terça-feira, 22 de janeiro de 2019

O que é nutrição comportamental?

Resultado de imagem para nutrição comportamental


O interesse sobre o que é nutrição comportamental tem aumentado bastante nos últimos tempos, graças a uma crescente movimentação dos profissionais da área para entender mais os hábitos e comportamentos que interferem na saúde e, consequentemente, no peso das pessoas.
No Brasil, a popularização do tema começou recentemente com a nutricionista Marle Alvarenga, coordenadora do Grupo Especializado em Nutrição, Transtornos Alimentares e Obesidade (Genta) e uma das idealizadoras do Instituto Nutrição Comportamental.
No entanto, o comportamento alimentar já vem sendo estudado há muitos anos por psicólogos e sociólogos, como os queridos Paul Rozin (americano) e Claude Fischler (francês). Eles foram uns dos primeiros a notar que as pessoas não escolhem os alimentos somente pela razão.
Enquanto isso, a Nutrição ainda tinha uma visão reducionista e, por muitas décadas, se baseou apenas na categorização dos alimentos por seu valor nutricional.
Podemos dizer que passamos a saber o que é nutrição comportamental e a usar essa nomenclatura quando descobrimos que poderíamos mesclar todos esses conhecimentos.
Eu particularmente nunca acreditei na contagem de calorias e nem em dietas restritivas, mas sim, na importância de rever o estilo de vida como um todo e na reeducação alimentar.
Isso não quer dizer que nós, que atuamos com essa abordagem mais comportamental,  não usamos mais nada da Nutrição clássica. Porém, ela é baseada em princípios como restrições, proibições, contagem de calorias e uma abordagem muito focada no peso e na balança, coisas que se opõe totalmente ao que é a nutrição comportamental.
A abordagem clássica não trouxe  resultados duradouros e hoje está bem estabelecido que 95% das pessoas fracassam com essas práticas.
Precisamos ampliar nossa visão e lembrar que o ser humano se nutre de alimentos e sentimentos. Quando falamos sobre o que é nutrição comportamental, consideramos o peso e outras coisas também.
Porque é claro que o peso é um critério importante; mas também procuramos entender o contexto social em que o paciente se insere, os hábitos, o histórico, o estilo de vida que leva, entre outros fatores.
Podemos dizer que essa abordagem é mais focada no indivíduo e na sua relação com a comida. O tratamento envolve ajudar a pessoa a recuperar autonomia, ou seja, suas noções de fome e saciedade e voltar a comer de forma mais consciente.
Eu me apoio bastante nos princípios do Mindful Eating (Alimentação Consciente) para ajudar as pessoas a fazerem as pazes com a comida.

Fonte: Sophie Deram
Com muitos anos de estudos e experiência com pacientes individuais e em grupo, venho fazendo grupos de apoio ao emagrecimento (GAE) para ajudar as pessoas com excesso de peso a enfrentar esta luta de uma forma diferente , com resultados mais duradouros, trabalhando a mente e novos hábitos. Reforçando a reeducação alimentar. Neste processo, utilizo algumas técnicas de Coaching nutricional e dicas práticas para aprenderem de forma lúdica como lidar com a perda de peso.
Estou abrindo inscrições para grupos em Botafogo e Copacabana ( horários manhã e tarde). Garanta sua vaga, pois são limitadas!
Serão sessões de 1 hora, quinzenais. Aqueles que estiverem interessados, entrem em contato para maiores detalhes> Tel: 21-998444298 ( zap) ou por aqui.
Aguardo vocês!
Patrícia Mendes

domingo, 20 de janeiro de 2019

Nutrição comportamental começa desde cedo!Comer sem distração deve ser uma das primeiras preocupações



Sim, nos dias de hoje, essa deve ser uma das primeiras preocupações dos responsáveis desde o início da introdução de novos alimentos na vida de bebês de 6 meses. Em busca do “prato vazio a qualquer custo” as telas ajudam a distrair a criança enquanto sua refeição é “empurrada” muitas vezes em quantidade e qualidade diferentes de suas necessidades. 
E é aí que nasce um grande problema de comportamento alimentar que hoje está intimamente relacionado á obesidade: o Mindless Eating ou seja, comer sem atenção. Quem não presta atenção ao que come, come mais, não sente sabor e odor e prejudica a sensação de saciedade. Hoje o Mindless Eating vem sendo combatido pela tendência “Mindfull” que prega atenção plena ás nossas atitudes, incluindo ao comer, ou seja, “Mindfull eating”
É na infância que esse problema deve ser prevenido com uma atitude: desligar as telas durante as refeições.

