sábado, 30 de abril de 2011

Risoto de Camarão com abóbora light


Ingredientes

- 2 colheres (sopa) de cebola picada
- 2 colheres (sopa) de azeite
- 2 colheres (sopa) de vinho branco
- 1 xícara (chá) de arroz arbório
- 3 xícaras (chá) de caldo de camarão quente
- 2 colheres (sopa) de manteiga
- 2 colheres (sopa) de parmesão ralado
- 300g de abóbora moranga cozida, sem casca
- 200g de camarão cinza médio
- Sal, pimenta do reino e salsinha a gosto


Modo de preparo

Limpe os camarões e tempere com sal e pimenta a gosto. Refogue-os em uma frigideira untada com azeite até que fiquem opacos (cerca de 4 minutos) e reserve.
Em um processador, coloque a abóbora cozida, manteiga e parmesão ralado. Processe até virar um purê. Corrija o sal se necessário e reserve na geladeira.
Em uma panela, refogue a cebola picada no azeite. Quando estiver translúcida, acrescente o arroz arbóreo e refogue, para que os grãos possam absorver toda a gordura. Acrescente o vinho branco e refogue mais um pouco. Despeje então, 1/3 do caldo reservado, abaixe o fogo e deixe cozinhar em panela sem tampa. Quando estiver quase seco, acrescentar a metade do caldo restante. Mexa algumas vezes, para não pegar no fundo da panela. Quando estiver quase seco novamente, acrescente o restante do caldo e mexa um pouco mais. Quando finalmente estiver quase seco novamente, retire a panela do fogo e do calor, acrescente os camarões reservados e o purê de abóbora gelado. Mexa vigorosamente, tomando apenas o cuidado de não quebrar os grãos. Polvilhe salsinha e sirva imediatamente.

1 porção = 236g
número de porções = 6


valor calórico e nutricional por porção:

calorias = 219kcal
carboidratos = 27,92g
proteínas = 7,18g
lipídios = 8,7g



Fonte: Cyber diet

Hotel Termópolis- Minas Gerais - Conheçam este local maravilhoso com a melhor água mineral do mundo!



Fundado em 1921, Termópolis foi e sempre será um marco em lazer, turismo e saúde.

As primeiras menções sobre a existência da Estância Balneária Termópolis, datam da década de 20, mais precisamente 1921, ano de fundação da primeira fonte e construção do hotel (em estilo colonial).

Colocada precisamente pelas “mãos de Deus”, a fonte se entrelaça com uma paisagem rústica, porém belíssima, aos pés de lindas montanhas a 825 m, e em meio a um vale; uma benção que faz com que TERMÓPOLIS seja um marco em lazer, turismo e saúde em todo o país.

A estância é procurada por um público interessado em suas águas termais minerais, não só pelos seus banhos de imersão à 30º, mas também por suas ações terapêuticas no tratamento de diversas doenças:

•Reumatismo;
•Distúrbios Gastrointestinais;
•Cálculos Renais;
•Eczemas, dentre outras;

As nascentes das águas minerais termais provenientes do solo, quando afloram à superfície trazem consigo em dissolução, diversos sais minerais, resultado de seu contato ao passar pelas rochas. Esse manancial hidrotermal, tem uma vazão aproximada de 400 mil l/h mantém suas piscinas (3 azulejadas e 2 naturais), dispensando todo e qualquer tratamento químico.

Site: www. termopolis.com.br ( São Sebastião de Paraíso - Sul de Minas Gerais )

A comida é típicamente mineira, muito farta e variada.Feita com produtos naturais da horta, sem agrotóxicos e a parte de laticínios ( queijos e leite) são retirados das vacas do hotel e preparados com carinho para os hóspedes com receitas caseiras ( pães, bolos, tortas, etc.).

Visitem o site e vão conhecer este lugar MARAVILHOSO!!!!

Patrícia Brigagão Mendes

terça-feira, 26 de abril de 2011

Chocolate amargo faz bem ao coração

O problema é saber se os benefícios suplantam o prejuízo dos quilos a mais, alertam pesquisadores.

Chocolate escuro: maior teor de cacau traz benefícios, mas gordura e calorias em excesso seguem sendo prejudiciais
Se você consegue lidar com as calorias e com o teor de gordura, um pedaço de chocolate escuro de vez em quando pode oferecer alguns benefícios à saúde.

Novas pesquisas sugerem que o cacau pode baixar a pressão arterial e o colesterol, prevenir o diabetes e melhorar a saúde dos vasos sanguíneos.

Então, porque não se render a uma barra de chocolate todos os dias? A questão é que os cientistas ainda não têm certeza se as desvantagens do consumo do cacau – como, por exemplo, potencial agravante da obesidade – poderiam superar seus benefícios.

A pesquisa foi realizada com chocolate escuro sem açúcar, variedade ainda pouco comum nas prateleiras dos supermercados. O grupo de participantes que consumiu o chocolate, rico em substâncias conhecidas como flavonóides polifenólicos, teve melhor desempenho em diversas áreas, como a pressão arterial. Foi observada uma queda do colesterol ruim e um aumento do bom colesterol entre os participantes abaixo dos 50 anos de idade deste grupo.

As descobertas são provenientes de uma análise de dados de 21 estudos de alta qualidade que incluíram 2.575 participantes. Segundo os pesquisadores, ainda não está claro porque o chocolate apresenta os efeitos descritos nas pesquisas. Também não se sabe qual seria a quantidade ideal a ser consumida para alcançar os benefícios desejados.

Outra complicação possível quando o assunto é recomendar o consumo é o principal ingrediente do chocolate: o cacau.

“A pesquisa analisou os benefícios do cacau, utilizando um preparo específico deste ingrediente. A forma como ele é processado para ser utilizado em uma bebida ou barra de chocolate faz diferença na hora de oferecer benefícios à saúde”, disse Lona Sandon, professora de nutrição clínica do University of Texas Southwestern Medical Center, de Dallas.

“Em outras palavras, nem todo chocolate é criado da mesma forma."

Mesmo que o consumo moderado de chocolate possa ser benéfico à maioria das pessoas, Sandon diz que existem formas melhores e mais saudáveis de aprimorar a saúde do coração.

“A perda de peso é a principal delas quando o assunto é a prevenção da hipertensão e a melhora da resistência à insulina. A meu ver, o cacau não tem o poder de combater os maus hábitos alimentares”, disse ela.

Entretanto, a especialista complementa que existem maneiras de incluir o chocolate na alimentação mantendo as calorias e gorduras sob controle – como tomando chocolate quente com leite desnatado e adicionando chocolate em pó por cima do cappuccino ou a receitas culinárias.

Fonte: Ig

Especialistas sugerem melhor horário para comer um doce


Infelizmente, a hora ideal para devorar um chocolate não é quando bate aquela vontade incontrolável.

De acordo com os especialistas, existe sim um momento mais adequado para saciar esse desejo: depois das principais refeições.

“O melhor horário é depois do almoço, pois o açúcar se mistura com outros nutrientes ingeridos, como fibras da salada, proteínas e gorduras da carne, e evita picos de insulina no sangue”, recomenda a nutricionista Gabriella Guerrero, da consultoria Nutriessencial.

Quando ingerimos doces de barriga vazia, os níveis de açúcar no sangue aumentam rapidamente, o que provocaria esse pico. Essa oscilação não é saudável, e pode estar relacionada com diabetes, obesidade e outras doenças.

A endocrinologista Claudia Cozer, da Abeso (Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica), explica que ao comer um carboidrato acompanhado de outro grupo alimentar o estímulo de secreção da insulina é menor.

“Por isso, sempre recomendamos a ingestão de uma proteína junto com o carboidrato, para minimizar os efeitos sobre a insulina”, afirma.

Além disso, satisfeito pela refeição, a tendência é que a quantidade consumida seja menor e mais bem regulada. Perder o controle e devorar uma caixa de bombons, por exemplo, é mais incomum nesse momento.

Outro período ideal, sugerem os nutricionistas, é antes ou depois das atividades físicas. Pré-exercício, o doce ajuda a dar ânimo e energia; pós-treino auxilia na recuperação do glicogênio muscular. “Antes da prática de uma atividade física dará ao organismo a possibilidade de queimar essas calorias”, diz o nutrólogo e fundador do Instituto de Medicina Integrada, Health4Life, Mohamad Barakat.

Quer comer quanto?

Mesmo nas dietas mais restritivas, os especialistas não costumam recomendar a suspensão total do doce, ainda mais para quem gosta e sente necessidade. Mas há uma cota que deve ser respeitada e pode ser diária ou semanal, dependendo da avaliação profissional de cada caso. “Se está com sobrepeso, indicamos 120 calorias no máximo. Se a pessoa é magra e está com a saúde em dia, essa quantidade pode aumentar”, diz Cozer.

Se o objetivo é emagrecer, a recomendação costuma ser “doces somente aos finais de semana” e sempre respeitando a quantidade. Mas os especialistas já entendem que, quando a vontade bate com intensidade, o melhor é satisfazê-la.

“Nesses casos, se deixar para comer no final de semana, em vez de um pedaço de chocolate come um pedaço enorme de torta de limão”, avalia. O segredo, diz ela, está na quantidade (pouca) e na frequência (no máximo duas vezes por semana)

O melhor doce

Alguns alimentos são menos prejudiciais à dieta do que outros. As melhores opções são sempre aqueles com menos gorduras e calorias. O chocolate ao leite costuma ser um dos grandes vilões na luta contra os quilos em excesso, o ideal é optar pela versão amarga, com mais cacau e menos gordura.

Os preferidos dos nutricionistas – e, por isso, os mais indicados – são as frutas, de preferência frescas ou em caldas. Sorvetes de frutas (palito) ou de iogurte, gelatinas e pudins light também podem ser opções interessantes.

Fonte: IG

Dieta do Dr. Dukam: será que funciona?


Dieta do Dr. Dukam: será que funciona?
A Mais nova dieta!!!

Regime criado por médico francês seria uma versão da dieta de Atkins, criticam especialistas

Em busca da forma ideal: dieta de médico francês virou febre na Europa
Um best-seller sobre a nova dieta da moda, que ganhou fama entre os franceses, tem lançamento previsto para o final deste mês nos Estados Unidos – sem dúvidas, agendado para coincidir com a aflição coletiva gerada pela chegada da estação dos biquínis no hemisfério norte.

“The Dukan Diet” (A Dieta de Dukan, em tradução livre) já vendeu mais de 3 milhões de cópias em todo o mundo, informa o website da Random House, editora que detém os direitos de publicação do livro nos Estados Unidos.

Você é o que você come: conheça os principais perfis à mesa


Criada pelo médico francês Pierre Dukan, a dieta é supostamente muito difundida entre os franceses mais proeminentes. Tanto é que Carole Middleton, mãe da futura esposa do Príncipe William da Inglaterra, adotou a dieta para se preparar para o casamento de Kate no próximo dia 29. Outra famosa que teria se valido da dieta para voltar à forma depois da gravidez de seu primeiro filho foi a atriz espanhola Penélope Cruz.

A promessa do livro já está na contracapa e parece bastante simples: “2 Passos Para Emagrecer, 2 Passos Para Manter o Novo Peso para Sempre”. Entretanto, alguns nutricionistas americanos se mostram bastante preocupados com o plano alimentar.

Em resumo, a dieta é dividida em quatro fases: “o ataque”, “a transição”, “a consolidação” e a “estabilização”. Durante a fase de ataque, a meta de emagrecimento deve ser estipulada. Depois disso, durante um período de dois a sete dias (dependendo da quantidade de quilos a perder), deve-se ingerir somente proteína magra (uma alusão á dieta do Dr.Atkins) e farelo de aveia.

Em seguida vem a fase de transição, quando deve-se alternar dias proteína pura e dias de proteína e vegetais. Esta fase deve continuar até a meta de peso ser alcançada. Na fase de consolidação, a ingestão de proteína e vegetais é ilimitada, com a re-introdução de pães e outros carboidratos.

