quarta-feira, 26 de abril de 2017

10 Maneiras De Levar Um Estilo De Vida Saudável No Trabalho



Dia 1 de Maio é o dia do Trabalhador, preparamos abaixo um artigo super legal em homenagem há esse dia.
Levar um estilo de vida saudável no trabalho é muito importante, pois costumamos passar grande parte do nosso dia no trabalho.
Se você passa no escritório a maior parte de sua vida. Então, por que não passar essas horas com benefícios para a saúde?
A principal coisa a entender que se você passa por uma parte importante da sua vida.



É comum muitos trabalhadores sofrer com gordura abdominal.

Os motivos são diversos e podem estar ligados a má alimentação, sedentarismo, estresse, predisposição genética e outros.

Muitas pessoas não sabem, mas a gordura visceral ou gordura localizada e aparente na barriga pode aumentar o risco de contrair doenças como: diabetes, pressão alta e ainda doenças cardiovasculares e metabólicas.

Você busca perder gordura na barriga? Saiba que emagrecer é essencial para afinar na cintura, aprenda  como emagrecer rapido mude seus hábitos para totalmente saudáveis e pratique hidratação, dieta, exercício e sono.


Ação de levar uma vida saudável no trabalho se torna ainda mais fácil do que em casa. Aqui vai a minha experiência:

1. Passe a organizar alguns dias "em casa", especialmente se agora você comer saladas e comida saudável. Traga para o trabalho de seu prato favorito (é melhor que comprar chips e guloseimas).

2. Todas as manhãs tentar beber dois litros de água durante o trabalho. Tente beber um ou dois copos a cada 1 hora, a perspectiva de beber dois litros de água por dia é bastante, então seja irrealista.


3. Use a oportunidade para se mover entre sua empresa a pé e sem elevador. Se precisar comunicar alguém ou coisa do tipo vá até a pessoa ao invés de ligar ou mandar um e-mail se trabalhar no mesmo local.

5. Tomar vitaminas prescritas pelo seu médico quando está no local de trabalho. Fazer "lembrete" em seu calendário com compromissos. Mantenha frascos de cápsulas sobre a mesa para não esquecer.

6. Uso de iniciativas corporativas. Em grandes empresas do pacote social, muitas vezes inclui algo útil que pode compensar os danos causados por horas extras, estresse e natureza monstruosa de seu chefe. Ou seja atividades recreativas como participar de jogos e campeonatos da empresa, ir na piscina, participação em um clube, visitar eventos corporativos, você não precisa ir somente aqueles com cerveja e churrasco.


7. Intervir na organização de eventos corporativos. Quando as pessoas celebram algo no trabalho, eles vão para o supermercado mais próximo e comprar o que? Refrigerantes (açúcar de cor), cerveja (geralmente a mais barata), pizza e salgadinhos e um bolo.

Encontrar uma loja online com entrega de alimentos mais saudáveis para o escritório e ajudar a criar um aniversário feito sob encomenda, o que não resultará em metade do departamento com obesidade e ataque cardíaco.

8. Não hesite em cozinhar e levar comida de casa. Existem muitas lancheiras bonitas, no qual você pode colocar leite desnatado, frutas, saladas e peitos de frango.

9. Em primeiro lugar, em boas empresas café da manhã é servido gratuitamente. Em segundo lugar, você vai ter um melhor espaço de tempo para tomar um banho, trocar de roupa, picar legumes e tomar uma xícara de chá com calma.


10. Use o seu horário de almoço 100%. Se você levar a comida de casa para seu almoço, o processo o mesmo de uma refeição em um restaurante que pode demorar 10-20 minutos. Normalmente, após isso, estamos indo de volta para o escritório com os 40 minutos restantes do acordado no contrato de trabalho de 1 hora. Levando a comida de casa você pode comer no escritório e teria esses 40 minutos de sobra.