A distração mais usada para que os bebês comam tudo são a TV e os Tablets, ambos com o mesmo poder de distração piorado com a possibilidade do malefício da exposição á publicidade infantil.
O que fazer: deixe que o bebê interaja com o próprio alimento enquanto come. Podem ser usados pedaços de alimentos inteiros ou amassados para que o bebê sinta textura, odor e sabor ou use uma colher para que ele mexa na comida livremente. 
A bagunça com a comida é inevitável, mas neste caso é muito positiva.

Fonte: Abeso
Link: http://bebês, criança,obesidade,infância, mindfull eating, mindless eating

Criança: O que é mais importante? O objetivo não é o prato vazio e sim a relação com a comida



Quando o objetivo é ver o prato vazio, ou seja, fazer a criança aceitar tudo o que está sendo oferecido, “vale tudo” para que a criança coma: distração, trocas, barganhas, ameaças. Esse pode ser um caminho muito inadequado porque não respeita os sinais da criança e impede que ela desenvolva suas próprias impressões sobre os alimentos.
 Quando a criança tem sua fome e saciedade respeitadas, quando tem a oportunidade de aprender a comer sozinha e de experimentar novos alimentos, quando a criança não é forçada a comer e aprende a comer quando está com fome e não comer quando está satisfeita é possível se construir uma relação mais prazeirosa com as refeições e livres de questões que estão além da nutrição infantil.
 O que fazer: antes de mais nada lembre-se que cuidar e alimentar são ideias diferentes. Nossa cultura confunde o ato de cuidar com o ato de alimentar e nesse sentido sempre existe o risco de se cair na velha armadilha: “quem alimenta mais cuida melhor”. 
Aceite que o prato nem sempre estará vazio. Isso é respeito e não tem nada a ver com desempenho materno. Outro erro comum dos adultos é transferir suas impressões sobre os alimentos para as crianças, o que pode perpetuar erros alimentares por gerações. Bebês não “tem vontade” de comer esse ou aquele alimento pelo simples fato de não conhecerem o alimento. Eles apenas estão curiosos por tudo. 
Nossa relação com o determinado alimento, não precisa ser a relação da criança com esse alimento. Tudo depende da idade, frequência, situação em que será oferecido e do valor que isso é atribuído social, emocional e nutricionalmente a cada alimento. 
Comer é um ato vital que essa criança fará pelo resto de sua vida, é justo que tenha a oportunidade de aprender a fazer boas escolhas num mundo que oferecerá de tudo.

Fonte: Abeso

Link: http://criança, fome e saciedade, prato vazio, nutrição infantil

sexta-feira, 18 de janeiro de 2019

Pão Low Carb de Parmesão

pao_low_carb_1


Receita de Pão Low carb deliciosa!
Ingredientes:
3 ovos
1 xícara de farinha de amêndoas
1 pacote de 50 gramas de queijo parmesão ralado fino
3 colheres de sopa de água
3 colheres de sopa de nata ou creme de leite sem soro
1 colher de sopa rasa de fermento em pó

Pão low carb | Passo a passo

  1. Bata os ingredientes com exceção do fermento em um liquidificador.
  2. Acrescente o fermento e bata para incorporar.
  3. Disponha a mistura em uma forma retangular, daquelas de bolo inglês.
  4. Asse em forno a 200 graus, por 30 minutos ou até dourar.
Fonte:Vida Low Carb

Que tal fazer uma parada no consumo de álcool? Veja os benefícios!

