sexta-feira, 30 de setembro de 2011

10 dicas para emagrecer com exercícios físicos


DICAS INTERESSANTES:

1- O Colégio Americano de Medicina Esportiva recomenda a realização de 300 minutos semanais de atividade física para a perda e manutenção de peso. O que representa 60 minutos cinco vezes por semana.

2- Alternar atividades físicas aeróbicas de alta intensidade e curta duração com atividades aeróbicas de baixa intensidade com longa duração é a melhor maneira para estimular a queima de gordura em nosso organismo.

3- Após doze meses realizando a mesma rotina de treinamento o processo de emagrecimento diminui muito. Portanto diversifique os treinos, evolua-os conforme o seu organismo for se acostumando com os estímulos.



4- A musculação é uma ótima arma na ajuda do emagrecimento. O ganho de massa muscular faz com que o nosso organismo gaste mais calorias para se manter.

5- A caminhada é uma das melhores formas de começar a praticar esporte. Ela queima calorias, estimula a musculatura e o sistema cardiorrespiratório e pode ser feita em qualquer lugar.

6- Quanto maior o número de músculos envolvidos no gesto esportivo, mais calorias serão gastas. Exemplo: a corrida gasta mais calorias do que a bicicleta.

7- Antes de iniciar um programa de atividades físicas, procure um médico para saber se o seu organismo esta preparado para o esforço.

8- A melhor maneira de emagrecer com saúde é unir a pratica regular de atividades físicas com uma alimentação saudável.

9- O profissional de Educação Física é o único capaz de orientar, prescrever e evoluir de forma segura um programa de treinamento. Uma boa orientação acelera os resultados e reduz a chance de desistência.

10- Pequenas mudanças trazem grandes resultados. Já pensou em andar mais a pé? Mexa-se!


Bons treinos e boas escolhas...

fONTE: UOL

quinta-feira, 29 de setembro de 2011

40 dicas para voltar ao peso ideal



Quase metade dos brasileiros está acima do peso, mas é possível reduzir esse número com hábitos saudáveis.

Dados divulgados nessa segunda-feira (18) pelo Ministério da Saúde mostram que 48% dos brasileiros adultos estão com quilos extras na balança. O número aumentou em relação a 2006, que era de 42,7%. Mais da metade dos homens está acima do peso (52,1%) e, entre as mulheres, a proporção é de 44,3%.

Para fugir dessa armadilha perigosa à sua saúde, a nutricionista Roberta Stella reuniu todos os truques para fazer o ponteiro da balança voltar ao normal sem que você passe fome:

1) Nada de se desesperar: esqueça as dietas muito restritivas ou que prometem um grande emagrecimento em um período pequeno de tempo. Em longo prazo, o resultado é desastroso.

2) Comece fazendo um diário com os alimentos que você ingere todos os dias. Você perceberá os erros e se corrigirá sozinho. Essa mesma pesquisa do Ministério da Saúde divulgou que a presença de feijão e hortaliças na mesa das famílias brasileiras diminuiu, ao passo que o consumo de gordura aumentou.

3) Estabeleça uma rotina alimentar.


4) Estipule cinco refeições por dia, com horários para que elas aconteçam. E cumpra.

5) Analise os rótulos dos alimentos. Muitas vezes, os alimentos light contêm uma pequena diferença na quantidade calórica, que nem compensa a troca.

6) Prefira os alimentos integrais. Eles contêm mais nutrientes e fibras, que fazem um bem danado para o seu organismo.

7) Opte por leites e derivados desnatados. A menor quantidade de gordura significa menos colesterol e calorias na sua alimentação.

8) Cuidado com os embutidos (mortadela, salame, presunto). Eles carregam uma quantidade considerável de gordura, colesterol e sódio.

9) Escolha embutidos com menor quantidade de gordura como, por exemplo, o peito de peru.

10) Não fique mais do que 4 horas sem se alimentar.

11) Faça lanchinhos entre as refeições, hábito essencial para uma alimentação saudável.

12) Para esses lanches, opte por alimentos fáceis de serem obtidos e carregados na bolsa, como iogurte, barrinha de cereais, frutas e bolacha salgada.

13) Coma pelo menos 2 frutas por dia.

14) Consuma as frutas (maçã, pêra, uva) com casca.


15) Saladas e legumes devem fazer parte da sua alimentação diária.

16) Evite preparações altamente calóricas como gratinadas, fritas, à parmegiana, à milanesa e quatro queijos.

17) Tempere as saladas com suco de limão e vinagre.

18) O azeite tem gorduras boas para o coração. Mas isso não quer dizer que ele não seja calórico. Se a intenção é emagrecer, use com muita moderação.

19) Doces devem ser evitados, principalmente bolos recheados, tortas, bomba de chocolate.

20) Prefira os sanduíches naturais aos oferecidos pelos fast-foods.

21) Atum e sardinha em conserva são ótimos para uma salada ou um sanduíche. Mas lembre-se: utilize a versão light, conservada em água, não em óleo.

22) Prefira as carnes menos calóricas, como peixe, frango e cortes magros de carne bovina.

23) Retire a pele do frango.

24) Cuidado com os molhos à base de maionese para temperar saladas.

25) Prefiras os picolés ao sorvete de massa.

26) Sucos naturais são uma ótima pedida para se refrescar.

27) Você pode contar com a água de coco para se hidratar, mas atente à quantidade. Por ser calórica, a bebida não pode ser consumida livremente. Um copo pequeno (200 mL) apresenta 40 calorias. Consuma somente um coco por dia e beba muita água mineral.

28) Evite bebidas gaseificadas, mesmo as que não contêm calorias, como água e refrigerantes light.

29) Durante a refeição, beba somente um copo pequeno (200 mL) de líquidos. Assim a digestão não ficará prejudicada.

30) Um grama de álcool tem 9 calorias. Já um grama de carboidratos ou proteínas contém apenas 4 calorias: ou seja, aquele copinho de cerveja engorda bem mais do que um pedaço de pão. Portanto, evite as bebidas alcoólicas se o objetivo é emagrecer.

31) Se for a um barzinho, evite os petiscos fritos, amendoins e castanhas de caju.

32) Não vá ao supermercado com fome. Isso somente fará com que não resista quando passar pela gôndola de doces e salgadinhos.

33) Beba muita água, pelo menos, 2 litros por dia.

34) Cuidado com o café. Beba, no máximo, 4 xícaras por dia.

35) Inicie a refeição com um prato grande de saladas (folhas e legumes cozidos).

36) Se exagerar em algum dia, não desista. Recomece novamente no dia seguinte.

37) Dê preferência a alimentos ricos em água e de baixo valor calórico, como frutas, legumes e verduras. Você poderá consumir um volume maior desses alimentos, comparando com aqueles ricos em calorias.

38) Evite fazer a última refeição do dia perto da hora de se deitar. Para não prejudicar a digestão dos alimentos e o sono, faça o jantar, pelo menos, uma hora e meia antes de ir para a cama.

39) Boa notícia para quem é fã de lanchonetes: as grandes redes de sanduíches já possuem opções saudáveis. Entre elas, destacam-se salada, água de coco e frutas.

40) Não encare a dieta como punição. Afinal, a reestruturação alimentar garante um corpo mais bonito e saudável. A dieta nada mais é que um presente que você dá a si mesmo. Mantenha as atitudes positivas ao longo do emagrecimento.

Fonte: UOL

Psoríase e alimentação saudável

O excesso de peso agrava a psoríase?

Os estudos demonstraram que a psoríase tende a ser mais grave e mais resistente ao tratamento em pessoas com excesso de peso. Para além disso, o excesso de peso nas zonas das dobras cutâneas, como as axilas, virilhas e por baixo dos seios, podem aumentar o risco de infecções fúngicas e bacterianas. O excesso de peso também representa um esforço extra para as articulações, que podem tornar-se mais dolorosas com o decorrer do tempo.

Os estudos demonstram que nas pessoas que têm excesso de peso a psoríase está normalmente associada a distúrbios lipídicos e ao aumento dos níveis de ácido úrico. Estes desequilíbrios biológicos podem exacerbar os efeitos secundários de determinados fármacos, como a ciclosporina e os retinóides, que são utilizados para tratar a psoríase.

As pessoas que têm excesso de peso são por isso aconselhadas a seguir uma dieta equilibrada prescrita por um nutricionista.

As pessoas que têm psoríase devem seguir uma dieta especial?

Não existe uma dieta que possa curar a psoríase, mas é importante ter um estilo de vida saudável e bons hábitos alimentares. A sua dieta deve incluir fruta e vegetais em quantidades suficientes para lhe fornecer fibras, vitaminas e minerais. É preferível limitar o seu consumo de gorduras saturadas (gordura animal) e ingerir muitos alimentos ricos em ácidos gordos essenciais, como os cereais e os óleos vegetais. Por último, o consumo em excesso de alimentos gordos e de álcool pode sobrecarregar o fígado, o que resulta na acumulação de toxinas no sangue. Como os resíduos são eliminados através da pele, esta tem que trabalhar a toda a sua capacidade quando existe uma grande quantidade de toxinas, aumentando assim as probabilidades de crises.

Os suplementos alimentares podem melhorar a psoríase?

O consumo de zinco, magnésio, vitamina B6 e as vitaminas A, C e E anti-oxidantes pode ajudar as pessoas com psoríase. Presentemente estão a ser levados a cabo estudos para investigar o efeito dos óleos de peixe, que são ricos em ácidos gordos insaturados, uma vez que se pensa que estes possam ajudar a espaçar as crises. No entanto, os suplementos alimentares não podem curar a psoríase.

As pessoas que têm psoríase devem praticar exercício com regularidade?

A actividade física é normalmente boa para a saúde física e mental. O stress é conhecido por desencadear crises de psoríase e, ao ajudar o corpo a livrar-se do excesso de tensão, o exercício ajuda a combater o stress. O exercício é uma boa maneira de ajudar a manter a forma, fortalecendo o espírito e melhorando a sua própria imagem.

Pontos chave
· As pessoas com psoríase devem tentar ter uma dieta equilibrada com muita fruta e vegetais, assim como alimentos ricos em ácidos gordos essenciais.
· As pessoas com excesso de peso devem seguir uma dieta prescrita por um nutricionista, pois o excesso de peso pode exacerbar a psoríase.
· O exercício pode evitar e reduzir o stress, o que eventualmente é bom para o sistema imunitário.

terça-feira, 27 de setembro de 2011

Churrasco saudável- Dicas


Temperos no lugar de sal grosso e frutas cítricas para reduzir a absorção de gordura. Veja mais dicas para uma refeição saudável.

Picanha deve ser ingerida sem a gordura lateral.
Churrasco é algo saudável. Se engana quem pensa o contrário e acaba arrependido toda vez que reúne os amigos para um domingo ao lado da churrasqueira. O que realmente faz mal são os abusos, regra quase universal em prol da boa saúde. Mas isso também não significa que você precise deixar de comer bem para adotar medidas que mais parecem com uma degustação.

O segredo está em reduzir aquilo que é menos tolerado pelo corpo, como gordura e sal – eles podem comprometer a saúde com mais rapidez.

“Troque parte do sal grosso por temperos”, sugere a nutricionista clínica Virgínia Nascimento, vice-presidente Associação Brasileira de Nutrição (Asbran).