Fonte: Colaboradora Rosi Feliciano
Link:http://dieta,nuttrisaude

segunda-feira, 24 de abril de 2017

Receita de Cuscuz light

Ingredientes

½ xícara (chá) de cuscuz hidratado no caldo
200 ml de caldo de frango
50 g de peito de frango desfiado
1 xícara (chá) de legumes variados (de sua preferência)
1 colher (sopa) de pimentão picado
1 dente de alho picado
1 cebola picada
1 tomate picado e sem sementes
1 colher (sopa) de frutas secas variadas
1 colher (sopa) de azeite
Mini-rabanetes para decorar (opcional)
Sal e pimenta a gosto

Modo de preparo

Refogue o alho e a cebola no azeite.
Junte os legumes e o pimentão.
Acrescente um pouco do caldo.
Tempere com sal e pimenta a gosto.
Reúna o cuscuz hidratado, o tomate picado e as frutas secas.
Misture.
Enforme em aro sobre o prato.
Decore e sirva em seguida.
Fonte: Lucília Diniz
Link:http://cuscuz

Receita de Lasanha de Vegetais

Ingredientes

8 unidades de massa para lasanha cozidas
300 g de abóbora cozida com sal
2 xícaras (chá) de espinafre picado
3 colheres (sopa) de ricota cremosa light
2 fatias de queijo muçarela light
2 colheres (sopa) de queijo parmesão light ralado
2 dentes de alho picados
1 colher (chá) de pimenta síria
1 colher (sopa) de azeite
Sal a gosto

Modo de preparo

Em uma panela, doure o alho no azeite.
Junte o espinafre picado e metade da ricota.
Tempere com sal e pimenta e reserve.
Amasse a abóbora cozida com o restante da ricota até formar um purê.
Tempere com a pimenta síria.
Cubra o fundo de uma assadeira com a massa de lasanha cozida.
Faça uma camada de purê de abóbora e um pouco do parmesão.
Cubra com uma camada do refogado de espinafre.
Intercale camadas de massa, purê e fatias de muçarela.
Finalize com purê a o restante do parmesão.
Leve ao forno preaquecido por 15 minuto ou até gratinar.
Sirva em seguida.
Fonte: Lucília Diniz
Link:http://lasanha

domingo, 23 de abril de 2017

10 sinais de que o seu intestino precisa de outra alimentação

Ter uma boa saúde intestinal é meio caminho andado não só para se conseguir manter um peso saudável, como também para melhorar a qualidade do sono e a saúde de uma forma geral.

Quando o intestino não funciona como deveria, o corpo não tarda a emitir os primeiros sinais de alerta, que devem ser avaliados por um especialista a e estudados tendo em conta o tipo e alimentação que a pessoa tem.
A dieta é, de fato, um dos fatores que mais interfere na boa saúde intestinal e que tanto pode funcionar como tratamento de uma doença, como ser mesmo a causa de uma infinidade de patologias. Na prática, ter uma alimentação 'amiga' dos intestinos – isto é, rica em fibra, à base de alimentos vegetais e no seu estado natural e que exclua todo o tipo de produtos processados, bebidas alcoólicas e açucaradas – ajuda a microbiota intestinal a se manter saudável. 
 Existem 10 sinais de que o seu intestino precisa mesmo de outro tipo de alimentação.
1 – Peso a mais e dificuldade em perdê-lo. A incapacidade de perder peso é um dos casos mais claros de que os alimentos têm um impacto diferente de pessoa para pessoa e tudo por culpa da flora intestinal, que varia de organismo para organismo e que atua perante os alimentos de uma forma diversa. Contudo, apostar nos melhores alimentos para o intestino ajuda no processo de emagrecimento.
2 – Ter pré-diabetes ou diabetes tipo 2. Ter uma alimentação rica em fibra e isenta de alimentos processados e com açúcar ajuda a tratar da saúde dos intestinos e reverter alguns dos problemas de saúde mais comuns, como o diabetes.
3 – Ter acne crônica. De acordo com a especialista, a incapacidade de dizer adeus de vez à acne deve-se, em muito, à má alimentação e ao impacto que isso tem na saúde intestinal, que fica ainda à mercê dos remédios usados para combater este problema cutâneo.
4 – Sentir-se triste e/ou irritado. Por ser o ‘segundo cérebro’, os intestinos estão diretamente ligados ao cérebro e não faltam estudos que comprovam que as bactérias intestinais interferem e muito com o humor.
5 – Sofrer de inchaço abdominal recorrente. Comer alimentos processados, com açúcar, ricos em sal e gorduras não só promove o ganho de peso como interfere na saúde intestinal e, por isso, contribui para o inchaço abdominal.
6 – Sofrer de prisão de ventre crônica. Este é mais um dos casos de que a má alimentação interfere na flora intestinal e causa danos à saúde, sendo o mais recorrente a prisão de ventre.
7 – Dor nas articulações. À primeira vista, uma dor no joelho em nada tem a ver com os intestinos, mas a verdade é que este tipo de dor está muito associado ao sistema imunológico, que depende em cerca de 80% da boa saúde intestinal.
8 – Ataques de asma frequentes. Segundo a especialista, as boas bactérias intestinais (que podem ser ‘cultivadas’ com a ingestão de probióticos, por exemplo) previnem os ataques de asma.
9 – Má qualidade de sono. Por interferir no sistema imunológico, os intestinos interferem também no ritmo circadiano. O sono acaba por ser menos regular e ter menos qualidade, tudo por culpa dos alimentos ingeridos.
10 – Esquecimentos frequentes. Um recente estudo sugere que a boa saúde intestinal é capaz de prevenir o aparecimento ou agravamento do Alzheimer.
Evite a Diverticulite!


