pulmões, mostraram os exames, não estão 100% e quando os pacientes centenários chegam às clínicas, os médicos não sabem muito bem como recebê-los e medicá-los.

“Sempre precisamos avaliar muito bem qual procedimento aplicar nestes pacientes mais velhos”, emenda Rubens Belfort, diretor de oftalmologia da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), que mantém o ambulatório do centenário, com 30 pacientes frequentes. “Nem tudo que a medicina oferece é uma boa opção para eles, que podem não ter um organismo forte o suficiente para aguentar um procedimento mais invasivo ou cirúrgico. Por vezes, o cuidado paliativo é mais indicado.”

O deslize na saúde pode até aguçar a preocupação dos médicos, mas não intimidou Maria José. Ela obedece as recomendações clínicas – “apesar de detestar ir ao consultório”, mas dá de ombros quando perguntada se tem receio de morrer. “Tenho tanta coisa para fazer que nem lembro que a morte existe.”
Fonte: IG

Comentários:
Para chegarmos ao 100 anos com saúde viram como é importante , além da boa genética, boa alimentação , exercício e trabalhar a mente.
Portanto, comecem já a  preparação para o  futuro. Deixem a preguiça de lado, comecem os exercícios, procurem um cardiologista para fazerem todos os exames e verem qual o tipo de exercício mais adequado.
 Procurem uma nutricionista, façam exames e vejam como andam a saúde e alimentação.
Procurem um equilíbrio.
Diminuam o stress e irão tomar menos remédios e viverem mais, com qualidade de vida!

Patrícia Brigagão Mendes

domingo, 16 de outubro de 2011

Saiba como o álcool afeta o corpo


Além dos efeitos já conhecidos, o consumo excessivo gera problemas de saúde mental, perda de memória e diminuição da fertilidade.

Os efeitos do consumo do álcool a curto prazo são conhecidos: ressacas, cansaço, má aparência. A longo prazo, a ingestão da substância está associada a várias condições, entre elas o câncer da mama, câncer oral, doenças cardíacas, Acidente Vascular Cerebral (AVC) e cirrose hepática, entre outras.

Álcool: não há dose segura de consumo, dizem especialistas
Pesquisas também associaram o consumo de álcool em doses elevadas à problemas de saúde mental, perda de memória e diminuição da fertilidade. Entretanto, estudos também concluíram que, ingerida com moderação, a substância pode ter um efeito benéfico, ajudando a proteger o coração ao elevar os índices de bom colesterol no organismo e impedir a formação de coágulos sanguíneos.

As mensagens são contraditórias, levando especialistas ouvidos pela BBC a recomendar que as autoridades sejam mais claras em suas campanhas de conscientização. Não existe nível absolutamente seguro de consumo de álcool, dizem. Mas se você quer beber, não exceda 21 unidades por semana para homens e 14 unidades por semana para mulheres.

Problemas cardíacos e câncer

A ingestão de mais de três copos de bebida alcoólica por dia prejudica o coração. O consumo excessivo, especialmente a longo prazo, pode resultar em pressão alta, cardiomiopatia alcoólica, falência cardíaca e AVCs, além de aumentar a circulação de gorduras no organismo.

As associações entre o consumo de álcool e o câncer também são bastante conhecidas. Um estudo publicado no British Medical Journal no ano passado concluiu que o consumo de álcool provoca pelo menos 13 mil casos de câncer por ano na Grã-Bretanha, nove mil em homens e quatro mil em mulheres.

O efeito negativo do álcool para a saúde em geral pode estar associado a uma substância conhecida como acetaldeído – produto em que o álcool é transformado após ser digerido pelo organismo. Essa substância é tóxica e experimentos demonstraram que ela danifica o DNA. O cientista KJ Patel, que trabalha no laboratório de biologia molecular do Medical Research Council, na Grã-Bretanha, vem pesquisando os efeitos tóxicos do álcool.

"Não há a ocorrência de uma célula cancerosa a não ser que o DNA seja alterado. Quando você bebe, o acetaldeído está corrompendo o DNA da vida e colocando você no caminho para o câncer".

Imunidade e fertilidade

Um relatório publicado recentemente na revista científica Bio Med Central (BMC) Innunology revelou que o álcool afeta a capacidade do organismo de combater infecções virais. E estudos sobre fertilidade indicam que mesmo o consumo moderado da substância diminui a probabilidade de uma mulher conceber. Nos homens, o consumo excessivo diminui a qualidade e quantidade de esperma.