Tomilho e endro combinam com carne vermelha. Alecrim tempera melhor carne branca, em especial carne de aves. “O sabor dos temperos reduz a necessidade de sal, que pode ser usado em quantidades bem menores. Além disso, eles têm propriedades digestivas, que vão ajudar a eliminar o colesterol ruim do organismo”, afirma a especialista.

Quanto à gordura das carnes, saiba que o carvão em brasa leva vantagem na hora de eliminar os excessos e evitar o ganho de peso. “Estudos já mostraram que a carne de churrasco absorve menos gordura que o alimento preparado em panela”, revela Virgínia.

A nutricionista explica que a gordura pode ser mantida na carne durante o preparo, para garantir maciez e suculência, mas deve ser retirada na hora de comer. “Se for retirada antes, a carne vai acabar muito seca e haverá prejuízo ao sabor”, afirma Jandir Dalberto, diretor de operações da churrascaria Fogo de Chão. Além disso, todo alimento preparado em grelhas conserva mais seus nutrientes do que os cozidos na água.

Só tenha cuidado com as carnes que acumulam muita gordura entre as fibras, gordura mais difícil de ser eliminada. Maminha e fraldinha são simples de separar a gordura, sendo que um pedaço de 60 a 80 gramas varia entre 100 e 150 calorias. Já a picanha acumula um pouco mais de gordura entre fibras, mas nada muito grave. Um pedaço sem a gordura evidente tem cerca de 130 calorias.

Sucos cítricos

Tente alternar o consumo de cerveja ou de caipirinha com sucos de frutas cítricas, pois elas têm propriedades muito úteis durante um churrasco. Primeiro, reidratam o corpo. Depois ajudam a compensar a perda causada pelo calor do verão com o consumo de bebidas alcoólicas, que são diuréticas.

As frutas cítricas são ricas fontes em fibras solúveis, um tipo de fibra capaz de formar uma espécie de gel no estômago que absorve a gordura. A pectina, uma dessas fibras, se liga aos lipídios, fazendo com que parte deles seja excretada pelo organismo, em vez de absorvida. “Isso combate o colesterol ruim”, diz a nutricionista.

Outra vantagem das frutas cítricas é sua capacidade de auxiliar na absorção do ferro presente nas carnes. “Enquanto o organismo se ocupa com a absorção do ferro, mais gordura acaba sendo eliminada”, explica. A melhor forma de consumir sucos de frutas cítricas é sem coar, para não perder os nutrientes do bagaço, e com frutas frescas. Evite os sucos industrializados.

Só carne?

É inegável que a grande estrela do churrasco é a carne e todo o resto pode facilmente acabar no esquecimento. Mas existem truques com outros alimentos que ajudam a realçar o sabor da carne.

Abóbora, cebola e tomate são as combinações mais básicas, já bem conhecidas. Elas podem ser feitas separadamente, para a pessoa montar o prato com as quantidades que desejar, ou feitas em conjunto, num espeto previamente montado. A vantagem do espeto é evitar que a pessoa deixe de comer os legumes por preguiça e acabe abusando das carnes.

O mesmo pode ser feito com berinjela, pimentão, cenoura e palmito pupunha. Só tenha cuidado com o preparo do tomate, que fica pronto bem antes dos outros alimentos. Todos estes alimentos não ultrapassam a casa das 30 calorias por 50 gramas, um índice bem baixo.

A batata assada no papel alumínio, sem exagero porque ela é rica em carboidratos, também vale como acompanhamento saudável. “Tempere com orégano, sem nenhum sal. O sabor é excelente”, afirma a nutricionista. Até fatias de abacaxi podem ser assadas e combinadas em espetos de carne, com a vantagem de já trazerem consigo fibras solúveis.

Bem passada

Quem gosta de carne bem passada precisa ter cuidado para não exagerar porque o excesso de calor na carne ajuda a liberar substâncias tóxicas. Chamadas de nitrosaminas, estas substâncias estão associadas ao risco de câncer e de mutações genéticas.

Não gosta de carne mal passada? Tudo bem. Dê preferência ao alimento ao ponto, sem sangue ao cortar. Além de mais saudável, a carne ao ponto é tida como mais saborosa.

Vegetarianos

Você gosta de carne, mas tem um grande amigo vegetariano que acaba passando fome em todo churrasco. Uma boa dica são os espetos de tofu temperado. Eles são uma fonte de proteína e vão evitar que seu amigo vegetariano acabe estufado de tanto pão com vinagrete.

Capriche nos acompanhamento, mas tenha cuidado com o pão de alho. Ele é um verdadeiro vilão dos churrascos. As versões já prontas, vendidas em mercados e açougues, são altamente calóricas, carregadas em gordura saturada.

Não é difícil preparar um pão de alho em casa. Use oito dentes de alho picados para cada colher de sopa de maionese e acerte a consistência da pasta com queijo minas cremoso. Tempere com sal e orégano.

Sente para comer

Em vez de montar o prato e fazer uma refeição no churrasco, muita gente prefere apenas petiscar uma carne aqui e outra ali. O problema disso é que não dá para mensurar quanta comida a pessoa realmente ingeriu. O petisco aparentemente inofensivo pode se tornar uma refeição constante, que passa facilmente das 3 mil calorias.

A primeira dica é não pular refeições antes do churrasco. Isso ajuda a não chegar com aquela fome exagerada, fatal para os abusos. Prepare seu prato com os acompanhamentos para ter uma real noção do que vai ingerir. Evite mais de uma fonte de carboidratos, opte por pão ou arroz ou farofa.

Se quiser beliscar mais carne depois, já estabeleça uma quantidade previamente, considerando o que você colocou no prato. E tente comer essa carne pelo menos três horas depois da primeira refeição para fracionar a alimentação e não se sentir tão pesado.

Mesmo com todas essas dicas, o churrasco é uma refeição que acaba sendo mais pesada e, por isso, precisa ser compensada no dia seguinte. Tome bastante água e sucos naturais, valorize uma alimentação mais leve, com bastante salada. E fuja do sedentarismo praticando exercícios com regularidade.

Fonte:IG

Carne de porco é tão saudável quanto carne de frango ou bovina


Carne de porco pode ser consumida de duas a tres vezes por semana.

Embora o consumo de carne suína no Brasil tenha crescido 28,8% nos últimos nove anos, segundo dados da Abipecs (Associação Brasileira da Indústria Produtora e Exportadora de Carne Suína) em comparação com o aumento mundial, de 87%, ele é considerado pouco expressivo.

As razões para o baixo consumo são principalmente a preocupação com a saúde e a boa forma, segundo pesquisa da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto (FEARP) da Universidade de São Paulo (USP). O estudo, comandado pela administradora Maria Stella B. L. de Melo Saab, revela que o consumidor ainda acredita que o animal transmite muitas doenças e que a carne é mais gordurosa.

“A carne de porco mudou muito nos últimos anos, a começar pela criação do animal. Antes ele comia lavagem, hoje é ração qualificada. Além disso, há um controle de higiene muito maior”, afirma Jaqueline Bernardini, nutricionista e consultora em Personal Diet.

Carne de frango X carne de porco

A nova alimentação do porco trouxe à mesa um corte mais magro e mais rico em vitaminas e sais minerais, segundo os especialistas. De acordo com o Serviço de Inspeção e Segurança Alimentar norte-americano, a carne suína está até 50% mais magra do que há 25 anos.

“A carne chega a ter menos colesterol e menos gordura do que alguns cortes de frango, que é uma carne branca”, afirma Jaqueline. Se compararmos o lombo, uma das partes mais magras da carne suína, com a sobrecoxa de frango, sem dúvida o porco seria o recomendado".

Segundo ela, a cada 100 gramas, o lombo contem seis miligramas de gordura e 103 miligramas de colesterol, enquanto o frango, na mesma quantidade, apresenta 12 miligramas de gordura e 145 miligramas de colesterol.

Quando comparada com a carne bovina, no entanto, o porco ganha em termos de gordura, mas perde ao contabilizar o colesterol. "A alcatra tem 12 gramas de gordura, e a maior parte dela é composta por gordura saturada, aquela que faz mal para a saúde. O colesterol fica em torno de 90 gramas", explica Jaqueline.

Os suínos também vêm ganhando espaço frente aos frangos por conta da polêmica utilização de hormônios de crescimentos nas aves. “Se eu quero evitar ingerir uma carne com hormônio, o porco é uma ótima opção”, garante Daniela Jobst, nutricionista da Clínica Nutri Jobst, em São Paulo.

Os cortes magros são pernil, lombo e paleta e podem ser inseridos na dieta duas ou três vezes por semana, garantindo uma maior variedade alimentar. Os benefícios à saúde são muitos. “Tem principalmente proteína animal e vitaminas do complexo B, que ajudam a ativar o metabolismo, a disposição, a manter o intestino em dia”, diz Jobst.

Jaqueline completa: “A vitamina B é essencial para certas funções no nosso corpo, ela atua no sistema imunológico e no sistema circulatório.”

Doenças parasitárias

A melhoria nas condições de crescimento do animal é um avanço, mas ainda não é garantia de que a carne esteja livre de parasitas. Por isso, a recomendação é sempre consumi-la bem cozida (preparada acima dos 71ºC) e, de preferência, comprar cortes certificados e de origem controlada.

“O cozimento é capaz de matar os parasitas causadores da cisticercose, que também estão presentes na carne bovina e até na salada. É bom dizer que as chances de contaminação são iguais nesses outros alimentos”, alerta a nutricionista Daniela Jobst.

O Serviço de Inspeção e Segurança Alimentar norte-americano aconselha o consumo de carnes frescas em até três dias e de carne descongelada no mesmo dia.

Fonte:IG

Chia é nova promessa para emagrecer




Sementes devem ser consumidas duas vezes ao dia.

Ração humana, linhaça, quinua, amaranto. Na linha de sucessão de produtos naturais que ajudam a emagrecer, a nova vedete das prateleiras é a chia.

Semente cultivada desde 2600 a.C no México e na Colômbia, ela está na lista dos superalimentos pela quantidade de cálcio, fósforo, ferro, magnésio, potássio, zinco, fibras e, principalmente, ômega 3 presente em cada porção. Duas colheres de sopa (30 gramas), quantidade diária indicada pelos nutricionistas, têm 29% de fibras (8,6g) e 16% de ômega 3 (4,8g).


Além do formato in natura, são vendidos também o óleo e a farinha, essa última a forma de consumo mais indicada pelos nutricionistas. Com sabor suave, as sementes ou a farinha podem ser acrescentadas a sucos, iogurte, leite, frutas, ou ainda no preparo de pães, bolos e pudins.

A concentração e a variedade de nutrientes fazem do grão um perfeito aliado na redução dos riscos de problemas cardiovasculares, diabetes e hipertensão, alegam os entusiastas do produto. Além disso, a ingestão diária ajuda a diminuir os níveis de colesterol no sangue.

A semente também colabora para o bom processo digestivo. “É uma ótima opção para casos de prisão de ventre, ajuda a manter a flora do intestino saudável e desintoxica o organismo”, explica a nutricionista funcional Flávia Cyfer, de São Paulo.

Ao entrar em contato com líquidos, como a água ou mesmo com o suco gástrico, a chia forma uma espécie de gel, aumentando de volume. É desta forma que ela contribui para o processo de emagrecimento.

“Ela provoca um atraso no esvaziamento gástrico, causando saciedade duradoura. A digestão fica mais lenta e ajuda a equilibrar a glicemia, melhorando os níveis de glicose no corpo”, afirma a nutricionista .