O e-book: Sucesso na Prevenção e Controle da Diverticulite, é o único guia completo para você entender o que é, causas, como surgem, sintomas, prevenção e controle da Diverticulite de uma forma simples, através da correção de hábitos alimentares,  incluindo sugestões de cardápios.

Aproveite também o livro bônus com 10 receitas funcionais deliciosas que você receberá junto com a compra deste livro.



PATRÍCIA BRIGAGÃO MENDES

Clique no link abaixo e adquira já seu exemplar e ganhe um livro bônus de receitas:

Alimentos que ajudam a baixar a pressão!

 Aqui estão os 10 Superalimentos para Baixar a Pressão Arterial Alta.

1. Couve

Couve contêm um antioxidante chamado glucoraphanin que tem a capacidade de reduzir a pressão arterial e reduzir a inflamação nas artérias, coração e rins.
Os efeitos deste antioxidante também podem reduzir o risco de derrame e ataque cardíaco.
Certifique-se de comer brotos frescos, pois eles têm a maior concentração de proteínas, minerais, enzimas, antioxidantes, anticancerígenos, vitaminas e minerais.

2. Espinafre

Espinafre é um alimento rico em ácido fólico que pode diminuir o risco de hipertensão.
Este vegetais folhosos verde também fornece uma proteína completamente absorvível, equilibrada juntamente com antioxidantes que ajudam a baixar a pressão arterial.
Um estudo publicado no Jornal Associação Americana Medicinal descobriu que aqueles que consumiram pelo menos 1.000 microgramas de ácido fólico de espinafre por dia tinha menor risco de hipertensão, em comparação com aqueles que consumiram 200 microgramas por dia.
Outras boas fontes de alimentos ricos em ácido fólico incluem legumes e aspargos.

3. Aipo

Este vegetal verde crocante tem uma composto chamada ftalida de 3-n-butil que relaxa o músculo liso como forro em vasos sanguíneos, reduzindo a pressão arterial.
Aipo é também uma boa fonte de vitaminas e minerais, incluindo vitamina C, potássio, cálcio e magnésio que ajudam a reduzir a pressão arterial.
De acordo com um estudo relatado no The New York Times, quem come quatro talos de aipo por dia, baixa sua pressão arterial em 12 a 14 por cento em comparação com aqueles que não come.

4. Alho

alho tem propriedades anti-inflamatórias e antivirais que podem lutar contra a doença coronariana desconectando as artérias.
O gás que alho produz no estômago relaxa as artérias e reduz a pressão arterial tabela.
Comer um alho por dia pode reduzir significativamente a sua pressão de sangue em menos de três meses.
Você também pode usar alho em pó na preparação de receitas ou tomar um suplemento de alho.