A estabilização, a fase de manutenção do plano, tem duração ilimitada e funciona da seguinte forma: é permitida a ingestão de todo tipo de alimentos durante seis dias da semana e no sétimo deve-se voltar ao cardápio de proteínas. Os exercícios físicos também são encorajados. Dukan recomenda uma caminhada de diária de 20 minutos e o uso de escadas em vez do elevador.

Entretanto, especialistas americanos em nutrição que revisaram a dieta para o periódico HealthDay expressaram certa preocupação. Karen Congro, nutricionista e diretora do Programa do Bem-Estar para a Saúde do Brooklyn Hospital Center, de Nova York, referiu-se à dieta como uma “receita para o desastre”.

Ela diz que a dieta é aceitável quando seguida por alguns dias, mas não é saudável em um longo prazo. Entre outras críticas, ela ressalta o alto teor de gorduras e o consumo ilimitado de sal. A especialista complementa que não existem evidências de que a dieta é eficaz. “Em longo prazo, esse programa não faz bem ao coração" diz.

A Agência Nacional de Segurança Sanitária Alimentar, Ambiental e do Trabalho da França já considerou a dieta prejudicial à saúde e o mesmo ocorreu com a Associação Britânica de Nutrição. Connie Diekman, diretora do departamento de nutrição da Universidade de Washington, diz que a dieta de Dukan é a “reencarnação de Atkins”, a famosa dieta da proteína.

Segundo Connie, um programa alimentar dividido em fases não deixa de ser divertido, mas a ingestão nutricional é bastante limitada para uma perda de peso saudável. Diekman diz que a ciência não apoia a limitação de carboidratos. Mas, e o que dizer sobre a futura sogra do Príncipe William?

“Como nutricionista e recente 'mãe de noiva' minha advertência à mãe de Kate Middleton é que ela vai precisar de muita energia para poder aproveitar este dia tão especial. Os carboidratos são os alimentos que nos fornecem tal energia”, disse Diekman.

Ela complementa que um método muito melhor seria optar por pequenas porções de grãos integrais, verduras e frutas com proteína magra e laticínios desnatados, limitando os açúcares e gorduras.

* Por Kathleen Doheny
Fonte: IG

domingo, 24 de abril de 2011

Receita de Sopa de queijo no pão italiano



Receita de Sopa de queijo no pão italiano


Ingredientes

•1 pão italiano redondo
•1 copo de requeijão
•100g de queijo gorgonzola
•2 xícaras (chá) de leite
•1 colher (sopa) de amido de milho

Modo de preparo

•Faça um círculo na parte superior do pão e tire uma tampa.
•Remova o miolo com cuidado, fazendo com que fique como se fosse uma cumbuca.
•Reserve o pão e o miolo.
•Em uma panela, junte os demais ingredientes e leve ao fogo médio, sem parar de mexer, até o queijo derreter e o creme ficar encorpado, mas não muito.•Enquanto isso, coloque o pão no forno médio, preaquecido, por 5 minutos, ou até aquecer levemente.•Depois, despeje o creme dentro do pão e sirva com o miolo como acompanhamento.
•Se desejar, decore com folhas de manjericão.
Rendimento: 4 porções

Fonte: Culinária e receitas



Fonte: http://www.culinaria-receitas.com.br/sopas-e-caldos/sopa-de-queijo-no-pao-italiano.html#ixzz1KToi6N2H

Dieta Desintoxicante

Após a Páscoa, nada melhor como uma dieta de desintoxicação de tanto chocolate!!!!

Olhem esta dieta indicado pelo Hospital do coração. Só deve ser feita por poucos dias e neste período não faça exercícios pesados.

Emagreça de 4 a 8kg com a Dieta Rápida da Sopa Básica

Seguindo este cardápio você pode emagrecer de 4 a 8 kg em uma semana.

Esta receita de sopa é indicada pelo Hospital do Coração para pessoas com excesso de peso, que necessitam emagrecer rapidamente para poderem seguir com um tratamento ou cirurgia.
Como todas as dietas, esta aliada a exercícios físicos pode resultar em emagrecimento rápido e eficaz.
Após a primeira semana faça uma pausa de 1 ou dos dias, mas não abuse, como com moderação, dando preferência às frutas.
Beba bastante água e chás de sua escolha , sem adição de açúcar.

A Sopa

INGREDIENTES:

1 BERINJELA
1 PACOTE DE CREME DE CEBOLA
1 NABO
2 XÍCARAS DE VAGEM PICADA
2 MAÇOS DE CEBOLINHA
2 PIMENTÕES
1 CENOURA
2 TOMATES PICADOS
1 REPOLHO ROXO GRANDE
1 MAÇO DE AIPO OU SALSÃO

Tempere com: SAL, PIMENTA, CURRY, SÁLVIA OU SALSA

MODO DE FAZER:
Corte todos legumes e cubra com água.
Ferva por 10 minutos , aproximadamente 40 minutos, ou até que os legumes estejam á sua vontades. Tempere a gosto.


CARDÁPIO SUGERIDO PELO HOSPITAL DO CORAÇÃO

1º DIA
Todas Frutas(menos banana) + Sopa

2º DIA
Todos os Legumes +Sopa
Evite feijões secos, grãos de bico, ervilhas e milho.
Na hora do Almoço , pode comer uma batata grande cozida



3 º DIA
Frutas e Legumes + Sopa

4º DIA
Bananas + Leite Desnatado + Sopa
Pode-se comer até 8 bananas durante o dia , seja batido com leite, ou não.
Utilize adoçantes

5º DIA
Carnes (Frango, Peixe, evite carne de porco) + Tomates + Sopa
Beber bastante água e chá verde, para ajudar na eliminação do ácido úrico.

6º DIA
Carnes (Frango, Peixe, evite carne de porco) + legumes em quantidades razoáveis+ Sopa

7º DIA
Arroz (de preferência Integral) + Legumes+ Sopa


Esta é uma variação da sopa sugerida pela nossa amiga Silvia Helena para aqueles que não gostam de alguns alimentos ou pelo menos para poder variar o paladar, os alimentos que não estão nela podem ser consumidos á parte, ajudando a saciar a fome.

ingredientes

2 repolhos roxo (O repolho roxo ajuda na queima de calorias, o branco não)

2 tomates

4 cenouras

2 pimentões

Cozinhe 1 repolho, 2 cenouras, os tomates e os pimentões por 1 hora, depois de frio passe tudo no liquidificador e ponha no fogo novamente.Tempere com sal, pimenta, alho e knorr.
Cozinhe separadamente as outras 2 cenouras cortada em pedaços pequenos e misture na sopa depois de cozida.
Corte o outro repolho em pedaços pequenos e acrescente a sopa.

Fonte: Saúde e Beleza

terça-feira, 19 de abril de 2011

Lanches saborosos com apenas 100 ou 200 calorias


Confira opções práticas, magras e saudáveis para saciar a fome em meio às refeições.

Smoothie de frutas vermelhas: saciedade com 200 calorias.

O livro A Dieta Volumétrica (Editora Best Seller), de Barbara Rolls, presidente da North American Association for the Study of Ingestive Behavior, trabalha com a ideia de saciedade e promete baixar os ponteiros da balança com mais comida no prato.

O lanche intermediário da manhã ou da tarde é uma estratégia para ajudar a controlar a fome de forma saudável e magra. Confira algumas opções práticas e saborosas:

Lanches com 100 calorias

- Uma xícara de salada de frutas

- 2/3 de xícara de gelatina com sabor de fruta

- 3 xícaras de pipoca simples

- Slush de frutas. Bata no liquidificador ½ xícara de rodelas de banana, ½ xícara de abacaxi (enlatado em calda), 1 e ½ xícara de gelo, 1 colher (chá) de mel ou açúcar (opcional)

- 6 wafers de baunilha com redução de gordura

- 2/3 de xícara de frozen iogurte desnatado

- 15 minicenouras


Melão, kiwi, morango e uva: frutas com menos de 100 calorias

Frutas com 100 calorias ou menos

- 1 banana média (100)

- 1 pera (100)

- 1 maçã (80)

- 1 xícara de abacaxi picado (80)

- 1 laranja média (60)

- 1 xícara de uvas (60)

- 1 xícara de melão picado (60)

- 1 kiwi (50)

- 1 pêssego (40)

- 1 ameixa (40)

- 1 xícara de morangos (40)

Lanches com 200 calorias

- Maçã assada com sorvete light e granola. Retire a parte central de uma maçã média e acrescente ½ colher (chá) de suco de limão. Leve ao microondas por dois minutos em temperatura alta. Sirva com ½ colher (chá) de canela em pó, 1/3 de xícara de sorvete light de baunilha e 1 colher (sopa) de granola de baixa gordura.

- Frozen iogurte de baunilha com frutas frescas. Misture ½ xícara de frozen desnatado com 2/3 de xícara de pêssego fresco fatiado ou ½ xícara de morangos frescos.

- Iogurte, granola, mel e frutas. Combine 170 g de iogurte natural desnatado, 1 colher (chá) de mel, 1 colher (sopa) de granola de baixo teor de gordura e ¾ de xícara de morangos fatiados ou ½ xícara de abacaxi cortado em cubos.

Viva a gelatina!

Opções de lanches pobres em carboidratos

Alimentos que dão saciedade favorecem a dieta :
- Pão de ló com frutas e cobertura de creme. Cubra 1 fatia (1/12 de um pão de ló de 25 cm) com 1 xícara de morangos picados ou ¾ de xícara de framboesas e 2 colheres (sopa) de cobertura de creme de baixa caloria.

- Smoothie de abacaxi e banana. Bata no liquidificador ½ xícara de iogurte natural desnatado, 2/3 de xícara de abacaxi, 2/3 de xícara de rodelas de banana, 1 e ½ xícara de gelo e 1 colher (chá) de mel ou açúcar (opcional). Rende 2 e ½ xícaras

- Smoothie de frutas vermelhas. Bata no liquidificador ½ xícara de iogurte de morango desnatado, 1/4 de xícara de framboesas, 1/2 xícara de morangos, ½ xícara de mirtilos e ¾ de xícara de gelo. Rende 2 xícaras

- Slush de laranja e banana: bata no liquidificador 2/3 de xícara de sorbet de laranja, ½ xícara de refrigerante de limão diet ou água mineral gasosa, ½ xícara de rodelas de banana e 2/3 de xícara de gelo

- Pêssegos e queijo cottage. Combine 1 xícara de pêssegos em calda light com ½ xícara de queijo cottage semidesnatado.

- Sorvete, banana e calda de chocolate. Combine ½ xícara de sorvete de baunilha light com ½ banana cortada em rodelas e 1 colher (sopa) de calda de chocolate light.

- Batata assada. Uma batata assada média (cerca de 200g) quente coberta com 2 colheres (sopa) de creme de leite light, sal e pimenta a gosto.

Fonte: IG

Mitos e verdades

Muitas mães dizem que não pode misturar manga com leite. Verdade ou mito?

É comum mulheres repetirem para seus filhos frases que lhe foram ditas por suas mães. Elas ficam tão enraizadas que chega ao ponto em que a mãe nem se dá ao trabalho de pensar se o que diz faz sentido. O iG levantou dez frases comuns na boca de mães e falou com especialistas para ver se por trás de cada uma delas há mesmo um fundo de verdade.

“Não fez mais que sua obrigação”
Para a psicóloga Miriam Barros, os pais que dizem isso podem estar bem intencionados, mas acabam causando mais danos do que benefícios aos filhos. “Os pais não fazem isso por maldade ou má intenção, mas vão minando a autoestima da criança que espera reconhecimento”, acredita. “A criança precisa de reforço, reconhecimento, elogio.” Para os pais que têm medo de que o filho se ache o máximo e pare de se esforçar não devem se preocupar, basta só achar o tom certo para validar o esforço e mostrar que a criança ou adolescente pode crescer ainda mais. “Reconhecer um esforço não é mimar, não é igual a aceitar tudo.” De acordo com Miriam, ter amor próprio e gostar de si mesmo é um comportamento aprendido, e cabe aos pais ensiná-lo.