Em outra frente, o ômega 3 combate inflamação das células de gordura, ajudando o corpo a recuperar o equilíbrio saudável e a reduzir os quilos a mais. O ácido graxo também fornece energia, portanto vale lembrar que, em grande quantidade, o alimento é calórico.

“A chia tem 140 calorias em duas colheres, se comer em excesso, pode não ajudar”, alerta Cyfer. No entanto, para a nutricionista Flavia Moraes, da rede de lojas Mundo Verde, a quantidade indicada não é superior ao efeito da saciedade.

“É preciso parar de contar calorias. Seguindo a recomendação, a conta sai positiva para o efeito emagrecedor”, afirma.

Os especialistas recomendam o uso da semente principalmente para diabéticos, hipertensos, vegetarianos e praticantes de atividade física. “Ela é ideal para quem quer comer alguma coisa leve e que vai dar mais energia”, afirma Moraes. É uma das maiores fontes vegetais de proteína, contém 23%, chegando a índices muito semelhantes ao da carne.

O grão também é indicado para idosos devido à presença de cálcio e magnésio, nutrientes que ajudam a promover a massa óssea e evitar a osteoporose. Outra propriedade interessante é a ação antioxidante presente no ácido cafeico e ácido clorogênico, que ajudam a neutralizar os radicais livres e a combater o envelhecimento da pele, atesta Flavia Moraes.

"A chia tem vantagens adicionais: melhor textura, alto conteúdo de fibras e antioxidantes, melhor digestão e biodisponibilidade, tudo sem risco de toxicidade e alergias. Além disso, o grão de chia não tem um sabor perceptível, é comum confundir seu sabor com o alimento no qual é misturado", afirma a nutricionista Carolina Chica, da Herbarium.

Comparando a chia com alguns cereais tradicionais:

- Ela contém mais proteínas (21%) que o trigo (13,7%), milho (9,4%), arroz (6,5%), aveia (16,9%) e cevada (12,5%)

- A chia é uma boa fonte de vitaminas do complexo B e é mais alta em niacina quando comparada com o milho, a soja e o arroz. Seu conteúdo de tiamina e riboflavina é similar ao da semente de arroz e milho

- O grão de chia é uma excelente fonte de cálcio, fósforo, magnésio, potássio, ferro, zinco e cobre. A chia contém mais cálcio, fósforo e potássio em 100g de produto do que trigo, arroz, aveia e milho.

Fonte:IG

Pesquisa absolve carne vermelha na dieta



Se bem preparada, carne vermelha pode ser boa para a saúde.

Uma pesquisa apresentada este mês no Congresso Brasileiro de Cardiologia tirou o rótulo “vilã do coração” da carne vermelha. Segundo os dados apresentados, ela pode ser inofensiva desde que preparada com alguns cuidados.

O estudo, conduzido pelo médico Iran Castro, acompanhou por cinco semanas dois grupos de 70 voluntários cada. Um deles consumiu, durante todo o período, 125 gramas de carne vermelha sem gordura por dia .

A outra turma riscou o alimento do cardápio. Entre os carnívoros, após o tempo de análise, não houve registro de aumento de pressão arterial e das taxas de colesterol ruim (LDL). “Mas é importante salientar que o estudo foi feito com carnes magras”, afirma Castro.

“Para que não haja interferência nos fatores de risco para problemas cardiovasculares, é preciso retirar a gordura visível do bife e também as tirinhas brancas do alimento. Estes resultados não seriam alcançado com os hambúrgueres processados, ricos em gordura e sódio, e nem com a costela, totalmente gordurosa.” Segundo Castro, continuam vetados e com o título de perigosos, os embutidos, como salsichas, lingüiças e mortadelas, por exemplo.

Um levantamento feito pelo Ministério da Saúde mostrou que quanto mais jovem a pessoa, maior o consumo de carne vermelha gordurosa. Em enquete aplicada a 51 mil pessoas foi constatado que, na faixa etária entre 18 e 24 anos, 52,2% consomem diariamente este tipo de comida, índice que cai para 28,2% entre os maiores de 60 anos, mas ainda considerado alto pelos especialistas.

Os médicos lembram que preparada com cautela a carne vermelha é excelente fonte de proteína, de ômega-3, vitamina B12, niacina, de zinco e ferro necessários ao organismo e nutrientes que estão em baixa na população brasileira, como mostrou pesquisa recente do IBGE.

Fonte: IG

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

Dieta dos Vigilantes do Peso

O programa conta com reuniões semanais.

Você já fez esta dieta? Conte sua experiência

O que propõe
Trata-se de um programa coletivo, com reuniões semanais. A proposta é que os integrantes adotem um estilo de vida que combine hábitos saudáveis de alimentação e a prática de exercícios físicos. “A ideia central é promover uma redução de peso de forma gradativa e sustentável. Os associados podem comer de tudo, sem precisar abrir mão de nada. Basta cada um seguir uma tabela de pontos, de acordo com suas escolhas nutricionais, que não devem ultrapassar o número de pontos determinado”, resume Fernanda Fernandes, gerente nacional do Vigilantes do Peso.

“A proposta das reuniões de troca de experiências é útil para quem tem dificuldade em se dedicar a uma dieta. Dessa forma se torna estimulante. Mas os participantes devem ter cautela e consumir os pontos de maneira consciente, já que a tendência é cada um ‘somar’ seus pontos com seus alimentos preferidos, mesmo que eles não sejam os mais saudáveis”, alerta a nutricionista Adriana Kobayashi, da Equilibrium Healthy Food, de São Paulo.

“É preciso diversificar os alimentos, mesmo que alguém escolha frutas para gastar os seus pontos, é bom comer alimentos diferentes que sejam fontes de proteínas, fibras e carboidratos também. Mesmo sendo as frutas, itens saudáveis, é importante variar”, indica Kobayashi. Nos encontros semanais, as orientadoras dão diretrizes e apoio para uma mudança de hábito concreta e ainda pesam cada associado particularmente para acompanhar a evolução.


Como é feita
Todos os alimentos recebem uma pontuação, com base em uma fórmula patenteada pela instituição, e que considera a contagem de calorias e o consumo de fibras e gorduras.

“Controle de calorias em geral atua na perda de peso de maneira rápida. Em contrapartida, esse mecanismo favorece a recuperação dos quilos perdidos com mais facilidade”, explica a nutricionista. O associado escolhe o que comer e desconta os pontos de sua cota diária (que é determinada conforme o peso de cada um).

Em cada reunião, os associados recebem um livreto com as orientações para aquela semana. “O ideal é que varie os cardápios e adote quatro refeições diárias: café da manhã, almoço, jantar e um lanche, que pode ser feito no momento de maior necessidade, pela manhã, à tarde ou à noite – de acordo com o horário que bater uma fome inesperada”, diz Fernanda Fernandes. Além da cota diária de pontos, o programa oferece mais 35 PontosFlex semanais, que podem ser usados do jeito que o associado quiser.


Promessa
O resultado é uma perda de 900 gramas por semana, em média.

Contraindicação
Não há, pois quem adota o programa é orientado para se alimentar de forma balanceada e saudável, sem priorizar ou evitar nenhum grupo alimentar. “O ideal seria priorizar os grupos mais saudáveis como proteínas magras como as carnes brancas e as vermelhas sem gordura, vegetais, fibras, cereais, carboidratos complexos”, conclui Kobayashi. Não devem fazer o programa mulheres grávidas e crianças com menos de 10 anos.

Fonte: uol

domingo, 25 de setembro de 2011

Como as mulheres magras mantém o peso!



Mulheres magras são ativas e determinadas.

Não existe mágica para emagrecer. A velha e boa dupla dieta e exercícios ainda é a base de um corpo bonito e saudável. Mas alguns truques bem que ajudam a manter a forma.

Não tem tempo para malhar na academia? Subir as escadas do prédio – como a Sabrina Sato faz – já é um bom negócio. Comer frutas nos lanches – como a apresentadora Luciana Gimenez – é outra saída.

Beber bastante água durante o dia, consumir fibras e encontrar alguma forma de atividade física são ainda outras estratégias das bonitas de plantão. Confira a seguir alguns desses truques.

As mulheres magras...

- trocam o elevador pelas escadas. Em termos de gasto calórico, subir três lances de escada equivale a 10 minutos de caminhada moderada. Leia também: o treino da escada

- comem um sanduíche saudável ou uma comida leve antes de ir para uma festa

- vão à happy hour, mas param no segundo chopp

- consomem alimentos ricos em fibras. Pesquisadores afirmam que elas aumentam a sensação de saciedade e promovem a perda de peso, além de reduzirem as inflamações

- bebem muita água, a sugestão é de pelo menos 2 litros por dia. Vale lembrar que ainda existe a água natural das frutas, verduras e legumes, que são de extrema importância também

- investem nas frutas. Aposte especialmenete nas cítricas, que têm propriedades capazes de reduzir a absorção de gorduras e açúcares pelo organismo, além de aumentarem a sensação de saciedade

- nunca se deitam após a refeição

- não pulam refeições

- comem em pequenas quantidades, várias vezes ao dia

- carregam lanchinhos na bolsa. Usada com moderação e critérios, essa minirrefeição nocauteia a ansiedade, sacia a fome (ou a vontade de comer) e evita excessos e pecados

- gostam de verdade de sopa e legumes

- param para comer, comem sem pressa e apreciam o que comem

- só vão ao supermercado depois de comer

- fazem lista de compras. E seguem a lista.

- não têm ataques de fome emocional ou noturna. Comer compulsivamente ou até deixar de comer são duas fortes características de que os sentimentos estão norteando o momento da alimentação e interferindo naquilo que você coloca no prato.

- sobem na balança só de vez em quando. O ideal é que após o início do programa de exercícios físicos e do programa alimentar, você se pese somente a cada 30 dias

- não ficam o tempo todo comparando o próprio peso com o das amigas

- não fazem dietas malucas para entrar no vestido de festa. Algumas podem parecer inofensivas, mas a restrição de nutrientes deixa nutricionistas preocupadas.

- compram roupas para o manequim que têm e não para o que desejam ter

- vão a pé à farmácia e à padaria

- fazem uma atividade física prazerosa. Vale caminhar, nadar, surfar, fazer ioga, pilates. Para quem tem dificuldade de frequentar continuamente a academia ou encarar o exercício no frio, incluir práticas em equipe e mais ligadas ao prazer pode ser a solução para sair do sedentarismo

- têm uma bicicleta. E usam ela pelo menos uma vez por semana. A atividade oferece baixo impacto às articulações e proporciona alto consumo energético – e consequentemente leva a perda de peso. Quer uma bike? Veja aqui qual é o modelo ideal para você

- não contam calorias

- se permitem comer guloseimas de vez em quando e não se sentem culpadas com isso


Fonte: IG

sábado, 24 de setembro de 2011

Dieta de South Beach



Na primeira há restrição grande de carboidratos

O que propõe
A dieta de South Beach foi criada pelo cardiologista americano Arthur Agatston, para diminuir o aparecimento de doenças cardiovasculares entre seus pacientes. Porém, além de diminuir essas doenças, ele notou que também auxiliava no emagrecimento. A South Beach é um pouco diferente de outras dietas, pois não restringe total ou parcialmente nem um grupo de alimentos, com exceção das duas primeiras semanas. “Ela não elimina totalmente carboidratos nem gorduras e não restringe as quantidades. Ela propõe identificar os bons e maus carboidratos e gorduras. É feita em três fases.