5. Bananas

As bananas tem um alto teor de potássio, que é conhecido por baixar a pressão sanguínea e reduzir o risco de acidente vascular cerebral.
As bananas são também baixas em teor de sódio, que é importante para as pessoas com pressão arterial elevada evitar.
Uma banana por dia pode fornecer uma dose de potássio, ajudando a reduzir a pressão arterial e se defender de várias doenças cardiovasculares.
Juntamente com as bananas, você também pode comer outras frutas tais como maçãs, pêras, ameixas, romã e manga.

6. Tomate

Tomates contêm licopeno, um antioxidante que ajuda a proteger as células dos efeitos nocivos dos radicais livres.
O licopeno e carotenóide encontrados em tomate ajuda na redução da pressão arterial elevada e reduzir o risco de doença cardíaca.
Tomates também contêm nutrientes como cálcio, potássio e vitaminas A, C e E que são bons para sua saúde geral.
Um estudo de 2006 publicado no jornal americano de coração descobriu que o consumo regular de 250mg de extrato de tomate por oito semanas pode reduzir significativamente a pressão sistólica e diastólica entre aqueles que têm hipertensão.

7. Batatas

Batatas são ricas em potássio e também contém um composto de redução da pressão de sangue chamado kukoamines.
Eles também contêm uma variedade de minerais e vitaminas, como vitaminas C, B6, B1 e B3; magnésio, ferro, zinco e fósforo; assim como carotenóides e fenóis naturais.
Todas estas vitaminas e minerais são bons para sua saúde geral.
Para obter melhores resultados, certifique-se de preparar as batatas sem fritá-los e comê-los sem adicionar manteiga, margarina ou creme de leite.


8. Amêndoas

Nozes como amêndoas fornecem proteínas e gorduras saudáveis que são bons para sua saúde.
A alta quantidade de proteína boa em amêndoas e leite de amêndoas ajuda a baixar a pressão arterial elevada e luta contra a diabetes e doenças cardiovasculares.
As gorduras monoinsaturadas em amêndoas servem para baixar os níveis de colesterol, reduzir a inflamação arterial e, finalmente, reduzir a pressão arterial.
A Associação Americana do Coração, observa que o potássio presente em amêndoas pode reduzir os efeitos negativos de sódio sobre a pressão arterial.
Gorduras saudáveis também promovem saúde cardiovascular.

9. Óleo de Oliva

Azeite tem combate a radicais livres antioxidantes conhecidos como polifenóis.
Esses polifenóis ajudam a reduzir pressão arterial, protegendo o colesterol LDL (“ruim”) da oxidação.
Quando muito oxidação do LDL ocorre nos vasos sanguíneos, podem tornar-los rígido e por sua vez aumenta a pressão arterial.
Azeite também é rico em monoinsaturados ácidos graxos como o ácido oléico, que ajuda a prevenir a hipertensão arterial.
No entanto, é essencial ter em mente que o azeite perde muito de seus benefícios de saúde quando aquecido.
Devido a isso, tente usar azeite sem cozinhá-lo.
Você pode regue-lo numa salada ou misturar com uma tigela de batatas assadas para desfrutar o máximo de benefícios.

10. Salmão

Os ácidos graxos ômega-3, bem como o EPA (ácido eicosapentaenóico), encontrado principalmente em peixes de água fria como salmão, reduz a inflamação e preveni a hipertensão arterial.
Além disso, o salmão tem conteúdo de baixa proteína, gordura que é bom para as pessoas com pressão arterial elevada.
Junto com o salmão, você também pode comer outros peixes de água fria como a cavala, linguado, anchova, atum e arenque.
Se você não gosta do sabor do salmão ou outro peixe, você pode tomar suplementos de óleo de peixe.
Estes superalimentos podem ajudar a diminuir a sua pressão de sangue, em muito pouco tempo.
Além disso limitar a ingestão de açúcar e gorduras saturadas, podem aumentar a inflamação e endurecer as artérias, contribuindo para a hipertensão.

HIPERTENSÃO

A dieta é uma mudança nos hábitos alimentares. Esta mudança deve ser acompanhada por um profissional para não causar deficiências nutricionais.
É por isso que os regimes são diferentes, eles mudam dependendo das necessidades de cada individuo.