“Não pode misturar manga com leite”
São raríssimos os alimentos que não podem ser misturados, de acordo com Beatriz Tenuta Martins, presidente do Conselho Regional de Nutrição. “De modo geral, você pode misturar qualquer coisa.” O leite é uma fonte importante de cálcio, principalmente para crianças, além de ter proteínas de boa qualidade. Já a manga fornece uma série de vitaminas e o betacaroteno, um precursor da vitamina A, presente em todas as estruturas de proteção de pele, de cabelo e dos olhos. “Do ponto de vista da nutrição é uma combinação excelente e fácil de digerir”, afirma Beatriz. Possivelmente, o mito surgiu de uma história contada aos escravos, para que eles não quisessem consumir leite. “A maioria das proibições alimentares é em função de tabus desse tipo”, diz a nutricionista.

“Não pode nadar ou entrar na piscina depois de comer porque dá congestão”
Depois de uma refeição mais completa, o sangue é direcionado para a região digestiva. “Existe um fundo de verdade: a concentração sanguínea na região do estômago aumenta depois das refeições. É bom não mergulhar por cerca de uma hora depois de uma refeição completa”, afirma Beatriz. “Mas entrar numa piscina rasa não faz mal nenhum”. A recomendação é de evitar qualquer esforço físico mais intenso, mas atividades leves estão permitidas.

“Não tira a casca da maçã que a vitamina está na casca”
Comer a casca é o recomendado, mas não apenas por causa das vitaminas. “A fruta inteira tem vitaminas, mas as fibras estão concentradas na casca, e as vitaminas também, em menor proporção”, afirma Beatriz. Para mães preocupadas com resíduos de agrotóxicos, que possam resistir à lavagem, ainda vale a pena consumir a casca. “O benefício é maior do que o risco, se não for possível comer orgânicos. Não é todo mundo que tem acesso a alimentos orgânicos, seja por preço ou disponibilidade. Aí é lavar bem, higienizar e comer com casca”, diz a nutricionista.

Fonte: IG

domingo, 17 de abril de 2011

Bacalhau Desfiado

Ingredientes:

1 kg de bacalhau para desfiar
1 folha de louro
2 dentes de alho
2 cebolas cortadas em tiras
3 tomates picados
200 g de batatas cozidas
Azeitonas pretas
Ovos cozidos
Azeite

Modo de Preparo:

1.Primeiramente tire o sal do bacalhau
2.Coloque uma panela no fogo alto com água e deixe ferver
3.Depois de fervida acrescente o bacalhau e deixe nessa ágia por 20 minutos, com o fogo desligado e a panela tampada
4.Desfie o bacalhau e reserve
5.Aqueça o azeite doure o alho, cebolas, e acrescente os tomates e folha de louro
6.Em um refratário espalhe o bacalhau, por cima coloque as batatas cozidas picadas e acrescente o molho
7.Leve ao forno por uns 10 minutos e sirva regado com o azeite

Fonte: Tudo Gostoso

sábado, 16 de abril de 2011

Suplementos alimentares podem ajudar mulher a emagrecer


Produtos também são uma boa alternativa para evitar fraturas por estresse.

Suplemento de óleo de peixe é rico em ômega-3
Os suplementos alimentares podem ser uma alternativa para mulheres que praticam exercícios. E não pense que isso vale apenas para competidoras profissionais ou aficionadas por musculação.

Qualquer pessoa está sujeita a desequilíbrios entre ingestão e gasto de nutrientes, condição que vai prejudicar os resultados desejados, como perda de peso ou ganho de condicionamento físico. “Existem suplementos que ajudam a restabelecer este equilíbrio”, afirma Juliana Rangel, nutricionista funcional da academia Contours.

Uma situação recorrente, conta Juliana, acontece com mulheres que ingerem alimentos gordurosos com frequência. “A gordura dificulta a absorção de nutrientes”, revela. O mesmo acontece quando o sistema digestivo está repleto de toxinas. “Elas têm uma estrutura semelhante a da gordura”.

Nestes casos, a nutricionista recomenda suplementos com óleo de linhaça ou de peixes, por serem ricos em ômega-3. “Este tipo de suplemento combate o processo inflamatório do intestino e ajuda a recuperar o equilíbrio entre bactérias ruins e bactérias benéficas ao processo digestivo”, detalha.

Para evitar o retorno das bactérias prejudiciais, a nutricionista recomenda ainda uma reeducação alimentar para ajustar a quantidade de gordura, de sal e de açúcar refinado.

Além de combater as bactérias ruins, é preciso favorecer a proliferação das bactérias boas. Em alguns casos, a nutricionista recomenda suplementação com biomassa de banana verde, um nutriente benéfico às bactérias naturais do organismo.

“O suplemento é dado por um período curto, de semanas ou meses. Ele não é usado constantemente”, diz. Com o sistema digestivo equilibrado, a absorção de nutrientes melhora.

Isso combinado com uma alimentação balanceada deve ser suficiente para dar “o combustível” necessário aos exercícios. Até rapidez com que os alimentos são metabolizados tende a aumentar, favorecendo quem deseja perder aquelas quilinhos a mais.

Cálcio

As mulheres também precisam dar atenção especial a um processo chamado de tríade da mulher atleta. Apesar do nome, esta síndrome pode acontecer com qualquer praticante de atividades físicas e gerar deficiência de nutrientes.

O problema é descrito pelos médicos como a combinação entre distúrbio alimentar, alterações no ciclo menstrual e perda de massa óssea. Essa condição não é exclusividade de pessoas que aderem a dietas radicais. Basta errar um pouco no regime e pronto: a deficiência alimentar já começa a afetar a menstruação.

Ciclo irregular ou até falta de menstruação gera alterações na absorção de cálcio, o que aumenta o risco de lesões como fraturas por estresse, aponta o ortopedista Ricardo Munir Nahas, Diretor Científico da Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte.

“A falta de ferro é outro problema, que pode acontecer em praticantes de esportes aeróbicos”, aponta. Os sinais são cansaço fora de hora e fadiga. Para verificar a quantidade de ferro no corpo é preciso fazer exames como o hemograma ou a dosagem de ferritina. Em algumas situações, pode ser preciso usar suplementos.

Vegetarianos

Combinar exercícios de musculação com uma dieta livre de carnes requer atenção dobrada. Nahas explica que uma das principais fontes de energia necessária aos chamados exercícios anaeróbicos, aqueles da musculação, é a proteína. E esse é justamente o nutriente que pode faltar aos vegetarianos, visto que ele é encontrado principalmente em carnes.

Para ter certeza de que a suplementação de proteínas é necessária, é preciso verificar a quantidade e intensidade de exercícios feita pela mulher, além de avaliar toda a alimentação dela.

A vantagem de ganhar um pouco de massa muscular é que o metabolismo do músculo requer mais energia, mesmo quando em repouso. Isso ajuda a queimar calorias e manter o corpo em forma.

Fonte: IG

Como perder peso de forma inteligente


Nutricionista ensina sistema prático de objetivos para quem quer iniciar um regime.

Dieta: traçar metas específicas e factíveis ajuda a manter uma alimentação regrada
A essa altura, as resoluções do Ano Novo já devem estar quase apagadas da memória – o que faz dessa uma boa hora para repensá-las, principalmente para quem tomou a decisão de emagrecer.

A nutricionista Brittany Glassett, do Porter Adventist Hospital de Denver (EUA), sugere estabelecer objetivos por meio de um sistema que ele define como SMART – sigla que, em inglês, significa: específico, mensurável, atingível, realista e oportuno (specific, measurable, attainable, realistic and timely).

No quesito especificidade, por exemplo, não planeje simplesmente alimentar-se melhor. Trace uma meta específica, como reduzir a ingestão de fast food a três vezes ao mês, por exemplo.

Anote seus objetivos e concentre-se em um ou dois de cada vez para evitar o esgotamento. Continue seguindo estes objetivos até alcançá-los, lembrando-se que uma mudança de hábito leva cerca de três semanas.

Glassett também sugere pensar em miniobjetivos. Em vez de dizer que irá perder 25 quilos de uma vez, considere perder 2,5 quilos nas próximas quatro semanas. Peça o apoio de amigos e familiares: compartilhe com eles seus objetivos, aceitando ser relembrado sobre os mesmos por eles.

Glassett também criou uma lista de seis pequenas mudanças que, segunda ela, fazem uma grande diferença:

- Consuma mais grãos integrais, que contêm fibras benéficas para o coração – além de vitaminas e minerais. As fibras ajudam a controlar a fome entre as refeições

- Adicione frutas e verduras que dão cor às refeições. Experimente colocar três cores vivas no prato

- Não pule refeições e, em vez de fazer poucas refeições mais pesadas, faça pequenas refeições a cada três ou quatro horas

- Reduza o consumo de refrigerantes, sucos e bebidas à base de café muito calóricas, que costumam conter muitas calorias vazias

- Substitua o óleo vegetal por óleo de canola ou azeite de oliva, melhores opções para o coração.

- Mantenha um diário sobre sua alimentação, mesmo que seja por apenas alguns dias da semana

Estudos mostram que as pessoas que fazem um acompanhamento por escrito da alimentação têm mais sucesso na perda e manutenção de peso.

Fonte: IG

Creatina: aliada ou vilã?

Pesquisador norte-americano apresenta estudos em favor do suplemento.

Suplemento de creatina melhora o desempenho de atletas.
Nenhum outro suplemento alimentar esteve tão cercado de polêmicas quanto a creatina. Ela já foi associada ao uso de anabolizantes, passou cinco anos proibida no Brasil, ainda é mal vista por muitos médicos e é classificada, por parte deles, como uma ameaça às funções do rim e do fígado.

“Essa fama negativa não existe à toa. Por muitos anos atletas internacionais de várias modalidades associaram o uso de anabolizantes à creatina”, afirma Antonio Herbert Lancha Jr, coordenador do Laboratório de Nutrição e Metabolismo Aplicados à Atividade Motora, da Universidade de São Paulo (USP).

Na contramão de tudo isso, o pesquisador norte-americano Melvin William, PhD em Educação Física e em Ciências do Exercício pela Universidade de Maryland (EUA), defende o uso da substância. E não só por atletas profissionais.

“Ela tem eficácia comprovada para esportistas amadores, idosos, diabéticos e pode até ser usada na reabilitação de alguns pacientes”, afirma.

Melvin estuda a creatina há décadas e já escreveu sobre o uso do suplemento em alguns livros, como “Nutrition of Health, Fitness and Sport”. O pesquisador esteve recentemente no Brasil para o simpósio “Desmistificando o uso da creatina”, promovido por uma empresa fabricante de suplementos alimentares e que comercializa produtos à base de creatina. Em entrevista ao iG Saúde, ele explicou quais seriam os benefícios da substância. Veja também a opinião de quem discorda.

Uma dose básica de creatina é sintetizada naturalmente pelo organismo, no fígado e no pâncreas. Ela geralmente é complementada pela alimentação, por meio de peixes, carnes e derivados. “Metade da dose de que precisamos é produzida pelo corpo, enquanto a outra metade é ingerida na alimentação”, afirma Melvin. São necessários de 1 a 2 gramas por dia. “Vegetarianos costumam apresentar níveis baixos de creatina no organismo.”

Explosão de força

Um dos benefícios mais conhecidos da suplementação com creatina é a explosão de força. A substância consegue aumentar o desempenho do esportista em atividades que exigem muito esforço em intervalos pequenos. “O exercício não pode ter mais que 30 segundos”, esclarece.

Vários esportes podem ser beneficiados por essa propriedade da creatina, como corrida e natação, nas provas mais velozes e curtas, e até halterofilismo, pela necessidade de força concentrada apenas em levantar um peso.