Na primeira há uma restrição grande de carboidratos. Na segunda alguns carboidratos voltam ao cardápio, acompanhados de algumas proteínas específicas. Na terceira, é feito um equilíbrio entre carboidratos e proteínas”, explica o nutrólogo Danny César Jumes, de Santa Catarina. Os carboidratos vilões e proibidos, nesse caso, são aqueles que não têm fibras como pão branco, bolos e biscoitos. Os refrigerantes também são excluídos desse cardápio. No lugar dessas bebidas artificiais, opte por água de coco ou água mineral. Os bons carboidratos seriam o pão integral, cereais, legumes e frutas com casca, que são repletos de fibras e, portanto, impedem a absorção de açúcar e estimulam o intestino.

Já as gorduras ruins, ou saturadas, são aquelas de origem animal e encontradas em carnes e frituras. As gorduras saudáveis, ou insaturadas, são vegetais e encontram-se no azeite, óleos de canola e girassol. As boas gorduras dos animais estão nos peixes como atum, salmão e sardinha, ricos em ômega 3. Devido à boa seleção do que se pode ingerir, essa dieta pode ser definitiva, ou seja, adotada como estilo de vida.

A primeira fase, em que há algumas restrições, dura 14 dias e nesse período é possível perder de 3 a 5 quilos. Já a duração da segunda etapa, em que voltam os carboidratos saudáveis, vai depender do resultado desejado. “Se existir a sensação de que a redução de peso não está ocorrendo ou acontece de forma muito lenta, fica permitido voltar à primeira etapa, na qual se perde mais peso e de forma acelerada. Porém, o mais importante é aprender a comer de forma correta”, conclui o nutrólogo.

O peso perdido nas primeiras semanas, de 3 a 5 quilos, pode ser mantido na segunda fase ou pode-se perder um pouco mais, cerca de 1 quilo por semana. E na terceira fase do programa, como já foi dito, deve-se adotar um equilíbrio de carboidratos e proteínas de qualidade, para que essa postura seja um hábito saudável e que possa ser seguido por toda a vida.

Como é feita
A única fase que restringe grande porção de carboidratos é a primeira. “O objetivo é fornecer grandes porções de proteínas, gorduras e carboidratos benéficos”, explica Danny. Então, nas duas primeiras semanas fica proibido consumir pães, arroz, batatas, massas ou doces. Assim como bebidas alcoólicas. Os carboidratos liberados neste período são feijão, soja, lentilha e ervilha. Hortaliças, verduras, carnes magras, frango sem pele, laticínios desnatados, ovos e azeite também são livres.

Na segunda etapa, começa a entrar bons carboidratos gradualmente, para que o peso continue a ser eliminado, cerca de 1 quilo por semana. O ideal é que esta fase dure até que o peso desejado seja alcançado. São permitidos pães, arroz e massas integrais, além de frutas como maçã, uva, laranja, pêssego, morango. No terceiro período, a intenção é manter os bons hábitos alimentares definitivamente. Os bons carboidratos, de preferência só os integrais, são livres. Uma vez por semana é permitido um doce de até 75 calorias, que pode ser duas balas (checar as calorias na embalagem), uma taça pequena de gelatina ou de pudim diet ou ainda um picolé (ver calorias na embalagem).

O cardápio deve respeitar as três refeições principais e os lanches entre elas. O nutrólogo dá dicas para a montagem. “Deve-se considerar o índice glicêmico dos alimentos, ou seja, priorizar alimentos que não alterem a quantidade de açúcar no sangue”. No café da manhã, um copo pequeno de suco de tomate, 2 ovos mexidos, 2 fatias de peito de peru ou presunto light e café com adoçante. O lanche pode ser uma nectarina, uma pêra, um kiwi, um cacho de uvas ou até um iogurte desnatado. No almoço, um filé de peito de frango grelhado, alface à vontade e uma porção de gelatina diet. O lanchinho pode ser um aipo com uma fatia de queijo light.

Na última refeição, uma boa sugestão é consumir uma salada verde, um filé magro grelhado, aspargos grelhados, uma porção de brócolis refogado e uma gelatina diet ou um iogurte. No último lanche, um queijinho pasteurizado ou uma pequena porção de amêndoas.

Promessa
Em 14 dias é possível eliminar de 3 a 5 quilos. Na segunda fase, pode-se perder até 1 quilos por semana. “Mas sabemos que o mais importante é a pessoa adquirir hábitos saudáveis, ter uma alimentação balanceada e praticar atividades físicas regularmente. Caso contrário, pode recuperar os quilos perdidos”, avalia Danny.

Contraindicação
Dietas com pouco carboidrato não estão livres dos efeitos colaterais prejudiciais. O consumo limitado de carboidratos pode levar à cetose, reação que pode causar dor de cabeça, fraqueza, desidratação e tontura. A pouca ingestão de fibras alimentares, que geralmente acompanha a dieta cetônica, pode resultar em prisão de ventre.

Fonte: uol

Fique em forma no verão, veja como!


Treino e dieta para arrasar: ainda dá tempo para começar o verão em forma

Em exatamente três meses começa a estação mais aguardada pela maioria dos brasileiros: o verão. Sol quente, praia, piscina e corpo à mostra. Quem quer exibir uma silhueta mais enxuta e definida ainda tem tempo para correr atrás de coxas torneadas, bumbum durinho e barriga mais lisa, afirmam os especialistas em nutrição e atividade física.

Mudando a alimentação e adotando um treino de uma hora, por pelo menos três vezes por semana, é possível perder de 2 a 4 kg por mês. “Vai depender do gasto energético de cada um e de quanto tem a perder. Esse valor é um parâmetro seguro, em que não haverá perda de massa magra”, afirma a nutricionista funcional Elaine de Pádua, da DNA Nutri.

“Unir alimentação e ginástica vai emagrecer sem perder músculos ou água, ou seja, a composição corporal permanece. O emagrecimento muito rápido traz prejuízos à saúde, baixa as defesas do corpo e piora a TPM e a enxaqueca”, diz a personal diet Luciana Harfenist, diretora da clínica de nutrição que leva seu nome.

Para alcançar os objetivos, no entanto, é preciso fazer alguns acertos na alimentação e seguir à risca os treinos. O iG Saúde conversou com profissionais para saber o que incluir na dieta, o que evitar, como driblar a fome e qual treino seguir. Três professores de educação física montaram esquemas diferenciados para seguir na academia. Aceite o desafio, confira as dicas de alimentação e siga a planilha de treinos.

EVITE
- Gordura, fritura e açúcar. O trio causador das principais doenças da atualidade, como a hipertensão, o diabetes e a obesidade, deve ser excluído do cardápio diário. “Fritar triplica o valor calórico do alimento em comparação com o assado ou cozido”, afirma Luciana.
- Refrigerantes, biscoitos, macarrão instantâneo e outros alimentos industrializados devem ficar fora da lista do supermercado. “Eles têm muito sódio e ajudam na retenção de líquidos”, diz Elaine.
- Pão e massas brancas, feitos de farinha refinada. “Eles aumentam o nível da glicose no sangue rapidamente. Quem come muito alimento refinado, estimula a insulina o tempo inteiro. O excesso alimentar se deposita no abdome e gera mais dificuldade de emagrecer”, alerta Luciana. Nesses casos, basta optar pela versão integral desses alimentos.
- Queijos amarelos. Novamente, o vilão nesse caso é a gordura presente nesses tipos de laticínio.
- Entre os sucos, evite o de laranja e prefira os de melão, melancia ou limão, menos calóricos.


PREFIRA
- Arroz integral. Os alimentos integrais aumentam a quantidade de fibras e ajudam o intestino a funcionar melhor, acelerando o metabolismo. Assim, a queima de energia é melhor e o armazenamento de gordura é menor.
- Rúcula, agrião e almeirão. Folhas verdes escuras têm boa quantidade de ácido fólico, entre outros nutrientes, e ajudam a dar saciedade.
- Frutas vermelhas como melancia ou morango. Além de conter antioxidantes, são doces e podem satisfazer a vontade de açúcar.
- Inclua lanches entre as principais refeições. Comer de 3h em 3h vai acelerar o matebolismo e evitar que você chegue com fome à próxima refeição.
- Nunca saia de casa sem tomar café da manhã antes. "Ele equilibra a produção de hormônios que dão mais saciedade", reforça Luciana.

O cardápio ideal deve conter todos os grupos alimentares em cada refeição. Confira abaixo um exemplo de alimentação nota 10:

Café da manhã
1 copo de leite desnatado com café ou uma fruta batida +
1 fruta como banana ou mamão com uma colher de sopa de aveia ou linhaça +
uma fatia de pão integral com requeijão ou cream cheese

Lanche
Mix de castanhas: 2 unidades de nozes, 2 de castanhas e 2 uvas passas ou
Suco de frutas (maracujá ou limão)

Almoço
Salada colorida: 2 tipos de folhas verdes (como alface e rúcula) + tomate + 1 colher de sopa de gergelim
2 colheres de sopa de arroz +
1 concha de feijão ou ervilha ou lentilha +
1 frango grelhado ou qualquer outra fonte de proteína como carnes magras ou ovo

Lanche
1 barrinha de cereal ou de arroz integral ou
3 cookies integrais ou
Salada de frutas ou
1 pote de iogurte

Jantar
Vinagrete de quinua (receita de um vinagrete normal acrescido de quinua) +
Omelete (com dois ovos e azeite) +
Arroz ou
Sanduíche com frango e queijo branco ou atum com cream cheese

Fonte: IG

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

Massagem aromaterapêutica


Aromas também têm efeito relaxante.

A combinação de óleos aromáticos e massagem vem sendo usada desde a atiguidade e se perde em registros de vários povos e culturas. A produção de óleos com essências de plantas e flores era comum principalmente na Grécia e Egito. Mas foi na França, pouco antes da primeira Guerra Mundial, que o químico René-Maurice Gattefosse passou a estudar mais profundamente as propriedades dos óleos aromáticos.

No mundo moderno esse tipo de massagem ganhou força mesmo nos spas e clínicas estéticas. No entanto, ainda não se sabe ao certo se, na massagem, os aromas produzem resultados pela absorção da pele, ou pela inalação que acontece naturalmente durante o processo.

COMO É FEITA

Depois de uma conversa com o terapeuta, onde são definidos os objetivos da massagem, o paciente é deitado em uma maca e recebe a massagem por todo o corpo. As manobras utilizadas são de pressão, amassamento e deslizamento. A técnica pode se estender inclusive à região da cabeça (menos a face). Os óleos aromáticos e a intensidade das manobras serão definidos conforme o tratamento.

BENEFÍCIOS

Relaxamento intenso
Alívio da fadiga e dos sintomas de estresse
Como cada óleo essencial tem suas propriedades benéficas ao organismo, a técnica também é indicada como tratamento complementar para inúmeras doenças

CUIDADOS

Gestantes e pessoas com doenças graves devem ter autorização médica para fazer a massagem .

Fonte: IG

Cardápio para reduzir o estresse e desintoxicar

Para a filosofia indiana, refeições são importantes e capazes de renovar a energia
Para a Ayurveda existem cinco forças da natureza que se combinam dinamicamente para formar nosso organismo: éter (ou espaço), ar, fogo, água e terra. A partir dessas forças são formados os perfis vata (mental – ar e espaço), kapha (emocional – terra e água), pitta (ação – fogo e água) ou uma combinação deles entre si (vata/pitta).