QUE DIETA ESCOLHER?

A dieta de pressão arterial elevada pode reduzir o risco de doença cardiovascular.

O QUE É UMA DIETA ADAPTADA PARA A PRESSÃO ARTERIAL ELEVADA?

A hipertensão é caracterizada por uma pressão sanguínea mais elevada do que o normal.
É regularmente medida em visitas ao médico com o auxílio de um medidor de pressão (manguito ao redor do braço).
A pressão arterial elevada provoca riscos significativos como:
Para prevenir e tratar a hipertensão, um nutricionista irá prescrever uma dieta estudada de acordo com suas necessidades. Em geral, o sistema baseia-se em:
  • uma dieta equilibrada;
  • diminuição no consumo de alimentos que contenham gordura, açúcar e sal adicionado;
  • cessação do tabagismo;
  • uma diminuição do consumo de álcool e bebidas açucaradas;
  • aumento do consumo de alimentos ricos em potássio, cálcio e magnésio;
  • atividade física regular.
Importante: não tente seguir uma dieta de pressão sanguínea pré-definida, isso pode piorar a sua condição. É essencial seguir as instruções de seu médico.

OS BENEFÍCIOS DESTE REGIME

A dieta da pressão arterial elevada tem muitos benefícios:
  • reduz o risco de doença cardiovascular eficazmente;
  • ele é personalizado e, portanto, adaptado às suas necessidades;
  • ele pode mudar e melhorar a sua qualidade de vida, com a adição de mais esportes e uma alimentação saudável.

DESVANTAGENS DE UMA DIETA DE PRESSÃO ARTERIAL ELEVADA

A dieta de alta pressão arterial melhora a qualidade de vida e previve futuros problemas de saúde.
É verdade que pode ser difícil de seguir uma dieta assim, pois elas pedem para que se restrinja o consumo de certos alimentos (muitas vezes apreciado por seus gostos) e mudar totalmente seus hábitos alimentares.
Mas uma vez que aceitar essas regras, você irá ganhar uma nova saúde.
Fonte: Colaboradora Rosi Feliciano

quinta-feira, 20 de abril de 2017

Depressão pode diminuir com uma boa alimentação!

Até pouco tempo atrás, seria impensável ir a uma convenção de psiquiatras para acompanhar palestras sobre alimentação. Hoje, porém, a nutrição está ganhando terreno no campo dos estudos da mente saudável. Desde 2009, uma linha de investigação traça um elo íntimo entre a composição do prato e o surgimento da depressão.

No último Congresso da Associação Americana de Psiquiatria, houve um módulo todo dedicado a esse tópico. Durante sua exposição, o psiquiatra Drew Ramsey, professor da Universidade Colúmbia, nos Estados Unidos, chegou a apresentar uma escala de nutrientes cruciais na prevenção e no combate ao distúrbio.
Segundo ele, ômega-3, magnésio, fibras, zinco, ferro, além das vitaminas C, B1, B9 e B12 devem ser os destaques à mesa para espantar o já chamado mal do século – a cada ano, 100 milhões de pessoas desenvolvem sintomas evidentes da doença. Resumindo, o expert apoia uma dieta rica em folhas verdes, oleaginosas e peixes. “Em alguns estudos, a comida correta diminuiu em 50% o risco de depressão”, conta Ramsey.
Fonte:MSN

Abacate- Faz bem para o coração!

Por que o abacate?


Mas, se há outras fontes de gorduras monoinsaturadas dando sopa no mercado, por que estamos encorajando a dar uma chance para o calórico abacate? Bem, uma pesquisa da Universidade Penn State, nos Estados Unidos, ajuda a responder à questão. Nela, 45 voluntários acima do peso e com colesterol alto seguiram três padrões de dieta – cada uma por cinco semanas. A primeira era baseada na restrição de gordura. A segunda e a terceira, por outro lado, permitiam doses moderadas do ingrediente – só que, enquanto uma indicava óleos como fontes de gorduras monoinsaturadas, a outra receitava um abacate diário.
Os resultados apontaram, então, que o cardápio abastecido de gorduras monoinsaturadas provenientes da fruta, e não dos óleos, foi mais eficiente na diminuição de triglicérides, colesterol ruim, o LDL, e colesterol total, os fatores que escancaram as portas para ataques cardíacos e outras complicações. “Isso significa que a presença dessa versão de gordura não é a única explicação para os benefícios proporcionados pelo abacate”, conclui Li Wang, expert que assina o trabalho.
 