“Dezenas de estudos comprovam essa eficácia, sendo que as pesquisas mais consistentes indicam melhora de até 13% no desempenho do atleta”, aponta Melvin. Em outros estudos, comenta o pesquisador, a força muscular do atleta chega a aumentar pelo menos 8%.

Massa muscular

O quesito massa muscular desperta uma boa polêmica em torno da creatina há muitos anos. Mas antes de entrar nesta questão é preciso entender um pouco mais sobre o mecanismo de absorção do suplemento. A creatina dá volume ao músculo porque aumenta a capacidade das células musculares de absorver água. “Quem usa creatina se impressiona porque o músculo incha muito rápido”, afirma o pesquisador norte-americano.

“Isso gera uma falsa ideia de ganho de massa muscular”, rebate Jomar Souza, diretor da Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte. Segundo ele, quando o atleta abandona a suplementação de creatina, o líquido retido no músculo reduz e, com isso, o volume também diminui. “Não há ganho de massa muscular”, afirma.

Melvin contesta essa visão. Para ele, a explosão de força proporcionada pela creatina pode contribuir com o ganho de massa muscular, independentemente do inchaço causado pela retenção de líquidos no músculo. “Estudos americanos e britânicos comprovam isso, seja em atletas que usaram creatina ou em atletas que combinaram a creatina com carboidratos”, conta ele.

Os carboidratos também são moléculas estocadas nos músculos e responsáveis pelo fornecimento de energia para o sistema aeróbico. “O carboidrato dá a energia necessária para atividades de longa duração”, afirma Souza.

Quando a creatina falhou

É justamente neste tipo de atividades, nos exercícios de longa duração, que os estudos apresentados por Melvin não conseguiram identificar eficácia no uso de creatina. “O efeito não chegou a ser comprovado em muitos estudos”, afirma ele.

Souza explica que a creatina pode apresentar benefícios nos primeiros segundos de uma corrida. “Mas isso se perderia no balanço total de provas longas, como maratonas que duram mais de duas horas”, analisa o especialista.

Rins e fígado: há mesmo sobrecarga?

O receio de sobrecarregar rins e fígado pelo uso de suplementos de creatina ainda assusta muitos médicos e especialistas em nutrição de atletas. “Mas isso foi desmentido por inúmeras pesquisas”, garante Melvin.

Até uma pesquisa nacional, realizada pela Escola de Educação Física e Esporte da USP e divulgada em 2008, comprovou que a suplementação com creatina não gerou sobrecarga nos rins de atletas de 24 anos. O trabalhou chegou a ser publicado no European Journal of Applyed Physiology.

Em atletas que usam o suplemento, a sobrecarga aconteceria porque as células renais entrariam em fadiga ao receber uma quantidade excessiva de creatina, além das outras substâncias que normalmente metaboliza. “Mas isso não foi visto nos estudo”, afirma Melvin.

Questionado sobre a possibilidade da creatina causar cálculo renal, Melvin afirma que não há evidência que faça essa ligação. “Não vejo possíveis complicações porque a origem do cálculo está no cálcio."

As reações adversas apontadas pelo pesquisador norte-americano estão todas ligadas a problemas estomacais. “Foram registrados casos de diarreia e estômago irritado”, conta ele.

O pesquisador norte-americano indica dois planos de suplementação com creatina, um de resultados mais rápidos – para atletas de alto desempenho – e outro para esportistas iniciantes.

“Mas todo programa deve ser feito com acompanhamento médico, especialmente se a pessoa tiver algum problema de saúde”, alerta.

Reabilitação

A creatina também começa a ser estudada como alternativa terapêutica para pacientes em reabilitação. “É uma idéia extremamente interessante. Existe a possibilidade de benefício para portadores de atrofia causada por longas imobilizações”, afirma Turíbio Leite de Barros Neto, professor de fisiologia do exercício na Unifesp e ex-fisiologista do São Paulo Futebol Clube.

Os estudos nesta área ainda estão começando a apresentar resultados consistentes. “Esse tipo de uso pode beneficiar ainda pessoas nas atividades diárias, como carregar uma sacola de compras”, afirma Melvin.

Diabetes

Há cerca de três meses, um estudo do Laboratório de Nutrição e Metabolismo da Escola de Educação Física e Esporte (EEFE) da USP revelou que a suplementação de creatina aliada a exercícios melhora o quadro de pacientes com diabetes tipo 2.

O benefício está no controle da taxa de açúcar no sangue, que é elevada nos diabéticos. A doença dificulta a absorção de glicose nas células, função que passaria a ter apoio da creatina. Mesmo os pacientes com alteração das funções renais não apresentaram complicações durante o estudo.

Para Lancha Jr, todo o material apresentado por Melvin serve como base para derrubar muitos mitos acerca da creatina. “Acredito que no futuro próximo, a creatina possa se tornar um suplemento com aplicações diversas, não apenas para atletas. Acho que essa substância poderá suprir o que perdemos com as mudanças na maneira como nos alimentamos”, avalia.

Fonte: IG

As vantagens e desvantagens de cada horário para malhar


Cada momento do dia requer um cuidado específico. Saiba como identificar qual combina mais com você.

A pessoa tem mais força para treinar no final do dia
Não existe um horário ideal para praticar esportes ou fazer exercícios físicos. Embora essa questão seja bastante investigada e debatida, nenhuma grande vantagem foi descoberta até agora. O que vale, por enquanto, é a preferência e a disponibilidade de cada um.

Mas cada horário traz vantagens e desvantagens, com as quais é preciso saber lidar para obter melhores resultados nos treinos e também para não prejudicar a saúde.

Manhã

Quem prefere se exercitar pelas manhãs tem a vantagem de acelerar o organismo logo no início do dia, despertando mais rapidamente para as atividades cotidianas. A recuperação do organismo tem mais chances de ser melhor, porque muitas refeições estão planejadas para acontecer após o treino, ao longo do dia.

Em contrapartida, é preciso ter cuidado com a alimentação anterior ao treino. Quem come pouco ou de forma inadequada pode sentir enjôos, sentir fraqueza e até desmaiar.

“A atividade física acelera o consumo de glicose (açúcar no sangue). Se a pessoa estiver mal alimentada, ela pode ter um quadro de hipoglicemia, e também o rendimento da atividade será prejudicado”, afirma o ortopedista Ricardo Cury, especialista em medicina do esporte e vice-presidente da Sociedade Brasileira de Cirurgia do Joelho.

A refeição antes do treino precisa reunir os principais grupos alimentares – carboidrato, proteína, fibra e gordura. Mas não se deve ingeri-los no café da manhã e correr para a academia, pois há risco de náuseas e refluxo gástrico.

O corpo precisa de tempo para o processo digestivo antes de ter as energias requisitadas por esteiras e halteres. O ideal é esperar ao menos uma hora, no caso de refeições leves como o café de manhã.

Se a refeição tiver alimentos mais pesados e for maior, como costuma ser o almoço, é melhor esperar ao menos duas horas antes de iniciar atividades físicas.

Tarde

“Quem treina no final da tarde tem mais força”, revela a nutricionista Heloísa Guarita Padilha, presidente da Associação Brasileira de Nutrição Esportiva (ABNE).

Heloísa explica que diversos fatores metabólicos podem intensificar a potência física na parte final do dia. Os níveis de insulina e de cortisol, hormônio ligado ao estresse físico, participam desta equação. “Mas não dá para apontar uma causa isolada, é o conjunto dos fatores”, reforça.

A temperatura do corpo também costuma ser mais alta entre o final da tarde e início da noite. “É outro fator que pode colaborar”, acrescenta. Mas essa vantagem do treino vespertino se aplica aos exercícios anaeróbicos da musculação, e não vale para atividades aeróbicas, como corrida e ciclismo, que são as atividades mais procuradas por quem deseja perder peso.

De qualquer forma, a musculação também tem suas vantagens para o emagrecimento. O aumento da musculatura é um fator que favorece a perda de peso. “A massa magra (músculos) consome mais energia”, afirma Heloísa. É uma característica metabólica do músculo.

Noite

Fazer exercícios é parte das receitas médicas contra insônia, mas o efeito pode ser justamente contrário caso a pessoa pratique esportes pouco antes de ir para a cama.

“A atividade física libera uma grande quantidade de endorfina, o que gera euforia na pessoa”, explica Cury. Mesmo assim, há quem consiga sair de uma academia, tomar banho e dormir tranquilo. Mas se você prefere não correr o risco de ficar acordado até o meio da madrugada, melhor reservar de duas a três horas para o corpo desacelerar.
Outra possível desvantagem do treino noturno está associada à recuperação do organismo, que pode sair prejudicada por uma alimentação inadequada. “À noite, o corpo precisa de mais insulina para a mesma quantidade de carboidrato (se comparado a uma refeição feita mais cedo)”, diz Heloísa. É preciso ponderar bem a quantidade e qualidade dos alimentos ingeridos para suprir as necessidades do corpo, para evitar estoque de energia na forma de gordura.

E se você varia muito o horário para treinar, porque sua agenda é bem concorrida, também não há problema. “A variação constante de horário não prejudica o rendimento no treino”, afirma o personal trainer Carlos Tomaiolo, consultor da Integralmédica.

Depois de malhar, não esqueça: fazer um bom alongamento e respirar de forma profunda e lenta servem como um recado para o corpo tirar o pé do acelerador.
Fonte: IG

Exercício na gravidez requer moderação


Exagerar nas atividades físicas pode prejudicar a formação do feto e até levar ao aborto.

Ioga é um dos exercícios recomendados às gestantes.
Durante muitos anos a medicina torceu o nariz para a prática de atividades físicas durante a gravidez. Mas hoje em dia, os exercícios para gestantes são bem vistos, desde que se mantenham alguns cuidados. “São indicadas atividades com intensidade de leve a moderada, de três a quatro vezes por semana”, ressalta ginecologista e obstetra Mariane Corbetta da Silveira. Não são indicadas atividades estafantes.

Dentro da intensidade adequada, a gestante pode realizar aulas de ioga, caminhadas e natação. Esportes competitivos e de impacto são contraindicados. Atividades de alta intensidade também devem ser evitadas.

“No início da gestação, por exemplo, o aumento da temperatura do corpo pode gerar má formação do feto”, alerta Geraldo Duarte, presidente da comissão de assuntos pré-natal da Febrasgo (Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia).

O ideal é sempre realizar exercícios com acompanhamento médico especializado. “É preciso respeitar a reserva física, algo que varia de pessoa a pessoa”, ressalta o médico. Essa reserva é calculada por variantes como frequência cardíaca, peso e carga do exercício.

Dose certa

“O exercício na dose certa previne lombalgia e reduz as reclamações de dor nos membros inferiores, algo muito comum nas gestantes”, aponta Mariane. Outra vantagem é a prevenção do diabetes gestacional, problema que atinge pelo menos 7% das mulheres durante esse período.

“Essa prevenção acontece porque os exercícios ajudam a queimar calorias e a controlar o peso”, afirma Duarte. O ganho máximo de peso na gravidez é de cerca de 12,5 kg.

Já nos quadros de hipertensão é preciso mais cuidado. “Existem três tipos de hipertensão em grávidas: a crônica, a crônica que se torna pré-eclampsia e a própria pré-eclampsia (doença que mata três mulheres por dia no país)”, enumera Duarte.

Os exercícios são indicados apenas para o primeiro tipo de hipertensão, quando não há risco de pré-eclampsia. Caso a doença se manifeste, a mulher deve fazer o máximo de repouso possível, pois sua gestação será de alto risco.

Parto normal

A médica explica que existem exercícios de flexibilidade específicos para o assoalho pélvico. Eles ajudam a aumentar a tolerância da musculatura feminina para o parto normal. São exercícios especialmente benéficos para mulheres que já tiveram filhos por cesárea, mas gostariam que a segunda gestação fosse por parto normal. Essa é uma mudança recente de paradigma na medicina.