KJ Patel acaba de completar uma investigação sobre os efeitos tóxicos do álcool sobre ratos. Seu estudo indica que uma única dose excessiva de álcool durante a gravidez pode ser suficiente para provocar danos permanentes sobre o genoma do feto. A Síndrome Alcoólica Fetal, segundo Patel, "pode resultar em crianças com danos sérios, nascidas com anomalias na cabeça e face e com deficiências mentais".

Fígado

O médico Nick Sheron, que comanda a unidade de fígado do Southampton General Hospital, na Inglaterra, disse que os mecanismos por meio dos quais o álcool prejudica o organismo não são claros.

"A toxicidade do álcool é complexa, mas sabemos que há um relacionamento próximo e claro".

Quanto maior a ingestão semanal, maior o dano ao fígado e esse efeito aumenta exponencialmente em alguém que bebe de seis a oito garrafas de vinho – ou acima disso – nesse período. Segundo Sharon, nas últimas duas ou três décadas, houve um aumento de 500% no número de mortes por doenças do fígado na Grã-Bretanha. Dessas, 85% foram provocadas pelo álcool. O ritmo desse crescimento começou a diminuir, mas muito recentemente.

"O álcool tem um impacto maior sobre a saúde do que o fumo porque ele mata em uma idade menor". Segundo o especialista, doenças do fígado provocadas pelo consumo de álcool matam por volta dos 40 anos de idade.

Álcool x heroína, crack e cocaína

O consumo de álcool é, cada vez mais, um problema de saúde pública. No início do ano, o serviço nacional de saúde britânico, NHS, anunciou que internações associadas ao consumo de álcool na Grã-Bretanha atingiram nível recorde em 2010. Houve mais de um milhão de internações, em comparação com 945.500 em 2008-2009 e 510.800 em 2002-2003. Quase dois terços dos pacientes eram homens.

Saiba mais sobre o abuso de álcool

Segundo a entidade beneficente britânica Álcool Concern, há estimativas de que o número de internações possa alcançar 1,5 milhão por volta de 2015. Quando são considerados os perigos para o indivíduo e a sociedade como um todo, o álcool é mais prejudicial do que drogas como a heroína e o crack – concluiu um estudo publicado no ano passado na revista científica The Lancet.

O estudo, feito pelo Comitê Científico Independente sobre Drogas, órgão científico independente que estuda as drogas e seus efeitos, concluiu também que o álcool é três vezes mais prejudicial do que a cocaína e o tabaco porque é usado de forma muito mais ampla.

Consumo recomendado

A diretora de pesquisas do Institute of Alcohol Studies, Katherine Brown, disse que as orientações atuais sobre o consumo de álcool e a forma como essas diretrizes são comunicadas à população podem estar contribuindo para a desinformação do público.

"Precisamos ser cuidadosos quando sugerimos que existe um nível 'seguro' de ingestão. Na verdade, precisamos explicar que existem riscos associados ao consumo do álcool e que quanto menos você bebe, menor seu risco de desenvolver problemas de saúde".

Para a especialista, é preciso mudar a percepção de que "beber regularmente é uma prática normal e livre de riscos".

O médico Nick Sheron concorda. "Não existe um nível seguro. As pessoas apreciam um drinque, mas precisam aceitar que existem riscos e benefícios".

Fonte: IG

Observações:

Além de todos estes prejuízos que podem ser causados pelo consumo exagerado do álcool, ainda tem outros problemas que estas bebidas podem causar:
-violência
-problemas no trabalho ( rendimento e a concentração são prejudicados,pode acabar com a sua carreira )
- problemas familiares ( muitos casais se separam ou brigam com frequência por enfrentar esta situação)
-No dia seguinte se sente acabado, começa a sentir um pouco de depressão, depois começa a tomar remédios para depressão e aí vai.....
- Se praticar exercícios ou for atleta, isto compromete os treinos e o rendimento.
Enfim, só dá prejuízo! Pense, analise e tire este mal de sua vida, enquanto tem tempo!Depois que vicia, é muito difícil acabar com este mal!


Patrícia Brigagão Mendes
Nutricionista

Hábitos ruins do final de semana podem alterar ritmo do coração


Abuso de álcool, energéticos e esportes esporádicos são gatilhos da fibrilação arterial, um dos perigos cardíacos.

A fibrilação atrial é caracterizada pela alteração nos batimentos cardíacos. Eles podem estar acelerados, fora de ritmo ou lentos demais
Em apenas um fim de semana o quinto drinque pedido em sequência, a corrida de 5 quilômetros após três anos de sedentarismo ou o abuso de energéticos e drogas sintéticas podem alterar o ritmo das batidas do coração e ser gatilhos de um grave problema cardíaco chamado fibrilação atrial.