Fitosteróis

O abacate impulsiona a queda do colesterol porque concentra beta-sitosterol. A substância faz parte do grupo dos fitosteróis, que são quimicamente semelhantes ao colesterol. Por isso, eles conseguem tapear o organismo, sendo absorvidos, lá no intestino, no lugar da molécula gordurosa causadora de danos ao peito. 
 

Blindagem

Tem muito mais. A glutationa, detectada em altas doses na polpa verdinha, é um antioxidante poderoso, que varre os radicais livres capazes de prejudicar as células. A propriedade garante não só a blindagem do coração como uma menor probabilidade de desenvolver mais doenças da pesada, como o câncer. Só tome cuidado porque, em um piscar de olhos, a glutationa pode desaparecer. Uma solução é colocar o pedaço da fruta dentro de um pote hermético – e, se quiser, levar à geladeira. Assim você salva a glutationa.
Aumentar o colesterol bom e diminuir o ruim é uma das capacidades do abacate. 

Capacidade anti-inflamatória

O combo ofertado pelo abacate ainda inclui uma série de micronutrientes valiosos, como o potássio e o magnésio. E a gama de motivos que põe o abacate na linha de frente em defesa do coração conta também com a sua capacidade anti-inflamatória, como mostrou um estudo da Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos. Estudos revelam que um dos primeiros passos para o surgimento da aterosclerose, a formação de placas nas artérias, é justamente a existência de um quadro inflamatório.
 

Moderação

Como se trata de um alimento gorduroso, claro, não dá para consumi-lo de forma desenfreada ou simplesmente somá-lo à dieta sem realizar nenhum tipo de mudança. O ideal é, na medida do possível, colocar as gorduras monoinsaturadas do abacate no lugar das saturadas presentes nas carnes vermelhas, nos queijos amarelos e na manteiga.
 

E o óleo?

Ele tem as mesmas qualidades da fruta. Em estudo com cobaias, o óleo de abacate também se mostrou tão vantajoso quanto o azeite de oliva. Se quiser provar, sinal verde para 2 colheres de sopa ao dia. Ele pode ser usado em refogados, molhos, temperos de salada e na finalização de pratos quentes.
Fonte:MSN

domingo, 16 de abril de 2017

Consumir suco natural faz mal?

Acreditar que “suco de fruta” é sinônimo de “fruta” equivale, para muitos nutricionistas, a achar que fazer um esporte é o mesmo que assisti-lo na televisão. O famoso “prato de Harvard” recomenda limitar o suco de fruta a, no máximo, um copo por dia, “porque o suco contém quase os mesmos teores de açúcar e calorias de um refrigerante”. Os açúcares presentes no suco de fruta são considerados “açúcares livres” e podem estar relacionados a patologias crônicas.