O ‘janeiro seco‘ (tradução livre da expressão em inglês Dry January) incentiva as pessoas a não beberem álcool por um mês no início do ano. Embora tenha sido criada pela ONG britânica Alcohol Change United Kingdom, milhares de pessoas em todo o mundo se comprometem a participar da iniciativa anualmente. Além de servir como um ‘detox‘ após possíveis excessos durante as festas de final de ano, um novo estudo acaba mostrar que os efeitos benéficos de 31 dias de abstinência se estendem pelos meses posteriores à iniciativa.
Pesquisadores da Universidade de Sussex, em Falmer, no Reino Unido, analisaram dados de três pesquisas on-line com pessoas que haviam aderido ao janeiro seco. Os resultados mostraram que a abstenção de álcool por um mês trouxe benefícios como aumento de energia, peso corporal mais saudável, mais concentração e menos necessidade de beber álcool nos meses posteriores à iniciativa.
Resultado de imagem para bebida alcoolica
“O simples ato de tirar um mês de folga do álcool ajuda as pessoas a beberem menos em longo prazo. Em agosto, as pessoas estão relatando um dia seco adicional por semana. Também há benefícios imediatos consideráveis: nove em cada dez pessoas economizam dinheiro, sete em cada dez dormem melhor e três em cinco perdem peso,”, disse Richard de Visser, autor da pesquisa, ao site especializadoMedical News Today.

Uma longa lista de benefícios

  • 93% dos participantes relataram ter um sentimento de realização no final do mês sem álcool
  • 88% tinham economizado o dinheiro que eles gastariam em bebidas
  • 82% dos participantes relataram uma maior consciência de sua relação com o álcool
  • 80% se sentiram mais no controle de seus hábitos de bebida
  • 76% entenderam quando se sentiram mais tentados a beber e por que
  • 71% dos participantes aprenderam que não precisavam de álcool para se divertirem
  • 71% disseram que desfrutaram de uma melhor qualidade de sono
  • 70% relataram melhor saúde geral
  • 67% tinham níveis de energia mais altos
  • 58% dos participantes perderam peso
  • 57% relataram melhor concentração
  • 54% disseram que notaram melhor saúde da pele

Efeitos duradouros

Os pesquisadores ressaltaram que esses benefícios também foram observados naqueles que ficaram sem bebida alcoólica por períodos mais curtos. “Curiosamente, essas mudanças no consumo de álcool também foram observadas nos participantes que não conseguiram ficar o mês inteiro sem consumir bebida alcoólica – embora sejam um pouco menores. Isso mostra que há benefícios reais em apenas tentar completar o Janeiro Seco”, enfatiza o pesquisador.
“A coisa brilhante sobre o Janeiro Seco é que não é realmente sobre janeiro. Abster-se de álcool por 31 dias nos mostra que não precisamos disso para nos divertir, relaxar, socializar. […] Isso significa que, pelo resto do ano, estaremos mais aptos a tomar decisões sobre como bebemos e evitar fazer isso mais do que realmente queremos”, disse Richard Piper, CEO da Alcohol Change UK.
Que tal fazer isto também e sentir estes benefícios?
Fonte:MSN

quarta-feira, 16 de janeiro de 2019

Diverticulite- Como evitar?

A diverticulite aguda é a inflamação e infecção dos divertículos, que são pequenas pregas ou sacos que surgem nas paredes do intestino, especialmente na última porção do cólon.
Estes divertículos, geralmente, surgem em adultos com mais de 40 anos de idade e não provocam sintomas, sendo que esta condição é chamada de diverticulose. Também é mais comum em pessoas que fazem uma dieta pobre em fibras ou que sofrem de prisão de ventre crônica. Saiba quais são as causas e os sintomas da diverticulose.
Entretanto, quando os divertículos inflamam, podem surgir sintomas como dor no abdômen, especialmente na parte inferior do lado esquerdo, náuseas, vômitos, febre, prisão de ventre ou diarreia e, nestes casos, deve-se ir imediatamente ao pronto-socorro para tratamento e evitar complicações como perfuração do intestino e infecção do organismo, que podem colocar a vida em risco.