Entre os cardiologistas do mundo todo, os efeitos causados por estes hábitos ruins – concentrados em especial nos sábados e domingos – já têm até um nome científico: holiday heart que, em tradução livre para o português, pode ser chamado de “coração de final de semana”.

“É uma síndrome aguda, provocada e associada especialmente ao abuso de álcool que, caso não passe em até 48 horas, exige intervenção médica de urgência, como medicamentos e até choque cardíaco”, explica Denise Hachul, especializada em arritmias e do Instituto do Coração de São Paulo (Incor).

Uma pesquisa feita pela Universidade de Medicina de Oxford, que revisou a literatura médica sobre os impactos das bebedeiras de final de semana no coração, mostrou que os chamados bebedores pesados (que bebem mais de quatro doses em uma só ocasião) têm risco maior de cardiomiopatia alcoólica, hipertensão arterial sistêmica (pressão alta), distúrbios do ritmo cardíaco e também acidente vascular cerebral (AVC).

Caso o abusador etílico (ou de exercícios) – mesmo que eventual – tiver outros problemas de saúde associados, como obesidade, diabetes e pressão alta, o risco de fibrilação atrial é ainda maior, alerta Guilherme Fenelon, presidente da Sociedade Brasileira de Arritmias Cardíacas (Sobrac).

“A fibrilação altera os batimentos cardíacos na parte superior do coração (ele bode bater mais rápido ou mais devagar), o que compromete a circulação sanguínea”, explica Fenelon.

“Os obesos, diabéticos e hipertensos, nesta condição, têm mais risco de formação de coágulos que entopem as veias, o primeiro passo do AVC”, alerta.

Espalhados

No Brasil, os bebedores pesados, que sofrem de doenças metabólicas e pressão alta estão em ascensão. Na faixa-etária entre 25 e 34 anos, os com excesso de peso somam 52% e os que bebem quatro ou mais doses na mesma ocasião são 34%.

O mesmo mecanismo também coloca em perigo os abusadores de exercícios físicos e consumidores de doses altíssimas de estimulantes, como os energéticos. Mas muitas vezes, até chegar às sequelas mais graves, a fibrilação se comporta de maneira silenciosa, sem sintomas.

“Uma das maneiras de saber se está tudo bem com o ritmo cardíaco é checar o pulso e verificar se os batimentos têm constância”, afirma Denise. Mas uma pesquisa da Sobrac, feita com 250 pessoas entre 15 e 86 anos, mostrou que 77% delas não sabem fazer isso.

Casos crônicos

Apesar de preocupante, o “holiday heart” é um evento agudo, mas a fibrilação artrial, na maioria das vezes, é crônica e vai se desenvolvendo com o passar do tempo.

“A partir dos 40 anos, o coração já começa a envelhecer. De uma forma simples, o músculo vai ficando com algumas rugas e estas ruguinhas é que podem resultar na fibrilação”, diz o médico da Sobrac.

Fazer check-ups eventuais e aprender a medir o pulso são formas de tentar evitar as conseqüências mais graves da fibrilação e fazer o diagnóstico precoce.

Como medir o pulso

-Posicione uma das palmas da mão para cima e utilize os dedos indicador e médio da outra mão para localizar o pulso

- Posicione os dedos um pouco abaixo do polegar da mão que está para cima

- Os dois dedos devem ficar posicionados em sentido vertical com o punho

- Conte os batimentos por 10 segundos e multiplique o resultado por 6. A frequência considerada normal é entre 60 e 100 batimentos por minuto.

Fonte: IG

Observações finais:

Portanto,
Não exagere na bebida, nos exercícios esporádicos e nos energéticos.Aparentemente dão a ilusão de diminuir o stress e estão causando outros problemas de saúde!
Pratique exercícios com frequência e beba moderadamente, assim seu organismo terá benefícios e não problemas.
Consulte seu médico e nutricionista para te dar as dicas no seu caso, pois cada caso é um caso!

Patrícia Brigagão Mendes
Nutricionista

sábado, 15 de outubro de 2011

Ingerir pouca proteína aumenta a fome



Os voluntários que consumiram menos proteína ingeriram mais de mil calorias extras.

Comer pouca proteína aumenta a fome e o consumo de lanches, aponta estudo realizado pela Universidade de Cambridge. Cientistas comprovaram que comer um pouco mais do que a quantidade média de alimentos como carne, peixe, ovos e nozes pode ajudar a perder um quilo por mês.