Seguindo os princípios da filosofia indiana, a dieta ayurvedica busca adequar os alimentos mais apropriados para cada tipo de constituição psicofísica. Para compreender e praticar essa dieta, portanto, o primeiro passo é exercitar o autoconhecimento e reconhecer sua natureza. A partir deste reconhecimento, a alimentação vai sendo modulada visando tanto a prevenção como o tratamento de doenças.

“Tudo o que somos é o resultado da síntese dos alimentos físicos e/ou energéticos que ingerimos. Cada refeição revela uma oportunidade de melhorar ou lesar a saúde”, diz Marise Berg, terapeuta e culinarista ayurvedica da clínica Cítara Saúde, de São Paulo.

E dentro da nutrição ayurvedica existe a dieta desintoxicante. “Ela pode durar de um dia a uma semana, no máximo, porque é restrita em alguns nutrientes. Sua base são frutas, legumes e verduras, carboidratos, especiarias e líquidos, que têm a função de diminuir o estresse, dar um descanso ao sistema digestivo e repor as energias”, diz Fabiana Branco Lara, terapeuta ayurvedica da Clínica Ayni Saúde Integrada, de São Paulo.

“A dieta desintoxicante tende a regularizar e fortalecer a nossa potência digestiva chamada de Agni – o mais importante conceito da Ayurveda. É necessário ter boa potência digestiva para ‘digerir a vida’ e não somente a comida e bebida”, completa a terapeuta Marise Berg.

O cardápio é colorido, leve, variado, de fácil digestão e energizante, rico em alimentos frescos como frutas e verduras, além de feijões, cereais e especiarias.

O arroz integral é fundamental na dieta desintoxicante
O arroz integral tem papel de destaque na alimentação detox. “Ele é considerado o leite materno na Ayurveda. Você pode fazer uma papa de arroz integral e incluir em sua alimentação por dois ou três dias para renovar a energia”, aconselha Fabiana Lara.

Os temperos também são muito importantes. “Todo tempero é visto como medicamento”, diz a especialista. Mas ela reforça a ideia do autoconhecimento para acertar a mão nos condimentos. “Se você é uma pessoa que se irrita facilmente e adiciona pimenta em sua comida, vai ficar ainda mais irritada, mais sem paciência”, exemplifica.

Uma dica é ter sempre à mão porções de temperos para polvilhar em seu prato, de acordo com seu estado físico e emocional. Para a dieta de desintoxicação você poderá usar pimenta-do-reino (aumenta o ritmo do metabolismo), cominho (estimula o sistema digestivo), cúrcuma (melhora a imunidade), canela (ajuda o controle da pressão arterial e do colesterol), gengibre (antiinflamatório, reduz quadros de dores) e cardamomo (auxilia o trato gastrintestinal).

Na dieta desintoxicante ayurvedica a comida também deve ser servida sempre quentinha, para facilitar a digestão. E esqueça por esses dias laticínios, alimentos processados, carnes, fungos (shitaki, shimeji), chocolate, sorvete, fritura, vinagre, condimentos artificiais, molhos cremosos, refrigerante, bebidas geladas, alimentos artificiais irradiados ou cozidos em microondas, pois roubam a energia.

O cardápio detox não prevê porções diminuídas, porém é preciso equilíbrio. “Observe se você está com fome ou com vontade de comer. Uma medida adequada para ser ingerida corresponde à palma de suas duas mãos unidas”, ensina Fabiana. A recomendação nutricional tradicional de fazer lanches intermediários entre as principais refeições também é seguida na Ayurveda.

Em relação aos horários, procure almoçar entre meio-dia e duas da tarde e jantar até oito da noite - e pelo menos duas horas antes de dormir. Importante: faça as refeições sem pressa e em ambiente calmo. “Feche os olhos na primeira garfada, sinta o sabor e a textura da comida; exercite o olfato. Cultive esse momento de serenidade e perceba o universo que se abre diante de você”, aconselha Fabiana Lara.

Confira a seguir sugestões para um cardápio desintoxicante de um dia, segundo a Ayurveda. “Não definimos as medidas para que você exercite a identificação da potência da própria fome (Agni). Não é necessário ficar com fome durante a dieta, porque isso causa estresse ao organismo. Alimente-se bem, com moderação”, explica Marise Berg.

Ao acordar (20 minutos antes do café da manhã)
1 copo de água morna com gotas de limão
Em seguida, faça a higiene matinal, pratique ioga ou meditação, limpe a língua com um raspador ou colher

Café da manhã
Mingau de aveia morno, preparado com água, água de rosas e cardamomo. Se desejar, adicione 1 colher (chá) de ghee (tipo de manteiga clarificada, muito usada na culinária indiana)
Água de coco em temperatura ambiente

Lanche da manhã
Frutas levemente assadas ou cozidas com canela e/ou gengibre, cravo, erva-doce, lavanda, baunilha
Chá (gengibre, erva doce ou hortelã) com mel ou somente água morna com limão, à vontade

Almoço
Kichadi (receita tradicional indiana) ou arroz integral ou basmati
Verduras (acelga, couve) cozidas ou refogadas
Raízes (mandioca)
Leguminosas (lentilha vermelha, feijão azuki, moyashi) - quanto menor o grão, mais fácil a digestibilidade
1/2 copo de água
Após o almoço, se possível, sente-se em um lugar confortável e repouse por 15 minutos (mas não durma)

Lanche da tarde
Torrada integral ou 1/2 pão integral torrado, com manteiga ou geléia de fruta sem açúcar
Chá (gengibre, erva-doce ou hortelã), à vontade

Jantar
Sopa de cenoura, vagem, mandioquinha ou fubá

Ceia (se necessário)
Frutas cozidas ou assadas com especiarias

Temperos são considerados remédios para o corpo e para a alma na Ayurveda

Para variar o cardápio

Frutas: maçã, pêra, uva, mamão formosa (não papaia), abacaxi doce, carambola, goiaba, pêssego, figo, manga. Devem ser levemente cozidas ou assadas. Evite: melancia, melão, abacate, frutas ácidas e oleaginosas (amendoim, nozes e castanhas).

Legumes: chuchu, abóbora, aspargo, jiló, quiabo, vagem, cenoura, maxixe, rabanete, nabo, beterraba. Devem ser consumidos cozidos, assados ou refogados e temperados com especiarias. Evite: tomate, berinjela, pimentão, brócolis, couve-flor, repolho e batata inglesa.

Folhas verdes: agrião, acelga, chicória, espinafre, almeirão, mostarda, couve. Devem ser levemente cozidas ou refogadas em azeite ou ghee e temperadas com especiarias, azeite de oliva e limão. Evite: folhas cruas e/ou refrigeradas

Raízes: inhame, bardana, mandioquinha, cará, mandioca (com moderação).

Leguminosas: feijão azuki, Moyashi, lentilhas, Mung Dal (prefira os grãos pequenos), temperadas com cominho, louro em folha ou pó, pimenta-do-reino ou assafétida.

Cereais: arroz integral ou arroz branco (cateto, agulhinha, Basmati), cevadinha, quinoa, amaranto, milho verde, fubá, farelo de trigo, gérmen de trigo, farinha de centeio, farinha e farelo de aveia, farinha de mandioca, macarrão integral, bifum (macarrão de arroz), flocos de arroz, sementes de girassol e abóbora. Evite: pão branco e farinha branca refinada.

Especiarias: açafrão, ajwain (sementes de aipo), alecrim, anis, assafétida, cardamomo, coentro em folha ou semente, cominho, curry (folhas), endro (dill), erva-doce, gengibre em pó, hortelã, louro, manjericão, manjerona, mostarda, orégano, pimenta-do-reino (pequena quantidade), pimenta rosa, salsa, sálvia, semente de papoula, tomilho. Alho e cebola podem ser consumidos com moderação, sempre cozidos.

Fonte: IG

Conheça as melhores panelas para a saúde da sua família


Saiba escolher a panela para não intoxicar a comida.

Na hora de cozinhar, vale prestar atenção não só na lista de ingredientes, mas nos utensílios usados no preparo. Compostos por materiais como plástico, ferro, alumínio e madeira, eles interagem com os alimentos.

Em alguns casos a interação é positiva, como atestou uma pesquisa feita pela Faculdade de Engenharia de Alimentos da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

Foram acompanhados por 12 semanas usuários vegetarianos de panelas de ferro. Nas conclusões, os autores escreveram que “entre os usuários das panelas de ferro, o índice de anemia ferropriva passou de 38 para 20% ao final do estudo, mostrando que o ferro derivado das panelas deste material foi parcialmente utilizado pelo organismo.”

Mas, em outras situações, os alimentos podem ser intoxicados por elementos usados na composição dos utensílios, como explica a nutricionista e especialista no assunto, Carolina Santos. Em entrevista ao iG, ele afirma que já existem estudos que relacionam Alzheimer e Parkinson ao uso de panelas de alumínio e orienta a melhor forma de utilizar os materiais.

iG: Existe algum tipo de panela que não deve ser usada de maneira nenhuma?
Carolina Santos: Panelas de alumínio devem ser utilizadas com bastante cuidado, pois o metal mostrou indícios de toxicidade, indicando uma relação entre a ingestão do metal e a incidência de demência, Alzheimer e Parkinson. Outro problema é que o uso pode inibir processos metabólicos, competindo com a absorção de cálcio, magnésio e ferro, sendo associada a doenças como osteomalácia (insuficiência de vitamina D), doenças neurológicas e também hematológicas (por diminuir as quantidades de ferro no sangue).

iG: Por outro lado, existe alghipanela é mais aconselhada para o uso diário?
Carolina Santos: As panelas de vidro são usadas em estudos científicos como padrão comparativo, uma vez que elas não liberam a maioria dos elementos pesquisados. Assim, as panelas de vidro podem ser consideradas inócuas à saúde, não contribuindo, mas também não prejudicando o estado nutricional e a saúde do consumidor.

iG: As panelas de barro apresentam algum risco específico?
Carolina Santos: As panelas de barro são tradicionalmente encontradas no Estado do Espírito Santo porque a argila utilizada na produção desses utensílios é extraída em Vitória. É interessante o uso de panelas de barro para preparar alimentos aquosos, como molhos, ensopados, feijão e sopas. Mas deve-se evitar fazer preparações com baixo teor de água, pois as panelas tendem a desidratar e ressecar o alimento. Antes do uso doméstico, é aconselhável adicionar de 2 a 3 colheres de sopa do óleo vegetal refinado na panela de barro e levar ao fogo do fogão. O óleo irá queimar e, quando começar a formar uma fumaça escura, deve-se desligar o fogo. Este procedimento garante uma melhor impermeabilização da panela e aumenta a durabilidade.

iG: Além das panelas, é preciso ficar atento a outros utensílios usados para cozinhar?
Carolina Santos: As espátulas de silicone são úteis no preparo dos alimentos porque evitam descascar as panelas, como as de teflon, e não soltam resíduos quando aquecidas. No entanto, as colheres de plástico são perigosas quando aquecidas, pois o plástico liberado no cozimento faz mal à saúde. Com relação ao uso de colher de pau, ela deve ser muito bem higienizada, pois a madeira úmida é um ótimo ambiente para a proliferação de bactérias e pode causar intoxicação alimentar. Portanto, lave bem a colher e deixe secar completamente antes de guardá-la. Não utilizar garfos, nem colheres de metal para cozinhar em panelas de teflon, pois além de arranhar o material, elas podem descascar o fundo, tirando a proteção que impede que metais entrem em contato com os alimentos.