Como saber se é diverticulite

Os sintomas que podem alertar para uma crise aguda de diverticulite incluem:
  • Dor abdominal, especialmente na parte inferior do lado esquerdo, que pode ser constante e persistir durante vários dias;
  • Períodos de diarreia ou de prisão de ventre;
  • Sensibilidade no lado esquerdo do abdômen;
  • Enjôo e vômitos;
  • Febre e calafrios.
A intensidade dos sintomas varia de acordo com a gravidade da inflamação, que, se for leve, pode passar despercebida. Entretanto, na presença desses sintomas é importante ir ao pronto-socorro, onde o médico irá avaliar os sintomas e, se necessário, realizar exames de ultrassom ou tomografia do abdômen, e exames de sangue que detectam inflamação e infecção no intestino.

Como tratar

O tratamento para diverticulite é orientado pelo gastroenterologista ou clínico geral, e é feito com:
  1. Uso de antibióticos, como Ciprofloxacino e Metronidazol, para controlar a infecção, durante cerca de 10 dias;
  2. Uso de analgésicos, como o Paracetamol ou anti-inflamatórios, como Ibuprofeno, por exemplo, para alívio do desconforto abdominal;
  3. Cuidados com a dieta, que nos primeiros 3 dias, deve ser em jejum ou líquida, e só depois ir adicionando gradualmente alimentos sólidos, para não aumentar a pressão dentro do intestino.
À medida que a inflamação dos divertículos e os sintomas vão diminuindo, o paciente deve ir introduzindo nas suas refeições diárias alimentos ricos em fibras, como frutas e vegetais frescos ou cereais integrais, por exemplo, de forma a evitar que os divertículos inflamem novamente.
Quando a pessoa é capaz de seguir bem as orientações e quando o quadro está leve, este tratamento pode ser feito em casa, entretanto, no caso de diverticulite aguda complicada, é importante a internação para realização de medicamentos na veia e avaliação da possibilidade de cirurgia.

Como evitar

Para prevenir a formação de divertículos no intestino grosso, ou impedir novas crises de diverticulite, é importante ter uma alimentação rica em fibras, pois elas estimulam o funcionamento e limpeza do intestino, e impedem que suas paredes fiquem enfraquecidas e se formem novas pregas.
Para um bom funcionamento do intestino, também é muito importante beber bastante líquidos ao longo do dia, sendo em média 2 litros de água, além de comer devagar e mastigar bem antes de engolir.
Fonte: Tua Saúde
Quer saber mais?
Preparei um ebook para você com todas as dicas e receitas para conviver ou evitar a Diverticulite.
Acesse o link e aquira já seu exemplar com um um bônus de caderno de receitas:



sábado, 12 de janeiro de 2019

Receitas de Drinks sem álcool

 Neste verão quente nada melhor do que tomar umas bebidas geladas!
Drink Água de Coco
Slide 1 de 9: Ingredientes300ml de água de coco1 Limão2 folhas de couve sem talo1 fatia grande de melãoModo de preparoApenas misture todos os ingredientes em uma coqueteleira, sirva em um copo decorado.Fonte da receita: Site Green Me
Ingredientes

  • 300ml de água de coco
  • 1 Limão
  • 2 folhas de couve sem talo
  • 1 fatia grande de melão

  • Modo de preparo
    Apenas misture todos os ingredientes em uma coqueteleira, sirva em um copo decorado.
    Drink de Morango


    Brigadeiro light de Whey protein


    Ingredientes
    2 xícaras de chá de água fervente
    1 xícara de chá de leite em pó desnatado
    1 dose de Whey Protein sabor chocolate
    3 colheres de sopa de achocolatado light
    3 colheres de sopa de adoçante culinário
    1 colher de sopa de manteiga light
    Modo de preparo
    Bata todos os ingredientes no liquidificador. Leve ao fogo e vá mexendo o conteúdo até que ele ferva. Quando começar a desprender da panela, está pronto. Deixe esfriar e coma de colher ou enrole.
    Veja outras receitas e artigos de nutrição e saúde na minha fanpage; Nuttrisaude e siga meu Instagran: patriciamendes5897
    Gostou da receita? Faça seus comentários.