Existem pesquisas que incluem os sucos na categoria de “bebida açucarada”. Segundo um estudo publicado na revista Circulation em 25 de agosto de 2015, toda bebida que tenha pelo menos 50 quilocalorias para cada 230ml deve ser considerada “açucarada”. Assim, nessa categoria, além dos conhecidos “refrigerantes”, das bebidas “esportivas” (conhecidas como “isotônicas”), das bebidas “energéticas” ou dos chás gelados adoçados, também podemos incluir a maioria dos sucos, caseiros ou não: 230ml de suco de laranja caseiro têm cerca de 80 quilocalorias de acordo com o livro Tablas de Composición de Alimentos do CESNID-UB, organizado pelo doutor Andreu Farran.
Em março de 2006, a revista American Journal of Clinical Nutrition publicou um sistema de categorização das bebidas em função do conteúdo energético e das propriedades para a saúde que situava os sucos no penúltimo nível, deixando claro que seu consumo habitual não é recomendável.
Um dos mais recentes estudos científicos sobre o tema, a meta-análise publicada em abril de 2016 na revista British Journal of Sports Medicine, detalhou que os sucos de fruta não parecem alternativas saudáveis às bebidas açucaradas para a prevenção da diabetes tipo 2, algo que também foi observado em outros estudos. Um deles, o publicado em 2013 por Muraki e colaboradores na revista British Medical Journal, observou que um maior consumo de sucos de fruta estava associado a um maior risco de desenvolver diabetes tipo 2.
Isso porque, como explica o texto Melhor uma fruta inteira que um suco, os efeitos metabólicos da fruta não são iguais ou equiparáveis aos exercidos pelos sucos e porque “quilocaloria por quilocaloria, o suco de fruta pode ser consumido de forma mais rápida que a fruta fresca”. Esta última frase está em um documento da Academia Norte-americana de Pediatria, que alerta que o consumo excessivo de suco aumenta o risco de ganho de peso. Entre outros motivos, porque os sucos não estimulam a mastigação.
Existem sérias suspeitas de que o consumo de sucos pode estar contribuindo para a atual epidemia de obesidade, algo que parece ocorrer tanto em adultos como em crianças. Em adultos, um estudo de Pan e colaboradores apontou, na revista International Journal of Obesity em 2013, que o consumo de água no lugar de bebidas açucaradas ou sucos está relacionado a um menor risco de obesidade no longo prazo. E em crianças algo similar foi observado em uma pesquisa publicada em junho de 2016 na revista Pediatric Obesity e em um importante artigo intitulado Reduciendo la Obesidad Infantil Mediante la Eliminación de los Zumos de Fruta 100%(American Journal of Public Health). No caso das crianças, de fato, existem poucas dúvidas sobre a importância de limitar seu consumo. Assim, em um prestigiado guia publicado em 2007 lemos que convém limitar o consumo de sucos 100% (ou seja, que têm a fruta como seu único ingrediente) por crianças. Trata-se de um guia que reflete o consenso de doze sociedades científicas de referência, entre elas a Academia Norte-americana de Pediatria, a Associação Médica Nacional, a Associação Norte-americana do Coração, a Sociedade de Endocrinologia e a Sociedade da Obesidade (antes NAASO).
Alguns especialistas defendem que, no máximo, uma das cinco rações diárias de frutas e hortaliças pode provir de sucos de fruta. Em outubro de 2016, o portal MedlinePlus (um serviço da Biblioteca Nacional de Medicina dos EUA) alertou que os adultos podem engordar até cinco quilos por ano se tomarem dois copos de suco de laranja por dia, mesmo mantendo estáveis a alimentação e as atividades físicas habituais.
Também existem dados que relacionam o consumo de sucos de fruta ao risco de cárie dental. Em resumo, devemos matar a sede com água, e não com suco, e consumir frutas em sua forma original, tal como sai da árvore.
Fonte:MSN

Azeite- Qual o melhor para a saúde?

Você já deve ter ficado um tempão escolhendo um azeite no mercado e reparado que existem 3 tipos de azeite disponíveis nas gôndolas: Azeite de OlivaAzeite de Oliva Virgem e Azeite de Oliva Extra Virgem. Uma profusão de preços, embalagens e um monte de informação que você ouviu alguém falar sobre um que faz bem, outro que é mais “puro”, aquele que não pode esquentar, e por aí vai.