Até pouco tempo, recomendavam-se apenas cesáreas quando a mulher já havia se submetido ao procedimento anteriormente. Mas o Colégio Americano de Ginecologistas e Obstetras anunciou uma nova diretriz. Ela é baseada em estudos que mostram que até 80% dos partos normais após cesáreas são bem-sucedidos.

Exercícios respiratórios

Além das atividades físicas, é importante a prática de exercícios de respiração. Isso porque a apneia é uma reclamação comum, especialmente nos estágios mais avançados da gravidez.

Como o útero da mulher fica elevado, pode dificultar o processo respiratório e favorecer quadros de ansiedade e dificuldade para dormir. Para resolver ou amenizar o problema, os médicos recomendam sessões de exercícios para respiração.


Eles devem ser realizados com respirações profundas na parte alta do tórax. Já a parte baixa do tórax, região próxima ao diafragma, deve ser exercitada no início da gestação. Isso ajuda a mulher a lidar com ansiedade.

Fonte: IG

Overtraining: o excesso que faz mal à saúde


Quando a relação entre exercícios e recuperação está desproporcional o desequilíbrio pode afetar o corpo todo.

Mulheres: treino intenso demais pode interferir na menstruação e na absorção de cálcio pelos ossos
Exercícios fazem bem à saúde. Exercícios demais fazem mal. Essa é a regra básica para quem pretende começar ou já pratica algum esporte. Se as horas ou a intensidade do treino forem exageradas, há risco de overtraining.

O termo foi destaques do 22º Congresso Brasileiro de Medicina do Exercício e Esporte, que terminou sábado (7/8) e se refere a um desequilíbrio fisiológico que resulta em queda no rendimento e perda muscular, entre outros problemas.

E o pior é que não existe uma fórmula de treinamento padrão para nenhum esporte, pois a dinâmica de cada organismo é muito particular. Ela varia de acordo com cada um, e também no decorrer da vida do esportista, seja ela amador ou profissional.

Treino e recuperação

O desequilíbrio do organismo acontece quando a relação entre treino e recuperação está desproporcional. A prática de qualquer esporte gera um desgaste no organismo, caracterizado por pequenas lesões, desidratação e até variações hormonais.

Esse desgaste precisa ser recuperado com uma boa alimentação e tempo adequado de descanso. “É o princípio da super compensação”, esclarece Luiz Antônio Barcellos Crescente, professor de medicina do esporte na Universidade Luterana do Brasil e fisiologista do Sport Club Internacional, de Porto Alegre.

Se há equilíbrio nesta delicada equação, o esportista vai melhorar seu condicionamento físico. Dependendo do esporte, isso implica em ganho de massa muscular e de fôlego, além de melhor desempenho na atividade em si. Se há desequilíbrio, o corpo irá dar sinais de alerta.

Efeito cumulativo

A queda no desempenho do esportista é um dos primeiros e mais frequentes sinais do overtraining. “A pessoa estranha porque está fazendo os mesmos exercícios, mas se cansa mais rápido, como se estivesse realizando um esforço acima do normal”, descreve fisiologia do exercício Paulo Zogaib, professor da Unifesp.

O overtraining aumenta o risco de irritabilidade, distúrbios do sono, perda de peso e dor muscular. Em alguns casos, o indivíduo chega a sofrer redução na coordenação motora. Este desequilíbrio é aceito pelo organismo por pouco tempo, numa espécie de efeito cumulativo.

Se a linha do desgaste ultrapassar a capacidade que o corpo tem de enfrentá-lo, as consequências podem afetar importantes hormônios do corpo. Hormônio do crescimento e testosterona, por exemplo, ajudam a melhorar o desempenho físico. Já a cortizona é um importante anti-inflamatório, responsável pelo combate ao estresse dos exercícios. Mas se as doses liberadas forem altas demais, consequência do treino exagerado, o efeito delas também muda. “O hormônio começa a retirar materiais da massa magra e causa redução muscular”, explica Zogaib.

Mulheres

Como a liberação de hormônio do crescimento e de testosterona é menor na mulher, o desequilíbrio fisiológico acontece com mais facilidade. “O overtraining é mais comum em mulheres e crianças”, afirma o fisiologista do exercício.

Alterações no ciclo menstrual podem ocorrer e desencadear um processo chamado de tríade da mulher atleta. Entre os riscos estão a interrupção da menstruação (amenorreia) e a redução da absorção de cálcio pelos ossos. Isso aumenta as chances de osteopenia, osteoporose e de fraturas por estresse.

E não adianta simplesmente reduzir a carga de treino, pois o efeito acumulado do desgaste físico requer uma ampla recuperação e reavaliação das condições de treino. “A alimentação precisa ser revisada e pode ser necessário adotar alguma forma de suplementação”, recomenda Zogaib.

O ritmo de treino, após uma temporada de recuperação, tem de ser elaborado dentro de um plano que considere a condição física da pessoa e a evolução de sua resposta aos exercícios. Por isso, recomendam os médicos, é fundamental acompanhamento de um profissional de educação física em qualquer atividade.

Em academias, por exemplo, as avaliações físicas devem ser realizadas pelo menos a cada seis meses. Se a academia não oferecer este tipo de acompanhamento, ele pode ser feito com médicos especializados em medicina do esporte.

Fonte: IG

quinta-feira, 14 de abril de 2011

Vegetarianismo infantil sem riscos




Para adotar dieta vegetariana com seus filhos, informação e substituição são as palavras-chave

Karol é vegetariana e mãe de duas meninas: apoio e acompanhamento da pediatra das crianças
Karol Souto tinha apenas 10 anos quando foi a uma avícola comprar frango a pedido da mãe. Ingênua, escolheu a ave como quem estivesse escolhendo um bichinho de estimação. Apontou o dedo para o animal sem se dar conta de que, após alguns minutos, estaria recebendo o corpo e os órgãos em uma sacola. “Naquela hora caiu a ficha: carne é bicho. Achei tétrico”, conta a vocalista da banda Mercenários do Rock. “Eu era o algoz, escolhi o bicho que iria morrer”. Desde então, ela passou a restringir o consumo de carne como pôde, até finalmente trabalhar e passar a comprar a própria comida. Quando a primeira de suas duas filhas nasceu, Karol prontamente avisou a pediatra que carne estaria fora da dieta.

Leia também
Crianças orgânicas
Como fazer seu filho comer verduras e legumes
Mãe, o que é isso no meu prato?
Seu filho está comendo bem?

Muitos médicos seriam contrários a decisões como esta, mas não foi o caso da pediatra. Diante da opção da mãe, ela passou a pesquisar o assunto a fundo. Acompanhamentos mensais, avaliação de neurologistas e hemogramas foram requeridos para acompanhar de perto o possível impacto de uma dieta ovolactovegetariana – sem carne, mas com ovos e leite – na saúde da criança. Hoje, sete anos depois e com uma irmã de quase dois anos também vegetariana, a menina é saudável e livre para comer carne se desejar. “Ela às vezes come um cachorro-quente na escola”, admite Karol, que exibe tatuado no corpo o símbolo do vegetarianismo. Mas explica a filosofia da casa: “Sou contra todo tipo de escravidão, vício e preconceito. Aqui, todo mundo é livre”.

Proteínas e crescimento

O médico Eric Slywitch, especialista em Nutrologia e autor do livro “Alimentação sem Carne – Guia Prático” (Editora Alaude), lembra que alguma fonte proteica de origem animal é necessária na dieta das crianças até um ano de idade, pois o bebê tem dificuldade de produzir um aminoácido – a taurina, presente no próprio leite materno e nas fórmulas infantis elaboradas para substituir o leite da mãe. Depois, pais vegetarianos devem seguir recomendações específicas para a criança vegetariana. Para ele, a retirada da carne só traz problemas quando a substituição por outros alimentos é inadequada: “Pais devem buscar orientações com profissionais que conhecem as substituições corretas e sabem avaliar de forma objetiva o estado nutricional do bebê”, explica ele, que se tornou vegetariano em 1992.

A nutricionista especializada em pediatria Giovana Longo Silva, da Unifesp, afirma que um dos problemas associados à dieta vegetariana na infância é a deficiência de ferro. “A suplementação acaba sendo necessária no vegetarianismo, mas a mãe precisa procurar um médico para isso”. Segundo ela, o suplemento deve ser utilizado em apenas último caso, pois existem alimentos capazes de suprir estas necessidades (leia um guia breve da substituição de alimentos). Muitas vezes a deficiência não é visível e só exames laboratoriais podem apontar alterações no sangue. “Todos os riscos nutricionais numa dieta vegetariana são conhecidos e há ferramentas objetivas para monitorar isso”, pondera Eric. “Havendo alguma deficiência, também há formas simples de corrigi-la sem a criança ter de comer carne”.

Mas nem todos pensam assim. “Uma dieta estritamente vegetariana é incompatível com as necessidades de crescimento e desenvolvimento da criança”, afirma o pediatra Francisco Lembo Neto, do Hospital Samaritano de São Paulo. “Crianças não são 'adultos pequenos' e o tamanho do estômago, embora menor, tem maiores necessidades nutricionais”, explica. Por este motivo a dieta ovolactovegetariana, menos restritiva, seria menos prejudicial, embora deva ser orientada por um nutricionista. Para Francisco, a criança precisa receber carne vermelha e a restrição da mesma pode levar a retardo no crescimento e desenvolvimento da criança, alterações funcionais graves de vários órgãos, deficiência imunológica e anemia, entre outros problemas.

“É uma irresponsabilidade submeter uma criança a uma dieta 'veggy' (veganista, que não aceita qualquer alimento de origem animal), pois trata-se de uma dieta incompatível com as necessidades de qualquer pessoa em desenvolvimento”. Foi o caso do casal de franceses que, no fim do mês passado, foi acusado de homicídio após a morte por desnutrição da filha, de 11 meses, alimentada apenas com leite materno.

Karol serve a filha mais velha: ela faz questão de cozinhar para a família
A nutricionista Mariana Marchetti é vegetariana e seu filho, de seis anos, é ovolactovegetariano. Para ela, uma dieta vegetariana bem planejada é completamente segura em todas as fases da vida, basta apenas informação sobre o assunto com a ajuda de profissionais especializados. “É preciso substituir alimentos e fornecer todos os nutrientes necessários para se ter uma boa saúde, não apenas excluir certos alimentos”. Os principais nutrientes que devem ser balanceados, neste caso, são os minerais como o ferro, o cálcio, zinco, gorduras do tipo ômega 3 e vitamina B12. “Ser vegetariano é bem simples, basta informação”, explica.

Karol é contra os suplementos e diversifica muito o cardápio em casa. “Não precisamos viver à base de remédios, é só achar um meio natural de não agredir nenhum ser”, comenta. “Aqui em casa, eu faço questão de fazer a comida. É a minha magia, é o que eu dou de melhor para a minha família”. Entre as opções para enriquecer a alimentação, ela conta com arroz preto, todos os tipos de feijões, frutas e verduras. Está sempre inventando uma receita diferente, fugindo da vida baseada em macarrão. “Tudo na minha casa é orgânico, compro ovos totalmente livres de hormônios”. Desta forma, ela atende ao que Eric Slywitch recomenda: a escolha certa dos alimentos e a forma como são preparados.


Substituição de alimentos

Há diferentes tipos de dieta vegetariana. A ovolactovegetariana é composta por alimentos de origem vegetal, ovos, leite e derivados. A lactovegetariana aceita apenas leite e derivados, mas exclui os ovos. O ovovegetarianismo restringe o consumo de produtos lácteos e o vegetarianismo estrito exclui todos os produtos de origem animal, até mesmo o mel. Cada linha deve ser seguida com cuidado e há nutrientes específicos que devem ser substituídos de forma adequada.