Fonte: IG

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Dieta para Artrite

Há dois tipos de artrite mais freqüentes que são:

•Osteoartrite: uma doença dolorosa na qual a cartilagem das juntas entra em processo de desintegração;
•Artrite reumatóide: uma doença sistêmica que pode causar dores intensas e perda de mobilidade.

Ambas as doenças têm sintomas semelhantes e respondem aos mesmos tipos de tratamentos.
Uma nutrição adequada pode ser de grande valia para prevenir e amenizar os incômodos sintomas.

Vejamos agora alguns alimentos recomendáveis:
Salmão e outros peixes com alto teor de gordura, para suprir os óleos ômega-3.
Recomenda-se o consumo três ou mais vezes por semana;
Vegetais verdes e amarelos frescos, para garantir o betacaroteno, a vitamina C e outros antioxidantes que ajudam a reduzir os danos às células.
Recomenda-se o consumo pelo menos duas vezes ao dia;
Frutas frescas, devido aos flavonóides cítricos, que são considerados substâncias fomentadas do efeito antioxidante da vitamina C ,podendo também ter efeito antiinflamatório.

Recomenda-se o consumo diário;
Ervilhas e outras leguminosas, devido ao zinco – mineral essencial para o funcionamento perfeito do sistema imunológico.
Outras boas fontes de zinco são as ostras, o gérmen de trigo e produtos que contenham trigo integral e leite.
Recomenda-se o consumo diário de pelo menos um tipo de alimento rico em zinco;
Gengibre, para usufruir dos benefícios do seu efeito antiinflamatório.
Ingira um ou dois pedaços de gengibre cristalizado, ou utilize cinco gramas no preparo de seus pratos, a cada dois ou três dias.

Fonte de referência: Alimentos saudáveis, alimentos perigosos

terça-feira, 20 de setembro de 2011

Salada de folhas, tomate cereja e camarões


Salada de folhas, tomate cereja e camarões

Rendimento: 2 porções

Ingredientes
Para a salada
Um prato de folhas sortidas: rúcula, alface americana, alface crespa e alface roxa, rasgadas em pedaços irregulares.
10 tomates cereja cortados ao meio.
14 camarões médios limpos (deixar o rabinho em 4 ou 5 deles)
90g de anéis de lula

Para o molho
Vinagre balsâmico, sal, azeite de oliva, cebolinha verde e pimenta rosa.

Modo de preparo
Tempere os camarões e a lula com sal e salteie em uma frigideira com um pouco de azeite. Em um prato, arrume as metades de tomatinhos fazendo um círculo, coloque as folhas no meio, divida o refogado de camarões e lula entre as folhas e coloque alguns camarões sobre essa cama. Em seguida tempere com uma mistura de vinagre balsâmico, sal, azeite de oliva, pimenta rosa e jogue por cima. Polvilhe com cebolinha verde.
Fonte: IG

BAVAROISE DE ABACAXI LIGHT

· BAVAROISE DE ABACAXI LIGHT
·
· Capacidade da xícara: 200ml
· Tipo do recipiente: fôrma redonda, com furo central
· Capacidade do recipiente: 1950ml
· Rendimento: cerca de 10 porções

INGREDIENTES

· 5 e ½ xícaras (chá) de abacaxi, picado (cerca de 715g)
· 1 xícara (chá) de folhas frescas de hortelã (cerca de 20g)
· 1 xícara (chá) de União Light (160g)
· 1 e ½ envelope de gelatina em pó, sem sabor (18g)
· 1 xícara (chá) de água (200ml)
· 6 colheres (sopa) de água, para hidratar a gelatina (90ml)
· 1 lata de creme de leite light (290g)
· óleo, para untar a fôrma

MODO DE FAZER

Ferva o abacaxi com o União Light e a água até que fique macio. Leve-o ao liquidificador e junte o creme de leite, a hortelã e a gelatina já hidratada na água e derretida no banho-maria. Passe pela peneira e coloque na fôrma untada e passada rapidamente na água. Leve à geladeira até firmar (por cerca de 4 horas). Desenforme e sirva gelado.

Todas as receitas elaboradas com União Light seguem como padrão de medida, colheres rasadas com capacidade de:

15 ml: colher de sopa
7,5 ml: colher de sobremesa
5 ml: colher de chá
1,25 ml: colher de café

· Dicas

· Se preferir, decore com folhas de hortelã e pedaços de abacaxi.

fONTE: SITE DA UNIÃO

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

9 dicas para evitar a intoxicação alimentar com o ovo


Alimento é líder em provocar surtos de diarreia. Refrigeração e cozimento evitam problemas.

A nutricionista Daniele Leal recorreu aos bancos de informação do Ministério da Saúde para saber qual alimento estava mais associado aos surtos de intoxicação alimentar provocados pela bactéria Salmonella.

“Desde 1999, o ovo sempre ocupou o primeiro lugar, seja por ele próprio estar contaminado ou por falhas no preparo de alimentos que utilizam ovo, como bolos, suflês, maioneses e musses”, conta a especialista.

Esta foi a base de sua pesquisa de mestrado, defendida no programa de pós-graduação em Ciência e Tecnologia de Alimentos da Escola Superior de Agricultura da USP. Sob orientação de Gilma Sutrion, Daniele entrevistou 664 pais de alunos de escolas públicas e particulares para saber quais práticas trazem para o ovo o título de recordista de intoxicação.

Ela encontrou falhas na compra dos ovos, que facilitam as contaminações. “Dos entrevistados, 81% disseram que compram ovos sem estar refrigerados, o que é um erro para a segurança alimentar. Além disso, quando chegam em casa, as pessoas também guardam os ovos fora da geladeira, o que facilita as contaminações.”

Outros resultados encontrados mostram que 61,3% dos participantes já relacionaram sintomas de doenças, como febre, diarreia, dor de estômago, náuseas, após consumirem alguma comida, o que “demonstra que eles identificam o risco de ingerir alimentos impróprios”. Além disso, metade dos pesquisados consome ovos crus ou mal cozidos, considerados de risco pela possibilidade de estarem contaminados com a bactéria Salmonella.

Para ajudar na prevenção de problemas, Daniele Leal elencou algumas dicas que diminuem o risco de contaminação.

- Sempre compre ovos que estejam refrigerados (geladeira ou freezer)

- Escolha os produtos mais fresco possível, verificando a data de fabricação e validade

- Nunca opte por ovos sujos ou rachados, eles facilitam a contaminação

- Ao chegar em casa, guarde os ovos na geladeira, nunca fora

- Não esqueça da higiene pessoal: lave bem as mãos antes de cozinhar e também os utensílios

- Sempre consuma ovos cozidos, fritos e com a gema mole, nunca .

- Para garantir a segurança, o tempo de cozimento deve ser superior a sete minutos após o início da fervura

- Para outras preparações, a gema e a clara sempre devem estar coaguladas.

Fonte: IG

Alimentos crus no prato -4 kg na balança


As pesquisas comprovam: uma dieta rica em alimentos in natura resulta em gordura a menos no seu corpo. Embarque nessa linha, que já é sucesso entre as americanas, e detone os pneuzinhos

Eliminar até 4 kg em duas semanas sem passar fome. Esta é a proposta do livro The Raw Food Detox Diet (Ed. Regan Books), na tradução: "A Dieta Desintoxicante dos Alimentos Crus", desenvolvida pela nutricionista americana Natalia Rose, que vem fazendo a cabeça das famosas em Hollywood. O poder emagrecedor dos alimentos em estado natural foi alvo de uma pesquisa realizada nos Estados Unidos que confirmou: as pessoas que consomem mais alimentos crus pesam, em média, quase 12 kg a menos do que as que dão preferência aos pratos cozidos.

Existe até uma linha de alimentação chamada crudivorismo, na qual os praticantes ingerem exclusivamente vegetais crus. A atriz Demi Moore é uma das celebridades que já aderiram ao estilo. Pelas curvas sequinhas que exibiu recentemente, quando esteve no Brasil, dá para acreditar que a tática funciona mesmo!

Para que você usufrua desses benefícios, a nutricionista Roseli Rossi (SP) elaborou um cardápio exclusivo que dá prioridade aos itens in natura. É só seguir as recomendações e aguardar a recompensa!

Quem quer enxugar, come cru!
Esse menu com 1.000 calorias diárias vai ajudá-la a secar os excessos. Se seguido à risca, ele propicia a perda de até 2 kg por semana. "Porém, como é uma dieta restritiva, siga-a apenas duas semanas por mês e faça uma pausa. Do contrário, seu organismo sentirá a falta de certos nutrientes", atenta Roseli Rossi. Agora é com você!

Segunda-feira
Café da manhã
● Vitamina feita com ½ mamão papaia + 1 col. (sobremesa) de semente de linhaça triturada + 1 col. (sopa) de quinoa em flocos + 1 copo (200 ml) de leite de soja batido no liquidificador

Lanche da manhã
● Suco feito com 2 fatias finas de abacaxi + 1 col. (sopa) de hortelã + ½ copo de água batido no liquidificador

Almoço
● Salada feita com ½ prato de alface-crespa + 3 fatias de tomate + 1 col. (sopa) de cenoura ralada + 3 fatias de tofu + 1 col. (sobremesa) de azeite de oliva extravirgem + sal light a gosto
● 10 fatias de sashimi de salmão
● 1 kiwi

Lanche da tarde
● 1 copo (200 ml) de suco de uva orgânico
● 4 castanhas de caju torradas sem sal

Jantar
● 1 taça de salada de frutas

Fonte: revista Corpo

Obs: Consulte seu nutricionista para verificar e reajustar este cardápio para você.
Este é apenas um exemplo.

domingo, 18 de setembro de 2011

Internação de mulheres obesas cresce 18,2% no País



MUlheres são sete vezes mais internadas por obesidade do que homens.

A obesidade leva sete vezes mais mulheres ao hospital do que homens. Entre janeiro e julho deste ano, 3.867 pacientes do sexo feminino foram internadas no País por causa de problemas acarretados pelos quilos em excesso contra 545 registros entre eles.

O levantamento, feito pelo iG no banco de dados virtual do Ministério da Saúde (Datasus), mostra que a doença está em ascensão. Em comparação com o mesmo período de 2010, há um aumento de 18,2% das hospitalizações de obesas (3.269), mais suscetíveis a problemas cardíacos, acidente vascular cerebral, diabetes e também transtornos psíquicos.

Para a presidente da Associação Brasileira de Estudo da Obesidade (Abeso), Cláudia Cozer, algumas características femininas fazem o peso em desacordo com a altura ser mais grave nelas. “Muitas mulheres são mais sedentárias do que os homens. Elas permanecem mais tempo em casa o que facilita o acesso a comida”, pontua a médica.

“O metabolismo feminino também difere do masculino e faz o gasto calórico diário delas ser menor. Outra característica é que as oscilações hormonais, típicas do período pré-menstrual favorecem a ocorrência de quadros compulsivos”, complementa a presidente da Abeso.