    Fonte: MSN

    quinta-feira, 10 de janeiro de 2019

    Jacou? Que tal uma dieta detox por dois dias antes de entrar numa alimentação saudável?

    Muita comida, muita bebida, e o dia seguinte já começa com gosto de ressaca. Para se livrar desse peso físico e moral, siga por dois dias uma dieta desintoxicante, que limpa o organismo e ajuda a perder medidas depois destas festas de fim de ano!


    Cardápio Dieta Detox

    Primeiro Dia


    Ao acordar
    1 copo (200 ml) de água misturado com suco de 1/2 limão sem açúcar e sem adoçante.

    Café da manhã
    Suco detox feito com 1 banana média, suco de 2 laranjas, 1 fatia média de mamão, 1 colher (sopa) de linhaça e 1 copo (200 ml) de água filtrada. Bata no liquidificador e beba sem açúcar e sem adoçante.

    Lanche da manhã
    Suco detox feito com 1 folha de couve-manteiga, suco de 1 limão, 1 fatia média de abacaxi, 1 copo (200 ml) de água e 1 lasca de gengibre. Bata tudo no liquidificador e beba sem açúcar e sem adoçante.

    Chá da manhã
    1 xícara de chá de capim-limão

    Almoço
    1 prato (fundo) de sopa detox (receita abaixo). 

    Lanche da tarde 1
    1 copo grande (250 ml) de suco de acerola batido com morango sem açúcar e sem adoçante

    Chá da tarde
    1 xícara de chá de hibisco com cravo

    Lanche da tarde 2
    Suco feito com 1 cenoura com casca, 1/4 de copo (50 ml) de suco de maracujá concentrado, 1 fatia média de abacaxi, 1 colher (sopa) de quinua em focos, 1 pitada de canela em pó e 1 copo (200 ml) de água filtrada. Bata tudo no liquidificador e beba sem açúcar e sem adoçante.

    Jantar
    1 prato (fundo) de sopa detox. 

    Ceia
    1 copo (200 ml) de água de coco

    Segundo Dia

    Ao acordar
    1 copo (200 ml) de água com suco de 1/2 limão sem açúcar e sem adoçante.

    Café da manhã
    Shake feito com 1 copo grande (250 ml) de leite de soja light, 3 ameixas secas, 1 fatia média de mamão, 1/2 maçã com casca e 1 colher (sopa) de aveia em flocos. Bata todos os ingredientes no liquidificador e beba sem açúcar e sem adoçante.

    Lanche da manhã
    Suco detox feito com 1 xícara (chá) de melancia, 1 copo grande 
    (250 ml) de água de coco, suco de 1 limão e 6 folhas de hortelã. Bata tudo no liquidificador e beba sem açúcar e sem adoçante.

    Chá da manhã
    1 xícara de chá de capim-limão

    Almoço
    1 prato (fundo) de sopa detox. 

    Lanche da tarde 1
    1 copo (200 ml) de suco de maçã natural com gotas de limão sem açúcar e sem adoçante.

    Chá da tarde
    1 xícara de chá de hibisco com cravo

    Lanche da tarde 2
    Suco diurético feito com 1 copo grande (250 ml) de chá verde gelado, 1 fatia grossa de melão, 1 maçã com casca, suco de 1 limão e 3 folhas de capim-limão fresco. Bata tudo no liquidificador, coe e beba sem açúcar e sem adoçante.

    Jantar
    1 prato (fundo) de sopa detox. 