COMO É FEITO O AZEITE DE OLIVA
Os diferentes tipos de azeite dependem da qualidade da azeitona, da atenção na colheita, do armazenamento, do processo de extração, enfim, de todo o cuidado desde a árvore até sua mesa.
As oliveiras dão frutos uma vez ao ano, sendo colhidas normalmente no outono (no Brasil a colheita se inicia um pouco antes, no fim do verão). Após a colheita, as azeitonas vão ao lagar, local onde seu óleo (azeite extra virgem) é extraído, tanto da polpa quanto do caroço.
Atualmente, pode-se dizer que todo azeite extra virgem é “extraído à frio” (até 28.C para ser exato), porém nem todo azeite extraído a frio é extra virgem. E a prensa, bem, esta tem uma atividade muito, mas muito residual na produção de azeites hoje. Ela é utilizada apenas em lugares remotos, super antigos e tradicionais de produção. Nem os produtores que hoje chamamos de artesanais, pelas suas pequenas produções, utilizam mais este método.
O método mais moderno é o de extração contínua, que existe há mais ou menos 30 anos. Neste processo, as frutas são moídas com um moinho de pedra (sem animais, mais higiênico) ou por martelos em máquinas específicas para esta moagem. Forma-se uma pasta, que fica em uma espécie de batedeira onde as gotículas de óleo vão se juntando. Depois, esta mistura vai para uma centrífuga que separa a polpa da água e do óleo. Tudo é feito por meio de uma máquina onde tempo e temperatura são controlados. Temos aqui uma única “prensa”. Todo azeite que passa por este processo é considerado azeite da categoria virgem. Dentro desta categoria encontram-se os tipos: extra virgem, virgem e lampante.
Antigamente, o azeite era feito em lagares com moinhos de pedra para amassar a fruta. Estes eram movidos por animais ou pessoas e as prensas hidráulicas extraiam óleo de capachos cheios da pasta da moagem. Este método hoje quase não é mais utilizado. E existem vários motivos para isto, o principal deles, a qualidade do azeite. Nesta época foi criada a expressão “primeira prensa à frio” referindo-se ao azeite extra virgem, que até hoje você encontra em algumas embalagens. Naquele tempo a pasta era prensada diversas vezes para de extrair todo o azeite da polpa. Logo, o primeiro seria extra virgem e, portanto, de melhor qualidade, de acordo com o que se conhecia na época.
OS DIFERENTES TIPOS DE AZEITE
A qualidade do azeite depende de alguns fatores: a qualidade da fruta, o cuidado durante a colheita, o tempo de armazenamento da fruta até a extração, a extração controlada, o armazenamento do azeite, dentre outros. Por isso, o azeite deve passar por análises químicas e sensoriais para daí sim, ser classificado pelo seu tipo. As análises químicas típicas de um azeite virgem medem a degradação da gordura e sua oxidação. A mais conhecida, porém não a única, é a acidez.
Já os parâmetros sensoriais dizem respeito ao sabor e aroma do azeite.  Alguns problemas durante o processo de extração podem não ser identificados por testes químicos, apenas por profissionais treinados em degustação do produto.
Importante ressaltar que o azeite extra virgem é o que apresenta menores valores químicos. Mas também não pode ter defeitos sensoriais, sentindo-se somente o frescor da fruta.
azeite de oliva extra virgem é o resultado de um lindo trabalho de um ano inteiro dedicado àquelas árvores e frutos, com uma colheita sincronizada e cuidadosa, um processo de extração rigoroso, envasamento cauteloso e armazenamento adequado.  Tudo para que o azeite extra virgem esteja na sua melhor forma para fazer bem tanto para saúde quanto para o paladar.
Já o azeite do tipo virgem tem limite de acidez maior e/ou alguns defeitinhos no seu aroma. Isto indica que houveram falhas durante este processo e, portanto, o azeite não é perfeito.
O azeite lampante possui índices químicos tão altos e/ou defeitos sensoriais tão marcantes que o tornam impróprio para o consumo humano e deve passar por um processo de refino para corrigir os aspectos indesejados. Este azeite refinado é misturado com azeite de oliva virgem (dos tipos extra virgem ou virgem) resultando em um produto próprio para consumo. Este é o azeite de oliva que encontramos na gôndola, e na sua lista de ingredientes devem constar: azeite de oliva refinado e azeite de oliva virgem ou azeite de oliva extra virgem.
O azeite de oliva é um óleo refinado, assim como o óleo de soja, ou como o óleo de canola, porém com uma diferença: é composto basicamente por gordura monoinssaturada provenientes de um fruto (a oliva) e, portando melhor para a saúde do que outros óleos refinados. A acidez, então, não é uma única coisa que define a qualidade do azeite, mas sim um conjunto de elementos que fazem com que um azeite seja melhor que o outro, sendo a degustação do azeite muito importante.
Fonte: MSN