Para Vera Kogler, pesquisadora do grupo de obesidade do Hospital das Clínicas de São Paulo, a mulher também é mais cobrada por estar acima do peso e sofre mais pressão – o que pode culminar em um ciclo difícil de romper, formado por tristeza, compulsão e comida.

“Mas também por ser mais cobrada, a mulher procura ajuda médica para obesidade em uma fase mais precoce do que o homem, talvez uma outra hipótese para elas serem mais numerosas nas estatísticas”, avalia Vera.

“Os homens quando chegam até nós estão ainda mais gordos e com mais danos na saúde bucal e cardíaca.”

Este conjunto de fatores também faz com que as mulheres sejam mais numerosas entre os pacientes que são submetidos às cirurgias de redução do estômago, conforme apontou a Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica, e também mais suscetíveis a outros transtornos alimentares, como anorexia e bulimia. Na escala inversa, já calculou o Ambulatório especializado da Universidade de São Paulo, a proporção é de 10 mulheres anorexas ou bulímicas para cada homem.

Estratégia

Para sair das estatísticas da obesidade, os especialistas recomendam alimentação adequada, exercícios físicos e também acompanhamento psicológico em casos mais extremos.

sábado, 17 de setembro de 2011

Victoza (liraglutida): Anvisa esclarece sobre as indicações do medicamento


A Diretoria Colegiada da Anvisa faz esclarecimentos para veículos de imprensa e para instituições ligadas à saúde (como o Conselho Nacional dos Secretários Estaduais de Saúde (Conass), Conselho Nacional dos Secretários Municipais de Saúde (Conasems) e Conselho Federal de Farmácia) sobre as indicações do medicamento Victoza (liraglutida), e afirma que a medicação é indicada para o tratamento de diabetes tipo 21 e não deve ser usada para emagrecimento.

Em nota, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) esclarece que o Victoza é um produto “biológico”. Ou seja, trata-se de uma molécula de alta complexidade, de uso injetável, contendo a substância liraglutida. O medicamento, fabricado pelo laboratório Novo Nordisk, foi aprovado pela Anvisa para comercialização no Brasil em março de 2010, com a finalidade de uso específico no tratamento de diabetes tipo 21. Portanto, seu uso não é indicado para emagrecimento.

A indicação de uso do medicamento aprovada pela Anvisa é como “adjuvante da dieta e atividade física para atingir o controle glicêmico em pacientes adultos com diabetes mellitus2 tipo 2, para administração uma vez ao dia como monoterapia ou como tratamento combinado com um ou mais antidiabéticos orais3 (metformina4, sulfoniluréias5 ou uma tiazollidinediona), quando o tratamento anterior não proporciona um controle glicêmico adequado”.

A agência ainda esclarece que trata-se de um medicamento “biológico novo” e, embora pesquisas tenham indicado eficácia e segurança aceitáveis, mesmo que indicado e utilizado corretamente, podem ocorrer eventos adversos imprevisíveis ou desconhecidos, que nesses casos devem ser informados ao médico.

Em estudos clínicos e nos relatórios apresentados à Anvisa foram relatados eventos adversos associados ao Victoza (liraglutida), sendo os mais frequentes: hipoglicemia, dores de cabeça, náusea e diarreia. Além destes eventos destacam-se outros riscos, tais como: pancreatite, desidratação e alteração da função renal e distúrbios da tireoide, como nódulos e casos de urticária.

Outra questão de risco associada aos produtos biológicos são as reações de imunogenicidade, que podem variar desde alergia e anafilaxia até efeitos inesperados mais graves. No caso da liraglutida, a mesma apresentou um perfil de imunogenicidade aceitável para a indicação como antidiabético.

Para o caso de inclusão de novas indicações terapêuticas deve-se apresentar estudo clínico Fase III comprovando a eficácia e segurança desta nova indicação.

Fonte: Anvisa

Leia a reportagem completa em:

Anvisa reforça esclarecimentos sobre medicamento Victoza

NEWS.MED.BR, 2011. Victoza (liraglutida): Anvisa esclarece sobre as indicações do medicamento. Disponível em: . Acesso em: 17 set. 2011.
Enviar para um amigo Complementar

FINAL DE SEMANA OU À NOITE O QUE FAZER?


Prepare uma refeição saudável em cinco minutos
Confira nossas dicas e coma bem sem gastar muito tempo na cozinha.

Fazer o arroz, cozinhar feijão, temperar a mistura:
temperar o jantar requer tempo e dá muito trabalho, coisa que você não quer no final de semana. E como ficar de barriga vazia não é nada prazeroso, a única saída, muitas vezes, é optar pelas comidas congeladas ou pelas entregas rápidas de pizza e lanches, totalmente calóricos e nem um pouco saudáveis.

Mas existem diversas maneiras de agilizar o preparo do jantar, deixando tudo praticamente pronto, afirma a nutricionista Daniele Cirulyn, do Instituto Saúde Plena. Separamos as técnicas mais simples e úteis quando o assunto é garantir uma refeição rica, em poucos minutos. Tudo para acabar de vez com as desculpas para comer besteiras antes de ir para cama.

Feijão congelado
A prática já é bem conhecida, mas as dúvidas ainda existem. Pode ou não pode congelar o feijão? Ele perde os nutrientes? É melhorar temperar antes ou depois? O feijão pode ser congelado, ele dura até três meses dentro do congelador sem perder os nutrientes, mesmo quando ele é temperado antes de ir para o freezer , diz a especialista. E o feijão não perde o sabor porque foi congelado. Para deixá-lo com jeito de fresquinho, a dica é temperar na hora de esquentar.

Arroz congelado
Cozinhe e congele em pequenas porções. Ele também dura até 3 meses dentro do freezer e não perde nenhum nutriente. O arroz deve ser congelado em potes pequenos, para que não entre muito ar, o que acaba estragando o alimento. É super prático chegar em casa e ter até o arroz prontinho para a refeição , ressalta Daniela Cirulyn.

Saladas variadas
Até as saladas levam tempo para ficar prontinhas para o consumo. Mas, para elas também existem pequenas práticas que aceleram esse processo. Para agilizar o preparo das saladas, deixe as folhas já lavadas. Mas é preciso tomar alguns cuidados, como secar bem antes de devolvê-las para a geladeira. Outra dica é deixá-las nas prateleiras de baixo, que são menos geladas, diminuindo o risco de queimar as folhas , explica a nutricionista.

Massa
O preparo de massas já é bastante prático e rápido e a nutri ensina como deixá-lo ainda mais fácil. Para agilizar o preparo, basta deixar o molho congelado. Na hora do consumo é só esquentar em uma panela e adicionar pequenos temperos. Fica uma delicia, afirma.

Carnes
A carne também pode ser devidamente preparada para garantir um janta mais rápida. Temperada de um dia para o outro, ela deve ficar na parte mais alta da geladeira, que também é o local mais gelado. "O importante é reparar na textura e na cor do alimento antes do preparo", explica a nutricionista Daniela Cirulyn. "Se ela ficar escura demais ou escorrendo um líquido de aparência viscosa, é melhor descartar".

Lanche
Os lanches são uma boa pedida para os dias que a geladeira não está preparada para uma janta rápida. Só não vale abusar. Existem diversas maneiras de preparar lanchinhos saudáveis e, para os casos de emergência, eles são uma ótima opção. Atum, peito de frango, alface, tomate. São ingredientes rápidos e que podem ser feitas em pequenos minutos.

Comida pronta congelada
A comida congelada, na maioria das vezes, apresenta alto teor de gordura, calorias e sódio que prejudicam a saúde e o regime. A comida congelada deve ficar restrita a dias de emergência geral.

O problema é que elas apresentam uma quantidade muito grande de sódio, item que pode causar prejuízos para quem tem pressão alta, ou trazer esse mal para quem não tem , alerta Daniela Cirulyn. E, se por caso escolher por essa opção, verifique bem o rótulo, prestando atenção nas calorias e na gordura trans.

fonte: yahoo

Como controlar a compulsão por doces


Faça um diário alimentar:
"Muitas pessoas não se dão conta daquilo que comem", diz a nutricionista Roseli Rossi. Portanto, se você acha que está exagerado nos doces, que tal montar uma lista com tudo o que você come durante o dia e em quais horários? "Quando você vê o total ingerido em uma lista, percebe que pode haver muitos nutrientes faltando na dieta", completa a especialista. Se, ao fazer a lista, você notar que tem açúcar de sobra, corra atrás do prejuízo!
Pare definitivamente ou gradualmente: Isso não é uma regra. Algumas pessoas preferem ser radicais e excluir os doces da dieta por completo para, depois de superado o hábito, inseri-lo na rotina alimentar aos poucos novamente.

Outras preferem o caminho contrário:
parar com os doces aos poucos. Segundo a nutricionista, existem casos em que a pessoa sofre de uma espécie de abstinência, ficando nervosa, enjoada ou com dores de cabeça se não comer doces. "Nessas situações, a forma gradual é melhor, pois a seleção de alimentos é naturalmente feita", aconselha.

Procure substituições inteligentes:
É importante comer bem do café da manhã até a janta. A nutricionista conta que manter índice glicêmico em níveis normais diminui a vontade por doces. "Ter picos glicêmicos e depois o rebote, ou seja, ficar com o índice glicêmico muito baixo, aumenta a vontade de comer açúcares", diz.

Hoje, é possível incluir alimentos doces em sua dieta sem apelar para os bolos e tortas pouco saudáveis. Frutas frescas ou desidratadas, chocolate amargo combinado a uma fruta, leite com aveia, mel e canela, geleia light com torrada e cookies integrais são algumas opções que a nutricionista Roseli sugere. É sempre importante manter uma alimentação rica em fibras, pois elas aumentam a saciedade e estabilizam o índice glicêmico. De acordo com a nutricionista Mônica Venturineli, do Hospital Sírio Libanês, as barras de cereais são uma boa fonte de fibras e aumentam a saciedade. "Contudo, vale ressaltar que as barras cobertas com camada de chocolate devem ser evitadas já que são mais calóricas e ricas em gorduras", completa.

Fuja do jejum:
A fim de perder os quilinhos a mais ou driblar as calorias adquiridas pelos doces, muitos optam por pular refeições ou ficar horas em jejum. Essa é a maior das ciladas. Longos períodos em jejum fazem com que nosso índice glicêmico fique extremamente baixo, nos deixando com mais fome, principalmente por carboidratos e açúcares. "É necessário alimentos com mais qualidade e os doces em menor quantidade, em vez de se acabar no açúcar e depois pular refeições", explica a especialista. "Isso só trará malefícios à saúde do paciente".

Não substitua uma refeição por doces:
Na mesma linha do jejum, algumas pessoas procuram comer menos no almoço ou no jantar para poder saborear uma sobremesa sem culpa. Essa orientação, porém, está totalmente errada. "Não posso deixar de comer proteína, arroz e feijão só para comer uma torta de morango depois", diz a nutricionista.

Roseli afirma que muitas pessoas fazem essa troca pensando em calorias, mas 100 calorias de arroz e feijão estão longe de ser equivalente a 100 calorias de bolo de chocolate, já que as respostas metabólicas são diferentes. "O aproveitamento de nutrientes que o seu corpo terá com o arroz e feijão é muito maior", esclarece.

Por isso, nada de saborear um doce prejudicando uma refeição saudável e equilibrada, que é tão importante para o seu rendimento físico e mental.