Proteínas

A carência de proteínas pode afetar o desenvolvimento e crescimento da criança. “Ao retirar as carnes, inclua feijões, ervilha, lentinha, grão-de-bico e tofu”, explica Eric Slywitch, autor do livro “Alimentação sem Carne – Guia Prático” (Editora Alaude). “Quando substituímos as carnes por feijões, a proteína permanece três vezes mais elevada que a necessidade. E os aminoácidos (lisina, metionina e cisteína), cinco vezes mais elevados”. Se a criança não come ovo, o consumo de arroz integral e leguminosas deve ser mais alto em todas as refeições.

Ferro

A carência de ferro pode afetar a disposição e o desenvolvimento cognitivo. Para compensar a menor biodisponibilidade do ferro vegetal, Eric Slywitch recomenda escolher alimentos com o dobro do ferro das carnes. “Em 75 gramas de feijão, o que equivale a menos de meia xícara do grão cru, temos 4,8 mg de ferro, que substitui a carne bovina”, explica. O frango poderia ser substituído pode apenas 25 gramas de feijão, o equivalente a 1/8 de xícara de grão cru. Mariana Marchetti explica que o consumo do ferro vegetal requer cuidados especiais. O ideal, além de contar sempre com o feijão e verduras verde-escuras, é ingeri-los ao lado de uma fonte de vitamina C – como o limão, laranja, abacaxi – para melhorar a absorção do mineral, e nunca com leite, chá ou café.

Zinco

Falta de zinco no organismo pode afetar o crescimento e o estado imunológico do indivíduo. Por isso, crianças vegetarianas devem consumir muito gergelim, gérmen de trigo ou soja. Para melhorar a absorção do zinco, os grãos devem ser deixados de molho na água da noite para o dia. Isso reduz o teor de ácido fítico, elemento que reduz a absorção do mineral. Cerca de 50 gramas de gergelim fornecem a mesma quantidade de zinco (6,4 mg) presente nas 100 gramas de carne diárias recomendadas pela Sociedade Brasileira de Pediatria.

Vitamina B12

A deficiência de vitamina B12 está associada a problemas de desenvolvimento cognitivo e sistema nervoso. Ela é encontrada em ovos e laticínios, mas Eric Slywitch defende o uso de suplementos. “As necessidades podem ser supridas com 60 a 70 gramas da maioria dos queijos ou com 250 ml de leite de vaca”, explica. Fórmulas infantis contêm a B12 e podem ser grandes aliadas da saúde da criança.

Cálcio

O déficit de cálcio pode prejudicar o crescimento e a formação adequada dos ossos, além de favorecer a osteoporose na vida adulta. “Neste caso, é fundamental enfatizar a ingestão de alimentos como a couve, brócolis, feijão branco, gergelim torrado, frutas secas, castanhas, tofu e melado de cana”, afirma a nutricionista Mariana Marchetti. Fórmulas de extrato de soja enriquecidas com vitaminais e minerais também ajudam a alcançar a quantidade de cálcio recomendada.

Fonte: IG

Bombom de travessa light





BOMBOM DE TRAVESSA (ZERO AÇÚCAR)






Ingredientes

Creme:
1 embalagem de Pó para Preparo de LEITE CONDENSADO LOWÇUCAR ZERO AÇÚCAR
2 ½ xícara (chá) de leite desnatado
2 colheres (sopa) de margarina light
4 colheres (sopa) de amido de milho
1 colher (chá) de ADOÇANTE CULINÁRIA LOWÇUCAR
Recheio:
350g de morangos
Cobertura:
200g de chocolate em barra diet
1 embalagem de creme de leite light (200g)

Modo de preparo

Creme:
Prepare o leite condensado segundo as instruções da embalagem. Em seguida coloque em uma panela o leite condensado, o leite, a margarina, o amido e o adoçante, misture bem e leve ao fogo, mexendo até desprender do fundo da panela. Reserve.

Cobertura:

Derreta o chocolate em banho-maria ou no microondas, em seguida acrescente o creme de leite e misture bem.

Montagem:

Coloque metade do creme em uma travessa redonda (24cm), recheie com os morangos picados, reserve alguns para enfeitar, em seguida coloque o restante do creme e adicione a cobertura, enfeite com os morangos e leve para gelar.

Rendimento

15 porções de 70g
Cada unidade/porção contém:
Calorias: 134kcal
Carboidratos: 16,7g
Proteínas: 5,6g
Lipídeos: 6,2g



Fonte: Lowsugar

Bacalhau Espiritual

Receita de Bacalhau espiritual _ Receita especial para a Semana Santa


Ingredientes

•1,5 kg de bacalhau dessalgado e desfiado
•500 g de cenoura ralada•1 cebola grande picada•2 dentes de alho
•1 maço de coentro
•1 porção de salsinha
•Sal, noz-moscada e pimenta do reino à gosto•1 colheres (sopa) de manteiga
•¼ xícara (chá) de azeite
•200 g de batata cozida e espremida como purê
•200 g de creme de leite
•100 g de queijo parmesão ralado
•50 g de farinha de rosca
•3 copos de molho bechamel

Molho bechamel

•2 colheres (sopa) de manteiga
•½ cebola média
•3 cravos
•1 folha de louro
•750 ml de leite vaca
•2 colheres (sopa) cheias de farinha de trigo
•Sal, noz-moscada, pimenta branca (se desejar)
Modo de preparo

•Aqueça o azeite e a manteiga, sue a cebola, acrescente o alho socado e refogue.
•Em seguida, acrescente o bacalhau dessalgado e desfiado e mexa,acrescentando a cenoura ralada e o tempero verde (salsinha, coentro,noz-moscada e pimenta).
•Continue mexendo e refogando todos os ingredientes.
•Desligue o fogo.
•Com o fogo desligado, acrescente a batata espremida, o molho bechamel, o queijo parmesão e o creme de leite.
•Tudo isso deve ser bem misturado, até ficar com uma textura parecida com massa de bolo.
•Nesse ponto, acrescente sal à gosto.
•Unte um pirex com azeite e adicione a massa.
•Por cima da massa, polvilhe com queijo parmesão ralado (se desejar, pode misturar também queijo mussarela ralado) e farinha de rosca.
•Leve ao forno para gratinar na hora de servir.
•O prato pode ser levado à mesa decorado com cenoura ralada.
•Sirva com arroz branco e salada de folhas verdes ou, se desejar apenas um lanche pode ser servido acompanhado de tortilhas.
Molho bechamel

•Em fogo médio, ferva o leite já com os outros ingredientes (exceto a manteiga e a farinha de trigo).
•Após a fervura, coe o leite e reserve-o.
•À parte, leve ao fogo médio a manteiga até derreter, acrescentando a farinha de trigo.
•Frite a farinha até que ela doure.
•Acrescente o leite reservado, aos poucos,mexendo até engrossar.




Fonte: http://www.culinaria-receitas.com.br

domingo, 10 de abril de 2011

Dossiê chocolate


Ele é recheado de nutrientes. Mas também é rico em gordura e açúcar. Saiba qual o melhor tipo e o quanto consumir para ter saúde

Alguns alimentos do dia a dia são verdadeiras preciosidades para a saúde. O chocolate é um deles. Em um relatório apresentado este ano na reunião anual da Associação de Cardiologia dos Estados Unidos, em Chicago, os pesquisadores afirmaram que o chocolate, em pequenas quantidades, pode reduzir o risco de ataque cardíaco por diminuir a tendência de coagulação das plaquetas, processo responsável por obstruir os vasos sanguíneos.

Chocolate dá prazer e energia, mas deve ser consumido com moderação
“Os benefícios do chocolate ocorrem devido aos nutrientes fitoquímicos que estão presentes na semente do cacau, como os flavonóides e a teobromina”, explica a nutricionista Patricia Ramos, coordenadora do serviço de nutrição e gastronomia do Hospital Bandeirantes, de São Paulo. Os flavonóides são capazes de reduzir o colesterol ruim (LDL) e podem impedir a arteriosclerose, processo degenerativo que entope progressivamente as artérias.

“Só é preciso cuidado com o excesso”, alerta o cardiologista e nutrólogo Daniel Magnoni. Isso porque o chocolate é rico em gordura e açúcar e bastante calórico:100 gramas do produto contêm de 475 a 560 calorias, dependendo do tipo.

“O consumo excessivo também pode causar taquicardia leve devido uma substância chamada xantina, que pertence ao mesmo grupo da cafeína (alcalóides)”, diz a nutricionista Patricia Ramos.

Sabe-se que as frutas contêm antioxidantes benéficos à saúde. Agora uma nova pesquisa publicada no periódico Chemistry Central Journal demonstra que o chocolate é uma fonte rica em antioxidantes e pode conter mais polifenóis e flavonóides do que o suco de fruta.

Quando os investigadores do Hershey Center for Health & Nutrition compararam, grama por grama, a atividade antioxidante do cacau em pó com a das frutas descobriram que o teor de flavonóides era maior no cacau.

Da mesma forma, quando analisaram a quantidade de antioxidantes por porção de chocolate amargo, chocolate ao leite, chocolate quente e suco de frutas, descobriram que o chocolate amargo e o ao leite tinham maior capacidade antioxidante e mais flavonóides no total, além de polifenóis, do que o suco de frutas. Já o chocolate quente, devido ao processamento (alcalinização) do chocolate, tinha teores menores.

"As sementes do cacau são uma ‘superfruta’, com grande valor nutritivo, além de uma composição de macronutrientes”, disse Debra Miller, principal pesquisadora do estudo. Uma grande notícia para quem ama chocolate.

As nutricionistas Gabriella Guerrero, da Nutriessencial Consultoria, de São Paulo, e Patricia Ramos, do Hospital Bandeirantes, respondem a seguir as principais questões sobre o alimento, para você manter a forma e a saúde.

Qual a composição (para 100 g do produto) das diversas formas de chocolate?

Chocolate ao leite: composto de massa de cacau, açúcar, leite e manteiga de cacau. 540 calorias e 30,3% de gordura (normal) e 557 calorias e 33,8% de gordura (diet).

Chocolate meio amargo: tem grande concentração de massa de cacau, além de manteiga de cacau e pouco açúcar. 475 calorias e 29,9% de gordura.

Chocolate branco: manteiga de cacau (em vez de massa de cacau), açúcar, leite em pó e gorduras do leite. 536 calorias e 31,5% de gordura.

Chocolate em pó: trata-se de amêndoa de cacau ralada destituída da manteiga de cacau. Pode ser amargo (recebe o nome de cacau em pó), meio amargo e doce. 510 calorias e 50% de gordura.

Qual a diferença entre diet e light?

O chocolate diet é um produto específico para indivíduos com doenças que necessitem da restrição de açúcar, como os diabéticos. “Ele não é recomendado nas dietas de emagrecimento, pois seu teor de gordura é maior que o chocolate normal, fazendo com que tenha a mesma quantidade de calorias ou até mais que o produto normal. Já a versão ligth tem, no mínimo, 25% menos de algum nutriente – na maioria das vezes menos gordura. Assim, o valor calórico é menor do que o do normal e do diet”, explica Patricia Ramos.

Qual o melhor tipo?

“Pesquisas apontam que os chocolates meio amargo e amargo ajudam a controlar o impulso por doces, devido a maior concentração de cacau como a 2-feniletilamina e a N-aciletanolamina, que agem no cérebro ajudando a bloquear receptores que pedem açúcar”, explica Gabriella Guerrero. Ambos ainda contêm altíssima concentração de flavonóides, como as catequinas, antioxidantes que agem na preservação das artérias do coração.

É possível manter o chocolate em uma dieta de emagrecimento?

Sim, porém com moderação. O chocolate contém muita gordura em sua composição, que pode ser traduzida em altas calorias. “O amargo e o meio amargo são menos calórico, seguidos pelo ao leite e, por último, o branco, de acordo com a quantidade de gorduras que contêm”, diz Gabriella. “Recomendo de 25 a 30 gramas ao dia, no máximo três vezes por semana”, completa Patricia.