Pesquisadores descobriram que pessoas que consumiam apenas 10% de proteínas ganhavam 260 calorias a mais do que os que consumiam 15%. Essas calorias extras eram obtidas por lanches antes das refeições.

Os pesquisadores recrutaram 22 voluntários, todos de peso saudável e com idade entre 18 e 51 anos, para viver e comer sendo observados por eles. Diariamente eram oferecidos alimentos que pareciam os mesmos, mas tinham diferentes níveis de proteína.

A quantidade de gordura, por sua vez, foi constante, 30% do total de calorias da refeição, enquanto a proteína variou em 45%, 50% e 60% do total da refeição.

Os voluntários fizeram a mesma quantidade de exercícios (uma caminhada de uma hora por dia) e outras atividades para que nenhum deles comesse apenas por tédio ou estresse.

O estudo apontou que as pessoas que consumiram menos proteínas ingeriam em média 1.036 calorias extras durante um período de quatro dias, enquanto os que ingeriam mais proteínas não comiam a mais do que já era dado pelos cientistas.

Além disso, os que comeram mais proteína sentiam mais saciedade. O estudo foi publicado na revista PLoS One.

Fonte: UOL

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Óleo de Cártamo


Óleo de Cártamo Anvisa! O Óleo de Cártamo, diferente do que muitos falam, não é proibido pela Anvisa. Como o Óleo de Cártamo não tem sua origem de cultura no Brasil, ele é enquadrado na categoria de novos alimentos ou ingredientes. É obrigatório constar no rótulo data de fabricação e validade.

Em 2009 a Anvisa interditou alguns lotes de Óleo de Cártamo de no mínimo cinco empresas, pois, aquelas amostras continham a substância Ácido Linoléico Conjugado (CLA). Alimentos e produtos que contenham CLA estão proibidos de serem comercializados desde o ano de 2007 no Brasil, justamente por não ser reconhecida sua eficácia.

O CLA não faz parte da composição do Óleo de Cártamo, porém o Óleo de Cártamo é matéria prima na produção sintética do CLA que nada mais é que o ômega 6. Ou seja, você pode consumir o Óleo de Cártamo sem medo de estar agindo de forma ilegal, porém deve ficar atento aos produtos proibidos pela Anvisa, uma vez que a Anvisa conta com inúmeros especialistas e cientistas para avaliar cada novidade que apareça prometendo muitas vezes de forma milagrosa, trazer benefícios ao organismo. Ainda hoje o CLA não pode ser comercializado em território nacional, sobre pena de multa para quem o fizer.

Óleo de Cártamo
Óleo de Cártamo! O Óleo de Cártamo já é muito consumido em diversos países e não faz muito tempo que chegou ao mercado brasileiro. O Óleo de Cártamo é considerado um poderoso antioxidade natural, auxiliando a perda de peso de forma natural, pois ativa enzimas do organismo que provocam o corpo a queimar sua própria gordura.

O uso do Óleo de Cártamo é amplo e se dá principalmente como óleo de cozinha, se tornando uma opção mais saudável para sua família. É possível encontrar cápsulas de Óleo de Cártamo para vender nas casas naturais ou sites que disponibilizam o produto. Estudos também comprovam que o Óleo de Cártamo ajuda a prevenir contra infartos e problemas de pressão, pois auxilia na circulação sangüínea, combatendo o engrossamento do sangue. Devido a esse fato, é um poderoso auxiliar no combate ao AVC ( acidente vascular cerebral).

Além de todos esses benefícios o Óleo de Cártamo contribui com o colesterol bom do organismo (HDL), e ainda tem se mostrado como fonte de energia natural ao lado do girasol e da mamona.

Se você tem interesse em consumir Óleo de Cártamo, adquira seu produto na forma de óleo de cozinha e cápsulas e siga corretamente o modo de usar para não cometer exageros.

Efeitos colaterais e contra indicação

Por ser um produto relativamente novo, surgem muitas dúvidas sobre o óleo de cártamo, principalmente quanto ao seu modo de usar e aos malefícios que pode causar a saúde. A princípio, especula-se que ele pode aumentar o fígado do usuário, além de não ser recomendado durante a gravidez ou período de amamentação. Mas essas são informações importantes que este blog não possui. Então, a recomendação é que, antes de utilizar o óleo de cártamo, você consulte um médico ou nutricionista de confiança.



Fonte: óleo de cártamo