Elimine os doces da sua dispensa:
Nada de passar vontade ou conviver com as tentações ao alcance da mão. Evite comprar doces e estocá-los nos armários, geladeiras, gavetas e até mesmo no trabalho. "Muitas vezes, a pessoa alega que compra doces para o filho ou outro membro da família, quando, na verdade, compra pra si", conta Roseli.

Portanto, é hora de tomar coragem e parar de comprar besteiras. É óbvio que nenhum alimento é proibido, mas o ideal é não comprar aos montes um alimento que você sabe ser inadequado, pois sempre pode surgir um momento de fraqueza. "O fato de possuirmos doces em casa aumenta a tentação em ingeri-los", diz a nutricionista Mônica, que afirma que o comportamento saudável deve começar na compra e perdurar no dia-a-dia.
Se a vontade for incontrolável... Prefira comer o docinho no período da tarde. Evite ao máximo os doces pela manhã, pois nosso corpo está se desintoxicando e ingerir muito açúcar nesse período dá mais trabalho para nosso metabolismo. Prefira o doce no lanche da tarde em vez de comê-lo na sobremesa, já que o seu organismo está satisfeito da refeição. Por isso, opte por horários entre 17h30 e 18h30.

Fonte: Yahoo

quinta-feira, 15 de setembro de 2011

BULIMIA


15 sinais de bulimia

Conheça comportamentos que podem indicar a presença da doença, predominante em mulheres jovens
Provocar vômitos para eliminar o que foi comido é um dos sinais da bulimia
Comer em excesso e provocar vômitos para eliminar a culpa por ter comido é uma doença conhecida como bulimia. Caracterizado por um comportamento compulsivo e doentio em relação à comida, esse transtorno alimentar é mais comum em mulheres jovens, e pode até matar se não for identificado e tratado adequadamente.

A Associação Nacional de Distúrbios Alimentares (NEDA), dos Estados Unidos, elaborou uma cartilha com informações e orientações sobre a doença, e dicas úteis para quem tem ou convive com o problema. O Delas selecionou 15 sinais de alerta que podem ajudar a identificar a bulimia. Como em toda doença, a presença de indícios não significa que a pessoa tem o problema, o diagnóstico deve ser feito por um especialista. Se perceber algum dos comportamentos listados em alguém próximo de você, procure orientação sobre como ajudar conversando com um médico ou um psicólogo.

Preste atenção em:

1 – Comportamentos e atitudes que indicam preocupação excessiva com perder peso, fazer dieta ou controlar a quantidade de comida ingerida

2 – Desaparecimentos inexplicáveis de grandes quantidades de comida da despensa em períodos muito curtos de tempo

3 – Grandes quantidades de embalagens de alimentos vazias (elas podem ser um indicativo do consumo compulsivo de grandes quantias de comida)

4 – Visitas frequentes ao banheiro ao longo ou depois das refeições

5 – Dentes manchados ou amarelados e hálito de vômito constante

6 – Cartelas ou embalagens vazias de laxantes e diuréticos no lixo do banheiro ou da cozinha (são indícios de comportamento purgatório)

7 – Sensação clara de desconforto ao comer na frente de outras pessoas

8 – Rituais relacionados à comida ou à alimentação (comer apenas um alimento ou um grupo específico de alimentos, mastigar excessivamente a comida ou evitar que o alimento toque os lábios ao ser colocado na boca)

9 – Ingestão de porções muito pequenas de comida nas grandes refeições do dia (como o almoço) ou na pulada muito frequente de refeições

10 – Atitudes bizarras em relação à comida (sem motivo algum, roubar ou esconder alimentos em lugares estranhos da casa ou do quarto)

12 – Uso exagerado de enxaguatórios bucais, pastilhas e chicletes de menta (eles ajudam a mascarar o hálito de vômito)

13 – Uso constante de roupas folgadas, que escondam os contornos do corpo

14 – Dedicação incansável a regimes de exercícios intensos e rígidos demais, mantidos independentemente do clima, do cansaço ou de alguma doença ou lesão muscular

15 – Calos nas costas das mãos ou nas juntas dos dedos (são uma espécie de cicatriz da repetição frequente do ato de provocar o vômito colocando os dedos na garganta)

Onde encontrar informações e ajuda:

Ambulatório de Bulimia e Transtornos Alimentares (Ambulim)

Programa de Orientação e Assistência aos Transtornos Alimentares (Proata)

Grupo de Obesidade e Transtornos Alimentares (Gota)

Grupo de Apoio e Tratamento dos Distúrbios Alimentares (Gatda)

Grupo de Estudo e Assistência em Transtornos Alimentares (Geata)

Grupo de Estudos em Nutrição e Transtornos Alimentares (Genta)



Fonte:IG

Anorexia e bulimia podem prejudicar a fertilidade

Anorexia: problema interfere na fertilidade
Mulheres com anorexia e bulimia podem demorar mais para engravidar do que mulheres sem esses transtornos alimentares, aponta um novo estudo.

Pesquisadores do Reino Unido pediram a 11.088 grávidas para preencher questionários na 12ª e 18ª semanas de gestação. Entre as mulheres, 171 (1,5%) tiveram anorexia em algum momento de suas vidas, 199 (1,8%) tiveram bulimia, e outras 82 (0,7%) haviam tinham experimentado ambas as condições.

A maior proporção das mulheres com transtornos alimentares levou mais de seis meses para conceber em comparação com aquelas sem história de transtornos alimentares (39,5% contra 25%). No entanto, os pesquisadores constataram que as mulheres com transtornos alimentares não eram mais propensas a demorar mais de 12 meses para engravidar.

Mulheres com anorexia ou bulimia foram mais de duas vezes mais propensas a engravidar com a ajuda de tratamentos de reprodução assistida: 6,2% contra 2,7% nas sem os transtornos.

O estudo também constatou que 41,5% das mulheres com anorexia, disse que sua gravidez não foi planejada, em comparação com 28,6% das mulheres na população em geral. Isto sugere que as mulheres com anorexia tendem a subestimar suas chances de engravidar, acreditam os pesquisadores.

“Esta pesquisa destaca que há riscos para a fertilidade associados aos transtornos alimentares. No entanto, as altas taxas de gravidez não planejada em mulheres com histórico de anorexia sugerem que elas podem estar subestimando suas chances de engravidar”, disse a autora Abigail Easter, do Instituto de Psiquiatria do Kings College, de Londres (Reino Unido).

"As mulheres que planejam engravidar devem, idealmente, procurar tratamento para seus sintomas de transtorno alimentar antes da concepção e os profissionais de saúde devem estar cientes da possibilidade desses problemas ao investigar a fertilidade e fornecer tratamento para engravidar", acrescentou.

Fonte:IG

Anvisa veta uso e comércio de nove fitoterápicos no País

Produtos como o chá sete ervas não podem mais circular nem ser vendidos no território nacional.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) publicou nesta quarta-feira (14), no Diário Oficial, o veto ao uso, comércio e distribuição de nove produtos fitoterápuicos no Brasil. Chá sete ervas, elixir do Pai João, Tayu Caroba, Flor da Índia, Flor do Sertão, Flor da Catingueira, Umburana Composta, Nutri Plantas e Folha Santa não poderão mais circular nem ser vendidos no território nacional.

Novo diretor

O plenário do Senado aprovou a recondução de Dirceu Barbano ao cargo de diretor-presidente da Anvisa por mais três anos. Pela manhã, a Comissão de Assuntos Sociais (CAS) já havia aprovado a recondução de Barbano.

Farmacêutico com especialidade em biofarmacognosia, Barbano tem 45 anos e assumiu uma vaga de diretor da Anvisa em outubro de 2008. Em janeiro deste ano, passou para o cargo de diretor-presidente da instituição.

Nos últimos meses, Barbano tem conduzido o debate acerca da possibilidade de se proibir a venda de medicamentos emagrecedores no País. O diretor-presidente da Anvisa disse que a decisão deve ser anunciada até o fim do mês.

* Com Agência Brasil

Fonte:IG

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Alergia e Intolerância alimentares

Alergia e Intolerância são a mesma coisa?

Não se deve confundir alergia com intolerância alimentar.

A intolerância aos alimentos se refere a uma resposta física anormal a um alimento ou componente de um alimento, que não chega a se classificar como uma reação alérgica.

Por exemplo, uma pessoa pode ter sintomas abdominais como dor ou flatulência, depois de tomar leite. Esta reação é causada provavelmente por uma intolerância ao açúcar do leite (lactose), sendo que a pessoa que apresenta estes sintomas, geralmente, não possui as enzimas para decompor este açúcar e efetuar a digestão de forma adequada.

As proteínas são os alérgenos dos alimentos (ou seja, os componentes dos alimentos que causam as reações alérgicas), que mais freqüentemente são responsáveis pelos quadros alérgicos. A maioria dos alérgenos, no entanto, pode causar reações, mesmo após sua cocção ou mesmo muito tempo após terem sido digeridos.

Quais são os alimentos que mais freqüentemente causam alergia?

Os alimentos que mais freqüentemente causam alergia alimentar são as proteínas do leite de vaca, ovos, amendoim, trigo, soja, peixe, mariscos, nozes, embutidos (salame, lingüiças), alimentos com corantes (sucos artificiais) e conservantes (enlatados).

Quais são os conservantes e corantes que mais causam reação alérgica?

Os conservantes e corantes que mais freqüentemente causam reações em pessoas sensíveis são o aspartame, os benzoatos, corantes amarelos No. 5 e vermelho No. 3, glutamato monosódico, nitratos e nitritos, parabenos e sulfitos. As verdadeiras reações alérgicas aos conservantes e corantes dos alimentos, são pouco freqüentes.

Porque uma pessoa é alérgica a um tipo de alimento e não a outros?

Todos os alimentos provêm de alguma planta ou animal e se agrupam em famílias, dependendo de sua origem. Por exemplo, cebolinha, alho e cebola são membros de uma mesma família. Uma pessoa alérgica a um membro de uma família de alimentos será possivelmente alérgica a todos os membros desta família. Isto é conhecido como reação cruzada. Algumas pessoas podem ser alérgicas ao amendoim e às nozes, que são de diferentes famílias de alimentos; Estas alergias são denominadas de alergias coincidentes, porque não se relacionam entre si.

Entre os alimentos derivados de animais, a reação cruzada não é tão comum. Pessoas alérgicas ao leite de vaca podem comer carne de vaca e os alérgicos a ovos podem geralmente comer frango. As pessoas alérgicas aos ovos apresentam reação somente às proteínas da clara. No entanto, já que é impossível evitar completamente a contaminação cruzada entre gema e clara, os ovos devem ser evitados totalmente.

Quais são os sintomas resultantes de uma alergia alimentar?

A reação alérgica mais comum é a urticária. A urticária consiste em zonas avermelhadas e inchadas na pele, que coçam muito e que podem surgir repentinamente e desaparecer rapidamente. Aparecem geralmente agrupadas, e espalhadas por todo o corpo. Os sintomas gastrointestinais de alergia alimentar incluem vômitos, diarréia e dor estomacal e às vezes, uma irritação avermelhada ao redor da boca, acompanhada de coceira e inchação.

A manifestação final de uma reação alérgica grave é o choque anafilático, que se acompanha de uma insuficiência respiratória intensa, com constrição de brônquios e laringe, que pode resultar em morte, se não atendida pronta e adequadamente.

Copyright © 2007 Bibliomed, Inc.