Chocolate faz mal para a pele?

“Isso é um mito. Não existe na literatura médica qualquer descrição do chocolate como causador da acne”, afirma Gabriella Guerrero. Os principais fatores desencadeantes para o problema seriam desequilíbrios hormonais, medicamentos que alteram a quantidade ou tipo de gordura na pele (como hormônios, vitaminas e anabolizantes), sol e filtros solares ou outros cosméticos gordurosos.

Chocolate ajuda a combater a TPM?

Segundo a nutricionista Patricia Ramos, tanto pode melhorar como agravar a tensão pré-menstrual. “O chocolate tem cafeína, que é um estimulante, deixando as mulheres mais ‘agitadas’. Por outro lado, contém o mineral magnésio que auxilia na diminuição da irritabilidade e o aminoácido triptofano, precursor da serotonina – neurotransmissor responsável pelo bom-humor e pela sensação de prazer. O melhor é consumir com moderação nesta fase, até para evitar o excesso de calorias também”.

Chocolate dá energia?

Sim, o chocolate tem em sua composição a cafeína e a teobromina que exercem uma ação energética que incide na concentração e capacidade física de quem o consome em quantidades moderadas, explica Patricia.

Fonte: IG

Dicas para uma Páscoa Light


DICAS:

1) Se estiver controlando seu peso, verifique as calorias dos ovos de sua preferência.
2) Compre aquele de seu gosto, mas de tamanho pequeno ou divida com seu marido, namorado ou filhos.
3) Não coma de uma vez. Aprenda a controlar seus impulsos.
4) Se ganhar muitos ovos, dê para seus parentes preferidos ou amigos ou vizinhos, mas não fique com eles para engordar tudo de novo. Lembre-se: chocolate é muito calórico!!!!!
5) Se gostar de chocolate amargo, prefira este, é mais saudável!

BOA PÁSCOA!!!!!

PATRÍCIA BRIGAGÃO MENDES
NUTRCIONISTA

sexta-feira, 8 de abril de 2011

Perca peso comendo mais

É a promessa da dieta volumétrica, que usa a densidade energética e a saciedade como caminhos para emagrecer.

Todas as notícias Perca peso comendo mais

É a promessa da dieta volumétrica, que usa a densidade energética e a saciedade como caminhos para emagrecer

Massa liberada: carboidratos de grãos integrais aumentam a saciedade e estão na dieta volumétrica

Saciedade é a sensação de estar satisfeito ao final de cada refeição. “Esse é o ingrediente que falta na administração do peso. Corte calorias simplesmente comendo menos e sentirá fome e privação. Talvez consiga seguir essa dieta por curto período, mas para ser bem-sucedido na administração do peso durante toda a vida, precisará de um padrão alimentar que o faça se sentir saciado com menos calorias”, diz Barbara Rolls, presidente da North American Association for the Study of Ingestive Behavior e autora do livro A Dieta Volumétrica (Editora Best Seller).

Segundo a especialista, não se pode emagrecer sem contar calorias, mas é possível controlá-las sem ficar com fome. “O segredo é fazer escolhas alimentares inteligentes. Independente do nível calórico, alguns alimentos têm um efeito pequeno na saciedade e outros, um efeito maior”.

Alimentos com teor mais alto de água, por exemplo, têm grande impacto na saciedade – entre eles estão frutas, vegetais, leite desnatado, grãos.

Por outro lado, é preciso tomar cuidado com alimentos com teor muito baixo de água: os muito gordurosos como batata frita; e os de baixa gordura e livres de gordura com pouca umidade, como os biscoitos tipo cracker.

“A água dilui as calorias em uma determinada quantidade de alimento. Quando você acrescenta frutas ricas em água ao cereal no café da manhã, ou berinjela, que também contém muita água, à lasanha, adiciona volume alimentar, porém poucas calorias. Essa propriedade dos alimentos – as calorias em uma determinada porção – consiste no conceito essencial da dieta volumétrica. É o que chamamos de densidade energética (DE)”, explica Barbara Rolls. Além da água, as fibras também podem ser acrescentadas aos alimentos para diminuir as calorias em uma porção.

Densidade energética

Um alimento de alta densidade energética fornece muitas calorias em um peso pequeno, enquanto um de baixa densidade energética fornece menos calorias no mesmo peso. “Você pode comer uma porção maior daqueles com densidade energética mais baixa ingerindo as mesmas calorias”, diz a autora da Dieta Volumétrica.

A gordura é o elemento alimentar de mais alta densidade energética, com 9 calorias por grama. A seguir vem o álcool, com 7, a proteína e os carboidratos com 4 e a água com zero.

Como calcular a densidade energética de um alimento? É fácil: divida as calorias pelo peso em gramas. Geralmente essas informações estão na primeira linha do rótulo. Por exemplo: um frozen iogurte tem 160 calorias e 98g. Dividindo as calorias pelo peso teremos: 1,6 de DE. Se há menos calorias do que gramas, esse alimento tem uma DE abaixo de 1. Se há o dobro de calorias (por exemplo, 200 calorias, 100g), esse alimento tem DE de 2. Use esse método rápido para comparar alimentos similares quando for fazer compras.

Nesse método de emagrecimento, os alimentos são divididos em quatro categorias.

Alimentos de baixíssima densidade energética
DE menor que 0,6. Inclui a maioria das frutas e dos vegetais, leite desnatado e sopas à base de caldo.

Alimentos de baixa densidade energética
DE de 0,6 a 1,5. Inclui muitos grãos cozidos, cereais matinais com leite semidesnatado, carnes de baixo teor de gordura, feijões e leguminosas, pratos combinados de baixo teor de gordura e saladas.

Alimentos de média densidade energética
DE de 1,5 a 4. Inclui carnes, queijos, pratos combinados de alto índice de gordura, molhos para saladas e alguns lanches.

Alimentos de alta densidade energética
DE de 4 a 9. Inclui biscoitos tipo cracker, salgadinhos, bombons, biscoitos, nozes, manteiga e condimentos gordurosos.

Veja a seguir outras orientações que colaboram com o sucesso da dieta volumétrica:

Energia
Reduza a ingestão usual em 500-1000 calorias/dia, dependendo do seu objetivo de perda de peso. Segundo a especialista, isso levará a uma perda de meio a um quilo semanal.

Gordura
Devem corresponder de 20% a 30% das calorias totais. Prefira alimentos menos gordurosos e de baixa densidade energética.

Carboidratos
Consuma 55% ou mais das calorias totais. Opte pelos carboidratos de grãos integrais, vegetais e frutas, que aumentam a saciedade.

Fibras
Consuma de 20 a 30g por dia. Para o café da manhã, escolha não só os grãos integrais como também cereais ricos em fibras e frutas e vegetais inteiros com mais frequência do que sucos. As fibras baixam a densidade energética e aumentam a saciedade.

Açúcares
Equilibre a dieta com consumo moderado de açúcares adicionados. Reduza a ingestão de bebidas açucaradas, que acrescentam calorias produzindo pouca saciedade.

Proteínas
Mantenha a ingestão de 0,4g por 500g de peso corporal, aproximadamente 15% das calorias totais. Proteínas são mais saciadoras do que carboidratos ou gorduras. Durante a perda de peso, quantidades adequadas são necessárias para prevenir perda muscular e, assim, manter a taxa metabólica em equilíbrio. Faça escolhas de baixa densidade energética, como feijões, peixes de baixo teor de gordura, aves sem pele e carnes magras.

Álcool
Limite um drinque por dia para mulheres e dois para os homens. Ingira com refeições de baixa gordura e baixa densidade energética.

Água
Mulheres devem beber cerca de nove copos por dia e os homens, 12. A água pode provir de alimentos ou bebidas. Substitua bebidas açucaradas por água e ingira mais alimentos com alto teor de água.

Atividade Física
Pelo menos 30 minutos ou mais de atividade física de intensidade moderada de cinco a sete dias por semana. Inclua treinamento de resistência (musculação) duas vezes por semana. “A caminhada energética é ideal para a maioria das pessoas, mas tudo que faça com que você se mova é bom. Inclua algumas atividades de maior duração para melhorar a queima de gordura”, finaliza Barbara Rolls.

Fonte: IG

Apenas 8% das mulheres estão totalmente satisfeitas com seu corpo

Elas se preocupam principalmente com o peso e aspecto da barriga, aponta pesquisa.

A rede de tratamentos Onodera divulgou nesta semana uma pesquisa sobre as preocupações estéticas da mulher brasileira. Os dados mostram que elas não estão seguras com o próprio corpo e indicam tendências de consumo dos produtos e serviços de beleza. Coordenada pela empresa Sophia Mind, a pesquisa consultou aproximadamente 3.500 mulheres das classes A, B e C, entre 18 e 60 anos, em todas as regiões do Brasil.


Imagem no espelho
Segundo o estudo, apenas 8% das mulheres estão totalmente satisfeitas com a aparência do seu corpo. Já 21% delas estão insatisfeitas e 71% estão satisfeitas em partes.

Barriga sarada
As duas áreas do corpo que mais incomodam as mulheres são a barriga (69%) e os seios (46%). Em terceiro lugar, os glúteos preocupam 26% das entrevistadas.

Balança é inimiga
Da amostra, 53% das mulheres consideram que estão acima do peso ideal. Como principal problema estético, 27% apontam ter celulite demais e 24% citam as estrias. Entre os maiores temores femininos em relação à beleza estão o medo de engordar (36%), sinais do tempo (17%) e flacidez (13%).

Mudança no visual
Entre as entrevistadas, 29% gostariam de fazer algo diferente nos cabelos. No ranking das alternativas recorridas para melhorar a aparência estão exercícios físicos (62%), consumo de produtos de beleza e estética (45%) e busca de tratamentos estéticos e massagens (23%).

O corpo e o sexo
A insegurança feminina por conta da aparência tende a atrapalhar flertes, relacionamentos amorosos e o sexo. Quase todas as entrevistadas (98%) acreditam que sua relação com o parceiro sofre interferências relacionadas com a beleza. Nesses casos, elas se preocupam mais em emagrecer (25%), estar bem disposta (24%) e eliminar gordura localizada (16%).

Unhas em alta
O serviço mais utilizado pelas mulheres é o cuidado com as unhas. No Sudeste, aproximadamente 60% das mulheres frequentam a manicure semanalmente. Nas demais regiões, este percentual é abaixo de 50%.

Beleza custa
A pesquisa apontou que as mulheres gastam, em média, cerca de R$ 100 em beleza e estética por mês. Entre os produtos mais consumidos estão itens para cabelo, perfume, hidratante, batom, produtos antidade e maquiagem.

Fonte: IG

Receita de Bolo de milho de liquidificador


Ingredientes:

3 OVOS INTEIROS
* 1 LATA DE MILHO VERDE (ESCORRIDA A ÁGUA)
* 1 LATA DE LEITE CONDENSADO
* 100G. DE COCO RALADO
* 1 COLHER DE SOPA DE MANTEIGA
* 1 COLHER DE SOPA DE FERMENTO

Modo de fazer:

BATER TODOS OS INGREDIENTES NO LIQUIDIFICADOR POR APROXIMADAMENTE 4 MINUTOS.
DISPOR EM UMA FORMA MÉDIA DE BOLO INGLÊS PREVIAMENTE UNTADA E ENFARINHADA.
ASSAR EM FORNO MÉDIO (180°C/356°F) PREAQUECIDO POR 30 MINUTOS.

# Este bolo fica úmido porque não leva farinha

Obs: Se quiser tornar este bolo light use:
leite condensado diet
margarina light
Assim terá um pouco menos de calorias.

Fonte: ptitchef

quarta-feira, 6 de abril de 2011

Doces rápidos e deliciosos!!!

Experimentem estas receitas fáceis e rápidas! Não são diet.