    Ceia
    1 copo (200 ml) de água de coco


    Sopa Detox de Abóbora
    Ingredientes
    •         ½ abóbora japonesa descascada e picada
    •         1 cebola picada
    •         3 dentes de alho
    •         1 pedaço de gengibre picado
    •         água fervente
    •         azeite extravirgem
    •         2 colheres de sopa de óleo
    •         1 colher de chá de sal
    •         pimenta-do-reino a gosto

    Modo de Preparo
    1 – Numa panela funda, aqueça o óleo e refogue o alho e a cebola.
    2 – Junte a abóbora picada e refogue mais um pouco. Acrescente o gengibre picado e refogue mais um pouco.
    3 – Coloque a água fervente até cobrir todos os ingredientes. Cozinhe até a abóbora começar a desmanchar.
    4 – Retire do fogo, espere amornar.
    5 – Bata no liquidificador até conseguir uma consistência homogênea.
    6 – Coloque a mistura novamente na mesma panela e leve ao fogo para aquecer, cerca de 3 minutos.
    7 – Sirva com um fio de azeite.
    Rendimento: 2 porções/ Tempo de Preparo: 30 minutos/ Calorias: 85 kcal cada porção
    Fonte: Glamour

    Alimentos que ajudam a diminuir depressão na terceira idade!

    A alimentação na terceira idade exige muitos cuidados para uma vida mais saudável e independente. A nutrição é um ponto-chave que pode ajudar a produzir mais serotonina, aumentando o bom humor e ajudando no combate da depressão em idosos e adultos.  Entretanto vale lembrar que ela em si não substitui o tratamento da doença, que ocorre, geralmente, com o uso de medicamentos e psicoterapias.
    Resultado de imagem para alimentos que diminuem depressão
    A geriatra Flavia Barros cita alguns alimentos que melhoram o humor e são excelentes coadjuvantes para dar uma “forcinha” contra transtornos depressivos, principalmente em idosos. São eles:

    1. Castanha-do-pará ou nozes

    São ricas em selênio, um poderoso agente antioxidante. Elas colaboram para a atenuação dos sintomas de depressão, auxiliando na redução do estresse. Para a alimentação na terceira idade, as quantidades diárias recomendadas são de duas a três unidades de castanha-do-pará, cinco de nozes ou dez a 12 unidades de amêndoas. Ambas as castanhas fornecem 200 microgramas de selênio de forma segura, importantes cofatores pra serotonina.

    2. Frutas cítricas

    Essa classe é rica em triptofano, aminoácido que ajuda na produção do neurotransmissor serotonina, responsável pela regulação do humor, do apetite, entre outras funções. É recomendado o consumo de três a cinco porções de frutas todos os dias. Todas são ricas em ácido fólico, cujo consumo está associado a menor prevalência de sintomas depressivos.
    Além disso, por serem rica em vitamina C, as frutas cítricas promovem o melhor funcionamento do sistema nervoso, garantindo a energia, ajudando a combater o estressee prevenindo a fadiga.
    © Shutterstock.com

    3. Salmão, atum, bacalhau e sardinha

    Ricos em ômega-3, esses são exemplos de pescados que melhoram os sintomas de depressão, auxiliam na redução do colesterol, mantendo os níveis da pressão arterialestáveis, e fortalecem o sistema imunológico de pessoas na terceira idade. Os nutricionistas recomendam entre uma e duas porções por dia, principalmente de peixes como atum e salmão.
    O processo de digestão das proteínas desses peixes fornecem um aminoácido conhecido como tirosina, que está relacionado também com a produção de dopamina e adrenalina, substâncias que promovem o estado de alerta e sensação de bem estar.

    4. Folhas verde-escuras

    Estudos mostram que essas verduras apresentam alto teor de folato, importante vitamina do complexo B, B1, B6. O recomendado é a ingestão diária de três a cinco porções.

    5. Aveia

    Este cereal, considerado como o mais completo, é uma fonte rica em vitaminas B1, B6 e ácido fólico, substâncias que melhoram a digestão e equilibram os níveis de açúcar no sangue, para evitar recaídas dos sintomas de depressão, promovendo o equilíbrio da serotonina no corpo, juntamente com seus cofatores necessários.
    São indicas duas a três colheres por dia junto com iogurte ou leite desnatado. Esses últimos são ricos em cálcio, também fonte de importante cofatores de serotonina, auxiliando em conjunto no combate a depressão.

    Além dessas dicas para a alimentação na terceira idade, apresentamos o Viva Leve, um programa que proporciona mais energia e disposição. A gente garante: seu corpo e bolso agradecem!
    Fonte: MSN