1) Sorvete Pudim

Ingredientes:
2lt de sorvete de creme
açúcar - 2 xic. de chá
bombons sonho de valsa - 10 unidades

Modo de fazer:

Faça uma calda de açúcar queimado rala, coloque numa forma para pudim. Depois coloque o sorvete de creme amolecido ( 1/2 do pote), coloque os bombons picados e por último outra camada de sorvete. Leve para o congelador. Quando for servir, tire uns 10 min antes e desenforme. Fica lindo e delicioso!

2) Sorvete sabor torta de limão

Ingredientes:
sorvete de creme - 2lt
limão - raspinhas de limão
1/2 xíc. de chá de suco de limão natural
biscoito maizena ralado - 1 pacote
1 lata de leite condensado

Modo de fazer:
Tire o sorvete do freezer e deixe ficar um pouco mole. Monte numa travessa:
sorvete, depois coloque um pouco do leite condensado batido no liquidificador com suco de limão, coloque o biscoito ralado e as raspinhas de limão. Repita outras vezes e leve para o congelador. Sirva bem gelado!

terça-feira, 5 de abril de 2011

Diuréticos

Saiba mais sobre os diuréticos, quais os alimentos que deve evitar ou comer para melhorar o seu organismo.

Coma
+ Fruta, sobretudo bananas, e legumes, que fornecem potássio

Reduza
+ Sal na comida

Evite
+ Alimentos Picantes e em pickles
Dá-se o nome de diuréticos às substâncias que estimulam a eliminação de água e sal do organismo. São diuréticos naturais a cafeína, salsa, espargos, aipo e folhas de taraxaco (dente-de-leão).
Os medicamentos diuréticos são receitados para baixar a tensão arterial e tratar a insuficiência cardíaca e outros problemas graves. Reduzem os níveis de líquidos e sal do organismo e aliviam os sintomas de edema - retenção de líquidos, geralmente nos pés e tornozelos.
Infelizmente, muitos diuréticos também estimulam a eliminação do cálcio, podendo levar à perda de minerais nos ossos e de quantidades excessivas de potássio através da urina. Os baixos níveis de potássio no sangue podem produzir efeitos secundários, coma perda de apetite, prisão de ventre, fraqueza muscular, perda de memória e confusão, e ainda, em casos mais graves, a deficiência de potássio pode interferir com o normal funcionamento do coração.
Se está a tomar diuréticos, é importante ingerir grandes quantidades de alimentos ricos em potássio, como bananas e batatas, a menos que o seu médico o desaconselhe. As folhas de taraxaco, em saladas ou utilizadas como os espinafres, são simultaneamente diuréticas e uma boa fonte de potássio.
Sendo uma das funções dos diuréticos a eliminação do sal, a ingestão de alimentos salgados é contraproducente. Utilize menos sal e evite alimentos fumados, como toucinho, sopas de pacote, cubos de caldo e outros alimentos baseados em aditivos com elevados níveis de sal e sódio.

Para estimular o trabalho dos rins e favorecer a secreção da urina, utilize:

Hortaliças
· Abóbora • Comer purê de abóbora cozida, sem sal.
· Agrião • Suco diluído em água. Tomar 250 ml, 3 vezes ao dia.
· Beterraba • Cozinhá-la e tomar o caldo do cozimento (3 xícaras ao dia).
· Dente-de-leão • Suco diluído em água. Tomar 3 xícaras ao dia.
Frutas:
· • Água de côco. Tomar 250 ml, 2 vezes ao dia.
· • Maçã: Suco natural. Tomar 250 ml, 2 vezes ao dia.
Plantas:
· Capim-cidreira • Chá das folhas (30 g para 1 litro de água). Tomar 5 xícaras ao dia, adoçado com mel de abelhas.
· Carqueja • Chá das folhas (30 g para 1 litro de água). Tomar 5 xícaras ao dia.
· Cavalinho • Chá das folhas (30 g para 1 litro de água). Tomar 5 xícaras ao dia, adoçado com mel de abelhas.
· Chapéu-de-couro • Chá das folhas (30 g para 1 litro de água). Tomar 5 xícaras ao dia, adoçado com mel de abelhas.
· Erva-doce (funcho) • Chá das folhas e sementes (30 g para 1 litro de água). Tomar 5 xícaras ao dia, adoçado com mel de abelhas.
· Quebra-pedra • Chá das folhas e raízes (50 g para 1 litro de água). Tomar 5 xícaras ao dia.

Fonte: Seleções e Terracha

Receitas de Colomba Pascal de Chocolate e Diet


Receita de Colomba pascal de chocolate


Ingredientes:

3 tabletes de fermento biológico (45 g)·
½ xícara (chá) de leite morno·
5 xícaras (chá) de farinha de trigo·
5 ovos· 180 g de manteiga·
½ xícara (chá) de açúcar·
2 tabletes de chocolate meio amargo picado

Cobertura:

2 claras·
½ xícara (chá) de açúcar de confeiteiro·
1 colher (chá) de canela em pó para polvilhar

Modo de preparo:

Coloque em uma tigela o fermento, o leite morno e 1 xícara (chá) de farinha de trigo.·Misture e deixe crescer por cerca de 2 horas.·Junte os ovos, a manteiga, o açúcar, a farinha de trigo restante e misture bem.
Sove a massa até que todos os ingredientes estejam bem incorporados e a massa bem lisa.· Deixe a massa crescer por cerca de 2 horas.
Adicione o chocolate picado e misture bem.·Divida a massa em duas partes iguais e enrole-as no formato de bolas.· Coloque cada massa em uma fôrma para colomba, modele as massas no formato da fôrma e reserve-as.
Cobertura:
Bata ligeiramente as claras com um batedor até ficarem esbranquiçadas,misture o açúcar e bata mais um pouco.Cubra a superfície das colombas com o suspiro e polvilhe a canela.·Leve ao forno médio (180°C) por cerca de 40 minutos ou até que a superfície esteja bem dourada.

Dica:

Nunca coloque o fermento no leite quente pois o calor destrói as leveduras que fermentarão a massa.· A massa deve ficar em um lugar quente da cozinha, como por exemplo, perto do fogão ou dentro do forno desligado, para poder crescer.·A colomba se mantém fofinha por até três dias, embrulhada em papel de alumínio.A fôrma para colomba é feita em papel encerado e é vendida em lojas especializadas em artigos para festas.Para congelar, embale a colomba já fria com filme plástico para uso culinário, coloque em saco plástico e leve ao freezer ou duplex por até 3 meses. Para descongelar, é só deixar de véspera em temperatura ambiente.

Rendimento: 2 colombas de 15 porções cada

Fonte: Culinária e receitas

Colomba Pascal diet·

Cobertura:

• 1 colher (chá) de canela em pó·
• ½ xícara (chá) de adoçante granular·
• 2 claras·

Massa:·
• 3 tabletes (45 g) de fermento biológico·
• 5 ovos·
• 180 g de manteiga·
• ½ xícara (chá) de adoçante granular·
• 5 xícaras (chá) de farinha de trigo·
• ½ xícara (chá) de leite morno·
• 1 tablete de cobertura de chocolate ao leite diet nestlé picado

Preparo da Receita

Massa: Dissolva o fermento em uma tigela com o leite e o adoçante, misturando bem. Junte os ovos, a manteiga e a farinha de trigo e misture bem. Sove a massa até que todos os ingredientes estejam bem incorporados e a massa bem lisa, grudando levemente nas mãos. Deixe a massa crescer por cerca de 2 horas. Adicione o Chocolate picado e misture bem. Divida a massa em duas partes iguais e forme duas bolas. Coloque cada massa em uma fôrma para colomba. Acomode as massas no formato da fôrma e reserve-as.Cobertura: Bata as claras levemente até ficarem esbranquiçadas, misture o adoçante e bata mais um pouco. Espalhe o suspiro na superfície das colombas e polvilhe a canela. Leve ao forno médio (180 °C), preaquecido, por cerca de 40 minutos ou até que a superfície esteja bem dourada.

Dica para esta receita

1. Se desejar, substitua a cobertura por 150 g de Cobertura de Chocolate Diet Nestlé ralados e polvilhados sobre as colombas ainda quentes.
2. As fôrmas para colomba e as forminhas individuais podem ser encontradas em lojas especializadas em chocolateria ou em casas de artigos para festas.
3. O leite deve estar morno ou em temperatura ambiente. O calor excessivo matará as leveduras que fermentam a massa.
4. Para congelar, embale a colomba já fria com filme plástico para uso culinário, coloque em saco plástico e leve ao freezer ou duplex por até 3 meses. Para descongelar, basta deixar em temperatura ambiente de um dia para o outro.

Rende 2 unidades de 750g ou 10 unidades de 150g.

Fonte: Cozinha Nestlé

domingo, 3 de abril de 2011

DOENÇA DE CROHN E ALIMENTAÇÃO

Doença de Crohn: trabalho nutricional individualizado melhora qualidade de vida do portador

As doenças crônicas constituem um grande problema para a população moderna. Dentre elas se inclui a Doença de Crohn que afeta normalmente o íleo e o cólon, porém pode também se estender todo o sistema gastro-intestinal.

As causas da doença ainda não estão completamente esclarecidas, mas acredita-se que ela se inicia por processos auto-imunes, disparados pela junção de fatores ambientais (alimentação, fumo e estilo de vida) e genéticos. Costuma se iniciar entre os 20/30 anos, mas pode afetar também outras faixas etárias. Um dos sintomas mais freqüentes é a dor abdominal, que na maioria das vezes ocorre após as refeições.

A diarréia é outra manifestação clínica da doença, podendo as dejeções conter sangue e provocar anemia. A perda do apetite e o emagrecimento são freqüentes. Na fase aguda é comum episódios de febre, dores articulares e, em alguns casos, doença perianal (abcessos). Por todos os motivos citados, o trabalho nutricional deve começar tão logo seja o transtorno diagnosticado.


O tratamento da doença é bem individualizado e depende de diversos fatores, como: localização da inflamação, seriedade do quadro, complicações e tratamentos anteriores. Como não há cura a preocupação maior é o controle dos sintomas e complicações. Ele pode incluir medicação, complementos nutricionais, cirurgia ou a combinação das três. O cuidado nutricional é de extrema importância para esse paciente, e em alguns casos sozinho pode trazer a melhora. Nesse caso ele pode prevenir e até mesmo tratar algumas deficiências que podem ocorrer, devido à falha na absorção pelos tecidos inflamados ou por uma alimentação desbalanceada.

Seguem algumas orientações gerais para auxiliar os portadores da doença no tratamento:

• Refeições de pequeno volume e bem fracionadas, isso ajudará a evitar o desconforto causado pelas grandes refeições;
• Alimentos ricos em Ômega 3: sardinha, salmão, linhaça, couve, agrião espinafre, salmão são antiinflamatórios e podem ajudar;
• Outros nutrientes como vitamina A (cenoura, na salsa, algumas carnes), vitamina D (salmão, sardinha), vitamina E (gérmen de trigo), vitamina K(óleo de soja), são de extrema importância, pois sua absorção pode estar deficiente e são potenciais anti-oxidantes;
• Alimentos ricos em ferro (carnes, melado da cana) e ácido fólico (fígado de galinha), e magnésio (couve, leite de soja) devem tem sua ingestão adequada para corrigir possíveis deficiências;
• Alimentos ricos em fibras solúveis (maçã, banana prata, pêra, arroz, batata inglesa), para ajudar no controle da diarréia;
• Evitar alimentos gordurosos;
• Se houver histórico de intolerância a lactose: evitar leite de vaca e alimentos contendo lactose;
• Evitar alimentos ricos em açúcar e
• Condimentos (pimenta, picles, mostarda), eles são irritantes a mucosa gástrica.


De um modo geral é necessário oferecer uma quantidade adequada de todos os nutrientes, carboidratos, proteínas, lipídeos, fibra e micronutrientes. Porém, respeitando sempre as necessidades individuais.


Fonte: Nutrício